sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021

COMENTÁRIO: O treinamento militar do Irã de acordo com um iraniano

Por Justen Charters, Coffee or Die, 1º de março de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de fevereiro de 2021.

Nota do autor: A República Islâmica do Irã não tem relações diplomáticas com os Estados Unidos. No Irã, a mídia e a internet são monitoradas de perto pelo governo. No entanto, é impossível monitorar todo mundo. E às vezes, apesar do tremendo risco envolvido, um iraniano está ansioso para compartilhar sua história e revidar a propaganda generalizada que o governo do Irã usa para controlar seu povo.

A vasta base militar ficava nos arredores de uma pequena cidade. O solo estava quase congelado. Não havia uma única árvore ou vegetação à vista. Edifícios de concreto compunham o complexo onde Farhad (pseudônimo) receberia seus dois meses de treinamento militar obrigatório. Ele usava um uniforme marrom claro e verde escuro, um cinto e um par de botas de combate de fabricação ruim.

Primeiro, Farhad marchou por um tempo. Depois disso, sua foto foi tirada, junto com os outros recrutas. Ele então foi levado ao seu alojamento e beliche. Embora muitos campos de treinamento no Irã não permitam deixar a base, ele tinha permissão para voltar para casa todo fim de semana.

“Os soldados precisam de comida. A comida deles era uma merda - arroz com pedacinhos de carne - e isso ajudava a diminuir as despesas”, disse.

A comida pode ter sido ruim, mas permanecer ligado à família foi um dos benefícios. Ele e os outros podiam ligar para casa a qualquer hora depois das cinco da tarde, usando as cabines telefônicas instaladas no terreno da base.

Quanto ao treinamento que recebeu, Farhad chamou de “piada”, principalmente a parte de tiro.

A arma que ele recebeu - um fuzil Heckler & Koch G3 - existe desde 1959. Se ele fizesse parte do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC, ou Sepâh), teria recebido um AK-47. De acordo com Farhad, você sai da base uma vez e atira uma dúzia de balas. Seus resultados são escritos em um cartão de pontuação e, em seguida, ele está de volta à ficar marchando. “Você marcha muito”, lembrou.

"Eles não estão tentando formar soldados. Eles querem uma força de trabalho."

Soldados iranianos em um quartel de treinamento básico. Captura de tela do vídeo postado no Youtube por Persian_boy.

Farhad descreveu ainda mais o que aprendeu sobre armas: “Não muito. Alcance efetivo. Alcance de fogo total. Calibre. Cadência de tiro. Peso. Quantas balas eles levam. Como descarregar. Como mirar. Como verificar uma arma com segurança. Como limpar sua arma. Como transportá-la. Quantas maneiras existem para carregá-la. Diferentes tipos de armas nas forças armadas. Coisas assim."

Além disso, ele não recebeu nenhum treinamento de combate desarmado ou treinamento médico. “Eles não estão tentando formar soldados. Eles querem uma força de trabalho ”, disse Farhad.

Mais do que realmente treinar em combate ou tática, a República Islâmica do Irã está interessada em criar soldados submissos à sua ideologia religiosa. Farhad disse que a doutrinação religiosa era uma parte importante da sua experiência de treinamento, mas ele e muitos outros não levavam os sermões a sério. Na verdade, eles questionariam e zombariam da palestra do mulá sempre que tivessem a chance.

“Os mulás realmente ficaram frustrados conosco”, disse Farhad. “Ninguém se importava com eles e zombava deles quando podia e ria e discutia com eles e apontava buracos em seus argumentos o tempo todo.”

Quando questionado se isso resultou em punições para ele ou qualquer outra pessoa envolvida, Farhad disse que não. “Não tivemos problemas. Quase todo mundo estava fazendo isso.”

Mesmo os graduados (sargentos) na base não seguiam as regras escritas que o regiam.

Em uma noite de serviço, Farhad sentiu um cheiro estranho. Havia um lugarzinho fora do refeitório que estava quase totalmente bloqueado e, quando ele olhou para fora, viu dois sargentos fumando. Não demorou muito para descobrir que estavam fumando maconha, o que é um crime para um soldado do exército iraniano. Ele investigou mais pela manhã, encontrando restos de dezenas de charutos de maconha no chão.

Soldados iranianos marchando. Captura de tela do vídeo postado no Youtube por Persian_boy.

As botas de Farhad e o frio gélido deram-lhe os maiores problemas, no entanto. Além das bolhas nos pés por causa das marchas, ele também teve uma infecção para tratar. E apesar do frio que fazia, as forças armadas não forneciam roupas quentes o suficiente para seus recrutas. Durante um serviço de guarda particularmente frio, ele e os outros do detalhe de serviço dividiram um único poncho, cada um usando-o por alguns minutos para se aquecer.

Quando o treinamento foi concluído, houve uma cerimônia em que todos se vestiram melhor, mas, ao contrário da graduação do treinamento básico nos Estados Unidos, a família e os amigos não foram autorizados a comparecer. Que ele se lembre, apenas um recruta não conseguiu completar o treinamento.

Farhad então passou dois anos no exército iraniano, o que apenas solidificou a impressão negativa que ele já tinha.

“É um sistema tão ruim, não confiável e quebrado”, disse ele. “Sempre que vejo esses sites falando sobre o poderio militar do Irã, dou risada. Eles não têm ideia do que estão falando.”

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Irã envia a maior frota de petroleiros de todos os tempos para a Venezuela15 de dezembro de 2020.

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?4 de janeiro de 2020.

O papel da América Latina em armar o Irã16 de setembro de 2020.

A Venezuela está comprando petróleo iraniano com aviões cheios de ouro, 8 de novembro de 2020.

O desafio estratégico do Irã e da Venezuela com as sanções13 de setembro de 2020.

As Forças de Defesa de Israel fazem uma abordagem ampla ao lidar com a ameaça iraniana16 de dezembro de 2020.

Com a série de espiões "Teerã", os israelenses alcançam um inimigo1º de outubro de 2020.

GALERIA: A Uzi iraniana3 de março de 2020.

A influência iraniana na América Latina, 15 de setembro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário