sexta-feira, 23 de abril de 2021

O Leclerc na Jordânia

O rei Abdullah II posando com os Leclerc durante o exercício Cidadela de Saladino, 19 de outubro de 2020.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de abril de 2021.

O Reino da Jordânia é o mais novo operador dos carros franceses Leclerc e fez a sua primeira manobra com os novos tanque no exercício Qaleatan Salah al-Diyn (Cidadela de Saladino/Salad al-Din), com a presença de sua majestade real Abdullah II bin Al-Hussein, em 19 de outubro de 2020.

O MBT Leclerc leva o nome do General Philippe Leclerc de Hauteclocque, conquistador do forte de Kufra e libertador de Paris e Estrasburgo na Segunda Guerra Mundial. Seu novo nome no Exército Jordaniano é Zayed.


O rei Abdullah II inspecionando a torre de um Leclerc, 19 de outubro de 2020.

Os carros Leclerc jordanianos durante o exercício, 19 de outubro de 2020.

Conforme noticiado pela primeira vez pelo blog Blablachars em 15 de setembro de 2020, a Jordânia recebeu uma doação de 80 carros de combate principais Leclerc do seu "primo rico", os Emirados Árabes Unidos. Esse número de tanques permitiu ao Reino Haxemita, sediado em Amã, equipar dois dos seus quatro batalhões de tanques no Comando Central do exército jordaniano. Com um efetivo estimado de 13-15 mil homens, o Comando Central Jordaniano é uma grande unidade de armas combinadas contendo duas brigadas blindadas:

40ª Brigada Blindada "Rei Hussein" 
- 2º Batalhão de Tanques Real
- 4º Batalhão de Tanques "Príncipe Ali Bin Al Hussein"

60ª Brigada Blindada "Príncipe Hassan"
- 3º Batalhão de Tanques Real
- 5º Batalhão de Tanques Real

Essas duas brigadas foram transferidas da antiga 3ª Divisão Blindada "Rei Abdullah II", criada em 1969 e dissolvida na reorganização de 2018. Todas essas unidades estão equipadas com tanques mais antigos, como o Tariq (Centurion), o M60A1, o Al-Khalid (Chieftain) ou o Al-Hussein (Challenger 1).

Insígnia de ombro do Comando Central jordaniano.

Organograma do Comando Central jordaniano.
O Comando Central controla unidades regionais do Mar Morto ao Rio Zarqa ao norte de Salt. O atual chefe do Comando Central é o Brigadeiro-General Adnan Ahmed Al-Raqqad.

Pelo menos quatro tanques Leclerc podem ser vistos em ação no exercício, ao lado de obuseiros M109, tanques M60 Patton, sistemas de artilharia WM-120 MRLS de fabricação chinesa e veículos ZSU-23 -4 Shilka de origem soviética.

Em paz com Israel, porém, a Jordânia continua confrontada com um ambiente instável com a Síria e o Iraque, países com muitos tanques, alguns deles de última geração como o T-90. A abordagem dos Emirados Árabes Unidos certamente favorecida pelas relações entre os líderes dos dois países também se beneficiou da normalização das relações entre Jerusalém e Abu Dhabi, empreendida durante vários meses e materializada pelo recente acordo entre os dois países.

“Pela primeira vez, o tanque Leclerc [Zayed] foi usado no exercício. Entrou em serviço este ano [de 2020], graças às relações fraternas e estratégicas entre a Jordânia e os Emirados Árabes Unidos, como complemento qualitativo das armas e equipamentos usados ​​pelas Forças Armadas”, explicou o Ministério da Defesa da Jordânia, em nota publicada em 19 de outubro por ocasião da chegada do Rei Abdullah II ao campo de manobras.

 Teoricamente, tal transferência, cujos detalhes são desconhecidos, teve que receber o consentimento da França. Isso não deveria ser um problema, dadas as boas relações entre Paris e Amã. O fortalecimento das relações de defesa entre os dois países foi inclusive recentemente mencionado em relatório do Senado, devido ao estabelecimento na Jordânia da base aérea H5, utilizada pela força francesa Chammal para suas operações no Levante contra o Estado Islâmico.

Recorde-se que os Emirados Árabes Unidos foram os únicos clientes de exportação do Leclerc, com uma encomenda de 388 unidades, completadas por 46 tanques de recuperação DNG/DCL, assinada em 1992 pela GIAT Industries (Nexter Systems), sob a égide de Pierre Joxe, então Ministro da Defesa, por uma quantia de 21 bilhões de francos (3 bilhões de euros); tornando-se o maior operador do Leclerc.

As forças terrestres emiráticas receberam seu primeiro Leclerc em uma versão tropicalizada em 1994. Desde então, eles engajaram entre 70 e 80 exemplares no Iêmen, onde causaram uma impressão tão boa que, segundo Stéphane Mayer, CEO da Nexter, algumas autoridades do Oriente Médio expressaram interesse em obtê-lo. E um boato sobre uma possível encomenda saudita - importante - circulava na época (porém, para atender a essa demanda, teria sido necessário relançar as cadeias produtivas).

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

Por que o Leclerc continuará sendo um dos melhores tanques do mundo6 de abril de 2021.

PERFIL: Sua Majestade Rei Abdullah II da Jordânia, "O Rei Guerreiro"3 de fevereiro de 2020.

FOTO: Visita do Rei Abdullah II o Centro de Treinamento de Operações Especiais Jordanianas13 de abril de 2020.

FOTO: Assalto em avião no KASOTC4 de janeiro de 2021.

Como os Emirados Árabes Unidos emergiram como uma potência regional24 de setembro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário