terça-feira, 20 de abril de 2021

Pela primeira vez, o Exército Francês está experimentando mulas-robô em uma operação estrangeira

Teste da mula-robô Robopex GACI com o 1º Regimento de Tirailleurs antes do desdobramento na Operação Barkhane, 20 de outubro de 2020.

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 20 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de abril de 2021.

Em outubro de 2020, ficou implícito que o 1º Regimento de Tirailleurs (1er Régiment de Tirailleurs, 1er RTir) seria a primeira unidade do Exército a usar robôs "mulas" durante uma operação externa, neste caso, no Mali, onde formaria o espinha dorsal do Grupamento Tático do Deserto (Groupement tactique Désert, GTD) "Lamy". Em qualquer caso, ele havia se preparado para isso antes de sua "projeção" no Sahel. Porque, afinal, e por um motivo que não foi especificado, não foi esse o caso.

Com efeito, neste 20 de abril, o Exército indicou que "quatro mulas drones terrestres" tinham acabado de chegar "à plataforma operacional do deserto de Gao" (plateforme opérationnnelle désert de Gao, PfOD), para serem objeto de um experimento no seio do GTD "Bison", armado pelo 126º Regimento de Infantaria (126e Régiment d’Infanterie, 126e RI) e reforçado pelo 2º Regimento de Infantaria de Tropas Navais (2e Régiment d’Infanterie de Marine, 2e RIMa), o Regimento de Infantaria de Tanques de Tropas Navais (Régiment d’Infanterie Chars de Marine, RICM), o 6º Regimento de Engenheiros (6e Régiment du Génie, 6e RG) e o 11º Regimento de Artilharia de Fuzileiros Navais (11e Régiment d’Artillerie de Marine, 11e RAMa).

"Esta é a primeira vez que o exército francês experimenta drones terrestres em operações ao ar livre", disse o chefe de batalhão Jean-Charles, líder da equipe do projeto "Battle Lab Terre".

O fato de um robô mula ser desdobrado em Gao não é sem precedentes, no entanto. O destacamento de infantaria da Estônia usou o THeMis da Milrem Robotics lá por vários meses. E o feedback tem sido muito positivo, a máquina percorreu 1.200km em mais de 330 horas de operação, em condições muito difíceis (terreno abrasivo, temperaturas de + 50ºC).

O modelo que será utilizado pelo GTD Bison é o Robopex GACI, um robô oferecido pela SME GACI Rugged Systems, associada à israelense Roboteam. Esta escolha, que surpreendeu em relação a outros possíveis candidatos, rendeu-se a críticas. E Emmanuel Chiva, diretor da Agência de Inovação em Defesa (Agence de l’Innovation de la Défense, AID), teve que se explicar.


“Lançamos um concurso europeu para adquirir um robô e testá-lo em operação. A PME que venceu a competição não é israelense, mas 100% francesa. Ela se ofereceu para montar componentes mecânicos e eletrônicos de origem israelense na França, da mesma forma que uma empresa usa componentes de origem chinesa para montar um computador. Portanto, não se pode dizer que temos um robô israelense”, argumentou Chiva, observando que o custo foi decisivo, já que se tratava, então, de experimentar um conceito.

O Robopex é capaz de transportar 750kg de carga por oito horas, a uma velocidade de 8km/hora. Isto deverá permitir “reduzir o cansaço físico dos combatentes, libertando-os de parte dos seus equipamentos ou das suas bagagens”, espera o “Battle Lab Earth”. Trata-se de solicitar as quatro unidades destacadas para missões logísticas e de assegurar a ligação entre dois grupos distantes. “Suas câmeras a bordo permitem que o operador controle remotamente o robô fora da vista usando feedback de vídeo de seu controle remoto”, diz ele.

O desafio é ver se essas mulas-robô atendem às necessidades da força Barkhane em um teatro "tão exigente" quanto o Sahel. Mais será conhecido até o final do mandato do GTD Bison, em três meses.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

GALERIA: Mulas ou Blindados?, 12 de abril de 2021.


FOTO: Robô exterminador, 28 de fevereiro de 2021.

Nenhum comentário:

Postar um comentário