domingo, 18 de abril de 2021

A geopolítica da Guerra Civil Síria

Por Reva Goujon, Stratfor, 4 de agosto de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de abril de 2021.

Nota do Warfare: Análise do período anterior à intervenção turca. Erdogan venceu a luta de poder mencionada no artigo em 2016, inclusive derrotando uma tentativa de golpe, e concentrou autoridade suficiente para intervir no mundo árabe, invadindo a Síria e o Iraque, e intervindo indiretamente na Líbia. A Turquia também interveio no conflito entre a Armênia (país eslavo) e o Azerbaijão (país muçulmano).

Diplomatas internacionais se reunirão no dia 22 de janeiro na cidade suíça de Montreux para chegar a um acordo destinado a encerrar a guerra civil de três anos na Síria. A conferência, no entanto, estará muito distante da realidade no campo de batalha sírio. Poucos dias antes do início da conferência, uma controvérsia ameaçou engolfar os procedimentos depois que as Nações Unidas convidaram o Irã a participar, e representantes rebeldes sírios pressionaram com sucesso para que a oferta fosse rescindida. A incapacidade de chegar a um acordo até mesmo sobre quem estaria presente nas negociações é um sinal desfavorável para um esforço diplomático que provavelmente nunca seria muito frutífero.

Soldados do Exército Árabe Sírio com a bandeira nacional.

Existem boas razões para um ceticismo profundo. Enquanto as forças do presidente sírio Bashar al-Assad continuam sua luta para recuperar terreno contra as forças rebeldes cada vez mais fratricidas, há pouco incentivo para o regime, fortemente apoiado pelo Irã e pela Rússia, conceder poder a seus rivais sectários a mando de Washington, especialmente quando os Estados Unidos já estão negociando com o Irã. Ali Haidar, um antigo colega de classe de al-Assad da escola de oftalmologia e um membro de longa data da oposição leal da Síria, agora servindo de forma apropriada como Ministro da Reconciliação Nacional da Síria, captou o clima dos dias que antecederam a conferência ao dizer "Não espere nada de Genebra II. Nem Genebra II, nem Genebra III, nem Genebra X resolverão a crise síria. A solução começou e continuará com o triunfo militar do estado”.

O pessimismo generalizado sobre um acordo funcional de divisão de poder para encerrar os combates levou a especulações dramáticas de que a Síria está condenada a se fragmentar em estados sectários ou, como Haidar articulou, a voltar ao status quo, com os alauitas recuperando o controle total e os sunitas forçados de volta à submissão. Ambos os cenários são falhos. Assim como os mediadores internacionais não conseguirão chegar a um acordo de divisão de poder nesta fase da crise, e assim como a minoria alauita governante da Síria enfrentará extraordinária dificuldade em colar o estado de volta no lugar, também não há maneira fácil de dividir a Síria ao longo de linhas sectárias. Uma inspeção mais detalhada do terreno revela o porquê.

T-54/55 com telêmetro laser usado pelo ISIS é quase atingido por um ATGM na Síria, 2014.

A Geopolítica da Síria

Soldados haxemitas do Exército Xarifiano (Exército Árabe) durante a Revolta Árabe de 1916-1918, carregando a bandeira da revolta, ao norte de Yanbu, Reino de Hejaz.

Antes do acordo Sykes-Picot de 1916 traçar uma estranha variedade de estados-nação no Oriente Médio, o nome Síria era usado por mercadores, políticos e guerreiros para descrever um trecho de terra cercado pelas montanhas Taurus ao norte, o Mediterrâneo a oeste, a Península do Sinai ao sul e o deserto a leste. Se você estivesse sentado na Paris do século XVIII contemplando a abundância de algodão e especiarias do outro lado do Mediterrâneo, você conheceria esta região como o Levante - sua raiz latina "levare" que significa "levantar", de onde o sol iria subir no leste. Se você fosse um comerciante árabe viajando pelas antigas rotas de caravanas no Hejaz, ou na moderna Arábia Saudita, de frente para o nascer do sol a leste, você teria se referido a este território em árabe como Bilad al-Sham, ou a "terra à esquerda" dos locais sagrados do Islã na Península Arábica.

Seja vista do leste ou do oeste, do norte ou do sul, a Síria sempre se encontrará em uma posição infeliz, cercada por potências muito mais fortes. As terras ricas e férteis que abrangem a Ásia Menor e a Europa ao redor do Mar de Mármara ao norte, o Vale do Rio Nilo ao sul e as terras aninhadas entre os rios Tigre e Eufrates a leste dão origem a populações maiores e mais coesas. Quando um poder no controle dessas terras saiu em busca de riquezas mais longe, eles inevitavelmente passaram pela Síria, onde sangue foi derramado, raças foram misturadas, religiões foram negociadas e mercadorias comercializadas em um ritmo frenético e violento.

Densidade populacional no Grande Levantino.

Consequentemente, apenas duas vezes na história pré-moderna da Síria esta região pode reivindicar ser um estado soberano e independente: durante a dinastia Helenística Selêucida, baseada em Antióquia (a cidade de Antakya na atual Turquia) de 301 a 141 aC, e durante o Califado Omíada, baseado em Damasco, de 661 a 749 DC. A Síria era freqüentemente dividida ou agrupada por seus vizinhos, muito fraca, internamente fragmentada e geograficamente vulnerável para se defender. Esse é o destino de uma terra de fronteira.

Ao contrário do Vale do Nilo, a geografia da Síria carece de um elemento de ligação forte e natural para superar suas fissuras internas. Um aspirante a estado sírio não precisa apenas de um litoral para participar do comércio marítimo e se proteger das potências marítimas, mas também de um interior coeso para fornecer alimentos e segurança. A geografia acidentada da Síria e a colcha de retalhos de seitas minoritárias geralmente têm sido um grande obstáculo a esse imperativo.

A longa e extremamente estreita costa da Síria se transforma abruptamente em uma cadeia de montanhas e planaltos. Ao longo deste cinturão ocidental, grupos de minorias, incluindo alauítas, cristãos e drusos, se isolaram, igualmente desconfiados de estranhos do oeste e dos governantes locais do leste, mas prontos para colaborar com quem tiver mais chances de garantir sua sobrevivência . A longa barreira montanhosa então desce em amplas planícies ao longo do vale do rio Orontes e do Vale do Bekaa antes de subir abruptamente mais uma vez ao longo da cordilheira do Anti-Líbano, do planalto de Hawran e das montanhas Jabal al-Druze, proporcionando um terreno mais acidentado para seitas perseguidas se barricarem e armarem-se.

Sistema hidrográfico da Síria.

A oeste das montanhas do Anti-Líbano, o rio Barada corre para o leste, dando origem a um oásis no deserto também conhecido como Damasco. Protegida da costa por duas cadeias de montanhas e longos trechos de deserto a leste, Damasco é essencialmente uma cidade-fortaleza e um lugar lógico para se tornar a capital. Mas para esta fortaleza ser uma capital digna de respeito regional, ela precisa de um corredor que atravesse as montanhas para o oeste até os portos do Mediterrâneo ao longo da antiga costa fenícia (ou libanesa dos dias modernos), bem como uma rota para o norte através das estepes semi-áridas, através de Homs, Hama e Idlib, para Aleppo.

A extensão de terra de Damasco ao norte é um território relativamente fluido, tornando-se um lugar mais fácil para uma população homogênea se aglutinar do que o litoral acidentado e freqüentemente recalcitrante. Aleppo fica ao lado da foz do Crescente Fértil, um corredor comercial natural entre a Anatólia ao norte, o Mediterrâneo (via o Passo de Homs) a oeste e Damasco ao sul. Embora Aleppo tenha sido historicamente vulnerável às potências dominantes da Anatólia e possa usar sua distância relativa para se rebelar contra Damasco de tempos em tempos, continua sendo um centro econômico vital para qualquer potência damascena [leia-se, de Damasco].

A região do Grande Levantino.

Finalmente, projetando-se a leste do núcleo de Damasco, encontram-se vastas extensões de deserto, formando um terreno baldio entre a Síria e a Mesopotâmia. Esta rota escassamente povoada tem sido percorrida por pequenos grupos nômades de homens - de comerciantes de caravanas a tribos beduínas e jihadistas contemporâneos - com poucos apegos e grandes ambições.

Demografia Projetada

A demografia desta terra flutuou muito, dependendo do poder predominante da época. Cristãos, principalmente ortodoxos orientais, formavam a maioria na Síria bizantina. As conquistas muçulmanas que se seguiram levaram a uma mistura mais diversa de seitas religiosas, incluindo uma população xiita substancial. Com o tempo, uma série de dinastias sunitas provenientes da Mesopotâmia, do Vale do Nilo e da Ásia Menor fizeram da Síria a região de maioria sunita que é hoje. Enquanto os sunitas vieram para povoar fortemente o deserto da Arábia e as terras que se estendiam de Damasco a Aleppo, as montanhas costeiras mais protetoras foram salpicadas por um mosaico de minorias. As minorias organizadas em cultos formaram alianças inconstantes e estavam sempre à procura de uma potência marítima mais distante com a qual pudessem se alinhar para se equilibrar contra as forças sunitas dominantes do interior.

Divisões sectárias na Síria e no Líbano.

Os franceses, que tinham os laços coloniais mais fortes com o Levante, eram mestres da estratégia de manipulação das minorias, mas essa abordagem também trouxe consequências graves que perduram até hoje. No Líbano, os franceses favoreciam os cristãos maronitas, que passaram a dominar o comércio no mar Mediterrâneo a partir de movimentadas cidades portuárias como Beirute às custas dos mercadores sunitas damascenos mais pobres. A França também retirou um grupo conhecido como Nusayris que vivia ao longo da costa acidentada da Síria, rebatizou-os como alauitas para dar-lhes credibilidade religiosa e os colocou no exército sírio durante o mandato francês.

Quando o mandato francês terminou em 1943, os ingredientes já estavam prontos para uma grande convulsão demográfica e sectária, culminando no golpe sem sangue de Hafiz al-Assad em 1970, que deu início ao reinado altamente irregular dos alauitas sobre a Síria. Com o equilíbrio sectário agora se inclinando para o Irã e seus aliados sectários, a atual política da França de apoiar os sunitas ao lado da Arábia Saudita contra o regime majoritariamente alauita que os franceses ajudaram a criar tem um toque de ironia, mas se encaixa em uma mentalidade clássica de equilíbrio-de-potência para a região.

Definindo expectativas realistas

Carro de combate T-72AV do Exército Árabe Sírio sendo explodido por um míssil TOW americano em Darayya, subúrbio de Damasco, pela Brigada dos Mártires do Islã, início de 2016.

Os delegados que discutem a Síria nesta semana na Suíça enfrentam uma série de verdades irreconciliáveis que se originam da geopolítica que governou esta terra desde a antiguidade.

É improvável que a anomalia de uma poderosa minoria alauita governando a Síria seja revertida tão cedo. As forças alauitas estão mantendo sua posição em Damasco e gradualmente recuperando o território nos subúrbios. O grupo militante libanês Hezbollah está, entretanto, seguindo seu imperativo sectário para garantir que os alauitas mantenham o poder, defendendo a rota tradicional de Damasco através do Vale do Bekaa até a costa libanesa, bem como a rota através do Vale do Rio Orontes até a costa alauita síria. Enquanto os alauitas puderem manter Damasco, não há chance deles sacrificarem o coração econômico.

Portanto, não é de admirar que as forças sírias leais a al-Assad tenham estado em uma ofensiva para o norte para retomar o controle de Aleppo. Percebendo os limites de sua própria ofensiva militar, o regime manipulará os apelos ocidentais por cessar-fogo localizados, usando uma trégua na luta para conservar seus recursos e tornar a entrega de alimentos a Aleppo dependente da cooperação rebelde com o regime. No extremo norte e no leste, as forças curdas estão, entretanto, ocupadas tentando criar sua própria zona autônoma contra as crescentes restrições, mas o regime alauita está bastante confortável sabendo que o separatismo curdo é mais uma ameaça para a Turquia do que para Damasco neste momento.

O ditador Bashar al-Assad, o comandante-em-chefe do Estado sírio, encastelado em Damasco.

O destino do Líbano e da Síria permanece profundamente interligado. Em meados do século XIX, uma sangrenta guerra civil entre drusos e maronitas nas densamente povoadas montanhas costeiras se espalhou rapidamente do Monte Líbano a Damasco. Desta vez, a corrente está fluindo ao contrário, com a guerra civil na Síria agora inundando o Líbano. À medida que os alauitas continuam a ganhar terreno na Síria com a ajuda do Irã e do Hezbollah, um amálgama sombrio de jihadistas sunitas apoiados pela Arábia Saudita se tornará mais ativo no Líbano, levando a um fluxo constante de ataques sunitas-xiitas que manterão o Monte Líbano no limite.

É improvável que a anomalia de uma poderosa minoria alauita governando a Síria seja revertida tão cedo.

Os Estados Unidos podem estar liderando a malfadada conferência de paz para reconstruir a Síria, mas na verdade não têm nenhum interesse forte lá. A própria depravação da guerra civil obriga os Estados Unidos a mostrar que estão fazendo algo construtivo, mas o principal interesse de Washington para a região no momento é preservar e fazer avançar as negociações com o Irã. Essa meta está em desacordo com uma meta declarada publicamente nos EUA de garantir que al-Assad não faça parte de uma transição síria, e este ponto pode muito bem ser uma das muitas peças no acordo em desenvolvimento entre Washington e Teerã. No entanto, al-Assad detém maior influência enquanto seu principal patrono estiver em negociações com os Estados Unidos, a única potência marítima atualmente capaz de projetar força significativa no Mediterrâneo oriental.

Tropas americanas e russas na Síria.

O Egito, a potência do Vale do Nilo ao sul, está totalmente enredado em seus próprios problemas internos. Assim como a Turquia, a principal potência do norte, que agora está dominada por uma luta pública e violenta pelo poder que deixa pouco espaço para o aventureirismo turco no mundo árabe*. Isso deixa a Arábia Saudita e o Irã como as principais potências regionais capazes de manipular diretamente o campo de batalha sectário da Síria. O Irã, junto com a Rússia, que compartilha o interesse em preservar as relações com os alauitas e, portanto, seu acesso ao Mediterrâneo, terá a vantagem neste conflito, mas o deserto que liga a Síria à Mesopotâmia está repleto de bandos de militantes sunitas ansiosos por apoio saudita para amarrar no lugar seus rivais sectários.

*NW: Em 2016, após um golpe militar fracassado, Erdogan conseguiu o controle sobre o exército e, conforme previsto pela analista, interveio na guerra civil principalmente por causa da ameaça do separatismo curdo. O exército turco invadiu e ocupou o norte da Síria desde 2016 na Operação Escudo do Eufrates (Fırat Kalkanı Harekâtı). No ano passo, o ministro das Relações Exteriores da Síria chamou a Turquia de "o maior patrocinador do terrorismo na região".

Soldados turcos assistem a um tanque Leopard 2A4 disparar contra posições duma milícia curda em Ras al-Ain, no norte da Síria, em 28 de outubro de 2019.

E assim a luta continuará. Nenhum lado da divisão sectária é capaz de sobrepujar o outro no campo de batalha e ambos têm apoiadores regionais que irão alimentar a luta. O Irã tentará usar sua vantagem relativa para atrair a realeza saudita para uma negociação, mas uma Arábia Saudita profundamente nervosa continuará a resistir enquanto os rebeldes sunitas ainda tiverem espírito de luta suficiente para continuar. Os combatentes no terreno irão regularmente manipular apelos por cessar-fogo encabeçados por estranhos em grande parte desinteressados, enquanto a guerra se espalha no Líbano. O estado sírio não se fragmentará e se formalizará em estados sectários, nem se reunificará em uma única nação sob um acordo político imposto por uma conferência em Genebra. Um mosaico de lealdades de clã e o imperativo de manter Damasco ligada ao seu litoral e centro econômico - não importa que tipo de regime esteja no poder na Síria - manterá essa fronteira fervilhante unida, embora tenuemente.

Reva Goujon é Vice-Presidente de Análise Global da Stratfor.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário