sexta-feira, 23 de abril de 2021

"Por um retorno da honra de nossos governantes": 20 generais apelam a Macron para defender o patriotismo


Por Jean-Pierre Fabre-Bernadac, Valeurs Actuelles, 21 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de abril de 2021.

Por iniciativa de Jean-Pierre Fabre-Bernadac, oficial de carreira e administrador do site Place Armes, cerca de vinte generais, cem oficiais superiores e mais de mil outros militares assinaram um apelo para um retorno da honra e dever dentro da classe política. A Valeurs Actuelles ​​divulga, com a sua autorização, a carta imbuída de convicção e compromisso destes homens apegados ao seu país.

Senhor Presidente,
Senhoras e senhores do Governo,
Senhoras e senhores parlamentares,

A hora é séria, a França está em perigo, vários perigos mortais a ameaçam. Nós que, mesmo aposentados, continuamos soldados da França, não podemos, nas atuais circunstâncias, permanecer indiferentes ao destino de nosso belo país.

Nossas bandeiras tricolores não são apenas um pedaço de pano, elas simbolizam a tradição, ao longo dos tempos, daqueles que, independentemente da cor da pele ou da fé, serviram à França e deram suas vidas por ela. Nessas bandeiras encontramos em letras douradas as palavras "Honra e Pátria". No entanto, nossa honra hoje está na denúncia da desintegração que atinge nossa pátria.

- Discriminação que, através de um certo anti-racismo, se manifesta com um único objetivo: criar em nosso solo mal-estar, até ódio entre comunidades. Hoje alguns falam de racialismo, indigenismo e teorias descoloniais, mas por meio desses termos é a guerra racial que esses apoiadores odiosos e fanáticos desejam. Eles desprezam nosso país, suas tradições, sua cultura e querem vê-lo se dissolver, levando embora seu passado e sua história. Assim, eles atacam, por meio de estátuas, antigas glórias militares e civis, analisando por correção de palavras muitos séculos de evolução.

- Discriminação que, com o islamismo e as hordas suburbanas, leva ao desprendimento de múltiplas parcelas da nação para transformá-las em territórios sujeitos a dogmas contrários à nossa constituição. No entanto, todo francês, seja qual for sua crença ou não, está em casa em toda a França; não pode e não deve existir nenhuma cidade ou bairro onde não se apliquem as leis da República.

- Discriminação, porque o ódio tem precedência sobre a fraternidade durante as manifestações em que as autoridades usam a polícia como procuradores e bodes expiatórios diante dos franceses em coletes amarelos que expressam seu desespero. Isso enquanto indivíduos disfarçados e encapuzados saqueiam comércios e ameaçam essas mesmas agências de aplicação da lei. No entanto, estes últimos aplicam apenas as diretrizes, por vezes contraditórias, dadas por vocês, governantes.

Os perigos aumentam, a violência aumenta a cada dia. Quem teria previsto dez anos atrás que um professor um dia seria decapitado ao sair da faculdade? No entanto, nós, servos da Nação, que sempre estivemos prontos a colocar a pele na linha até o final do nosso engajamento - como exige o nosso estado militar, não podemos estar diante de tais atos como espectadores passivos.

Portanto, é imperativo que aqueles que governam nosso país tenham a coragem de erradicar esses perigos. Para fazer isso, muitas vezes é suficiente aplicar as leis existentes sem fraquezas. Lembre-se de que, como nós, a grande maioria de nossos concidadãos está oprimida por seus silêncios demorados e culpados.

Como disse o cardeal Mercier, primaz da Bélgica: “Quando a prudência está em toda parte, a coragem não está em lugar nenhum." Então, senhoras e senhores, chega de procrastinação, a hora é séria, o trabalho é colossal; não percam tempo e saibam que estamos prontos para apoiar políticas que levem em consideração a salvaguarda da nação.

Por outro lado, se nada for feito, a frouxidão continuará a se espalhar inexoravelmente na sociedade, causando em última instância uma explosão e a intervenção de nossos companheiros da ativa na perigosa missão de proteger nossos valores civilizacionais e salvaguardar nossos compatriotas no território nacional.

Como podemos ver, não há mais tempo para procrastinar, caso contrário, amanhã a guerra civil colocará fim neste caos crescente, e as mortes, pelas quais vocês portarão a responsabilidade, chegarão aos milhares.

Os generais signatários:
  1. General de Corpo de Exército (ER) Christian PIQUEMAL (Legião Estrangeira),
  2. General de Corpo de Exército (2S) Gilles BARRIE (Infantaria),
  3. General de Divisão (2S) François GAUBERT ex-Governador Militar de Lille,
  4. General de Divisão (2S) Emmanuel de RICHOUFFTZ (Infantaria),
  5. General de Divisão (2S) Michel JOSLIN DE NORAY (Tropas Navais),
  6. General de Brigada (2S) André COUSTOU (Infantaria),
  7. General de Brigada (2S) Philippe DESROUSSEAUX de MEDRANO (Intendência),
  8. General de Brigada Aérea (2S) Antoine MARTINEZ (Força Aérea),
  9. General de Brigada Aérea (2S) Daniel GROSMAIRE (Força Aérea),
  10. General de Brigada (2S) Robert JEANNEROD (Cavalaria),
  11. General de Brigada (2S) Pierre Dominique AIGUEPERSE (Infantaria),
  12. General de Brigada (2S) Roland DUBOIS (Comunicações),
  13. General de Brigada (2S) Dominique DELAWARDE (Infantaria),
  14. General de Brigada (2S) Jean Claude GROLIER (Artilharia),
  15. General de Brigada (2S) Norbert de CACQUERAY (Direção Geral de Armamento),
  16. General de Brigada (2S) Roger PRIGENT (Aviação Ligeira do Exército),
  17. General de Brigada (2S) Alfred LEBRETON (Comissariado do Exército),
  18. General Médico (2S) Guy DURAND, (Serviço de Saúde do Exército),
  19. Contra-Almirante (2S) Gérard BALASTRE (Marinha),
  20. General de Divisão Aérea Eric CHAMPOISEAU (Força Aérea).
Redator:
  • Capitão Jean-Pierre FABRE-BERNADAC (Ex-oficial do Exército e da Gendarmaria, autor de 9 livros).
Lista completa no link.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário