quinta-feira, 22 de abril de 2021

70 anos atrás, o batismo de fogo na Coréia para o Corpo de Voluntários Belga-Luxemburguês


Por Pierre Brassart, À l'Avant-Garde, 22 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de abril de 2021.

O batalhão belga-luxemburguês se destacou em três grandes batalhas: Imjin, Haktang-Ni e Chatkol.

A guerra havia estourado quase um ano antes, em 25 de junho de 1950, com a invasão da Coréia do Sul pelos exércitos norte-coreanos. Seul é tomada três dias depois. A ONU reage, o exército americano se desdobra e assume a liderança da coalizão com o apoio da ONU. A Bélgica decide em 25 de agosto de 1950 enviar uma força expedicionária que só pode ser composta por voluntários (a Constituição impede o envio de milicianos). Mais de 2.000 candidatos se apresentaram. Em 18 de setembro de 1950, começaram as primeiras sessões de treinamento para oficiais e suboficiais. No início de outubro, cerca de 700 voluntários se foram para Bourg-Léopold para formar o batalhão que recebeu o nome oficial de Corpo de Voluntários para a Coréia. Um pelotão luxemburguês se juntará ao batalhão logo depois.

Jipe com metralhadora do batalhão belga-luxemburguês na Coréia. (Coleção do padre Vander Goten)

Em 18 de dezembro de 1950, o batalhão deixou a Bélgica a bordo do mítico Kamina e chegou à Coréia em 31 de janeiro de 1951. Em 20 de abril, o batalhão posicionou-se no rio Imjin, a cerca de trinta quilômetros de Seul. Ele foi então vinculado a uma brigada britânica. Apenas dois dias depois, em 22 de abril, no início da noite, uma patrulha belga entrou em combate com o inimigo a dois quilômetros das posições do batalhão. O inimigo parece estar tentando se infiltrar. Às 3h da manhã, um primeiro ataque frontal foi lançado pelos chineses, mas falhou. As várias companhias do batalhão caem sob ataque. Uma seção enviada para reconhecimento é emboscada e 6 homens são capturados (seus corpos serão encontrados em maio, quando as posições chinesas serão reconquistadas). Na manhã do dia 23, um pelotão de tanques americanos foi enviado como reforço para permitir que as tropas belgas recuassem pra novas posições.

O dia 24 de abril foi relativamente calmo para os soldados, principalmente se comparado ao de seus camaradas britânicos que sofreram pesadas perdas, principalmente o 1º Batalhão do Regimento de Gloucestershire (Glosters) que, isolado em uma colina, viu 56 de seus homens serem mortos e mais de 500 foram feitos prisioneiros. Em 25 de abril, o alto comando ordenou que toda a brigada fosse retirada para uma nova posição defensiva. No final da batalha, o batalhão belga deplora doze mortos e trinta feridos.


As tropas aliadas, que somavam mais ou menos 4.000 homens, enfrentaram três divisões chinesas, totalizando quase 24.000 soldados. Estavam, portanto, lutando 1 contra 6. O assalto ao rio Imjin fazia parte da ofensiva de primavera planejada pelo exército chinês que, entre outras coisas, tinha o objetivo de retomar Seul e expulsar as forças da ONU da península. A resistência no rio Imjin impediu um avanço da linha de frente chinesa e permitiu que as forças da ONU se organizassem para estabelecer uma nova linha de defesa e conterem a ofensiva chinesa.

Apenas 3.171 belgas e 78 luxemburgueses lutaram na Coréia até 1953, onde quase cem morreram e 478 ficaram feridos. O interesse neste conflito permanece limitado na Bélgica. Somente em 1996 os veteranos desta guerra obtiveram o reconhecimento nacional do Ministro da Defesa.

Jipes belgas na Coréia.
(Coleção do padre Vander Goten)

Bibliografia recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário