Mostrando postagens com marcador Alemanha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Alemanha. Mostrar todas as postagens

domingo, 15 de agosto de 2021

LIVRO: O Pelotão de Assalto da Companhia de Granadeiros


Por Peter Samsonov, Tank Archives, 6 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de agosto de 2021.

The Assault Platoon of the Grenadier-Company November 1944 German Army Pamphlet - Merkblatt 25a/16 é o segundo livro de Bernard Kast (Military History Visualized) e Christoph Bergs (Military Aviation History). Muito parecido com seu primeiro livro, The Assault Platoon of the Grenadier-Company é uma tradução de um panfleto tático alemão, mas sob um olhar mais atento é muito mais do que isso.

O Pelotão de Assalto da Companhia de Granadeiros:
Novembro de 1944.
Panfleto do Exército Alemão - 
Merkblatt 25a/16.
Bernard Kast e Christoph Bergs.

Assim como no primeiro livro [German Army Regulation on the Medium Tank Company], o texto original em alemão e a tradução em inglês são fornecidos lado a lado. Este livro não oferece apenas uma tradução, mas também uma interpretação do texto original. Uma vez que a língua alemã e a terminologia militar não são as mesmas hoje que eram na década de 1940, notas de rodapé são fornecidas para notificar o leitor sobre as mudanças. Existem também alguns conceitos ou termos com os quais se esperava que o leitor original estivesse familiarizado, mas é provável que um leitor moderno não saiba. Eles também são explicados nas notas de rodapé ou no glossário. Quaisquer ambigüidades potenciais que poderiam ter surgido em uma tradução para o inglês também são explicadas em notas de rodapé. Todos os diagramas foram redesenhados a partir dos originais e o texto é apresentado em alemão e inglês.

Embora o subtítulo do livro seja Panfleto do Exército Alemão - Merkblatt 25a/16, apenas um capítulo do livro é dedicado à tradução deste panfleto. O leitor também recebe uma série de suplementos mencionados no panfleto 25a/16, incluindo um panfleto semelhante para o pelotão de submetralhadoras da companhia de granadeiros, manual de marcha e formação, plano de batalha, exercícios de tiro e instruções para combate corpo-a-corpo, todos os quais contêm trechos relevantes de outros panfletos alemães. Existem também vários capítulos escritos do zero pelos autores: legendas para unidades e símbolos de mapa, um glossário, uma visão geral dos predecessores do fuzil StG 44 e uma ilustração da arma e seus componentes. O livro termina com uma extensa bibliografia, mostrando o quanto foi feito para garantir que o leitor tivesse o contexto completo ao ler os manuais fornecidos.

O livro consiste em 134 páginas fornecidas em alemão e inglês, bem como cerca de uma dúzia de páginas para a introdução, agradecimentos e bibliografia, que são impressas apenas em inglês. O resultado são cerca de 280 páginas de alguns dos conteúdos mais detalhados sobre o combate da infantaria alemã que já vi até hoje. Esta análise é baseada na Edição do Apoiadores de capa dura. A qualidade de impressão é alta e a encadernação é resistente. Não tenho motivos para acreditar que outras versões deste livro não sejam igualmente de alta qualidade.

Uma cópia de capa dura semelhante pode ser obtida por US$ 47,30 dólares, uma cópia de capa em brochura está disponível por US$ 29,60 no momento da redação.

Fãs desse formato também podem encomendar o terceiro livro de Kast e Bergs Stuka: A Doutrina do Bombardeiro de Mergulho Alemão aqui.

Post-script: O Grupo de Combate de infantaria alemão

O Grupo de Combate de Infantaria Alemão em 1940-1945.
(Grenadierschule)

O Grupo de Combate era o menor elemento de combate da infantaria alemã (que não formava esquadras-de-tiro). Como de praxe, o GC alemão girava em torno das metralhadoras (geralmente MG34 e MG42), com o GC sendo dissolvido caso perdessem a metralhadora do GC. O vídeo abaixo detalha as funções, postos e equipamentos do Gruppe alemão.


Bibliografia recomendada:

German Infantryman:
The German soldier 1939-45 (all models).


Leitura recomendada:





sexta-feira, 16 de julho de 2021

Projetos militares da UE enfrentam atrasos, mostra documento que vazou

Durante décadas, a UE foi extremamente cautelosa em passar para o domínio militar.
(Alexander Koerner / Getty Images)

Por Jacopo BarigazziPOLITICO, 12 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de julho de 2021.

Mais de três anos após o lançamento do novo pacto, a maioria dos programas ainda não deu frutos.

O pacto de cooperação militar da Europa foi denominado “Bela Adormecida” - e um relatório de progresso obtido pelo POLITICO mostra que a tão alardeada iniciativa está lutando para despertar. O programa, conhecido como Cooperação Estruturada Permanente (Permanent Structured CooperationPESCO), reúne 25 países membros da UE, trabalhando em grupos menores em um total de 46 projetos conjuntos. Os projetos abrangem terra, mar, ar, espaço e ciberespaço e variam de defesa contra drones, vigilância marítima e treinamento de inteligência.

Mas três anos e meio depois que a PESCO foi lançada com grande alarde pelos líderes da UE, muitos dos projetos ainda estão em sua infância e um número significativo está atrasado, de acordo com o relatório anual. O documento, que reúne relatórios de progresso sobre todos os 46 projetos da PESCO, é um lembrete de que, apesar da conversa de alguns líderes e oficiais da UE sobre alcançar "autonomia estratégica", os esforços do bloco no domínio militar ainda têm muitos obstáculos a superar.

O documento de 115 páginas, preparado pelo secretariado da PESCO e enviado aos países membros no mês passado, afirma que atrasos foram relatados para 15 projetos, em comparação com seus cronogramas originais. Em seis casos, a pandemia de coronavírus é citada como motivo do atraso. Em outros casos, nenhum motivo específico é mencionado. O relatório também observa que em 14 casos, o ano em que a “entrega” de um projeto deveria começar “foi transferido para anos posteriores” e em seis casos o ano de “entrega final” também foi adiado. Ao mesmo tempo, “para 8 projetos o início da entrega…. foi puxado para a frente”, afirma o relatório. Mas “nenhum projeto foi relatado como tendo uma entrega final antecipada”.

Diplomatas da UE reconhecem que a PESCO enfrenta problemas. Mas alguns acham que está em seus estágios iniciais e argumentam que a direção da viagem é mais importante do que a velocidade. “O que conta é que o trem saiu da estação”, disse um diplomata sênior. Outro diplomata disse que "alguns dos projetos eram simplesmente imaturos" e acrescentou: "Ainda estamos em uma curva de aprendizado".

Tigres francês e alemão durante exercícios na base militar de Le Luc.

Durante décadas, a UE foi extremamente cautelosa em passar para o domínio militar. Alguns países membros argumentaram que a defesa cabia aos governos nacionais. Alguns observaram que a UE era um projeto de paz e não deveria se envolver na esfera militar. Alguns argumentaram que as questões militares e de defesa deveriam ser reservadas à OTAN. Mas os defensores de uma maior cooperação militar da UE argumentaram que a Europa nem sempre poderia contar com os EUA ou a OTAN e que os países membros poderiam alcançar muito mais juntos do que trabalhando em projetos de forma independente. E a saída do Reino Unido da UE removeu um dos maiores céticos de uma maior cooperação militar dentro do bloco.

A PESCO é a tentativa da UE de aumentar suas capacidades militares sem obrigar todos os membros da UE a participar e evitando a duplicação com a OTAN - uma grande preocupação especialmente para os países do Leste Europeu que vêem a aliança do Atlântico como crucial para rechaçar a agressão russa. A administração Biden parece satisfeita com este modelo limitado, em uma mudança marcante com relação à era Trump. No início deste ano, os EUA até se juntaram a um dos projetos da PESCO, um programa de mobilidade militar liderado pelos holandeses que visa facilitar o transporte de tropas e equipamentos rapidamente pela Europa.

A Bela de Juncker

Guarda-de-honra da Brigada Franco-Alemã.

O ex-presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, foi um grande campeão da PESCO durante seu mandato. Em um discurso em junho de 2017, ele disse que era hora de a UE começar a usar uma cláusula do Tratado de Lisboa que "torna possível a um grupo de Estados-Membros com ideias semelhantes levar a defesa europeia para o próximo nível".

“É hora de acordar a Bela Adormecida”, declarou ele.

Mas o relatório de progresso mostra que, em muitos casos, a bela adormecida mal começou a se mexer. No total, 21 projetos ainda estão em fase de “ideação” - ou seja, a ideia ainda está em desenvolvimento. Outras 17 estão em fase de “incubação”, onde é definido o escopo do projeto. Apenas oito estão na penúltima fase, a execução. Nenhum está na fase final de “fechamento”. No ano anterior, oito projetos passaram da primeira para a segunda fase e quatro da segunda para a terceira fase.

O relatório observou que “nenhum recurso financeiro nacional foi alocado até agora” para 20 projetos. No entanto, nem todos os projetos exigem que os governos abram suas carteiras. E algumas, como a maioria das iniciativas de treinamento, planejam contar também com o financiamento da UE e o envolvimento da indústria, de acordo com o relatório.

O relatório também mostra que os funcionários da UE às vezes têm dificuldade em obter uma visão geral adequada de um projeto. Um projeto liderado pela Alemanha, o Crisis Response Operation Core (Núcleo de Operação de Resposta a Crises) do EUFOR, visa fornecer à UE informações oportunas e confiáveis sobre as forças que podem ser mobilizadas para responder a uma emergência. Mas, ironicamente para um projeto que visa dar aos planejadores melhor visibilidade, o relatório observa que o ano de conclusão do projeto "não foi identificado". E um projeto liderado pela França chamado “co-basing”, que visa ajudar os membros da UE a fazerem uso comum das bases militares nacionais, parece estar em sérios problemas. O relatório diz que o projeto “precisa de atenção especial ou escrutínio particular”, nenhum recurso foi alocado até agora e não tem datas-alvo para execução ou conclusão.

Boina e distintivo do Eurocorps.

O relatório diz que há “baixo interesse” dos membros da PESCO no projeto, pois eles já estão engajados no trabalho de co-base. Diz que os coordenadores estão pensando em “fechar o projeto” ou usar o trabalho feito até agora para outro projeto na mesma área. Existem, no entanto, alguns pontos positivos para os oficiais de defesa da UE - por exemplo, no domínio virtual, onde o relatório observa que um projeto liderado pela Lituânia para criar um "kit de ferramentas cibernéticas comum" foi colocado em movimento em 2020. O relatório diz que uma indústria um consórcio para apoiar o projeto está sendo estabelecido e deve ser totalmente implementado no próximo ano. Outro projeto que deve dar frutos em breve é um comando médico europeu liderado pela Alemanha, colocado em ação em 2019 e com entrega total prevista no próximo ano.

Um documento separado sobre a situação da PESCO, um relatório de 39 páginas do chefe de política externa da UE, Josep Borrell, apresenta uma visão otimista. “Em relação aos projetos, a tendência geral é positiva. A maioria dos projetos da PESCO continua a se desenvolver de acordo com seus roteiros”, diz o relatório, apresentado nos últimos dias e visto pelo POLITICO. No entanto, continua a ser importante “que os Estados-Membros participantes envidem esforços para obter resultados tangíveis conforme planeado”, afirma o relatório.

Questionado sobre os relatórios, Peter Stano, porta-voz da política externa da UE, respondeu: “Como os documentos a que você se refere são documentos internos confidenciais e até classificados, não é possível comentá-los em público”.

Leitura recomendada:




A estratégia da Polônia, 5 de junho de 2021.


quarta-feira, 30 de junho de 2021

A Wehrmacht executando o Anschluss da Áustria

Soldados austríacos com uniformes austríacos usando peças sobrepostas da Wehrmacht, Áustria, 1938. O símbolo da República da Áustria ao lado do escudo alemão no capacete, e a águia da Wehrmacht por cima do uniforme ao lado do colarinho e cordões austríacos.

Por Mitch WilliamsonWeapons and Warfare, 13 de novembro de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de junho de 2021.

O Bundesheer austríaco, consistindo em sete divisões de infantaria, uma brigada independente e uma divisão blindada, era um exército em desenvolvimento em março de 1938. Como tal, enfrentou uma escassez que teria comprometido uma resistência austríaca sustentada por mais de várias semanas. O mais notório deles era a falta de munição de artilharia tanto nas divisões de infantaria quanto no regimento de artilharia independente, o que totalizava aproximadamente um suprimento de dez a doze dias. Isso poderia ter sido estendido por meio da conservação cuidadosa de projéteis, como praticado por todos os exércitos quando com pouca munição; no entanto, depois de esgotada a munição, isto teria um efeito altamente negativo sobre as capacidades defensivas do Bundesheer. O exército austríaco também não era tão bem treinado quanto a Wehrmacht.

O Plano DR (conhecido como Plano Jansa).
Desdobramento do Exército austríaco em 11 de março de 1938.

Embora os regimentos de artilharia do Bundesheer ainda estivessem equipados com um grande número de artilharia antiga da Primeira Guerra Mundial, eles foram modernizados com o uso de novas munições e refinamentos técnicos que, juntos, aumentaram a letalidade e o alcance. O equipamento também foi tornado mais leve para uso no terreno montanhoso da Áustria. Aqui, por exemplo, o canhão de campanha de 80mm (da Primeira Guerra Mundial) provou ser muito eficaz. Como a Wehrmacht estava enfrentando problemas para mover sua artilharia para a Áustria exatamente porque não havia considerado os problemas que o terreno montanhoso poderia representar, é possível que os primeiros dias da invasão tivessem realmente dado à Áustria uma vantagem importante, embora temporária, em artilharia.

O mais importante para a defesa contra os blindados alemães era o canhão antitanque de 47mm de fabricação austríaca, que poderia penetrar facilmente na blindagem de qualquer tanque alemão naquela época a mais de 1000m. Em março de 1938, o Bundesheer empregou 270 desses canhões com munição mais do que suficiente para dizimar os blindados do Oitavo Exército.

Desfile do Exército Austríaco em 1935


Desde o primeiro momento da invasão da Áustria, surgiram atritos para a Wehrmacht que se empilhavam uns sobre os outros. Oficiais e homens chegaram atrasados a seus postos e foram erroneamente designados ou simplesmente não treinados para suas funções. Vagões e veículos motorizados faltavam frequentemente, inadequados para suas tarefas ou inutilizáveis. De fato, o VII Corpo de Exército alemão sozinho descreveu sua situação de veículos motorizados suplementares como “nahezu katastrophal” (quase catastrófica), com aproximadamente 2.800 veículos motorizados que estavam desaparecidos ou inutilizáveis. A situação também não era melhor no que diz respeito aos cavalos, o principal motor da Wehrmacht. Uma vez dentro da Áustria, as dificuldades foram agravadas por uma rede rodoviária e ferroviária completamente inadequada e o grande número de homens e material tentando avançar. A falta de disciplina, a falta de treinamento e a completa incompetência pioraram as coisas, assim como as falhas mecânicas e a falta de combustível. O resultado foi que divisões, regimentos e batalhões foram completamente divididos; eles deixaram de ser unidades de combate. Como um grande mecanismo de relógio com defeito, a Wehrmacht deu uma guinada e estremeceu em direção à capital austríaca. Apenas algumas partes do relógio finalmente rastejaram para um alto nos subúrbios de Viena uma semana depois. Mesmo esse desempenho pífio só foi possível devido à assistência vital e essencial prestada à Wehrmacht por postos de gasolina austríacos e serviços de transporte marítimo e ferroviário. Sem essa ajuda, o desfile da vitória de Hitler na Ringstraße teria ficado visivelmente desprovido de tropas e blindados alemães. No entanto, como aconteceu com a Ofensiva do Tet norte-vietnamita trinta anos depois, desastre operacional não é igual a desastre militar. A máquina de propaganda nazista, parte da qual estava ocupada atropelando soldados alemães em sua corrida para chegar a Viena em 12 e 13 de março, provaria ser a mais bem-sucedida de todos os tempos.

Os planos de defesa austríacos, conforme estabelecidos no “Plano Jansa”, antecipavam um ataque alemão e foram iniciados no outono de 1935 pelo Chefe do Estado-Maior da Áustria, Alfred Jansa, juntamente com seus comandantes divisionais. Eles previram não apenas a mobilização e desdobramento de todo o Bundesheer e formações auxiliares contra a Wehrmacht, mas também a criação de bloqueios de ruas e a destruição de pontes e estradas para impedir o avanço do exército alemão. A mobilização exigiu um mínimo de quatro dias para o exército ativo.

Conforme recentemente declarado no jornal das Forças Armadas Austríacas (cf. Angetter, op. Cit.), o conceito defensivo que o Chefe do Estado-Maior Geral Alfred Jansa elaborou em 1935 era conhecido pelo comando militar alemão já em 1936. Além disso, Jansa foi reformado antes do “Anschluss”, nomeadamente em fevereiro de 1938 (conforme exigido por Hitler no Acordo de Berchtesgaden). Seu sucessor, o General Wilhelm Zehner, um oponente declarado do nacional-socialismo, foi escalado para executar o plano, mas foi colocado em espera por Schuschnigg. O autor chega à conclusão de que o Bundesheer austríaco não teria capacidade de resistir à Wehrmacht, mas dependeria de ajuda de fora do país.

Não havia como o exército austríaco ter prevalecido. O Bundesheer teria disparado alguns tiros que teriam valor simbólico, mas isso teria sido negado por um levante de nazistas na Estíria e Salzburgo, onde eles eram razoavelmente fortes. Portanto, teria sido um quadro muito confuso com perda desnecessária de vidas; a Áustria teria desaparecido do mapa de qualquer maneira. Schuschnigg estava certo ao ordenar ao exército que não reagisse.

Quanto à questão da resistência militar do Bundesheer em função de sua penetração pelos nazistas, o melhor estudo sobre o assunto, por Erwin Steinböck, Erwin Schmidl e eu, indica que o Nationalsozialistische Soldatenring (o nome da organização nazista que tentou penetrar e minar o Bundesheer) nunca atingiu mais de 5% da base e talvez metade disso entre o corpo de oficiais. Isso foi, em grande parte, devido à repressão implacável dos nazistas pelo governo Schuschnigg de 1934-1938. As evidências que examinei em Viena mostram com bastante clareza que o exército teria lutado e que quaisquer traidores descobertos teriam sido eliminados rapidamente. Isso poderia ter diminuído a eficácia do BH? A melhor resposta é “talvez”; mas, dada a natureza das forças armadas e as questões mais amplas de defesa nacional, duvido que a Nationalsozialistische Soldatenring tivesse valido muito no caso do Estado austríaco montar uma defesa militar contra uma invasão alemã nazista.

Referências:
  • Daniela C. Angetter, “Kommentar: Wehrfähigkeit - Wehrwilligkeit in Österreich 1938”, em Truppendienst 302 (2/2008), URL.
  • Ernst Hanisch, Nationalsozialistische Herrschaft in der Provinz: Salzburg im Dritten Reich, Salzburg 1983.
  • Alexander N. Lassner, “The Invasion of Austria in March 1938: Blitzkrieg or Pfusch?”, em Günter Bischof / Anton Pelinka / Günter Stiefel (eds.), The Marshall Plan in Austria (Contemporary Austrian Studies, vol. 8), New Brunswick et al. 2000, p. 447-486, extrato citado da p. 463.
Os austríacos na Wehrmacht


Bibliografia recomendada:

German Infantryman: The German soldier 1939-45 (all models).
Operations Manual: An insight into the uniform, equipment, weaponry and lifestyle of the German Second World War soldier.

Leitura recomendada:



A Medalha da Carne congelada, 26 de dezembro de 2020.


GALERIA: Panzergrenadiers modernos26 de junho de 2021.

segunda-feira, 28 de junho de 2021

Uma millennial considera o novo problema alemão após 30 anos de paz


Por Ulrike Franke, War on the Rocks, 19 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de junho de 2021.

“Para entender o homem, você precisa saber o que estava acontecendo no mundo quando ele tinha vinte anos.”
- Napoleão Bonaparte.

Enquanto crescia, gostava de ouvir Freundeskreis, uma banda alemã de hip-hop reggae. Uma de suas canções afirma que “a história é algo que foi há muito tempo ou sempre acontece sem você”. Foi no final da década de 1990, eu estava sentada em meu quarto no subúrbio da Alemanha Ocidental - e me lembro claramente de ter pensado em como sentia que isso parecia exatamente certo. Aqui estávamos, todas as batalhas ideológicas históricas travadas, e nada estava acontecendo. Calmo e aconchegante. Um pouco tedioso, na verdade.

É fácil olhar para trás e rir da minha angústia adolescente de perder as coisas. A história certamente não acabou, e eu gostaria de dizer ao meu eu mais jovem que toda a coisa de "viver em tempos interessantes" não é o que parece ser. Mas agora que minha geração está alcançando posições de poder na política externa alemã, vale a pena refletir sobre como nossa educação moldou nosso pensamento.


Thomas Bagger, diplomata alemão e conselheiro do presidente federal, observou certa vez: “O fim da história foi uma ideia americana, mas foi uma realidade alemã”. [Ed. nota: Bagger afirma que foi o autor búlgaro Ivan Krastev quem criou esta frase, embora Krastev credite Bagger.] Ao que eu acrescentaria: “… e um problema millennial”. Porque Bagger está certo: o "fim da história" era, até recentemente, a realidade alemã - tanto no sentido ideológico em que o pai do conceito, o cientista político americano Francis Fukuyama, o quis dizer e no sentido simplificado de que "muito pouco acontece". Isso cria um desafio especial para os millennials alemães - aqueles de nós que cresceram nessa época. Ou seja, acredito que a geração do milênio alemã tem dificuldade em se ajustar ao mundo em que vivemos agora. Lutamos para pensar em termos de interesses, lutamos com o conceito de poder geopolítico e lutamos com o poder militar sendo um elemento do poder geopolítico. Isso é preocupante, visto que muito está dependendo da Alemanha como um ator no sistema internacional.

Um Desafio Alemão

Portão Brandemburgo em Berlim.

Estamos entrando em um período de competição e instabilidade geopolítica. Nesse contexto, muitos olham para a Alemanha. Supõe-se que Berlim ajude a defender a ordem mundial liberal. Deve manter a União Europeia unida e ajudá-la a navegar entre a China em ascensão e os Estados Unidos em declínio. O maior e mais forte país europeu economicamente, cujo bem-estar econômico e social depende do comércio internacional e da estabilidade, está em dificuldades.

Estes são tempos desafiadores, mas não é a primeira vez que um país tem que navegar por um cenário internacional em constante mudança. Na verdade, existe um método para lidar com esses desafios: defina seus interesses e priorize-os, avalie suas habilidades e descubra como garantir que os recursos sejam suficientes para atingir as metas. Encontre maneiras de melhorar as capacidades por meio de alianças, mudanças nas prioridades de financiamento e muito mais. Formule uma estratégia para atingir seus objetivos com esses recursos. Ao fazer isso, adote o mesmo processo para avaliar os oponentes. Quais são seus interesses? O que eles querem fazer? O que eles são capazes de fazer? O que eles podem alcançar?

Não é bem matemática - existem incertezas, informações imperfeitas e o elemento humano. E, certamente, nem todas as decisões políticas de Westbindung (auto-vinculação da Alemanha pós-1949 ao Ocidente) à "Guerra Global ao Terror" foram tomadas exclusivamente com base neste método. Mas deve ser o ponto de partida de todas as decisões de política externa. Esse pensamento estratégico ajuda a orientar o processo de pensamento da política externa.

Infelizmente, o pensamento estratégico não é algo natural para os formuladores de política externa alemães mais jovens. Na verdade, é completamente estranho para nós. Por três décadas, estivemos isolados do mundo cruel da política de poder. O mundo excepcional em que crescemos era o nosso normal. As ideias que se desenvolveram a partir de 1989 foram nossas convicções. Agora que a geopolítica, e especificamente a política de poder geopolítico, está de volta, estamos perdidos.

Soldados alemães ao lado de um francês como guarda de honra da Brigada Franco-Alemã. Os três portam o fuzil FAMAS F1 francês.

Já experimentei isso muitas vezes, mas demorei um pouco para perceber que a geração do milênio alemã, os mais velhos da qual nasceram no início dos anos 1980, pensa sobre política externa de uma maneira peculiar. Quanto mais eu vivia fora da Alemanha, e especificamente em países onde o pensamento geopolítico e estratégico é mais comum, mais eu ficava perplexa com algumas das discussões que meus colegas na Alemanha tinham. Isso foi perfeitamente resumido por um colega milênico alemão: “Geopolítica parece muito com movimento de tropas!” ele declarou. Isso resume em uma declaração várias crenças e convicções que encontro com frequência entre meus colegas alemães: um ceticismo da geopolítica, uma incapacidade de pensar em termos de poder e interesse e uma rejeição das forças militares como instrumento da política. A geração do milênio alemã pensa na política internacional em termos de valores e emoções, e não de interesses. Claro, valores e interesses não são mutuamente exclusivos e muitas vezes estão ligados de uma forma que os torna difíceis de separar. Mas, como alemães, aprendemos a rejeitar completamente a parte dos interesses da equação. Minha geração desenvolveu uma ideia quase romântica de relações internacionais. Vemos as alianças como amizades e desacordos em termos de diferenças de valores. E a geração do milênio alemã luta com os militares - especificamente com a ideia de que as forças armadas são um elemento do poder geopolítico. Esse é um fenômeno já prevalente entre a população alemã (e forte entre o Partido Verde, que pode chegar ao poder na Alemanha após as eleições de setembro). Mas é ainda mais pronunciado entre os milênicos, como mostra uma pesquisa recente: um número maior de milênicos apóia a redução do orçamento de defesa alemão do que qualquer outra faixa etária, enquanto o apoio para um aumento orçamentário é menor entre os milênicos do que entre todos os outros grupos.

Nós estamos intelectualmente - e praticamente - desarmados. Como nunca tivemos que treinar nosso músculo estratégico, ele atrofiou. A política de poder está em conflito com nossa compreensão de como o mundo funciona. Não temos nossos cérebros ligados dessa forma, não falamos a língua - e estamos, portanto, totalmente despreparados para enfrentar oponentes com interesses diferentes que estão cada vez mais vocais ao questionar o que pensávamos ser, em última análise, o único sistema. Como isso aconteceu?

Verifique seu histórico

Manifestantes alemães exigindo a queda do Muro de Berlim em frente ao Portão Brandemburgo.

Todos nós somos moldados pelo mundo em que crescemos. Mas, embora isso seja bem compreendido do ponto de vista socioeconômico, poucos de nós pensamos sobre o que isso significa (geo)politicamente. Somos ensinados a verificar nosso privilégio, mas quantas pessoas verificam sua história?

As gerações são frequentemente definidas por eventos importantes - viver os mesmos momentos e vivenciar a mesma convulsão na mesma idade une uma geração, dá a ela um tema e cria pontos de referência. É claro que eventos importantes nunca são vividos por apenas uma geração, pois em qualquer momento, pessoas pertencentes a algo entre três a cinco gerações estão vivas. Mas os pontos de referência para a aparência da normalidade são estabelecidos nas primeiras décadas de vida.

Diz-se que a “geração do milênio” nasceu entre o início da década de 1980 e o final da década de 1990. Devemos o nosso nome à virada do milênio, que testemunhamos em uma idade jovem. Mas, embora a véspera de Ano Novo de 1999/2000 tenha sido um momento divertido, não foi fundamental. Na verdade, eu diria que minha geração alemã não experimentou um evento fundamental e unificador que nos une.

Em vez disso - e estranhamente - o momento mais importante para minha geração em termos de impacto é um evento que poucos de nós podemos lembrar, porque ainda não nascêramos ou não tínhamos idade suficiente para entender o que estava acontecendo: 1989, a queda do Muro de Berlim. Isso desencadeou o fim da União Soviética e levou ao colapso de todo o cenário geopolítico, abrindo caminho para a unipolaridade global. Para os alemães, 1989 foi a última vez em que foram expostos diretamente à geopolítica por muito tempo. Agora que minha coorte etária está alcançando posições de poder, é hora de verificarmos nossa história e abordarmos nossos pontos cegos.

Soldados alemães-orientais entrando em contato com civis alemães-ocidentais em cima do Muro de Berlim.

Aqui, devo reconhecer um ponto cego meu: falo dos milênicos alemães, mas suspeito que a geração do milênio alemã-oriental vê as coisas de maneira diferente. Ao contrário das experiências alemãs-ocidentais que descrevo abaixo - estabilidade e a profunda convicção de que seu sistema era a forma final - os alemães-orientais da minha geração nasceram em um mundo que estava em processo de desintegração. A República Democrática Alemã foi dissolvida em 1990, o que levou a uma reestruturação completa da economia da Alemanha Oriental e à introdução de uma nova moeda. A Alemanha Oriental foi atingida por uma crise econômica, muitas empresas entraram em colapso e o desemprego aumentou. O partido político - e a ideologia - que dominou por décadas desapareceu. Crescer durante esse processo certamente veio com suas próprias lições, das quais eu, entretanto, não posso testemunhar. Conseqüentemente, embora eu acredite que minhas experiências e as lições tiradas delas sejam, até certo ponto, generalizáveis para o mundo ocidental e outros europeus, elas provavelmente descrevem melhor a demografia da classe média educada na Alemanha Ocidental e eurofílica. No entanto, embora isso possa não ser representativo da totalidade da minha geração, para o melhor ou para o pior, descreve muitos milênicos que atualmente estão subindo na hierarquia da liderança política.

Cidadão alemão-ocidental arrebentando um pedaço do Muro à marretadas.

Há duas razões pelas quais a geração do milênio alemã está despreparada para um mundo que valoriza o pensamento estratégico. Primeiro, crescemos em um período de excepcional estabilidade geopolítica. É o que expressa a canção do Freundeskreis: Nunca nos sentimos parte de uma história sempre turbulenta, mas sim, tivemos a impressão de estar fora dela, nascidos após o fato. Tentar entender a política parecia tão importante quanto tentar aprender sobre geografia, geometria ou geologia - todos campos razoavelmente interessantes, mas sem um impacto imediato em nossas vidas.

Em segundo lugar, em nenhum lugar do mundo a ideia do “fim da história” foi internalizada tanto quanto na Alemanha. Os alemães que vivenciaram 1989 abraçaram com entusiasmo a ideia de que a competição ideológica era uma coisa do passado - e a geração do milênio alemã simplesmente internalizou isso como a forma como o mundo funcionava. A solução para a discussão política foi encontrada por aqueles que vieram antes de nós, e o melhor sistema estava em vigor - poderíamos endireitar algumas arestas na frente social, mas, de outra forma, poderíamos passar para outras coisas.

Um normal silencioso

Cerimônia no quartel-general da OTAN em Bruxelas.

Qualquer alemão jovem demais para ter uma lembrança do fim da União Soviética e da reunificação alemã cresceu em um mundo de estabilidade e paz excepcionais. Militarmente, éramos protegidos pelos Estados Unidos e pela OTAN e, portanto, nunca tivemos que pensar nas forças militares. Isso, é claro, foi ótimo para minha geração. Mas teve um impacto importante em como vemos o mundo e no que consideramos normal.

A Alemanha sempre esteve no centro da política europeia e mundial. A história alemã tem sido uma montanha-russa de mudanças de fronteiras e formas políticas de organização, lutas ideológicas, guerras e conflitos. Mas depois de 1989 e da reunificação alemã em 1990, as coisas se acalmaram consideravelmente. Para a Alemanha, até mesmo o entendimento simplificado do famoso conceito de "fim da história" de Francis Fukuyama se aplica: desde 1989, muito pouco aconteceu na Alemanha.

Companhia alemã de reconhecimento em Mazar-e-Sharif, Afeganistão, 25 de abril de 2007.

É claro que o mundo não ficou completamente parado nos últimos 30 anos. Mas de 11 de setembro à Guerra Global contra o Terror e à crise financeira, esses eventos não aconteceram conosco. O Bundeswehr entrou em guerra no Afeganistão, mas isso não afetou a sociedade em casa. A invasão do Iraque em 2003 fez com que alguns milênicos se manifestassem contra o imperialismo americano, mas fora isso, estava muito distante de nossa realidade. Os conflitos do mundo pareciam um testemunho de que outros ainda não haviam entendido que as lutas ideológicas eram fúteis. A crise financeira talvez tenha chegado mais perto de ser um evento definidor para a geração do milênio alemã, mas como a Alemanha conseguiu superá-la tão bem, isso apenas reforçou a sensação de que a Alemanha tinha um sistema melhor do que a maioria.

Além disso, no plano doméstico, a Alemanha experimentou uma continuidade extraordinária nos últimos 30 anos. Tenho 34 anos e, durante minha vida, conheci três chanceleres alemães. Lembro-me até de ficar um tanto perplexa com o fim da chancelaria de Helmut Kohl: ele havia chegado ao poder cinco anos antes de eu nascer e foi sucedido por Gerhard Schröder quando eu tinha 11 anos. Schröder esteve no poder por sete anos. E nos últimos 16 anos, Angela Merkel esteve presente. Para comparar, um americano da mesma idade já passou por sete presidências. Um britânico da minha idade conheceu sete primeiros-ministros e um italiano quase 20. Ainda mais impressionante, durante todos, exceto sete anos de minha vida, a Alemanha foi governada por um governo liderado pelo mesmo partido, a união da União Democrática Cristã da Alemanha e a União Social Cristã na Baviera.

Essa continuidade política internacional e doméstica fez com que a política não nos proporcionasse um momento de definição. Não houve protestos de 1968  ao redor do qual pudéssemos nos reunir, nenhum celebração de 1989 em um muro caído, nenhuma guerra que nos deixou traumatizados (graças a Deus!), e nenhuma revolução, revolta política ou mudança geopolítica. O melhor que minha geração pode apresentar como momento decisivo é a Copa do Mundo de 2006, que a Alemanha sediou. A primeira vez que a geopolítica nos visitou em casa foi em 2015 na forma da crise de refugiados. Mas em 2015, mesmo os mais jovens da geração do milênio tinham 20 anos, e a maioria tinha 25 anos ou mais. Isso era tarde demais (e também não impactante o suficiente) para moldar fundamentalmente nossa visão do mundo. O mesmo é verdade para a atual pandemia.

Manifestação contra a política de acolhimento de refugiados de Merkel.

Mais importante, internalizamos a continuidade como norma. Em um nível emocional, nunca entendemos realmente que as coisas podem mudar e muito rapidamente. Em 1989, de repente, o muro se foi e todo um regime, uma forma de vida, simplesmente desapareceu. O terreno geopolítico tremeu. Isso deve ter sido emocionante e desorientador. Quem viveu aprendeu que a estabilidade não é garantida. Minha geração não experimentou tal terremoto político. O solo está estável agora, então deve estar sempre estável - como poderia ser de outra forma? E embora possamos saber em um nível intelectual que a estabilidade não é garantida, não é a mesma coisa. Uma coisa é ser ensinado que existem terremotos e outra é experimentá-lo. Eu me preocupo que não tenhamos a capacidade de imaginar um terremoto, muito menos nos prepararmos para ele.

Claro, o ditado “que você viva em tempos interessantes” é considerado uma maldição, não uma bênção. Tempos cheios de acontecimentos são interessantes apenas em retrospecto, enquanto vivê-los é inquietante, enfraquecedor e freqüentemente perigoso. Portanto: não estou reclamando. Mas viver em tempos de silêncio traz seus próprios desafios - especialmente quando as circunstâncias mudam.

Você simplesmente adotou o fim da história. Nós nascemos nele, fomos moldados por ele


A ideia de "fim da história" de Francis Fukuyama é frequentemente mal interpretada em um sentido simplista de que "não haverá mais eventos importantes". Mas embora até mesmo essa interpretação simplista se tornasse realidade na Alemanha, Fukuyama estava falando sobre ideias, não eventos. Ele escreveu: “O que podemos estar testemunhando não é apenas o fim da Guerra Fria, ou a passagem de um determinado período da história do pós-guerra, mas o fim da história como tal: isto é, o ponto final da evolução ideológica da humanidade e da universalização da democracia liberal ocidental como a forma final de governo humano.” Ele argumentou que a democracia liberal ocidental havia se tornado o único jogo na cidade. Descobriu-se que os alemães estavam mais do que dispostos a acreditar nele.

Três anos atrás, Thomas Bagger escreveu um excelente ensaio sobre o impacto de 1989 na mentalidade alemã. Ele mostrou que os alemães abraçaram a ideia do fim da história com mais fervor do que qualquer um porque "no final de um século marcado por ter estado do lado errado da história duas vezes, a Alemanha finalmente se viu do lado certo".

Adolf Hitler, o Führer, passa tropas em revista.

O mundo, assim explicado pelos proponentes do fim da história, convergiria para um sistema que desconsiderava o poder (militar) e favorecia os processos judiciais. Os países lidariam com desafios transnacionais em organizações internacionais. O nacionalismo e as ideologias perderiam seu apelo. Após o rompimento das comportas que 1989 representou, esses desenvolvimentos pareciam inevitáveis. Tudo isso atraiu muito os alemães. A primazia da lei sobre o poder era um ótimo conceito para um país que sentia que não podia ser confiado com poder. A ideia liberal se encaixava perfeitamente na Alemanha, incluindo a perda de importância da personalidade na política. O arco da história estava se curvando em direção à democracia liberal, de modo que os indivíduos eram muito menos importantes, necessários não como “Führer” - um termo que, com razão, perdera toda a legitimidade em alemão -, mas como administradores supervisionando um desenvolvimento inevitável. Isso pode explicar por que os políticos alemães tendem a ser tão, bem, tediosos. Uma das notícias mais interessantes sobre Angela Merkel é como ela cozinha sua sopa de batata. Ser um político chato na Alemanha não é um bug, é uma característica.

"It's not a bug, it's a feature".
A frase comumente usada pela produtora de games Ubisoft quando precisa explicar os bugs constantes em seus jogos, algo que se tornou uma marca registrada da empresa, 
afirmava serem características. De tão descarada, a resposta tornou-se um meme.

Bagger conclui que essa experiência tornou difícil para os alemães de sua geração, a qual adotou o fim da história com entusiasmo, se ajustarem à nova situação geopolítica atual. Isso é verdade, mas ele não considera que haja uma geração ainda mais impactada por isso do que aquelas que o vivenciaram: a geração que não viveu o momento, mas para a qual as convicções que se seguiram se tornaram a norma. As pessoas podem zombar da ingenuidade do otimismo pós-1989 hoje. Mas como podemos abandoná-lo se nunca conhecemos outra coisa? Você simplesmente adotou o espírito de 1989. Nós nascemos e fomos moldados por ele.

Por muito tempo, nossas convicções pareciam amparadas pela realidade: estávamos indo bem e cada vez mais pessoas queriam ser como nós. Ao longo da década de 1990 - nossa infância - na Europa Ocidental, havia um sentimento de progresso. A União Europeia cresceu a um ritmo rápido à medida que mais e mais países queriam aderir. A expectativa de uma grande convergência, bem como a ideia de que o mundo inteiro caminharia em direção à democracia e à economia de mercado e que, com o tempo, todos se tornariam como nós - essas ideias passaram a fazer parte do nosso DNA. Todos, acreditávamos, acabariam por seguir o exemplo da Alemanha. É importante ressaltar que, para nós, isso não era uma ideologia - tínhamos mudado de ideologias e ismos e chegamos à maneira como as coisas deveriam ser. As lutas ideológicas eram algo para os livros de história, e olhávamos com leve pena para aqueles que foram pegos em tais lutas no passado. Havíamos mudado para um plano superior de existência.

Tropas alemãs em Cabul.

Se você, lendo isto, é grego ou polonês, é provável que ache esta descrição do pensamento alemão não apenas arrogante, mas também incorreta. A Alemanha, nos últimos anos, não adotou, de fato, políticas que eram de seu interesse e não tão esclarecidas quanto minha descrição afirma? E o Nordstream II? E quanto à política de austeridade? E a Alemanha não se beneficiou mais do que quase ninguém com a integração europeia e o euro? Não é toda essa conversa sobre valores e amizade uma cortina de fumaça para a boa e velha política de interesses?

Pessoalmente, não acho que seja. A União Europeia é boa para a Alemanha, mas não teria chegado onde está agora se a Alemanha não estivesse disposta a fazer sacrifícios que mais países interessados em sua posição não teriam feito, mais notavelmente renunciando ao marco alemão pelo Euro. O Nordstream II, em minha opinião, é mais do que tudo um exemplo de alemães que não pensam estrategicamente, mas acreditam que fomos além da política de poder para um mundo onde a economia é mais importante e o comércio reúne todos. Mas mesmo que você discorde, para a geração do milênio alemã, o que importa é a narrativa. Os milênicos só estão chegando ao poder agora. Crescemos com a narrativa de que a política de poder é ruim. E é na narrativa que nós, alemães, entendemos isso melhor do que ninguém.

Uma superioridade moral perigosa

Soldado russo na invasão da Criméia, 2014.

Se isso soa arrogante para você, você não está sozinho. Há um sentimento de superioridade moral que vem com a rejeição da política de poder, da realpolitik e dos interesses nacionais. Somos tão bons em chegar a um acordo com a história e tão maduros para não sermos tão nacionalistas, para não sermos seduzidos por demagogos. Sim, erramos muito no passado, mas ninguém aprendeu as lições da verdade universal melhor do que nós. Geopolítica, política de interesses e realpolitik, portanto, são coisas deixadas para outros menos esclarecidos.

Esse senso de superioridade moral não apenas é pouco atraente e pode alienar aliados que não gostam de ser tratados como primos não-iluminados, mas também é perigoso porque não é crítico. Acreditamos nos ditados de 1989 sem perceber que eram apenas uma leitura do futuro. Em nossas mentes, a convergência era inevitável - o mittelschicht (classe média) da China pediria por democracia uma vez que tivesse poder suficiente e o nacionalismo da Rússia diminuiria. É em parte por causa dessas crenças que estávamos totalmente despreparados para o mundo mudado que veio à luz mais recentemente. Não apenas não conseguimos entender o que estava acontecendo, mas também tivemos problemas para defender nosso sistema contra ataques externos e internos. Se você simplesmente sabe que uma Europa unida é a resposta, que a cooperação internacional é necessária, que o império da lei é melhor do que a política de poder e que tudo isso está certo, pode ser surpreendentemente difícil explicar isso para alguém que questiona esta premissa.

Uma coluna americana de carros M60A3 se move ao longo de uma rua na Alemanha Ocidental durante o Exercício REFORGER 85, 1985.

A superioridade moral também ignora que, embora possamos ter ido além dessas - em nossa opinião - ideias obsoletas como o poder militar, outro alguém - a OTAN e os Estados Unidos - estava segurando um guarda-chuva militar sobre nós, o que nos permitiu o luxo de descontar o poderio militar.

E o fim da história tirou nosso futuro. Afinal, sabíamos onde o processo terminaria. A política tornou-se tediosa - um ato de administração, em vez de competição ideológica. Isso também pode ajudar a explicar por que todos os partidos alemães inevitavelmente reivindicam o "centro" político. Parece não haver necessidade de pensar estrategicamente sobre o futuro.

Conclusão

Charlize Theron como a agente Lorraine Broughton no filme "Atômica" (Atomic Blonde, 2017), ambientado na Berlim prestes a se reunificar.

Não estou reclamando que minha geração teve uma ótima infância - estável, segura e cheia de convicções de que o futuro seria ainda melhor. Mas crescemos em um mundo excepcional que considerávamos normal. Agora que a política internacional está mudando, estamos perdidos.

Eu poderia, é claro, estar errada. Uma vez, alguém me chamou de "o jovem mais velho" que conheciam, o que considerei um elogio, embora provavelmente não fosse esta a intenção. Então, talvez seja eu que não estou vendo a luz e não entendendo que o mundo realmente mudou. Mas me preocupa quando, em jogos de guerra (que na Alemanha são chamados de simulações) com outros milênicos, ninguém tem a abordagem intuitiva de avaliar uma situação olhando para os próprios interesses e capacidades dos outros e formular uma estratégia que corresponda a ambos. Me preocupa que parecemos tão ineptos no pensamento estratégico em um momento em que o sistema internacional é frágil e alternativas estão sendo levantadas por atores que não têm nossos melhores interesses no coração. Tenho dúvidas de que possamos contar com a próxima geração de pensadores e formuladores de política externa alemães. Temos uma geração de alemães que consideram as coisas como certas e têm dificuldade para responder aos desafios. Secretamente, minha geração espera que tudo volte ao normal em breve e que possamos seguir em frente com essa política de poder não esclarecida para enfrentar desafios reais como a mudança climática. Mas é improvável que o mundo nos faça esse favor. Para enfrentar esse desafio, minha geração precisará treinar seu músculo estratégico - e rápido.

Ulrike Franke, Ph.D., é pesquisadora sênior de política do Conselho Europeu de Relações Exteriores e milênica alemã. Ela trabalha com política externa e de defesa alemã e europeia, especialmente o impacto das novas tecnologias na guerra. Ela hospeda o podcast Sicherheitshalber, um podcast em alemão sobre política de segurança e defesa.

Bibliografia recomendada:

A Responsabilidade de Defender: Repensando a cultura estratégia da Alemanha.

Leitura recomendada:


GALERIA: Panzergrenadiers modernos26 de junho de 2021.