Mostrando postagens com marcador Alemanha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Alemanha. Mostrar todas as postagens

sábado, 23 de abril de 2022

Relatório alemão põe em dúvida a escala de seu apoio de armas à Ucrânia


Por Philip Oltermann, The Guardian, 21 de abril de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de abril de 2022.

Afirma que apenas três dos 15 tipos de armas solicitados agora na lista oficial provavelmente adicionarão combustível à disputa diplomática.

O gabinete do chanceler da Alemanha riscou várias armas pesadas de uma lista de desejos de equipamentos militares que se ofereceu para comprar de sua indústria de armamentos em nome do governo ucraniano, de acordo com uma reportagem na mídia alemã que põe em dúvida a alegação de Olaf Scholz de ter concordado com o processo de aquisição com Kiev.

Em uma entrevista coletiva na noite de terça-feira, Scholz disse que pediu a fornecedores de armas que apresentassem uma lista de sistemas de armas que poderiam ser entregues rapidamente para impulsionar o esforço defensivo da Ucrânia depois que as forças armadas alemãs esgotaram seus próprios estoques.

“A Ucrânia agora fez uma seleção desta lista e forneceremos o dinheiro necessário para a compra”, disse Scholz.

De acordo com uma reportagem do jornal alemão Bild na quinta-feira, a oferta da indústria em meados de março ainda incluía várias armas pesadas que Kiev diz necessitará para resistir à ofensiva russa no leste do país, incluindo veículos de transporte blindados Boxer, o sistema de artilharia Panzerhaubitze (PzH) 2000, e o tanque de batalha Leopard 2 fabricado pela empresa de defesa Krauss-Maffei Wegmann, com sede em Munique.

Quando a lista, intitulada “Indústria de opções de apoio – consolidada”, foi submetida ao governo ucraniano no final de março, o Bild disse que havia diminuído de 48 para 24 páginas e incluía apenas três dos 15 tipos de armas solicitados por Kiev. Dois pedidos de acompanhamento do governo ucraniano em 9 e 16 de abril teriam sido ignorados pelo lado alemão.

É provável que o relatório acrescente mais combustível a uma disputa diplomática na qual o governo de coalizão de Scholz diz que está fazendo tudo ao seu alcance para ajudar a Ucrânia a resistir ao ataque da Rússia, enquanto diplomatas ucranianos acusam Berlim de protelar remessas de armas por medo de provocar Putin em escalar a guerra.

A lista de produtos da indústria que a Alemanha diz que pagará inclui algumas máquinas modernas, como sistemas de radar, estações de armas de controle remoto que podem ser montadas em tanques ucranianos e veículos de transporte blindados.

A ministra das Relações Exteriores alemã, Annalena Baerbock, disse na quarta-feira que seu governo havia optado no passado por não tornar públicas todas as suas exportações de armas para a Ucrânia.

“Entregamos mísseis antitanque, Stingers e outras coisas sobre as quais nunca falamos publicamente, então essas entregas podem acontecer rapidamente”, disse ela.

Citando fontes governamentais anônimas, a Bloomberg informou que a Alemanha forneceria às tropas ucranianas treinamento e munição para o PzH 2000, um sistema de artilharia autopropulsado de fogo rápido, que a Holanda está enviando para a Ucrânia. Scholz não mencionou o acordo com a Holanda em seu discurso na terça-feira.

domingo, 10 de abril de 2022

ARTE MILITAR: Tropas sul-africanas na África Ocidental Alemã

Tropas sul-africanas marchando pela Deutsch Südwestafrika durante a Primeira Guerra Mundial enquanto estavam sob fogo dos alemães, 1915.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de abril de 2022.

Tropas sul-africanas marchando por dunas no Sudoeste Africano Alemão (Deutsch Südwestafrika), a atual Namíbia em 1915. A Primeira Guerra Mundial na África foi principalmente uma guerra de procuração de impérios coloniais europeus e nativos, pontilhada por algumas revoltas nativistas locais. Os alemães, um império colonial tardio, foi cercado por inimigos poderosos e suas colônias foram conquistadas e tomadas com o Tratado de Versalhes (1919).

Uma notável exceção foi a campanha de guerrilha do General Paul von Lettow-Vorbeck na África Oriental Alemã (atuais Burundi, Rwanda e Tanzania). Vorbeck servira no Sudoeste Africano Alemão, de 1904 a 1907 como capitão, e lutou na Rebelião Herero (1904-1908), participando no genocídio perpetrado pelos alemães.

Uma invasão do Sudoeste Africano Alemão pelo sul falhou na Batalha de Sandfontein em 25 de setembro de 1914, perto da fronteira com a Colônia do Cabo. Fuzileiros africanos liderados por alemães (Schutztruppe) infligiram uma séria derrota às tropas britânicas e os sobreviventes retornaram ao território britânico. Os alemães iniciaram uma invasão da África do Sul para impedir outra tentativa de invasão e a Batalha de Kakamas ocorreu em 4 de fevereiro de 1915, entre as forças sul-africanas e alemãs, uma escaramuça pelo controle de dois vaus fluviais sobre o rio Orange.

A campanha do Sudoeste Africano em 1915.

Em fevereiro de 1915, os sul-africanos estavam prontos para ocupar o território alemão. O General Louis Botha colocou o General Jan Smuts no comando das forças do sul enquanto ele comandava as forças do norte. Botha chegou a Swakopmund em 11 de fevereiro e continuou a aumentar sua força de invasão em Walfish Bay (ou Walvis Bay), um enclave sul-africano na metade do caminho ao longo da costa do Sudoeste Africano Alemão. Em março Botha começou um avanço de Swakopmund ao longo do vale de Swakop com sua linha férrea e capturou Otjimbingwe, Karibib, Friedrichsfelde, Wilhelmsthal e Okahandja e depois entrou em Windhuk em 5 de maio de 1915.

Os alemães ofereceram termos de rendição, que foram rejeitados por Botha e a guerra continuou. Em 12 de maio, Botha declarou lei marcial e dividiu suas forças em quatro contingentes, que isolaram as forças alemãs no interior das regiões costeiras de Kunene e Kaokoveld e se espalharam para o nordeste. Lukin foi ao longo da linha férrea de Swakopmund a Tsumeb. As outras duas colunas avançaram rapidamente no flanco direito, Myburgh para o entroncamento de Otavi e Manie, e Botha para Tsumeb e o terminal da ferrovia. As forças alemãs no noroeste lutaram na Batalha de Otavi em 1º de julho, mas foram derrotadas e se renderam em Khorab em 9 de julho de 1915.

No sul, Smuts desembarcou na base naval do Sudoeste Africano em Luderitzbucht, depois avançou para o interior e capturou Keetmanshoop em 20 de maio. Os sul-africanos ligaram-se a duas colunas que avançaram sobre a fronteira da África do Sul. Smuts avançou para o norte ao longo da linha férrea para Berseba e em 26 de maio, após dois dias de combates, capturou Gibeon. Os alemães no sul foram forçados a recuar para o norte em direção à força de Windhuk e Botha. Em 9 de julho, as forças alemãs no sul se renderam.

Generais Botha e Smuts em Versalhes, julho de 1919.

quinta-feira, 7 de abril de 2022

FOTO: Hasteamento da bandeira nazista na Acrópole de Atenas

Soldados alemães hasteando a bandeira nazista na Acrópole de Atenas, 27 de abril de 1941.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de abril de 2022.

Marcando a queda da Grécia sob a bota nazista, soldados alemães da temida Wehrmacht hasteiam a Reichskriegsflaggea bandeira imperial de guerra alemã, na Acrópole de Atenas (Ακρόπολη Αθηνών / Akrópoli Athinón). Nessa época, a bandeira nacional da Alemanha era a própria bandeira do NSDAP, o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães. A bandeira de batalha colocando a suástica em evidência, com uma cruz de ferro em detalhe.

O momento foi a apoteose da campanha alemã na Grécia, após duros combates contra os defensores gregos e britânicos. A emoção é visível com um soldado até mesmo brandindo uma pistola.

Tropas de montanha alemãs com a bandeira nacional da Alemanha Nazista, que está sendo usada como identificador para a aviação na Grécia, 1941.

Depois de abandonar a área das Termópilas, a retaguarda britânica retirou-se para uma posição improvisada ao sul de Tebas, onde ergueram um último obstáculo em frente a Atenas. O batalhão de motocicletas da 2ª Divisão Panzer, que havia atravessado a ilha de Eubeia para tomar o porto de Chalcis e posteriormente retornado ao continente, recebeu a missão de flanquear a retaguarda britânica.

As tropas de motocicletas encontraram apenas uma ligeira resistência e na manhã de 27 de abril de 1941, os primeiros alemães entraram em Atenas, seguidos por carros blindados, tanques e infantaria. 
Eles capturaram intactas grandes quantidades de petróleo, óleo e lubrificantes, vários milhares de toneladas de munição, dez caminhões carregados de açúcar e dez caminhões carregados de outras rações, além de vários outros equipamentos, armas e suprimentos médicos. Os alemães dirigiram direto para a Acrópole e hastearam a bandeira nazista.

O povo de Atenas esperava os alemães há vários dias e se confinou em suas casas com as janelas fechadas. Na noite anterior, a Rádio Atenas havia feito o seguinte anúncio:

"Você está ouvindo a voz da Grécia. Gregos, mantenham-se firmes, orgulhosos e dignos. Vocês devem provar que são dignos de sua história. O valor e a vitória do nosso exército já foram reconhecidos. A justiça de nossa causa também será reconhecida. Cumprimos nosso dever honestamente. Amigos! Tenham a Grécia em seus corações, vivam inspirados com o fogo de seu último triunfo e a glória do nosso exército. A Grécia voltará a viver e será grande, porque lutou honestamente por uma causa justa e pela liberdade. Irmãos! Tenha coragem e paciência. Sejam fortes de coração. Vamos superar essas dificuldades. Gregos! Com a Grécia em mente, vocês devem estar orgulhosos e dignos. Temos sido uma nação honesta e bravos soldados."

Alguns dias depois, quando a bandeira do Reichskriegsflagge tremulava no ponto mais alto da Acrópole, dois jovens atenienses, Manolis Glezos e Apostolos Santas, subiram à noite na Acrópole e derrubaram a bandeira.

Em 13 de abril de 1941, Hitler emitiu a Diretiva nº 27, incluindo sua política de ocupação para a Grécia. Ele finalizou a jurisdição nos Balcãs com a Diretiva nº 31 emitida em 9 de junho. A Grécia continental foi dividida entre Alemanha, Itália e Bulgária, com a Itália ocupando a maior parte do país. As forças alemãs ocuparam as áreas estrategicamente mais importantes de Atenas, Salônica, Macedônia Central e várias ilhas do mar Egeu, incluindo a maior parte de Creta. Eles também ocuparam Florina, que foi reivindicada pela Itália e pela Bulgária. Os búlgaros ocuparam território entre o rio Struma e uma linha de demarcação que atravessa Alexandroupoli e Svilengrad a oeste do rio Evros. As tropas italianas começaram a ocupar as ilhas Jônicas e Egeias em 28 de abril. Em 2 de junho, eles ocuparam o Peloponeso; em 8 de junho, Tessália; e em 12 de junho, a maior parte da Ática.

Reichskriegsflagge capturada pela 2ª Companhia de Engenharia da FEB. Digitalização do livro "Quebra Canela", do General Raul da Cruz Lima Junior.

quinta-feira, 17 de março de 2022

A Importância do Nível Estratégico: a Alemanha na Segunda Guerra Mundial


Por Lorris Beverelli, The Strategy Bridge, 7 de abril de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de março de 2022.

Introdução

É amplamente aceito que existem três níveis de guerra. Do geral ao local, são os níveis estratégico, operacional e tático. Estratégia, definida de forma simples, é o alinhamento de meios e formas para atingir um fim político. Estratégia é obter sucesso na guerra por meio de uma teoria de vitória claramente definida. Cada nível de guerra é essencial para obter esse sucesso e todos são igualmente importantes.

A Alemanha na Segunda Guerra Mundial ilustra por que o nível estratégico é essencial. Este artigo detalhará alguns dos erros estratégicos que a Alemanha cometeu durante o conflito para ilustrar como a falta de uma boa estratégia contribuiu decisivamente para a ruína do Terceiro Reich.

Ideologia e estratégia, ou ideologia acima da estratégia

A ideologia pode impactar fortemente a estratégia. Embora a ideologia não seja necessariamente prejudicial à estratégia em si mesma, ela pode levar a decisões e situações perigosas. De fato, a ideologia deve ser equilibrada com avaliações objetivas e racionais sobre a própria situação e forças, juntamente com as do adversário – estratégica, operacional e taticamente – para não prejudicar a arte estratégica. O Terceiro Reich não conseguiu alcançar esse equilíbrio.

Indiscutivelmente, a principal falha da estratégia alemã na Segunda Guerra Mundial foi que ela se baseou fortemente na ideologia e negligenciou elementos objetivos que poderiam ter ajudado a avaliar melhor a situação geral. De fato, a ideologia atormentava a estratégia na medida em que os alemães buscavam atingir objetivos extremamente difíceis e que o processo decisório era fortemente afetado por ela.

Abert Speer e Adolph Hitler.
(Ullstein Bild/Getty)

O pensamento estratégico alemão nesse conflito, encarnado principalmente por Adolf Hitler, levou a uma estratégia de apocalipse na qual a Alemanha era guiada pelo nazismo e travada em uma luta mortal com seus inimigos – em particular a União Soviética. A guerra não era mais uma ferramenta política tradicional; como retransmite Michael Geyer: “A guerra nacional-socialista estabeleceu e manteve a ordem em uma expansão ilimitada da violência... A estratégia não era mais instrumental, mas era ideológica em sua direção e oportunista em seus métodos.”[1]

Por causa de sua ideologia, a Alemanha travou o que Geyer chamou de guerra apocalíptica. Seus objetivos eram extremos e não o produto de qualquer tipo de análise objetiva.[2] Em vez disso, a estratégia da Alemanha resultou parcialmente de uma ideologia que favorece uma visão do mundo influenciada pela competição racial.[3] A estratégia para atingir tais objetivos tendia a basear-se mais na inspiração do que no cálculo geopolítico.[4] De fato, as conquistas do Terceiro Reich foram em parte baseadas em uma construção, chamada “necessidade histórica de luta por território e recursos entre diferentes raças e culturas”.

As políticas de Hitler, consequentemente, não foram guiadas por nenhum tipo de método sólido ou princípio de estratégia.[6] Em vez disso, eles foram afligidos pelo “racialismo auto-iludido”. A Barbarossa – a invasão da União Soviética em 22 de junho de 1941 – foi parcialmente o produto de considerações estratégicas clássicas, mas de acordo com Richard Overy “sua lógica [estava] em última análise, na luta eterna entre civilização e barbárie, cultura e primitivismo, [então] expressas respectivamente pelo nacional-socialismo e pelo bolchevismo.”[9]

General Heinz Guderian, um dos mais proeminentes praticantes da “Blitzkrieg”, em Bouillon, Bélgica, durante as ofensivas alemãs na Europa Ocidental em 12 de maio de 1940.
(Das Bundesarchiv/Wikimedia)

O período que melhor ilustra como a ideologia nazista perverteu sua estratégia pode ser 1944-1945. Embora a derrota alemã fosse provavelmente previsível em 1944 e quase certa em 1945, o Terceiro Reich “se apegou ao seu conceito original de guerra apocalíptica”.[10] Em vez de se render para preservar o povo alemão, Hitler preferiu continuar lutando. Essa decisão fez ainda menos sentido estratégico, pois já em janeiro de 1942 ele havia declarado que se o povo alemão não pudesse vencer a guerra, então ela deveria desaparecer.[11] Em 19 de março de 1945, ainda obstinadamente recusando-se a admitir a derrota, ele emitiu sua “Ordem Nero” para destruir qualquer coisa que pudesse ser usada pelo inimigo.[12] De acordo com Albert Speer, Hitler então não se importava mais com o futuro do povo alemão; eles perderam e mostraram sua inferioridade ao inimigo.[13]

Isso mostra que o Reich não pensava como um governo tradicional preocupado principalmente com a preservação ou sobrevivência de seu país ou regime. Muito pelo contrário, Hitler considerou que a derrota alemã seria redentora e purificadora.[14]

Deixar de escolher o caminho certo para atender aos fins procurados

Destruir as forças armadas inimigas não garante a vitória

Outro problema de dogmatismo é como as forças armadas alemãs buscaram predominantemente destruir seus inimigos no campo de batalha, mas a liderança alemã foi incapaz de transformar vitórias táticas e destreza operacional em sucesso estratégico. Já em 1937-1938, o Chefe do Estado-Maior General Ludwig Beck repetidamente criticou os oficiais mais jovens por simplesmente maximizarem o uso de armas, e reclamou de sua aparente falta de integração das operações dentro de uma estratégia maior.[15]

General Ludwig Beck.
(German Federal Archives/Wikimedia)

De fato, o modo de guerra alemão na Segunda Guerra Mundial era semelhante ao usado no conflito anterior, que incluía o conceito de Gesamtschlacht (batalha total ou completa). Herdado de Alfred von Schlieffen antes de 1914, o Gesamtschlacht procurou combinar vários campos de batalha e engajamentos em uma operação integral para criar uma batalha final e decisiva.[16] Os alemães consideravam a guerra como uma sequência estratégica única de aniquilação (Vernichtungsstrategie, estratégia de aniquilação) compreendendo três fases: mobilização, desdobramento e Gesamtschlacht.[17] Este processo visava criar um envelopamento do inimigo antes de destruí-lo ou fazê-lo render-se, e fazê-lo para cada inimigo da Alemanha até que a vitória fosse alcançada.[18]

Consequentemente, a manobra estratégica dependia de resultados táticos. Portanto, se a Alemanha não obtivesse a vitória pela mera destruição do poder militar do inimigo, a única opção estratégica seria então ficar na defensiva, porque os alemães não podiam ou não conceberiam nada diferente.[19]

Naturalmente, a Alemanha ainda poderia obter sucessos estratégicos, na Europa em 1939, 1940 e 1941, antes da invasão da União Soviética, por exemplo. Mas esses sucessos foram possíveis em parte porque os alemães não só foram capazes de usar seu método preferido - destruir grandes partes das forças armadas inimigas - mas também porque tinham a capacidade de ocupar países inteiros. No entanto, quando esses dois elementos eram difíceis de realizar, o modo de guerra alemão tinha dificuldades em transformar sucessos táticos em efeito estratégico.

As lutas contra o Reino Unido e os Estados Unidos, mas principalmente contra a União Soviética, demonstram isso. De fato, Blitzkrieg e Gesamtschlacht não eram boas maneiras de derrotar inimigos que gozavam de vantagens geográficas impedindo a ocupação total – nestes casos, uma ilha, o Oceano Atlântico e imensa profundidade estratégica – e que tinham a vontade de continuar lutando apesar das derrotas iniciais e até esmagadoras.[20]

A falha em reconhecer que essa estrutura não era necessariamente apropriada contra o Reino Unido, os Estados Unidos e a União Soviética foi um erro estratégico. Os estrategistas alemães não conseguiram conceber uma maneira de derrotar seus inimigos a não ser derrotando grandes partes de suas forças armadas e ocupando todo o país se eles se recusassem a se render. Os alemães falharam em reconhecer que o mero acúmulo de sucessos táticos e destreza operacional não necessariamente se traduziria em efeito estratégico.[21]

A doutrina deve ser adaptada ao ambiente

O segundo elemento desse erro estratégico é que o Reich usou suas forças armadas da mesma maneira, independentemente do ambiente em que lutou. Em certo sentido, a Alemanha cometeu o mesmo erro de Napoleão: confiou em uma doutrina e meios que funcionavam melhor em teatros muito menores, com bons recursos logísticos, boas redes rodoviárias e clima temperado. A mera mudança de escala entre os teatros europeus ocidentais e orientais teve um impacto significativo na condução das operações e deveria ter afetado o planejamento estratégico alemão antes do início da Barbarossa.[22]

Tropas alemãs lutando na “rasputitsa” russa, março de 1942.
(Das Bundesarchiv/Wikimedia)

De fato, a vastidão da União Soviética por si só significava que as formas operacionais alemãs não podiam necessariamente ser adaptadas. Em 1939 e 1940, havia aproximadamente 400 quilômetros da fronteira alemã até Varsóvia e 300 quilômetros da fronteira alemã até Paris. Em 1941, havia cerca de 1.000 quilômetros da fronteira polonesa controlada pelos alemães até Moscou; a distância mais que dobrou ou triplicou, em comparação com as campanhas polonesas e francesas.

Inadequações operacionais, erros estratégicos

Embora esses elementos denotem erros que se manifestaram no nível operacional da guerra, eles revelam um grave erro estratégico subjacente. A Alemanha não conseguiu perceber que sua doutrina operacional não estava necessariamente adaptada para atingir seus objetivos estratégicos e não conseguiu adaptá-la ao contexto. Nesse sentido, o caminho não foi adaptado ao fim, e a estratégia consiste em encontrar os meios e formas adequados para cumprir os fins.

Não aprender com a história

Uma falha estratégica de longa data é a incapacidade de aprender com os erros do passado. No final, a Alemanha cometeu erros semelhantes aos que cometeu na França em 1918, acreditando que o mero acúmulo de vitórias táticas garantiria o sucesso estratégico.[23] Tal pensamento realmente funcionou no início da guerra, quando os inimigos da Alemanha não tinham a iniciativa, seu território era pequeno o suficiente para ser totalmente ocupado, eles ainda não haviam mobilizado totalmente sua indústria e quando as táticas alemãs eram esmagadoramente melhores que as deles.

A Segunda Guerra Mundial na Europa.
(Wikimedia)

O segundo grande fracasso diz respeito às coalizões. A Alemanha perdeu a Primeira Guerra Mundial, em parte, porque enfrentou uma aliança forte, bem coordenada e eficaz, apoiada por maiores recursos agregados e uma base industrial mais eficiente com maior mão-de-obra.[24] O Terceiro Reich perdeu a Segunda Guerra Mundial, em grande parte, porque se recusou a reconhecer exatamente o mesmo. De fato, em vez de ficar em guerra apenas com o Reino Unido e tentar manter o status quo ou acabar com ele antes de prosseguir com sua expansão, a Alemanha, em apenas seis meses, declarou guerra a dois Estados, ambos com indústrias poderosas, populações maiores e uma razão plausível para alinhar em causa comum. Apesar dessas considerações estratégicas, a União Soviética tinha uma imensa profundidade estratégica enquanto os Estados Unidos tinham o Oceano Atlântico, colocando ambos efetivamente fora do alcance alemão sob o princípio do Gesamtschlacht.

A falta de boas estratégias industriais e econômicas

Os principais líderes da aliança contra as potências do Eixo na Conferência de Teerã, 28 de novembro de 1943. Da esquerda para a direita: Joseph Stalin, Franklin D. Roosevelt, Winston Churchill.
(U.S. Signal Corps/Wikimedia)

Finalmente, outro erro estratégico diz respeito à indústria e economia alemãs. A Alemanha não conseguiu criar estratégias industriais e econômicas eficazes para apoiar suas ambições militares. Esse erro encontra parcialmente sua origem na estrutura política construída por Hitler. Seu poder repousava em equilíbrios complexos e alianças políticas frágeis entre dignitários nazistas, líderes militares e círculos empresariais.[25] Dessa forma, Hitler conseguiu consolidar seu poder, mas ao preço de um atrito considerável.[26] Consequentemente, os dignitários alemães estavam trabalhando independentemente uns dos outros sem ter uma visão geral da situação geral, que só Hitler tinha.[27] Portanto, o setor civil estava fragmentado, o que dificultou a mobilização e coordenação da indústria.[28]

Tal fragmentação foi ilustrada pelo fato de que vários líderes nazistas estavam administrando impérios industriais.[29] Por exemplo, Heinrich Himmler, o chefe da Schutzstaffel (SS), criou sua própria economia SS e se opôs a um processo centralizado de tomada de decisão econômica e industrial.[30] Por causa de tais tensões e do fato de que o Estado nazista impedia a existência de qualquer tipo de contra-poder, os esforços daqueles que tentaram organizar melhor o esforço de guerra alemão, como Albert Speer, foram impedidos.[31] Essa fragmentação piorou o distúrbio e as ineficiências pré-existentes.[32]

O Ministro de Armamentos e Produção de Guerra Albert Speer (à direita, usando uma braçadeira nazista) e o Marechal de Campo e Inspetor Geral do Ar Erhard Milch (no meio) observam a demonstração de um novo tipo de munição, outubro de 1943.
(Das Bundesarchiv/Wikimedia)

Outros problemas também existiam. Por exemplo, os esforços de pesquisa e desenvolvimento tecnológico foram desorganizados e não foram priorizados com base na necessidade ou natureza do projeto.[33] Isso se deveu em parte à doutrina militar alemã, que buscava batalhas decisivas e planejava alcançar a vitória combinando habilidade tática e desempenho de armas. Consequentemente, os alemães tendiam a procurar desempenho absoluto em armas, em vez de um desempenho que fosse bom o suficiente para a tarefa que deveriam realizar.[34] Tal método, combinado com a falta de mão-de-obra qualificada, longos períodos de produção e, em particular, falta de matérias-primas, revelou-se ineficaz e contraproducente.[35]

Consequentemente, a Alemanha não foi capaz de conceber estratégias industriais e econômicas adequadas. Isso teve um impacto necessário e negativo na condução da guerra, especialmente porque os inimigos do Reich possuíam economias relativamente mais eficientes e indústrias mobilizadas.[36]

Na guerra, uma boa estratégia é uma necessidade constante

A Alemanha na Segunda Guerra Mundial ensina que uma boa estratégia é essencial para vencer guerras. O Reich ignorou vários princípios de estratégia que levaram à sua ruína. Tais princípios são simples e talvez até óbvios, mas esquecê-los ou ignorá-los como a Alemanha fez pode ter consequências desastrosas.

A Alemanha ignorou o fato de que a política e a estratégia quase sempre devem ser “um pouco flexíveis e adaptáveis às mudanças nas circunstâncias do contexto”. Como Colin S. Gray afirma, “políticas e estratégias suficientemente boas devem sempre ser ‘trabalho em andamento’, pelo menos em algum grau modesto.”[37] De fato, a Alemanha não conseguiu se adaptar, principalmente quando enfrentou a União Soviética. Ignorou o princípio Clausewitziano de que a guerra é, por essência, dialética; o inimigo tem uma palavra a dizer sobre o assunto, e enquanto eles se recusam a admitir a derrota, mesmo que pareça inevitável, é improvável que as vitórias táticas se traduzam por si só em sucesso estratégico.[38] Por causa de sua estratégia ideológica e apocalíptica, o Terceiro Reich recusou-se a reconsiderar seus objetivos estratégicos e os meios utilizados para atingir os fins almejados. Isso ficou evidente em relação à União Soviética, quando a Alemanha deveria ter percebido que sua arte operacional não seria capaz de atingir seus fins estratégicos. Nesse sentido, a estratégia alemã era inflexível.

Às vezes, a Alemanha também escolheu o caminho errado para alcançar os fins desejados. De fato, a estratégia requer prestar “a máxima atenção... à viabilidade material das operações escolhidas”.[39] O Terceiro Reich frequentemente falhou em fazê-lo. Além disso, a Alemanha não sabia como se adaptar para alcançar vitórias estratégicas se sua principal forma de fazê-lo – destruir o poder militar inimigo via aniquilação – se mostrasse inadequada ou impossível. Além disso, a excelência tática e a destreza operacional devem ser direcionadas por meio de uma estratégia realista. O que importa em última análise são as consequências políticas das batalhas forjadas pela arte operacional, em vez de seu resultado material e tático imediato.[40]

Soldados da FEB posando com prisioneiros alemães.
(Fundo Agência Nacional/Wikimedia)

Este estudo de caso mostra que a estratégia também deve observar a história e aprender com ela. Como mostrado, o Terceiro Reich falhou em fazê-lo. Além disso, este caso ilustra que a estratégia não é apenas estratégia militar. Deve incluir várias outras ferramentas – economia e diplomacia no mínimo – para maximizar as chances de alcançar o(s) objetivo(s) político(s) desejado(s). Além disso, essas ferramentas se reforçam mutuamente. A Alemanha sobre-privilegiou a estratégia militar e negligenciou as estratégias industrial e econômica.

A Alemanha na Segunda Guerra Mundial mostra que uma estratégia orientadora com uma teoria clara de vitória emoldurada por objetivos políticos realistas é uma necessidade constante e inegociável na guerra. Independentemente do caráter da guerra, a estratégia sempre será essencial para alcançar o resultado desejado. Hoje em dia, a falta de uma boa estratégia pode refletir a imagem das democracias ocidentais que falham em alcançar objetivos significativos em conflitos não-convencionais no exterior. No entanto, não se deve esquecer que isso também se aplica a conflitos convencionais entre Estados que operam exércitos inteiros, incluindo guerras totais. A estratégia de contagem de corpos falhou no Vietnã, mas também falhou na frente oriental alemã na Segunda Guerra Mundial.

Conclusão

O Terceiro Reich era excelente em táticas e provavelmente, do ponto de vista operacional, era pelo menos adequado em geral. Afinal, a Alemanha obteve vitórias impressionantes na Polônia, Dinamarca, Noruega, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, França, Iugoslávia e Grécia. Nesses casos, a arte operacional alemã conseguiu alcançar efeitos estratégicos. Os ambientes e contextos locais foram bons para sua preferência pela aniquilação.

No entanto, quando a principal via operacional não era adequada para atender aos seus fins estratégicos – ou seja, quando os contextos geográficos e industriais não permitiam a destruição ou ocupação total e seus inimigos resolvidos e capazes de continuar lutando apesar das derrotas iniciais – a Alemanha atolou e foi incapaz de inovar. Reconhecendo os pontos fortes e fracos de sua própria preferência estratégica, a escolha por variantes de certas formas de arte operacional pertence ao domínio estratégico. A estratégia alemã deveria ter levado isso em consideração e perceber que, quando o contexto local estivesse certo, a Blitzkrieg poderia valer a pena; mas se não fosse, alcançar objetivos estratégicos poderia ser muito mais difícil com a adesão obstinada aos mesmos.

Ao olhar para os diferentes níveis de guerra alemães, o que mais condenou a Alemanha foi sua estratégia inspirada na ideologia, apocalíptica e irrealista. A estratégia falha do Terceiro Reich o levou a declarar guerra tanto à União Soviética quanto aos Estados Unidos; deixar de reconhecer que suas formas operacionais não foram necessariamente adequadas para atingir seus fins estratégicos; teimosamente se recusa a capitular quando a derrota era mais provável; e prefere a destruição total à derrota limitada.

Lorris Beverelli é um cidadão francês que possui um Master of Arts em Estudos de Segurança com concentração em Operações Militares pela Universidade de Georgetown.

Notas

[1] Michael Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” in Makers of Modern Strategy: from Machiavelli to the Nuclear Age, ed. Peter Paret (Princeton: Princeton University Press, 1986), 583-84.

[2] Ibid., 573.

[3] Ibid., 582.

[4] Ibid., 583.

[5] Richard Overy, The Origins of the Second World War, Fourth edition, Abingdon, New York: Routledge, 2017, 40.

[6] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 583.

[7] Overy, The Origins, 94.

[8]  Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 575.

[9] Overy, The Origins, 41, 88; Peter Longerich, Hitler, trans. Tilman Chazal, Caroline Lee, Caroline Lelong e Valentine Morizot, trans. ed. Raymond Clarinard, Éditions Héloïse d’Ormesson, 2017, 701, 721 (traduzido em inglês sob o título Hitler: A Biography e publicado pela Oxford University Press em 2019).

[10] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 574.

[11] Andrew Roberts, Leadership in War: Essential Lessons from Those Who Made History, New York: Viking, 2019, 89.

[12] Longerich, Hitler, 750; Claude Quétel, La Seconde Guerre mondiale, Paris: Perrin, 2015, 237.

[13] Longerich, Hitler, 750.

[14] Richard Overy, Why the Allies Won, New York: W.W. Norton & Company, 1996, 315; Longerich, Hitler, 945-46.

[15] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 571, 572.

[16] Benoist Bihan, “L’Allemagne a perdu la guerre à cause d’Hitler,” in Les mythes de la Seconde Guerre mondiale, ed. Jean Lopez e Olivier Wieviorka (Paris: Perrin, 2015), 385; Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 532.

[17] Bihan, “L’Allemagne,” 385. Para saber mais sobre tais conceitos, veja, por exemplo, Michael Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” in Makers of Modern Strategy: from Machiavelli to the Nuclear Age, ed. Peter Paret (Princeton: Princeton University Press, 1986); Terence Zuber, Inventing the Schlieffen Plan: German War Planning 1871-1914, Oxford: Oxford University Press, 2002. 

[18] Ibid.

[19] Ibid., 386.

[20]  Observe que o termo “blitzkrieg” é usado aqui para fins de simplicidade e clareza. Esta palavra é mais um termo construído para designar a maneira geral como os alemães estavam atacando na Segunda Guerra Mundial, em vez de uma doutrina oficial bem definida. Por exemplo, ver Karl-Heinz Frieser, trans. ed. John T. Greenwood, The Blitzkrieg Legend: The 1940 Campaign in the West, Annapolis: Naval Institute Press, 2005.

[21] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 591.

[22] Martin Motte, Georges-Henri Soutou, Jérôme de Lespinois e Olivier Zajec, La mesure de la force : Traité de stratégie de l’École de guerre, Paris: Éditions Tallandier, 2018, 256-57.

[23] Geyer, “German Strategy,” 591.

24] Ver por exemplo, William Philpott, War of Attrition: Fighting the First World War, New York: The Overlook Press, 2014; Michel Goya, Les vainqueurs : Comment la France a gagné la Grande Guerre, Paris: Éditions Tallandier, 2018.

[25] Bihan, “L’Allemagne,” 381. Para uma ilustração de tais relacionamentos, veja Jean Lopez (editor), Nicolas Aubin, Vincent Bernard, Nicolas Guillerat, Infographie de la Seconde Guerre mondiale, Paris: Perrin, 2018, 44 (traduzido em inglês sob o título World War II Infographics e publicado pela Thames & Hudson em 2019).

[26] Jean Lopez (editor), Nicolas Aubin, Vincent Bernard, Nicolas Guillerat, Infographie de la Seconde Guerre mondiale, Paris: Perrin, 2018, 44.

[27] Ibid.

[28] Bihan, “L’Allemagne,” 381.

[29] Benoist Bihan compara esta estrutura a fidelidades medievais, daí a palavra “lords” aqui.

[30] Quétel, La Seconde Guerre mondiale, 237.

[31] Ibid.; Bihan, “L’Allemagne,” 384.

[32] Bihan, “L’Allemagne,” 382.

[33] Ibid.

[34] Ibid., 383.

[35] Ibid., 384.

[36] Ibid., 382.

[37] Colin S. Gray, Strategy and Politics, New York: Routledge, 2016, 64.

[38] Motte, Soutou, de Lespinois e Zajec, La mesure, 74.

[39] Gray, Strategy and Politics, 65.

[40] Ibid., 70.

terça-feira, 8 de março de 2022

GALERIA: A Brigada Ramcke de Hildesheim à África

Soldado da Brigada Ramcke com o distintivo de escorpião.
Ele tem um bocal de granada no seu fuzil Mauser Kar 98k.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de março de 2022.

A Brigada Fallschirmjäger-Ramcke se alinhou em Hildesheim para um desfile antes de partir para o Norte da África, no verão de 1942. A Brigada Ramcke chegou na África em agosto de 1942 via Atenas e depois Creta, servindo na África Ocidental. Na Wehrmacht, os paraquedistas (fallschirmjäger) pertenciam à força aérea - Luftwaffe.

A Brigada Ramcke havia sido criada pelo a captura de Malta, onde saltaria ao lado da Brigada Folgore italiana. Na África, a brigada serviu principalmente ao lado da 25ª Divisão de Infantaria "Bolonha" até a retirada final de El Alamein em novembro de 1942, quando 600 homens restante roubaram caminhões de um comboio inglês e se retiraram após sofrerem pesadas baixas. A brigada então se engajou na retirada para a Tunísia. Ramcke foi transferido de volta para a Alemanha, onde recebeu as Folhas de Carvalho na Cruz de Cavaleiro, e o comando passou para o Major Hans Kroh.

O que restou da brigada fez parte da capitulação do Grupo de Exércitos da África (Heeresgruppe Afrika / Gruppo d'Armate África) em 13 de maio de 1943.

General Hermann-Bernhard Ramcke.

Formação

Antes mesmo da Operação Mercúrio (Unternehmen Merkur) contra a ilha de Creta em 1941, os preparativos começaram para tomar a ilha de Malta, controlada pelos britânicos, no Mediterrâneo. A ilha atuou como porto de abastecimento e base de operações para a RAF, o que colocava seus aviões a uma distância impressionante do norte da África e da Itália. Inicialmente, os paraquedistas italianos e alemães e a infantaria aerodesembarcada deveriam tomar o aeródromo da ilha antes que uma força de tropas marítimas italianas desembarcasse e protegesse o resto da ilha e subjugasse os defensores. Esta operação foi chamada de Hércules (Unternehmen Herkules).

No entanto, após as altíssimas baixas sofridas pelos Fallschirmjäger durante a Batalha Aeroterrestre de Creta (Luftlandeschlacht um Kreta) e problemas de abastecimento de combustível para a Marinha italiana, o ataque a Malta foi cancelado e várias tropas Fallschirmjäger ficaram disponíveis para outras operações, sendo transferidas para o leste e para a África.

Entra a Brigada Ramcke.

No início do verão de 1942, o General Student, comandante das forças Fallschirmjäger da Luftwaffe, foi convidado a formar uma Fallschirm-brigade para ser enviada à África. Ele nomeou Bernhard Herman Ramcke comandante da nova brigada.

Ramcke (então um Oberst) comandou Fallschirmjäger em Creta e assumiu o comando das operações ocidentais quando o comandante do Regimento de Assalto (Sturm-Regiment), Oberst Meindl, foi ferido, caindo com a primeira onda de reforços em 21 de maio. Ele então assumiu o comando do Kampfgruppe de Meindl, supervisionando o rompimento das linhas neo-zelandesas e se unindo às forças alemãs em Gálatas.

Após sua promoção a Generalmajor em agosto de 1941, ele serviu brevemente com os paraquedistas italianos da Folgore em preparação para a Operação Herkules visando invadir Malta, antes desta ser cancelada e ele ser chamado de volta a Berlim.

A nova brigada paraquedista consistia em quatro batalhões retirados de diferentes regimentos Fallschirmjäger, um batalhão de artilharia, uma companhia de comunicações, uma companhia de pioneiros e uma companhia antitanque.

Ordem de batalha da Fallschirm-brigade Ramcke
  • Comandante: General der Fallschirmtruppen Bernhard Hermann Ramcke
  • Brigadestab (Estado-Maior)
  • I./ Regiment Fallschirmjäger 2 (Batalhão Kroh)
  • I./ Regiment Fallschirmjäger 3 (Batalhão von der Heydte)
  • II./ Regiment Fallschirmjäger 5 (Batalhão Hübner)
  • Fallschirmjäger-Lehr Battalion/XI. Flieger-Korps (Batalhão Burkhardt)
  • II./Fallschirm-Artillerie Regiment (Fenski)
  • Tietjen Pionier Kompanie (Hauptmann Cord Tietjen)
  • Panzerjäger Kompanie (Hasender, com doze canhões PaK36 de 3,7cm)
  • Companhia de Comunicações

Desfile em Hildesheim

Na primeira fila à esquerda está o Major Friedrich von der Heydte, enquanto à sua direita está o Stabsoffizier Oberleutnant Rolf Mager.
No meio atrás da linha está o Oberleutnant Horst Trebes. Mais tarde, Mager ganhou a Ritterkreuz (Cruz de Cavaleiro) em 31 de outubro de 1944 como Hauptmann e comandante do II. Bataillon / Fallschirmjäger-Regiment 6 na Normandia.

Liderando a 1.Kompanie, Lehr Battalion - Ramcke Brigade, o Hauptmann Horst Trebes; Ritterkreuzträger (Portador da Cruz de Cavaleiro), e responsável pelo Massacre de Kondomari em Creta.
Atrás, à esquerda, está Oberleutnant Joachim Grothe. Trebes nasceu em 22 de outubro de 1916 e foi morto em combate em 29 de julho de 1944 perto de St. Denys-le-Gast, França. Ele recebeu o Ritterkreuz em 9 de julho de 1941 como Oberleutnant e comandante do III.Bataillon, Fallschirmjäger-Sturm-Regiment.

À frente está o Oberleutnant Adolf Peiser, comandante da 4.Kompanie, Lehr-Bataillon, Fallschirmjäger-Regiment 3.
Ele seria condecorado com a Deutsches Kreuz (Cruz Alemã) em ouro em 16 de agosto de 1943.
À sua direita está o Oberjäger Georg Isenberg, enquanto à sua esquerda está o Feldwebel Conny Wagner. À extrema esquerda está o Feldwebel Klaus Ackermann.

À esquerda o Leutnant Werner Wiefelspütz ao lado do Oberjäger Müller (olhando para a câmera).
O Leutnant Werner Wiefelspütz (nascido em 20 de abril de 1921) mais tarde seria morto no campo de batalha africano em 20 de outubro de 1942 e seus restos mortais foram enterrados no Kriegsgräberstätte (cemitério de guerra) de El-Alamein.

O Major Friedrich von der Heydte está sentado no carro lateral de uma motocicleta BMW R75, enquanto à esquerda está um carro Mittlere Einheits-PKW Horch 901 (Kfz.15). O motorista de aparência tensa carrega um Kartentasche (pasta de mapas) no cinto.
O número da placa WL 57399 refere-se ao Luftgau Kommando VI Münster. O símbolo no side-car é símbolo tático do Lehr-Bataillon (batalhão-escola).

Fallschirmjäger na estação de trem antes da partida para o Norte da África, verão de 1942.
O Tornister é coberto por um "zeltbahn" que pode ser usado como capa de chuva e também como tenda, enquanto um capacete é pendurado nas costas. O soldado mais à esquerda ao fundo tem uma cartucheira pendurada no ombro.

A cerimônia final antes da partida dos Fallschirmjäger de trem.

A ordem das tropas despachadas para a África foi a seguinte:
  • Primeira onda: Kampfgruppe Kroh com o comando antecessor da Brigada.
  • Segunda onda: Kampfgruppe von der Heydte com pelotão de comunicações.
  • Terceira onda: Kampfgruppe Hübner.
  • Quarta onda: Estado-Maior da Brigada e unidades de bateria de artilharia e companhia anti-carro.
  • Quinta onda: Kampfgruppe Burkhardt.
Viagem de trem para a Grécia

Spiess da 1.Kompanie, o Hauptfeldwebel Clemens Heynk (à esquerda).
O "Spiess" ("lança"), também chamado de "a mãe da companhia", costumava ser um graduado antigo com funções administrativas e de gerenciamento de pessoal da companhia.

Na Wehrmacht, o Hauptfeldwebel não era um posto, mas um título de posição, atribuição ou nomeação, equivalente ao sargento-mor da Commonwealth (company sergeant major) ou primeiro sargento de nível de companhia dos EUA (todos sem equivalência no Brasil). Havia um tal graduado (Oberfeldwebel ou Feldwebel) em cada companhia de infantaria, bateria de artilharia, esquadrão de cavalaria, etc. Ele era o sargento sênior de sua subunidade, mas suas funções eram em grande parte administrativas e não se esperava que acompanhasse sua unidade em um assalto ou tiroteio. O seu equivalente nas Waffen-SS era o SS-Stabsscharführer.

O Hauptfeldwebel tinha muitos apelidos, incluindo Spieß/Spiess ("Lança") e Mutter der Kompanie ("mãe da companhia"). Ele usava dois anéis de 10mm de largura de trança de graduados ao redor do punho de suas mangas (apelidados de "anéis de pistão") e carregava uma Meldetasche (pasta de relatórios) enfiada na frente da túnica, na qual carregava formulários de relatório em branco, listas e outros papéis relacionados a seus deveres. O sistema alemão não tinha nenhum equivalente ao sargento-mor regimental da Commonwealth.

A nomeação poderia ser ocupada por um oficial não-comissionado sênior (Unteroffizier mit Portepee), normalmente um Oberfeldwebel ou Feldwebel. Se o posto fosse preenchido por necessidade por um Unteroffizier ohne Portepee (oficial não-comissionado sem cordão/dragona), ele era denominado Hauptfeldwebeldiensttuer, ou "aquele que serve como Hauptfeldwebel".

Oficiais da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke a caminho da Grécia antes de serem despachados de navio para o Norte da África, no verão de 1942.
A maioria deles viajou da Alemanha para a Grécia de trem. De lá, eles voaram para Tobruk via Creta em grupos (companhias ou batalhões) do final de julho a meados de agosto de 1942.

Major Friedrich von der Heydte no trem que o levará à Grécia.
Ele tem no peito a Deutsches Kreuz de ouro 
(DKiG) que ganhou em 9 de março de 1942.

Além da DKiG, outras medalhas e prêmios ganhos por von der Heydte foram:
  • Treuedienstabzeichen (Distintivo de Fidelidade, janeiro de 1938);
  • Eisernes Kreuzes (Cruz de Ferro) II klasse (27 de setembro de 1939) e I klasse (26 de setembro de 1940);
  • Ritterkreuz (Cruz de Cavaleiro, 9 de julho de 1941);
  • Eichenlaub # 617 (Folhas de Carvalho, 18 de outubro de 1944);
  • Fallschirmschützenabzeichen (Brevê paraquedista, janeiro de 1940);
  • Braçadeiras KRETA (janeiro de 1941) e AFRIKA (janeiro de 1943);
  • Infanterie-Sturmabzeichen (Distintivo de Assalto de Infantaria);
  • Ostmedaille (Medalha Oriental/Carne Congelada);
  • Ordem Militar de Sabóia (italiana, janeiro de 1942),
  • Wehrmacht-Dienstauszeichnung 4 klasse (Prêmio de serviço da Wehrmacht 4ª classe).
Von der Heydte também foi citado no  despacho de 11 de junho de 1944 da Wehrmacht. Ele também recebeu medalhas do pós-guerra, como a Bayerischer Verdienstorden (Ordem do Mérito da Baviera, 21 de maio de 1974), a Grã-cruz da Ordem dos Cavaleiros do Santo Sepulcro em Jerusalém (1958), e a Grande Cruz do Mérito da Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha (17 de março de 1987). O Coronel von der Heydte liderou o último salto alemão na guerra, Operação Stösser, um salto noturno desastroso na Batalha do Bulge, onde o próprio von der Heydte foi um dos muitos paraquedistas feitos prisioneiros pelos americanos. Sobre suas experiências na guerra, ele escreveu suas memórias no livro Dédalo Retornado.

Ele tornou-se general na Bundeswehr após a guerra. Como oficial da Alemanha Ocidental na Guerra Fria, ele teve de combater o terrorismo vermelho das facções comunistas alemãs, escrevendo o livro A Guerra Irregular Moderna, que menciona o terrorista brasileiro Carlos Marighella nada menos do que 67 vezes.

Von der Heydta escreveria "A Guerra Irregular Moderna", sobre terrorismo na Guerra Fria.
Este livro cita o terrorista brasileiro Marighella várias vezes.

Oberleutnant Horst Trebes (à esquerda) inspecionando o kit recém-recebido dos seus homens; 1.Kompanie, I.Bataillon, Fallschirmjäger-Regiment 3 ao deixar a Alemanha para o norte da África, verão de 1942.

Distribuição de "tropenhelms" (capacetes tropicais) para os membros da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke que irão de serviço para o norte da África.

Fallschirmjäger da 2.Kompanie, Fallschirmjäger-Regiment 3 se ocupa pintando seus equipamentos em cores tropicais.
Observe a flâmula com o escudo tático do Lehr-Bataillon acompanhado do número "2" (2ª Companhia).

Militares da 1.Kompanie/I.Bataillon/Fallschirmjäger-Regiment 3 se preparam para a inspeção antes de serem enviados de navio para o norte da África.
O coldre de pistola P08 e o "kartentasche" (bolsa de mapas) mostrados em primeiro plano são feitos de couro cru.

Militares da 1ª Companhia aguardando no trem a viagem para a Grécia.
Um deles lê um jornal.

Almoço em parada temporária a caminho da Grécia.
Esses soldados comem rações de marmitas de "Eiserne Portion" (rações de aço) que eram equipamentos padrão para um soldado alemão.

Oficiais da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke lavam as mãos durante uma parada temporária a caminho da Grécia.
Da esquerda para a direita: Soldado não identificado, Major Friedrich August Freiherr von der Heydte, Oberleutnant Rolf Mager e Oberleutnant Horst Trebes.

Paraquedistas da Brigada Ramcke observando o cenário Mediterrâneo ao viajaram de trem para a Grécia.
A parte traseira do vagão é preenchida com equipamentos de transporte e equipamentos da unidade.

Militares da 4. Kompanie/Fallschirmjäger-Regiment 3 posam para uma foto de grupo em frente ao templo do Partenon na colina da Acrópole, na Grécia, verão de 1942.
O próprio Partenoné um templo construído para a deusa Atena, a padroeira de Atenas no século 5 aC. O Partenon é considerado um símbolo da Grécia Antiga e da democracia ateniense, e é um dos maiores monumentos culturais do mundo.

Homens da 2.Kompanie / Fallschirmjäger-Regiment 3 em Eleusis, na Grécia. Ajoelhado à direita está o Stabsarzt (oficial médico) Dr. Johannes Hass.

Construindo uma tenda em Eleusis, Grécia.
Eles usaram o capacete tropical durante a viagem e, tão logo chegaram na África, aprenderam que ali era considerado "antiquado", com o pessoal do Afrikakorps preferindo usar o "feldmütze" (gorro de campanha) por ser mais prático.

Paraquedistas da 4.Kompanie, Lehr-Bataillon (Burkhardt) na Grécia.
Todos menos um estão usando o "feldmütze".

Uma foto rara mostrando o símbolo tático do Kampfgruppe Hübner na frente direita do caminhão Opel Blitz.
O Fallschirmjäger-Regiment Hübner ou Kampfgruppe Hübner foi realmente formado em agosto de 1944 sob a liderança do Oberstleutnant Friedrich Hübner, que era o comandante do 2.Fallschirmjäger-Bataillon, Fallschirmjäger-Regiment 5, Fallschirmjäger-Brigade Ramcke.

Uma linha de caminhões Opel Blitz pertencentes à brigada em algum lugar da Grécia.
Observe o símbolo tático Hübner no para-lama esquerdo do caminhão e o trilho leve montado no caminhão central. Acredita-se que esta ferradura, para algumas pessoas, seja um símbolo de boa sorte.

"Pi 8" na frente dos caminhões Matford V8-F917 da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke (dois à esquerda) e Opel Blitz (à direita). É raro ver um membro do Fallschirmjäger com um bigode como o guarda usando o capacete FJ acima.

Preparando o equipamento e as armas a serem trazidas antes de voar para a África usando o avião de transporte Junkers Ju 52 "Tante Ju".
Esta foto parece ter sido tirada de manhã, como pode ser visto nos casacos quentes usados ​​pelos membros da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke. O pequeno espaço acima do avião é para o metralhador.

Inspeção final da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke antes de partir para a África, verão de 1942.
Os oficiais, suboficiais e soldados usam uniformes e capacetes tropicais, e alguns dos soldados que marchavam eram veteranos, como visto nas medalhas "Eisernes Kreuzes" (Cruz de Ferro) que usavam.

Enfim na África

Membros da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke posam para uma foto de grupo na África em seus sidecars. Vários soldados foram vistos usando capacetes.

A brigada chegou à África em julho de 1942 e participou do avanço de Rommel em direção ao Canal de Suez, linha de abastecimento vital dos Aliados, ligando a Grã-Bretanha seu império colonial (como a Índia) e permitindo o contato com a URSS. A defesa do 8º Exército Britânico finalmente se solidificou em El Alamein e a ofensiva do Eixo parou. A Brigada Ramcke tornou-se então parte da linha defensiva ítalo-alemã.

A brigada foi espalhada entre o X e o XX Corpos italianos, com os batalhões Hübner e Burkhardt com a Divisão Brescia italiana e o restante da brigada mais ao norte com a Divisão Bolonha. À direita do batalhão Hübner estavam os colegas paraquedistas da Divisão Folgore italiana.

Os britânicos abriram a Operação Lightfoot em 23 de outubro de 1942. Os britânicos planejavam enviar seu principal avanço pelos setores defensivos no sul, mas um importante avanço de diversão era atacar no norte. O plano do XIII Corpo Britânico era romper a principal linha defensiva no norte e forçar o comprometimento das reservas do Eixo (a Divisão Ariete e a 21ª Divisão Panzer, ambas blindadas), impedindo-os de se envolverem nos combates no norte.

Embora em menor número que o ataque britânico, as tropas italianas e alemãs impediram o avanço, embora a ameaça dos britânicos tenha impedido que as divisões blindadas fossem enviadas para o norte. Enquanto isso, os britânicos romperam o setor o norte e as tropas ao sul estavam sob ameaça de serem cercadas, a Brigada Ramcke entre elas, e a ordem foi dada para recuar.

Infelizmente, como muitos de seus camaradas italianos, os Fallschirmjäger não tinham transporte motorizado próprio e foram forçados a recuar a pé, sob o risco de serem abandonados no deserto enquanto as divisões do Afrikakorps corriam para longe. Sua marcha começou em 3 de novembro, o Batalhão Burkhardt foi capturado perto de Fuka tentando chegar à estrada a oeste, embora o resto da brigada tenha escapado continuando a oeste pelo deserto.

Militar com o distintivo de escorpião já na África.

Alguns dias depois, em 5/6 de novembro, durante uma marcha noturna, a brigada encontrou uma coluna de suprimentos britânica de caminhões estacionados e conseguiu tomar a coluna sem disparar um tiro. Eles então continuaram sua jornada para o oeste com suprimentos, combustível e transporte suficientes para completá-la.

600 Fallschirmjager da Brigada Ramcke retornaram às linhas do Eixo em 6 de novembro, após uma viagem de 321km pelo deserto. Eles foram enviados mais ao norte para a Tunísia para se recuperarem de sua jornada épica.

Ramcke e Oberstleutnant Hans Kroh organizaram os remanescentes da Brigada Ramcke em dois batalhões incompletos.

Soldado em uma aldeia africana sentado em uma máquina de costura Pfaff, 21 de março ​​de 1941.

Ramcke retornou à Alemanha e em 13 de novembro tornou-se o 145º recipiente das Folhas de Carvalho da Cruz de Cavaleiro (que ele havia recebido depois de Creta) e foi promovido a Generalleutnant. Kroh então assumiu o comando do restante da Brigada, que foi redesignada Luftwaffenjäger Brigade 1.

Ordem de batalha da Luftwaffenjäger Brigade 1
  • Comandante: Tenente-Coronel Hans Kroh
  • Batalhão Schwaiger (Companhias 1-3)
  • Batalhão von der Heydte (Companhias 4-6)

A Brigada continuou a lutar no sul e no centro da Tunísia contra os veteranos do 8º Exército até que as forças do Eixo se rendessem em maio. Alguns Fallschirmjäger conseguiram escapar para a Europa, sendo incorporados em outras unidades da Luftwaffe.

Ramcke, agora no comando da 2ª Divisão Fallschirmjäger (2. Fallschirmjäger-Division), mudou-se com sua unidade da França para a Itália quando os Aliados invadiram a Sicília, onde a divisão esperava pronta. Quando o governo italiano se rendeu aos Aliados em setembro de 1943, a 2. Fallschirmjager foi encarregada de assumir o controle e restaurar a ordem em Roma. A divisão foi então enviada para a Rússia em novembro de 1943. Eles lutaram na Rússia até maio de 1944, as baixas foram altas, mas seria a última vez que o 2. Fallschirmjager lutaria na Rússia.

Ramcke e sua divisão então moveram-se para Colônia, na Alemanha, e de lá foram mandados para a Bretanha em 13 de junho, no norte da França, para defender a península. Ramcke e sua divisão lutariam na Bretanha e, finalmente, pela fortaleza de Brest, contra tropas americanas e da resistência francesa até serem finalmente forçadas a se render em 19 de setembro. Ramcke foi feito prisioneiro e enviado para um campo de prisioneiros de guerra nos Estados Unidos. Por sua defesa desafiadora final de Brest, ele foi premiado com Espada e Diamantes para sua Cruz de Cavaleiro.

Ramcke morreu na Alemanha em 1968.

Capacetes e uniformes da Brigada Ramcke mostrando a águia da Luftwaffe e a braçadeira.

Bibliografia recomendada:

L'Odyssee de la Brigade Ramcke a El Alamein: Fallschirmjäger en Égypte, de Bab el Katara à Mersa El Brega.
Hans Rechenberg.

Fallschirmjäger Brigade Ramcke in North Africa, 1942-1943.
Edgar Alcidi.