sexta-feira, 18 de setembro de 2020

FG42: À frente do seu tempo e esquecida

Um Fallschirmjäger alemão posa com seu FG42 de um modelo inicial (Ausführung "C") na Normandia, França, 1944. As miras frontal e traseira estão dobradas para baixo e o bipé está rebatido contra a parte inferior do cano.

Por Mike Perry, SOFREP Magazine, 26 de abril de 2014.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de setembro de 2020.

Em 1941, a Luftwaffe alemã, assim como o Exército, começou a perceber a necessidade de desenvolver uma arma para substituir o fuzil de ferrolho e a submetralhadora. Mas, enquanto o Exército buscava desenvolver um novo cartucho junto com suas armas, a Luftwaffe escolheu ficar com o cartucho de fuzil padrão de 7,92x57mm para atender a um requisito de capacidade de longo alcance e permitir que a arma atue como uma metralhadora leve. O que resultou foi a arma de combate mais exclusiva e avançado a ver ação na Segunda Guerra Mundial. E, no entanto, uma das quais poucas pessoas já ouviram falar.

No início, a Luftwaffe queria um fuzil que pudesse ser carregado por seus paraquedistas em vez de pousar separadamente em contêineres. Até então, as submetralhadoras e pistolas MP-38/40 eram as únicas armas portáteis com as quais suas configurações de pára-quedas permitiam um salto seguro.

Esquemática do pára-quedas RZ e o contêiner de armamento. (Velimir Vuksic/ Osprey Publishing)

A especificação, conhecida como LC-6, exigia um projeto que pesava aproximadamente o mesmo que o fuzil de ação de ferrolho K98, porém mais curto, onde não deveria exceder 39,4 polegadas (102cm). Era para ter seleção de tiro, disparando tiros únicos de um ferrolho fechado para melhor precisão, e ferrolho aberto para fogo automático a 900rpm permitindo melhor resfriamento. Os carregadores deveriam ser destacáveis, com capacidade para 10 a 20 tiros. Um encaixe de luneta era desejado, junto com miras de ferro dobráveis dianteiras e traseiras que poderiam ser usadas mirando por baixo da luneta. Finalmente, a arma precisava ser capaz de disparar todo o inventário de granadas de fuzil.

A arma parecia da era espacial para sua época. Operando por um método de pistão de curso longo, tinha 37,2 polegadas (94cm) de comprimento e pesava 9,3 libras (4,2kg) vazio. Ele tinha um grande freio-de-boca regulado anexado à extremidade do cano para atenuar o recuo, embora com o disparo automático usando um cartucho de tamanho grande seu efeito permanecesse marginal na melhor das hipóteses.

Dois fuzis FG42 com mira telescópica montada. O FG 42 superior é um Ausführung E/Tipo I, e o FG 42 inferior é um Ausführung G/Tipo III mais recente. (Fotografia tirada no Museu do Exército Brasileiro)

Para ajudar ainda mais no controlabilidade, ele incorporou um traçado em linha reta, o que significa que a coronha ficava nivelada com a alma do cano para ajudar a minimizar a elevação da boca do cano. No topo do seu receptor estava um telescópio removível tanto da série ZFG quanto da ZF-41, enquanto acoplado e montado abaixo do cano estava um bipé dobrável. A munição era alimentada do lado direito em um carregador tipo cofre e talvez a característica mais incomum de todas foi sua empunhadura de disparo, que estava em um ângulo agudo como nenhuma outra arma durante o conflito.

No início de 1943, Rhienmettal-Borsig começou a produção dos primeiros 2.000 para testes de combate, até que outra empresa, Heinrich Kriegoff, assumiu depois que a Rheinmettal se mostrou incapaz de produção em massa. Os paraquedistas geralmente favoreciam o projeto e o usaram em sua primeira ação de combate famosa* durante o assalto de planador nas montanhas do Gran Sasso, Itália, para resgatar o ditador deposto Benito Mussolini de um grupo guerrilheiro. Fotografias subsequentes mostram paraquedistas carregando a arma que, estranhamente, nunca disparou um tiro durante a ação, assim como nenhuma das outras armas de fogo. Nos meses seguintes, o fuzil foi empregado em pequenos números na Itália, até sua batalha mais famosa em Monte Cassino.

Seguindo o armistício italiano em setembro de 1943, Fallschirmjägers supervisionam o desarmamento de tropas italianas em Rome. O paraquedista em primeiro plano tem um FG42/I sobre o ombro enquanto o seu companheiro tem uma submetralhadora MP40.

*Nota do Tradutor: A primeira ação de combate do FG42 foi a Operação Achse (Eixo) de 8 a 19 de setembro de 1943, a invasão alemã da Itália após o armistício de Cassibile.

Fallschirmjäger lutando nas ruínas do Monte Cassino na Itália, 1944. Seu FG42/I está apoiado em uma caixa de granadas; os soldados usando esse fuzil frequentemente percebiam que apoios sólidos forneciam apoio melhor que o bipé integral.

De 17 de janeiro a 18 de maio de 1944, um grupo de pára-paraquedistas, muitos deles armados com o FG42, travou um ciclo de batalhas violentas nas ruínas de um antigo mosteiro no topo de uma colina chamada Monte Cassino, que dava para uma estrada solitária que levava a Roma. Apesar das árduas batalhas para desalojá-los, os paraquedistas se mantiveram firmes e só desistiram quando ordenados a evacuar*. O FG42 deu uma boa conta de si mesmo à medida que mais novos modelos da 2ª e 3ª edições chegavam, apresentando pequenos refinamentos como aumento de peso para 10,9 libras (4,8kg), redução da cadência para 750rpm e empunhadura em formato padrão.

*Nota do Tradutor: Isto se deu porque o Corpo Expedicionário Francês, contendo experientes montanheses goumiers, nativos do Marrocos, flanquearam a posição alemã no Monte Cassino, transpondo o rio Garigliano, e forçaram a linha de defesa alemã a recuar. Esse evento foi tratado pelo blog aqui.

Fallschirmjäger alemão em uma toca na Normandia no verão de 1944. Ele tem seu FG42 e duas granadas-de-mão.

O próximo uso generalizado do FG42 foi nas batalhas de sebes e na retirada em combate da Normandia após a invasão do Dia D em junho. O fuzil permaneceu em combate onde quer que o número cada vez menor de paraquedistas fosse empregado, até a rendição da Alemanha em 7 de maio de 1945.

Os exemplos entregues foram vistos com curiosidade pelos Aliados, que os testaram para aprender sobre suas qualidades salientes. Os Estados Unidos, por exemplo, fizeram um protótipo chamado metralhadora leve T44 alimentada por correia e usaram alguns de seus recursos para projetos futuros, como o M60. Além disso, a arma rapidamente desapareceu na história, principalmente porque era cara e nunca teve a intenção de preencher uma necessidade além das forças aerotransportadas. Ao todo, apenas cerca de 7.000 saíram da linha de produção.

Um soldado de infantaria americano exibe um FG42/I capturado. Observe a coronha distinta, que foi reduzida em modelos posteriores, além das dimensões compactas da arma em comparação com o soldado.

Uma arma especial destinada a homens especiais, os poucos em mãos privadas hoje recebem um prêmio de dezenas de milhares de dólares quando (raramente) são colocados à venda. Os museus mantêm punhados de outros espécimes, dando aos curiosos um vislumbre de uma das armas mais notáveis já feitas, para sempre apenas uma nota de rodapé no mundo das armas de combate.

Vídeos recomendados:


Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

Gun Review: Uma análise aprofundada de um Sturmgewehr alemão18 de fevereiro de 2020.

FOTO: GI com um fuzil de assalto StG-44, 6 de julho de 2020.

Garands a Serviço do Rei18 de abril de 2020.

A submetralhadora MAS-385 de julho de 2020.

A metralhadora leve Chauchat: não é realmente uma das piores armas de todos os tempos11 de fevereiro de 2020.

Tentativas da Argentina de um fuzil indígena21 de abril de 2020.

Comandos Navais franceses com fuzis CETME23 de janeiro de 2020.

Mausers FN e a luta por Israel23 de abril de 2020.

Como vídeos sobre armas de fogo antigas se tornaram um canal de sucesso no YouTube10 de março de 2020.

Um comentário:

  1. Por razões óbvias, a maioria de nós só teve a oportunidade de usá-la em jogos eletrônicos sobre a Segunda Guerra Mundial, onde ela é bem conhecida e um prêmio muito desejado.

    ResponderExcluir