Mostrando postagens com marcador Campanha do Pacífico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Campanha do Pacífico. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 26 de janeiro de 2021

LIVRO: Yamamoto Isoroku (série Command)


Resenha do livro Yamamoto Isoroku, série Command da Osprey Publishing pelo autor Dr. Robert A. Forczyk.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de janeiro de 2020.

Excelente introdução ao almirante mais importante do Japão na Segunda Guerra Mundial (5 estrelas)

Por R. A. Forczyk, 24 de setembro de 2012.

Embora a maioria dos americanos esteja familiarizada com o ataque japonês a Pearl Harbor em dezembro de 1941, relativamente poucos sabem algo sobre o homem que ordenou e dirigiu o ataque - o almirante Yamamoto Isoroku. Nos últimos cinquenta anos, houve apenas um punhado de livros em inglês sobre Yamamoto e os trabalhos anteriores não incorporaram as percepções japonesas. O famoso historiador naval Mark Stille fornece uma excelente introdução à carreira de Yamamoto e seu impacto na Guerra do Pacífico em uma das últimas adições à série Command (Comando) da Osprey. Enquanto representações popularizadas de Yamamoto tendiam a classificá-lo como um grande almirante e um homem que buscava relações pacíficas com os Estados Unidos, o autor apresenta um excelente caso de que, "embora talentoso em muitos aspectos, Yamamoto não era um gênio militar". Este é um dos melhores volumes da série Command e pertence à estante de qualquer pessoa com um interesse sério na Guerra do Pacífico.

O volume começa com uma discussão sobre as origens de Yamamoto, o que pode ser confuso (já que ele nasceu com o sobrenome Takano). O autor discute a rápida ascensão de Yamamoto na hierarquia da Marinha Imperial Japonesa (IJN), seus ferimentos na Guerra Russo-Japonesa, viagens à América, experiência diplomática e funções de estado-maior. Em particular, o autor observa a oposição de Yamamoto à construção dos navios de guerra da classe Yamato e favoreceu um maior investimento na aviação naval. Em vez de navios de guerra, Yamamoto pressionou por bombardeiros de longo alcance como os "Nell" e "Betty", que provariam seu valor contra os navios de guerra britânicos Repulse e Prince of Wales em 1941. Ainda assim, o autor argumenta com sucesso que, embora Yamamoto tenha influenciado positivamente como a IJN foi configurada e treinada para a guerra, ele não foi uma escolha ideal para liderar a frota na guerra, já que era essencialmente um "almirante político" com "pouca experiência de comando". Yamamoto era o tipo de oficial, talvez como Alfred Thayer Mahan, cujo melhor papel era uma capacidade intelectual, em vez de comando de batalha.

Yamamoto em sua capitânia, o encouraçado Nagato, antes da guerra.

Quando Yamamoto foi escolhido para comandar a IJN em 1939, ele se envolveu na política que levou ao envolvimento do Japão na Segunda Guerra Mundial. Yamamoto se envolveu em discussões com o Estado-Maior Geral e desenvolveu uma teoria favorita de que atacar Pearl Harbor poderia prejudicar a determinação americana, embora outros líderes japoneses acreditassem que os Estados Unidos da América poderiam não intervir para impedir um ataque japonês às Índias Orientais Holandesas (provavelmente correto) e mesmo que o fizessem, um ataque a Pearl Harbor era muito arriscado. O autor observa que Yamamoto começou a empregar sua tática de ameaçar renunciar a menos que conseguisse o que queria - não exatamente um estilo de comando eficaz, atuando mais como um político. Em todo o processo, o autor mostra inconsistências no comportamento de Yamamoto que levaram a desastres posteriores, como a falha em ouvir pontos de vista alternativos ou em incorporar qualquer grau de flexibilidade em seu planejamento. Na verdade, Yamamoto parece excessivamente rígido, inflexível e disposto a permitir que ideias preconcebidas, em vez de realidades do campo de batalha, guiem suas decisões.

Depois de Pearl Harbor, Yamamoto estava procurando uma rampa para o Japão sair de sua situação difícil de estar em uma guerra com os Estados Unidos que não poderia vencer. O autor observa que Yamamoto considerou o período após a queda de Cingapura como o momento ideal para negociar, mas ficou desapontado com o fato dos líderes do Japão não terem feito aberturas diplomáticas com os Estados Unidos. Na verdade, este era um ponto discutível por dois motivos: primeiro, a liderança política do Japão era relutante em atingir um acordo de qualquer natureza sobre suas conquistas e, em segundo lugar, os americanos não considerariam nenhum acordo político com o Japão após os enganos diplomáticos empregados antes de Pearl Harbor. Aparentemente, Yamamoto não recebeu o memorando: depois de Pearl Harbor, foi uma luta até a morte. Hoje em dia, a decisão do Japão de atacar os Estados Unidos é geralmente considerada um ato de suicídio nacional e Yamamoto era o homem que segurava a faca, mas sem muita autoconsciência.

O almirante Isoroku Yamamoto, poucas horas antes da sua morte, saudando os pilotos navais japoneses em Rabaul, em 18 de abril de 1943.

Yamamoto "teve sucesso em sequestrar a formulação da estratégia naval japonesa", o que levou aos desastres em Midway e Guadalcanal. Seus planos operacionais eram muito complexos e seu estilo de comando de batalha muito solto e remoto, contentando-se em permanecer isolado no "Hotel Yamato" (seu navio-chefe, o encouraçado Yamato). Mesmo quando suas forças obtiveram sucesso, como na Batalha das Ilhas Salomão Orientais em outubro de 1942, Yamamoto não conseguiu capitalizar sobre ela. Na verdade, seu comportamento se tornou cada vez mais fatalista e passivo após Midway, permitindo que a Marinha dos EUA tomasse a iniciativa estratégica. Na última parte do volume, o autor compara Yamamoto com seu principal oponente - o almirante Chester Nimitz, e Yamamoto não sai muito favoravelmente. O autor ressalta que Yamamoto não era realmente um almirante moderno, por uma série de razões, e permaneceu atolado no pensamento à moda antiga (como em relação aos encouraçados). Na seção final, o autor cobre a morte de Yamamoto com alguns detalhes e sua reputação no pós-guerra. O volume possui cinco mapas e três cenas de batalha de Adam Hook, além de uma breve bibliografia. No geral, uma avaliação muito convincente do principal comandante naval do Japão na Segunda Guerra Mundial.

Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Aposentou-se como tenente-coronel das Reservas do Exército americano, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA, e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC., e já publicou dezenas de livros, incluindo os dois volumes sobre a guerra blindada germano-soviética de 1941-45, sobre as operações Caso Vermelho (invasão da França), Caso Branco (invasão da Polônia), biografias de Walther Model, Erich von Manstein e Georgy Zhukov, e um dos seus best-sellers Where the Iron Crosses Grow: The Crimea 1941-44 (Onde as Cruzes de Ferro Nascem: A Criméia 1941-44).

Bibliografia recomendada:

A Guerra Aeronaval no Pacífico 1941-1945.
Contra-Almirante R. de Belot.

Guerra no Mar.

Leitura recomendada:

domingo, 13 de dezembro de 2020

FOTO: Sherman nas selvas do Pacífico

M4 Sherman "Lucky Legs II" lidera o avanço da infantaria americana na mata fechada, iluminada apenas por alguns feixes de luz que conseguem passar pelas copas em Bougainville, 16 de março de 1944. (Colorização de James, u/vorst17735)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de dezembro de 2020.

Estes homens do 129º Regimento de Infantaria do exército americano asseguram o perímetro ao amanhecer, seguindo infiltrações japonesas na noite anterior.

O Sherman era "cachorro grande" no Pacífico, sendo muito superior a todos os tanques japoneses. Produzido em massa e projetado para ser transportado pelo mar sem a necessidade de grandes guindastes de descarregamento em portos, o Sherman entrou em ação em todos os teatros de operação terrestres na guerra.

Com as pesadas perdas americanas em Tarawa, em 1943, ficou decidido que o Sherman necessitava de limitada capacidade anfíbia, de modo a entrar em ação nas primeiras levas de desembarque e garantir mobilidade tática "na linha d'água". Isso foi um choque para o Comando japonês, pois era esperado que os americanos poderiam contar apenas com os leves Stuart nos primeiros dias de invasão.

Sequência da mesma unidade durante o contra-ataque japonês ao alojamento americano em torno de Torokina, Batalha de Bougainville, 16 de março de 1944.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

GALERIA: Operação de limpeza com blindados em Tu Vu25 de abril de 2020.

GALERIA: Blindados Anfíbios do 1er REC na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Manobras com o Sherman no Brasil, 195730 de janeiro de 2020.

FOTO: Sherman japonês, 6 de outubro de 2020.

FOTO: Um Sherman em San Martino, 14 de agosto de 2020.

FOTO: Shermans soviéticos do 6º de Guardas31 de janeiro de 2020.

FOTO: Um M24 Chaffee no Tonquim9 de julho de 2020.

FOTO: M113 australiano no Vietnã13 de dezembro de 2020.

"Tanque!!": A presença duradoura dos carros de combate na Ásia6 de setembro de 2020.

terça-feira, 24 de novembro de 2020

PINTURA: Assalto anfíbio soviético nas Ilhas Curilas

"Desembarque nas Ilhas Curilas", pintura do artista russo A.I. Plotnov, 1948.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de novembro de 2020.

Pintura mostrando os fuzileiros navais soviéticos, em seus tradicionais uniformes escuros, assaltando as praias de Shimushu e avançando morro acima contra a resistência japonesa.

Um batalhão de fuzileiros navais russos, com cerca de mil homens, desembarcou na Ilha Shimushu em 18 de agosto de 1945 (três dias depois do anúncio de rendição pelos japoneses) como ponta-de-lança de uma força de 8 mil homens de duas divisões de infantaria reforçadas do Exército Vermelho, como parte dos desembarques nas Ilhas Curilas. Os soviéticos sofreram pesadas baixas diante de um contra-ataque blindado do 11º Regimento de Carros de Combate japonês do Coronel Sueo Ikeda, munido inicialmente de 30 blindados de vários tipos (o regimento possuía 20 carros médios Tipo 97 Shinhoto Chi-Ha (modernizados), 19 carros médios Tipo 97 Chi-Ha e 25 carros leves Tipo 95 Ha-Go), enquanto eles ainda tinham apenas uma companhia desembarcada.

Os soviéticos sofreram baixas iniciais na praia porque ainda não haviam desembarcado os canhões anti-carro; um erro na organização da Força-Tarefa Anfíbia (ForTarAnf) por parte dos soviéticos, que baseavam suas manobras ofensivas no poder de fogo da artilharia. Esse procedimento funcionava perfeitamente nas grandes ofensivas terrestres contra os alemães e depois contra o exército Kwantung na Manchúria, mas não foi adaptado propriamente no desembarque anfíbio, onde a força inicial de desembarque é desprovida desse apoio de fogo - tendo de criar sua força de combate já no desembarque do mar-para-a-terra, que constitui-se da sua linha de partida.

Eventualmente os fuzileiros soviéticos derrotaram o contra-ataque e assaltaram as elevações observando a cabeça-de-praia. O suboficial de primeira classe da infantaria naval soviética Nikolai Aleksandrovich Vilkov e o marinheiro de primeira classe Piotr Ivanovich Ilyichev foram mortos enquanto silenciavam ninhos de metralhadora japoneses em Shumshu em 18 de agosto de 1945, eles foram condecorado postumamente como Heróis da União Soviética.

"A façanha de N.A. Vilkov e P.I. Ilyichev", óleo sobre tela. Heróis póstumos da União Soviética, existem estátuas e bustos de ambos espalhados por cidades russas.

Os demais 8.500 da 91ª Divisão de Infantaria japonesa, com 77 tanques, se engajou em um combate encarniçado de duas horas contra os 8.821 soviéticos. Foi a única batalha da operação onde as baixas soviéticas ultrapassaram as japonesas. Um cessar-fogo foi acordado em 20 de agosto e a ilha Shimushu (ou Shumshu) foi entregue aos soviéticos, mas o choque da resistência japonesa convenceu o alto-comando soviético que Moscou não possuía grandes capacidades anfíbias, e isso cancelou os planos de outros desembarques contra o Japão. Essa foi a última batalha da Segunda Guerra Mundial.

As ilhas foram tomadas, mas os japoneses deram um "soco no nariz" dos soviéticos e o plano de assalto anfíbio contra Hokkaido foi abandonado, pois o almirantado soviético concluiu que suas capacidades anfíbias eram insuficientes. O Japão até hoje reclama a devolução das Ilhas Curilas, e mesmo o tratado nipo-soviético de 1956 não mencionou a soberania soviética sobre as Curilas.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Uma Tempestade de Agosto: o jogo final Soviético-Japonês na Guerra do Pacífico

Fuzileiros navais soviéticos com a bandeira da Marinha Vermelha na famosa Cota 203 em Porto Arthur, agosto de 1945. A Cota 203 foi usada pelos japoneses em 1904-05 para bombardear os russos defendendo o porto.

Por Mark Ealey, The Asia Pacific Journal, 16 de fevereiro de 2006.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de outubro de 2020.

Em um ambiente pós-guerra, muito mais crimes de guerra são deixados intocados mais do que nunca nos tribunais. Isso é particularmente verdadeiro se os vencedores cometem os crimes contra os vencidos. Se esse vencedor for uma superpotência, as dificuldades envolvidas na busca por justiça aumentam exponencialmente. Quando a Segunda Guerra Mundial entrou em seus estágios finais, as potências beligerantes cometeram um ato hediondo após o outro: os militares japoneses massacraram civis em Manila e assassinaram prisioneiros de guerra aliados e trabalhadores escravos na tentativa de esconder as evidências de seu tratamento bárbaro, para não mencionar os atos de brutalidade contínuos na China. Do lado dos vitoriosos, enquanto os Estados Unidos e a Grã-Bretanha bombardeavam cidades alemãs e japonesas e seus habitantes civis até virarem pó para "levar a guerra a um final acelerado", a União Soviética estava desencadeando atos de vingança contra a população alemã. Recém-saída da vitória sobre o regime nazista e encorajada por desenvolvimentos políticos favoráveis na Europa Oriental, a União Soviética voltou sua atenção para o Japão.

Soviéticos entrando na cidade chinesa de Dalian, na Manchúria, agosto de 1945.

Mapa da fase terrestre da invasão.

Em 8 de agosto de 1945, após semanas rejeitando os pedidos do Japão para mediar uma rendição aos Estados Unidos e seus aliados, o Ministro das Relações Exteriores soviético Molotov apresentou ao Embaixador japonês Sato uma declaração de guerra, violando assim o Pacto de Neutralidade que permanecia em vigor entre os dois países. A declaração afirmava que “o Governo Soviético decidiu aceitar a proposta dos Aliados e aderiu à declaração [de Potsdam] das Potências Aliadas de 26 de julho...”. [1] A aceitação soviética da Proclamação de Potsdam significou o reconhecimento do conteúdo da Declaração do Cairo de dezembro de 1943, que afirmava que os Aliados “não ambicionam ganhos para si próprios e não pensam na expansão territorial”. [2] Dois anos antes, o governo soviético também expressou claramente "acordo com os princípios básicos da" Carta do Atlântico, que afirmava que os signatários "não buscam engrandecimento, territorial ou outro... [e] desejo de não ver mudanças territoriais que não concordem com os desejos expressos livremente pelos povos interessados”. [3] A União Soviética e os Estados Unidos, entre Yalta e os meses imediatos do pós-guerra, negociariam ferozmente os parâmetros territoriais e outros de poder centrados na distribuição de territórios, incluindo a pátria e as colônias do derrotado império japonês e a divisão da Coréia em zonas Norte e Sul.

Soldados soviéticos na Coréia, outubro de 1945. Soldado americano cumprimentando uma soldado soviética em Seul, 1945.

Carro de combate T-34/85 soviético na Manchúria, agosto de 1945.

A promessa de Stalin a Roosevelt e Churchill de entrar na guerra contra o Japão, há muito buscada como um meio de encerrar rapidamente a guerra e reduzir as baixas aliadas, manifestou-se como a Operação Tempestade de Agosto*, a ofensiva soviética na Manchúria, na Península Coreana, na ilha de Sacalina e das Curilas. [4] A “Tempestade de Agosto” pode ser dividida em duas fases. A primeira foi na semana de 9 a 14 de agosto, quando as forças soviéticas varreram os desmoralizados defensores japoneses na Manchúria e na Coréia e se moveram para o sul em Sacalina, passando pela fronteira no paralelo 50. [5] O segundo foi o período de duas semanas de 15 de agosto - data em que o Japão aceitou formalmente a Proclamação de Potsdam - até 2 de setembro, quando representantes do governo japonês assinaram o instrumento de rendição a bordo do USS Missouri. Enquanto o primeiro período viu uma curta mas eficaz campanha soviética que desferiu um golpe mortal no Exército Kwantung**, o último viu um esforço determinado para ocupar os territórios discutidos em Yalta e desencadear atos que visavam não apenas as forças armadas japonesas, mas também a desamparada população civil.

*Nota do Tradutor: A invasão soviética da Manchúria, formalmente conhecida como Operação Ofensiva Estratégica da Manchúria (em russo: Манчжурская стратегическая наступательная операция, Manchzhurskaya Operaticheskaya Nastatateliya Nastatatel) ou simplesmente a Operação da Manchúria (Маньчжурская операция), passou a ser chamada coloquialmente de Operação Tempestade de Agosto depois que o historiador David Glantz, então tenente-coronel do Exército dos Estados Unidos, usou este título para um artigo sobre o assunto em 1983.

**NT: O Exército Kwantung (Japonês: 関東軍, Kantō-gun, significando "À leste de Shanhaiguan") era o exército auxiliar japonês na China, abarcando as forças auxiliares chinesas dos Estados fantoches de Manchukuo e Mengjiang, cuja função era a segurança interna e o apoio aos objetivos militares japoneses; embora desobedecesse o quartel-general de Tóquio com freqüência, sem ser punido. O Exército Kwantung foi uma das principais forças japonesas na guerra contra os chineses em 1931-32 e à partir de 1937. Esse exército travou uma guerra de fronteira contra os soviéticos, lutando e perdendo a Batalha de Khalkhin Gol/Nomohan em 1939. O Exército Kwantung foi o maior grupo de exército do Exército Imperial Japonês de 1919 a 1945, com 713.000 homens em 1945.

Soldado do Exército Kwantung com uma bandeira de Manchukuo e outra do Japão.

Cavalaria Manchukuo de auxiliares chineses do Exército Kwantung.

Escritores soviéticos e agora russos enfatizam 2 de setembro como o fim da Guerra no Extremo Oriente, obscurecendo o fato de que o avanço militar soviético e atos de brutalidade contra os civis japoneses ocorreram não apenas antes, mas também depois da transmissão do imperador em 15 de agosto. A atrocidade soviética mais horrível cometida nos dias antes de Tóquio aceitar a Proclamação de Potsdam ocorreu perto de Gegenmiao, na Manchúria, em 14 de agosto, quando uma unidade blindada soviética atacou aproximadamente 1.500 civis japoneses - a maioria mulheres e crianças. O sobrevivente Kawauchi Mitsuo, na época com sete anos, lembra-se do incidente da seguinte forma, 60 anos depois.

Conhecido como Incidente de Gegenmiao*, foi um massacre em um lugar chamado Gegenmiao na Manchúria, no qual um milhar e várias centenas de refugiados japoneses foram atacados por uma unidade blindada soviética. Mais de mil pessoas foram massacradas. "Os tanques chegaram depois das onze da manhã, atacando enquanto fugíamos dos combates em torno de Kou'angai. Era uma mistura louca de som dos motores dos tanques e metralhadoras. Todo mundo estava gritando enquanto corriam para fugir. Algumas pessoas caíram atingidas por balas; outros foram esmagados por tanques". [6]

*NT: O massacre de Gegenmiao, também conhecido como o incidente de Gegenmiao, foi um massacre conduzido pelo Exército Soviético (Exército Vermelho dos Operários e Camponeses) e por chineses contra mais da metade de um grupo de 1.800 mulheres e crianças japonesas que se refugiaram no mosteiro de Gegenmiao (葛根 廟, Koken-miao) em 14 de agosto de 1945 durante a invasão soviética da Manchúria. Atualmente Gegenmiao zhen (葛根 廟 鎭), uma cidade na Bandeira Horqin da Frente Direita da Liga Hinggan da Mongólia Interior.

Os refugiados foram fuzilados, atropelados por tanques ou caminhões e baionetados pelo Exército Soviético depois de hastearem uma bandeira branca. Depois de duas horas, bem mais de mil japoneses, a maioria mulheres e crianças, foram mortos. Os chineses também os atacaram e alguns japoneses foram perseguidos até um rio, onde se afogaram. Algumas mulheres foram despidas e estupradas por soldados. Uma mulher foi despida e morta por chineses depois que seu filho foi morto pelo Exército Vermelho. Eles também espancaram mães até a submissão para roubar seus filhos. No mercado, um menino japonês podia ser vendido por 300 ienes e uma menina por 500 ienes.

M4A2 Sherman soviético do Empréstimo & Arrendamento na Manchúria, 1945.

Um enorme comboio motorizado soviético avança pela Cordilheira Grande Khingan, no centro-sul da Manchúria, agosto de 1945.

A indisciplina e a depravação do Exército Vermelho na Alemanha poucos meses antes foram espelhadas na Manchúria e no sul de Sacalina. Alimentado por propagandistas como Ilya Ehrenburg, [7] algumas das mesmas unidades que estupraram e saquearam seu caminho através da Prússia Oriental. Totalmente desumanizadas por suas experiências na Frente Oriental, essas unidades haviam se transferido para o leste logo após a queda de Berlim. Os mais jovens sobreviventes de massacres na Manchúria se tornam zanryu koji (órfãos que foram adotados por famílias chinesas e permaneceram na China), outro legado trágico da tentativa fracassada do Japão de criar um império continental. [8]

Pôr um freio na ofensiva soviética depois que o Japão aceitou a Proclamação de Potsdam em 15 de agosto não foi fácil. Após alguma confusão entre os comandantes do Exército Kwantung sobre a comunicação de Tóquio sobre a capitulação do Japão, o General Yamada enviou um telegrama ao quartel-general do Marechal Vasilevskii em 17 de agosto oferecendo um cessar-fogo, que foi rejeitado. No dia seguinte, o chefe de gabinete de Yamada vôou para o QG da Primeira Frente do Extremo Oriente para oferecer a rendição e, em 19 de agosto, um acordo de rendição foi assinado. Nesse ínterim, as forças soviéticas continuaram seu avanço através da Manchúria em linha com uma ordem de 18 de agosto do chefe do Estado-Maior soviético, General Ivanov, de ignorar todas as ofertas de cessar-fogo, a menos que os soldados japoneses já tivessem claramente se rendido e deposto as armas. [9]

No início da manhã de 18 de agosto, as forças soviéticas desembarcaram na ilha de Shimushu, no extremo norte da cadeia das Curilas. Diante de um ataque repentino antes do amanhecer, a 91ª Divisão japonesa em Shimushu defendeu suas posições ferozmente, apenas se rendendo após cinco dias de combates pesados. Bem mais de 1.000 soldados soviéticos, e metade desse número de japoneses, foram mortos na última batalha terrestre da Segunda Guerra Mundial. [10]

*NT: Um batalhão de fuzileiros navais russos, com cerca de mil homens, desembarcou na Ilha Shimushu em 18 de agosto de 1945 (três dias depois do anúncio de rendição pelos japoneses) como ponta-de-lança de uma força de 8 mil homens de duas divisões de infantaria do Exército Vermelho, como parte dos desembarques nas Ilhas Curilas. Os soviéticos sofreram pesadas baixas diante de um contra-ataque blindado do 11º Regimento de Carros de Combate japonês do Coronel Sueo Ikeda, munido inicialmente de 30 blindados de vários tipos, pois os soviéticos ainda não haviam desembarcado os canhões anti-carro. 

"Desembarque nas Ilhas Curilas", pintura do artista russo A.I. Plotnov, 1948.

"A façanha de N.A. Vilkov e P.I. Ilyichev", óleo sobre tela. Existem estátuas e bustos de ambos espalhados por cidades russas.

Eventualmente os fuzileiros soviéticos derrotaram o contra-ataque e assaltaram as elevações observando a cabeça-de-praia. O suboficial de primeira classe da infantaria naval soviética Nikolai Aleksandrovich Vilkov foi morto enquanto silenciava um ninho de metralhadora japonesa em Shumshu em 18 de agosto de 1945, ele foi condecorado postumamente como Herói da União Soviética.

Os demais 8.500 da 91ª Divisão de Infantaria japonesa, com 77 tanques, se engajou em um combate encarniçado de duas horas contra os 8.821 soviéticos. Foi a única batalha da operação onde as baixas soviéticas ultrapassaram as japonesas. Um cessar-fogo foi acordado em 20 de agosto e a ilha Shimushu (ou Shumshu) foi entregue aos soviéticos, mas o choque da resistência japonesa convenceu o alto-comando soviético que Moscou não possuía grandes capacidades anfíbias, e isso cancelou os planos de outros desembarques contra o Japão. Essa foi a última batalha da Segunda Guerra Mundial.

Esquemática das ações das tropas soviéticas durante a captura da ilha de Shushmu. Ilustração publicada no periódico "Pamyat' naroda" (Memória do Povo).

Soldados do batalhão de fuzileiros navais posando com um tanque japonês Tipo 95 Ha-Go destruído, na Ilha Shumshu, agosto de 1945.

Embarcação de desembarque na ilha Shumshu desembarcando cavalos puxando canhões. Trata-se do USS LCI(L)-551 que foi transferida para a Marinha Soviética em Cold Bay, Território do Alasca, em 29 de julho de 1945, durante o Projeto Hula. Ele se tornou o DS-48 e participou da Invasão Soviética das Ilhas Curilas, na qual a artilharia costeira japonesa destruiu cinco de seus navios irmãos durante os desembarques de Shumshu em 18 de agosto de 1945. A União Soviética o devolveu aos Estados Unidos em 1955.

Em Sacalina, as forças soviéticas movendo-se para o sul a partir de 10 de agosto encontraram a 88ª Divisão japonesa ao longo da linha de fortificações perto da fronteira com o setor soviético da ilha. O objetivo dos defensores era ganhar tempo para os civis fugirem de navio para Hokkaido. Seis mil residentes de Maoka (agora Kholmsk) na costa oeste já haviam sido evacuados quando o ataque soviético começou antes do amanhecer de 20 de agosto. Navios de guerra soviéticos entraram no porto, disparando contra a cidade e os 18.000 refugiados que esperavam para serem evacuados. Civis foram metralhados enquanto corriam em direção às colinas na tentativa de escapar das tropas soviéticas sendo despejadas por navios de guerra. Registros japoneses sugerem que aproximadamente 1.000 pessoas foram mortas naquela manhã. Depois de relatar os acontecimentos das horas anteriores, a mensagem final da última das nove jovens telefonistas na bolsa de Maoka, Itoh Chie, de 22 anos, terminou com essas palavras comoventes. [11]

"Para todos em Naichi [continente japonês]…. Aos nossos amigos da Bolsa de Wakkanai... Soldados soviéticos acabaram de entrar no prédio aqui na Bolsa de Maoka. Esta provavelmente será a última mensagem de Karafuto [Sacalina]. Nós nove permanecemos em nossos postos até o fim, e não demorará muito para que todas as nove de nós tenham partido para o próximo mundo.

As tropas soviéticas estão se aproximando. Posso ouvir seus passos se aproximando. Todos em Wakkanai, sayonara, esse é o fim. Para todos em Naichi, sayonara, sayonara…."

Momentos depois, Itoh tomou cianeto.

Depois de testemunhar o massacre de civis em Maoka, grupos de soldados japoneses nas proximidades continuaram a resistir até 23 de agosto. Durante esse período, alguns que haviam se retirado de Maoka para a vizinha Arakaizawa foram mortos a tiros enquanto se apresentavam para discutir a rendição. [12]

Karafuto nanbu no chizu (Mapa do sul de Kabata).

Tropas soviéticas posando em frente à sede do governo em Harbin agosto de 1945.

Em 22 de agosto, uma semana inteira após a rendição do Japão, os aviões de guerra soviéticos atacaram Toyohara (agora Yuzhno-Sakhalinsk). Apesar das autoridades locais terem erguido uma grande bandeira branca e uma tenda marcada com uma cruz vermelha em frente à estação ferroviária para a multidão de refugiados, cinco ou seis bombas de fragmentação e aproximadamente 20 bombas incendiárias foram lançadas no meio da multidão, matando várias centenas de pessoas. [13]

No início da manhã daquele mesmo dia, em uma reminiscência do naufrágio de navios lotados de civis alemães em fuga no Mar Báltico apenas alguns meses antes, [14] uma "matilha" de três submarinos soviéticos (SHCH126, L12, L19) atacou os navios de transporte de refugiados japoneses Dai-Ni Shinko-Maru, Ogasawara-Maru e Taito-Maru fora de Rumoi no oeste de Hokkaido. [15] Enquanto flutuavam na água, os sobreviventes do Ogasawara-Maru foram metralhados por caças - apenas dezessete das 750 pessoas a bordo foram resgatadas. O Dai-Ni Shinko-Maru entrou mancando no porto, mas os outros dois navios afundaram com uma perda de 1.708 pessoas. [16]

Um mapa dos avanços soviéticos através de Sacalina e das ilhas Curilas.

A União Soviética completou a ocupação de Sacalina e Habomai - a ilha mais ao sul do que os japoneses chamam de Territórios do Norte - em 5 de setembro. Nos dois anos seguintes, os soviéticos repatriaram todos os civis japoneses e expulsaram os indígenas Ainu das Sacalina e Curilas, bem como parte da população Nivkhi e Uilta. Nem todos, porém, foram repatriados. Os trabalhadores coreanos levados para Sacalina pelo Japão no período 1920-1945 em programas de trabalho forçado (kyosei renko) permaneceram, condenados a um tratamento igualmente severo sob um novo regime. A tragédia em torno da repatriação dos 43.000 trabalhadores coreanos deixados para trás em Sacalina criou mais um doloroso enigma nas relações do Japão com seus vizinhos no pós-guerra.

Quase 600.000 soldados japoneses se renderam às forças soviéticas na Manchúria, Sacalina e na cadeia das Curilas. A maioria foi transportada para campos de trabalho forçado na Sibéria, onde cerca de 10% morreram na década seguinte. [17] Alguns dos prisioneiros-de-guerra japoneses repatriados em 1956 foram capturados nos confrontos de larga escala em Nomonhan e Changkufeng no final dos anos 1930, tudo isso em violação da Proclamação de Potsdam, que o Japão havia aceitado antes de se render. [18] Enquanto os atos de brutalidade japoneses em relação aos prisioneiros de guerra aliados atraiu corretamente a indignação e a justiça punitiva, na sequência da violação de um pacto de neutralidade e da recusa em honrar uma rendição, o uso soviético de prisioneiros-de-guerra japoneses como trabalho escravo no pós-guerra imediato foi a terceiro contravenção de Stalin em violação dos princípios do direito internacional no Extremo Oriente que não seria questionada por qualquer tribunal do pós-guerra.

Rendição de uma unidade mecanizada japonesa aos soviéticos.

Genuíno Vergangenheitsbewältigung - superando o legado do passado - não só requer bravos políticos, burocratas e acadêmicos para estudar e debater o passado, mas estar preparado para aceitar que os excessos do tempo de guerra e violações do direito internacional foram conduzidos por todas as partes. Se quisermos criar um regime global de direitos humanos significativo, crimes que vão desde o que pode ser claramente categorizado como "dano colateral" a atos de barbárie absoluta devem estar todos sujeitos ao mesmo escrutínio, sejam cometidos pelos vencedores ou pelos vencidos. Esse princípio de igualdade perante a lei era o cerne do conceito de Nuremberg, que infelizmente foi honrado na violação com punição restrita aos alemães e japoneses derrotados.

Todos os anos, a “Associação de Famílias Enlutadas do Incidente dos Três Navios” pede ao governo japonês um pedido de desculpas da Rússia pela morte de 1.708 pessoas no Ogasawara-Maru, no Taito-Maru e no Dai-Ni Shinko Maru no dias imediatamente após a rendição do Japão. [19] Todos os anos, o Ministério das Relações Exteriores do Japão responde que está aguardando uma resposta do governo russo sobre esses incidentes. O governo Putin parece tão propenso a responder a esse pedido com arrependimento quanto a devolver as ilhas disputadas.

Para o governo japonês, lidar com crimes de guerra cometidos contra seus cidadãos durante a Guerra do Pacífico (mesmo os cometidos após a guerra) tem pouco apelo. Infelizmente, a questão é complicada pelo fato de que as memórias se escondem do outro lado da porta para um repositório coletivo - uma espécie de Caixa de Pandora - em que tudo está inextricavelmente ligado aos excessos do próprio passado sombrio do Japão.

Pinturas da rendição do Exército Kwantung aos soviéticos.

Mark Ealey é um tradutor freelancer neozelandês especializado nas relações internacionais do Japão.

Notas:

[1] Declaração Soviética de Guerra contra o Japão: http://www.ibiblio.org/pha/policy/1945/450808a.html.

[2] Declaração divulgada após a Conferência do Cairo: http://www.ibiblio.org/pha/policy/1943/431201b.html.

[3] Texto completo da Carta do Atlântico: http://www.yale.edu/lawweb/avalon/wwii/atlantic.htm.

[4] The Soviet Strategic Offensive in Manchuria, 1945: "August Storm", Air & Space Power Journal, outono de 2004, por Gilles Van Nederveen.

[5] No Tratado de Shimoda em 1855, Sacalina tornou-se uma posse mútua do Japão e da Rússia, e as Curilas foram divididas entre Uruppu e Etorofu. Isso foi seguido em 1875 pelo Tratado de São Petersburgo, pelo qual o Japão desistiu de todas as pretensões a Sacalina em troca de toda a cadeia das Curilas até Kamchatka. O Japão assumiu o controle dos 40 por cento do sul de Sacalina através do Tratado de Portsmouth, após a vitória sobre a Rússia na Guerra Russo-Japonesa de 1904-1905. A fronteira foi definida no paralelo 50. O Japão, portanto, não tem direito a Sacalina, mas exige a devolução do que chama de Territórios do Norte: as quatro ilhas de Etorofu, Kunashiri, Shikotan e as ilhotas conhecidas como Habomai, nenhuma das quais jamais foi possuída pela Rússia ou pela União Soviética antes de serem tomadas pelas tropas soviéticas em 1945.

[6] O Incidente Gegenmiao é descrito pelo sobrevivente, Kawauchi Mitsuo, em: http://www.nishinippon.co.jp/news/2005/sengo60/sengo5/01.htmlVeja também: Fujiwara Sakuya, “Manshu, Shokokumin no senki” (Kyoyo bunko # 1561, publ. Shakai Shisosha, 1995). Yano Ichiya e Yan Ye-son, “Manshu Chinkon: Hikiage kara miru senchu/sengo” (Inpakuto Shuppankai, 2001).

[7] Alfred de Zayas, Nemesis at Potsdam (Londres: Routledge & Kegan Paul, 2ª edição, 1979); e, Erich Kern (ed.), Verheimlichte Dokumente (Munich: FZ-Verlag, 1988).

[8] Os registros do Ministério da Saúde e Bem-Estar Social do Japão sugerem que 26.000 soldados japoneses e pessoal de apoio foram mortos na Manchúria durante agosto de 1945. Além disso, mais de 30.000 civis morreram e outros 30.000 nunca foram contabilizados. Ministério da Saúde e Bem-Estar Social, “Zokuzoku - Hikiage-Engo no Kiroku”, 1963, pg. 187. Veja: http://home.s01.itscom.net/i-ioriya/sangeki.html para detalhes de outras obras japonesas que se referem ao Gegenmiao e outros incidentes semelhantes.

[9] Tsuyoshi Hasegawa, Racing the Enemy, Harvard University Press, 2005, pg 254-257.

[10] Para o lado russo da Batalha de Shimushu, consulte: http://www.fegi.ru/prim/flot/flot1_13.htm.

[11] Detalhes do destino das nove telefonistas em Maoka podem ser encontrados em "Kyuunin no Otome - Isshun no Natsu" de Kawashima Yasuo (tradução: Nove Jovens Mulheres - Um Momento no Verão) 2003, publ. por Kyobunsha, Sapporo. A descrição da cena em Maoka em 20 de agosto, incluindo comentários de uma testemunha, pode ser encontrada em: http://www2s.biglobe.ne.jp/~t_tajima/nenpyo-5/tizu-2.html. Para a citação original de Itoh Chie: http://www2s.biglobe.ne.jp/~nippon/jogbd_h13/jog203.html.

[12] Veja http://www2s.biglobe.ne.jp/~t_tajima/nenpyo-5/ad1945k.htm para uma transcrição das notas do diário e cartas que descrevem o incidente em Arakaizawa, nos arredores de Maoka, no qual um grupo de emissários liderados por um Tenente Murata do 25º Regimento de Infantaria avançaram para discutir a rendição apenas para serem alvejados pelas tropas soviéticas. Apenas um sobreviveu.

[13] Detalhes do bombardeio de refugiados na praça em frente à Estação Toyohara podem ser encontrados em: http://www2s.biglobe.ne.jp/~nippon/jogbd_h13/jog203.html.

[14] Mais notavelmente Wilhelm Gustloff, General Steuben e Goya.

[15] Mainichi Shimbun, 01/10/92. "Shuusen 7-Nichigo no Saharin kara no Hinansen Gekichin wa Sorengun no Kougeki data Sensuikan Gyorai de" (trad: Soviéticos afundam navios de refugiados de Sakhalin afundados sete dias após o fim da guerra - torpedeados por submarinos) para detalhes da pesquisa de Hata Ikuhiko, Mainichi Shimbun, 28/3/96. “Kinkou kaku Sengo Shori - Kyuu-Soren no“ Anbu ”Akiraka ni - Karufuto Hinansen Gekichin Jiken” (trad: Falta de equilíbrio no manejo do legado da guerra - Revelado o lado negro da ex-União Soviética - Afundamento de navios de refugiados de Karafuto) para os detalhes dos submarinos soviéticos.

[16] “Saigo no Nihonkai-Kaisen: Showa 20 8 Gatsu 22 Nichi, Hokkaido Rumoi Oki Sansen no Higeki” (tradução: A última batalha no Mar do Japão: 22 de agosto de 1945, A tragédia de três navios ao largo de Rumoi) http://homepage2.nifty.com/abe-san/sakusaku/6_1.htm.

[17] Elena Bondarenko, Exploração do trabalho de prisioneiros de guerra japoneses na URSS. Em: Far Eastern Affairs, 1995, Nº 1, pg. 72-85.

[18] A Proclamação de Potsdam declara: (9) As forças militares japonesas, após serem completamente desarmadas, terão permissão para retornar para suas casas com a oportunidade de levar uma vida pacífica e produtiva.

[19] O Dai-Ni Shinko Maru - um Q-Ship - acertou a torre de comando do submarino quando ele emergiu para finalizar o navio japonês. Uma grande mancha de óleo foi relatada imediatamente após o submarino submergir. Além disso, o mapa anexo é do Volume 5 da História da Grande Guerra Patriótica da União Soviética 1941-1945 (Ministério da Defesa Soviético). No canto inferior direito do mapa, “Ação de combate do Esquadrão de Submarinos do Rio Amur” está escrito em russo para explicar a flecha na costa oeste de Hokkaido.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:



FOTO: Sherman japonês, 6 de outubro de 2020.

LIVRO: O Japão Rearmado, 6 de outubro de 2020.