Mostrando postagens com marcador Contractor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Contractor. Mostrar todas as postagens

sábado, 10 de julho de 2021

O PM provisório do Haiti confirma pedido de tropas dos EUA para o país


Por Joshua Goodman, Astrid Suárez, Evens Sanon e Dánica Coto, Associated Press, 10 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de julho de 2021.

PORT-AU-PRINCE, Haiti (AP) - O governo interino do Haiti disse na sexta-feira que pediu aos EUA que enviassem tropas para proteger a infraestrutura principal, enquanto tenta estabilizar o país e preparar o caminho para as eleições após o assassinato do presidente Jovenel Moïse.

“Definitivamente precisamos de ajuda e pedimos ajuda aos nossos parceiros internacionais”, disse o primeiro-ministro interino Claude Joseph à Associated Press em uma entrevista, recusando-se a fornecer mais detalhes. “Acreditamos que nossos parceiros podem ajudar a polícia nacional a resolver a situação.”

Joseph disse que ficou consternado com os oponentes que tentaram se aproveitar do assassinato de Moïse para tomar o poder político - uma referência indireta a um grupo de legisladores que declararam sua lealdade e reconheceram Joseph Lambert, chefe do desmantelado Senado do Haiti, como presidente provisório e Ariel Henry, a quem Moïse designou como primeiro-ministro um dia antes de ser morto, como primeiro-ministro.

“Não estou interessado em uma luta pelo poder”, disse Joseph na breve entrevista por telefone, sem mencionar o nome de Lambert. “Só há uma maneira das pessoas se tornarem presidentes no Haiti. E isso é por meio de eleições.”

ARQUIVO - Nesta foto de arquivo de 7 de fevereiro de 2020, o presidente haitiano Jovenel Moïse chega para uma entrevista em sua casa em Pétion-Ville, um subúrbio de Port-au-Prince, Haiti. Moïse foi assassinado em um ataque a sua residência privada na manhã de quarta-feira, 7 de julho de 2021, e a primeira-dama Martine Moïse foi baleada no ataque noturno e hospitalizada, de acordo com um comunicado do primeiro-ministro interino do país. (Foto AP / Dieu Nalio Chery, Arquivo)

Joseph falou poucas horas depois que o chefe da polícia da Colômbia disse que os colombianos implicados no assassinato de Moïse foram recrutados por quatro empresas e viajaram para o país caribenho em dois grupos via República Dominicana. Enquanto isso, os EUA disseram que enviariam altos funcionários do FBI e da Segurança Interna para ajudar na investigação.

O chefe da Polícia Nacional do Haiti, Léon Charles, disse que 17 suspeitos foram detidos no assassinato descarado de Moïse, que surpreendeu uma nação que já sofrendo com a pobreza, da violência generalizada e da instabilidade política.

À medida que a investigação avançava, o assassinato assumia o ar de uma complicada conspiração internacional. Além dos colombianos, entre os detidos pela polícia estavam dois haitianos americanos, descritos como tradutores dos agressores. Alguns dos suspeitos foram presos em uma operação na embaixada de Taiwan, onde eles teriam buscado refúgio.

Em entrevista coletiva na capital da Colômbia, Bogotá, o General Jorge Luis Vargas Valencia disse que quatro empresas estiveram envolvidas no “recrutamento e reunião dessas pessoas” implicadas no assassinato, embora não tenha identificado as empresas porque seus nomes ainda estavam sendo verificados.

O Comandante das Forças Armadas da Colômbia, General Luis Fernando Navarro, ao centro, o Diretor da Polícia Nacional, General Jorge Luis Vargas, à direita, e o Comandante do Exército, General Eduardo Zapateriro, dão entrevista coletiva sobre a suposta participação de ex-militares colombianos no assassinato do presidente haitiano Jovenel Moïse , em Bogotá, Colômbia, sexta-feira, 9 de julho de 2021. (Foto AP / Ivan Valencia)

Dois dos suspeitos viajaram para o Haiti via Panamá e República Dominicana, disse Vargas, enquanto um segundo grupo de 11 pessoas chegou ao Haiti em 4 de julho vindo da República Dominicana.

Em Washington, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que altos funcionários do FBI e do Departamento de Segurança Interna serão enviados ao Haiti "assim que possível para avaliar a situação e como podemos ajudar".


“Os Estados Unidos continuam engajados e em estreitas consultas com nossos parceiros haitianos e internacionais para apoiar o povo haitiano após o assassinato do presidente”, disse Psaki.

Após a solicitação do Haiti por tropas americanas, um alto funcionário do governo reiterou os comentários anteriores de Psaki de que o governo está enviando funcionários para avaliar como isso pode ser mais útil, mas acrescentou que não há planos para fornecer assistência militar no momento.

Os EUA enviaram tropas ao Haiti após o último assassinato presidencial no país, o assassinato do presidente Vilbrun Guillaume Sam em 1915 nas mãos de uma multidão enfurecida que havia invadido a embaixada francesa onde ele se refugiou.

No Haiti, o chefe da Polícia Nacional, Léon Charles, disse que outros oito suspeitos ainda estavam foragidos e sendo procurados.

Suspeitos do assassinato do presidente do Haiti, Jovenel Moïse, são jogados no chão após serem detidos, na Direção-Geral da Polícia em Port-au-Prince, Haiti, quinta-feira, 8 de julho de 2021. Um juiz haitiano envolvido na investigação do assassinato disse que o presidente Moïse foi baleado uma dúzia de vezes e seu escritório e quarto foram saqueados. (Foto AP / Jean Marc Hervé Abélard)

O juiz investigativo Clément Noël disse ao jornal francês Le Nouvelliste que os haitianos-americanos presos, James Solages e Joseph Vincent, disseram que os agressores planejavam inicialmente prender Moïse, não matá-lo. Noël disse que Solages e Vincent estavam atuando como tradutores para os agressores.

O mesmo jornal citou o promotor de Port-au-Prince Bed-Ford Claude dizendo que ordenou que uma unidade de investigação da Força Policial Nacional interrogasse todos os agentes de segurança próximos a Moïse. Entre eles estão o coordenador de segurança de Moïse, Jean Laguel Civil, e Dimitri Hérard, chefe da Unidade de Segurança Geral do Palácio Nacional.

“Se você é o responsável pela segurança do presidente, por onde você esteve? O que você fez para evitar esse destino para o presidente?” Claude disse.

O ataque, ocorrido na casa de Moïse antes do amanhecer de quarta-feira, também feriu gravemente sua esposa, que foi levada de avião para tratamento em Miami.

Soldados chegam para troca da guarda na fronteira com o Haiti em Jimani, na República Dominicana, sexta-feira, 9 de julho de 2021. O presidente dominicano Luís Abinader ordenou o fechamento da fronteira na quarta-feira depois que o governo do Haiti informou que pistoleiros assassinaram o presidente haitiano Jovenel Moïse. (Foto AP / Matias Delacroix)

Joseph assumiu a liderança com o apoio da polícia e dos militares e declarou um "estado de sítio" de duas semanas. Port-au-Prince já está em estado de alerta em meio ao crescente poder das gangues que deslocaram mais de 14.700 pessoas só no mês passado enquanto incendiavam e saqueavam casas em uma luta por território.

O assassinato paralisou a normalmente movimentada capital, mas Joseph exortou o público a voltar ao trabalho.

Vargas prometeu a cooperação total da Colômbia, e as autoridades identificaram 13 dos 15 colombianos implicados no ataque como militares aposentados, 11 capturados e dois mortos. Eles variam em patente de tenente-coronel a soldado.

O comandante das Forças Armadas da Colômbia, General Luis Fernando Navarro, disse que eles deixaram a instituição entre 2018 e 2020.

“No mundo do crime existe o conceito de homicídio de aluguel e foi o que aconteceu: eles contrataram alguns membros da reserva (do exército) para esse fim e têm que responder criminalmente pelos atos que cometeram”, disse o general reformado do Exército Colombiano Jaime Ruiz Barrera.

Altos militares das forças de segurança da Colômbia viajarão ao Haiti para ajudar na investigação.

Soldados colombianos treinados pelos americanos são fortemente recrutados por empresas de segurança privada em zonas de conflito global por causa de sua experiência em uma guerra de décadas contra rebeldes esquerdistas e poderosos cartéis de drogas.

Dois suspeitos do assassinato do presidente do Haiti, Jovenel Moïse, são transferidos para serem exibidos à imprensa na Direção Geral da Polícia em Port-au-Prince, Haiti, quinta-feira, 8 de julho de 2021. Moïse foi assassinado em um ataque a sua residência privada na quarta-feira. (Foto AP / Joseph Odelyn)

A esposa de um ex-soldado colombiano sob custódia disse que ele foi recrutado por uma empresa de segurança para viajar à República Dominicana no mês passado.

A mulher, que se identificou apenas como “Yuli”, disse à Rádio W da Colômbia que seu marido, Francisco Uribe, foi contratado por US$ 2.700 por mês por uma empresa chamada CTU para viajar à República Dominicana, onde foi informado que forneceria proteção a algumas famílias poderosas. Ela diz que falou com ele pela última vez às 22h, quarta-feira - quase um dia após o assassinato de Moïse - e disse que estava de guarda em uma casa onde ele e outros estavam hospedados.

“No dia seguinte, ele me escreveu uma mensagem que parecia uma despedida”, disse a mulher. “Eles estavam correndo, eles foram atacados. ... Esse foi o último contato que tive.”

A mulher disse que sabia pouco sobre as atividades do marido e nem sabia que ele havia viajado para o Haiti.

Suspeitos do assassinato do presidente do Haiti, Jovenel Moïse, são exibidos à mídia na Direção Geral da Polícia em Port-au-Prince, Haiti, quinta-feira, 8 de julho de 2021. Moïse foi assassinado em um ataque a sua residência privada na manhã de quarta-feira. (Foto AP / Joseph Odelyn)

Uribe está sendo investigado por seu suposto papel em execuções extrajudiciais cometidas pelo Exército Colombiano treinado pelos EUA há mais de uma década. Os registros do tribunal colombiano mostram que ele e outro soldado foram acusados de matar um civil em 2008, que mais tarde eles tentaram apresentar como um criminoso morto em combate.

A CTU em questão pode ser a CTU Security em Miami-Dade. A empresa possui dois endereços listados em seu website. Um era um armazém fechado sem nenhuma placa indicando a quem pertencia. O outro é um escritório simples com o nome de uma empresa diferente, onde a recepcionista diz que o proprietário da CTU vem uma vez por semana para coletar a refeição e realizar reuniões ocasionais.

Solages, 35, descreveu-se como um "agente diplomático certificado", um defensor das crianças e político em ascensão em um site agora removido para uma instituição de caridade que ele começou em 2019 no sul da Flórida para ajudar um residente de sua cidade natal, Jacmel, na costa sul do Haiti.

Solages também disse que trabalhou como guarda-costas na Embaixada do Canadá no Haiti, e em sua página do Facebook, que também foi retirada após a notícia de sua prisão, ele exibiu fotos de veículos militares blindados e uma foto de si mesmo em frente a uma bandeira americana.

A polícia revistou o distrito de Morne Calvaire de Pétion-Ville em busca de suspeitos que permanecem foragidos pelo assassinato do presidente haitiano Jovenel Moïse em Port-au-Prince, Haiti, sexta-feira, 9 de julho de 2021. Moïse foi assassinado em 7 de julho após homens armados serem atacados sua residência privada e feriu gravemente sua esposa, a primeira-dama Martine Moïse. (Foto AP / Joseph Odelyn)

O Departamento de Relações Exteriores do Canadá divulgou um comunicado que não se referia a Solages pelo nome, mas disse que um dos homens detidos por seu suposto papel no assassinato havia sido "temporariamente empregado como guarda-costas de reserva" em sua embaixada por um contratante privado.

Chamadas para a caridade e associados de Solages ficaram sem resposta. No entanto, um parente no sul da Flórida disse que Solages não tem nenhum treinamento militar e não acredita que ele esteja envolvido no assassinato.

“Sinto que meu filho matou meu irmão porque amo meu presidente e amo James Solages”, disse Schubert Dorisme, cuja esposa é tia de Solages, ao WPLG em Miami.

A polícia guarda suspeitos do assassinato do presidente do Haiti, Jovenel Moise, detidos na Direção Geral da Polícia em Port-au-Prince, Haiti, quinta-feira, 8 de julho de 2021. Moïse foi assassinado em um ataque a sua residência privada na manhã de quarta-feira. (Foto AP / Jean Marc Hervé Abélard)

A embaixada de Taiwan em Port-au-Prince disse que a polícia prendeu 11 pessoas que tentaram invadir o complexo na manhã de quinta-feira. Não deu detalhes de suas identidades ou uma razão para a invasão, mas em um comunicado referiu-se aos homens como “mercenários” e condenou veementemente o “assassinato cruel e bárbaro” de Moïse.

“Quanto aos suspeitos estarem envolvidos no assassinato do presidente do Haiti, isso precisará ser investigado pela polícia haitiana”, disse o porta-voz das Relações Exteriores, Joanne Ou, à Associated Press em Taipei.

A polícia foi alertada pela segurança da embaixada enquanto diplomatas taiwaneses trabalhavam em casa. O Haiti é um dos poucos países com relações diplomáticas com Taiwan.

Suárez reportou de Bucaramanga, Colômbia. Goodman reportou de Miami. O cinegrafista da AP Pierre-Richard Luxama em Port-au-Prince e Johnson Lai em Taipei, Taiwan, contribuíram.


Bibliografia recomendada:

Violência e Pacificação no Caribe.
Coronel Fernando Velôzo Gomes Pedrosa.

A república negra:
Histórias de um repórter sobre as tropas brasileiras no Haiti.
Luis Kawaguti.

Leitura recomendada:



domingo, 2 de maio de 2021

Polícia italiana prende ex-policial que lutou como mercenário no Donbass


Por Akulenko OlenaUNIAN, 2 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de maio de 2021.

Ele está enfrentando acusações de terrorismo.

A polícia italiana prendeu um ex-policial da cidade de Cagliari, Itália, que teria lutado como mercenário pelas forças lideradas pela Rússia no Donbass, leste da Ucrânia. O fato foi relatado pelo serviço de imprensa do Ministério do Interior ucraniano.

"Como parte da operação Lobo Solitário, a polícia italiana rastreou um homem de 50 anos, um ex-policial de Cagliari, que lutou na Ucrânia junto com formações armadas ilegais lideradas pela Rússia contra as forças ucranianas", disse o documento. “Em 2015, ele já foi detido por policiais que investigavam a participação de mercenários italianos em formações armadas ilegais no leste da Ucrânia. O detido não foi responsabilizado, pois alegou não ter atirado em soldados ucranianos”.

Um novo processo criminal foi aberto contra o suspeito, que enfrenta acusações de terrorismo. Ele não tem permissão para sair do país enquanto a investigação estiver em andamento. A polícia já invadiu sua casa. As agências policiais italianas rastrearam várias transferências do grupo terrorista "República Popular do Donetsk" (DPR) para a conta bancária do suspeito. Além disso, foram apreendidos fotos, vídeos, documentos que serão usados como prova.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Vega Strategic Services: as PMC russas como parte da guerra de informação?

Por Sergey Sukhankin, The Jamestown Foundation, 10 de abril de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de fevereiro de 2021.

A agência russa de investigação Equipe de Inteligência de Conflitos (Conflict Intelligence Team, CIT) publicou um relatório, em 28 de março, informando que, além dos exércitos militares privados, a Rússia criou agora uma Companhia Militar Privada (Private Military Company, PMC) de um novo tipo. Especificamente, o relatório examina a Vega Strategic Services Ltd. (Vega), “uma PMC 'clássica' russo-ucraniana”, que atualmente opera na Síria e apóia o presidente Bashar al-Assad. Conforme observado no relatório, “ao contrário da ‘PMC Wagner’, [Vega] não conduz operações militares formais; seu objetivo principal está focado no treinamento de forças locais, bem como a proteção de vários objetos - semelhante a missões realizadas por PMC ocidentais... Dados os laços estreitos entre a milícia Liwa al-Quds e as forças russas na Síria, pode-se argumentar que o Vega está agindo com a permissão das autoridades russas ”(Citeam.org, 28 de março). A Liwa al-Quds (também conhecida como Brigada de Jerusalém) é uma milícia predominantemente palestina e luta como parte das forças do governo pró-Síria na Guerra Civil Síria.

O relatório investigativo baseia-se em três fontes principais de informação. Em primeiro lugar, refere-se ao ex-correspondente da ANNA News, Oleg Blokhin, que postou imagens de instrutores do Vega, na Síria, onde estavam evidentemente treinando combatentes Liwa al-Quds.

A segunda fonte por trás do relatório da CIT é um perfil abrangente de dois membros do Vega, ambos cidadãos ucranianos. Anatoly Smolin, um dos alegados fundadores desta PMC, após se aposentar da KGB soviética, seguiu carreira no Ministério de Assuntos Internos da Ucrânia. Em 1997, ele passou a prestar serviços de segurança privada. Em 2004, Smolin fundou as empresas de segurança Alfa-Shchit e Kolchuga; enquanto, em 2011, organizou a Vega Strategic Services. Imagens recuperadas pela CIT parecem mostrar Smolin treinando militantes da Liwa al-Quds na Síria. O outro perfil apresentado é de Dmitry Dzhinikashvili, que, de acordo com o relatório, não só foi empregado do Vega entre 2012 e 2014, mas também serviu por um breve período no Slavonic Corps Limited, uma PMC russa de vida curta organizado por ex-membros do Moran Security Group, Vadim Gusev e Evgeny Sidorov. O Slavonic Corps foi destruído na Síria em 2013. Os investigadores relacionaram a suposta presença de Dzinikashvili na Síria com uma foto de Palmira publicada na rede de mídia social online Vkontakte.

O terceiro elemento da investigação do relatório da CIT é baseado em uma entrevista com Andrey Kebkalo, um dos fundadores do Omega Consulting Group PMC, que supostamente abriu uma filial em Burkina Faso (o quarto maior produtor de ouro da África) (ver EDM, outubro 17, 2018). Na entrevista, Kebkalo reconheceu seu papel na criação do Vega e corroborou o papel de Smolin nesta PMC.


O relatório gerou uma reação imediata e extremamente dura do Serviço de Segurança da Ucrânia (SSU). Em seu comentário, o chefe do SSU, Vasyl Hrytsak, afirmou: “Membros do sindicato terrorista dos serviços especiais russos sob o nome de ‘PMC Wagner’ não têm cidadania. Nos últimos anos, o SSU trouxe à luz centenas de mercenários deste destacamento da [isto é, apoiado pela] Diretoria do Estado-Maior das Forças Armadas Russas (GU) [inteligência militar russa, ainda freqüentemente referida por seus antiga sigla GRU], entre os quais pessoas da Ucrânia, Bielo-Rússia, Moldávia, Cazaquistão, Sérvia e outros países. A única coisa que os une é a prontidão para matar qualquer um e em qualquer lugar do mundo por ordem do Kremlin e por seu dinheiro. Nenhuma falsificação russa pode esconder essa verdade do mundo.” O serviço de imprensa do SSU corroborou o fato de que Smolin e Dzhinikashvili são de fato cidadãos ucranianos, que, no entanto, deixaram o país após 2014 e começaram a cooperar ativamente com a inteligência militar russa e outros serviços especiais. O SSU também confirmou que o Vega, embora criada por Smolin em 2011, não se dedicava à prestação de serviços de segurança privada. Em sua análise final, o SSU chamou o relatório produzido pela CIT de “notícia falsa”, afirmando que “ainda é o Grupo Wagner que treina forças pró-Assad” (Ssu.gov.ua, 28 de março).

Em sua resposta, o investigador-chefe da CIT, Ruslan Leviev, expressou sua surpresa com a reação do SSU e criticou-o por uma "abordagem não profissional". Ele também apontou que o Vega não é de forma alguma uma iniciativa conjunta (russo-ucraniana), como foi afirmado pelo SSU. Em um comentário relacionado, Leviev afirmou que, “quando estamos falando de uma PMC russo-ucraniana, não queremos dizer que ela foi criada ou formada com a participação de autoridades estatais ucranianas. Estamos dizendo que foi organizada por cidadãos ucranianos e foi posicionada como uma PMC ucraniana desde o início... Isso não significa que é um projeto conjunto desses dois estados, é apenas um negócio privado” (Currenttime.tv, 29 de março).

Apesar das narrativas concorrentes do SSU e da CIT, alguns aspectos relativos ao Vega são de fato bastante confusos. Por exemplo, não é de todo evidente por que os meios de comunicação russos abertamente pró-Kremlin têm dado tanta atenção a esta PMC em particular, enquanto outras empresas desse tipo (o Grupo Wagner ou Patriot, por exemplo) permaneceram tabu na imprensa russa. Especificamente, um artigo intitulado “Damasco está hospedando a 60ª Exposição Internacional de Produtos Industriais”, publicado no ano passado na Federalnoye Agentstvo Novostey (Riafan.ru), relata, “o lado russo participou ativamente durante o fórum. Ou seja, pode-se ver o Vega Strategic Services Ltd., que foi criada em 2012, no Chipre, por veteranos e ex-membros de formações marítimas, militares e policiais especiais da Ucrânia, Rússia e Grécia ”(Riafan.ru, 30 de julho de 2018). Uma atenção particular deve se concentrar na fonte da publicação: O Federalnoye Agentstvo Novostey é um meio de comunicação apoiado por Moscou intimamente relacionado com a notória "Fábrica de Trolls" com sede em São Petersburgo, financiada por Yevgeny Prigozhin (conhecido como "Chef" de Vladimir Putin). Outro veículo de informação antiocidental ultraconservador, a Tsargrad TV (pertencente ao “oligarca ortodoxo” Konstantin Malofeev, que foi sancionado pela Comissão Europeia por financiar o separatismo na Ucrânia) também divulgou um artigo complementar que confirma as informações anteriores (Tsargrad.tv, 9 de fevereiro de 2019).

Comentando esses desenvolvimentos, Yevgeny Shabaev, o ataman (chefe) da comunidade cossaca de Khovrino, afirmou que conhece o Vega como uma empresa com recursos limitados e dificilmente compatível com as tarefas freqüentemente desempenhadas por contratados militares russos. Ele acrescentou que toda a história com o Vega não passa de um exemplo de uma operação de contra-informação (contra-propaganda) realizada por meios de informação próximos ao Kremlin. Esta campanha de contra-propaganda, argumentou Shabaev, visa desacreditar outros meios de comunicação que cobrem o Grupo Wagner (Rtvi.com, 12 de fevereiro).

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:



Os condutores da estratégia russa16 de julho de 2020.



terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

A dependência da Rússia de contratados militares privados soa alarme no mundo todo

Instrutores do Vega treinam combatentes da Liwa al-Quds (Brigada de Jerusalém) na Síria em uma foto postada em janeiro de 2019.
(Oleg Blokhin / VKontakte)

Por Kanat Altynbayev, Central Asian News, 11 de dezembro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de fevereiro de 2021.

A Vega se junta a uma lista crescente de mercenários russos - incluindo o Grupo Wagner - realizando o trabalho sujo do Kremlin em países estrategicamente importantes e oferecendo a Putin uma negação plausível.

ALMATY - As evidências crescentes de que a Rússia está aumentando sua dependência de unidades militares informais para resolver problemas estratégicos em países de interesse geopolítico estão causando preocupação em todo o mundo.

Além do Grupo Wagner - uma companhia militar privada (private military companyPMC) notoriamente envolvida em guerras no leste da Ucrânia, Síria, Líbia, Sudão, Venezuela, Madagascar e mais, e criada por associados próximos do presidente russo Vladimir Putin - a PMC russo-ucraniana Vega está sendo examinada pelo microscópio.

Esses contratados permitem que o regime russo inflija e sofra baixas, sem que nenhum derramamento de sangue apareça nos livros do Kremlin.

Em março de 2019, a Equipe de Inteligência de Conflitos (Conflict Intelligence Team, CIT), um grupo de blogueiros russos independentes que usa fontes abertas para investigar guerras, publicou dados indicando que mercenários do Vega operam na Síria desde 2018 para apoiar o presidente Bashar al-Assad, assim como seus homólogos do Grupo Wagner.

Instrutores do Vega treinam combatentas da Liwa al-Quds (Brigada de Jerusalém) na Síria em uma foto posada em janeiro de 2019.
(Oleg Blokhin / VKontakte)

Apoiando os combatentes da Liwa al-Quds na Síria

No início, o Vega protegeu pessoas físicas, bem como várias empresas, bancos e navios em áreas de alto risco. Mas, nos últimos anos, o Vega expandiu seu trabalho de segurança para incluir o treinamento de milícias em nome da Rússia. O Vega está treinando uma milícia predominantemente palestina conhecida como Liwa al-Quds (Brigada de Jerusalém), a maior unidade de Aleppo que apóia o governo sírio.

Foi o que os investigadores do CIT concluíram após examinarem as fotos tiradas pelo jornalista Oleg Blokhin, que trabalha na Síria para as publicações online pró-Kremlin ANNA News e Russkaya Vesna (Primavera Russa).

As imagens mostram soldados usando brevês dos Vega Strategic Services (Serviços Estratégicos Vega).

Os Vega Strategic Services foi fundada em 2011 na Ucrânia por veteranos das forças especiais russas e ucranianas, descobriram os investigadores. Tornou-se Vegacy Strategic Services em 2012, quando o fundador da empresa, o cidadão ucraniano Anatoly Smolin, mudou sua sede para o Chipre.

Smolin, um veterano da marinha soviética e da KGB e depois das forças do Ministério do Interior ucraniano (MVD), disse à BBC em março de 2019 que se mudou para o Chipre porque a legislação que regia as PMC era favorável. A sede está situada no Chipre, com outros escritórios na Ucrânia, Rússia, Síria, Sri Lanka e Egito.

A Rússia "reforçou significativamente seu apoio à Liwa al-Quds" desde 2019, informou a Deutsche Welle em março de 2019, citando a publicação online libanesa Al-Modon. O grupo palestino ganhou várias centenas de novos membros, incluindo menores, disse o relatório. Relatórios de janeiro de 2019 reconheceram a Rússia como a força por trás do Vega. Smolin participou pessoalmente do treinamento militar dos combatentes da Liwa al-Quds na Síria, de acordo com o CIT - As fotos do treinamento mostram alguém que se parece com ele.

Operando "nas sombras" no Oriente Médio

Observadores na Ásia Central vêem as PMC russas como uma ameaça multifacetada à segurança de seus países. As PMC como o Grupo Wagner realizam missões militares e de inteligência que Moscou não pode executar oficialmente, disse Edil Osmonbetov, de Bishkek, um cientista político e especialista em relações internacionais.

“Estas não são forças armadas regulares que se enquadram no direito internacional; os estados que as coordenam não têm responsabilidade por suas ações”, disse ele.

O Vega é apenas uma das PMC criadas a pedido do Kremlin, disse Dauren Ospanov, um major aposentado do exército cazaque e ex-oficial da guarnição regional de Almaty. Ele nomeou outras PMC - Shchit (Escudo) e Patriot (Patriota) - que não existem oficialmente na Rússia, mas recrutam ativamente jovens para realizar missões perigosas no Oriente Médio.

"Ao contrário do Grupo Wagner, o Vega e outras PMC russas não têm equipamento militar, veículos blindados ou artilharia e não foram vistos em combate", disse Ospanov. "Eles estão nas sombras, lidando com segurança e treinando combatentes, mas isso poderia muito bem ser apenas um escudo para esconder crimes de guerra."

Instrutores do Vega treinam combatentes da Liwa al-Quds (Brigada de Jerusalém) na Síria em uma foto postada em janeiro de 2019.
(Oleg Blokhin / VKontakte)

Recrutando combatentes na Ásia Central

As PMC russas também estão envolvidas em atividades destrutivas, não apenas aquelas tarefas "obscuras", disse Ospanov. Eles contratam jovens de famílias carentes, principalmente os que vivem na Rússia, e oferecem-lhes altos salários para lutar na Síria. "Muitos dos mercenários são mortos, mas ninguém é responsabilizado", disse ele. O recrutamento também está ocorrendo nos países da Ásia Central.

Em agosto, soube-se que o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) abriu processos criminais contra 15 membros do Grupo Wagner, incluindo três quirguizes, que supostamente lutaram no leste da Ucrânia ao lado de separatistas pró-russos.

Dois anos antes, o jornal cazaque Caravan citou o SBU quando informou que bielo-russos, moldavos e cazaques estavam lutando como parte de uma PMC russa na Síria.

As PMC russas estão contratando estrangeiros para que "haja menos reclamações" sobre a Rússia, Andrei Buzarov, um cientista político de Kiev, Ucrânia, disse ao Caravan, sem especificar a origem das reclamações. Os mercenários também concordam em trabalhar para as PMC por razões financeiras, disse ele.

"Máquinas de matar" apoiadas pelo Kremlin

Ospanov está convencido de que o Vega está intimamente ligada ao Kremlin, já que está treinando um grupo apoiado pela Rússia.

“Não há necessidade de alimentar ilusões de que o Vega está ficando fora de combate e cumprindo as regras internacionais sobre as PMC”, disse ele. “Não há dúvida de que, em um momento decisivo, as PMC como o Vega puderiam ser mobilizadas e, de uma forma ou de outra, serem levadas a uma guerra híbrida, executando as missões de combate do Kremlin, como foi o caso da Ucrânia”.

A ameaça da Rússia de desencadear uma guerra híbrida também é relevante para a Ásia Central, particularmente para o Cazaquistão, disse Dosym Satpayev, de Almaty, cientista político e diretor do Grupo de Avaliação de Risco. Os problemas internos estão crescendo no Cazaquistão, que Moscou pode explorar para seus próprios interesses, disse ele.

"O surgimento de uma PMC estrangeira no Cazaquistão representa uma séria ameaça ao nosso país, já que é possível que, se a situação política mudar, ela possa se envolver em sabotagens", disse Satpayev.

As autoridades cazaques, por sua vez, desconfiam da própria ideia das PMC e não permitem que tais entidades operem legalmente no Cazaquistão. Em março de 2018, Dariga Nazarbayeva, senadora na época e filha mais velha do ex-presidente Nursultan Nazarbayev, denunciou a ideia de criar empresas PMC no Cazaquistão.

"Não apoio essa ideia. Isto é literalmente uma máquina de matar privada", disse ela. "Essas organizações não deveriam existir."

Bibliografia recomendada:

Russian Security and Paramilitary Forces since 1991.
Mark Galeotti.

Leitura recomendada:

Os condutores da estratégia russa16 de julho de 2020.


Síria: Os "ISIS Hunters", esses soldados do regime de Damasco treinados pela Rússia8 de setembro de 2020.

Helicóptero Gazelle de mercenários sul-africanos foi abatido em Moçambique26 de abril de 2020.

PERFIL: Akihiko Saito, o samurai contractor, 2 de fevereiro de 2020.


segunda-feira, 27 de julho de 2020

FOTO: Posto defensivo do Grupo Wagner na Síria

"Quem está se mijando, vai morrer".

Posto defensivo no telhado de um prédio na Síria do Grupo Wagner. O mercenário está armado com um fuzil AK-74M com silenciador e um lança-granadas abaixo do cano. No chão há dois lançadores de granada auto-explosiva RPG-26 e uma metralhadora PKP Pecheneg.

Bibliografia recomendada:

Spetsnaz:
Russia's Special Forces.
Mark Galeotti.

Leitura recomendada:


domingo, 22 de março de 2020

Dividendos da Diplomacia: Quem realmente controla o Grupo Wagner?


Por Alexander Rabin, National Security Program, 4 de outubro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de março de 2020.

Muitos esperavam que a relação diplomática entre a Federação Russa e os Estados Unidos se esvaísse quando forças americanas mataram centenas de russos assaltando um posto avançado americano na Síria no início de 2018. No entanto, o Kremlin se distanciou rapidamente dos corpos russos no distante campo de batalha sírio Esses russos lutaram em nome do presidente sírio Bashar al-Assad, mas não usavam uniformes das forças armadas sírias ou russas. Em vez disso, eles trabalhavam para o oligarca empreendedor Yevgeny Prigozhin e seu Grupo Wagner, uma companhia militar privada (PMC).

Prigozhin é uma figura familiar para os americanos. Dois meses antes de seus mercenários morrerem na Síria, o advogado especial Robert S. Mueller III o acusou de operar a Agência de Pesquisa na Internet, uma fazenda de trolls de desinformação que interferiu nas eleições presidenciais de 2016 nos EUA. No entanto, os funcionários de Prigozhin incentivam os interesses da Rússia em uma nova era de guerra híbrida por meio de combate direto e manipulação online. Ao perseguir objetivos estratégicos russos sob uma bandeira privada, o Grupo Wagner fornece ao Kremlin um véu de negação plausível, reforçando a flexibilidade diplomática russa e minimizando a contagem oficial de baixas que poderiam condenar o envolvimento russo em conflitos domesticamente impopulares como a Guerra Civil Síria.

Quem é Prigozhin e o que é o Grupo Wagner?

Em uma foto de 2006, o presidente russo Vladimir Putin (à esquerda) recebe o presidente dos EUA George W. Bush em São Petersburgo, Rússia. O segunda à direita, de terno preto, é o empresário russo Yevgeny Prigozhin, conhecido como "chef de Putin".

O talento de Prigozhin para o lucro o levou a um caminho não-convencional para a confiança de Putin. Depois de cumprir nove anos de prisão em 1990, ele abriu barracas de cachorro-quente com seu padrasto. Quando a União Soviética se dobrou e o setor privado da Rússia cresceu, Prigozhin investiu na primeira cadeia de supermercados de São Petersburgo e finalmente abriu o restaurante de luxo New Island, onde serviu pessoalmente Putin. Prigozhin alavancou suas conexões importantes em contratos de restauração e construção de escolas públicas e militares de bilhões de dólares desde meados dos anos 2000, ganhando o apelido de "chef de Putin".

As profundas conexões do Grupo Wagner com os principais líderes políticos da Rússia distinguem a empresa de seus contemporâneos. A aparição dos contratados em pontos críticos geopolíticos ilustra uma estreita coordenação entre as aspirações comerciais de Prigozhin e a busca do interesse nacional pelo Kremlin. Prigozhin lucra prestando serviços nos países onde a Rússia está expandindo seu envolvimento, enquanto o estado mantém uma negação plausível ao utilizar as estruturas privadas de Prigozhin. No processo, Prigozhin acumula prestígio e capital político, abrindo caminho para futuros contratos lucrativos.

Desdobramento do Grupo Wagner, mostrando missões na Ucrânia, Venezuela, República Centro-Africana, Líbia, Síria, Madagascar e Sudão.

O Grupo Wagner ao redor do mundo

Contratados do Grupo Wagner na Ucrânia, 2014.

O Grupo Wagner apareceu pela primeira vez durante a anexação russa da Criméia, auxiliando unidades militares russas não-identificáveis, conhecidas como "homenzinhos verdes", na segurança do território sem derramamento de sangue e no desarmamento das instalações militares ucranianas. Os contratados lutaram ao lado de separatistas pró-russos na região do Donbas, na Ucrânia. O Grupo Wagner se manteve ocupado na autoproclamada República Popular do Donetsk (DPR) e na República Popular de Luhansk (LPR), supostamente abatendo um transporte aéreo militar ucraniano Il-76, assassinando líderes separatistas desonestos e participando da Batalha de Debaltseve (2015).


Logo após o apoio russo a Assad ter aumentado em 2015, as tropas do Grupo Wagner se tornaram um ativo crucial, como na Ucrânia, desempenhando papéis defensivos e ofensivos. Ao proteger as instalações militares e de energia, esses contratados reduziram a escassez de pessoal que impedia a capacidade de Assad de proteger instalações e montar ofensivas simultaneamente para recuperar território. O Grupo Wagner forneceu mão-de-obra ofensiva em batalhas como a Batalha de Palmira (2016), na qual forneceu a força de choque inicial para recuperar a cidade do Estado Islâmico.

No entanto, o caso da Síria difere das operações na Ucrânia por causa do claro incentivo monetário adicional de Prigozhin para o aumento da desdobramento do Grupo Wagner. Sua empresa Evro Polis assinou um contrato com a General Petroleum Corporation, estatal síria, em janeiro de 2018, concedendo à Evro Polis 25% da produção de quaisquer instalações petrolíferas retomadas para Assad. O assalto arriscado do Grupo Wagner ao posto avançado de Deir ez-Zor Conoco ocorreu apenas um mês após o acordo com a Evro Polis, e telefonemas interceptados pela inteligência dos EUA revelam que Prigozhin participou diretamente no planejamento do ataque.

Mercenários do Corpo Eslavônico na Síria, outubro de 2013. O Slavonic Corps Limited foi a primeira PMC "experimental" russa.

No entanto, o grau de comando que o Estado russo exerce sobre o Grupo Wagner na Síria permanece incerto. Enquanto algumas fontes próximas ao Ministério da Defesa afirmam que a ofensiva desastrosa do Grupo Wagner contra o posto avançado de Conoco surpreendeu os militares, outras alegam que o Kremlin provavelmente autorizou o ataque. Ainda assim, outros afirmam que o Grupo Wagner coordena dentro do Ministério da Defesa, mas o faz vagamente, o que poderia explicar o fracasso em garantir a aprovação de uma ofensiva específica.

Da mesma forma, à medida que a Rússia aumenta seu envolvimento na África, as operações do Grupo Wagner se expandem por todo o continente, onde protegem os investimentos de Prigozhin. No final de 2017, vídeos de contratados russos treinando tropas sudanesas circularam no Twitter, enquanto cerca de 300 contratados estavam no país. Na mesma época, a empresa M-Invest, a qual há rumores que Prigozhin possui, garantiu concessões de mineração ao governo sudanês. Os combatentes do Grupo Wagner agora guardam essas minas. Embora a M-Invest seja registrada como uma empresa de extração de recursos, também forneceu ao ex-presidente sudanês Omar al-Bashir, um líder amigo da Rússia que presidiu vários acordos comerciais bilaterais, com um plano para suprimir os protestos de Cartum no início de 2019. A empresa propôs campanhas de difamação e a adaptação como arma das mídias sociais remanescente da Agência de Pesquisa na Internet de Prigozhin.

Grupo Wagner na Síria.

O envolvimento russo na vizinha República Centro-Africana (RCA) também vincula apoio político a ganhos econômicos. A Rússia expulsou a França para obter uma exceção ao embargo de armas sobre a RCA das Nações Unidas em 2018, e os contratados Wagner entraram no país na mesma época, supostamente fornecendo segurança ao presidente Faustin-Archange Touadera. Enquanto a Rússia espera aparecer como uma fonte de estabilidade regional, essa ajuda não é gratuita; a RCA tem reservas abundantes de diamantes, petróleo, ouro e urânio, e o Ministério das Relações Exteriores da Rússia discutiu concessões de mineração com Touadera. Embora a Rússia tenha se encantado com Touadera, também se encontrou com grupos rebeldes da RCA, jogando em campo para obter acesso a território rico em recursos. A Lobaye Invest, uma subsidiária da M-Invest, já iniciou a extração de diamantes, e os contratados Wagner parecem novamente guardar as minas. Os dividendos inerentes ao papel de Prigozhin na geopolítica russa estão valendo a pena, e o Grupo Wagner fornece a força para defendê-los.

Notavelmente, três jornalistas russos que investigavam a presença do Grupo Wagner na RCA foram assassinados no verão de 2018. Os jornalistas mortos estavam rastreando o Grupo Wagner, mas na data de suas mortes, eles pretendiam filmar as minas de ouro de Ndassima, que Prigozhin planejava explorar. Os registros telefônicos mostram que o motorista dos jornalistas freqüentemente entrava em contato com um policial da RCA com laços estreitos com o Grupo Wagner, incluindo telefonemas no dia do assassinato.

Grupo Wagner na Síria.

Como o Grupo Wagner protegeu com sucesso os interesses russos e encheu os cofres de Prigozhin, o Kremlin confiou mais nos contratados. Em 2018, Moscou trabalhou duro para influenciar as eleições em Madagascar - e Prigozhin novamente forneceu os meios. O oligarca enviou consultores políticos, que apoiaram pró-russo Hery Rajaonarimampianina e outros candidatos, mas também desdobrou contratados Wagner para vigiar esses consultores. Prigozhin evidentemente identificou os recursos de Madagascar como outra fonte de lucro pessoal. Sob a presidência de Rajaonarimampianina, a empresa de mineração de cromita estatal de Madagascar, KRAOMA, entrou em uma controversa joint venture* com a Ferrum Mining, uma empresa russa ligada ao império comercial de Prigozhin. Sob um contrato de 2018, Ferrum recebeu fundos da Broker Expert, uma empresa aninhada em um sistema de contratos de empréstimo com juros entre muitas das empresas de Prigozhin, incluindo Concord Management and Consulting, M-Invest, M-Finance e Megaline. O caso de Madagascar apresenta outro vínculo por excelência das ambições russas e da manipulação política de Prigozhin.

*Nota do Tradutor: Uma joint venture é uma entidade comercial criada por duas ou mais partes, geralmente caracterizada por propriedade compartilhada, retornos e riscos compartilhados, e governança compartilhada.


Em novembro de 2018, surgiram evidências da parceria de Prigozhin com o Kremlin em outro local estratégico: a Líbia. Imagens notáveis mostram Prigozhin sentado entre importantes oficiais de defesa russos durante uma reunião com o pessoal do Exército Nacional da Líbia (LNA). Meses depois, materializaram-se relatórios de mercenários Wagner que apoiavam o LNA, cujo líder, marechal de campo Khalifa Haftar, o Kremlin apoiou silenciosamente, mas com firmeza. A Rússia demonstrou interesse nos recursos energéticos da Líbia, incluindo um acordo de venda de petróleo em 2017, e provavelmente buscará mais investimentos à medida que surgirem oportunidades para a resolução de conflitos na Líbia.

Contratados Wagner trabalhando com forças locais na Líbia.

O Kremlin, cada vez mais vendo o Grupo Wagner como um patrimônio diplomático, enviou contratados para a Venezuela no início de 2019. Quando o líder sitiado Nicolás Maduro começou a temer deserções de seu pessoal de segurança, o Grupo Wagner forneceu guardas. Essa medida reflete os investimentos de vários bilhões de dólares da gigante estatal russa Rosneft no petróleo venezuelano, bem como os enormes acordos de exportação de armas da Rússia.

Ligações entre o Grupo Wagner e o Estado russo

A estrutura de comando da Rússia para o Grupo Wagner permanece obscura, mas seu apoio se materializa em três formas: financiamento, equipamento e treinamento.

Prigozhin e o Grupo Wagner mantêm relações complicadas com o estado russo e outros governos. Os nós vermelhos representam empresas vinculadas ao império comercial de Prigozhin, enquanto os nós pretos representam entidades vinculadas aos governos estaduais.

A fonte dos fundos do Grupo Wagner permanece incerta, com apenas evidências anedóticas oferecendo insights. Aparentemente, Prigozhin desviou uma receita significativa de seus contratos de construção e catering* para estabelecer o Grupo Wagner. Os custos anuais da empresa, totalizando até US$ 150 milhões por volta de 2016 somente na Síria, exigem financiamento além da capacidade razoável dos negócios de logística de Prigozhin, mas essas empresas apresentam condutos ideais para canalizar fundos para o Grupo Wagner a partir do estado.

*NT: Catering é o serviço de fornecimento de refeições coletivas em locais remotos como hotéis, hospitais, aviões, navios de cruzeiro, locais de entretenimento, etc.

Enquanto conexões monetárias concretas permanecem ilusórias, Moscou claramente desempenha um papel crucial em armar o Grupo Wagner. O Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) afirma que o Grupo Wagner recebe equipamentos como tanques, lançadores de foguetes Grad e veículos blindados sem custo. Imagens de contratados Wagner revelam que eles operam veículos normalmente reservados para as Forças Armadas russas, como o veículo todo-o-terreno da Vystrel. Vários contratados alegam que voaram para a Síria em aviões de transporte militar russo. Essas histórias estão alinhadas às alegações da SBU de que os contratos entre a M-Invest e as unidades de vôo do Ministério da Defesa indicam que Prigozhin aluga aeronaves militares para contratados.

Contratados do Grupo Wagner na região de Starobeshevo, no Donetsk, 2014.

O Estado - particularmente o Diretório Principal do Estado Maior General (GRU) - tem um papel importante no treinamento do Grupo Wagner. Os contratados treinam em um complexo do GRU em Molkino, uma vila no sudoeste da Rússia, e o SBU identificou mais de 25 oficiais russos que instruem os contratados Wagner em habilidades que variam de artilharia a engenharia de combate. O GRU geralmente dirige e apóia o grupo em combate, e as evidências disponíveis indicam uma coordenação estreita na Ucrânia. No LPR, o oficial do GRU Oleg Ivannikov ajudou a comandar o Grupo Wagner; telefonemas interceptados revelam operações coordenadas de Ivannikov com o comandante do Grupo Wagner e o ex-tenente-coronel do GRU Dmitry Utkin durante a Batalha de Debaltseve.

Fundindo buscas geopolíticas e empresas privadas

Por meio do Grupo Wagner, a Rússia oferece apoio militar ou estabilização política em troca de influência política, oportunidades de expansão geoestratégica ou concessões de recursos. O Grupo Wagner pode ser considerada uma empresa militar privada apenas na medida em que alimenta a riqueza de um indivíduo particular, mas a realidade de sua integração nas estruturas de comando russas o torna um animal totalmente diferente. Apesar da natureza ostensivamente privada do Grupo Wagner, Putin agradeceu aos contratados por seus serviços, premiando comandantes de alto escalão com honras militares estaduais de Utkin, construindo estátuas dos contratados Wagner na Síria e Donbas, e posando para fotografias com comandantes. Prigozhin não recebeu prêmios ou monumentos militares brilhantes, mas, ao desdobrar o Grupo Wagner em três continentes, Putin o agradeceu por facilitar a extensão global de seu alcance comercial.

A comunidade internacional deve se familiarizar com o nome de Prigozhin. Enquanto os líderes de países politicamente instáveis concordarem em trabalhar com Putin e oferecer fontes de lucro para Prigozhin, esse modelo de fusão de atividades geopolíticas e empresas privadas permanecerá.