quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Os contratados militares privados são mais econômicos do que o pessoal uniformizado?

Contratados militares em treinamento de proteção a VIP.

Por Eric SOF, Spec Ops Magazine, 27 de janeiro de 2017.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de fevereiro de 2020.

De acordo com um artigo mais recente do military.com, os especialistas dizem: “Existem várias funções que os contratados podem executar, geralmente a um custo menor do que o pessoal uniformizado, mas nem todas as tarefas. E acho que... onde erramos é por causa dos níveis de gerenciamento de força ou de outros fatores, procuramos contratados para executarem tarefas inerentemente militares."

Um exemplo são os mantenedores da aviação, especialmente no Exército e na Força Aérea, disse ele. A Força Aérea planeja contratar contratados temporários para compensar sua escassez de 4.000 mantenedores de aviação até pelo menos o ano fiscal de 2020, mesmo quando a força terminará de aumentar sua força de 317.000 para 321.000 soldados.

Os contratados de defesa desempenharam um papel crítico na construção de infra-estrutura, manutenção de aeronaves e prestação de cuidados médicos ou de segurança nas zonas de combate na última década e meia.

Mas alguns membros do Congresso dizem que chegou a hora de devolver esses empregos ao pessoal militar - e alguns generais aposentados concordam.

Os conjuntos de habilidades e o tempo de treinamento dos militares estão diminuindo devido à "abordagem complexa e dispendiosa" de manter contratados em lugares como Iraque e Afeganistão, enquanto os ativos militares são transferidos para outros locais para uma rápida tarefa temporária sem ganho, disse Dubik, que foi o último comandante geral do Comando de Transição Multinacional de Segurança do Iraque em 2008.

Na estimativa de Dubik, são necessários de 400 a 500 funcionários contratados civis para manter "o valor de uma brigada de aeronaves em cerca de US$ 100 milhões por ano".

"Eu certamente não aceitaria esses números como evangelho... mas é uma excelente estimativa, porque isso é para uma capacidade que já existe na força", disse ele.

"Além de pagar o custo de manutenção de um soldado, você está pagando o custo adicional... de enviar alguns desses soldados para outros lugares, então há custos temporários de serviço [e] você está pagando o custo de um desdobramento adicional" como resultado, disse Dubik.

Entre 2002 e 2011, os EUA gastaram US$ 166 bilhões em contratados no Iraque e no Afeganistão, de acordo com Cary Russell, diretora de operações militares e apoio de combatentes do Gabinete de Contabilidade do Governo, que também testemunhou.

Mas Russell argumentou que há ganhos estratégicos a serem obtidos com o uso de alguns contratados. As missões que eles apoiam tornam-se muito mais difíceis de medir "em nível granular", disse ele.

Dubik disse que teve excelentes experiências durante sua carreira com contratados em termos de capacidade de resposta, mas experiências sinistras "em termos de flexibilidade".

A partir de janeiro, o número de contratados que apoiavam operações contra o Estado Islâmico do Iraque e da Síria, ou ISIS, subiu para 2.028, de apenas 250 desde 2014, de acordo com um relatório do Pentágono enviado ao Congresso no início deste ano, conforme relatado pela DefenseOne.

A questão dos contratados é uma “que merece muito estudo… e, na minha opinião, há um papel absolutamente apropriado para contratados em teatros de combate” em vez de uma capacidade uniforme, disse Ham. “Eu não descartaria o papel deles em uma ampla variedade de funções."

Original: https://special-ops.org/26088/private-military-contractors-cost-effective-uniformed-personnel/?fbclid=IwAR21E9R5vzc7MwUMO5wyEUlMaYPlQppJ0r1vP2Je1Lo6a5WVt8PFiJB3LF4

Nenhum comentário:

Postar um comentário