sábado, 22 de fevereiro de 2020

Como os Emirados Árabes Unidos exercem poder no Iêmen

Um soldado emirati acompanha o primeiro-ministro do Iêmen na cidade portuária de Mukha. (Fawaz Salman/ Reuters)

Entrevista por Zachary Laub.
Neil Partrick, Entrevistado.
Council on Foreign Relations, 22 de junho de 2018.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de fevereiro de 2020.

As tropas terrestres da nação do Golfo cultivaram alianças no Iêmen com grupos armados locais, mas sua capacidade de moldar o resultado da guerra civil é limitada.

A guerra de três anos e meio no Iêmen teve uma virada perigosa, conquanto a coalizão liderada pela Arábia Saudita tenta recuperar o controle do porto crucial de Hodeidah dos rebeldes houthis. Liderando esta campanha estão os Emirados Árabes Unidos (EAU), que ganharam influência no Iêmen ao comprometer forças terrestres, diz Neil Partrick, pesquisador de política do Oriente Médio e principal colaborador e editor do livro Saudi Arabian Foreign Policy: Conflict & Cooperation (Política Externa da Arábia Saudita: Conflitos e Cooperação). Ao comprometer tropas terrestres, ele diz, os Emirados Árabes influenciaram os grupos armados locais, mas, mesmo assim, sua capacidade de moldar o resultado da guerra será limitada. Qualquer acordo político viável, diz Partrick, deve render "um governo em que os houthis desempenhem um papel significativo".

Por que os Emirados Árabes Unidos estão agora avançando nos esforços para capturar Hodeidah?

Os Estados Unidos e a Arábia Saudita estão agora na mesma página que os emiratis sobre Hodeidah. Alguns avanços das forças apoiadas pelos emiratis em outras partes do Iêmen encorajaram Washington a aprovar essa operação. Há uma visão de que os aliados dos emiratis no Iêmen poderiam obter vantagens estratégicas, além de maior autoridade sobre o que entra e sai do porto.


Soldado EAU.

Os Emirados propuseram isso pela primeira vez em fevereiro de 2017, embora já tivessem desejado reduzir seu papel no conflito no Iêmen. Quando, em 2016, eles estavam indicando que queriam retirar suas tropas no Iêmen, parecia terem alcançado influência sobre partes do sul por meio de senhores da guerra e outros líderes locais. Agora, eles parecem estar interessados em uma idéia mais ambiciosa: ter influência sobre partes do norte assim como do sul.

Eles conseguiriam isso por meio de intermediários locais?



Eles têm aliados locais no sul e parecem querer expandir a rede iemenita para o norte, com assistência dos Estados Unidos, Arábia Saudita e, em menor grau, Grã-Bretanha e França. [Antes de 1990, o Iêmen atual era dividido entre a República Árabe do norte e a República Democrática Popular do sul.] Os Emirados têm a vantagem de suas próprias forças especiais no terreno, aconselhando aliados iemenitas. Os sauditas têm algumas autoridades não militares de baixo nível em Taiz, por exemplo, mas nenhuma presença militar significativa, além de algumas incursões transfronteiriças em partes do norte.

Por que os Emirados Árabes Unidos se envolveram tão profundamente nessa guerra liderada pela Arábia Saudita?


Soldado saudita e soldado emirati no Iêmen.

O líder de fato dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Mohammed bin Zayed, redefiniu parcialmente o nacionalismo dos Emirados Árabes Unidos como a flexão muscular de força militar e busca influência regional e maior dissuasão contra o Irã na Península Arábica. O Iêmen também oferece aos Emirados Árabes Unidos uma chance de combater a militância islâmica que eles definem como uma ameaça existencial, mesmo que os Emirados Árabes Unidos, paradoxalmente, possuam tradições culturais salafistas próprias e trabalhem com os combatentes salafistas iemenitas para obterem vantagens táticas.

Como a abordagem emirati se enquadra com os objetivos sauditas?

A Arábia Saudita não quer comprometer tropas terrestres, mas está nervosa com o que os emiratis parecem estar alcançando por terem uma presença terrestre. Eles também estão preocupados com o crescente papel dos emiratis na segurança naval no Mar Vermelho e no Mar da Arábia. Eles estão nervosos com a presença militar dos Emirados na Socotra, a ilha estratégica do Mar Arábico. Muitos iemenitas também estão nervosos com a presença dos Emirados lá e em outros lugares.


Forças especiais sauditas no Iêmen.

No momento, algumas forças iemenitas estão acompanhando os emiratis, considerando-os úteis em termos de suas próprias ambições em partes do sul, por exemplo, ou como os únicos jogadores que podem ajudá-los a desalojar os houthis, como em Hodeidah. Mas outros iemenitas se sentem de forma totalmente diferente e estão trabalhando com os houthis como a melhor chance de restringir esses esquemas e combater militantes sunitas ou outras forças iemenitas, sejam tribos rivais ou tendências e personalidades políticas, que historicamente não levaram suas preocupações a sério.

Qual é o tamanho da presença terrestre emirati?

Eu ficaria surpreso se houvesse mais de mil emiratis no terreno, no máximo. Na maioria das vezes, estamos falando de números relativamente pequenos: forças especiais emiratis, o tipo de elementos que eles desdobraram no Afeganistão e no Kosovo em parceria com os Estados Unidos, e provavelmente algumas tropas regulares emiratis, às vezes trabalhando em coordenação com forças especiais de outros países, como os Estados Unidos, aparentemente a França e, muito possivelmente, o Reino Unido.


Carros de combate Leclerc dos EAU.

O número de rebeldes que se opõem aos houthis parece estar no campo de dezenas de milhares, mas é difícil avaliar, porque estamos falando de uma amálgama frouxa de diferentes elementos iemenitas, sejam as forças da Guarda Republicana [leais ao presidente destituído] Ali Abdullah Saleh, [morto no final do ano passado] ou elementos estritamente locais. Há uma série de iemenitas na luta, muitas vezes com lealdades inconstantes, bem como mercenários estrangeiros.

Os interesses dos Emirados Árabes Unidos e seus intermediários locais estão bem alinhados?

Eles não estão, e esse é o perigo. Por enquanto, alguns iemenitas que desejam dispersar os houthis talvez acompanhem esses estados do Golfo, mas não é necessariamente um acordo permanente ou confiável.


As milícias do "Cinturão de Segurança", apoiadas pelos Emirados Árabes Unidos (comandadas por Abu al-Yamama, sentado no centro), perto de sua base ao norte de Aden, no Iêmen.

No momento, há uma amálgama de elementos do sul em um Conselho de Transição do Sul, apoiado pelos Emirados, que reúne elementos concorrentes, incluindo aqueles com visões rivais de uma entidade do sul que poderiam colocá-los diretamente em conflito entre si, já que alguns buscam secessões regionais ou autoridade sobre território procurado por outros. Esse era um perigo, por exemplo, com as propostas de 2014 para federalismo ou regionalismo como uma saída do conflito em todo o Iêmen. As regiões sugeridas ou históricas não se encaixam necessariamente nas ambições dos atores locais, no sul ou no norte.

O enviado especial da ONU Martin Griffiths, que se reuniu com os houthis em Saná nesta semana, poderá levar o processo de paz adiante?

Os houthis estão sendo solicitados a entregar a administração do porto de Hodeidah às Nações Unidas, enquanto a coalizão liderada pela Arábia Saudita está se empenhando ao máximo para capturá-lo e ao território circundante. Parece dissimulado para os emiratis, por exemplo, dar as boas-vindas a Griffiths. Ele pode, em um determinado momento dos combates em Hodeidah, ser capaz de supervisionar alguma forma de cessar-fogo localizado, mas ambições maiores, como as contidas em suas idéias mais amplas para um governo de transição e inclusivo, podem estar muito distantes.


Rebeldes houthis em Saná, no Iêmen.

Não devemos ser ambiciosos demais para que as estruturas políticas no Iêmen possam ser duráveis e terem uma adesão por atacado, porque, sem dúvida, essas instituições não existem na história moderna do Iêmen. Mas, eventualmente, o fim dos combates no Iêmen exigirá que todas as partes envolvidas no conflito façam parte da discussão. Os Estados Unidos, Grã-Bretanha e França são eles próprios parte do conflito. O Irã, pelo menos indiretamente, também precisa fazer parte dessa discussão. O resultado deve ser um governo no qual os houthis desempenhem um papel significativo.

Diplomatas ocidentais precisam ter discussões em Riad e Abu Dhabi; no momento, eles estão na mesma página em termos de promover o conflito em Hodeidah, mas não parecem ter um objetivo estratégico claro. Os houthis não desistirão apenas porque perderam terreno em Hodeidah.

Existe muita clareza sobre o papel do Irã?

O papel iraniano [apoiando os houthis] cresceu desde que a guerra aérea foi lançada. Isso pode não ter sido previsto, mas certamente é um resultado. É difícil determinar a extensão desse papel. Por exemplo, [a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos] alegaram que muitos componentes, pelo menos, de mísseis que foram lançados [pelos houthis] contra alvos sauditas passaram pelo porto de Hodeidah e, no entanto, o porto de Hodeidah é bloqueado com bastante êxito. Talvez igualmente provável é que eles foram contrabandeados por outras avenidas, inclusive através da fronteira omani.

É possível que tenha havido presença consultiva iraniana limitada sobre a capacidade de mísseis dos houthis. Parece possível que também tenha havido conselhos para combatentes houthis fora do Iêmen. Mas não há evidências de um importante papel militar no terreno sendo desempenhado pelos iranianos.


Tropas sauditas no Iêmen.

Após a última guerra desastrosa dos sauditas no Iêmen, uma guerra terrestre em 2009-10, há evidências de que eles se engajaram com os houthis para conversar sobre acordos de segurança nas fronteiras. Os sauditas estão mais fracos nessas áreas de fronteira. Os houthis precisam fazer parte de acordos para a segurança nacional da Arábia Saudita, e isso também envolveria o Irã na discussão, mesmo que sua participação nas negociações tivesse que estar nos bastidores. Mas se simplesmente considerarmos os houthis como um agente estrangeiro, como o Hezbollah no Líbano é frequentemente retratado por seus detratores, perderemos a perspectiva de uma solução no Iêmen.

O que você acha da afirmação dos emiratis de que eles podem conduzir esta batalha enquanto evitam uma catástrofe humanitária?

O histórico dos sauditas e dos emiratis não tem sido bom em termos de evitar alvos civis ao longo de quase três anos e meio da guerra aérea.


Soldado governamental iemenita gesticula um "V" da vitória durante combates com rebeldes houthis nas cercanias do porto de Hodeidah.

O porto já está bloqueado pela coalizão liderada pelos sauditas, mas ele é uma linha vital essencial. Se houver um conflito em torno da área portuária, parece difícil imaginar que possa haver garantias humanitárias sem algum tipo de estabilização da situação no terreno, que pode ter que envolver forças de manutenção internacionais ou uma presença internacional. Só estou especulando, mas esse arranjo pode ter que fazer parte das garantias que encorajariam os houthis e seus adversários a aceitarem um cessar-fogo em Hodeidah. Construir algo maior do que isso, como a ONU quer, para afetar a luta em outros lugares do Iêmen pode ser muito mais difícil e exigirá que todas as partes - internacionais, regionais e locais - aceitem o compartilhamento de poder sobre o que resta do estado iemenita, mesmo que estruturas precisas no terreno sejam difíceis de fixar.

Original: https://www.cfr.org/interview/how-uae-wields-power-yemen

Nenhum comentário:

Postar um comentário