sexta-feira, 3 de julho de 2020

T48: O FAL Americano


Por Martin K. A. Morgan, Shooting Illustrated, 8 de abril de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de julho de 2020.

História alternativa é um mau hábito. Os cenários "e-se" podem distrair infinitamente nossa atenção do que realmente aconteceu, mas às vezes é irresistível considerar as possibilidades. Por exemplo, é intoxicante imaginar como a Ofensiva Meuse-Argonne no final de 1918 teria sido diferente se as tropas americanas tivessem sido armadas com a versão inicial da submetralhadora Thompson conhecida como Annihilator.

Por esse mesmo motivo, é tentador considerar como seria o combate na Segunda Guerra Mundial se as tropas americanas tivessem sido armadas com o fuzil T3E2 Garand de 10 tiros e calibre .276, em vez do M1 de oito tiros e calibre 30. Garand que realmente travou o conflito.



Mas, talvez o melhor "e se" de todos eles esteja relacionado ao fuzil que substituiu o M1. Todos sabemos que foi o M14, mas sua seleção não era uma conclusão inevitável e garantida. Havia uma alternativa - uma versão do FAL belga produzida domesticamente conhecida como T48 - e os EUA consideraram brevemente adotá-lo.

A experiência de combate durante a Segunda Guerra Mundial demonstrou que uma arma de tiro seletivo alimentada por um cartucho intermediário de um carregador destacável de tipo cofre era mais apropriada para o campo de batalha moderno. Com isso em mente, a empresa de fabricação de armas belga Fabrique Nationale d'Armes de Guerre em Herstal, perto de Liège, começou a desenvolver um novo fuzil em 1946, e esse fuzil se inspirou no MP-44 alemão.


Dieudonné Saive com um protótipo do FAL.

Como o Sturmgewehr, ele era operado a gás com um bloco da culatra basculante. O engenheiro-chefe da FN, Dieudonné Saive, chegou a compartimentar seu projeto para o cartucho Kurz de 7,92x33mm do Sturmgewehr. A empresa o designou Fusil Automatique Léger (daí FAL), que se traduz em Fuzil Automático Leve, mas, como o trabalho continuou na Herstal, uma preocupação sem precedentes se dedicou ao processo de desenvolvimento do projeto.

A partir de 1949, os países membros da OTAN procuraram padronizar equipamentos militares, incluindo armas portáteis e munições. Até então, o Reino Unido tinha um novo e promissor cartucho de serviço intermediário na forma do .280 Enfield e fornecia o tipo de desempenho que a OTAN queria.



Quando a FN então calibrou o FAL para o .280 Enfield, ela tinha uma combinação vencedora e um candidato à padronização da OTAN, mas havia um problema. Os EUA consideraram o .280 Enfield muito fraco e avançaram com o desenvolvimento do T65 - oferecendo desempenho semelhante ao .30-06 Sprg., mas com um comprimento total significativamente menor.

Simultaneamente, os EUA começaram o desenvolvimento de uma modificação de tiro seletivo para o M1 Garand que alimentaria o cartucho T65 a partir de um carregador tipo cofre destacável, designado T44. Em um esforço para acomodar a defesa americana do cartucho T65*, que acabaria por ser padronizado como o 7,62 OTAN, Saive modificou o projeto do seu FAL para esse calibre. Esta versão do seu fuzil rapidamente emergiu como pioneira na padronização da OTAN e, em 1951, Bruxelas ofereceu o projeto a Washington, livre de royalties.


A atriz alemã Baronesa Elke Sommer posando com o StG-44. (Colorização de Pink Colorisation)

*Nota do Tradutor: Os belgas projetaram o FAL para usar a munição intermediária 7,92x33mm, a mesma do fuzil de assalto StG-44, e depois a munição britânica .280 também intermediária. O Coronel Studler, desejoso de ser promovido ao generalato, forçou o seu cartucho de estimação T65 (7,62x51mm) nos testes de padronização da OTAN. Os britânicos resumiram a situação simplesmente como "We got Studlered" ("Fomos Studlerados").



O FAL em 7,62 OTAN entrou em produção na FN em 1953, quando os EUA começaram a considerar seriamente a adoção deste fuzil. Ele foi oficialmente designado T48 e teve bom desempenho em testes contra o T44 (o Garand modificado). No ano seguinte, o governo dos EUA assinou um contrato com a Harrington & Richardson Arms Company (H&R), para a produção de 500 fuzis T48 como parte de um estudo de engenharia projetado para determinar se a empresa poderia produzir em massa o fuzil.


Exemplo de pente-guia no modelo C1A1 canadense, com a alimentação seguindo o padrão antigo dos carregadores fixos, que serviam como depósito. (Imagem de um vídeo do Forgotten Weapons)

Os T48 produzidos pela H&R são distintos com belas armações de madeira, uma tampa de cobertura parcial que também serve como pente-guia, um regulador de gás de estilo métrico, uma alavanca de manejo não-recíproca e um quebra-chamas/retém de baioneta. Eles se destacam no universo mais vasto do FAL por causa de seus guarda-matos quadrados, dobráveis e de inverno e marcações de aceitação de propriedades dos EUA. Além da produção na H&R, a High Standard Company apresentou todos os 12 exemplares.


Fuzileiro naval americano com o T48 durante os testes.

O primeiro T48 americano foi disparado no Arsenal de Springfield em 9 de maio de 1955 e foi um sucesso estrondoso. Apesar disso, um FAL americano nunca seria nada mais que o produto de um estudo de engenharia. Ele teve um desempenho tão bom quanto o T44 em todas as categorias, mas era 1 libra mais pesado, e apenas com base nisso - pelo menos oficialmente - não foi adotado.

*NT: Em 1953, o Exército dos EUA realizou testes entre os protótipos T48 (FAL) e T44 (M14). O desempenho do FAL foi satisfatório e o Conselho de Infantaria tomou duas decisões: a adoção de um primeiro lote do protótipo belga e o fim do desenvolvimento do protótipo americano. O Corpo de Material Bélico americano (US Ordnance Corps) não aceitou a recomendação de um fuzil estrangeiro e, nos Testes de Inverno Ártico de dezembro de 1953, ordenaram que o fuzil belga fosse comparado sempre desfavoravelmente ao modelo americano. Os T48 foram encaixotados e enviados diretamente ao Alasca, enquanto os T44 foram desviados para o Arsenal de Springfield para ajustes de várias semanas, com testes e mais testes na câmara fria do arsenal, realizando modificações para adaptação ao frio. Com uma avaliação marcada, o T44 foi declarado o "vencedor" dos Testes de Inverno Ártico e adotado.

Além disso, os americanos prometeram aos belgas que, se eles votassem à favor da munição americana 7,62x51mm, as enormes forças americanas seriam padronizadas com o novo fuzil belga FN FAL. Os belgas votaram à favor e, depois de aprovada a nova munição padrão, os americanos adotaram o M14. Fonte: The FN FAL Battle Rifle, Bob Cashner, 2013.

Em vez disso, o T44 se tornou o M14 em 1º de maio de 1957. No final, mais de 1,3 milhão de exemplares do M14 seriam produzidos. Por outro lado, os 512 FALs americanos fabricados pela H&R e High Standard são pouco mais que uma nota de rodapé obscura na história geral das armas portáteis. 

O FAL T48 no Museu de West Point, nos EUA.

Embora eles jamais criassem um legado da maneira que o M14 criou, é irresistível considerar a história alternativa que poderia ter sido. E se os americanos tivessem carregado esse fuzil em batalha no Vietnã? O resultado histórico seria diferente? Provavelmente não, mas, no entanto, é instigante imaginar tropas americanas em manobras durante a Guerra Fria carregando "O braço direito do mundo livre".


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário