Mostrando postagens com marcador Contra-Terrorismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Contra-Terrorismo. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Operações especiais não são um substituto para a estratégia


Por Stewart Parker e Ari Cicurel, Breaking Defense, 19 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2021.

Usadas demais e sobrecarregadas na "guerra global contra o terror" desde o 11 de setembro, as Forças de Operações Especiais precisam que Biden lhes dê uma pausa para que possam se concentrar na Rússia, China e na "zona cinzenta".

De filmes a livros que contam tudo, a América adora seus operadores especiais. Mas um ritmo esmagador de operações e uma definição cada vez maior do que constitui uma “operação especial” esticou muito as Forças de Operações Especiais (Special Operations Forces, SOF), tornando mais importante do que nunca definir de forma restrita as missões SOF. A Orientação Provisória de Segurança Nacional do Presidente Joe Biden é um passo importante para redirecionar a política militar do contra-terrorismo no Oriente Médio para a competição estratégica contra a China.

Mas a emissão da orientação provisória em si não resolve os problemas das SOF. É possível para Biden criar uma pegada militar mais inteligente e sustentável no exterior, mas o sucesso estratégico requer a adaptação do modelo americano para contra-terrorismo e contra-insurgência enquanto muda a forma como utiliza as SOF.

A estratégia de Biden para o Oriente Médio busca "dimensionar nossa presença militar ao nível necessário para interromper redes terroristas internacionais, deter a agressão iraniana e proteger outros interesses vitais dos EUA" para que a América possa redirecionar recursos militares para ameaças cada vez mais perigosas como a China.

Após o choque histórico dos ataques de 11 de setembro, o contra-terrorismo e a contra-insurgência no Oriente Médio se tornaram os principais desafios para os planejadores de defesa americanos. Diante de terroristas ou insurgentes que rapidamente atacavam civis e depois se escondiam entre eles, os líderes dos Estados Unidos se apaixonaram por raides de operações especiais e ataques de drones.

Operador especial (CCT/USAF) à cavalo na invasão do Afeganistão, outubro de 2001.

Os EUA já tentaram se afastar da "guerra global contra o terrorismo" antes, começando com o "pivô para a Ásia" do presidente Obama, que nunca se materializou. Em seguida, veio a Estratégia de Defesa Nacional de 2018 da administração Trump e o Anexo de Guerra Irregular de 2020 que priorizou o Indo-Pacífico. Agora, a mudança estratégica de Biden indica que a primazia do contra-terrorismo e da contra-insurgência na segurança nacional americana está acabando.

No entanto, a retirada das tropas não encerrará os conflitos regionais nem eliminará a exposição dos Estados Unidos ao terrorismo. As demandas pelos recursos exclusivos fornecidos pelas SOF não vão diminuir, mesmo com a redução de sua presença no Oriente Médio.

No futuro, será um desafio para o Comando de Operações Especiais dos EUA (U.S. Special Operations CommandUSSOCOM) equilibrar as operações de contra-terrorismo e contra-insurgência em curso, enquanto também se prepara para envolver a China e a Rússia na "zona cinzenta" legal e estrategicamente obscura entre guerra e paz.

Durante grande parte das últimas duas décadas, os operadores especiais funcionaram como uma força não-convencional apoiada por forças convencionais, com as SOF frequentemente no papel principal. O combate contra forças semelhantes provavelmente inverteria esse relacionamento, exigindo que as SOF cumprissem missões de apoio à força combinada mais ampla, aliados e parceiros.

Contra-terrorismo e Contra-insurgência Sustentáveis

As Forças Especiais dos EUA (Boinas Verdes) atacam um objetivo em um evento de treinamento.

Mesmo que as forças americans se retirem do Afeganistão ou de todo o Oriente Médio, os terroristas não irão embora. O presidente Biden, portanto, pretende manter algum foco no contra-terrorismo e na contra-insurgência, mesmo enquanto reduz o engajamento militar em conflitos relacionados. A adoção de um modelo menos focado no combate cinético (poder de fogo) e mais focado no que é acessível e sustentável a longo prazo reduzirá o papel dos militares e contribuirá para melhores resultados de segurança. A Estratégia Nacional de Contraterrorismo de 2018, que exige "todos os instrumentos disponíveis do poder dos Estados Unidos para combater o terrorismo", é um ponto de partida para o plano sustentável do novo governo. Os raides das SOF e ataques aéreos podem atrair atenção descomunal, mas também têm um registro imperfeito de transparência. Para melhor abordar as preocupantes descobertas da comissão do 11 de setembro, os EUA devem continuar a desenvolver seu potente portfólio de capacidades não-militares.

A análise do Centro Nacional de Diplomacia e Contra-terrorismo deve moldar os programas de contra-terrorismo e contra-insurgência, com a aplicação da lei civil e agências de inteligência muitas vezes assumindo a liderança. Os formuladores de políticas devem definir claramente suas prioridades, limitando os esforços apenas contra os grupos terroristas que mais ameaçam a América, seus interesses e seus parceiros. Uma estratégia de recursos sustentáveis requer colaboração proativa, atribui funções claras a departamentos e agências para evitar redundância ineficiente e estimula parceiros e aliados a se apropriarem das missões globais de contra-terrorismo. Mais importante ainda, um modelo de contra-terrorismo com recursos sustentáveis libera cada vez mais Forças de Operações Especiais para se reorientarem contra os atores estatais e seus representantes (proxies).

Adaptando as Forças de Operações Especiais

Operadores especiais russos (Spetsnaz), conhecidos como "Homenzinhos Verdes", na Ucrânia em março de 2014.

O combate efetivo à China, Rússia e outros Estados malignos exige que os formuladores de políticas adaptem o papel das SOF. Embora o contra-terrorismo e a contra-insurgência com foco restrito continuem sendo um esforço duradouro, as SOF não se concentraram historicamente nessas missões. Os Rangers de Roger dominaram as táticas de raides de estilo indígena na Guerra Revolucionária - o que os teóricos hoje chamariam de um conflito "híbrido" envolvendo guerrilheiros e forças regulares, incluindo o Exército Continental de Washington e seus aliados franceses. O presidente Kennedy autorizou os Boinas Verdes a responderem às insurgências apoiadas pelos soviéticos, e uma das principais funções das SOF na Guerra Fria era preparar movimentos de resistência em nações aliadas em risco de serem ocupadas por Moscou. Foram os fracassos conjuntos na tentativa de resgate de reféns iranianos em 1980 e o sucesso superficial na invasão de Granada em 1983 que impulsionaram a criação do USSOCOM - não o terrorismo.

Somente depois do 11 de setembro as SOF foram totalmente absorvidas por raides de “ação direta” contra terroristas e insurgentes, à medida que o USSOCOM se tornou o comando apoiado na guerra global contra o terror, em vez de um elemento de apoio em uma campanha basicamente convencional. As Forças Armadas são mais hábeis dentro da caixa de operações convencionais, mas as atividades centrais das SOF serão indispensáveis para campanhas futuras bem-sucedidas em todo o espectro do conflito. No mês passado, os legisladores reconheceram isso criando um novo subcomitê para supervisionar as SOF.

Operadores Delta e Ranger no momento do choque entre o Bluebeard 3 e o Republic 4 durante a fracassada Operação Eagle Claw, em 1980.
(Ilustração de Jim Laurier e Johnny Shumate/Osprey Publishing)

A redução das atividades de CT melhorará a capacidade das SOF de competirem abaixo do nível de conflito armado, responderem a crises, recuperarem americanos sequestrados e criarem prontidão para a guerra em um ambiente operacional altamente contestado e desordenado.

Para se preparar para a competição estratégica, os Estados Unidos precisam adaptar suas missões de contraterrorismo e contra-insurgência. As SOF serão vitais nas operações contra a China e a Rússia, embora permaneçam cruciais contra as ameaças duradouras no Oriente Médio. Sem rodeios, não há guerra que os militares americanos possam vencer sem Forças de Operações Especiais eficazes.

O Tenente-Coronel Stewart “PR” Parker é um participante do Programa de Líderes Militares dos EUA de 2020 do Instituto Judaico para a Segurança Nacional (Jewish Institute for National Security of America, JINSA) e atualmente está designado para o Comando de Operações Especiais da Força Aérea. Ari Cicurel é um analista de política sênior no Gemunder Center for Defense and Strategy da JINSA.

Bibliografia recomendada:

Special Operations Forces in Afghanistan.
Leigh Neville e Ramiro Bujeiro.

Special Operations Forces in Iraq.
Leigh Neville e Richard Hook.

Leitura recomendada:


As lições de Mogadíscio, 7 de outubro de 2018.


quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Em três meses, a força Barkhane neutralizou todos os líderes do Daesh não-malinenses no Sahel


Por Laurent LagneauZone Militaire Opex360, 16 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de setembro de 2021.

Foi, portanto, no centro da noite passada que o presidente Macron anunciou a neutralização de Adnan Abou Walid al-Sahraoui, chefe do Estado Islâmico no Grande Saara (État islamique au grand Sahara, EIGS), confirmando assim um boato que circulava desde o final de agosto.

Durante uma entrevista coletiva concedida em 16 de setembro, a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, especificou que esta figura do jihadismo saheliano, responsável pela morte de 2.000 a 3.000 civis desde 2015, havia sucumbido aos ferimentos, após ter sido alvo de um ataque francês, levada a cabo no Liptako malinense, isto é, na zona das três fronteiras, mais precisamente nas proximidades de Indelimane.

Se aconteceu que líderes jihadistas foram eliminados durante operações ditas "de oportunidade", foi diferente para o "emir" do EIGS, o ataque realizado em agosto foi a culminação de vários meses de perseguição.

"Graças a uma manobra de inteligência de longo prazo e graças a várias operações para capturar combatentes perto de al-Saharoui, a força Barkhane conseguiu identificar vários locais de interesse onde o último provavelmente estaria escondido", acrescentou Parly. “Em meados de agosto, decidimos lançar uma operação voltada para esses locais. Ataques aéreos foram realizados e um deles atingiu o alvo”, acrescentou.


De fato, durante a operação "Solstice", liderada pelas forças francesas e nigerianas na região das três fronteiras, vários quadros importantes do EIGS foram capturados (como Dadi Ould Chouaïb, também conhecido como "Abou Dardar" e Sidi Ahmed Ould Mohammed, codinome Katab al-Mauritani) ou eliminado. Foi o caso de Almahmoud Al Baye codinome Ikaray), Issa Al Sahraoui, o "coordenador logístico e financeiro" do grupo jihadista e Abu Abderahmane Al Sahraoui, seu líder religioso (cadi) e número três.

A operação para neutralizar Adnan Abou Walid al-Sahraoui foi, portanto, lançada no dia 17 de agosto, em parceria com as forças armadas malinenses, na floresta Dangarous que, localizada ao sul de Indelimane, é de difícil acesso. É por esta razão que, sublinha o EMA, era então conhecido por "acampamentos de quadros e membros do EIGS, bem como nódulos logísticos".

Durante a fase inicial de inteligência (17 a 20 de agosto), um ataque aéreo já havia neutralizado dois integrantes do EIGS que viajavam em uma motocicleta. Em seguida, um grupo comando foi engajado para explorar e vasculhar a área, apoiado por drones MQ-9 Reaper e caças Mirage 2000D. Estes últimos foram chamados em várias ocasiões para visar “objetivos claramente identificados como sendo ocupados” por jihadistas.

“Os ataques foram lançados após seguir um robusto processo de seleção de alvos e com a confirmação de que os alvos pretendidos correspondiam a elementos do EIGS”, sublinhou o EMA. E assim foi no curso de um deles que Adnan Abu Walid al-Sahraoui foi mortalmente ferido.

Cadeia de comando do Daesh no Sahel.

Para a Parly, a morte de Adnan Abou Walid al-Sahraoui é um "golpe decisivo para o comando" do EIGS, bem como para sua "coesão". O Diretor-Geral da Segurança Externa (Directeur général de la sécurité extérieure, DGSE - serviço secreto), Bernard Émié, lembrou ainda que as forças francesas "neutralizaram recentemente, com base em informações consolidadas, mais de dez quadros do EIGS não-malinenses". Ele insistiu: "São seus líderes militares, seus ideólogos, seus logísticos e agora seu líder histórico que foram postos fora de ação."

Observe que o número dois do EIGS, Abdelhakim al-Sahraoui (codinome Salama Mohamed Fadhil), teria morrido em maio passado, em circunstâncias desconhecidas. Isso é de fato o que a Parly disse em julho... O que um relatório das Nações Unidas sobre o movimento jihadista, publicado logo depois, no entanto, não confirmou.

Independentemente disso, Émié advertiu que o EIGS "permaneceria ameaçador". E que, consequentemente, não foi necessário "não baixar a guarda". Segundo ele, o grupo "agora deve se estruturar em torno de seus líderes fulani", o que pode gerar tensões interétnicas na região.

As forças francesas eliminaram Adnan Abou Walid al-Sahraoui, o chefe do Estado Islâmico no Sahel


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 16 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de setembro de 2021.

No final de agosto, um boato circulando nas redes sociais indicava que o chefe do Estado Islâmico no Grande Saara (État islamique au grand Sahara, EIGS), Adnan Abou Walid al-Sahraoui, havia sido morto durante uma operação realizada pela força francesa Barkhane. O que não foi confirmado na época.

No entanto, o EIGS encontrava-se então sob pressão, vários dos seus quadros importantes tendo sido "neutralizados" durante a Operação Solstice (Solstício), liderada por forças francesas e nigerianas na região conhecida como as três fronteiras, por estar localizada na fronteira do Mali, a partir do Níger e do Burkina Faso. Em julho, a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, anunciou a captura de Sidi Ahmed Ould Mohammed (codinome Katab al-Mauritani), bem como a eliminação de Almahmoud Al Baye (codinome Ikaray), dois tenentes próximos de Adnan Abou Walid al -Sahraoui.

Além disso, o nó em torno da cabeça do EIGS estava se apertando gradualmente. Daí, sem dúvida, os rumores a seu respeito... De qualquer forma, na noite de 15 para 16 de setembro, o presidente Macron anunciou, via Twitter, que Adnan Abu Walid al-Sahraoui havia sido "neutralisé" (neutralizado) pelas forças francesas. "Este é outro grande sucesso em nossa luta contra grupos terroristas no Sahel", disse ele.

“A Nação está pensando esta noite em todos os seus heróis que morreram pela França no Sahel nas operações Serval e Barkhane, nas famílias enlutadas, em todos os seus feridos. Seu sacrifício não é em vão. Com os nossos parceiros africanos, europeus e americanos, vamos continuar esta luta”, concluiu o Chefe de Estado.

Por sua vez, Parly disse que o chefe do EIGS "morreu como resultado de um ataque da força Barkhane", sem dar mais detalhes. Ele acrescentou: "Felicito os militares e agentes de inteligência que contribuíram para esta caçada de longo prazo. É um golpe decisivo contra este grupo terrorista”.

A eliminação do chefe do EIGS ocorre pouco mais de um ano depois da de Abdelmalek Droukdel, o "emir" da Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (al-Qaïda au Maghreb islamique, AQIM), durante uma operação francesa no Magrebe Islâmico, norte do Mali.

Busca de informação: Abou Walid.

Como um lembrete, Adnan Abou Walid al-Sahraoui jurou lealdade a Abu Bakr al-Baghdadi, o chefe do Estado Islâmico (EI ou Daesh) em 2015, enquanto ele era membro do grupo jihadista "al-Mourabitoune", nascido de uma fusão entre o Movimento pela Singularidade e a Jihad na África Ocidental (Mouvement pour l’unicité et le jihad en Afrique de l’Ouest, MUJAO), da qual ele era o porta-voz, e os "Signatários por sangue" de Mokthar Belmokthar [que desapareceu de circulação desde então, provavelmente tendo sido morto por um ataque francês na Líbia, nota do editor].

O EI demorou a reconhecer a lealdade de al-Sahrawi, considerando assim seu grupo muito fraco. Mas ele mudou de ideia em setembro de 2016, depois que o EIGS assumiu a responsabilidade por suas primeiras ações em Burkina Faso.

Então, um ano depois, a organização jihadista estava por trás de uma emboscada que tirou a vida de quatro comandos das forças especiais americanas em Tongo Tongo (Níger). Em 2018, al-Sahraoui não foi neutralizado pela força Barkhane, durante uma operação lançada na região de Gao, em torno de Menaka e Ansongo. Nos meses seguintes, o EIGS multiplicou os ataques particularmente mortais na região das três fronteiras, infligindo pesadas perdas aos exércitos locais, bem como abusos contra a população civil.


Assim, desde o início do ano de 2021, ainda atenuado pela ação da força Barkhane, então concentrada na região das três fronteiras, o EIGS lançou uma série de ataques que mataram várias centenas de civis, tendo como pano de fundo a rivalidade com o Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos (GSIM, ligado à al-Qaeda).

“A estratégia do EIGS difere da do GSIM, limitando sua influência política. No início de 2021, o EIGS realizou grandes ataques em Burkina Faso, Mali e Níger, que mataram várias centenas de civis. Em maio, uma longa mensagem de propaganda sobre o EIGS no Níger foi publicada no Al-Naba pela estrutura central do EI para justificar os assassinatos, alegando que as vítimas haviam apoiado as autoridades locais”, explicou um recentemente um relatório das Nações Unidas.

Portanto, resta saber se a eliminação de al-Sahraoui, que, como um lembrete, ordenou pessoalmente o assassinato de seis trabalhadores humanitários franceses no Níger, resultará em uma mudança de estratégia, enquanto a França anunciou uma evolução do seu dispositivo militar no Sahel, a fim de se concentrar em rastrear chefes jihadistas e apoiar as forças armadas locais.

A polícia alemã prendeu quatro no Yom Kippur por causa de um plano de ataque à sinagoga

Um homem é detido pela polícia em conexão com um ataque frustrado à sinagoga Hagen, oeste da Alemanha, em 16 de setembro de 2021. (Alex Talash / AFP)

Da France 24, 16 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de setembro de 2021.

Um menino de 16 anos e três outras pessoas foram detidos nesta quinta-feira (16/09) em conexão com um plano suspeito de um ataque extremista islâmico a uma sinagoga na cidade alemã de Hagen, disseram as autoridades.

As detenções ocorreram no Yom Kippur, o dia mais sagrado do judaísmo, e dois anos após um ataque mortal em outra cidade alemã no feriado do Yom Kippur. A polícia isolou a sinagoga na quarta-feira e um culto de adoração planejado para a noite foi cancelado.

As autoridades receberam “informações muito sérias e concretas” de que poderia haver um ataque à sinagoga durante o Yom Kippur, disse Herbert Reul, ministro do Interior do estado da Renânia do Norte-Vestfália, onde Hagen está localizada. A denúncia apontou para “uma situação de ameaça motivada por islâmicos” e citou o momento e o suspeito possíveis, acrescentou.

A polícia, usando cães farejadores, não encontrou objetos perigosos dentro ou ao redor da sinagoga, disse Reul. Na manhã de quinta-feira, o jovem de 16 anos, cidadão sírio que vive em Hagen, foi detido. Três outras pessoas foram detidas em uma batida em um apartamento, e as autoridades estão investigando se elas estariam envolvidas no plano suspeito, disse o ministro.

Ele disse que a sinagoga cancelou a sua celebração do Yom Kippur, quando judeus praticantes fizeram vigílias durante a noite. A denúncia incluiu detalhes sobre o momento do ataque, ele acrescentou. O primeiro-ministro estadual da Renânia do Norte-Vestfália, Armin Laschet, disse que o ataque frustrado provavelmente teve um motivo islamista. "Parece que anteontem, no Yom Kippur, um ataque motivado por islamismo foi evitado", disse ele. “Faremos tudo o que pudermos para esclarecer quais redes podem estar por trás” da trama, acrescentou.

A denúncia veio de agência de inteligência estrangeira, diz a mídia alemã.

A revista Der Spiegel informou, sem identificar as fontes, que a denúncia veio de um serviço de inteligência estrangeiro. Ela disse que o adolescente disse a alguém em um bate-papo online que estava planejando um ataque com explosivos a uma sinagoga, e que a investigação levou os investigadores até o jovem de 16 anos, que vivia com seu pai em Hagen.

Dois anos atrás, no Yom Kippur, um extremista de direita alemão atacou uma sinagoga na cidade de Halle, no leste da Alemanha. O ataque é considerado um dos piores ataques anti-semitas da história do pós-guerra do país. O agressor tentou várias vezes, mas não conseguiu, forçar seu caminho dentro da sinagoga com 52 fiéis dentro. Ele então atirou e matou uma mulher de 40 anos na rua em frente e um homem de 20 em uma loja de kebab próxima como um “alvo apropriado” com raízes imigrantes.

Ele postou um discurso anti-semita antes de realizar o ataque de 9 de outubro de 2019 e transmitiu o tiroteio ao vivo em um site de jogos popular. A ministra da Justiça alemã, Christine Lambrecht, condenou veementemente o frustrado ataque de Hagen.

“É intolerável que os judeus sejam novamente expostos a uma ameaça tão horrível e que eles não possam comemorar o início de seu feriado mais importante, o Yom Kippur, juntos”, disse o ministro.

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Grupo Wagner: mercenários russos ainda chafurdando na África


Por Steve Balestrieri, SOFREP, 19 de abril de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro 2021.

O Grupo Wagner da Rússia está passando por momentos cada vez mais difíceis na África. Cerca de um ano atrás, Moscou estava se gabando de chegar primeiro que o Ocidente e a China na obtenção de contratos militares privados, subestimando as ofertas de vários países ocidentais ao divulgar seu "Modelo Sírio" de sucesso. Como resultado, eles acabaram conseguindo mais de 20 contratos militares privados na África. Mas toda essa euforia está secando.

Entraram no Moçambique cheios de confiança: Em agosto de 2019, o presidente moçambicano Filipe Nyusi encontrou-se com o presidente Putin e chegou a um acordo para que os russos apoiassem os militares moçambicanos. Este acordo deu à Rússia numerosas concessões do rico gás no país.

Insígnia não-oficial de caveira do Grupo Wagner.

O Grupo Wagner foi desdobrado logo depois, em outubro de 2019, com 200 contratados. Aterrou no Aeroporto de Nacala, em Moçambique, para ajudar na luta em curso do governo contra o Estado Islâmico na região norte da região rica em gás natural de Cabo Delgado.

O Grupo Wagner é uma companhia militar privada de propriedade de Yevgeny Prigozhin, um oligarca russo com laços muito próximos ao presidente Vladimir Putin. Ele é conhecido como o "chef de Putin", pois também possui uma vasta empresa de restaurantes. Com o objetivo de Putin de expandir a influência da Rússia na África, as forças proxy (de procuração) do Grupo Wagner estão operando no Sudão, na República Centro-Africana e em Moçambique. Eles também têm uma grande presença na Líbia e na Síria.

O Grupo Wagner é essencialmente um braço da política estatal russa: eles nunca foram empregados em nenhum lugar sem a aprovação do Kremlin. E embora não sejam oficialmente reconhecidos como tal, eles são, na verdade, forças terceirizadas do governo de Putin. “Não faço distinção entre os soldados russos e o Grupo Wagner - a maneira como eles cooperam”, disse Jasmine Opperman, especialista sul-africana em terrorismo, ao Voice of America em uma entrevista.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, chega a Durban, na África do Sul, em uma viagem oficial em 2013.

Como escrevemos no outono passado na SOFREP, embora existam várias empresas de proteção africanas - com uma vasta experiência nesta área do continente - disponíveis para aluguel, o governo moçambicano optou, no entanto, pelo Grupo Wagner, devido à sua óbvia influência política e à seu preço muito mais barato do que o de outras empresas. Enquanto uma empresa da África com 50-60 soldados qualificados com vasta experiência na área custaria ao governo entre US$ 15.000 e US$ 25.000 por mês para cada mercenário, o Grupo Wagner enviou 200 mercenários por entre US$ 1.800 e US$ 4.700 por mês cada.

Mas a velha advertência: “Você recebe o que paga” é uma descrição adequada do que aconteceu até agora na região.

Os superconfiantes contractors russos, apoiados por helicópteros Hind e transportados por helicópteros Mi-17 Hip, avançaram para o interior ao longo da fronteira entre Moçambique e Tanzânia. As forças aéreas e terrestres deveriam operar em estreita cooperação com o exército moçambicano (Forças Armadas de Defesa de Moçambique, FADM). No entanto, o ISIS não hesitou. Conforme relatado pelo Southern Times após a chegada dos russos, o ISIS rapidamente reforçou suas unidades em Moçambique, trazendo “voluntários” de outros países da África Oriental, especialmente da Somália. Isso logo levou a uma série intensificada de ataques da guerrilha.

Opperman chamou a situação de “tempestade perfeita” e disse sobre os esforços do Grupo Wagner na região: “Os russos não entendem a cultura local, não confiam nos soldados e têm que lutar em condições horríveis contra um inimigo que está ganhando mais e mais impulso. Eles estão totalmente fora do seu elemento.” Eles não estão acostumados a operarem em um ambiente de selva e sabem (ou se importam) pouco sobre os costumes e tradições locais.

Assim, os russos estão caindo no mesmo problema que tiveram durante a era soviética: tensões entre eles e as forças das nações anfitriãs. Os mercenários russos acusaram os soldados moçambicanos de não terem disciplina, enquanto as tropas da nação anfitriã sentem que estão sendo intimidadas pelos russos. E não existe um "Robin Sage" [personagem fictício americano] para os russos aprenderem como ganhar a confiança da força de uma nação anfitriã.

E agora, depois de sofrerem uma série de derrotas e mais de uma dúzia de mortes, o Grupo Wagner recuou suas tropas de volta para sua base principal em Nacala, cerca de 250 milhas ao sul.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

Eles enfrentam o mesmo problema na República Centro-Africana (RCA). Existem centenas de mercenários do Grupo Wagner operando na RCA, incorporados a uma infinidade de forças diferentes, mas eles estão perdendo todo o relacionamento com os locais devido ao tratamento brutal que dispensam a eles.

O Norte da África também não é mais gentil com eles.

Os russos têm cerca de 1.000 mercenários Wagner na Líbia. Eles sofreram 35 mortos em setembro, quando os turcos os atingiram com um drone, pois não tinham como se defender de ataques aéreos - a exemplo do que aconteceu com as tropas Wagner na Síria quando atacaram uma base dos EUA. Em janeiro, Putin e o presidente turco Erdogan chegaram a um acordo e, em seguida, surgiram relatórios de que as tropas russas Wagner foram retiradas da linha de frente em Trípoli.

A Líbia está em constante guerra civil desde a remoção do ditador Muammar al-Gadhafi, liderada pelos EUA, em 2011. Os Estados Unidos, a ONU e a maior parte da comunidade internacional reconhecem o Governo de Acordo Nacional (GNA), com sede na capital líbia Trípoli, como o governo legítimo. Mas a metade oriental do país é liderada por Khalifa Hafter, que é apoiado pela Rússia, Egito e Emirados Árabes Unidos (EAU). Hafter e suas tropas estão tentando capturar Trípoli.

As coisas não estão indo bem para os russos ou o Grupo Wagner na África. E quando você está mostrando uma fraqueza percebida, especialmente neste mundo de contratos militares privados, outros tentarão usar isso a seu favor.

Entra Erik Prince.

Prince, o fundador da empresa de segurança privada Blackwater, tem procurado nos últimos meses fornecer serviços militares o Grupo Wagner em pelo menos dois pontos de acesso africanos, de acordo com relatórios do The Intercept.

Prince supostamente se encontrou no início deste ano com um funcionário do Grupo Wagner e se ofereceu para apoiar as operações do Grupo Wagner na Líbia e em Moçambique. O advogado de Prince negou que ele tenha se encontrado com alguém do Grupo Wagner.

Erik Prince, fundador da Blackwater.

De acordo com o mesmo relatório, Prince também procura fornecer uma força para aumentar as operações do Grupo Wagner no Moçambique. Prince enviou uma proposta à empresa russa oferecendo-se para fornecer forças terrestres e vigilância baseada na aviação, algo que lhes falta no momento. No entanto, o Grupo Wagner/Rússia rejeitou sua proposta.

Os russos não querem admitir que precisam de ajuda, nem aceitá-la de um americano com laços tão estreitos com a Casa Branca de Trump - Prince é irmão da secretária de Educação Betsy DeVos.

Diga o que quiser sobre Prince, mas ele nunca se esquivou de fazer propostas não-solicitadas para suas ideias. Foi assim que ele acabou conhecendo o presidente Trump. Enquanto, neste caso, os russos/Wagner rapidamente rejeitaram sua proposta, isso não muda o fato de que outros podem ver que a "parada da vitória" russa, para obter contratos mercenários na África, foi um pouco prematura.

Eles estão tendo uma vida difícil no continente e, embora continuem a jogar dinheiro e mercenários na briga, estão nadando em águas desconhecidas e isso é visível.

Steve Balestrieri atuou como graduado, sargento e Warrant Officer (sem equivalente no Brasil) das forças especiais antes que ferimentos forçassem sua reforma precoce.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Bush Wars:
Africa 1960-2010.

Leitura recomendada:








quinta-feira, 15 de julho de 2021

Moçambique: um exército frágil diante do jihadismo

Tropas moçambicanas em treinamento. À fraqueza das forças deve ser adicionada uma avaliação pobre da ameaça.

Para Laurent Touchard, Areion24, 2 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de julho de 2021.

Marcado por uma independência adquirida com sangue em 1975, depois por uma guerra civil alimentada por conflitos na Rodésia (atual Zimbábue) e com o apartheid da África do Sul até 1992, Moçambique foi então considerado como prometido para um futuro brilhante. A aparência de uma paz sólida combinada com recursos naturais significativos construiu a ilusão. No entanto, as tensões entre o poder do antigo movimento revolucionário de independência (FRELIMO) e os ex-combatentes do movimento rebelde (RENAMO) surgiram em 2013 sem nunca terem sido apagadas desde 1992. Elas levam a tensões violentas entre os irmãos inimigos. Apesar de uma relativa calma entre estes dois protagonistas no final de 2016, o Moçambique continua a ser em 2020 um dos países mais pobres do planeta com uma coesão nacional muito relativa. Ao mesmo tempo, a FRELIMO e a RENAMO perderam a aura de outrora entre grande parte da juventude, especialmente no norte, onde cresce o perigo jihadista que as autoridades ignoraram durante vários anos.

A cidade de Palma, no extremo norte do Moçambique.
(AFP)

Com as divisões entre a FRELIMO e a RENAMO, os respectivos mecanismos de lealdade conduzem a uma dupla cadeia de comando nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) tendo como corolário problemas de disciplina e coesão. Na maioria das unidades regulares, o moral está baixo. Não poderia ser de outra forma com soldos baixos, unidades que têm falta de alimentos... As habilidades dos militares são insuficientes. Se as unidades de elite forem melhores, essa eficiência permanecerá bastante relativa, em comparação com um nível geral pobre. Esforços para melhorar a formação do pessoal, em particular dos quadros, não são suficientes, enquanto a necessidade de modernização esbarra na falta de visão estratégica e na corrupção.

Para piorar a situação, focadas nas promessas de um futuro econômico, as autoridades colocam a questão da defesa e da segurança em segundo plano. Os efetivos se elevam a cerca de 12.000, dos quais até 10.000 são para o Exército, em comparação com cerca de 30.000 no total. No entanto, esse número nunca foi alcançado devido à falta de voluntários suficientes.

Combatentes do Estado Islâmico em edifício público em palma, província de Cabo Delgado, 24 de março de 2021.

A ordem da batalha é difícil de estabelecer a partir de fontes abertas. É comumente aceito que o exército está organizado em três batalhões de "forças especiais", sete batalhões de infantaria, dois ou três batalhões de artilharia, dois batalhões de engenharia e, finalmente, um batalhão de logística. No entanto, a imprensa lusófona moçambicana bem como diversos documentos oficiais recentes (relativos a promoções, cerimônias, etc.) fornecem diferentes informações que, quando compiladas, permitem estabelecer que a ordem de batalha inclui um batalhão de paraquedas, um batalhão comando e um batalhão de infantaria de marinha (Batalhão de Fuzileiros). Essas três unidades são talvez as descritas como "forças especiais". Eles são considerados a elite das FADM.

Em seguida, vêm unidades regulares, de qualidade desigual, divididas em cinco “brigadas” de infantaria (a brigada Songo, a 3ª brigada de Chimoio, a 4ª brigada de Tete, a 7ª brigada de Cuamba e finalmente a 8ª brigada Chokwe, por vezes referida como “108ª Brigada”) e em pelo menos quatro batalhões de infantaria independentes: Boane, Pemba, Quelimane e Sofala. As FADM também alinham em princípio um regimento de carros de combate (Regimento de Tanques), um batalhão e um grupo misto de artilharia, um regimento de artilharia antiaérea e, por último, um batalhão de transmissão e um batalhão de logística, em particular encarregado da "produção logística", nomeadamente manutenção de equipamentos, produção agroalimentar, etc.; um batalhão de artilharia costeira é mencionado, mas sua existência é altamente incerta.

O exército moçambicano tem no papel equipamentos envelhecidos, mesmo obsoletos e díspares, dos quais apenas 10% são considerados operacionais em 2020. Ao lado destes veículos, os veículos modernos são representados por 11 veículos blindados MRAP Casspir. Em 2018, os Tigers foram adquiridos da empresa chinesa Shaanxi Baoji Special Vehicles Company, às vezes confundida com os ZFB-05 ou mesmo com os VN-4. Eles são usados ​​em particular pelo batalhão comando e pela unidade de fuzileiros navais. A existência desses veículos permaneceu relativamente secreta. Seu número, que parece relativamente pequeno, sugere que os Tigres são atribuídos a um "grupo" e atribuídos a unidades de acordo com as necessidades atuais. Além disso, a unidade de resposta rápida da polícia, uma verdadeira força paramilitar, possui veículos blindados de modelo não-identificado. A chegada de equipamentos mais modernos foi anunciada durante o verão de 2020, sem nenhum detalhamento quanto à sua natureza.

Soldados moçambicanos sendo instruídos por fuzileiros navais americanos.

A artilharia é substancial, com nada menos que cinco calibres para os obuseiros, aos quais são adicionados uma dúzia de lançadores de foguetes múltiplos BM-21 e canhões de campanha. O arsenal também inclui vários canhões sem recuo e morteiros tradicionais de 82mm, bem como pelo menos uma dúzia de morteiros de 120mm. A artilharia antiaérea consiste em várias peças de quatro calibres diferentes, incluindo alguns canhões autopropulsados ​​ZSU - 57/2 que parecem não estar mais operacionais. Finalmente, as armas leves estão em mais ou menos boas condições dependendo da unidade, com os clássicos AKM e variantes (incluindo os Tipos 56-2), PKM, RPG-7, etc. Os militares têm falta de equipamentos de base, e mesmo uniformes de combate (não é incomum vê-los em operação dotados de roupas civis totalmente inadequadas), munição e às vezes até comida.

Pequeno em tamanho em comparação com as necessidades, a marinha se beneficiou dos esforços de modernização com notadamente seis HSI-32 e especialmente três Ocean Eagle 43. A sua ordem de batalha inclui uma unidade de infantaria de marinha (Fuzileiros) que representa uma das unidades mais sólidas do Moçambique, empenhada em operações contra os jihadistas. A força aérea tem seis MiG-21bis e dois MiG-21UM que, embora pareçam estar no ar, são de valor limitado para missões de ataque ao solo em um cenário de contra-insurgência. No verão de 2019, eles ainda não haviam se engajado contra os jihadistas. Para a luta contra-insurrecional, o país conta com apenas dois FTB-337G, de disponibilidade questionável (e que, aliás, não foram utilizados), dois Mi-24 considerados não-operacionais e dois Mi-8. A aviação de transporte é essencialmente representada por um An-26B. Como um todo, as FADM são muito fracamente operacionais.

A insurgência jihadista


A insurgência jihadista no norte de Moçambique foi notada em 2018 com a presença relatada de elementos do Estado Islâmico (IS), o que o governo nega veementemente. Na verdade, esta presença tem vindo a crescer de forma constante desde o outono de 2017. É construída em torno do movimento Ansar al-Sunna na província de Cabo Delgado. Este último veio da aglomeração de 2015 de pequenos grupos islâmicos (1) que reuniam jovens rapidamente denominados "al-Shabaab" (2) ("os jovens"). Seu treinamento militar é ministrado inicialmente por pelo menos três ex-integrantes das Forças de Defesa e Segurança (FDS) demitidos (policiais e guardas de fronteira). Há indícios de que há ligações com o Estado Islâmico (EI) a partir de 2017, mas os Shabaabs moçambicanos estão inicialmente calados sobre esta influência. Essa imprecisão sobre a criação do movimento e sobre as proporções de sua filiação ao EI deve-se à falta de informação. Autoridades trabalham para impedir o trabalho de jornalistas e pesquisadores, ao mesmo tempo em que negam a existência de jihadistas, acusando "criminosos".

Não é novidade que o movimento está aproveitando fatores sociais que alimentam o descontentamento, a começar pelo número de jovens desempregados. Além disso, embora o país tenha cerca de 20% de muçulmanos, eles representam mais de 50% da população do norte. Os habitantes desta região despertam a desconfiança das autoridades de um país predominantemente cristão. Soma-se a isso a corrupção generalizada, a existência de vários tráficos (pedras preciosas, madeira, marfim, drogas) e a fraqueza das FDS. Em 2020, o movimento é constituído principalmente por moçambicanos, mas também por tanzanianos e somalis. Pretória também teme que os cidadãos sul-africanos que já se juntaram ao EI na Síria e no Iraque possam se reunir lá (3).

Do outono de 2017 ao outono de 2018, cerca de 200 pessoas foram mortas por insurgentes em cerca de 50 ataques. Seus motivos religiosos ainda são incertos. A hipótese de proximidade com os Shabaabs somalis é mencionada, mas sem provas tangíveis. Os observadores, no entanto, suspeitam do surgimento de um foco jihadista. O primeiro ataque do Ansar al-Sunna ocorreu em 5 de outubro de 2017, com uma operação de cerca de 40 homens contra três delegacias de polícia em Mocímboa da Praia. Dois policiais e 14 agressores são mortos. Em junho de 2019, o EI reivindicou o primeiro ataque em solo moçambicano, contra a aldeia de Metubi, seguido de novos ataques, ainda reivindicados pelo EI.

Fuzileiros navais moçambicanos.

As FADM estão engajadas, em particular o Batalhão de Fuzileiros, em uma força operacional conjunta que inclui elementos da polícia e serviços de inteligência militar. No entanto, os meios militares e paramilitares, pessoal e material, continuam fracos. A relação entre as FADM e a polícia é terrível. Grupos de autodefesa civis estão se formando, mas os jihadistas estão se aproveitando das armas leves tiradas dos governos, que ainda estão crescendo em número. Aos ataques islâmicos responde-se com contra-ataques desajeitados dos governamentais. Na defesa, as unidades moçambicanas são más, com posições mal-preparadas, um desleixo terrível, falta de coordenação entre as unidades... O governo também está tentando uma abordagem mais indireta: é criada uma Agência de Desenvolvimento para o Norte e até parecem ter sido cogitadas negociações com os jihadistas.

Durante o verão de 2019, Maputo apelou à ajuda russa. Em agosto, o presidente moçambicano Filipe Nyusi encontra Vladimir Putin em Moscou. Ao mesmo tempo, empresas militares privadas que reúnem veteranos sul-africanos particularmente experientes e conhecedores da área oferecem seus serviços. Mas, em última análise, são os russos que vencem, "mais baratos" e principalmente perto do Kremlin, que é sinônimo de oportunidades de obtenção de equipamentos. Em 13 de setembro, os primeiros elementos da empresa militar privada Wagner chegaram de avião. Eles estão baseados principalmente no norte do país para desempenhar o papel de conselheiros militares (4).

Esta empresa é uma provável "subsidiária" do GRU (5) ou, pelo menos, do setor de defesa russo (6), permitindo a Moscou agir sem restrições diplomáticas formais. Tem cerca de vinte representações na África e interveio na República Centro-Africana, Sudão e Líbia. No início de outubro de 2019, os russos permitiram muito temporariamente que os governos recuperassem o controle sobre os jihadistas. Embora Moscou negue qualquer envolvimento em Moçambique, um grande carregamento de armas, nomeadamente com destino ao Grupo Wagner, é descarregado em Narcala. Cerca de 200 russos e três helicópteros (Mi-24 e Mi-171Sh) usados ​​pela empresa estavam no país na época. Ao mesmo tempo, os russos estão realizando uma ofensiva de influência nas redes sociais. Os bons resultados das ações militares e da política de Maputo são aí destacados, desajustados da realidade.

No terreno, a situação é ruim. Do lado inimigo, já não há dúvidas de que o EI/ISIS consolidou a sua influência, abrangendo o movimento moçambicano Ansar al-Sunna na sua "Província da África Central" (Islamic State’s Central Africa Province – ISCAP). Alguns elementos jihadistas da ISCAP são mesmo chefiados por sírios (7) e, portanto, possivelmente em Moçambique. As vitórias permitem que os islamitas confisquem um butim considerável, incluindo vários morteiros. O moral das FADM é catastrófico e os jihadistas exploram essa fraqueza. Antes de muitos ataques, eles avisam em voz alta que vão atacar e onde o farão. Como resultado, ao atacar, as FDS desertaram de suas posições. Além disso, a luta entre os jihadistas e os russos está crescendo em intensidade. Os primeiros parecem ser especialmente dirigidos aos segundos. Graças a ligações com outras regiões onde o ISIS está presente, reforços teriam se infiltrados no norte de Moçambique a fim de evitar que elementos do Grupo Wagner criassem condições favoráveis ​​para a retomada da iniciativa do governamental (8).

Mercenários do Grupo Wagner na Síria.

Em 10 de outubro, dois russos foram mortos. No dia 27, um elemento de soldados moçambicanos enquadrados por russos caiu numa emboscada. Cinco conselheiros militares e 20 moçambicanos são mortos. Durante o mês de novembro, as relações entre o governo e os russos foram tensas devido à deplorável ineficácia das FADM. A cooperação no terreno é interrompida, até que cesse totalmente. Os russos parecem ter sido "leves" na inteligência militar e avaliaram mal a situação (9). No final de novembro de 2019, alguns dos conselheiros militares russos presentes em Moçambique foram retirados. Apenas alguns elementos permanecem em Pemba (capital provincial), Nacala (a sua base principal) e Mocímboa da Praia. Em tese em violação da lei americana, Erik Prince, fundador da Blackwater, propõe ao Grupo Wagner apoiar a sua ação no Moçambique (10), o que os russos recusam.

Em fevereiro de 2020, a ExxonMobil e a Total, particularmente preocupadas com projetos em Cabo Delgado, pediram a Maputo para reforçar a segurança da província, aumentando o número da força-tarefa conjunta (FADM, polícia, contratados) para 800 homens enquanto ela tem apenas cerca de 500. A situação é ainda mais difícil porque, em março, não havia mais funcionários do Grupo Wagner trabalhando ao lado das FADM (11). No dia 23 de março, os jihadistas tomaram a capital distrital de Mocímboa da Praia. As forças governamentais que controlam a cidade são derrotadas por um ataque terrestre e marítimo. A surpresa é total e correm os rumores de que os elementos que protegiam a localidade dormiam no momento do ataque jihadista e não tinham munições. Os agressores que se espalham pelas ruas têm o cuidado de serem disciplinados, evitando deliberadamente massacres, executando "apenas" funcionários do governo, distribuindo alimentos para civis. Com essa atitude, eles rompem com os crimes que cometem desde 2017. No entanto, esse empreendimento de “sedução” não continuará até o amanhã e os assassinatos em massa serão retomados rapidamente. De qualquer forma, em Mocímboa da Praia, os jihadistas se retiraram poucas horas após sua vitória.

Os contractors sul-africanos

Em abril de 2020, os jihadistas lançaram os primeiros ataques no distrito de Muidumbe. Os combates também aumentam no distrito de Mocímboa da Praia. Maputo está se voltando para conselheiros militares privados sul-africanos, cujas ofertas foram inicialmente rejeitadas em favor dos russos. Um contrato é assinado com o Grupo de Aconselhamento Dyck (Dyck Advisory Group, DAG). Prevê o destacamento de cerca de 30 homens e pelo menos três helicópteros (12) por um período de três meses. Eles entram em ação no início de abril de 2020, ajudando grandemente a bloquear o avanço jihadista em Pemba e a retomar várias aldeias em maio. Não sem perdas: um Gazelle foi abatido no dia 10 (13) de abril durante um ataque mal preparado às Ilhas Qirimbas.

Um contratado sul-africano artilheiro de porta com um canhão de 20mm em um Gazelle. (Joseph Hanlon)

Embora esses reforços aumentem a eficácia dos governamentais, depoimentos denunciam disparos imprecisos de helicópteros, atingindo tanto civis inocentes quanto jihadistas. Os conselheiros sul-africanos estão tentando implementar, como no conflito da Rodésia cerca de 40 anos antes, o método da "Fire Force" [Força de Fogo] (os Gazelle servindo como gunships). No entanto, isso requer a disponibilidade de elementos helitransportáveis e tropas no solo muito bem treinadas e eficientes, o que não corresponde às características das FADM. Apesar disso, graças aos sul-africanos, as FADM estão recuperaram pelo menos dois veículos blindados perdidos, enquanto forçam os jihadistas a se retirarem para os distritos de Palma e Nangade, mais ao norte. Em 15 de junho, um Bat Hawk em uma missão de reconhecimento foi acidentalmente perdido.

Ao mesmo tempo, estão em curso discussões com a África do Sul para obter uma intervenção militar sul-africana. Isso não é fácil com um exército atormentado por décadas de cortes orçamentários e vários problemas, constantemente fraturado, tanto dentro quanto fora das fronteiras. Por conveniência, Pretória fecha os olhos à ação do DAG no Moçambique, visto que a empresa parece não cumprir as leis da África do Sul sobre empresas militares privadas. Surge outro problema: quando a África do Sul se diz disposta a intervir no domínio das forças especiais e da inteligência militar, especifica que isso só será possível se Moçambique o solicitar oficialmente... o que demora a chegar.

Apesar dos esforços do DAG, Mocímboa da Praia caiu pela segunda vez, a 27 de junho de 2020, antes de uma operação de reconquista que resultou na recaptura da cidade a 30 de junho. Em julho, o contrato do DAG é prorrogado por pelo menos seis meses (14). Infelizmente, as FDS não conseguem reter Mocímboa da Praia. Na madrugada de 12 de agosto, após infligir vários reveses às forças governamentais desde 5 de agosto, os jihadistas o tomaram pela terceira vez. Parte do governo conseguiu fugir para o norte, principalmente com barcos, mas uma centena foi morta (15). Durante a retirada, um barco-patrulha HSI-32 foi atingido por um tiro de RPG-7. O ataque parece ter sido realizado inicialmente com jihadistas à paisana infiltrando-se na cidade. Com frequência, as FDS carecem de munição.

Quatro soldados moçambicanos dividem uma moto em Palma, 17 de abril de 2021.

As tentativas das FADM de retomarem Mocímboa da Praia são infrutíferas. Se a cidade tanto chama a atenção dos jihadistas, deve-se à sua importância econômica, centro de projetos offshore de gás natural, da ordem de 60 bilhões de dólares. O início das operações estava previsto para 2022 com os primeiros efeitos perceptíveis em termos de receitas a partir de 2028. A captura da cidade e o agravamento da situação geral no norte (16) levaram Moçambique a solicitar a 16 de setembro de 2020 à União Européia (UE) ajuda para treinamento e logística das FADM, bem como apoio médico e humanitário. Por seu turno, Washington apela ao Zimbábue para que intervenha ao lado dos moçambicanos. Em 14 de outubro, o conflito se espalhou para além das fronteiras do país, com uma incursão na aldeia de Mtwara, na Tanzânia. Apesar disso, nem a comunidade econômica de que depende Moçambique (17) nem a União Africana podem fornecer ajuda rápida e concreta a Maputo. É verdade que Moçambique não está particularmente inclinado a pedir ajuda aos seus vizinhos.

Por outro lado, foi assinado um memorando entre Maputo e a empresa Total com o objetivo de viabilizar as operações das FADM em Cabo Delgado e, de fato, a proteção do projeto levado a cabo pela empresa (no valor de cerca de 20 milhões de dólares). O que parte da oposição moçambicana observa com desconfiança, o princípio levantando muitas questões sobre a soberania nacional. A ideia, cujos contornos não são bem conhecidos, não é nova e já foi esboçada pelo antecessor da Total para o projeto em questão. Consiste em permitir o reforço da força operacional moçambicana, aumentando seus efetivos para 3.000 homens. Para isso, a Total deve aumentar as receitas concedidas e expandir as capacidades das FADM por meio de empresas privadas (formação/treinamento?). Além disso, a empresa é responsável pelo abastecimento alimentar de parte das FADM alocada à força operacional conjunta (18).

Soldados moçambicanos treinando CQB com fuzis de madeira.

A ExxonMobil e a Eni também financiam os esforços do poder. Se o conceito é criticado por associações, é difícil proceder de outra forma. Este financiamento, por menos saudável (19) que possa parecer, é a única forma de prevenir o colapso de Cabo Delgado. Prosaicamente, o Estado moçambicano é corrupto, mas sem dinheiro e sem apoio externo sólido para as FADM, Cabo Delgado reverterá para a ISCAP que então se expandirá.

Em 9 de outubro, a UE respondeu favoravelmente ao pedido de assistência de Maputo, mas com condições estritas, uma vez que as forças do governo foram acusadas de violência, incluindo várias execuções extrajudiciais. As autoridades afirmam inicialmente que as atrocidades são cometidas por jihadistas vestidos como militares. No entanto, os inúmeros depoimentos mostram que os governamentais travam uma “guerra muito suja”, com métodos (20) que servem ao inimigo, embora ele não fique de fora em matéria de atrocidades (21). Nesta questão, as firmas petrolíferas podem desempenhar um papel importante no exercício da sua influência sobre o poder, tanto mais que correm o risco de se encontrarem no centro de escândalos por terem sido "cúmplices" dos crimes cometidos pelas FADM.

Meados de outubro marca a retomada da ofensiva das forças governamentais que infligem pesadas perdas aos jihadistas, anunciando a morte de pelo menos 270 combatentes inimigos e a retomada do controle da área de Awasse. De qualquer forma, a iniciativa pende para o campo dos governamentais. A grande base apelidada de "Síria" está mirada para o dia 28 de outubro. Os jihadistas, no entanto, mantêm sua pressão e atacam a Tanzânia: em 20 de outubro, mais de 300 combatentes lançam ataques na região de Mtwara. Apesar de vários assassinatos e destruição, as FDS da Tanzânia parece estar no controle. Em Moçambique, os jihadistas apreendem Muidumbe enquanto avançam para a estratégica cidade de Mueda, no processo assumindo o controle de várias localidades, a começar por Namacande, capital do distrito de Muidumbe. Cada vez, os jihadistas assassinam e destroem instalações, tanto governamentais quanto privadas. O número de deslocados está aumentando consideravelmente: eram entre 200.000 e 300.000 no final de outubro.

Comandos moçambicanos.

Uma contra-ofensiva em grande escala, em vista dos meios, foi lançada em novembro de 2020. Mais de 1.000 homens entraram em linha em uma operação tanto terrestre quanto aeromóvel. Eles são supervisionados notavelmente por elementos da DAG e, talvez, muito discretamente, por forças especiais de Pretória. O componente terrestre alinha principalmente os veículos blindados leves Tiger e Casspir das FADM, bem como os veículos blindados da unidade de intervenção policial. Um dos dois elementos da força ofensiva se desdobra defensivamente em Mueda-Sede, a fim de fixar os jihadistas e impedir que se espalhem para leste a partir da zona costeira de Mocímboa da Praia. A posição é tanto mais importante quanto é a maior base militar do norte de Cabo Delgado. O outro elemento começou a avançar em direção a Muidumbe para retomar as aldeias caídas, incluindo Namacande, que foi libertada em 16 de novembro de 2020. Em 19 de novembro, o controle do distrito de Muidumbe voltou às forças governamentais. Resta saber se o ímpeto permitirá o recomeço de Mocímboa da Praia... E mesmo assim, esta vitória militar não seria suficiente para resolver o colossal somatório de problemas, o primeiro deles o da implantação do EI. Além disso, não transformará as FADM em um exército nacional real e profissional. E se essa condição é essencial para estabelecer a estabilidade na região (e de forma mais geral no país), não será suficiente. Essa estabilidade requer outros pilares além da justiça e do desenvolvimento. Toda a dificuldade decorre do fato de que leva anos para reconstruí-los e colher os frutos desse esforço. O que, portanto, os torna utopias quando interesses políticos e econômicos clamam por resultados rápidos.

Laurent Touchard é especialista em questões de defesa, e é o autor do livro "Forces Armées Africaines: Organisation, équipements, état des lieux et capacités" ("Forças Armadas Africanas: Organização, equipamento, inventário e capacidades"). Este artigo foi publicado na revista Défense et Securité Internationale (DSI) nº 151, "Royal Marines : nouvelles missions, nouvelles visions" ("Royal Marines: novas missões, novas visões"), janeiro-fevereiro de 2021.

Défense et Securité Internationale (Defesa e Segurança Internacional), nº 151, janeiro-fevereiro de 2021.

Notas

(1) Grupos informais que começam a se formar entre 2013 e 2014.

(2) Sem qualquer ligação com a organização somali comumente conhecida por esse nome, embora a presença de "treinadores mercenários" do Shabaab somali tenha sido relatada, esses combatentes estrangeiros foram pagos pelo Ansar al-Sunnah.

(3) Cerca de cem. Outros cem teriam aderido ao EI/ISIS em Moçambique com a suspeita da presença de vários simpatizantes do EI na África do Sul. Christian Jokinen, "Islamic State’s South African Fighters in Mozambique: The Thulsie Twins Case, Christian Jokinen" ("Combatentes Sul-Africanos do Estado Islâmico em Moçambique: O Caso dos Gêmeos Thulsie, Christian Jokinen"), Terrorism Monitor, vol. 18, no 20, 5 de novembro de 2020, The Jamestown Foundation, link.

(4) Observe que helicópteros Gazelle não marcados foram vistos sobre Pemba em 6 de agosto de 2019; eles foram "contratados" com suas tripulações por um período de três meses do Grupo de Serviço de Fronteira (Frontier Service Group, FSG) de Erik Prince, via Umbra Aviation, na África do Sul. Com a chegada dos russos, eles foram retirados em setembro de 2019.

(5) "Wagner Mercenaries With GRU-Issued Passports: Validating S BU's Allegation" ("Mercenários Wagner com passaportes emitidos pelo GRU: validando a alegação de S BU"), Bellingcat, 30 de janeiro de 2019, link.

(6) CAATSA (Countering America’s Adversaries Through Sanctions Act of 2017 / Enfrentando os Adversários dos EUA por meio da Lei de Sanções de 2017) Seção 231 (e) Lista sobre o Setor de Defesa do Governo da Federação Russa, Departamento de Estado dos EUA, link.

(7) Al J. Venter, “Mozambique Update” ("Atualidades do Moçambique"), Air Forces Monthly, nº 388, julho de 2020; informação reportada a Al J. Venter por fontes incluindo Maputo.

(8) Ibid.

Contratados do Grupo Wagner na região de Starobeshevo, no Donetsk, 2014.

(9) Pjotr ​​Sauer, "In Push for Africa, Russia’s Wagner Mercenaries Are ‘Out of their Depth’ in Mozambique" ("Em avanço pela África, os mercenários russos [do Grupo] Wagner estão ‘mordendo mais que a boca’ no Moçambique"), Moscow Times, 19 de novembro de 2019, link; outras hipóteses também podem ser levantadas: um declínio na qualidade do Grupo Wagner enquanto seu volume aumenta correlativamente a seus numerosos engajamentos, uma subestimação da combatividade e habilidades dos jihadistas africanos.

(10) Matthew Cole e Alex Emmons, "Erik Prince offered Lethal Services to Sanctioned Russian Mercenary Firm Wagner" ("Erik Prince ofereceu serviços letais à firma mercenária russa sancionada Wagner"), The Intercept, 13 de abril de 2020, link.

(11) Elementos sobre operações aéreas são fornecidos em Al J. Venter, "A dirty little war in Mozambique" (“Uma guerrinha suja em Moçambique”), Air Force Monthly, nº 386, maio de 2020.

(12) Dois Gazelle e um Bell 206 Long Ranger, um UH-1, um DA-42 Cessna Caravan e pelo menos um Bat Hawk. O DAG também foi capaz de usar brevemente um drone CADG Helix por meio da empresa Ultimate Air (ela própria possuindo pelo menos o Cessna Caravan, Helix e Cessna sendo vistos na pista de Pemba); "Helix surveillance aircraft spotted in Mozambique" (“Aeronaves de vigilância de hélice plotados no Moçambique”), DefenceWeb, 28 de abril de 2020, link.

Aérospatiale Gazelle semelhante aos utilizados pelos sul-africanos.

(13) Um comunicado à imprensa do Estado Islâmico fornece a data de 8 de abril.

(14) Até março de 2021, na melhor das hipóteses.

(15) Segundo fontes, 55 mortos e 90 feridos.

(16) A Tanzânia opera no setor florestal no seu lado da fronteira.

(17) Comunidade de desenvolvimento da África (Austral Southern Africa Development Community, SADC).

(18) "Au Mozambique, Total ravitaille l’armée pour protéger ses intérêts" ("Em Moçambique, a Total supre o exército para proteger os seus interesses"), Courrier International, 10 de setembro de 2020, link.

(19) E muito arriscado; o investimento da Total - e, portanto, indiretamente da França - é colossal, de até US$ 20 bilhões...

(20) Anistia Internacional, "Mozambique. Des vidéos glaçantes montrent des actes de torture infligés par les forces de sécurité : une enquête doit être menée" (“Moçambique. Vídeos assustadores mostram atos de tortura infligidos pelas forças de segurança: uma investigação deve ser realizada”), 9 de setembro de 2020, link.

(21) "Djihadisme. L’horreur sur un terrain de foot au Mozambique : une cinquantaine de civils décapités" (“Jihadismo. O horror num campo de futebol em Moçambique: cinquenta civis decapitados”), Courrier International, 11 de novembro de 2020, link.

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular:
Terrorismo, guerrilha e movimentos da resistência ao longo da história.
Alessandro Visacro.

Estado Islâmico:
Desvendando o exército do terror.
Michael Weiss e Hassan Hassan.

Leitura recomendada:

Compreendendo a ascensão meteórica do Estado Islâmico em Moçambique, 24 de junho de 2021.


Por que Moçambique está terceirizando a contra-insurgência para a Rússia25 de março de 2020.

Dividendos da Diplomacia: Quem realmente controla o Grupo Wagner?, 22 de março de 2020.

A máquina de guerra é operada por contratos, 25 de janeiro de 2020.

Os contratados militares privados são mais econômicos do que o pessoal uniformizado?, 20 de fevereiro de 2020.

Vega Strategic Services: as PMC russas como parte da guerra de informação?10 de fevereiro de 2021.

A dependência da Rússia de contratados militares privados soa alarme no mundo todo9 de fevereiro de 2021.

Helicóptero Gazelle de mercenários sul-africanos foi abatido em Moçambique26 de abril de 2020.

7 mercenários ligados ao Kremlin mortos em Moçambique em outubro - Fontes militares, 1º de novembro de 2019.

Islâmicos ligados ao Estado Islâmico decapitaram mais de 50 pessoas em campo de futebol em Moçambique11 de novembro de 2020.