Mostrando postagens com marcador Guerra do Golfo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guerra do Golfo. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Operação Haboob: E se a França tivesse engajado-se no Iraque em 2003?

Fuzileiros navais americanos posando com um retrato do ditador Saddam Hussein, 2003.

Pelo Tenente-Coronel Michel Goya, La Voie de l'Épée, 23 décembre 2011.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de agosto de 2020.

A Operação Haboob ("Tempestade de Areia" em árabe) é o nome do engajamento das forças francesas no sul do Iraque de 2003 a 2009 como parte da coalizão liderada pelos Estados Unidos. A operação é obviamente imaginária e o nome é inventado. Porém, se acreditarmos, entre outros, nos documentos revelados pelo Wikileaks, com outro Presidente da República que não Jacques Chirac e até o atual poder, esta operação poderia ter ocorrido. Portanto, não é totalmente inútil torná-la ucrônica.* 

Soldados franceses do 3e RIMa diante de um retrato do ditador Saddam Hussein doze anos antes, em 1991.

*Nota do Tradutor: Ucronia, história de eventos fictícios a partir de um ponto de partida histórico; "counter-factual".

Áreas de responsabilidade da Coalização no Iraque em 30 de abril de 2004.

É provável que o volume do contingente francês engajado fosse bastante próximo ao do britânico, sem dúvida um pouco menor por causa de nossos meios um pouco mais limitados e de nossos compromissos em outros lugares. Como os outros contingentes aliados, uma vez derrubado o regime de Saddam Hussein, teríamos nos estabelecido no Sul, mas provavelmente não em Basra reservada aos britânicos, aliados privilegiados e ex-ocupantes da cidade. Tendo em conta o nosso volume de forças e a qualidade dos nossos quadros, poderíamos ter pego a chefia da divisão multinacional Centro-Sul no lugar dos polacos, entre Bagdá e as zonas petrolíferas. Além do núcleo duro do estado-maior da divisão, que teria levado em consideração cerca de vinte contingentes com regras de engajamento mais complexas e restritivas entre si, também teríamos fornecido dois ou três grupos de armas combinadas* para proteger os lugares sagrados de Najaf e Karbala, e os eixos logísticos na região do Kuwait.

Exemplo da ordem de batalha de um SGTIA.

*NT: Um Groupement Tactique Interarmes (GTIA) é uma força de armas combinadas de valor regimento que incorpora elementos de infantaria, cavalaria, artilharia e engenharia em uma força de combate auto-suficiente, para objetivos táticos definidos. O GTIA é geralmente uma unidade temporária, formada para cumprir uma missão - ou várias missões - durante um período fixo. 
Cada uma das unidades de combate de um GTIA (companhia ou esquadrão) provavelmente constituirá um subconjunto de armas combinadas denominado SGTIA (sous-groupement tactique interarmes/ subgrupo tático de armas combinadas). Um exemplo de uma configuração possível seria uma companhia de infantaria reforçada por um pelotão de carros de combate, mais elementos de engenharia.

Derrubada de uma estátua do ditador Saddam Hussein em Badgá, 2003.

Dado o fraco apoio da opinião pública francesa a esta operação, ela teria sido "encoberta" pelo apelo a todas as virtudes da ação humanitária. As forças teriam recebido instruções estritas de prudência, bem como de meios "tão justos" e especialmente não "agressivos". Como os outros, teríamos, portanto, tomado toda a força da revolta Mahdista de 2004. Lembre-se de que, na época, os contingentes aliados não lutaram e apelaram aos americanos para reduzirem as forças do exército Mahdi. Admitindo que fôssemos mais combativos, o que creio, teríamos nos envolvido, sozinhos ou mais provavelmente ao lado dos americanos, por vários meses de luta (a crise durou de abril a outubro de 2004). Teríamos perdido entre 100 e 200 mortos e feridos nessas batalhas.

Combatentes xiitas do Exército Mahdi, 2004.

Posteriormente, teríamos, como os britânicos em Basra, sem dúvida testemunhado impotentemente a tomada das províncias xiitas pelas várias milícias e, na segunda linha, a guerra civil de 2006. Com a aproximação das eleições presidenciais francesas de 2007 , as forças teriam sido solicitadas a deixar as bases o mínimo possível e a se manterem discretas. Uma parte delas seria até repatriada, para fins eleitorais. As últimas unidades francesas teriam deixado o país discretamente em 2008, aproveitando o sucesso inesperado do Surge (Surto) americano.

O General David Petraeus, um dos principais arquitetos do Surge.

Em resumo, comparando com outros aliados, principalmente os britânicos, teríamos cerca de 150 soldados mortos e 1.000 feridos, além de custos humanos indiretos (suicídios, distúrbios psicológicos graves, não-renovação de contratos, etc.) da mesma ordem, ou seja, o equivalente a dois regimentos completos perdidos. Financeiramente, ao acumular custos militares e civis, esta operação teria custado ao Estado entre 5 e 10 milhões de euros, já para não falar dos custos indiretos (pensões de feridos, recondicionamento de equipamentos, etc) dificilmente calculáveis, mas provavelmente superiores.

Elementos do GTIA de Kapisa no Vale do Alasei, em 2009.
Em primeiro plano um AMX-10RC e ao fundo alguns VAB.

Por esse preço, o número de armas de destruição em massa nas mãos dos malfeitores não teria diminuído no mundo, nem o número de terroristas. A França teria contribuído para a eliminação de uma tirania, o que está longe de ser desprezível, e para o estabelecimento de uma democracia imperfeita, corrupta e muito frágil. Sua imagem com os americanos teria sido preservada, mas talvez não no resto do mundo.

Mas é claro que tudo isso não passa de imaginação.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:





domingo, 9 de agosto de 2020

O aprendizado chinês sobre a Guerra do Golfo

Por Robert Farley, The National Interest, 2 de maio de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 8 de agosto de 2020.

Eles aprenderam muito com ela.

Aqui está o que você precisa lembrar: A Guerra do Golfo forneceu aos tomadores de decisão civis e militares chineses um exemplo imediato de como era a guerra moderna e deu algumas lições sobre como lutar (e como não lutar) no futuro. O PLA se tornou uma organização radicalmente mais sofisticada - com capacidade de aprendizado muito mais eficaz - do que era em 1991. Ainda temos que ver, entretanto, como todas as peças se encaixarão em um combate real.

Soldados americanos observando um cadáver iraquiano diante de um cenário de poços de petróleo em chamas, 1991.

Em 1991, oficiais militares chineses assistiram aos Estados Unidos desmantelarem o Exército Iraquiano, uma força com mais experiência de batalha e sofisticação técnica um pouco maior do que o Exército de Libertação do Povo (PLA). Os americanos venceram com baixas que eram triviais para os padrões históricos.

Isso levou a um exame de consciência. O PLA ainda não estava no piloto automático na década de 1980, mas o ritmo das reformas no setor militar não tinha correspondido ao da vida social e econômica na China. Dado o péssimo desempenho do PLA na Guerra Sino-Vietnamita de 1979, bem como o colapso da União Soviética, algo estava fadado a mudar. A Guerra do Golfo forneceu um catalisador e uma direção para essa mudança.

Aprendizado

Para ter uma ideia de por que a Guerra do Golfo é importante para o PLA, precisamos fazer um rápido desvio para a teoria organizacional. Os exércitos aprendem de várias maneiras diferentes; experimentos, experiência, enxertia (retirando membros de outras organizações semelhantes), aprendizagem vicária e exploração. Em 1991, o PLA carecia de qualquer experiência relevante na guerra moderna desde a desastrosa campanha contra o Vietnã em 1979. Faltava-lhe os fundos e os meios políticos para empreender o tipo de exercícios em grande escala necessários à guerra moderna. A enxertia é notoriamente difícil para as organizações militares modernas, já que se tornou difícil simplesmente contratar sargentos e coronéis de países estrangeiros.

Miliciana vietnamita guardando prisioneiros chineses, 1979.

Isso impede a exploração e o aprendizado indireto, que envolvem tentar aprender o máximo possível com o ambiente (exploração) e com as experiências de outros exércitos. Em 1991, a Guerra do Golfo deixou claro o que funcionou (as forças armadas dos Estados Unidos) e o que não funcionou (as forças armadas iraquianos). Não é surpreendente, neste contexto, que a Guerra do Golfo teria um efeito tão grande no PLA.

Equipamento

Um grande problema veio do lado do equipamento.

Tipo 69 iraquiano, uma evolução do Tipo 59 (cópia chinesa do T-54A) com tecnologia do T-62, destruído pela 1ª Divisão Blindada Britânica na Batalha de 73 Easting, 26-27 de fevereiro de 1991.

Em 1990, a sofisticação técnica do PLA havia se deteriorado a ponto das forças iraquianas desfrutarem de uma vantagem considerável sobre suas contrapartes chinesas. A Força Aérea iraquiana incluía caças MiG-23, MiG-25 e MiG-29, enquanto a PLAAF contava com cópias do MiG-21 produzidos na China, bem como aeronaves mais antigas como o MiG-19. Da mesma forma, o sistema de defesa aérea iraquiana, que não causou grandes danos em ondas de ataques de aeronaves americanas, era pelo menos tão sofisticado quanto os sistemas que a China era capaz de empregar.

Os chineses também descobriram, por meio do acesso aos tanques iraquianos capturados pelos iranianos na Guerra do Golfo Pérsico, que os T-72 iraquianos, que não representavam nenhum desafio para o Exército dos EUA, eram consideravelmente superiores aos tanques chineses existentes. Embora a Guerra do Golfo não tenha envolvido um combate naval sério, não foi difícil inferir que os problemas provavelmente afetaram o setor naval também.

T-72 iraquiano destruído.

O equilíbrio entre qualidade e quantidade mudou historicamente. Na Guerra Civil Chinesa e na Coréia, o PLA aproveitou os números e a eficácia tática para derrotar (ou pelo menos nivelar o terreno com) oponentes mais sofisticados tecnologicamente. No Vietnã, as injeções de tecnologia crítica anti-acesso ajudaram a neutralizar as ofensivas aéreas americanas. Historicamente, o PLA esperava que a vantagem numérica ajudasse a equilibrar o campo de jogo contra uma das superpotências, mas a coalizão liderada pelos EUA cortou através das forças iraquianas quantitativamente superiores como uma faca quente na manteiga. O Iraque demonstrou que, pelo menos no que diz respeito à guerra convencional, o equilíbrio havia mudado fortemente em favor da tecnologia.

Essa compreensão da Guerra do Golfo ajudou a impulsionar a modernização do PLA. Especialmente nas forças aéreas e navais, a China tomou medidas imediatas para atualizar sua tecnologia militar, geralmente por meio da compra de hardware soviético mais avançado. Sem dinheiro, a Rússia estava ansiosa para fazer negócios e não se preocupava muito com as consequências de longo prazo da transferência de tecnologia. A China também tentou adquirir tecnologia com aplicações militares da Europa, mas as sanções associadas ao massacre da Praça de Tiananmen prejudicaram esse esforço. Finalmente, a China acelerou os esforços para aumentar a sofisticação da pesquisa e do desenvolvimento em sua própria base militar-industrial.

Um líder de movimento estudantil falando na Praça de Tiananmen (Praça da Paz Celestial), durante as manifestações lideradas por estudantes em 1989.

Doutrina

Junto com as mudanças na tecnologia, vieram mudanças na doutrina e nas expectativas de como a guerra terminaria. O PLA começou a enfatizar o poder aéreo mais do que o poder terrestre e, em particular, investigou o potencial de ataque de precisão de longo alcance. Historicamente, o PLA nunca teve a oportunidade de realizar ataques significativos e operacionalmente relevantes atrás das linhas inimigas, não obstante a cooperação com a formação de guerrilheiros na Guerra Civil. Na verdade, o PLA ainda carece de experiência com a tradicional guerra de manobra de “batalha profunda”, na qual a exploração de avanços dá às pontas de lança blindadas a capacidade de interromper a logística e o comando do inimigo.

Tanques de batalha principais M1A1 Abrams da 3ª Divisão Blindada avançam em formação durante a Batalha de Medina Ridge, 27 de fevereiro de 1991.

Embora a Guerra do Golfo não tenha demonstrado que um ataque profundo pode ganhar decisivamente as guerras modernas, sem dúvida mostrou que o ataque de precisão de longo alcance poderia ajudar a interromper as operações inimigas e até mesmo atritar seriamente as forças inimigas em campo. O PLA imediatamente começou a desenvolver sua capacidade nesta área. A Marinha do Exército de Libertação do Povo (PLAN) e a Força Aérea do Exército de Libertação do Povo (PLAAF) cresceram em importância em relação às forças terrestres do PLA (embora, isso tenha tanto a ver com o desaparecimento da ameaça soviética e o declínio em importância da Coréia do Norte, quanto faz com uma nova compreensão da tecnologia), e ambos começaram a se concentrar em plataformas que ofereciam oportunidades de ataque de longo alcance. Os dois serviços também começaram a mudar para um número menor de sistemas de alta tecnologia.

Uma autoridade da Arábia Saudita e soldados sauditas assistem a um sistema de lançamento de foguetes múltiplos Astros perto da fronteira do Kuwait na Arábia Saudita, durante a Operação Escudo do Deserto, em 16 de dezembro de 1990.

Por sua vez, a Segunda Artilharia mudou seu foco da dissuasão nuclear para o ataque de precisão de longo alcance, com mísseis balísticos e de cruzeiro. Desenvolvendo uma apreciação moderna da integração de sistemas militares, o PLAN, a PLAAF e a Segunda Artilharia também enfatizaram as operações combinadas, com foco no desenvolvimento de procedimentos de comando, controle e comunicações que permitem o uso eficiente e coordenado da força militar. No entanto, é difícil avaliar o sucesso de tal planejamento na ausência de experiência em tempo de guerra.

Fuzileiro naval americano passa por um cadáver carbonizado não-identificado. No fundo, um tanque iraquiano destruído.

Conclusão

Os chineses exageraram as implicações da Guerra do Golfo? Sim e não. A bolsa de estudos revisada sobre a Guerra do Golfo deixou claro que qualquer que seja o impacto do "choque e pavor", a superioridade militar convencional da coalizão venceu. As forças americanas e britânicas tinham vantagens técnicas significativas, mas também tinham um treinamento muito melhor do que os iraquianos, apesar da experiência da Guerra Irã-Iraque. A guerra aérea preparou o terreno para a vitória da coalizão, mas a coalizão ainda precisava se destacar na guerra de manobra convencional para ter sucesso.

Legionários do 2e REI em combate urbano no aeroporto de As-Salman, no Iraque, em 25 de fevereiro de 1991.

Ainda assim, a Guerra do Golfo forneceu aos tomadores de decisão civis e militares chineses um exemplo imediato de como seria a guerra moderna e deu algumas lições sobre como lutar (e como não lutar) no futuro. O PLA se tornou uma organização radicalmente mais sofisticada - com capacidade de aprendizado muito mais eficaz - do que era em 1991. Ainda temos que ver, entretanto, como todas as peças se encaixarão em um combate real.

Vários membros das Forças Especiais dos EUA segurando uma bandeira dos EUA comemoram sua vitória sobre o exército iraquiano, ao lado de um combatente kuwaitiano armado com o fuzil FAL, em 27 de fevereiro de 1991, na Cidade do Kuwait.

Robert Farley é professor sênior na Escola de Diplomacia e Comércio Internacional de Patterson. Título original do texto "Why Chinese Military Leaders Cannot Get Over The 1991 Gulf War".

Bibliografia recomendada:

Arabs at War:
Military Effectiveness, 1948-1991.
Kenneth M. Pollack.
China's Evolving Military Strategy.
Joe McReynolds.

Leitura recomendada:

A Guerra Sino-Vietnamita de 1979 foi o crisol que forjou as novas forças armadas da China1º de maio de 2020.

A guerra de fronteira com o Vietnã, uma ferida persistente para os soldados esquecidos da China7 de janeiro de 2020.

O Elemento Humano: Quando engenhocas se tornam estratégia25 de agosto de 2019.

Os EUA precisam de uma estratégia melhor para competir com a China - caso contrário o conflito militar será inevitável5 de fevereiro de 2020.

Essa "modinha" de que Clausewitz-é-irrelevante não é uma blasfêmia. É simplesmente errada5 de janeiro de 2020.

Sim, a China estaria disposta a travar outra Guerra da Coréia caso necessário21 de junho de 2020.

A guerra no Estreito de Taiwan não é impensável2 de junho de 2020.

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate6 de janeiro de 2020.

sexta-feira, 6 de março de 2020

FOTO: M60A1 RISE Passive na Guerra do Golfo

Carros de Combate M60A1 da Companhia B dos fuzileiros navais americanos avançando no Kuwait na manhã de 23 de fevereiro de 1991, navegando por um campo minado.

Carros de Combate M60A1 RISE Passive da Companhia B, 8º Batalhão de Tanques da 2ª Divisão de Fuzileiros Navais avançando no Kuwait na manhã de 23 de fevereiro de 1991, navegando por um campo minado.

A unidade eventualmente entrou em contato com as trincheiras iraquianas, casamatas e tanques T-55 em posição "hull-down".

Bibliografia recomendada:

domingo, 19 de janeiro de 2020

PERFIL: Khalid Bin Sultan Bin Abdulaziz Al Saud, príncipe Khalid bin Sultan, Arábia Saudita

Tenente-General Khalid Bin Sultan Bin Abdulaziz Al Saud, comandante das Forças Conjuntas na Arábia Saudita, discute as condições para um cessar-fogo com os generais iraquianos durante a Operação Tempestade do Deserto, em 1991. Atrás do General Khaled está o General H. Norman Schwarzkopf, comandante-em-chefe do Comando Central dos Estados Unidos.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 19 de janeiro de 2020.

Khalid bin Sultan foi cadete na Academia Militar de Sandhurst, na Inglaterra, de 1967 a 1968, "cumprindo assim um sonho de adolescente". Ele
 se voluntariou para servir nas forças especiais mas foi colocado no comando de um pelotão de artilharia na província de Tabuk, com a perspectiva de ser destacado na função de compras e aquisições militares, para onde foi remanejado tempos depois. Essa posição de importância é conhecida pelos "favorecimentos" com relação às compras de material militar. 

Pensando na defesa antiaérea saudita, o príncipe Khalid criou as Forças de Defesa Aérea independente do Exército em 1981; sendo o seu primeiro comandante. A Força conta atualmente com cerca de 16 mil homens.

Ele também é formado na Escola de Comando e Estado-Maior do Fort Leavenworth (Command and General Staff College, CGSC), e na Escola de Guerra Aérea (Air War College, AWC), ambas nos Estados Unidos.


Emblema das Forças de Defesa Aérea sauditas.

Na década de 1980, o príncipe Khalid bin Sultan, então comandante da Força de Defesa Aérea, foi à China comprar mísseis DF-3 (Dong Feng 3, Vento Oriental 3), o primeiro míssil guiado saudita, criando assim a Força de Mísseis Estratégicos - hoje com 2.500 homens. Por seu papel na criação da Força de Mísseis Estratégicos, Khalid bin Sultan recebeu o apelido de "O Pai dos Mísseis da Arábia Saudita".

Quando o Iraque invadiu o Kuwait, em 1990, o príncipe Khalid foi nomeado comandante das forças conjuntas árabes da Coalização, sua posição mais conhecida, e destacado com uma responsabilidade fictícia equivalente àquela do General Schwarzkopf. Esta sinecura foi narrada pelo General Khalid escreveu um livro em 1995 sobre a sua atuação na Guerra do Golfo, Desert Warrior: A Personal View of the Gulf War by the Joint Forces Commander (Guerreiro do Deserto: A visão pessoal da Guerra do Golfo pelo Comandante das Forças Conjuntas); o primeiro livro escrito por um membro da família real saudita.


Desert Warrior é um relato interessante do universo saudita. Logo de cara percebemos que a visão do príncipe Khalid sobre o que é um "Guerreiro" é bem diferente da visão ocidental: ele se vangloria da sua ilusória importância na Coalizão, de vestir um uniforme militar e viajar dentro de uma Mercedes com ar condicionado, como um playboy, sendo acompanhado por uma equipe de filmagem para auto-promoção enquanto suas tropas suavam em trincheiras no deserto. O Príncipe também fala orgulhosamente sobre a importância de ter nascido na família Saud e dos méritos do nepotismo saudita na escolha de membros da família real para posições importantes independente do mérito profissional. Khalid jamais visitou as linhas de frente, pois ele era "importante demais para se arriscar". 

Ele também tenta pintar uma paridade de importância decisória com Schwarzkopf, com quem teve uma relação tempestuosa, e qualifica a contribuição saudita como "massiva". Em uma das muitas gritarias entre ele e "Storming Norman", o general americano gritou "Devo tratá-lo como general ou como príncipe?", "Ambos!" respondeu Khalid no mesmo tom. Orgulhoso e egocêntrico, o príncipe-general evitou todo tipo de demonstração de subordinação aos americanos, assegurando, por exemplo, que ele sempre tivesse o mesmo número de guarda-costas que Schwarzkopf.

Avibras ASTROS-II SS-30 do Exército Saudito em demonstração durante a Operação Escudo no Deserto, 1990.

Khaled tem muito a dizer sobre a natureza da coalizão contra Saddam Hussein e as peculiaridades de vários contingentes (por exemplo, a atitude de superioridade das tropas francesas) e reclama que o acordo de paz era fraco, sem um documento formal de rendição "que [...] poderia ter ajudado a remover Saddam". A narrativa de um garoto mimado de humor sardônico dá uma visão inédita sobre o universo real saudita. 

Após a guerra, Khalid foi promovido a Marechal-de-Campo pelo Rei Fahd, seu tio, e foi para a reserva em 1991 - dedicando-se a negócios pessoais. Apenas quatro anos depois, o Rei Fahd sofreu um derrame, deixando seu meio-irmão Adbullah como o governante de fato; com sua idade avançada (70 anos) a questão da sucessão real em uma monarquia de 5 mil príncipes afetou a eterna briga por trás das cortinas na corte saudita. De um lado, Abdullah comandando a prestigiosa Guarda Nacional, cuja missão é defender a Casa Real como uma guarda pretoriana e recrutada majoritariamente nas leais tribos beduínas. Do outro, Sultan bin Abdulaziz, Ministro da Defesa, comandando o exército, majoritariamente composto por homens de origem urbana. Sultan reconvocou Khalid, seu filho, para a função de Vice-Ministro da Defesa, em janeiro de 2001, de modo a garantir que as forças armadas permanecessem do lado da família do príncipe Sultan.

Khalid bin Sultan é filho do ex-Ministro da Defesa saudita príncipe Sultan bin Abdulaziz Al Saud, ambos da família real saudita.

Em 2007, os sauditas compraram o míssil de alcance médio Dong-Feng 21 (DF-21) secretamente da China vermelha. O DF-21 foi projetado para carregar armas nucleares, sendo impreciso como arma convencional (o que tornou os DF-3 sauditas inúteis contra os Scuds iraquianos em 1991). Em abril de 2013, Khalid visitou a China novamente e encontrou com o Presidente Xi Jinping e o Ministro da Defesa Chang Wanquan. A aquisição dos mísseis DF-21 só veio a público em janeiro de 2014, por meio de uma matéria da Newsweek dizendo que a CIA aprovou a compra contanto que os mísseis fossem modificados para não serem capazes de carregar cargas nucleares. Em setembro de 2014, Riad anunciou a compra de mísseis balísticos DF-21A chineses (chamados CSS-5 pela OTAN) para a defesa de Meca e Medina contra o Irã.

Em novembro de 2009, Khalid bin Sultan liderou uma intervenção militar saudita no Iêmen, depois que uma patrulha de fronteira saudita foi emboscada por rebeldes houthis, do lado saudita da fronteira, em 3 de novembro, com a morte de 1 soldado e ferindo outros 11 - com um segundo soldado morrendo depois. Os sauditas responderam com ataques aéreos ao território iemenita e mobilização de tropas na fronteira.

Em 8 de novembro, a Arábia Saudita confirmou que havia entrado na briga, alegando ter "recuperado o controle" da montanha Jabal al-Dukhan dos rebeldes. Por volta dessa época, comandos jordanianos, que haviam chegado aos campos sauditas alguns dias antes, apoiaram as forças sauditas nos esforços para tomar a montanha Al-Dukhan; com baixas em ambos os lados. A Arábia Saudita formou uma coalizão árabe e ocupou o Iêmen com quase 200 mil homens, além de um forte contingente dos Emirados Árabes Unidos a partir de 2015.

Tropas sauditas no Iêmen, 2016.

A campanha foi conduzida de forma desajeitada, trazendo fortes críticas a Khalid. O Rei Abdullah não ficou nada satisfeito com a sua liderança, quando as tropas sauditas se mostraram incapazes de rapidamente desalojarem os rebeldes houthis iemenitas de território saudita ocupado por eles no final de 2009. O Rei Abdullah expressou especificamente suas preocupações com a longa duração do conflito, grande número de baixas e incompetência saudita. 

Khalid era cotado para a sucessão de seu pai, falecido em 2011, como Ministro da Defesa. Mas dada sua ineficiência na operação no Iêmen, uma nova viagem à China com mais compras militares vultosas, e a decisão de firmar um acordo multi-bilionário de 84 Boeing F-15 que a Arábia Saudita comprou em 2010, fizeram com que Khalid fosse apontado como Vice-Ministro da Defesa em novembro de 2011. Seu mandato durou até 20 de abril de 2013, quando foi substituído por Fahd bin Abdullah, outro membro da família real. Tradicionalmente, a decisão de dispensa segue "com base em seu pedido", mas a ordem real emitida dispensando Khalid bin Sultan do cargo não incluía esta frase.

Bibliografia recomendada: