domingo, 5 de janeiro de 2020

Essa "modinha" de que Clausewitz-é-irrelevante não é uma blasfêmia. É simplesmente errada.

(US Air Force)
Por Steve Leonard, Modern War Institute, 5 de março de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de novembro de 2019.

Nota do editor: todas as citações de "A Guerra" de Clausewitz neste artigo foram extraídas da edição traduzida por Sir Michael Howard e Peter Paret.

Embora nosso intelecto sempre anseie por clareza e certeza, nossa natureza costuma achar fascinante a incerteza.
— Carl von Clausewitz, A Guerra.

Toda vez que leio outro comentário de estrategista de poltrona sobre a irrelevância contemporânea de Clausewitz, fico balançando a cabeça. De muitas maneiras, ler A Guerra é como ler a Bíblia: interpretações literais do texto geralmente levam os leitores a interpretações errôneas das idéias mais profundas e muitas vezes mais instigantes que sustentam a escrita. O reconhecimento e a compreensão do contexto da magnum opus* de Clausewitz é essencial para o desenvolvimento de uma compreensão dos conceitos em seu interior. Contexto é tudo.

*Nota do Tradutor: Obra-prima.

Costuma-se dizer que Clausewitz é o menos lido, e o mais citado dos teóricos militares clássicos. Sua escrita não é tão expressivamente citável quanto Sun Tzu ou tão provocativamente diabólica quanto Maquiavel. Está impregnada de metáforas, escritas nos anos seguintes às guerras napoleônicas, quando Clausewitz lutava para entender um conceito que desafiava a ciência de seu tempo. Sua própria essência permeava A Guerra, de sua expressividade metafórica ao conceito onipresente de atrito. Enquanto outros teóricos falharam em compreender a causa subjacente da natureza imprevisível da guerra, Clausewitz dedicou mais de uma década de sua vida relativamente curta à definição do que é contemporaneamente reconhecido como complexidade e seu impacto inerente e inevitável na guerra.

A capacidade de Clausewitz de sintetizar as nuances da complexidade em A Guerra destaca tanto seu valor duradouro quanto sua eterna luta. O analista de defesa Alan Beyerchen observa que A Guerra "lida com a complexidade da guerra de maneira mais realista do que talvez qualquer outro trabalho", mas também atribui a onipresença de complexidade em A Guerra como o único fator que "torna seu trabalho tão significativo, mas tão difícil de assimilar". Além disso, Clausewitz exibiu uma compreensão fundamental das complexidades da guerra que são melhor definidas em termos amplamente estrangeiros na época: “Na guerra, é imbuído o entendimento de que toda guerra é inerentemente um fenômeno não-linear, cuja conduta muda seu caráter de maneiras que não podem ser analiticamente previstas."

Como Clausewitz revisou repetidamente A Guerra, ele sem dúvida desenvolveu uma compreensão mais profunda de suas próprias idéias sobre a complexidade. Sua teoria da guerra em evolução era contra-intuitiva à natureza linear e redutivista do pensamento que dominava a ciência desde os tempos de Newton. Como resultado, Clausewitz confiou na metáfora para suportar o ônus da prova.

Clausewitz começa A Guerra com três metáforas cada vez mais sofisticadas, porém proeminentemente não-lineares, para definir a guerra. A primeira dessas metáforas, a Zweikampf (literalmente, "luta dupla"), é introduzida no Capítulo Um do Livro Um d'A Guerra:

A guerra não passa de um duelo [Zweikampf] em maior escala. Incontáveis duelos vão compor a guerra, mas uma imagem dela como um todo pode ser formada imaginando um par de lutadores. Cada um tenta, através da força física, obrigar o outro a fazer sua vontade; seu objetivo imediato é arremessar seu oponente para torná-lo incapaz de resistência adicional. A guerra é, portanto, um ato de força para obrigar nosso inimigo a fazer a nossa vontade.

Com essa primeira definição mais básica da natureza da guerra, Clausewitz investiga um dos conceitos fundamentais da complexidade: interação (Wechselwirkung). A guerra, ele explica, não é "a ação de uma força viva sobre uma massa sem vida, mas sempre a colisão de duas forças vivas". A metáfora de dois lutadores é uma representação ideal da complexidade, onde "as posições e contorções corporais que emergem. . . muitas vezes são impossíveis de alcançar sem a força contrária e o contrapeso de um oponente.

Quando Clausewitz começa a expandir sua teoria da guerra para abranger o papel da política (Politik), ele invoca sua segunda definição clássica, frequentemente citada: "A guerra é apenas a continuação da política por outros meios". No processo de chegar a uma definição, Clausewitz apela à imagem metafórica da combustão para caracterizar a relação entre política e guerra:

O objeto político - o motivo original para a guerra - determinará, assim, o objetivo militar a ser alcançado e a quantidade de esforço necessária. . . . O mesmo objeto político pode provocar diferentes reações em diferentes povos, e mesmo das mesmas pessoas em momentos diferentes. Portanto, podemos tomar o objeto político como um padrão apenas se pensarmos na influência que ele pode exercer sobre as forças que ele deve mover. . . . Dependendo se suas características aumentam ou diminuem o impulso em direção a uma ação específica, o resultado varia. Entre dois povos e dois estados, pode haver tais tensões, tal massa de material inflamável, que a menor briga pode produzir um efeito totalmente desproporcional - uma explosão real.

O uso de Clausewitz dessa metáfora distintamente não-linear define os "parâmetros que determinam regimes fundamentais de comportamento em um sistema [complexo]". As condições políticas predominantes, não o objetivo político inicial, determinam os métodos militares utilizados; na guerra, a ligação entre fins e meios é fundamentalmente dinâmica, uma definição que contrasta a relação estática promovida pela maioria dos teóricos.

Ao desencadear essa relação metafórica, Clausewitz ilustra dois dos preceitos básicos da complexidade: o papel do feedback em um sistema complexo e o comportamento adaptativo que define a complexidade dinâmica. A afirmação de Clausewitz sobre a finalidade da guerra é indicativa do reconhecimento da Prússia da existência de feedback tanto de reforço (amplificação) quanto de equilíbrio (estabilização) em sua teoria da guerra em evolução. Sua descrição da natureza camaleônica da guerra reflete um entendimento de que, em última análise, a conduta de qualquer guerra afeta seu próprio caráter, e "seu caráter alterado retorna aos fins políticos que norteiam sua conduta".

Finalmente, Clausewitz baseia-se em sua metáfora mais complexa, porém essencial: a trindade onipresente (eine wunderliche Dreifaltigkeit). Na teoria militar, poucas outras representações da natureza da guerra são frequentemente debatidas com opiniões tão diversas. No entanto, nenhum outro elemento da escrita de Clausewitz é tão representativo da complexidade da guerra:

Como fenômeno total, suas tendências dominantes sempre fazem da guerra uma trindade paradoxal - composta de violência primordial, ódio, e inimizade, que devem ser consideradas uma força natural cega; do jogo do acaso e da probabilidade dentro da qual o espírito criativo está livre para vagar; e do seu elemento de subordinação, como instrumento de política, que o sujeita apenas à razão. . . . Nossa tarefa, portanto, é desenvolver uma teoria que mantenha um equilíbrio entre essas três tendências, como um objeto suspenso entre três ímãs.

A trindade é geralmente mal interpretada como uma tríade estática representativa das forças que influenciam a condução da guerra. Para Clausewitz, os pontos não são passivos, mas atratores dinâmicos; a metáfora é outra ilustração de interação complexa. Clausewitz usa a trindade para enfrentar "o caos inerente a um sistema não-linear sensível às condições iniciais [grifo nosso]." Um pêndulo de aço suspenso entre três pontos magnéticos interativos se moverá em um padrão predefinido, mas o movimento preciso do pêndulo não pode ser matematicamente previsto devido a variações nas condições iniciais. Como na guerra, "a antecipação do tipo geral de padrão é possível, mas a previsibilidade quantitativa da trajetória real é [impossível]".

Clausewitz observou com um senso paradoxal de ironia: “Tudo na guerra é muito simples, mas a coisa mais simples é difícil. As dificuldades se acumulam e terminam produzindo um tipo de atrito que é inconcebível, a menos que alguém tenha passado por uma guerra.” Clausewitz entendeu ainda que“ incontáveis incidentes menores - do tipo que você nunca pode realmente prever - se combinam para diminuir o nível geral de desempenho, portanto, sempre fica aquém do objetivo pretendido.” Em sua luta para ilustrar a natureza ilusória e complexa da guerra, Clausewitz só conseguiu completar o Capítulo Um do Livro Um antes de sua morte prematura em 1831. A difícil tarefa de interpretar e comunicar sua visão de guerra caiu sobre sua esposa, Marie, que começou a "garantir e moldar seu legado" quase imediatamente após sua morte súbita e dolorosa. Seus esforços meticulosos para preservar seus escritos, embora em grande parte subestimados e pouco estudados, forneceram ao Ocidente seu tratado seminal sobre a guerra.

Se Clausewitz tivesse entrado em Bagdá com a Task Force 1-64 Armor durante a Thunder Run ou testemunhado o incrível sacrifício em Roberts Ridge durante a Operação Anaconda, ele teria, sem dúvida, reconhecido a onipresença do "atrito" no campo de batalha. Observando a guerra civil síria se transformar em uma guerra por procuração travada contra um dos regimes terroristas mais brutais do mundo, ele teria notado que mesmo o mais simples dos inimigos pode ter uma influência profunda na natureza e no caráter do conflito. Mas, quase duzentos anos após sua morte, seu único conselho vem em palavras que ecoam através do tempo. Estudamos A Guerra por uma razão simples: sua exploração do nexo da complexidade e da guerra não conhece pares. E à medida que a acusação de guerra se torna cada vez mais suscetível às nuances da complexidade, a relevância de Clausewitz apenas cresce com o tempo.

Steve Leonard é um contribuidor não-residente do Modern War Institute, um dos fundadores da Divergent Options, um ex-estrategista militar sênior e a força criativa por trás de Doctrine Man!! Ele é membro fundador do Military Writers Guild e colaborador frequente do projeto Art of Future Warfare do Atlantic Council. Seus trabalhos se concentram em questões de política externa, segurança nacional, estratégia e planejamento, desenvolvimento de liderança e líderes e, ocasionalmente, ficção. Um ex-aluno da Escola de Estudos Militares Avançados, ele liderou a equipe interinstitucional que criou a primeira doutrina de operações de estabilidade do Exército dos EUA, liderou a reintrodução da arte operacional na doutrina principal e escreveu os princípios orientadores da Metodologia de Design do Exército. Ele é autor de quatro livros, numerosos artigos profissionais, inúmeras publicações em blogs e é um cartunista militar prolífico. Siga sua escrita em seu blog pessoal, The Pendulum, e no Twitter em @Doctrine_Man.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem a política ou posição oficial do Departamento do Exército, do Departamento de Defesa ou do governo dos EUA.


Nenhum comentário:

Postar um comentário