sexta-feira, 18 de setembro de 2020

FOTO: Guerrilheiras assírias no século XX

Combatentes do Movimento Democrático Assírio Revolucionário no norte do Iraque, primeira metade dos anos 1980.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog18 de setembro de 2020.

O Movimento Democrático Assírio (siríaco: ܙܘܥܐ ܕܝܡܘܩܪܛܝܐ ܐܬܘܪܝܐ, romanizado: Zawʻá Demoqraṭáyá ʼÁṯuráyá, árabe: الحركة الديمقراطية الدشورية, ADM), popularmente conhecido como Zowaa (literalmente "O Movimento"), é um partido político assírio situado no Iraque e um dos principais partidos assírios dentro do parlamento iraquiano.

O Movimento Democrático Assírio (Zowaa) foi fundado em 12 de abril de 1979 a partir de várias reuniões mantidas em segredo em Kirkuk, Mosul e Bagdá. O partido foi estabelecido entre vários grupos culturais-políticos e estudantis menores, como os Irmãos Assírios, com o foco principal para satisfazer os objetivos políticos do povo Assírio no Iraque, em resposta à brutalidade opressora do regime Ba'ath (Partido Socialista Árabe Baath) e suas tentativas de expropriar à força os assírios étnicos de suas terras nativas.

Bandeira do Zowaa.

O movimento iniciou a luta armada contra o regime iraquiano em 1982 sob a liderança de Ninos Pithyou com o foco principal na defesa de vilas assírias, e se juntou à Frente do Curdistão Iraquiano (IKF) no início dos anos 1990. Em 1988, membros combatentes do movimento e seu quartel-general, bem como o resto dos partidos curdos, foram atacados na Campanha Al-Anfal.

Esta campanha foi um genocídio que matou entre 50.000 e 182.000 curdos, bem como vários milhares de assírios. A operação foi liderada pelo Coronel-General Ali Hassan al-Majid, por ordem do presidente Saddam Hussein, contra o Curdistão iraquiano no norte do Iraque durante os estágios finais da guerra Irã-Iraque. O nome da campanha veio da Sura 8 (al-Anfal) do Alcorão, que foi usado como um codinome pelo antigo governo Baathista iraquiano para uma série de ataques sistemáticos contra os combatentes curdos no norte do Iraque entre 1986 e 1989 , com pico em 1988. A destruição de aldeias curdas pelo governo iraquiano Baath era parte da sua "Campanha de Arabização" de áreas excluídas do Curdistão pelo Acordo de Autonomia Iraque-Curdo de 1970.

A ADM participou da revolta em 1991, que foi esmagada por falta de apoio externo, e ganhou assentos nas eleições parlamentares para a região do Curdistão no Iraque em 1992. O movimento também participa do campo político desde 1982 ao lado de outros grupos, começando com a publicação do seu jornal central, Bahra, em junho de 1982. Atualmente possui assentos no Conselho de Representantes do Iraque e no Parlamento do Curdistão.

O ADM é creditado com o desenvolvimento da educação na língua siríaca nas escolas de ensino fundamental e médio, bem como a iniciação de diferentes organizações, como a União de Estudantes Assíria Chaldo, Escoteiros Hammurabi, União de Mulheres Assírias do Iraque e a Sociedade de Ajuda Assíria .

Cristãos assírios-iraquianos seguram a bandeira do Movimento Democrático Assírio (Zowaa), enquanto comemoram seu Ano Novo (Aketo), na cidade curda de Dohuk, cerca de 430km a noroeste da capital iraquiana Bagdá, em 1º de abril de 2019.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

COMENTÁRIO: 36 anos depois, a Guerra Irã-Iraque ainda é relevante24 de maio de 2020.

A Estratégia fracassada dos Estados Unidos no Oriente Médio: Perdendo o Iraque e o Golfo3 de setembro de 2020.

GALERIA: Comandos femininas na Guarda Presidencial Palestina1º de fevereiro de 2020.

O perigo de abandonar nossos parceiros5 de junho de 2020.

FOTO: Tom Celek iraquiano20 de agosto de 2020.

A França planeja manter presença militar no Iraque como parte de uma missão da OTAN12 de janeiro de 2020.

Síria: Os "ISIS Hunters", esses soldados do regime de Damasco treinados pela Rússia8 de setembro de 2020.

COMENTÁRIO: Contra o Daesh, a estranha vitória11 de setembro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário