terça-feira, 4 de agosto de 2020

Helicópteros de ataque australianos resgatam náufragos em uma ilha deserta no Pacífico


Por Jamie (The Drive)The Warzone, 3 de agosto de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 4 de agosto de 2020.

Com um SOS feito na areia, o navio de assalto HMAS Canberra agiu com seus helicópteros Tigre para salvar marinheiros isolados.

O ARH Tigre da Airbus Helicopters pode não ter recebido muito amor do exército australiano ultimamente, mas o helicóptero de ataque foi uma visão muito bem-vinda no fim de semana para um grupo de marinheiros que ficaram isolados em uma pequena ilha da Micronésia por quase três dias. Em uma cena digna de Hollywood, uma mensagem SOS soletrada na praia foi avistada por tripulações australianas e americanas, antes que um helicóptero voando de um navio de guerra australiano prestasse em socorro.

Quatro ARH Tigres e um único helicóptero de transporte MRH90 Taipan da Airbus Helicopters estavam a bordo do navio anfíbio HMAS Canberra da Marinha Real Australiana (Royal Australian NavyRAN) e entraram em ação para ajudar a encontrar os três marinheiros.

Depois de partirem no seu barco de 23 pés em 30 de julho de 2020, os marinheiros saíram do curso e ficaram sem combustível. Eles foram encontrados desaparecidos em 1º de agosto e foram localizados no dia seguinte na Ilha Pikelot, a quase 320 quilômetros de seu ponto de partida em Pulawat, na Micronésia. O destino planejado deles era os atóis de Pulap, uma jornada de 23 milhas náuticas.

Os três náufragos na praia, junto com o barco e o SOS.

Indo para a área de busca, o Canberra se uniu a aeronaves dos EUA para localizar os marinheiros. Um ARH Tigre embarcado do 1º Regimento de Aviação do Exército Australiano entregou comida e água diretamente à praia, antes de realizar exames de saúde nos náufragos.

O Canberra recentemente atuou na região como parte do Grupo-Tarefas 635.3, que realiza um Desdobramento de Presença Regional, sobre o qual você pode ler mais neste relatório anterior do Zona de Guerra. Quando o navio de assalto foi chamado para ajudar na busca e salvamento, ele estava realmente voltando para a Austrália, enquanto outros navios do grupo-tarefa se preparavam para participar do Exercício Orla do Pacífico (Exercise Rim of the Pacific, RIMPAC), próximo ao Havaí.


"A companhia do navio respondeu à chamada e preparou o navio rapidamente para apoiar a busca e salvamento", disse o capitão Terry Morrison, comandante do Canberra. “Em particular, nosso helicóptero MRH90 embarcado no esquadrão nº 808 e os quatro helicópteros de reconhecimento armado do 1º Regimento de Aviação foram fundamentais na busca matinal que ajudou a localizar os homens e a entregar suprimentos e confirmar seu bem-estar”.

"Estou orgulhoso da resposta e profissionalismo de todos a bordo, pois cumprimos nossa obrigação de contribuir para a segurança da vida no mar, onde quer que estejamos no mundo", continuou ele.

Os marinheiros deveriam ser apanhados por um navio de patrulha da Micronésia, o FSS Independence, um barco de patrulha do Pacífico entregue e apoiado pelo governo australiano.

Tigre pousando no HMAS Canberra durante o show aéreo Biennial IMDEX em Cingapura, 16 de maio de 2019.

Enquanto o ARH Tigre e o MRH90 desempenharam seu papel nesse resgate dramático, é justo dizer que os dois tipos tiveram fortunas mistas no serviço australiano. A Austrália encomendou 47 MRH90 Taipan MRH para substituir os helicópteros Black Army Hawk e RAN Sea King Mk 50A/B do Exército Australiano. O exército e a marinha mantêm os MRH90 como uma base comum, mas seis aeronaves são atribuídas ao esquadrão nº 808 da RAN, com sede em Nowra, Nova Gales do Sul. Problemas técnicos e de confiabilidade viram o Taipan ser adicionado à lista de "Projetos de preocupação" do governo australiano.

A Austrália escolheu o Tigre para cumprir seu requisito de helicóptero de reconhecimento armado em 2001, adquirindo 22 exemplares. Enquanto os dois primeiros foram entregues em dezembro de 2004, a capacidade operacional final (final operational capabilityFOC) foi alcançada apenas em abril de 2016. O Tigre australiano participou de uma missão no exterior pela primeira vez no ano passado, quando quatro exemplares foram levados de avião para Subang, na Malásia, em um C-17A da Força Aérea Real Australiana, antes de embarcar em exercícios de treinamento a bordo do Canberra.

Tigres do exército australiano a bordo do HMAS Canberra.

No ano passado, o Departamento de Defesa Australiano emitiu um pedido de informações (request for information, RFI) para uma substituição do ARH Tigre no âmbito do programa Land 4503. Isso exige capacidade operacional inicial (initial operational capability, IOC) em 2026 com 12 estruturas aéreas e capacidade operacional total dois anos depois com 29 helicópteros. Os principais candidatos para o Land 4503 são o Bell AH-1Z Viper, o Boeing AH-64E Apache e os Airbus Helicopters Tigre Mk III aprimorados.

Enquanto isso, provavelmente veremos o ARH Tigre continuar operando a partir dos navios de assalto da classe Canberra em seu papel de ataque tradicional - além de outras missões, quando necessário. Os Tigres australianos também pousaram no porta-aviões USS Ronald Reagan durante exercícios recentes, sobre os quais você pode ler mais aqui.


O último episódio na Micronésia não foi a primeira vez que helicópteros de ataque apoiaram operações de resgate de maneiras não-tradicionais. Em junho deste ano, surgiu o vídeo de um Tigre do Exército Francês que foi usado para evacuar dois soldados gravemente feridos quando o helicóptero Gazelle foi abatido por insurgentes em 14 de junho do ano passado, perto da fronteira entre Mali e Níger.

Embora o Tigre tenha falhado em se tornar uma história de sucesso nas forças armadas australianas, sem dúvida se tornou o favorito de três marinheiros em particular, cujas emoções só podem ser imaginadas quando os helicópteros de ataque apareceram à vista.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário