quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Exército britânico muda para M-LOK enquanto o SA80A3 recebe ajustes

L85A3 com uma luneta Elcan.
O guarda-mão está usando M-Lok e Keymode. (MoD)

Por Matthew Moss, The Firearm Blog, 26 de agosto de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de agosto de 2020.

Parece que um ano após a introdução do SA80A3 recentemente atualizado, o Exército Britânico está introduzindo uma série de ajustes pequenos, mas significativos, para melhorar o manuseio de armas. As mudanças vêm após o feedback do usuário sobre os fuzis SA80A3/ L85A3 que foram revisados pela Heckler & Koch em um contrato no valor de £ 15 milhões (ou quase US$ 19 milhões).

A edição de agosto de 2020 da revista Soldier do Exército Britânico incluiu um pequeno artigo detalhando as futuras mudanças no fuzil de serviço do Exército Britânico. O artigo observa que as modificações são orientadas pelo usuário, com feedback coletado desde que as armas foram colocadas em serviço pela primeira vez em 2018.

Um soldado britânico, com a equipe de treinamento do Reino Unido, dispara seu Fuzil de Assalto SA80A3 durante uma sessão de tiro de resistência ao estresse de forças combinadas em Camp Taji, Iraque, 6 de agosto de 2018. (A.Ward / MoD)

A mudança mais visível é a transição do HKey (sistema KeyMod da própria Heckler & Koch) para pontos de fixação M-LOK. As alterações foram prototipadas iterativamente usando tecnologia 3D, permitindo que a Unidade de Testes e Desenvolvimento de Infantaria (Infantry Trials and Development Unit, ITDU) testasse as alterações à medida que eram feitas. O Major Richard McMahon, um membro sênior da equipe de suporte vitalício de combate corpo a corpo desembarcado do Exército Britânico, disse que “a capacidade de produzir maquetes impressas em 3D permitiu que o projeto avançasse em um ritmo substancial, com vários projetos testados e a capacidade de fazer mudanças rápidas conforme os problemas foram encontrados”. McMahon também observou que a ITDU adquiriu sua própria impressora 3D para permitir uma maior experimentação interna.

Abaixo está um gráfico que destaca algumas das mudanças no guarda-mão do A3, até agora não conseguimos obter mais imagens do guarda-mão aprimorado.

Gráfico mostrando algumas das mudanças no guarda-mão do A3. (Exército Britânico/ Graeme Main)

O novo desenho do guarda-mão apresenta pontos de fixação M-LOK, uma proteção redesenhada para o registro de segurança push-through do SA80, um trilho inferior reforçado para a fixação da bainha da empunhadura frontal suprido com o fuzil, novas tampas M-LOK e o preenchimento de alguns dos orifícios próximos ao bloco de gás para evitar a transferência de calor para a mão do usuário. Curiosamente, uma legenda diz que devido a esses orifícios não estarem mais presentes, se um lançador de granadas for instalado embaixo do cano, eles “podem ser perfurados de novo” - mais trabalho para os armeiros. Ele retém um trilho Picatinny de comprimento total às 12 horas e refaz o perfil abaixo do cano ligeiramente para melhorar a ergonomia e muda do acabamento de bronze fosforoso para um verde escuro.

10.000 fuzis atualizados começarão a ser entregues na segunda metade de 2020 com o número não especificado de SA80A3 atualmente em serviço começando a ser atualizados com a nova parte de baixo do cano em outubro de 2020.

Matt Moss é um historiador britânico especializado em desenvolvimento de armas portáteis e história militar. Ele escreveu para uma variedade de publicações nos Estados Unidos e no Reino Unido e também dirige o www.historicalfirearms.info, um blog que explora a história, o desenvolvimento e o uso de armas de fogo. Matt também é cofundador do www.armourersbench.com, uma nova série de vídeos sobre armas portáteis com importância histórica.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

Os caras não confiam nesse fuzil de assalto25 de janeiro de 2020.


Nenhum comentário:

Postar um comentário