sexta-feira, 21 de agosto de 2020

Interferência política, incoerência estratégica e a escalada de Lyndon Johnson no Vietnã

O presidente Lyndon Johnson concede uma medalha a um soldado americano durante uma visita ao Vietnã em 1966.

Por Joseph Stabile, The Strategy Bridge, 19 de julho de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de agosto de 2020.

A experiência americana no Vietnã definiu uma geração, estimulando a agitação civil e a degradação da confiança em importantes instituições políticas e militares. Ao longo de duas décadas, o envolvimento dos Estados Unidos no conflito refletiu o aumento da tensão global da Guerra Fria. O envolvimento americano no Vietnã começou já em 1950, inicialmente na forma de assistência aos franceses durante a Primeira Guerra da Indochina. No final do governo Kennedy, os Estados Unidos começaram a enviar conselheiros e forças militares americanas ao Vietnã, com o objetivo de impedir a propagação do comunismo no sudeste da Ásia.[1]

[1] “1961–1968: The Presidencies of John F. Kennedy and Lyndon B. Johnson,” Office of the Historian, Departamento de Estado dos EUA, https://history.state.gov/milestones/1961-1968/foreword.

O assassinato de John F. Kennedy, no entanto, deu início à presidência de Lyndon B. Johnson, que possuía pouca experiência no domínio da política externa. Enfrentando uma crise de legitimidade antes de consolidar sua posição no Salão Oval por meio da eleição de 1964, Johnson foi paralisado como comandante-em-chefe. A discórdia interna entre conselheiros civis e militares aumentava a dificuldade em estabelecer uma estratégia sólida para alcançar um resultado político desejável no Vietnã. Em meio à crescente pressão internacional provocada pela Guerra Fria, Johnson decidiu intensificar a guerra no Vietnã em 1965. A guerra continuou por mais uma década após a escalada, terminando por fim em uma derrota estratégica americana. Este ensaio avalia a escolha da escalada de Johnson no Vietnã, considera as origens dessa decisão e discute maneiras pelas quais a estratégia da América para o Vietnã poderia ter sido melhorada. Essa escalada, assumindo a forma de aumento do poder aéreo e expansão da presença da força terrestre, revelou uma interpretação totalmente equivocada do ambiente operacional e a incapacidade de interromper uma guerra que não deveria ter sido iniciada. Em última análise, a decisão de Johnson de escalar a guerra refletiu um fracasso mais amplo do estabelecimento da política externa americana, no qual as divisões internas impediram uma compreensão abrangente do inimigo, levando a anos de compromisso com uma guerra infrutífera e destrutiva.

Tonkin, Política e Preparação para a Escalada

No campo da formulação da estratégia americana, o comandante-em-chefe desempenha um papel indispensável, recorrendo a conselheiros civis e militares para, em última instância, elaborar a estratégia militar que é formada na busca de uma agenda de política externa mais ampla. Compreender a ascensão de Lyndon Johnson à presidência, portanto, é essencial para compreender sua decisão de 1965 de escalar a guerra no Vietnã. O caso de Lyndon B. Johnson é distinto, dado o fato de que ele foi repentinamente colocado na responsabilidade de desenvolver a estratégia americana em 1963, após o assassinato de John F. Kennedy. Como vice-presidente, Johnson estava “mais ou menos afastado da política do Vietnã e das relações exteriores em geral”, segundo o historiador Ed Miller, de Dartmouth.[2] Como resultado, a escalada da própria guerra de Kennedy, na forma de maior ajuda e apoio de conselheiros militares americanos, ocorreu sem a contribuição ou consideração de Johnson. Consequentemente, menos de um ano após o assassinato de Kennedy, um Johnson inexperiente enfrentou uma encruzilhada no conflito.

[2] Adam Wernick, “LBJ sabia que a Guerra do Vietnã era um desastre em formação. Veja por que ele não conseguiu sair dali.” PRI, 8 de setembro de 2017, https://www.pri.org/stories/2017-09-08/lbj-knew-vietnam-war-was-disaster-making-heres-why-he-couldnt-walk-away.

A primeira semana de agosto de 1964 foi a semana mais importante na preparação para a escalada de Johnson no Vietnã. Em 2 de agosto, o USS Maddox foi atacado por torpedos norte-vietnamitas. Dois dias depois, a tecnologia de radar americana parecia ter detectado outro possível ataque. No entanto, uma análise retrospectiva das evidências sugere que a probabilidade do segundo ataque foi amplamente exagerada, senão for fabricada, levando a ameaça percebida a ser rotulada de "Tonkin Spook".[3] Embora os historiadores tenham especulado por décadas a respeito da veracidade de um segundo ataque, documentos recentemente desclassificados mostram que ele, de fato, não ocorreu e, em vez disso, sugerem que o secretário de Defesa Robert McNamara pode ter distorcido intencionalmente as evidências em um esforço para enganar o Congresso.[4] Além disso, embora McNamara e Johnson admitissem em particular que as operações secretas dos EUA provavelmente tenham provocado o ataque ao Maddox pelos norte-vietnamitas, o governo enquadrou publicamente a situação como uma exibição injustificada de agressão.[5] Esse enquadramento foi manipulado para racionalizar um maior envolvimento americano no conflito. Em 4 de agosto, Johnson anunciou em rede nacional de televisão: “Atos repetidos de violência contra as forças armadas dos Estados Unidos devem ser enfrentados não apenas com uma defesa alerta, mas com uma resposta positiva”.[6] À luz da retórica e postura do governo Johnson, o Congresso aprovou imediatamente e de forma esmagadora a Resolução do Golfo do Tonkin, autorizando o Presidente Johnson a usar força militar convencional no Vietnã e no Sudeste Asiático.

[3] Edwin E. Moïse, "Tonkin Gulf and the Escalation of the Vietnam War," (Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2004), pg 113.

[4] Lieutenant Commander Pat Paterson, “The Truth About Tonkin,” Naval History Magazine, U.S. Naval Institute, fevereiro de 2008, https://www.usni.org/magazines/navalhistory/2008-02/truth-about-tonkin.

[5]The Tonkin Gulf,” Miller Center for Public Affairs, https://millercenter.org/the-presidency/educational-resources/tonkin-gulf.

[6] Lieutenant Commander (Capitão-de-Corveta) Pat Paterson.

[7]U.S. Involvement in the Vietnam War: The Gulf of Tonkin and Escalation, 1964,” Office of the Historian, U.S. Department of State, https://history.state.gov/milestones/1961-1968/gulf-of-tonkin.

Além do engano relacionado ao Tonkin, a atmosfera política que cercou o primeiro mandato abreviado de Johnson influenciou significativamente no processo fragmentado de formulação de estratégia que levou à escalada de 1965. O grau em que a política desempenhou um papel na formulação de política externa não é meramente um incidente tangencial, mas sim um componente central do legado de Johnson como estrategista. Durante o primeiro ano da presidência de Johnson, o objetivo de criar uma estratégia coerente para o Vietnã foi atrasado por questões eleitorais. Quando chegou a hora da decisão de quanta força aplicar, Johnson foi fortemente influenciado por sua agenda política doméstica. Em vez de desenvolver um plano sustentável para alcançar a vitória no Vietnã, o processo de tomada de decisão inicial de Johnson foi manchado por outras considerações. Em primeiro lugar, ele se via simplesmente como “um [presidente] herdado” que “deve ganhar uma eleição” para ter qualquer legitimidade.[8] Temendo que uma força extensa diminuísse o apoio à sua Grande Sociedade (projeto Great Society), o presidente decidiu que uma força militar massiva não era uma opção viável.[9] Essas preocupações foram exacerbadas por sua campanha de 1964 contra o candidato republicano aparentemente agressivo, Barry Goldwater. Durante um telefonema com McNamara, Johnson lamentou que os céticos da sua agenda de política externa “querem ter a maldita certeza de que somos firmes, é isso que todo o país quer, porque Goldwater está falando muito mal de como vai mandá-los explodi-los até a lua."[10] No final, a eleição de 1964 acabou sendo “um poderoso dissuasor para Johnson tomar qualquer ação definitiva em relação ao compromisso americano no Vietnã”.[11] Em vez de tentar alguma aparência de pensamento estratégico, a administração Johnson tropeçou ainda mais no conflito, ao mesmo tempo em que recebia mais autorização por meio da Resolução do Golfo do Tonkin para expandir o envolvimento dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã.

[8] Lyndon Johnson qtd. in Bill Moyers, “LBJ’s Path to War, Part I,” PBS, 20 de novembro de 2009, http://www.pbs.org/moyers/journal/11202009/watch2.html.

[9] Mark Clodfelter.

[10] Walter Cronkite, “Gulf of Tonkin's Phantom Attack,” NPR, 2 de agosto de 2004, https://www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=3810724.

[11] Gordon M. Goldstein, "Lessons in Disaster: Mcgeorge Bundy and the Path to War in Vietnam", edição re-impressa. (New york: Holt Paperbacks, 2009), pg 98.

O Secretário de Estado Dean Rusk, o Presidente Lyndon B. Johnson e o Secretário de Defesa Robert McNamara em uma reunião na Casa Branca, em 9 de fevereiro de 1968 (Yoichi Okamoto/ Biblioteca LBJ).

A discórdia burocrática na administração Johnson

Além da influência corruptora acima mencionada das ambições eleitorais de Johnson, a profunda desunião na administração de Johnson desempenhou um papel pronunciado na formulação da estratégia americana, tanto na preparação quanto na execução da escalada. Em um nível básico, os líderes militares e civis geralmente discordavam sobre como escalar o conflito. Enquanto os conselheiros civis apoiavam uma abordagem de escalada gradual do poder aéreo, os líderes militares pressionavam continuamente por mais bombardeios.[12] Ainda assim, a discórdia no processo de formulação de políticas estendeu-se muito além dessa discordância sobre a implementação da estratégia. Em 1964, o Presidente Johnson começou a presidir fóruns de almoço de terça-feira em que os principais conselheiros civis Dean Rusk (Secretário de Estado), McGeorge Bundy (Conselheiro de Segurança Nacional) e Robert McNamara formaram em grande parte a política de segurança nacional do governo sem a presença de um único oficial militar.[13]


[12] Robert Pape, pg 177.

[13] H.R. McMaster, "Dereliction of Duty: Lyndon Johnson, Robert Mcnamara, the Joint Chiefs of Staff, and the Lies That Led to Vietnam", (New York: Harper Perennial, 1998), pg 88.

Por causa dessa estrutura, os Chefes Conjuntos do Estado-Maior (Joint Chiefs of Staff) ficavam freqüentemente totalmente isolados do processo de tomada de decisão com relação ao Vietnã. Além do que pode ser classificado como uma exclusão mais passiva, McNamara trabalhou ativamente para eliminar todos os meios de comunicação entre o Presidente Johnson e o Estado-Maior Conjunto.[14] Os chefes conjuntos reconheceram esse isolamento e procuraram eliminar o grau em que os objetivos políticos interferiam nos interesses estratégicos. Em um memorando de 1964 à liderança civil, os chefes conjuntos identificaram e renunciaram às "restrições auto-impostas" colocadas pelo governo Johnson no bombardeio aéreo do Vietnã do Norte.[15] Esse relacionamento tenso continuou em 1965, quando a liderança civil não apenas rejeitou a possibilidade de opções estratégicas alternativas, mas também ignorou as críticas ao plano civil proposto para escalada por meio de pressão gradativa.

[14] H.R. McMaster, pg 90.

[15] Gordon M. Goldstein, pg 98.

O impacto dessa relação insalubre entre a liderança civil e militar provou ser profundamente conseqüente. O esforço de McNamara para distanciar o Presidente Johnson dos conselheiros militares também significou que o próprio McNamara limitou sua exposição à perspectiva e às críticas das forças armadas. Como resultado, quando os oficiais militares realizaram o jogo de guerra SIGMA I-64, McNamara não foi exposto à conclusão condenatória da simulação: que sua estratégia de pressão graduada via poder aéreo não poderia acabar com o apoio norte-vietnamita ao Viet Cong.[16] Compreender a política interna da administração Johnson, portanto, não serve apenas como contexto, mas também como parte da explicação de onde a estratégia de escalada deu errado. Reconhecer as relações de má-fé entre os membros do governo é um pré-requisito para avaliar por que a estratégia de Johnson para o Vietnã não teve sucesso. Impulsionado inicialmente pelas circunstâncias eleitorais domésticas, Johnson estava totalmente despreparado para escalar estrategicamente o conflito. Quando ele finalmente começou a preparação para a escalada, as lutas internas burocráticas impediram um processo claro de tomada de decisão que considerasse os avisos de oficiais militares, tais como aqueles que conduziram o jogo de guerra SIGMA I-64.

[16] H.R. McMaster, pg 90.

O Presidente Lyndon B. Johnson com o General Earle Wheeler, presidente dos Chefes Conjuntos do Estado-Maior (Joint Chiefs of Staff); o General Westmoreland; e Robert S. McNamara, secretário de defesa, em 1967. (AP)

A estratégia

No final dos anos 1940, George Kennan introduziu a ideia de contenção que influenciaria a grande estratégia americana durante a Guerra Fria.[17] Este conceito, conforme articulado por Kennan, sustentava que "o principal elemento de qualquer política dos Estados Unidos em relação à União Soviética deve ser um paciente de longo prazo, mas uma contenção firme e vigilante das tendências expansivas russas".[18] Ao longo da segunda metade do século XX, o conceito de contenção foi entendido de várias maneiras, incluindo a interpretação de que a força militar americana era necessária para impedir a disseminação do comunismo. A contenção de Kennan foi reforçada pelo desenvolvimento da Teoria do Dominó, em que a queda de um país asiático para o comunismo levaria à dominação comunista de todo o continente. Este contexto político mais amplo é crucial para a compreensão da estratégia formulada pela administração Johnson. De acordo com o secretário de Defesa dos EUA, Robert McNamara, conforme articulado em 1965, a estratégia americana no Vietnã era:

"...convencer os norte-vietnamitas de que sua ação de guerrilha inspirada, dirigida e apoiada pelos comunistas para derrubar o governo estabelecido no Sul não pode ser realizada, e então negociar pela paz e segurança futuras daquele país."[19]

[17] William Martel, “America's Grand Strategy Disaster,” The National Interest, 9 de junho de 2014, https://nationalinterest.org/feature/americas-grand-strategy-disaster-10627.

[18] X (George F. Kennan), “The Sources of Soviet Conduct,” Foreign Affairs (julho de 1947), https://www.foreignaffairs.com/articles/russian-federation/1947-07-01/sources-soviet-conduct.

[19] Robert McNamara qtd. in Major James M. Bright, “A Failure in Strategy: America and the Vietnam War 1965-1968,” (master's thesis, United States Marine Corps Command and Staff College, 2000 - 2001), https://apps.dtic.mil/dtic/tr/fulltext/u2/a401184.pdf.

Com esse objetivo em mente, após a autorização do Congresso recebida no verão anterior, Johnson começou a enviar forças terrestres americanas para o Vietnã. Esse processo começou em abril, e a presença de tropas americanas rapidamente subiu para 175.000 em julho.[20] O ponto crucial da escalada americana, entretanto, viria na forma do poder aéreo. Defensores do poder aéreo, como o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, Curtis LeMay, argumentaram que essa forma de guerra poderia ser usada para atingir o objetivo estratégico com baixo custo para os Estados Unidos.[21] A implementação da estratégia de McNamara, portanto, está apropriadamente incorporada na campanha do poder aéreo conhecida como Operação Rolling Thunder.


[20] Michael H. Hunt, "Lyndon Johnson's War: America's Cold War Crusade in Vietnam, 1945-1968", (Hill and Wang Critical Issues), Reprint ed. (New York: Hill and Wang, 1997), 93.

[21] Kyle Staron, “The Airpower Partisans Get It Wrong Again,” War on the Rocks, 17 de setembro de 2015, https://warontherocks.com/2015/09/the-airpower-partisans-get-it-wrong-again/.

Poder aéreo americano: lutando a última guerra?

Menos de um ano após o pedido de Johnson ao Congresso por mais tropas no Vietnã, a Operação Rolling Thunder começou. Combinado com a posterior Operação Linebacker, os aviões americanos lançaram um milhão de toneladas de bombas no Vietnã do Norte.[22] Embora implementada de acordo com a estratégia delineada por McNamara, a tentativa do governo Johnson de coagir Hanói por meio de um poder aéreo maciço inquestionavelmente falhou. A Rolling Thunder ajudou a contribuir para o prolongamento do conflito em quatro anos, durante os quais aproximadamente 20.000 americanos* e centenas de milhares de vietnamitas foram mortos.[23] Como sua estratégia militar de guerra de guerrilha era imune a ataques aéreos convencionais, os norte-vietnamitas não podiam ser coagidos a cessar o fornecimento à insurgência sulista e se juntar aos Estados Unidos e ao Vietnã do Sul para negociações de paz.[24]


[22] Mark Clodfelter, “The Limits of Airpower or the Limits of Strategy: The Air Wars in Vietnam and Their Legacies,” Joint Forces Quarterly 78 (3rd Quarter 2015), https://ndupress.ndu.edu/Portals/68/Documents/jfq/jfq-78/jfq-78_111-124_Clodfelter.pdf.

[23] Robert A. Pape, "Bombing to Win: Air Power and Coercion in War," (Ithaca, N.Y.: Cornell University Press, 1996), pg 174.

[24] Robert A. Pape, pg 175.

Em 1929, o tenente-coronel do Exército JL Schley escreveu sobre uma "tendência em muitos exércitos de passar o tempo de paz estudando como lutar a última guerra".[25] A incapacidade dos Estados Unidos de reformar suas expectativas em relação às possibilidades da doutrina do poder aéreo americano entre a Guerra da Coréia e a do Vietnã foi um aspecto crucial do fracasso estratégico durante a Guerra do Vietnã. Como uma guerra híbrida que incluía elementos de guerra assimétrica e convencional, o Vietnã marcou um afastamento significativo do estilo de conflito em duas Guerras Mundiais e na Guerra da Coréia, que foram travadas com meios convencionais. A memória desses conflitos pesou muito na cultura institucional das forças armadas americanas e na mente do Presidente Lyndon B. Johnson. Em 1965, antes da escalada da guerra, Johnson observou ao Secretário de Defesa Robert McNamara que estava preocupado em ser "amarrado em uma Terceira Guerra Mundial ou em outra ação coreana".[26] Essa memória contribuiu para suposições que, em última análise, ajudaram a criar o fracasso da escalada do poder aéreo. De acordo com o coronel da Força Aérea Dennis M. Drew, a aplicação da doutrina do poder aéreo americano no Vietnã baseou-se em duas premissas errôneas: primeiro, que a guerra era inerentemente travada para destruir a capacidade do inimigo de travar guerra e, segundo, que as guerras americanas sempre seriam travadas contra nações industrializadas.[27] No entanto, no caso do Vietnã, nenhuma dessas suposições era verdadeira. Em contradição com a doutrina que se originou na década de 1920 com o pensamento de Billy Mitchell, o uso do poder aéreo pelos Estados Unidos no Vietnã não era ilimitado e não visava centros vitais de população e produção.[28] Conseqüentemente, a estratégia de bombardeio aéreo não teve o efeito coercitivo sobre os norte-vietnamitas que o governo Johnson previa.

[25] Tenente-Coronel J.L. Schley, “Some Notes On the World War,” The Military Engineer 21 (1929): pg 55, https://books.google.com/books?id=kPdKAQAAIAAJ&focus=searchwithinvolume&q=Schley.

[26] Lyndon Johnson qtd. in Bill Moyers, “LBJ’s Path to War, Part I,” PBS, 20 de novembro de 2009, http://www.pbs.org/moyers/journal/11202009/watch2.html.

[27] Coronel Dennis M. Drew, “Rolling Thunder 1965: Anatomy of a Failure,” Airpower Research Institute (outubro de 1986), https://apps.dtic.mil/dtic/tr/fulltext/u2/a215903.pdf.

[28] Coronel Dennis M. Drew.

Aviões F-105 Thunderchiefs bombardeando por radar seguindo a instrução de um líder B-66. (Wikimedia)

Demonstrando o grau em que a política do governo Johnson não foi estabelecida de forma cuidadosa ou concreta, o governo mudou de forma relativamente rápida a meta declarada da Operação Rolling Thunder após notar um fracasso em forçar os norte-vietnamitas a aceitarem um compromisso. Partindo de uma abordagem essencialmente coercitiva, a Rolling Thunder também se tornou uma tentativa de interdição de pessoal e material do Vietnã do Norte para o Sul.[29] Este objetivo também falhou, pois a infiltração de fronteira provavelmente aumentou ao longo da campanha de bombardeio aéreo.[30] Esses dois fracassos da Rolling Thunder, e a estratégia de Johnson de forma mais ampla, refletem uma falha na estratégia americana e uma tendência de projetar uma visão americana do conflito. Como a liderança americana via a Guerra do Vietnã exclusivamente como parte de uma Guerra Fria maior, ela falhou em reconhecer que as guerras civis raramente terminam por meio de concessões, devido à natureza pessoal e amarga do conflito.[31] No final das contas, a Rolling Thunder ainda aumentou a beligerância do Vietnã do Norte e diminuiu a probabilidade de um acordo de paz negociado.[32] O governo Johnson não estava preparado para adaptar o poder aéreo americano do seu propósito original de guerra convencional e ilimitada ao estilo híbrido do Vietnã. Consequentemente, a Rolling Thunder - um aspecto crucial da escalada de 1965 - não teve sucesso.

[29] Coronel Dennis M. Drew.

[30] Coronel Dennis M. Drew.

[31] Coronel Dennis M. Drew.

[32] Major James Bright.

Escalada e guerra terrestre

Em meados de 1965, a Operação Rolling Thunder claramente falhou em cumprir seu objetivo estratégico. Como resultado, o General William Westmoreland solicitou um aumento das tropas americanas para lutar a guerra terrestre no Vietnã do Sul, na esperança de mais do que dobrar o comprometimento das forças americanas.[33] Johnson finalmente decidiu a favor do recurso de Westmoreland. Esta decisão de se comprometer com o envio adicional de tropas terrestres reflete a loucura estratégica em duas frentes. Primeiro, Johnson colocou um peso indevido sobre a necessidade de mergulhar ainda mais na guerra em nome do aliado sul-vietnamita da América. Ao pesar a possibilidade de enviar mais tropas terrestres para o Vietnã, Johnson sentiu a pressão do público doméstico e internacional.[34] No front doméstico, ele se preocupou com as ramificações legislativas de ser visto como sem credibilidade. No início de 1966, Johnson admitiu ao senador Eugene McCarthy que "sabia que [a América] não deveria estar lá", mas recusou o risco de ser conhecido como "o arquiteto da rendição".[35] Além disso, Johnson se preocupava, no contexto mais amplo da Guerra Fria, que recusar-se a intensificar a guerra terrestre no Vietnã seria um sinal ruim para os aliados da América em todo o mundo.[36] No entanto, essa defesa para a escalada da guerra não parece ser confirmada empiricamente. De acordo com os cientistas políticos Daryl Press e Jennifer Lind, “Há poucas evidências que apóiem a visão de que o histórico dos países em manter compromissos determina sua credibilidade.”[37] Johnson, portanto, provavelmente estava equivocado em seu argumento de que os Estados Unidos precisavam escalar a guerra para proteger o grande objetivo estratégico de contenção global do comunismo. Embora certamente não seja sábio abandonar aliados de forma consistente, também é importante não prolongar um conflito que não pode ser vencido. Com relação à pressão interna, simplesmente não há desculpa de uma perspectiva estratégica para se engajar em uma guerra improdutiva para manter uma imagem política. O aumento equivocado de tropas terrestres de Johnson acabou apenas levando a mais sofrimento, sem uma chance realista de alcançar a vitória estratégica.

[33] David Coleman e Marc Selverstone, “Lyndon B. Johnson and the Vietnam War,” Miller Center’s Presidential Recordings Program, acessado em 13 de dezembro de 2018, https://prde.upress.virginia.edu/content/Vietnam.

[34] David Coleman e Marc Selverstone.

[35] Lyndon B. Johnson qtd. in David Coleman e Marc Selverstone.

[36] David Coleman e Marc Selverstone.

[37] Daryl Press e Jennifer Lind, “Red Lines and Red Herrings,” Foreign Policy, 6 de maio de 2013, https://foreignpolicy.com/2013/05/06/red-lines-and-red-herrings/.

Em segundo lugar, a decisão de Lyndon Johnson de abdicar de seu papel no processo de formulação de estratégias e permitir que o General William Westmoreland tomasse as rédeas marca uma decisão irresponsável na qual ele indica ainda um desinteresse em desenvolver uma estratégia coerente para o Vietnã. No início, a consideração de Johnson de escalar a guerra terrestre realmente representou um afastamento de suas experiências anteriores na elaboração de estratégias e políticas. Em vez de se isolar mais uma vez, o presidente convocou um grupo de estudos de líderes das comunidades científica, acadêmica e diplomática, além de um grupo de figuras políticas bipartidárias.[38] No entanto, do grupo convocado, o único dissidente foi o Subsecretário de Estado George Ball. O consenso quase unânime alcançado pelo grupo de estudo convenceu Johnson a escalar ainda mais.[39] Assim que Johnson expandiu o comprometimento das tropas terrestres americanas, no entanto, a liderança civil abandonou sua responsabilidade de continuar a elaborar a estratégia. Na verdade, James McAllister afirma que não há evidências "para sugerir que o presidente e seus conselheiros civis dirigiram Westmoreland sobre como ele deveria lutar dentro das fronteiras do Vietnã do Sul."[40] Independentemente da avaliação de alguém sobre o uso desse poder por Westmoreland, certamente é um reflexo da incapacidade de Johnson de melhorar sua estratégia à medida que a guerra continuava, apesar da sua disposição de intensificar o conflito. Clausewitz argumenta que “a guerra consiste em uma interação contínua de opostos”, e a estratégia não pode ter sucesso como uma entidade estática.[41] Quando a escalada do governo Johnson por meio do poder aéreo falhou, ele deveria ter reavaliado mais deliberadamente suas capacidades estratégicas. Em vez disso, Johnson tomou a decisão de simplesmente expandir o papel da América no conflito e fornecer a Westmoreland a capacidade de travar a guerra terrestre como bem entendesse. Essa negligência quanto à importância de elaborar uma estratégia dinâmica, além de sua propensão a sucumbir à pressão infundada, demonstra a fraqueza da abordagem de Johnson para a estratégia durante o período de escalada.

[38] David Coleman e Marc Selverstone.

[39] David Coleman e Marc Selverstone.

[40] James McAllister, “Who Lost Vietnam? Soldiers, Civilians, and U.S. Military Strategy,” International Security, Vol. 35, No. 3 35, no. 3 (Winter 2010/2011): pg 104, https://www.jstor.org/stable/pdf/40981253.pdf?refreqid=excelsior%3Ac34201b5ae3772947c0f52acc112e963.

[41] Clausewitz, Carl (Michael Howard and Peter Paret, Eds.) Von, On War, edição re-impressa, (Princeton, NJ: Princeton Univ Pr, 1984), pg 136.


Opções alternativas?

Dada a profundidade do fracasso alcançado pelos formuladores de estratégia americanos no Vietnã, é crucial não apenas abordar as decisões equivocadas, mas também sondar se havia ou não possibilidades estratégicas melhores do que aquela que foi escolhida. A apresentação de avaliações contrafactuais pode provar ser uma abordagem valiosa ao analisar o fracasso estratégico e a história militar americana. Essa abordagem, entretanto, deve ser empreendida com o reconhecimento de que a visão retrospectiva quase sempre é muito mais clara do que o ambiente em que ocorreu o erro estratégico. Por exemplo, Lyndon B. Johnson herdou um conflito no qual os Estados Unidos haviam acabado de apoiar a derrubada de Ngo Dinh Diem, aumentando significativamente a responsabilidade e o compromisso da América com o agora Vietnã do Sul sem líder.[42] No entanto, embora Johnson tenha enfrentado pressão ao entrar no cargo, o contexto de sua presidência não pode desculpar os erros estratégicos que foram cometidos.

[42] Max Boot, "The Road Not Taken: Edward Lansdale and the American Tragedy in Vietnam," (New York: Liveright, 2018), pg 3.

Partindo da estratégia da administração Johnson de coerção do Vietnã do Norte por meio do uso do poder aéreo americano, o agente de alto escalão da CIA, Edward Lansdale, propôs o caminho alternativo de "construir instituições sul-vietnamitas legítimas, democráticas e responsáveis que pudessem conquistar a lealdade do povo”.[43] Em contraste com a decisão de 1965 de escalar, Lansdale considerou o comprometimento das tropas terrestres americanas uma distração do imperativo político. Embora a perspectiva de Landsdale pareça preferível à escalada fracassada de Johnson em 1965, essa abordagem também deve ser avaliada com ceticismo. Embora fosse tentador construir uma estratégia em torno do desenvolvimento de instituições democráticas, a exportação cega dos sistemas políticos ocidentais provavelmente teria sido mal-sucedida. O chamado Lansdalismo subestimou a força do nacionalismo vietnamita e a visão prevalecente no Sul da América como um ocupante.[44] Além disso, a suposição de que os sul-vietnamitas aceitariam automaticamente o estabelecimento de instituições políticas americanas é duvidosa, na melhor das hipóteses. Lembre-se de que, em 1954, os Estados Unidos inauguraram a liderança de Ngo Dinh Diem, apenas para apoiar um golpe contra Diem nove anos depois.[45] Os sul-vietnamitas enfrentaram as consequências brutais da guerra e há poucos motivos para acreditar que a confiança sul-vietnamita nas instituições políticas americanas teria sido forte o suficiente para tornar a abordagem de Landsdale viável.

[43] Max Boot, pg 8.

[44] Catharin Dalpino, “The Other Vietnam Syndrome,” Brookings Institution, 23 de abril de 2003, https://www.brookings.edu/opinions/the-other-vietnam-syndrome/.

[45] Catharin Dalpino.

Por que, então, considerar a abordagem alternativa de Edward Lansdale? Esta análise vale a pena porque as fraquezas do plano de Lansdale compartilham as mesmas falhas da administração Johnson: um mal-entendimento fundamental tanto do inimigo quanto do ambiente operacional. O sudeste da Ásia era tão estranho para o sistema de segurança nacional americano que o secretário de Defesa Robert McNamara certa vez zombou que os Estados Unidos estavam “estabelecendo uma política para uma região que era terra incógnita”.*[46] A estratégia está fadada ao fracasso se aqueles que a concebem virem o conflito de uma perspectiva exclusivamente americana. Em teoria, como a doutrina do poder aéreo americana e a guerra convencional trouxeram sucesso nos conflitos anteriores do século 20, ela deveria ter tido sucesso contra um oponente materialmente inferior no Vietnã. No entanto, essa linha de pensamento, conforme aplicada ao Vietnã, revela os limites de uma concepção estereotipada de estratégia como a combinação de fins, formas e meios. Como Estrategista do Exército, o Major M.L. Cavanaugh afirma que este modelo de pensamento “minimiza o adversário”.[47] Em vez de confiar na primazia do poderio militar americano, Johnson deveria ter considerado os desafios apresentados por um inimigo que pensa e reage.[48]

*Nota do Tradutor: O comentário foi feito em inglês fazendo uso do latim, “setting policy for a region that was terra incognita".


[46] Robert McNamara qtd. in Coronel Dennis M. Drew.

[47] Major ML Cavanaugh, “It’s Time to End the Tyranny of Ends, Ways, and Means,” Modern War Institute at West Point, 24 de julho de 2017, https://mwi.usma.edu/time-end-tyranny-ends-ways-means/.

[48] Edward N. Luttwak, "Strategy: The Logic of War and Peace," edição revisada, (Cambridge, Mass.: Belknap Press, 2002).

Finalmente, alguns historiadores revisionistas afirmam que o erro de Johnson foi, na verdade, muito pouca escalada de força no Vietnã. Essa linha de pensamento, entretanto, não resiste a um exame minucioso. Ao assumir a possibilidade de sucesso por meio do poder aéreo sustentado e de um desdobramento ainda maior de forças terrestres, esse campo também ignora de maneira crucial a vontade política superior dos norte-vietnamitas. O historiador George Herring conclui sucintamente que "a guerra [não] poderia ter sido 'vencida' em qualquer sentido significativo a um custo moral ou material que a maioria dos americanos considerou aceitável".[49] Sem uma ocupação ainda mais mortal e custosa, a vitória era improvável. Qualquer vitória teria custado o interesse nacional da América e resultado em ainda mais baixas vietnamitas.

[49] George Herring qtd. in Gian Gentile, “A Better Understanding of the Vietnam War,” Small Wars Journal, http://smallwarsjournal.com/blog/journal/docs-temp/318-gentile.pdf.

Enquanto hospedava o Secretário de Defesa Robert McNamara no Rancho LBJ, em 22 de dezembro de 1964, o Presidente Lyndon B. Johnson reage à notícia de novos problemas no Vietnã. (Corbis)

Conclusão

Quando a Guerra do Vietnã terminou em 1975, o conflito contribuiu para a morte de mais de um milhão de soldados e civis vietnamitas e 58.000 militares americanos. Johnson, prejudicado pela política burocrática e eleitoral, entendeu completamente mal o inimigo, condenando a possibilidade de alcançar o objetivo político de um acordo de paz negociado nos termos da América. As implicações de tal fracasso estratégico massivo são evidentemente amplas. O impacto dos erros cometidos no Vietnã influenciou as forças armadas e a sociedade americanas de forma mais ampla por décadas. Em vez de realizar uma sucessão incoerente de operações em 1964 antes de tropeçar na escalada no ano seguinte, Johnson e seus conselheiros civis deveriam ter abraçado as críticas de seus colegas militares e reconhecido que sua estratégia de pressão gradativa simplesmente não seria eficaz nesta guerra híbrida. Infelizmente, esse não foi o curso seguido por Johnson, e americanos e vietnamitas pagaram o preço.

Joseph Stabile é candidato a mestrado no Programa de Estudos de Segurança da Georgetown University. Ele também concluiu seu curso de graduação na Escola de Serviço de Relações Exteriores de Georgetown.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:






Leitura recomendada:



Nenhum comentário:

Postar um comentário