sábado, 29 de maio de 2021

Na Síria, Bashar Al-Assad foi reeleito presidente com 95,1% dos votos


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de maio de 2021.

Em um país arruinado por mais de uma década de guerra, ele ganhou um quarto mandato em uma eleição antecipada. Informações do Le Monde e da AFP.

Bashar Al-Assad foi sem surpresa reeleito presidente da Síria para um quarto mandato em uma votação realizada em áreas controladas pelo governo em um país em crise econômica devastada por uma década de guerra. Uma reeleição que Moscou, aliada da Síria, descreveu na sexta-feira (28/05) como uma "vitória convincente" e "um passo importante para fortalecer a estabilidade" do país.

Em uma entrevista coletiva à noite na quinta-feira, 27 de maio, o Presidente do Parlamento, Hammoud Sabbagha, anunciou que Assad havia sido reeleito com 95,1% dos votos. Segundo Sabbagha, participaram da votação 14,2 milhões de pessoas, das 18,1 milhões teoricamente convocadas para votar, ou seja, uma taxa de participação de 76,64%.


Levado ao poder em 2000, sucedendo seu pai, Hafez, que morreu após trinta anos de governo incontestado, Assad criticou ocidentais, Washington e europeus na terça-feira por julgarem que a eleição não era livre. Em 2014, ele obteve mais de 88% dos votos, de acordo com o resultado oficial.

Em Damasco, milhares de apoiadores de Bashar Al-Assad se reuniram na Praça Umayyad, agitando bandeiras sírias e retratos do presidente, entoando slogans à sua glória e dançando.

Antes mesmo dos resultados oficiais serem anunciados, com o término da contagem dos votos, dezenas de milhares de sírios já haviam se reunido em várias cidades do país. Na cidade portuária de Tartus (oeste), em meio a bandeiras e retratos, alguns dançavam batendo em tambores, segundo imagens veiculadas pela televisão síria. Milhares de pessoas também se reuniram na cidade costeira de Latakia e na Praça Umayyad em Damasco. Em Soueida, cidade no sul do país, uma multidão também se aglomerou em frente ao prédio da governadoria, enquanto em Aleppo os homens terminaram de armar uma plataforma.


Esta é a segunda eleição presidencial desde o início de uma guerra devastadora em 2011, envolvendo uma multidão de beligerantes e potências estrangeiras. Nascido da repressão às manifestações pró-democracia da Primavera Árabe, este conflito deixou mais de 388.000 mortos. A luta agora diminuiu significativamente em intensidade.

Se, oficialmente, o país tem pouco mais de 18 milhões de eleitores, seu número é, na verdade, menor, pois a guerra dividiu o país e fez com que milhões de pessoas fugissem para o exterior.

"Suas opiniões não valem nada"


Em um país com infraestrutura em ruínas, Bashar Al-Assad se apresenta como o homem da reconstrução, depois de ter colecionado vitórias militares desde 2015 com o apoio de seus aliados Rússia e Irã, conquistando dois terços do território. As regiões autônomas curdas do nordeste ignoraram a votação. Assim como a última grande fortaleza jihadista e rebelde de Idlib (noroeste), onde vivem cerca de três milhões de pessoas.

A eleição foi realizada em meio a uma crise econômica, com depreciação cambial histórica, inflação galopante e mais de 80% da população vivendo na pobreza, segundo as Nações Unidas. A Síria, como o próprio Assad, é alvo de sanções internacionais. E as necessidades de reconstrução são enormes. Um relatório recente da ONG World Vision estima o custo econômico da guerra em mais de US$ 1,2 trilhão (pouco mais de US$ 1 trilhão).


Duas personalidades consideradas fantoches se apresentaram contra Bashar Al-Assad: o ex-ministro e parlamentar Abdallah Salloum Abdallah e um integrante da oposição tolerada pelo governo, Mahmoud Marei.

A votação excluiu de fato as figuras da oposição muito enfraquecidas no exílio, com a lei eleitoral exigindo que os candidatos tenham vivido na Síria por dez anos consecutivos. "Suas opiniões não valem nada", disse Assad esta semana, dirigindo-se aos países ocidentais, que acreditavam que a eleição "não foi livre nem justa".

Bibliografia recomendada:

Arabs at War:
Military Effectiveness, 1948-1991.

Leitura recomendada:




Nenhum comentário:

Postar um comentário