quinta-feira, 20 de maio de 2021

ISIS no Iraque: enfraquecido porém ágil


Por Raed Al-Hamid, Newlines Institute for Strategy and Policy, 18 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de maio de 2021.

O Estado Islâmico (EI / ISIS) aumentou significativamente suas operações no ano passado, após uma reorganização que o levou a se concentrar na criação de grupos móveis de combatentes para conduzir ataques em menor escala. Compreender como ele está se reconstituindo como força insurgente e nesses estágios iniciais é fundamental para prevenir seu ressurgimento.

O ISIS nas áreas urbanas do Iraque parece ter reorganizado seus combatentes em pequenos subgrupos “móveis”. O grupo reformulou suas estratégias de luta de acordo com as novas realidades no terreno: um declínio em sua capacidade de lutar depois de perder líderes de primeira linha e milhares de combatentes em sua derrota territorial em 2017, sanções dos EUA em muitos de seus recursos financeiros e a diminuição da sua capacidade de recrutar e manter sangue novo. No entanto, o ISIS está intensificando suas atividades em áreas nas quais ainda tem influência, explorando os problemas internos do Iraque e utilizando o território geográfico conhecido.

Estimativas variáveis de combatentes do ISIS

Em agosto de 2020, quase dois anos após a derrota militar do grupo, a ONU estimou que mais de 10.000 combatentes do ISIS ainda operavam no Iraque e na Síria. Isso é semelhante a uma avaliação do final de 2019 das autoridades antiterrorismo na região do Curdistão do Iraque, que estimou 10.000 membros do ISIS no Iraque, 4.000-5.000 dos quais eram combatentes e o resto dos quais eram apoiadores e células adormecidas integradas às comunidades locais nas províncias de maioria sunita do oeste e noroeste do Iraque.

Esses números excedem em muito as estimativas da inteligência iraquiana, que estima o número de combatentes do ISIS no Iraque em 2.000-3.000, incluindo 500 combatentes que se infiltraram no país entre 859 combatentes que escaparam da detenção das Forças Democráticas da Síria em outubro de 2019.

Chamas e fumaça escura sobem após o ISIS ter como alvo dois poços de petróleo nº 183 e 177 no campo petrolífero de Bai Hassan em Kirkuk, Iraque, em 5 de maio de 2021. Vários seguranças foram mortos e feridos no ataque. (Ali Makram Ghareeb / Agência Anadolu)

Todas essas estimativas podem ser mais do que o número real de combatentes do ISIS que lançam ataques a alvos selecionados, armam emboscadas, plantam dispositivos explosivos, sequestram e assassinam líderes sociais e políticos e realizam outras operações de acordo com as prioridades estratégicas da organização. O ISIS conseguiu reviver essas operações três anos após sua derrota militar em seu último reduto na cidade iraquiana de Rawa, 90 quilômetros a leste da cidade de Al-Qaim, na fronteira com a Síria, em 17 de novembro de 2017.

Um estudo das operações de segurança contra o ISIS no Iraque mostra que a maioria não resulta na prisão ou morte de um grande número de combatentes do ISIS. Unidades militares de vários ramos das forças de segurança e da aliança de milícias xiitas das Forças de Mobilização Popular, incluindo unidades tribais, de várias províncias participam dessas operações, que são apoiadas pelas forças aéreas do Exército iraquiano e da coalizão internacional e cobrem grandes áreas de mais de uma província. Isso inclui, por exemplo, a operação “Leões da al-Jazeera”, lançada em maio de 2020 e abrangendo as províncias de Anbar, Ninewa e Salah al-Din. Essas operações muitas vezes descobrem túneis, que são - além das cavernas - locais essenciais, chamados madafat ou “casas de hóspedes”, para abrigar combatentes do ISIS, e encontrar cinturões explosivos e dispositivos explosivos improvisados (Improvised Explosive Device, IED).

As operações militares para combater as células do ISIS são desproporcionais aos resultados. O resultado oficialmente anunciado da campanha “Leões da al-Jazeera” resultou na prisão de dois suspeitos, a destruição de dois esconderijos, a detonação controlada de quatro artefatos explosivos, a desativação de uma casa com armadilha explosiva, a destruição de um túnel , e a apreensão de duas motocicletas.

Na província de Anbar, de acordo com os resultados oficiais anunciados pela Célula de Mídia de Segurança do Ministério da Defesa, as forças de segurança que participam da “Leões da al-Jazeera” anunciaram em 1º de outubro de 2020 que três combatentes do ISIS foram mortos em um dos túneis em que encontraram projéteis de vários tipos em números modestos.

Na província de Salah al-Din, após uma série de operações para limpar a cordilheira Makhoul, a Célula de Mídia de Segurança anunciou em novembro de 2020 que havia encontrado cinco túneis e alguns equipamentos militares, mas não prendeu ou matou nenhum dos combatentes da organização.


As notas à imprensa sobre essas operações de segurança não indicam que um número significativo de combatentes do ISIS foi morto, nem indicam que ocorreram confrontos entre as forças de segurança e os combatentes do ISIS, exceto em casos raros. Eles revelam a destruição de abrigos, armas e equipamentos de combate que a organização havia armazenado em áreas desérticas e montanhosas, uma vez que o ISIS percebeu que a derrota era inevitável.

As forças de segurança, incluindo unidades das Forças de Mobilização Popular, atribuem grande importância à dissociação do Iraque da Síria, de modo que não sirva como um campo de batalha singular para o ISIS ao restringir o movimento transfronteiriço de combatentes e armas. Dessa forma, buscam evitar a infiltração de combatentes do ISIS da Síria no Iraque, já que esses combatentes se escondem nos desertos de Anbar e Ninewa para se preparar para se deslocarem para áreas importantes para a organização em termos de segurança, como o Makhoul e cadeias de montanhas Hamrin em Salah al-Din. Ao mesmo tempo, as Forças de Mobilização Popular controlam a fronteira síria-iraquiana para facilitar seus próprios interesses, como comércio e fluxo de armas de e para a Síria.

As forças de segurança conseguiram proteger mais de 450 quilômetros dos 610 quilômetros da fronteira entre o Iraque e a Síria, cooperando com a Coalizão Internacional para instalar torres de vigilância, arame farpado e câmeras térmicas, além de drones de reconhecimento.

Distribuição Geográfica do ISIS

O uso crescente do ISIS de "grupos móveis" que realizam operações em diferentes áreas - muitas vezes longe de suas bases ou de abrigos como o madafat, que estão localizados em terrenos acidentados, cavernas rochosas ou túneis subterrâneos - significa que a presença real do grupo não pode ser julgado por suas reivindicações territoriais ou por anúncios das autoridades iraquianas.

Não mais preocupado em manter sua estrutura de wilayat (província), e por ignorar as divisões administrativas do governo federal, o ISIS depende puramente do terreno geográfico para planejar e executar suas atividades. Embora o grupo não esteja mais agindo como um estado como era durante os anos do califado de 2014 a 2018, seus comunicados de ataques ainda se referem ao wilayat como parte de sua estratégia de relações públicas.

Declarações de oficiais de segurança iraquianos indicam que a organização depende de bases remotas no deserto em Anbar, Ninewa, cadeias de montanhas, vales e pomares em Bagdá, Kirkuk, Salah al-Din e Diyala para abrigar seus combatentes e estabelecer monitoramento e pontos de controle para proteger as rotas de abastecimento. Também usa essas bases para estabelecer centros de comando e pequenos campos de treinamento, cavar túneis e explorar cavernas em áreas montanhosas.

A distribuição geográfica dos combatentes do ISIS pode ser inferida examinando as operações que ele lança contra as forças de segurança e as Forças de Mobilização Popular e Tribal. Esses combatentes estão distribuídos principalmente em “setores geográficos” sobrepostos em Anbar, Bagdá, Babil, Kirkuk, Salah al-Din, Ninewa e Diyala.

Áreas de foco do ISIS: O ISIS conseguiu tirar vantagem dos vácuos políticos e de segurança no Iraque e na Síria para se tornar mais ativo nos últimos meses. O grupo aumentou sua visibilidade em uma grande área do Iraque e em bolsões dentro da Síria.

O primeiro setor é uma extensão do deserto no leste da Síria. Constitui um ponto de encontro entre os combatentes do ISIS na Síria e no Iraque, que se deslocam de lá para Salah al-Din, que representa o principal ponto de comunicação terrestre da organização. Ele liga os grupos do ISIS vindos principalmente da Síria através de Anbar e depois se movendo para as províncias vizinhas: ao sul alcançando o cinturão norte de Bagdá, a leste a Diyala, ao norte em Kirkuk e a noroeste alcançando Ninewa. Este setor inclui as províncias de Anbar e Ninewa dentro de uma ampla área desértica intercalada com vales, cadeias de montanhas e corpos d'água.

Um dos vales mais importantes neste setor que o ISIS usa para abrigar seus combatentes é o Vale do Houran, que desce 350 quilômetros do território saudita e entra no Iraque, terminando no Eufrates perto de Albaghdadi. Outro é o Vale de Wadi Al-Ubayyid, que passa pela fronteira com a Arábia Saudita e o governo-geral de Anbar, na região fronteiriça de Arar, e termina no lago Razzaza, no governo-geral de Karbala, ao sul de Bagdá.

Este setor também inclui o deserto do distrito de Al-Baaj, a sudoeste de Mosul e 50 quilômetros a leste da fronteira com a Síria, e o deserto do distrito de Hatra, ao sul de Mosul. Essas duas áreas se sobrepõem geograficamente ao deserto de Anbar na região de Al-Qaim ao norte do rio Eufrates e incluem a cordilheira Badush, bem como o vale de Al-Tharthar e o lago Al-Tharthar, a nordeste de Anbar, próximo a província  de Salah Al-Din.

O segundo setor geográfico inclui áreas que se sobrepõem ao primeiro setor geográfico no sudeste de Ninewa e no noroeste de Salah al-Din. Inclui as áreas geográficas entre os distritos de Sharqat em Salah al-Din próximo a Kirkuk e Makhmur no sudeste de Ninewa perto de Kirkuk e Erbil, capital da região do Curdistão.

O terceiro setor geográfico é o mais importante para a organização e o centro das principais atividades do ISIS. Inclui as províncias de Salah al-Din, Kirkuk e Diyala, estendendo-se ao setor de Al Kateon e às áreas de Al-Muqdadiya, Khanaqin, Jalawla e Qarataba.

O setor apresenta vales como Zghitoun e Shay em Kirkuk, áreas agrícolas com densos pomares adequados para esconder e transportar combatentes do ISIS, armar emboscadas e plantar artefatos explosivos. Os grupos móveis do ISIS neste setor em Salah al-Din se sobrepõem a grupos em Diyala através das cadeias de montanhas Makhoul e Hamrin.

Além dos três setores geográficos principais, os grupos do ISIS estão presentes nas áreas do cinturão de Bagdá ocidental em Abu Ghraib e Radwaniyah e no cinturão de Bagdá do norte em Rashidiya, Tarmiyah e Al-Mashahidah. Eles também existem nas cidades de Balad e Samarra, no sul de Salah al-Din e ao sul de Bagdá na área de Jurf al-Sakhar, localizada 50 quilômetros a leste de Amiriyat al-Fallujah em Anbar.

Setores definidos do ISIS no Iraque até março de 2020.

As células do ISIS também estão presentes em áreas em disputa entre os governos iraquiano central e regional do Curdistão, onde a falta de coordenação de segurança dá à organização alguma liberdade de movimento. Isso foi especialmente verdadeiro depois que as forças peshmerga curdas evacuaram essas áreas em outubro de 2017 após a decisão do então primeiro-ministro Haydar al-Abadi de mover as forças de segurança iraquianas e as Forças de Mobilização Popular para controlar essas áreas após um referendo de independência de setembro de 2017 organizado pelos curdos.

Outras áreas, no entanto, testemunharam operações conjuntas de forças de segurança de várias províncias para rastrear e caçar combatentes do ISIS e destruir suas bases. A primeira fase da operação “Os Leões da Al-Jazeera II”, que foi lançada em 1º de fevereiro de 2020, contou com a participação de unidades do Comando de Operações da Al-Jazeera, do Comando de Operações Oeste de Ninewa, do Comando de Operações Salah al-Din e as brigadas de Forças de Mobilização Popular (incluindo unidades tribais) são um exemplo chave desse tipo de coordenação.

Operações do ISIS em ascensão

De acordo com informações que obtive por meio do monitoramento de sites oficiais iraquianos e não-iraquianos e outros sites próximos ao ISIS, a organização realizou dezenas de operações no Iraque desde o início de 2021. A propaganda que o ISIS empregou muitas vezes tira proveito de eventos amplamente divulgados globalmente para realizar ataques e mostrar ao mundo que eles ainda estão presentes. A eleição do presidente dos EUA Joe Biden foi um desses eventos, e o ISIS aumentou o ritmo de seus ataques após a posse de Biden.

Segundo veículos próximos ao ISIS, como a Agência Amaq de Notícias, o grupo realizou 1.422 operações em 2020, uma média de quatro por dia. A principal ferramenta da organização foram os dispositivos explosivos, usados 485 vezes, seguidos de 334 operações de franco-atirador, além de 252 confrontos ou trocas de tiros. Outras 94 operações de execução foram realizadas contra indivíduos afiliados aos serviços de segurança, as Forças de Mobilização Popular ou as forças peshmerga curdas e contra pessoas que cooperam com o governo, incluindo prefeitos e líderes tribais. Houve 257 operações adicionais que os meios de comunicação do ISIS mencionam, mas não classificam.

Amaq afirma que a organização matou ou feriu 2.748 pessoas em 2020, incluindo 724 assassinatos em Diyala, 643 em Salah al-Din, 576 em Anbar, 474 em Kirkuk, 210 em Bagdá, 104 em Babil e 26 em Ninewa. Isso indica um aumento de 50% nas operações em comparação com 2019 e 11% mais mortes e ferimentos.

O grupo também afirmou ter destruído ou danificado 559 veículos de vários tipos, 85 casas e fazendas, 60 câmeras térmicas, 34 quartéis e 28 torres de transmissão de energia elétrica, a maioria das quais em Diyala, Babil e Anbar.

Atividade do ISIS no Iraque.
O mapa e a lista mostram onde os ataques e outras atividades militares estavam ocorrendo até março de 2021. O ISIS intensificou seus ataques nas mesmas áreas desde então. A lista indica as várias unidades envolvidas ou localizações mais específicas das atividades. (Versão maior)

O ISIS foi limitado a operações que não requerem um grande número de combatentes, incluindo o plantio de IEDs, armar emboscadas, operações de snipers, assassinatos e queimar casas e fazendas, nenhum dos quais têm grandes repercussões políticas ou de segurança. Uma exceção são algumas "operações especiais" limitadas, como aquela em que dois homens-bomba detonaram na Praça Tayaran, no centro de Bagdá, em 21 de janeiro, matando mais de 30 pessoas e ferindo dezenas em uma "rara" violação de segurança, quase três anos após a última operação na capital que foi reivindicada pela organização.

Pandemia e aberturas fornecidas por vácuo de segurança

O ISIS aproveitou o vácuo de segurança no início de 2020, após a eclosão da pandemia de coronavírus e as tensões entre os EUA e o Irã. Dois dias após o assassinato do general iraniano Qassem Soleimani e do subcomandante das Forças de Mobilização Popular, Abu Mahdi al-Muhandis, em 2 de janeiro, as forças da coalizão, cautelosas com a escalada, anunciaram uma breve suspensão do treinamento das forças iraquianas. O treinamento foi retomado, mas foi interrompido novamente em 19 de março devido à disseminação da COVID-19 no Iraque. As forças da coalizão se reposicionaram em campos diferentes e alguns países, como o Reino Unido e a Espanha, retiraram soldados do Iraque.

O assassinato de Soleimani também levou o parlamento iraquiano a votar em janeiro de 2020 pela retirada das forças estrangeiras. Dados oficiais afirmam que antes da pandemia havia cerca de 8.000 soldados estrangeiros no Iraque, incluindo 5.200 dos Estados Unidos, enquanto fontes não oficiais dizem que o número real ultrapassa 16.000. Os Estados Unidos reduziram o número de seus soldados no Iraque em setembro de 2020 para cerca de 2.500 soldados em resposta ao pedido do governo iraquiano.

Este vácuo deu ao ISIS mais liberdade de movimento para seus grupos móveis, facilitando o apoio logístico e a reestruturação e distribuição desses grupos de uma forma que permitiu à organização cobrir com segurança as áreas onde seus combatentes estão posicionados. Esses desdobramentos ocorreram em áreas distantes das forças de segurança iraquianas, que não anunciaram nenhuma operação militar até abril de 2020. A primeira operação incluiu as províncias de Diyala, Anbar e Salah al-Din e foi realizada em resposta à morte de 170 civis e soldados, junto com 135 militantes durante o primeiro trimestre de 2020.

Enfraquecido, mas ainda eficaz

Por meio de seus grupos móveis, o ISIS ainda possui recursos de combate suficientes para ameaçar a segurança e a estabilidade, mas o grupo continua muito fraco. Atualmente, a organização ainda não tem capacidade de executar operações importantes e seus ataques se limitam a alvos abertos que não são de importância estratégica. O que isso significa é que é improvável que tente assumir o controle do território no Iraque ou na Síria devido ao declínio em suas capacidades de combate e recursos financeiros. O grupo também permanece vulnerável à coalizão internacional e às forças de segurança iraquianas se tentar acelerar o ritmo de seu ressurgimento.


O ISIS precisa recrutar novos combatentes e reconstruir seu sistema de liderança para centralizar o controle, seja no direcionamento de ordens ou na coleta de informações de segurança e inteligência para se preparar para as grandes operações. O recrutamento é mais difícil, especialmente depois que seus quatro anos de controle sobre o território levaram à rejeição generalizada da sociedade de sua autoridade. As comunidades locais têm cooperado mais estreitamente com as forças de coalizão e segurança para evitar que o ISIS retorne, especialmente depois de testemunhar o aumento da estabilidade em áreas onde as tribos cooperaram com as autoridades. Dito isso, a organização ainda atrai alguns desempregados, bandidos ou perseguidos por motivos sociais, todos os quais acham que ingressar na organização é uma forma de escapar dos processos sociais e judiciais, além de garantir meios mínimos de subsistência.

Este declínio no apoio local também dá ao ISIS menos flexibilidade para atrair financiamento. Depois de ganhar o controle de Mosul em 2014, o ISIS contou com a diversificação de suas fontes de financiamento, seja controlando centenas de milhões de dólares (por exemplo, mais de $ 420 milhões de bancos estaduais em Mosul) ou produzindo e comercializando petróleo em campos que controlava em Iraque e Síria. Também negocia em moedas fortes por meio de redes de câmbio e transferência, usando terceiros, como a empresa Al-Ard Al-Jadidah, que se mudou de sua sede na cidade de Al-Qaim para a cidade turca de Samsun após a derrota do ISIS no Iraque . A empresa faz parte da Rede Al-Rawi dirigida por Fawaz Muhammad Jubayr al-Rawi na cidade síria de Albu Kamal, antes dele ser morto em um ataque aéreo em junho de 2017.

Em dezembro de 2016, o Departamento do Tesouro dos EUA incluiu Fawaz Muhammad Jubayr al-Rawi e outros membros da Rede Al-Rawi e entidades associadas, como a empresa Al-Ard Al-Jadidah, na lista de sanções por fornecer importante apoio financeiro e logístico ao ISIS.

A maioria das atividades da organização durante janeiro e fevereiro deste ano concentrou-se nas províncias iraquianas de Bagdá, Diyala, Kirkuk, Anbar, Ninewa e Salah al-Din. O ISIS aproveitou algumas lacunas de segurança resultantes do declínio no nível de coordenação entre as forças ativas, sejam as forças de segurança, as Forças de Mobilização Popular ou as forças peshmerga curdas.

Focos do ISIS no Iraque.
As manchas indicam áreas concentradas de distribuição geográfica do ISIS.

Acabar com o ISIS é mais do que combater o terrorismo

Durante mais de quatro anos de guerra contra o ISIS, e além das dezenas de operações de segurança anunciadas pelas forças iraquianas para caçar os combatentes restantes do ISIS, a coalizão internacional liderada pelos EUA realizou mais de 34.000 ataques aéreos e de artilharia que contribuíram em grande medida na tomada de controle de todas as áreas controladas pelo ISIS na Síria e no Iraque até março de 2019. No entanto, de acordo com fontes de inteligência dos EUA, a organização não foi derrotada e continua a ser uma ameaça à segurança e estabilidade do Iraque e da Síria, com atividade evidente em mais de seis províncias no oeste e noroeste do Iraque.

A organização concentra suas operações no direcionamento de figuras influentes, especialmente aquelas que cooperam com o governo e agências de segurança, para remover os obstáculos que ela acredita que a impedem de recrutar mais jovens para suas fileiras e para limitar a cooperação de segurança que leva à exposição dos membros da organização e esconderijos dos combatentes. Também visa garantir um ambiente “amigável” para as atividades de seus membros na comunidade sunita.


Acabar com a ameaça que o ISIS representa não pode ser realizado sem um acordo político que reintegre os árabes sunitas no processo político, uma distribuição justa de poder e riqueza de acordo com as proporções populacionais dos árabes sunitas e reconstruindo as cidades destruídas pela guerra contra o ISIS que durou desde 2014 a 2018. Além disso, os emigrantes e pessoas deslocadas à força devem ser autorizados a regressar às províncias no oeste e no noroeste do Iraque, e o controle das Forças de Mobilização Popular da maioria dessas áreas deve terminar.

Além disso, os esforços do governo e das organizações da sociedade civil são necessários para aceitar o impacto social do retorno das famílias dos membros do ISIS que ainda estão nos campos e que aprendem uma ideologia que adota as ideias e a abordagem da organização. Isso é especialmente evidente no campo de Al Hol em Hasakah, na Síria, que inclui milhares de famílias e membros do ISIS.

Raed Al-Hamid é um pesquisador iraquiano independente e ex-consultor do International Crisis Group.

Bibliografia recomendada:

Estado Islâmico: Desvendando o exército do terro.
Michael Weiss e Hassan Hassan.

Leitura recomendada:





Nenhum comentário:

Postar um comentário