Mostrando postagens com marcador FN FAL. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador FN FAL. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 28 de setembro de 2020

GALERIA: Realeza Camuflada

Princesa Elisabete da Bélgica, duquesa de Brabante, em treinamento durante seu primeiro ano na Academia Militar Real, 2020. Ela será a futura comandante-em-chefe das forças armadas quando se tornar rainha.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de setembro de 2020.

A princesa Elisabete, duquesa de Brabante (holandês: Elisabeth Theresia Maria Helena; francês: Élisabeth Thérèse Marie Hélène; nascida em 25 de outubro de 2001) é a herdeira aparente do trono belga. Filha mais velha do rei Filipe e da rainha Mathilde, ela adquiriu o cargo depois que seu avô, o rei Alberto II, abdicou em favor de seu pai em 21 de julho de 2013.

A princesa Elisabete da Bélgica, duquesa de Brabante será a futura comandante-em-chefe das forças armadas quando se tornar rainha.

Ela iniciou os seus estudos na Academia Militar Real da Bélgica esse ano. Elisabete será a futura comandante-em-chefe das forças armadas quando se tornar rainha. Em 21 de julho de 2013, depois que seu pai fez o juramento de rei dos belgas, a princesa tornou-se herdeira do trono e, como tal, tem o título de duquesa de Brabante.

Dez anos antes do nascimento de Elisabete, um novo ato de sucessão foi posto em prática que introduziu a primogenitura absoluta, o que significa que Elisabete vem em primeiro lugar na linha de sucessão porque ela é a filha mais velha. Se ela subir ao trono como esperado, ela será a primeira rainha reinante da Bélgica.

A princesa Elisabeth estudou no St John Berchmans College, em Bruxelas, no distrito de Marollen, em Bruxelas, que contou com a presença de seus primos mais velhos, filhos de sua tia paterna, a arquiduquesa da Áustria-Este. Esta é uma mudança significativa nos hábitos da família real, pois é a primeira vez que a educação de um futuro monarca belga começa em holandês. Elisabete fala holandês, francês, alemão e inglês.

Elisabete estudou no UWC Atlantic College no País de Gales e recebeu o International Baccalaureate Diploma Programme na sessão de maio de 2020. Em 20 de maio de 2020, o Palácio Real da Bélgica anunciou que ela ingressou na Academia Militar Belga em Bruxelas no outono de 2020.







O fuzil é o FN FNC, sucessor do venerável FN FAL.

O instrutor observa a aquisição do alvo de forma correta.





Nesta sexta-feira, dia 25 de setembro de 2020, a princesa Elisabete e o seu pelotão receberam a boina azul durante cerimônia na Academia Militar Real. A boina azul é concedida a cadetes que concluíram com sucesso sua fase de iniciação militar (phase d’initiation militaire, PIM), que ocorreu durante 4 semanas em Elsenborn. A abertura formal do ano letivo da academia terá lugar no dia 8 de outubro.

Ver essa foto no Instagram

De Blauwe Mutsen Parade van de Koninklijke Militaire School is de ceremoniële overhandiging van de blauwe muts aan de leerling-officieren die op 2 september gestart zijn met hun militaire initiatiefase in het Kamp Elsenborn. De blauwe muts staat voor de succesvolle afronding van dit belangrijk onderdeel van de opleiding. Zo ontvangen ook Prinses Elisabeth en haar peloton de blauwe muts. De officiële opening van het nieuwe academiejaar van de KMS vindt plaats ‪op 8 oktober‬. ————— Remise du béret bleu à la Princesse Elisabeth et son peloton lors d’une cérémonie à l’Ecole Royale Militaire. Le béret bleu est remis aux élèves-officiers qui ont réussi leur phase d’initiation militaire (PIM) qui s’est déroulée pendant 4 semaines à Elsenborn. L’ouverture solennelle de l'année académique de l'ERM aura lieu ‪le 8 octobre‬ prochain. @royal_military_academy @defensie.ladefense #defensie #defence #PrincesseElisabeth #PrinsesElisabeth #PrincessElisabethofBelgium #ElisabethvanBelgië #HertoginvanBrabant #DuchessedeBrabant #DuchessofBrabant #Princesse #Prinses #Princess #Elisabeth #België #Belgique #Belgium #BelgianRoyalPalace #MonarchieBe 📸 Belga

Uma publicação compartilhada por Belgian Royal Palace (@belgianroyalpalace) em

sexta-feira, 3 de julho de 2020

T48: O FAL Americano


Por Martin K. A. Morgan, Shooting Illustrated, 8 de abril de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de julho de 2020.

História alternativa é um mau hábito. Os cenários "e-se" podem distrair infinitamente nossa atenção do que realmente aconteceu, mas às vezes é irresistível considerar as possibilidades. Por exemplo, é intoxicante imaginar como a Ofensiva Meuse-Argonne no final de 1918 teria sido diferente se as tropas americanas tivessem sido armadas com a versão inicial da submetralhadora Thompson conhecida como Annihilator.

Por esse mesmo motivo, é tentador considerar como seria o combate na Segunda Guerra Mundial se as tropas americanas tivessem sido armadas com o fuzil T3E2 Garand de 10 tiros e calibre .276, em vez do M1 de oito tiros e calibre 30. Garand que realmente travou o conflito.


Mas, talvez o melhor "e se" de todos eles esteja relacionado ao fuzil que substituiu o M1. Todos sabemos que foi o M14, mas sua seleção não era uma conclusão inevitável e garantida. Havia uma alternativa - uma versão do FAL belga produzida domesticamente conhecida como T48 - e os EUA consideraram brevemente adotá-lo.

A experiência de combate durante a Segunda Guerra Mundial demonstrou que uma arma de tiro seletivo alimentada por um cartucho intermediário de um carregador destacável de tipo cofre era mais apropriada para o campo de batalha moderno. Com isso em mente, a empresa de fabricação de armas belga Fabrique Nationale d'Armes de Guerre em Herstal, perto de Liège, começou a desenvolver um novo fuzil em 1946, e esse fuzil se inspirou no MP-44 alemão.

Dieudonné Saive com um protótipo do FAL.

Como o Sturmgewehr, ele era operado a gás com um bloco da culatra basculante. O engenheiro-chefe da FN, Dieudonné Saive, chegou a compartimentar seu projeto para o cartucho Kurz de 7,92x33mm do Sturmgewehr. A empresa o designou Fusil Automatique Léger (daí FAL), que se traduz em Fuzil Automático Leve, mas, como o trabalho continuou na Herstal, uma preocupação sem precedentes se dedicou ao processo de desenvolvimento do projeto.

A partir de 1949, os países membros da OTAN procuraram padronizar equipamentos militares, incluindo armas portáteis e munições. Até então, o Reino Unido tinha um novo e promissor cartucho de serviço intermediário na forma do .280 Enfield e fornecia o tipo de desempenho que a OTAN queria.


Quando a FN então calibrou o FAL para o .280 Enfield, ela tinha uma combinação vencedora e um candidato à padronização da OTAN, mas havia um problema. Os EUA consideraram o .280 Enfield muito fraco e avançaram com o desenvolvimento do T65 - oferecendo desempenho semelhante ao .30-06 Sprg., mas com um comprimento total significativamente menor.

Simultaneamente, os EUA começaram o desenvolvimento de uma modificação de tiro seletivo para o M1 Garand que alimentaria o cartucho T65 a partir de um carregador tipo cofre destacável, designado T44. Em um esforço para acomodar a defesa americana do cartucho T65*, que acabaria por ser padronizado como o 7,62 OTAN, Saive modificou o projeto do seu FAL para esse calibre. Esta versão do seu fuzil rapidamente emergiu como pioneira na padronização da OTAN e, em 1951, Bruxelas ofereceu o projeto a Washington, livre de royalties.

A atriz alemã Baronesa Elke Sommer posando com o StG-44. (Colorização de Pink Colorisation)

*Nota do Tradutor: Os belgas projetaram o FAL para usar a munição intermediária 7,92x33mm, a mesma do fuzil de assalto StG-44, e depois a munição britânica .280 também intermediária. O Coronel Studler, desejoso de ser promovido ao generalato, forçou o seu cartucho de estimação T65 (7,62x51mm) nos testes de padronização da OTAN. Os britânicos resumiram a situação simplesmente como "We got Studlered" ("Fomos Studlerados").


O FAL em 7,62 OTAN entrou em produção na FN em 1953, quando os EUA começaram a considerar seriamente a adoção deste fuzil. Ele foi oficialmente designado T48 e teve bom desempenho em testes contra o T44 (o Garand modificado). No ano seguinte, o governo dos EUA assinou um contrato com a Harrington & Richardson Arms Company (H&R), para a produção de 500 fuzis T48 como parte de um estudo de engenharia projetado para determinar se a empresa poderia produzir em massa o fuzil.

Exemplo de pente-guia no modelo C1A1 canadense, com a alimentação seguindo o padrão antigo dos carregadores fixos, que serviam como depósito. (Imagem de um vídeo do Forgotten Weapons)

Os T48 produzidos pela H&R são distintos com belas armações de madeira, uma tampa de cobertura parcial que também serve como pente-guia, um regulador de gás de estilo métrico, uma alavanca de manejo não-recíproca e um quebra-chamas/retém de baioneta. Eles se destacam no universo mais vasto do FAL por causa de seus guarda-matos quadrados, dobráveis e de inverno e marcações de aceitação de propriedades dos EUA. Além da produção na H&R, a High Standard Company apresentou todos os 12 exemplares.

Fuzileiro naval americano com o T48 durante os testes.

O primeiro T48 americano foi disparado no Arsenal de Springfield em 9 de maio de 1955 e foi um sucesso estrondoso. Apesar disso, um FAL americano nunca seria nada mais que o produto de um estudo de engenharia. Ele teve um desempenho tão bom quanto o T44 em todas as categorias, mas era 1 libra mais pesado, e apenas com base nisso - pelo menos oficialmente - não foi adotado.

*NT: Em 1953, o Exército dos EUA realizou testes entre os protótipos T48 (FAL) e T44 (M14). O desempenho do FAL foi satisfatório e o Conselho de Infantaria tomou duas decisões: a adoção de um primeiro lote do protótipo belga e o fim do desenvolvimento do protótipo americano. O Corpo de Material Bélico americano (US Ordnance Corps) não aceitou a recomendação de um fuzil estrangeiro e, nos Testes de Inverno Ártico de dezembro de 1953, ordenaram que o fuzil belga fosse comparado sempre desfavoravelmente ao modelo americano. Os T48 foram encaixotados e enviados diretamente ao Alasca, enquanto os T44 foram desviados para o Arsenal de Springfield para ajustes de várias semanas, com testes e mais testes na câmara fria do arsenal, realizando modificações para adaptação ao frio. Com uma avaliação marcada, o T44 foi declarado o "vencedor" dos Testes de Inverno Ártico e adotado.

Além disso, os americanos prometeram aos belgas que, se eles votassem à favor da munição americana 7,62x51mm, as enormes forças americanas seriam padronizadas com o novo fuzil belga FN FAL. Os belgas votaram à favor e, depois de aprovada a nova munição padrão, os americanos adotaram o M14. Fonte: The FN FAL Battle Rifle, Bob Cashner, 2013.

Em vez disso, o T44 se tornou o M14 em 1º de maio de 1957. No final, mais de 1,3 milhão de exemplares do M14 seriam produzidos. Por outro lado, os 512 FALs americanos fabricados pela H&R e High Standard são pouco mais que uma nota de rodapé obscura na história geral das armas portáteis. 

O FAL T48 no Museu de West Point, nos EUA.

Embora eles jamais criassem um legado da maneira que o M14 criou, é irresistível considerar a história alternativa que poderia ter sido. E se os americanos tivessem carregado esse fuzil em batalha no Vietnã? O resultado histórico seria diferente? Provavelmente não, mas, no entanto, é instigante imaginar tropas americanas em manobras durante a Guerra Fria carregando "O braço direito do mundo livre".

Bibliografia recomendada:

The FN FAL Battle Rifle, Bob Cashner.

Leitura recomendada:

terça-feira, 19 de maio de 2020

VÍDEO: O FN FNC


Vídeo do canal Garand Thumb sobre o fuzil FN FNC, o sucessor belga do venerável fuzil FN FAL - o Braço Direito do Mundo Livre. O FNC foi adotado pelas forças belgas mas, apesar da sua alta qualidade, sem o sucesso internacional do seu predecessor.

Leitura recomendada:



Um breve comentário sobre o FN FAL21 de fevereiro de 2020.




Mausers FN e a luta por Israel23 de abril de 2020.

quinta-feira, 16 de abril de 2020

Quando o suprimento padrão não era suficiente: a variante australiana "Bitch" do SLR

Helicóptero da Real Força Aérea Australiana desembarcando dois operadores do Regimento SAS no Vietnã, 1969. (Australian Associated Press/AAP)

Por Miles, The Firearms Blog, 16 de outubro de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de abril de 2020.

Embora o fuzil de serviço L1A1 SLR (FN FAL)* tenha servido fielmente o “Digger”** australiano por um período extremamente longo, os soldados de infantaria na Guerra do Vietnã perceberam que o fuzil poderia ser “ajustado” para se adequar ao combate no qual soldados tinham que lutar dia após dia. Passando por modificações de campo que seriam contrárias às regulamentações de qualquer lugar do mundo, as tropas fizeram isso de qualquer maneira porque se encaixavam em um requisito de campo necessário.

*Nota do Tradutor: SLR significa Self-Load Rifle, literalmente Fuzil Auto-Carregável, e é a versão Imperial do FAL medida em polegados, e o seletor de tiro contendo apenas duas opções ao invés das três contidas no FAL métrico: S para Safe (Seguro) e R para Repetition (Repetição, mas na verdade semi-automático).

**NT: Digger, cavador, é o apelido do soldado australiano.


O que aconteceu foi que um armeiro de nível de unidade pegaria um SLR padrão e cortaria o cano na altura da massa de mira. Em alguns casos, um quebra-chama em forma de cone poderia ter sido adicionado ao cano exposto e, com uma coronha reduzida, aparentemente seria o L1A1-F1. Em seguida, a armadilha do gatilho seria modificado para que a arma pudesse disparar apenas de forma totalmente automática. Um carregador L2A1 de 30 tiros seria montado na arma, além de às vezes uma empunhadura frontal e até um lança-granadas XM-148. Essencialmente, o que você tinha era um fuzil unicamente automático, que criava uma enorme bola de fogo na boca do cano sempre que um carregador era gasto. Ele foi chamado, "The Bitch"*.

*NT: The Bitch pode ser traduzido como "A Megera".

Lança-granadas XM148. (Alan W.)

Lança-granadas XM148. (Alan W.)

"O pessoal do Serviço Aéreo Especial da Austrália modificou seus fuzis, cortando o cano imediatamente em frente ao bloco de gás e montando um lança-granadas XM148 de 40mm fornecido pelos EUA. Eles também limavam os seletores de tiro em seus fuzis SLR para torná-los totalmente automáticos. Essa versão automática modificada foi chamada oficialmente de "The Bitch", porque o movimento de torção do ferrolho e o peso leve do cano tornavam praticamente impossível segurar a arma no alvo. Por fim, a Austrália produziu uma versão encurtada para a guerra na selva denominada L1A1-F1. O F1 usou a menor coronha disponível e um quebra-chama encurtado, reduzindo o comprimento total do fuzil em 2,75 polegadas (6,9cm)."

Inovação e Improvisação: "A "bitch" era um SLR automático que foi construída por um dos armeiros e fazia o barulho de uma metralhadora .50... Ela era ótima porque o inimigo pensava que eles foram atingidos por uma companhia de petrechos pesados... não uma pequena patrulha". - Trooper Michael Malone, Special Air Service Regiment. (Museu Memorial de Guerra Australiano)

Museu Memorial de Guerra Australiano.

Além disso, também temos essas fotografias postadas no fórum The FAL Files, em 2014, de uma empunhadura frontal que flutuava por aí na Austrália e foi comprada no Ebay. Realmente, esta é simplesmente uma empunhadura original que foi reaproveitada com uma haste que se encaixa no cano de um L1A1.

Esta imagem é alegadamente proveniente do final do envolvimento no Vietnã, mas a fonte original não é conhecida.




Estas são algumas imagens que circulam pela Internet e são compartilhadas entre vários sites que apresentam fuzis L1A1 em diferentes estágios de modificação. Observe que a empunhadura de acima é realmente inclinada em algumas das imagens.

Special Air Service Regiment (SASR).

A fotografia acima vem de outra descrição das modificações, mas é de uma página do Facebook chamada All Things Military

"Quando desdobrados, os Troopers do SAS estavam armados com fuzis L1A1 fabricados pela RSAF em Lithgow, que são comparáveis em tamanho ao fuzil M14 americano e não são adequados para operações na selva…

Para superar isso, esses fuzis foram modificados em campo, geralmente a partir de fuzis-metralhadores L2A1 de cano pesado, com seus canos cortados imediatamente em frente ao bloco de gás e, freqüentemente, com os bipés L2A1 removidos e um lança-granadas XM148 de 40mm montado abaixo do cano. Os lança-granadas XM148 de 40mm foram obtidos das forças americanas. Para o L1A1, a falta de opção totalmente automática resultou na conversão não-oficial do L1A1 para capacidade totalmente automática, mediante simples preenchimento do seletor de tiro ou pela inserção de um 'corpo estranho' para bloquear a armadilha do gatilho.

Eles normalmente seriam equipados com carregadores de 30 tiros, tanto a versão reta feita especificamente para o L2A1 quanto a ligeiramente curva usada na conversão L4 Bren. (Como esse carregador foi projetado para alimentar para baixo, muitas vezes havia uma mola extra inserida para ajudar a alimentar para cima corretamente).

Os canos eram cortados para facilitar o manuseio no mato e para aumentar a assinatura do som e da chama quando a arma era disparada. Quando um contato era iniciado, a patrulha típica de 5 homens do SASR disparava grandes quantidades de fogo, o som e a chama dos canos cortados aumentando o efeito de 'choque e pavor', desorientando o VC ou o NVA e dando-lhes a impressão de que eles estavam em contato com uma força muito maior.

Para os Troopers, este L1A1 modificado era simplesmente chamado de "The Bitch"..."


Imagem do Memorial de Guerra Australiano em Camberra.

Observe a grande variedade de modificações em todos esses fuzis, não apenas nos L1A1. Mas particularmente predominantes são as empunhaduras frontais ligadas às coronhas.


Ainda outra referência de um resumo de um livro (Sleeping With Your Ears Open-Patrolling With The Australian SASDormindo com os ouvidos abertos - patrulhando com o SAS australiano) sobre o SASR durante a Guerra do Vietnã pode ser encontrada aqui -

"Alguns comentários feitos sobre o SLR (ou L1A1) foram bastante esclarecedores. Uma questão comum era que eles teriam seus armeiros de esquadrão reinstalando o ferrolho mantido aberto e convertendo-os em modo totalmente automático. Eles também gostavam de encurtar o cano e remover o quebra-chama. O raciocínio deles era que, como a maioria de suas patrulhas era para fins de reconhecimento, eles tentavam evitar o contato com as forças inimigas, especialmente porque geralmente operavam apenas como uma patrulha de quatro ou cinco homens. No caso de serem "esbarrados", para usar seu termo, eles abririam fogo totalmente automático, esvaziariam um carregador e tentariam romper o contato enquanto o inimigo ainda estava atordoado. A combinação de fogo totalmente automático, grandes chamas na boca do cano e relatos de abafamento de ouvidos muitas vezes fazia o inimigo pensar que havia tropeçado em um pelotão completo ou possivelmente uma companhia. Um homem fez o comentário de que, sem o quebra-chama, a chama da boca do cano cauterizaria a ferida a 15 polegadas (38cm)."

A razão para toda essa engenhoca era que os Diggers forneceriam aos homens-ponto esse fuzil modificado, de modo que, quando uma patrulha entrasse em contato na cerrada selva vietnamita, se esse homem ainda não tivesse sido morto, seu trabalho era disparar o seu carregador inteiro da sua "Bitch", levando assim os vietcongues a pensarem que a patrulha australiana tinha muito mais poder de fogo ou pelo menos mais soldados do que o inicialmente plotado.

On Patrol with the SAS: Sleeping with your ears open,
Gary McKay.

Absurdo talvez? Ao visitar o Museu Memorial de Guerra Australiano em Camberra e o Museu de Armas Portáteis de Lithgow em Lithgow, temos pelo menos dois depoimentos separados de veteranos australianos falando sobre as modificações em detalhes. E, aparentemente, a partir desses relatos, a “Bitch” realmente funcionou, e fez uma diferença tangível no campo de batalha para os soldados que a usavam.

Miles é um Fuzileiro Naval de Infantaria, interessado especificamente na história, desenvolvimento e uso de armas portáteis na região do Oriente Médio e África do Norte (Middle East and North Africa, MENA), e na Ásia Central. Ele é o administrador do site Silah Report, um site dedicado a analisar a história e as notícias sobre armas portáteis do MENA e da Ásia Central.

Leitura recomendada:

Tiro em Cobertura Rodesiano15 de abril de 2020.

FN FAL: “O Braço Direito do Mundo Livre”14 de janeiro de 2020.

Um breve comentário sobre o FN FAL21 de fevereiro de 2020.

segunda-feira, 30 de março de 2020

O Fuzil FN49 - Uma Breve Visão Geral

Fuzileiros navais do Brasil armados com fuzis FN49 na República Dominicana, 1965. Óleo sobre tela de Álvaro Martins.

Por Marc Cammack, Ammoland, 13 de janeiro de 2016.

Tradutor Filipe do A. Monteiro, 30 de março de 2020.

Durante o século XX, a Fabrique Nationale (FN) produziu muitas armas lendárias, como a pistola High Power 9mm, a metralhadora MAG 58, e o FN FAL.

Após a Segunda Guerra Mundial, a FN produziu outro fuzil menos conhecido, o fuzil semi-automático FN49. O FN49 não viu o mesmo nível de uso de combate que os fuzis de batalha automáticos similares, como o M1 Garand, o SVT40 ou o G43.


No entanto, a arma ajudou a abrir o caminho para o famoso fuzil de batalha FN FAL de 7,62mm, e o FN49 foi usado em outros conflitos, tais como a Guerra da Coréia. O fuzil também foi adotado por vários* países logo após a Segunda Guerra Mundial, e hoje os fuzis FN49 sobreviventes se tornaram um item de coleção estimado.

*Nota do Tradutor: A autor americano deveria ter usado a palavra "alguns", pois apenas um punhado de países adotou o FN49, a saber:  Argentina, Bélgica, Brasil, Colômbia, Congo Belga (Zaire e República Democrática do Congo), Egito, Indonésia, Luxemburgo, e Venezuela (primeiro utilizador).

Mulher no Nepal.
O FN FAL foi usado em todo mundo.

O projetista do FN49, foi um belga chamado Dieudonné Saive. Após a morte de John Moses Browning, Saive terminou o projeto da pistola Hi Power de 9mm. Mais tarde, ele também projetou o famoso fuzil FN FAL, que equiparia muitas nações ocidentais durante a Guerra Fria. Saive começou a trabalhar em fuzis semi-automáticos no início dos anos 30. Seus primeiros fuzis de carregamento automático eram operados por recuo, mas ele projetou um fuzil operado a gás em 1936. O desenvolvimento posterior desse fuzil a gás foi interrompido em 1940, quando os nazistas invadiram a Bélgica.

Protótipos de 1927-37.

Saive conseguiu escapar da Bélgica para a Inglaterra no verão de 1941. Na Inglaterra, ele desenvolveu seu projeto para um fuzil semi-automático. Saive foi posteriormente ao Canadá em 1943 para ajudar na produção da pistola Hi Power na empresa John Inglis. O projeto do fuzil em que Saive trabalhou na Inglaterra serviu de base para o fuzil semi-automático FN49* do pós-guerra, adotado pela Bélgica em 1949.

Dieudonné Saive com o desenho do FAL.

*NT: Em 1943, Saive estava de volta ao trabalho em seu fuzil experimental, agora em 7,92×57mm Mauser. No final daquele ano, a Royal Small Arms Factory, Enfield encomendou 50 protótipos designados "EXP-1" e às vezes referidos como "SLEM-1" ou "Self-Loading Experimental Model" (Modelo Experimental de Carregamento Automático). Com base em testes com esses protótipos, a Enfield encomendou 2.000 fuzis para testes de tropa, mas um problema de última hora com a moderação da pressão do gás (bem como o iminente fim da Segunda Guerra Mundial) levou ao cancelamento desta encomenda. Apesar disso, Saive, que havia retornado a Liège logo após sua libertação em setembro de 1944, continuou o trabalho no fuzil, e finalizou o projeto do FN-49 em 1947.

Diorama mostrando soldados luxemburgueses defendendo uma casamata na Coréia, Museu Nacional de História Militar de Luxemburgo.

Voluntários belgas na Coréia.
O FN49 é visível no centro da foto.

O exército belga foi o maior usuário do fuzil FN49. Esses fuzis foram marcados como "ABL" para o Exército Belga. Esses modelos belgas foram criadas para facilitar a conversão para seletor de tiro. O Congo Belga também teve um total de 2.795 fuzis FN49 com seletor de tiro e em .30-06. Esses fuzis tinham um brasão de leão na caixa da culatra para distingüi-los dos fuzis do Exército Belga. Em 1960, o FN FAL substituiu o FN49 na Bélgica e no Congo como um fuzil de infantaria padrão.

Desmontagem em primeiro escalão do FN49


Fuzileiros navais brasileiros em exercício de montanha e contra-guerrilha na República Dominicana, 1965.

Fuzileiros navais brasileiros, com o FN49, em exercício de guerra de montanha e contra-guerrilha da FIP na República Dominicana, 1965.

A Bélgica não foi o primeiro país a adotar o FN49. A Venezuela encomendou 4.000 fuzis FN49 em 7mm Mauser em 1948. Eles fizeram um segundo pedido de 4.000 em 1951, totalizando 8.000 fuzis. Esses fuzis foram marcados com o brasão venezuelano e possuíam um quebra-chama único. A Marinha do Brasil usou um total de 11.001 fuzis FN49 em .30-06 e um fuzil em 7,62mm OTAN. Esses fuzis foram marcados com o brasão brasileiro na parte superior da caixa da culatra e também foram marcados com uma âncora no lado esquerdo da mesma.

FN49 venezuelano em 7mm.

Soldado venezuelano ajoelhado com um FN49, no centro da foto, durante o golpe militar de 1958.

Brasão venezuelano.

FN49 argentino com carregador destacável.

FN49 com o brasão da Armada da República Argentina (ARA).


Outros países da América do Sul usaram o FN49, como a Argentina. A Marinha Argentina encomendou um total de 5.537 fuzis em 7,65mm Argentino. Muitas dessas armas foram posteriormente convertidas para o 7,62mm OTAN e equipadas com um carregador destacável de tipo cofre de 20 tiros. Os fuzis da Marinha Argentina são marcados com o brasão da Argentina e da ARA na caixa da culatra. 1.000 fuzis em .30-06 foram produzidos para a Colômbia e esses fuzis foram marcados com o brasão colombiano na caixa da culatra.

Armação argentina modificada para carregador destacável, feita pela Metalúrgica Centro (antiga Fábrica de Armas Halcón).

Armação padrão com o carregador fixo servindo de depósito.

O Egito foi o segundo maior usuário do FN49, com cerca de 37.602 fuzis em 8mm Mauser sendo comprados ao longo de dois anos. As armas egípcias costumavam ter um disco de latão no lado direito da coronha. As miras traseiras também foram marcadas em árabe e as caixas da culatra foram marcadas com uma águia ou a coroa egípcia. O Luxemburgo também encomendou o FN49. Estes foram calibrados em .30-06 e marcados AL na caixa da culatra, significando Exército do Luxemburgo. Um total de 6.003 fuzis FN49 foram fabricados para o Luxemburgo. A Indonésia foi outro comprador do FN49 e encomendou cerca de 16.100 em .30-06. Esses fuzis foram marcados com as letras ADRI* na caixa da culatra e uma águia.

*NT: A Marinha Indonésia marcou as letras ALRI.

Brasão indonésio ADRI.

Brasão da Marinha Indonésia, ALRI.

Brasão luxemburguês.

FN49 sniper luxemburguês


As variações de atiradores de elite do FN49 foram feitas para a Bélgica, o Egito e o Luxemburgo. A Bélgica tinha um total de 262 fuzis de precisão FN49. O número de fuzis de precisão usados por Luxemburgo também foi pequeno. Os fuzis de precisão da Bélgica e Luxemburgo exibiam montagens Echo e lunetas OIP de 4x de potência. O Egito usou um número maior de fuzis de precisão FN49, e essas armas diferiam de suas contrapartes européias. Eles foram equipados com e lunetas MeOpta 2,5x de potência tchecos e montagens de fabricação tcheca.

Brasão real egípcio do tempo do Rei Faruk.

Paras franceses do 2e RPC (Régiment de Parachutistes Coloniaux), que saltaram no Porto Said, inspecionam um fuzil SKS capturado dos egípcios, 1956.

Prisioneiros egípcios feitos pelo 2e RPC no Porto Said, novembro de 1956.

FN Sniper egípcio


O FN49 foi rapidamente substituído pelo famoso FN FAL 7,62mm em muitos países. Apesar disso, o FN49 viu uso limitado de combate em vários* conflitos. O Batalhão de Voluntários Belgas lutou na Guerra da Coréia e foi equipado inicialmente com fuzis britânicos nº 4 Enfield .303, mas seria reequipado com os fuzis FN49 em 1952. Os fuzis FN49 também foram usadas no Congo após a independência do país em 1960. As tropas egípcias usaram a arma durante a crise de Suez de 1956 também. Tropas venezuelanas usaram o FN49, ao lado de fuzis FN Mauser e FAL, durante o golpe-de-estado venezuelano de 1958.

Sentinela fuzileiro naval observando a Av. George Washington em um posto de controle em São Domingos, 1965. Ele tem a baioneta do FN49.

*NT: Novamente, o autor americano devia ter usado a palavra "alguns". Além desses mencionados, os Fuzileiros Navais (FN) brasileiros usaram o FN49 em ação contra os constitucionalistas na República Dominicana. A primeira missão operativa da Cia FN (BRASIL) foi ocupar, no amanhecer de 7 de junho de 1965, o limite leste da ZIS (Zona Internacional de Segurança) fazendo face à zona rebelde, barrando duas vias principais - a Avenida George Washington e a Avenida Independência.

Embarque do Escalão Marítimo do FAIBRÁS no Soares Dutra, porto de Haina, 1966. Dois FN49 são visíveis.

Nos Estados Unidos, os fuzis FN49 sobreviventes estão em alta demanda no mercado de colecionadores. Eles são muito mais incomuns do que outros fuzis contemporâneos como o M1 Garand, devido ao seu baixo número de produção. Os fuzis da Venezuela e do Luxemburgo são muito procurados devido, em parte, ao fato de serem frequentemente encontrados em excelentes condições ou em condições novas.

Os fuzis egípcios são os fuzis FN49 mais comuns nos EUA e são frequentemente encontrados com coronhas substitutas. Os FN49 do exército belga são raros nos Estados Unidos, pois foram configurados para serem facilmente convertidos com seletor de tiro e, portanto, são proibidos de importar.

Marc Cammack coleciona armas de fogo desde os 14 anos de idade. Seus interesses são principalmente armas de fogo excedentes militares do final do século XIX até os anos 50. Ele os estudou em profundidade e atualmente é voluntário em dois museus locais, fornecendo informações precisas sobre suas armas de fogo. Ele se formou na Universidade do Maine com um diploma de bacharel em história. Ele estuda a história européia e americana moderna desde os 9 anos de idade e pratica o tiro desde os 11 anos. Atualmente, ele mora nos arredores de Bangor, Maine.

Bônus: 

Turma do tradutor na Marambaia com o FN49 (chamado de FS) em novembro de 2007.

1º Pelotão, 1ª Companhia "Fantasma".