terça-feira, 10 de março de 2020

Como vídeos sobre armas de fogo antigas se tornaram um canal de sucesso no YouTube

Ian McCollum, do canal Forgotten Weapons, posa com uma metralhadora francesa Hotchkiss da Primeira Guerra Mundial.

Por Peter Suciu, Forbes, 10 de março de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de março de 2020.

Com mais de um milhão e meio de assinantes, o Forgotten Weapons se tornou um dos canais mais populares relacionados a armas de fogo no YouTube, e parte do sucesso é que seu criador tem sido amplamente apolítico quando se trata de questões relacionadas a armas. Para Ian McCollum, em vez de promover uma agenda, ele é um influenciador de mídia social que tem tudo a ver com compartilhar a história das armas portáteis - um vídeo de cada vez.

McCollum não esperava que ele fizesse uma carreira produzindo vídeos históricos sobre armas de fogo, mas, como muitos outros que encontraram um nicho específico no YouTube, era uma questão de estar lá bem na hora certa.


"Honestamente, eu nunca pensei nisso", ele admitiu. "Quando comecei a postar vídeos, não era porque queria criar uma audiência. Comecei com um blog - então sou rápido em admitir que sou um homem velho na Internet que se lembra de uma época em que os blogs eram uma coisa grande para esses pequenos tópicos. Eu estava escrevendo artigos de texto e tentando explicar como as estranhas ações de armas de fogo funcionam, então achei mais fácil filmar e mostrar às pessoas".


O problema era que, mesmo na era da Web 2.0, não era fácil publicar vídeos e havia o problema da largura de banda.

"Quando você tinha que pagar pelo tráfego que chegava ao seu site, ter vídeos poderia me levar à falência, mas o YouTube parecia ser a solução", acrescentou McCollum. "Eu poderia incorporá-los em um site Wordpress e publicá-los com o que escrevi."


Com isso, em 2011, o ForgottenWeapons.com lançou um canal no YouTube e, um ano depois, a resposta foi tal que o YouTube ofereceu a McCollum a chance de participar do programa de parceria.

Depois de alguns anos, havia mais vídeos, menos postagens no blog. Foi também quando se tornou um trabalho real.

"Eu não esperava que fosse minha carreira", disse ele com sinceridade. "Eu queria que fosse um show em tempo integral, então, quando aconteceu, foi uma transição incrível e fantástica".

Lidando com um tópico polêmico

Enquanto centenas - talvez até milhares - de pessoas agora ganham a vida postando vídeos no YouTube, o tópico do Forgotten Weapons não é sem problemas. As plataformas de mídia social têm regras estritas sobre como as armas de fogo são apresentadas - as armas não podem ser comercializadas, por exemplo.


"O YouTube é bastante opaco em relação aos regulamentos e há uma enorme margem de manobra em relação às regras que eles publicam", explicou McCollum. "No entanto, quando há um problema, o YouTube não facilita falar com alguém do YouTube. Se você é desmonetizado, ele não diz o porquê".

McCollum não é o único a sugerir que plataformas como o YouTube mantêm as regras especificamente vagas - não para punir os criadores, mas principalmente como uma maneira de impedir que os criadores de conteúdo não burlem as regras. Se as regras forem mais cinzentas que o preto e branco, o YouTube poderá solucionar os problemas conforma considerar adequado em uma base caso a caso*.


Nota do Tradutor: Essa justificativa chega a ser lúdicra, dado que a página parceira, a InRangeTV publicou 10 vídeos no site Pornhub, em 2018, em protesto contra a caça às bruxas desenfreada do Youtube contra páginas táticas e de armamentos que estavam sendo desmonetizadas, bloqueadas e até mesmo tendo vídeos apagados sem qualquer justificativa.

Enquanto ele tenta não cruzar a linha, esse entusiasta de armas de fogo de longa data que também se ramificou em outros meios, incluindo livros - mais recentemente publicando Chassepot to FAMAS: French Military Rifles, 1866-2016 (Do Chassepot ao FAMAS: Fuzis Militares Franceses, 1866-2016) - não é sobre ser um evangelista da indústria de armas de fogo ou mesmo da Segunda Emenda. Em vez disso, como ele explica, trata-se de compartilhar conhecimento.


Pode ser por isso que seus vídeos atraem um público que limita o debate aos objetos que estão sendo discutidos e não à política em torno deles.

"Um grande segmento do meu público está muito feliz por eu não estar falando de política", explicou McCollum. "Como resultado, grande parte do público - com base nos comentários que li - são aqueles que não se encaixam no modelo típico de proprietários de armas".



Ele acrescentou que viu comentários em que as pessoas admitem simplesmente ficar fascinadas com a história, enquanto alguns dizem que se tornaram proprietários de armas por causa da história que ele compartilha.


É notável que apenas 45% de sua audiência esteja nos Estados Unidos, portanto, embora possa haver um debate em andamento na América sobre armas, os vídeos sobre a história das armas de fogo claramente estão transcendendo fronteiras.


Desafios técnicos abundam

Além da preocupação em ser político, qualquer pessoa que postar vídeos relacionados a armas de fogo hoje provavelmente entenderá o outro desafio significativo que advém do fato das armas serem barulhentas, enquanto a segurança é sempre uma preocupação. Como uma operação individual, McCollum superou os desafios, evitando largamente os campos de tiro lotados e indo para o deserto aberto do Arizona, onde há muitos lugares para se atirar legalmente longe das pessoas.

Aqui é onde é necessário gerenciar as expectativas do público, algo que este historiador de armas de fogo abordou desde o início.



"Eu treinei meu público para não esperar níveis de documentário", ele é rápido em notar. "Se eu disparar de verdade terei alguém me ajudando segurando uma câmera. Evitando as filmagens públicas, posso ficar longe dos sons e de outras distrações."

Ao contrário de muitos vídeos relacionados ao tiro que estão no YouTube, também é importante observar que o Forgotten Weapons não é realmente sobre atirar. Ainda é sobre a história das armas de fogo e outras armas que até mesmo muitos entusiastas e colecionadores de armas de fogo talvez não conheçam.


"Atirar é apenas uma boa maneira de apimentar os vídeos", disse McCollum. "Dito isso, uma parte substancial dos meus vídeos não envolve tiros. Eu disparo as armas para contar parte da história, e há aspectos do projeto das armas de fogo que você só pode apreciar com o disparo de uma arma. Isso tem paralelo com o automobilismo."

Nas sequências de filmagem, o Forgotten Weapons emprega uma câmera de alta velocidade que pode demonstrar coisas que os usuários podem achar surpreendentes. Isso pode incluir a maneira como muitos canos de armas oscilam - algo que você provavelmente não verá, exceto em um vídeo de alta velocidade.

"Honestamente, a barra para uma boa produção hoje é muito baixa", acrescentou McCollum. "Essa é uma das coisas que eu amo sobre o estado da Internet*. Ela se livrou do gatekeeper (guardião do portão, pessoa que decide o que é certo ou errado) para projetos como esse. Se eu quisesse fazer isso há 20 anos, seria impossível. Fazer isso envolveria encontrar uma rede e convencer um produtor que eu era a pessoa certa para fazer esse show".

*NT: Não é mencionado no texto, mas Ian também é o campeão indisputável de "memes táticos" sobre armas na internet. Com o apelido de "Gun Jesus" (Jesus das Armas), estes memes são uma visão onipresente em qualquer fórum sobre o assunto.




É claro que existem muitos vídeos relacionados a armas no YouTube que não são tão refinados e alguns que até apresentam informações ruins, para não mencionar conteúdo perturbadoramente irresponsável. Mas McCollum disse que cabe ao público determinar o que é bem-sucedido e o que não é. Para ele, as coisas boas prosperarão e as ruins serão filtradas.

Onde McCollum é o mais crítico é no manuseio do áudio - algo que ele desejaria poder fazer um serviço melhor. No entanto, ele usa uma câmera digital de sete anos com microfones sem fio, mas ele admite que o vídeo poderia ser tão facilmente gravado em um iPhone hoje.

"Não sou engenheiro de áudio e prefiro produzir mais conteúdo de boa qualidade do que tentar melhorar o áudio", sugeriu. "Simplificando, o perfeito não é necessário no YouTube."





Depois, há a questão do que faz alguém querer assistir a um vídeo de outras pessoas disparando armas. No caso das armas esquecidas, os vídeos são populares por causa da história, não porque são pessoas na linha de tiro.

"As pessoas gostam de ter experiências indiretas do que não podem fazer, e obviamente esse é um assunto fascinante", disse McCollum. "Não gosto de ativismo, e não quero converter pessoas ou de fazê-las mudar de idéia. Detesto ver a história deixada para trás. Quero apresentar isso como uma história importante".

Leitura recomendada:

Comandos Navais franceses com fuzis CETME23 de janeiro de 2020.

A submetralhadora MAS-385 de julho de 2020.

A metralhadora leve Chauchat: não é realmente uma das piores armas de todos os tempos11 de fevereiro de 2020.

Garands a Serviço do Rei18 de abril de 2020.

Mausers FN e a luta por Israel23 de abril de 2020.

O Fuzil FN 49 - Uma Breve Visão Geral30 de março de 2020.

Um comentário: