sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

The Heckler & Koch XM8: uma retrospectiva


Por David Schillerbrian C. Sheetz, American Rifleman, 16 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de janeiro de 2022.

O sistema XM8 surgiu do programa XM29 do Exército dos EUA.

Evolução


Eugene Stoner desenvolveu um fuzil operado a gás em 1955 na Armalite. As primeiras versões, conhecidas como AR-15, entraram no Exército e na Força Aérea dos EUA em 1962, bem a tempo da Guerra do Vietnã. Desde o início, o M16 foi afligido com problemas. Ao longo dos anos, o M16 sofreu inúmeras modificações e melhorias, que, no entanto, nunca conseguiram resolver completamente as deficiências básicas do sistema. Atualmente, a variante mais moderna, a carabina M4, é a quarta geração do projeto de Stoner. No entanto, alguns o consideram ainda muito sensível à sujeira e muito atormentado por interferências, o que, entre outras coisas, se deve ao projeto do carregador. Além disso, a carabina M4 é considerada por alguns muito instável para os muitos acessórios que os GIs e as Forças Especiais gostam de encaixar em suas armas.

O projeto original de pesquisa e desenvolvimento para a próxima geração de armas de infantaria dos EUA, chamado de Arma de Combate Individual Objetiva (Objective Individual Combat WeaponOICW), visualizou um novo tipo de arma combinada, que acoplou uma arma de assalto com tiro seletivo (ou seja, operação totalmente automática e semiautomática) com um lança-granadas 20x28mm semiautomático, com mira a laser e por computador. A Heckler & Koch e a Alliant Techsystems, parceiras no projeto multimilionário, terminaram um modelo de pré-produção, o XM29, em 1999, que então passou por testes de tropas. O “XM” designa um modelo experimental. Mesmo os materiais mais modernos não podiam contornar a física: com cerca de 17,6 libras (7,8kg) de peso de combate, a arma de cano duplo era muito pesada e desconfortável. Tecnologicamente, os desenvolvedores encontraram um obstáculo que, na época, o estado da arte da tecnologia de computadores, baterias e materiais e a ciência ainda não haviam superado.

Transformação e Progresso


O Arsenal Picatinny de Nova Jersey, sede do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia de Armamento (Armament Research, Development & Engineering CenterARDEC), serve como centro de todos esses novos desenvolvimentos. O escritório de desenvolvimento e aquisição é monitorado por uma nova hierarquia, chamada “Team Soldier”, criada em junho de 2002 em Fort Belvoir, Virgínia. Esta é apenas uma parte da nova reorganização abrangente e radical na política de defesa com a qual o governo Bush iria transformar as Forças Armadas dos EUA para as demandas do século XXI. No quadro da nova gestão orientada para os resultados e para a prática, o “Gerente de Projetos de Armas dos Soldados” é responsável pela categoria de produto de armas de equipa e individuais.

Como substituto provisório do OICW, foi considerada a possibilidade de separar os dois sistemas novamente. O lança-granadas do XM29, ampliado para 25mm, deveria ser desenvolvido como um sistema autônomo. Da mesma forma, o componente KE (energia cinética) de 5,56x45mm tornou-se a base de um novo fuzil de assalto. No verão de 2002, a H&K preparou algumas propostas para o novo desenvolvimento do M16/M4, bem como ideias para o desenvolvimento do componente KE. Naquela data, as deficiências das armas americanas durante a campanha afegã já haviam sido analisadas. Todos no establishment de Defesa dos EUA também perceberam que um novo vento estava soprando no Pentágono. Exigiam-se resultados rápidos — não estudos longos e demorados, procedimentos de seleção e comissões. Assim, a Alliant Techsystems (ATK) e a H&K competiram abertamente com outros fabricantes de armas portáteis e venceram a competição. Oficialmente, os dois parceiros receberam o contrato de desenvolvimento de US$ 5 milhões em outubro de 2002; no entanto, a decisão já havia sido tomada um mês antes. O prazo para o projeto é curto porque o Exército dos EUA desejava a produção das novas armas para o segundo semestre do ano fiscal de 2005.

Fim das Vacas Sagradas


Naturalmente, o Exército tinha uma longa lista de desejos para o novo sistema de armas: deveria existir em diferentes variações para a esquadra-de-tiro, de uma arma de combate aproximado a uma metralhadora leve e uma arma de mira telescópica. Era desejado um bloco de construção modular que pudesse, dependendo dos requisitos de cada operação de combate e de cada ambiente operacional, ser reconstruído para munição de 5,56x45 mm, 7,62x39 mm ou 5,45x39 mm e também para o novo cartucho de propósito especial de 6,8 mm (Special Purpose Cartridge, SPC).

Por outro lado, os compradores militares estavam surpreendentemente dispostos a abandonar as diretrizes até agora invioláveis. O perfil frontal desajeitado da carabina M4 - com seus trilhos Picatinny angulares, lanterna e sua unidade de infravermelho na extremidade do cano - agora foram relegados ao passado. Mesmo os trilhos Picatinny universais atuais poderiam ser abandonados. Os projetistas da H&K desenvolveram um perfil futurista e aerodinâmico que atendeu a todos os requisitos do gerente de projeto do Exército. O corpo e a coronha retrátil são compostos de materiais sintéticos que podem ser reforçados com fibra de vidro ou carbono e são coloridos em preto ou em tom de lama semelhante a junco.


Peças de poliuretano macias e semelhantes a borracha foram moldadas na extremidade dianteira e também na coronha, onde o atirador tem contato mais próximo com o corpo. Este fuzil foi desenvolvido de dentro para fora, em um período de tempo recorde para protótipos prontos para atirar e testar no verão de 2003.

As funções dos trilhos Picatinny agora são assumidas pelos Pontos de Fixação Picatinny (Picatinny Attachment PointsPCAP) embutidos, que se encaixam em uma forma de parafuso giratório em forma de prisma. Este sistema de conexão com patente pendente centra-se e pode ser localizado nas posições de três, seis e nove horas na extremidade dianteira e também sob o pedestal da mira óptica atrás da alça de transporte. Uma vez instalado e zerado, o acessório manterá seu alinhamento, mesmo desmontado. O ponteiro de mira IR e o iluminador IR formam uma unidade integral com o osciloscópio.

A peça central do XM8 - a culatra e a haste do tucho de gás - pode parecer familiar para qualquer pessoa que tenha manuseado o G36 ou SL-8 da H&K. O ferrolho giratório se assemelha ao projeto de Stoner, no entanto, ele vem apenas com seis olhais de trancamento em vez dos sete do AR-15/M16. Como a haste do tucho tem um desenho sólido e fechado, o sistema requer menos limpeza do que o impacto direto do AR-15/M16, onde o gás, incluindo resíduos de pó, é retirado do cano e encaminhado de volta à culatra.


A confiabilidade funcional deste sistema de carregamento automático surpreendeu os americanos quando viajaram para Oberndorf em outubro de 2003 para o primeiro teste de tiro dos protótipos: 
Um dos fuzis disparou mais de 15.000 tiros consecutivos sem limpeza e sem interferência, o que o Coronel Michael Smith, diretor administrativo do Gerente de Projetos de Armas dos Soldados, julgou “verdadeiramente notável”. Na revista das Forças Armadas dos EUA, Rich Audette, gerente de projeto interino, relembrou a demonstração em Oberndorf: “Eu estava envolvido no desenvolvimento do M16A2 e do M4, e nunca vi algo sair da caixa tão bem como esta arma de fogo!”

Em outubro de 2003, os primeiros 30 foram enviados para Aberdeen, Maryland, para testes adicionais no Campo de Testes do Exército. Cento e setenta armas de fogo adicionais chegaram em meados de dezembro, vindas de Oberndorf para testes com as tropas americanas.

Variantes


Esta família modular foi construída e testada pela primeira vez em 5,56x45mm, mas também pode ser facilmente adaptada para o novo SPC Remington 6,8x43mm. A configuração padrão do XM8 é a versão carabina, com cano de 121⁄2" (31cm) e, com coronha totalmente estendida, comprimento total de 33,3". Atualmente, o peso descarregado da arma de fogo é de 7,8 quilos, embora esteja programado para passar por um programa de redução de peso.

Uma versão mais longa com um cano de 20" (50cm) e um bipé opcional é concebida como um fuzil com luneta para atiradores designados ou snipers. A mesmo arma também funcionaria como um tipo de metralhadora leve para suporte de fogo, quando equipado com o bipé H&K e o carregador de tambor de 100 tiros. Na demonstração, os testadores da H&K dispararam quatro desses carregadores continuamente em rajadas curtas em um período de cinco minutos sem problemas. O projeto supera a meta dos militares de mais de 210 tiros de fogo contínuo sem nenhum cookoff (explosão prematura dentro da câmara).

Por fim, há uma variante curta, com uma coronha telescópica do tipo trilho chamada Special Compact que serve como uma arma de defesa pessoal aproximada (Personal Defense WeaponPDW) para tripulantes de veículos ou pilotos de helicóptero. Mesmo que esta arma compacta tenha apenas um cano de 9", ele ainda produz uma velocidade inicial de 2425 fps.

6,8x43mm SPC: mais gordo é mais chique


Não é segredo de estado que elementos das Forças Armadas dos EUA não estão muito satisfeitos com as capacidades balísticas terminais do 5,56x45mm. 
Particularmente das Forças Especiais vem a demanda por um cartucho mais poderoso, para o qual as existentes de 5,56mm possam ser adaptadas sem muito mais trabalho e despesas adicionais. Operadores do Quinto Grupo de Forças Especiais se reuniram com Chris Murray e Remington e criaram, ao longo de dois anos, através de vários testes práticos (nos quais participaram as equipes da SWAT de várias grandes agências policiais dos EUA) o cartucho de propósito especial de 6,8mm, que Remington anunciou no início de 2004.

O cartucho foi introduzido no mercado civil com, entre outros, o cartucho de 115 grains (grãos, 0,0648 de grama). Pontas ocas de tronco-cônico Sierra MatchKing e balas de ponta de polímero. Com um cano de 161⁄2" de comprimento (semelhante à carabina M4), a bala tem uma velocidade inicial de 2650 a 2690 fps. A energia excederia a do atual cartucho militar .223 Remington, o M855 62 grãos. M855, em mais de 50 por cento na boca do cano e, a 492 jardas (449m), em 80 por cento. O novo cartucho deve apresentar trajetória e precisão semelhantes ao .223 Remington.

O estojo .30 Remington, que é um pouco mais grosso que o estojo do 5,56mm, mas é exatamente cilíndrica, serve de base para o novo cartucho. O tamanho da bala foi determinado incrementalmente. Foram tentados os 6 e 6,5mm, e houve também uma série de testes de 7mm, mas a trajetória não foi plana o suficiente. A variação de 6,8 mm (.270) finalmente provou ser o melhor compromisso e alcançou o desempenho necessário.

As forças armadas americanas parecem agora estar quase onde John Garand estava na década de 1920 no Arsenal de Springfield, quando projetou seu fuzil de calibre .276 com uma bala de 125 grãos. Os britânicos também experimentaram, depois de 1945, um .280 que exibia capacidades balísticas semelhantes.

DESCRIÇÃO
Tipo: Fuzil automático.
Miras: Mira Óptica de ponto vermelho (red dot); abertas padrão, e trilho PCAP para montagem de miras reflexivas e lunetas.
Peso: 2,65kg (com carregador vazio e versão básica).
Sistema de operação: Tomada de gases e ferrolho rotativo.
Calibre: 5,56x45mm (.223 Remington).
Capacidade: 30 tiros (básico), 100 tiros (carregador Beta para apoio de fogo).
Comprimento Total: 84cm (versão básica).
Comprimento do Cano: Variável de acordo com a versão entre 9 polegadas,12,5 (versão básica) e 20 polegadas (versão de apoio de fogo e de tiro de precisão).
Velocidade na Boca do Cano: 920m/s (versão básica).
Cadencia de tiro: 750 tiros por minuto.

FIM


             

quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

A Evolução do Sniper Policial Americano


Por Mark V. Lonsdale, STTU, 25 de junho de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de janeiro de 2022.

Os snipers policiais modernos podem não perceber o quão se avançou com o catálogo atual de fuzis, lunetas e acessórios de alta qualidade. No início da década de 1980, o típico fuzil sniper da polícia era muitas vezes uma espingarda de caça ferrolhada que fora recuperado da sala de propriedade. Durante os programas de sniper da Unidade de Treinamento Tático Especializada (Specialized Tactical Training Unit, STTU) e as partidas de luz verde, os policiais apareceriam não apenas com .308 Winchester, mas também .223 Remington, .243 Win., 30-06, e até mesmo os estranhos 22-250. As lunetas eram geralmente Redfields, Weavers e Leupolds de nível de caça na faixa de magnificação de 3-9x. Os únicos snipers policiais a terem modelos M40A1 personalizados foram os snipers do FBI, enquanto as equipes de atiradores contra-sniper do Serviço Secreto americano tinham fuzis personalizados Remington Magnum 7mm.

Acima: Uma das primeiras classe de snipers STTU no final dos anos 1980. A essa altura, muitos snipers policiais haviam atualizado para fuzis Varmint de cano mais pesado e estabilizado as ações.
Abaixo: SWAT do Condado de Washoe – década de 1990.

Com o tempo e um pouco de treinamento, as agências começaram a investir em fuzis Remington 700 Varmint de cano mais pesado, ao mesmo tempo em que entendiam a importância de dar ajustar a estabilização das ações e flutuar os canos. Os snipers também se afastaram da munição excedente militar barata e das munições de caça para a munição Federal Match. Antes da atual Gold Medal Match, a munição federal vinha em uma caixa vermelha, mas ambas ainda usavam a bala SMK Sierra 168 grãos. Esta não era a bala ideal para perfurar o vidro, mas era a munição .308 Win mais precisa naquele época.

McMillan M40A1 com luneta Unertl 10x.

Robar SR60D .308 Win construído em uma coronha McMillan Baker Special com uma luneta Leupold Ultra (Mark 4) 10X. (1987)

No final da década de 1980, o sniper teve acesso a fuzis personalizados construídos por McMillan e Robar. Gale McMillan foi o projetista e construtor da coronha sniper do USMC M40A1, o qual iniciou uma tendência de afastamento das coronhas de madeira e das coronhas de fibra de vidro.

De meados ao final da década de 1980 também viu a introdução das lunetas sniper Leupold Ultra com torres de alvo externas. Neste momento, eles foram fixados em magnificação 10x ou 16x, mas mais tarde seriam renomeados como Mark 4 - um retículo Mil-dot. Os atiradores de elite da SWAT também viram as limitações de uma luneta fixa de magnificação de 10x para operações urbanas onde as distâncias eram de 50 a 75 jardas (45-68m), então pediram uma ampliação menor. O resultado foi o robusto e confiável 3,5-10x40mm Mark 4, completo com garantia vitalícia.

Fuzil tático moderno construído sobre uma ação Remington 700 com um cano Bartlein Palma pesado em uma coronha McMillan A3-5. A luneta é uma Leupold Mark 8 3.5-25x56mm.

Sniper Counter Sniper foi escrito em 1986 para preencher a necessidade de um texto básico sobre treinamento e emprego de atiradores de elite. Também foi utilizado por unidades de treinamento de operações especiais como um manual de sniper urbano.

FOTO: Operadores de apoio aéreo aproximado dos EUA

Operadores TacAir (TACP) com um rádio AN/PRC-117F e GPS, 2019.
(US Air Force)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de janeiro de 2022.

Os especialistas do Grupo de Controle Aéreo Tático (Tactical Air Control Party, TACP) fornecem vigilância de forças amigas usando um sistema de posicionamento global PSN-13 e um rádio portátil multi-banda AN/PRC-117F.

Parte da força de Guerra Especial da Força Aérea (Air Force Special Warfare), o TACP é uma pequena equipe de militares que fornecem coordenação entre aeronaves e forças terrestres ao fornecer apoio aéreo aproximado. A Força Aérea americana abriu uma escola de treinamento dedicada apenas em outubro de 2019, localizada em Medina Annex na Base Conjunta San Antonio-Lackland, no Texas. Essa escola visa “sincronizar, padronizar e agilizar o treinamento” dos TACP.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

ENTREVISTA: "A Legião vai muito bem!"

General de Saint-Chamas já como um 4 estrelas.
Na época da entrevista, ele era 2 estrelas.

Por Jean-Dominique Merchet, jornalista do Marianne, 28 de abril de 2012.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de julho de 2012.

Uma entrevista com o general de Saint-Chamas, comandante da Legião Estrangeira, na ocasião das cerimônias do Camerone.

Essa segunda-feira 30 de abril, a Legião Estrangeira celebra o Camerone, sua festa tradicional que comemora o sacrifício de seus homens, em um combate no México em 1863. As cerimônias do Camerone serão, neste ano, uma homenagem particular à Batalha de Bir Hakeim, que completa seu 70º aniversário. Durante a cerimônia, na “maison-mère” de Aubagne, a mão do capitão Danjou será carregada por Hubert Germain, 91 anos, companheiro da Libertação, ex-ministro e veterano da 13ª DBLE – o último oficial da Legião vivo a ter participado deste combate da França Livre.

Durante a cerimônia, o padre Yannick Lallemand, capelão da Legião, será promovido ao posto de Comendador da Legião de Honra. O “Padre” é uma figura dos paras e da Legião. Presente em Beirute por ocasião do atentado contra o Drakkar (1983), ele é atualmente muito ativo em ajudar os feridos. Enfim, o chefe de estado-maior dos exércitos, o almirante Edouard Guillaud será feito “caporal d’honneur” da Legião Estrangeira, uma distinção excepcional.

Na ocasião do Camerone, quisemos rever a Legião atual, com o “Père Légion”, apelido tradicional do general comandante da Legião Estrangeira (COM.LE), Christophe de Saint-Chamas. Este oficial comandou em especial o 1º REC e fez uma estadia de 13 meses no Afeganistão antes de chegar à Aubagne.


Como vai a Legião?

Muito bem! Seu recrutamento é excelente. A Legião atrai e, além, é a França que atrai homens provenientes de 150 países. Nós somos um vetor de influência nacional.

De onde eles vêm?

De todos os lugares. Na última seção de 50 homens que nós tivemos de integrar, havia cerca de trinta nacionalidades. Historicamente, o recrutamento está ligado às crises políticas: havia os russos brancos, os republicanos espanhóis, os alemães pós-guerra, o Leste da Europa após a queda do muro... Hoje, cerca de um quarto do nosso recrutamento se efetua sempre na Europa distante, à Leste. Mas nós temos doravante muitos asiáticos (cerca de 10%). Eles vêm até nós através da China ou da Mongólia. Nossa preocupação é de manter um equilíbrio de modo a que o amálgama possa ocorrer.

A internet se tornou um instrumento essencial: nosso site de recrutamento existe em quinze línguas. Mas nós não recrutamos fora do território metropolitano: é necessário que o candidate venha até nós por seus próprios meios, isso constitui uma primeira prova de sua motivação ao engajamento.

E os franceses?

Os “gauleses” – os franceses – não representam mais que 10% à 15% de nosso recrutamento. O total de francófonos, entre 20 e 25%. É uma situação diferente daquela que nós conhecíamos há vinte ou trinta anos, quando a metade do recrutamento era francófona. Nós não podemos mais praticar a “binomage” para a aprendizagem do francês (um francófono e um não-francófono), mas nós usamos a “quadrinomage”.


Quantos homens vocês recrutam por ano?

Nosso biorritmo é de cerca de 1000. Nós temos conseguido mais no decorrer desses últimos anos – até 1400. Nós estamos abaixo esse ano, cerca de 800. Deve ser dito que nosso efetivo global decresceu, em 600 postos em três anos. Nossos efetivos são, atualmente, de 7334, dos quais 7000 servem à título estrangeiro: esses são todos os legionários e graduados, mesmo que a Legião também conte com alguns graduados do exército, apelidados de “quadros brancos”, para os postos de especialistas.

Qual é a sua taxa de seleção?

Um em cada oito, podemos dizer que temos como escolher. Isso mostra que o nível geral é bem elevado: 13,5/20. Temos que acabar com uma mitologia: nós não recrutamos criminosos que se fariam esquecer ao se engajar na Legião! Certamente, nossos homens são frequentemente feridos na vida, que vêm a nós atrás de um recomeço com a vontade de mudar. O ministro da Defesa confia ao general COM.LE a responsabilidade do pessoal servindo à título estrangeiro.


Havia sempre muitos desertores na Legião. E quanto a 2012?

Vamos primeiros examinar a noção de desertor. Eles são estrangeiros, e eles podem ter vontade de ir pra casa, não é porque será melhor, eles estão com saudades de casa ou por um capricho que vem à cabeça. O que podemos falar com certeza, é a taxa de atrito: ela é de 22% durante os seis primeiros meses e de 10% nos seis meses seguintes. Isso significa que um engajado entre três (32%) nos deixa durante o primeiro ano. Conservar em nossas fileiras os legionários que fizeram a corajosa escolha de se engajar continua a ser um objetivo permanente para nós.

Eles se engajam sempre sob uma identidade falsa?

De novo um mito! Não existe anonimato na Legião. Existem duas situações enquadradas pela lei: “a identidade presumida real” e a “identidade declarada”. 80% dos engajados preferem a primeira solução – eles se engajam sob o próprio nome. Mas devemos ter cuidado: a identidade presumida real não significa necessariamente a identidade real. O engajado pode chegar com documentos que parecem verdadeiros, mas que são falsos. Nós devemos verificar em seus países de origem e isso pode levar vários meses.

O “estatuto estrangeiro” limita seus direitos civis, por exemplo, para a abertura de uma conta bancária. Como funciona?

Na França, para permitir a abertura de uma conta bancária, o banqueiro deve se certificar da identidade do seu cliente. Nesse contexto, a Legião veio a estabelecer uma nova parceria com o Crédit Agricole Alpes-Provence, que permite ao legionário sob identidade declarada possuir uma conta bancária e um cartão de débito.

Houve alguns incidentes infelizes no seio de suas unidades, sobre tratamentos degradantes. O que o senhor faz para evita-los?

Primeiro, devemos ser humildes e não penso que isso não possa acontecer novamente. É um combate permanente sobre o estilo de comando para todas as unidades do exército. Eu faço um esforço particular sobre os jovens tenentes: vocês não devem ser “mitos”? Procuro oficiais capazes de sentirem rapidamente que os legionários que abandonaram tudo têm grandes expectativas de seus superiores – e em particular que eles criem vínculos, respeito recíproco e confiança. Que as coisas fiquem claras: a Legião não está acima da lei! Não existe imunidade própria à Legião que nos permita ignorar leis e regulamentos. E eu não estou lá para encobrir erros de comando.

A Legião protege os legionários do seu próprio passado. Ou mais precisamente contra o passado que eles nos declararam no engajamento. Se o legionário se engaja dizendo que ele é procurado em seu país por um roubo de carro, é uma coisa. Mas se nós ficamos sabendo depois que ele também é procurado pela morte de cinco pessoas em sua cidade, é outra. E nós o entregaremos à Justiça.


Ainda não há mulheres na Legião?

Sim, existem alguns oficiais e graduados femininos – e as coisas vão muito bem. Mas o recrutamento estrangeiro não é aberto às mulheres. A formação básica exige muita intimidade. No primeiro mês, os homens vivem juntos em uma fazenda do 4º Regimento Estrangeiro. Essa pedagogia garante uma amálgama rápida e uma integração de todas as culturas.

A presença de mulheres provocaria tensões e ciúmes entre os legionários em um ambiente muito frágil. E a principal dificuldade virá da diferença de cultura e de abordagem, de um país a outro, com relação à mulher.

Todos os legionários se tornam franceses ao final do seu engajamento?

Eles devem primeiro expressar o interesse e esse não é sempre o caso. Alguns voltam para casa e não desejam permanecer na França. Cada legionário é livre para escolher. Em média, existem de 200 à 250 naturalizações por ano. Se levarmos em conta que 1000 homens se engajam a cada ano e que um terço se vai durante o primeiro ano, isso significa que um legionário em três se tornará francês. Desde 1999, existe uma lei, adotada por unanimidade, que permite aos feridos em operação e que desejam ter acesso total à nacionalidade francesa. Este é o princípio de adquirir a nacionalidade francesa “Par le sang versé” ("Pelo sangue vertido").


- Jean-Dominique Merchet é especialista em questões militares pelo Instituto de Altos Estudos de Defesa Nacional (Institut des Hautes Études de Défense Nationale – IHEDN).

Bibliografia recomendada:

Legião Estrangeira:
Um brasileiro em suas fileiras.
Luís Bouchardet.

Tempos de Inquietude e de Sonho.
Raul Soares da Silveira.

A Legião Estrangeira.
Douglas Boyd.

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

FOTO: Char B1 bis "Indochine"

Soldados alemães posando ao lado dum tanque francês Char B1 bis nocauteado, número 205 “Indochina”, na França em junho de 1940.
O soldado alemão de uniforme preto tem a boina das tropas panzer, usada por pouco tempo.
(Colorização por Julius Jääskeläinen)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 18 de janeiro de 2022.

O Char B1 era um veículo especializado, originalmente concebido como um canhão autopropulsada com um obus de 75mm no chassis; mais tarde, um canhão de 47mm em uma torre foi adicionado, para permitir que ele funcionasse também como um Char de Bataille para acompanhar a infantaria e destruir ninhos de metralhadora e pontos fortes. A partir do início dos anos vinte, seu desenvolvimento e produção foram repetidamente adiados, resultando em um veículo que era tecnologicamente complexo e caro, e já obsoleto quando a produção em massa real de uma versão derivada, o Char B1 "bis", começou no final dos anos 1930. 

Embora uma segunda versão blindada, o Char B1 "ter", tenha sido desenvolvida, apenas dois protótipos foram construídos.

Entre os tanques armados e blindados mais poderosos de sua época, o Char B1 bis foi muito eficaz em confrontos diretos com blindados alemães em 1940 durante a Batalha da França, mas a baixa velocidade e o alto consumo de combustível o tornaram mal adaptado à guerra de movimento então sendo travada. Após a derrota da França, os Char B1 bis capturados seriam usados pela Alemanha, com alguns reconstruídos como lança-chamas, Munitionspanzer ou artilharia mecanizada.

Leitura recomendada:

FOTO: Legionários das Companhias Saarianas

Legionários da 1ère Compagnie Saharienne Portée de la Légion étrangère (CSPL) na Argélia, 1956.
(Colorizada)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 18 de janeiro de 2022.

As Companhias Saarianas Motorizadas da Legião Estrangeira (1ère Compagnie Saharienne Portée de la Légion étrangère, CSPL) eram formações de patrulha de longa distância no deserto da infantaria motorizada que foram ativadas na década de 1920 e expandidas na década de 1950; foram formadas quatro destas companhias. Vestidos em uniformes tradicionais à la Beau Geste, sua função era guardar pontos estratégicos nas estradas transcontinentais do Saara, como os oásis estratégicos e os poços de petróleo. Essas unidades lutaram durante toda a Guerra da Argélia.

Eles moviam-se para o norte do Saara durante o verão e tomavam parte em operações combinadas como tropa motorizada convencional e como infantaria helitransportada. Por causa das enormes distâncias que as CSPL cobriam, esses legionários tendiam a mover-se de base em base através de toda a extensão do norte do Saara.

A Legião também teve um grupamento comandado pelo Tenente-Coronel François Binoche, o Groupement des compagnies portées de Légion étrangère du Maroc (GCPLEM, mas também GCPLM).

Original em preto e branco.

Os legionários estão armados com material bem obsoleto para o período, que eram adequados para a função de patrulha motorizada, com a tropa armada com fuzis Berthier e o graduado à esquerda com uma submetralhadora Sten. Eles vestem o tradicional uniforme de desfile da Companhia Saariana, que consistia de camisa branca de manga curta, calça seroual branca e bandoleiras de couro em forma de V Modelo Saara 1935. Um manto e sandálias complementam o uniforme.

A 1er CSPL, originária do Marrocos, era aquartelada em Ain-Sefra em 1954, movendo-se para o Forte Flatters em 1955. A 2e CSPL estava em Laghouat e a 3e CSPL no Forte Leclerc (Sebha) no Fezzan. Em janeiro de 1956, a 4e CSPL foi criada da antiga 24e Compagnie Portée do 1er RE (Regimento Estrangeiro). Em janeiro de 1961, a 1er CSPL tornou-se o 1er Escadron SPLE, afiliado com a cavalaria ao invés da infantaria.

A unidade foi dissolvida em 31 de março de 1963, e os homens transferidos para o 2e REI; tornando-se Escadron, 2e REI. Depois renomeado 5ª Companhia Motorizada (5e CP), 2e REI.

Guarda-bandeira da 1er CSPL na entrada do Forte Flatters, em uma capa da revista Képi Blanc de 1959. A guarda usa sabres de cavalaria em vez de fuzis.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

LIVRO: Borboletas e Lobisomens


Por Euler de França Belém, Jornal Opção, 14 de julho de 2018.

Livro revela que 7 guerrilheiros do Araguaia negociaram com militares e sobreviveram. Edinho, Duda, Piauí, Rosinha, Josias e Tuca saíram vivos da Guerrilha do Araguaia. Goiano foi infiltrado no PC do B e guerrilheira teve caso com sargento do Exército.


O jornalista Hugo Studart, mestre e doutor em História pela UnB, reabre, com seu mais recente livro, a história da Guerrilha do Araguaia, sugerindo que nem mesmo o PC do B valorizou os camponeses que participaram da batalha, e exibe a cadeia de comando militar que devastou a organização comunista.

A Guerrilha do Araguaia passou por um processo de “reforma agrária” e não é mais propriedade privada exclusiva do Partido Comunista do Brasil. Durante anos, o PC do B se comportou como dono da história da batalha, enquanto os militares fingiam que nada tinham a ver com os fatos acontecidos no Sul do Pará e Norte de Goiás (Tocantins), entre 1972 e 1974. Aos poucos, pesquisadores acadêmicos e jornalistas não vinculados à organização de esquerda começaram a apresentar estudos rigorosos e objetivos — e não relatórios partidarizados — a respeito do confronto. Os melhores livros são de responsabilidade de jornalistas, como Eumano Silva, Taís Morais, Elio Gaspari, Luiz Maklouf de Carvalho, Leonencio Nossa e Hugo Studart, que, na prática, são historiadores. Studart defendeu dissertação de mestrado na Universidade de Brasília, que resultou no livro “A Lei da Selva — Estratégias, Imaginário e Discurso dos Militares Sobre a Guerrilha do Araguaia” (Geração Editorial, 383 páginas, de 2006). Agora, lança em livro sua tese de doutorado “Borboletas e Lobiso­mens — Vidas, Sonhos e Mortes dos Guerrilheiros do Araguaia” (Francisco Alves, 660 páginas).


No livro, que vai além da tese de doutorado, há o imbricamento do historiador rigoroso com a perspicácia do jornalista investigativo e a fluência do escritor que, sim, Studart é. Seus dois livros são cruciais àqueles que querem entender a Guerrilha do Araguaia de maneira mais ampla e matizada. Não há a preocupação de criar vilões e tampouco mocinhos, e sim a de apresentar um quadro nuançado do que aconteceu na região do Araguaia. O pesquisador contempla as visões dos contendores, guerrilheiros e militares, e apresenta sua interpretação — equilibrada e objetiva. De certa maneira, “reabre” a história da guerrilha. O capítulo 19, “Sonata para Carmen”, apresenta uma história que, por vezes, não agrada à esquerda — que tende a apresentar uma guerrilha que, de tão heroica, deixa a impressão de que saiu “vencedora” e defendia a democracia. O pesquisador descobriu, e relata os casos de maneira abrangente — sem julgamentos morais toscos ou ideologizados —, que ao menos sete guerrilheiros, dados como mortos, inclusive por suas famílias e militares, estão vivos. Fizeram acordos e ganharam novas identidades.

Pouco antes de entrar para o PC do B e para a guerrilha, o estudante de farmácia e bioquímica Hélio Luiz Navarro de Magalhães, da Univer­sidade Federal do Rio de Janeiro, compôs uma música e a tocou no piano para sua mãe, Carmen Navarro Rivas. Depois, desapareceu e sua mãe nunca mais o viu. Há alguns anos, um repórter do Jornal Opção publicou uma reportagem — entre as fontes estava um guerrilheiro do Araguaia, Micheas Gomes de Almeida, o Zezinho do Araguaia —, na qual se informava que Hélio Navarro, o Edinho, havia sido visto no Mato Grosso, onde teria chegado a trabalhar com garimpo. Dias após a publicação da matéria, uma mulher, S. L., ligou na redação e ameaçou: “A mãe do Hélio Navarro, a sra. Carmen Navarro, ficou chateada com o texto publicado e pode processar o jornal”. Curiosamente, a família não moveu ação judicial contra o jornal.

Hiato de poder

Luíza Augusta Garlipe, a Tuca; Hélio Luiz Navarro de Magalhães, o Edinho; Maria Célia Corrêa, a Rosinha; Luiz Renê Silveira, o Duda; Antônio de Pádua Costa, o Piauí, e Tobias Pereira Júnior, o Josias, foram capturados pelo Exército e poupados pelos oficiais do Exército.

No livro, Studart apresenta evidências, com fartura de informações, de que Hélio Navarro e pelo menos mais seis (mais quatro são mencionados) guerrilheiros sobreviveram depois de capturados — o que era raro, sobretudo no fim dos combates. Havia uma ordem do ministro do Exército do governo de Emílio Médici, Orlando Geisel — “Não sai ninguém da área” —, que, numa tradução realista, significa: “Matem todos”. O ministro, antes de conversar com o presidente da República, discutiu o assunto com Milton Tavares, chefe do Centro de Informações do Exército (CIE), e o tenente-coronel Carlos Sérgio Torres, do CIE. De fato, militares começaram a matar guerrilheiros capturados e que não representavam nenhum perigo para eles e para a sociedade. Entretanto, a partir de certo momento, na transição do governo de Médici para o governo do presidente Ernesto Geisel, um “ditobrando” que às vezes era “ditoduro”, houve uma mudança.

Hélio Navarro era filho de Hélio Gerson Menezes de Magalhães, capitão-de-mar-e-guerra da Marinha, e sobrinho do almirante Gualter Meneses de Magalhães, anticomunista visceral e chefe do estado-maior da Armada. Por isso, o Centro de Informações da Marinha (Cenimar) pedia informações ao Exército sobre o guerrilheiro, pois o queria vivo. O tenente-coronel Leo Frederico Cinelli, do CIE, havia sido amigo de Carmen Navarro na juventude e era a ponte entre o Exército e Marinha.

Cinelli “assumiu a missão de tentar” entregar Hélio Navarro aos pais. Em fevereiro de 1974, o militante do PC do B, depois de ferido de raspão, é preso. Ele estava com Luiz Renê Silveira, o Duda, e gritou: “Não quero morrer, chama meu pai, que é oficial da Marinha”. “Desde o início, Edinho e Duda mostraram-se dispostos a colaborar”, anota Studart. Antônio de Pádua Costa, o Piauí, resistiu, mas cedeu. Duda “guiou patrulhas militares na caça aos companheiros” e Piauí serviu de guia.

Correu entre os militares que o “filho do almirante” (na verdade, Gualter era tio do esquerdista) havia sido capturado e a informação foi levada à cúpula do Exército em Brasília. O guerrilheiro chegou a citar Cinelli, que, avisado pelo major Leônidas Soriano Caldas, o dr. Ribamar, contatou o Cenimar. “O almirante Fernando Rocha Paranhos, chefe do Cenimar, designou o comandante Lameira, à época capitão-de-corveta, para a missão de resgatar o filho do colega.” Como a esquerda tinha o hábito de justiçar “desertores” e “traidores” da causa, oficiais do Exército e da Marinha temiam pela vida de Hélio Navarro.

Uma Equipe Zebra com dois guerrilheiros capturados no Araguaia.
Os "zebras" eram militares e mateiros atuando descaracterizados em missões de contra-guerrilha.

Em fevereiro de 1974, militares prenderam a “esquelética” Maria Célia Corrêa, a Rosinha, que havia sido namorada dos guerrilheiros João Carlos Wis­nesky, o Paulo, e Divino Ferreira de Souza, o Nunes (goiano). Grávida de Nunes, submeteu-se a um aborto, sob pressão do comandante guerrilheiro Zé Carlos (André Grabois). Fa­min­ta, delirava. Oficiais concluíram que não oferecia qualquer “perigo” e decidiram deixá-la viva. O pesquisador repara que havia o precedente de Marcos José de Lima, o Ari Armeiro, que, preso em setembro de 1972, passou a servir aos militares, chegou a ser infiltrado na guerrilha e sobreviveu. Edinho pediu aos militares que poupassem a vida de Duda e Piauí. A enfermeira Luíza Augusta Garlipe, a Tuca, formada pela USP, foi presa com a famosa guerrilheira e geóloga Dina (Dinalva Conceição Oli­vei­ra Teixeira). Como não era “perigosa”, foi poupada. Tobias Pereira Júnior, o Josias, também escapou.

Studard afirma que, com o novo governo, o de Geisel, houve, num certo momento, um “hiato de poder”. O general Confúcio de Paula Avelino, novo chefe do CIE, “decidiu discutir a pertinência de uma operação para poupar a vida de alguns guerrilheiros”. O tenente-coronel Cinelli concordava com seu superior e o tenente-coronel Carlos Sérgio Torres era refratário à ideia.

Os mortos-vivos

Dinalva Conceição Oliveira, a Dina; Dinaelza Soares Santana Coqueiro, a Maria Diná; e Lúcia Maria de Souza, a Sônia, do PC do B, eram guerrilheiras de grande coragem. Elas combateram duramente as forças do Exército.


A ideia de trocar a identidade dos guerrilheiros “arrependidos” foi do tenente-coronel Flávio Demarco, o Tio Caco, coordenador-geral da Operação Marajoara. Os “arrependidos” seriam considerados, para os registros oficiais, como “mortos”. Eram os “mortos-vivos”.

A “operação mortos-vivos”, classificada como “secreta”, foi planejada e organizada em Brasília pelo major Ronaldo Lira, do CIE, sob coordenação do tenente-coronel Cyro Etchegoyen. Ele recebeu o apoio do comandante Lameira, do Cenimar. “No Araguaia, a execução ficou a cargo do major Leônidas Soriano Caldas.” O sargento José Reis, o Régis, era seu assistente direto. O capitão Sebastião Rodrigues de Moura, que passou à história como Major Curió, não foi avisado da operação. Porque defendia a execução dos prisioneiros.

Para disfarçar a operação, inclusive ludibriando militares de certa relevância hierárquica, o sargento Régis simulou que os guerrilheiros Edi­nho, Duda e Piauí haviam sido executados. Na verdade, foram transferidos para Brasília. O sargento Remo simulou a execução de Rosinha. Tobias Pereira Júnior foi retirado de automóvel do cenário da guerrilha.

Aos 24 anos, Hélio Navarro, o mais protegido, foi o primeiro a ser levado para Brasília. Seguiram-no Duda, de 22 anos, Piauí, de 30 anos, Rosinha, de 29 anos, Josias, de 24 anos, e Luiza Augusta Garlippe. Na capital, foram levados para a Polícia Federal — o general Antônio Bandeira era seu diretor — mas ficaram sob a responsabilidade do CIE.

Sob proteção do almirante Gualter, Hélio Navarro conseguiu emprego no hipermercado Carrefour, em São Paulo. Tobias Pereira “recomeçou a vida no Mato Grosso”. Sua família, sintomaticamente, não pediu indenização ao governo federal e não fala com historiadores e jornalistas.

Luiz Renê, Antônio de Pádua e Rosinha ganharam empregos em Brasília, arranjados pelo coronel Jarbas Passarinho, que era ministro da Educação. O objetivo era “lavar” a nova identidade, forjar currículos. Tanto que, depois, os três deixaram o Ministério da Educação. (Studart não conta, pois não é objeto de sua pesquisa, mas Passarinho conseguiu empregos para ex-esquerdistas goianos que se apresentaram como “arrependidos”. Dois moram em Brasília e um em Goiânia. Um deles se aposentou pela Universidade Federal de Goiás.)

Em 1980, Hélio Navarro foi visto por Elza Monerat, no Rio de Janeiro. Ele casou-se e tem dois filhos. “Com o falecimento de seu pai, em 1999, Hélio Luiz se apresentou à Receita Federal em 8 de agosto de 2001, com sua verdadeira identidade, a fim de regularizar o CPF e liberar inventário.” Em seguida, desapareceu. Não há registro de que tenha procurado a mãe e sua irmã, Aglaé. Certa vez, Carmen Navarro enviou uma carta, por intermédio de um militar, e o ex-guerrilheiro a leu e chorou muito. Mas não há registro de que tenha feito algum contato. Luiz Renê também não procurou sua família.

Paixão na guerrilha

O livro de Studart sugere que a Guerrilha do Araguaia, vista como movimento unicamente do PC do B — com a participação majoritária de pessoas que frequentaram universidades —, deve ser reavaliada. Trata-se de um movimento mais popular do que parece, que contou com ação de vários camponeses, que participaram direta, como guerrilheiros, e indiretamente, como base de apoio. Vários camponeses foram torturados e mortos. “34 camponeses restaram mortos ou desaparecidos durante os conflitos. Há outros 43 camponeses que deram apoio à guerrilha.” Setenta e sete camponeses participaram da luta ao lado dos militantes do PC do B — além de “outros 142 chefes de família apontados como simpatizantes”. O pesquisador “coloca-os” na história — uma história “ignorada” inclusive pelos comunistas —, apresentando seus nomes. Os militares que dirigiram o combate aos militantes da esquerda são mencionados por nomes completos, além dos codinomes. São arrolados, entre os outros, o coronel Gilberto Airton Zenkner, o tenente-coronel Carlos Sérgio Torres, o major Leônidas Soriano Caldas, o capitão Roberto Amorim Gonçalves, o major Lício Augusto Ribeiro Maciel (que aparece em vários livros), o major Roberto Sampaio Loureiro, o major Thauma­tur­go, o major Diprimio, o major Othon do Rêgo Monteiro Filho (Otto), o major Nilton de Albu­querque Cerqueira (o Faixa Branca), o major Celso Seixas Marques Ferreira (dr. Brito), o tenente-coronel Leo Frederico Cinelli, o tenente-coronel Wilson Brandi Romão (dr. Zico), o tenente-coronel Flávio Demarco, o tenente-coronel Hydino Sardenberg Filho e o major José Brant Teixeira. Desmitifica-se o Major Curió, que, apesar da fama (disseminada por jornais e pelo militar), não era um personagem central e cuja autonomia era menor do que se costuma pensar.

Adepto da foquismo — focos guerrilheiros instalados notadamente no campo —, o PC do B acreditava que, a partir das matas, do campo, se poderia cercar as cidades e derrotar a ditadura. Paradoxal­mente, os militares usaram a cidade, com sua fartura de homens, armas e aviões, para cercar o campo e destruir a guerrilha. O maoísmo do partido era mais produto de uma fé, fanática, do que de uma análise criteriosa e realista da correlação de forças. Só com muita boa vontade é possível admitir que a maioria dos estudantes que foram lutar no Araguaia era de fato guerrilheira. Eles eram jovens criados em cidades, é provável que muitos nunca tinham visitado uma fazenda e tiveram dificuldade de se adaptar à vida na mata — a maior parte jamais se adaptou e, no geral, vivia doente. Alguns, quando puderam, escaparam.

Há um segredo de polichinelo: em 1974, um dos líderes da guerrilha, Ângelo Arroyo, escapou do Araguaia — tendo Micheas Gomes de Almeida como guia —, ao lado de um terceiro homem. Zezinho do Araguaia não revela o nome; garante que não se lembra. Há a suspeita de que tenha sido João Amazonas. Mas o “guia” afirma que era um homem mais alto.

Ao contrário de outros livros, que são sisudos, o de Studart aventura-se, por vezes, por assuntos da vida privada. Dina, a borboleta (era difícil pegá-la, diziam os camponeses), era casada com Antônio Carlos Mon­teiro Teixeira, mas era apaixonada por Pedro Gil. Para a camarada Lúcia, que sugeria que não era possível amar na floresta, ela disse: “Você tem de entender que a mata é nossa casa, nossa vida. Precisamos ser felizes aqui”. Alguns guerrilheiros, como Francisco Chaves e Áurea Eliza Pereira Valadão, tinham interesse nas artes dos terecozeiros. Áurea chegou “a se consultar com um espião-terecozeiro”. Era um agente disfarçado. Certa feita, ao ser traído por uma viúva, de quem era amante, Osvaldão Orlando Costa expropriou seu castanhal. O camponês Raimundo Severino, o Raimundinho da Pedrinha, não deixou por menos: “Osvaldo trocou o chifre pelo castanhal”.

No livro “Autópsia do Medo — Vida e Morte do Delegado Sérgio Paranhos Fleury” (Globo, 650 páginas), de Percival de Souza, há a revelação de que uma irmã do jornalista Raimundo Rodrigues, ex-editor da Veja e do jornal Movimento, havia sido amante do delegado que torturou dezenas de militantes da esquerda. Studart revela outra história parecida. Criméia Alice de Almeida, guerrilheira do Araguaia, teve um relacionamento afetivo com o sargento Joaquim Artur Lopes de Souza, o Ivan — o militar que matou Dina.

Há a terrível história de Maria Lúcia Petit, que, ferida gravemente, teria sido enterrada viva. Rosalindo Cruz Souza, o Mundico, foi justiçado pelos guerrilheiros — teria sido assassinado por Dina. A tese mais aceita é que mantinha relacionamento com Áurea Valadão, que era casada com Arildo Valadão, e o adultério, talvez sobretudo o feminino, não era aceito. Studart apresenta outra informação: ele queria sair da guerrilha — e isto era considerado um crime pelo qual se pagava com a vida.

As mulheres guerrilheiras, como Dinalva Conceição Oliveira Teixeira, a Dina, Dinaelza Soares Santana Coqueiro, a Maria Diná, Helenira Rezende de Souza Nazareth, a Fátima Preta, e Lúcia Maria de Souza, a Sônia (feriu o major Lício Augusto Ribeiro e o major Curió e disse: “Guerrilheiro não tem nome, tem causa”), demonstraram uma coragem impressionante — que chegou a assustar oficiais e soldados.

Um cabo do Exército infiltrado no PC do B, durante a guerrilha, continuou como militante até morrer. Joaquim Arthur, o Ivan, infiltrou-se no Destacamento B, o de Osvaldão Orlando Costa. Em 1972, revela Studart, o general Antônio Bandeira infiltrou no Araguaia um antigo militante da VAR-Palmares. “Ele era de Goiânia” e tinha “entre 35 e quarenta anos”, era “mulato, magro, trabalhador”. Atuou no destacamento de Osvaldão.

O livro de Studart abre, para quem quiser, as portas para novas pesquisas. É um manancial de ganchos para aqueles que planejam escrever dissertações de mestrado, teses de doutorado ou mesmo reportagens. O que se comentou aqui não representa 10% da obra, que, ao ampliar horizontes, é fundamental para a compreensão da Guerrilha do Araguaia. A obra é incontornável para pesquisadores e leitores comuns.