sexta-feira, 10 de julho de 2020

Chineses no Extremo Oriente russo: uma bomba-relógio geopolítica?

As crianças transportam água de nascente para sua vila nos arredores de Khabarovsk, Rússia. Um fundo de investimento de 100 bilhões de yuans é o mais recente de uma série de esforços para fortalecer os laços ao longo da fronteira da China e da Rússia. (Foto: AFP)

Por Ivan TselichtchevThis Week in Asia, 10 de julho de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de julho de 2020.

O investimento conjunto entre Moscou e Pequim pode ser vantajoso para as duas partes no papel, mas, como mostra a experiência no Extremo Oriente russo, também pode alimentar ressentimentos em relação à presença da China.

Reuniões recentes entre Pequim e Moscou - no Fórum do Cinturão e Rota no mês passado e em uma cúpula de dois dias na Rússia - são as últimas de uma série de esforços para fortalecer os laços sino-russos, especialmente ao longo da fronteira. No entanto, como muitas nações, a Rússia descobriu que trabalhar com a China pode ser uma faca de dois gumes.



As relações sino-russas estão "no melhor momento da história", disse o presidente chinês Xi Jinping à mídia russa que participou da cúpula - palavras que foram apoiadas com o anúncio de um fundo de US$ 10 bilhões para projetos de infraestrutura transfronteiriça.

Mas, apesar de toda a fanfarra que cerca o fundo, o investimento chinês na região está ajudando a alimentar a tensão, aumentando os temores da crescente presença da China no Extremo Oriente russo. Um efeito colateral do investimento de Pequim - um afluxo de migrantes chineses - é freqüentemente percebido pelos moradores como uma expressão da expansão territorial de fato da China. Alguns grupos políticos e meios de comunicação russos aproveitaram essa ansiedade e deliberadamente a sensacionalizaram. Um filme apocalíptico China - um Amigo Mortal (na série “Rússia Enganada”) se tornou um sucesso instantâneo na Internet após seu lançamento em 2015. No filme, somos informados de que a China está se preparando para invadir o Extremo Oriente Russo (EOR) em sua busca pelo domínio global e que os tanques chineses podem chegar ao centro da cidade de Khabarovsk em 30 minutos. A apenas 30km da fronteira chinesa, Khabarovsk é a segunda maior cidade do EOR Rússia, depois de Vladivostok e do centro administrativo da região. Apesar do medo, a escala da migração não é tão grande assim. Segundo o censo da Rússia em 2010, o número de chineses residentes no país era de apenas 29.000, ante 35.000 em 2002 - não mais do que 0,5% da população total do EOR.

Outras estimativas, no entanto, colocam o número de chineses na Rússia entre 300.000 e 500.000.


O presidente chinês Xi Jinping aperta a mão do presidente russo Vladimir Putin durante seu encontro em Astana. Os dois países estão aumentando sua cooperação econômica ao longo da fronteira. (Foto: AFP)

Segundo as estatísticas russas, o número de chineses que entram no país está crescendo, mas também o número que sai. Em 2015, por exemplo, 9.083 portadores de passaporte chinês chegaram, enquanto 9.821 saíram. Em suma, apesar da imigração ilegal chinesa acontecer, não há evidências de uma anexação silenciosa chinesa do EOR.

Mas a questão da presença chinesa no EOR afeta um nervo bruto na Rússia, em grande parte por duas razões. Primeiro, os russos o vêem no contexto da enorme e crescente incongruência econômica e populacional com a China e, segundo, o confronto sino-soviético de três décadas, incluindo confrontos nas fronteiras no final da década de 1960.


Soldados chineses e soviéticos usando fuzis como porretes no confronto de 1969.

A população da China é cerca de 10 vezes a da Rússia. A população do EOR, composto por sete províncias, é de pouco mais de 6 milhões - uma densidade média de menos de uma pessoa por quilômetro quadrado. Além disso, a população dessa região está em declínio devido às baixas taxas de natalidade e à migração para outras regiões da Rússia, onde as condições de vida e trabalho são melhores. Desde 1991, o EOR perdeu cerca de um quarto da sua população.

O produto interno bruto da China é quase 10 vezes o russo e a diferença está aumentando. A economia chinesa cresce quase 7% ao ano, enquanto a Rússia acaba de superar uma recessão e é improvável que cresça mais de 1,5% a 2% nos próximos anos.

Independentemente de seus ricos recursos naturais, o EOR continua sendo uma das regiões russas mais problemáticas em termos de infraestrutura, desenvolvimento industrial e condições de vida. A infraestrutura desatualizada da maioria das cidades e vilarejos, especialmente os da área de fronteira, contrasta fortemente com as instalações de última geração construídas em cidades fronteiriças chinesas como Suifenhe ou Heihe.

Questões territoriais

O Tratado de Aigun de 1858 entre o Império Russo e a Dinastia Qing estabeleceu a fronteira sino-russa ao longo do rio Amur, revertendo o anterior Tratado de Nerchinsk de 1689. A Rússia alcançou mais de 600.000km² na margem esquerda do Amur, conhecida como Priamurye, que tinha sido mantida pela China. Com a assinatura da Convenção de Pequim, dois anos depois, ela também adquiriu a vasta área na margem direita do Amur, a leste de seu tributário rio Ussuri (o Ussuri se une ao Amur em Khabarovsk) - ganhando assim controle completo sobre a região de Primorye até Vladivostok.


Um homem chinês vende mercadorias em um mercado na cidade de Vladivostok. Algumas estimativas colocam o número de chineses na Rússia entre 300.000 e 500.000. (Foto: AFP)

Na China, ambos os tratados são vistos como desiguais, redigidos em um momento de fraqueza da China.

Em 1969, quando o confronto entre Pequim e Moscou atingiu o pico, eclodiram confrontos militares na fronteira, aumentando o medo de uma guerra total. Em 1989, as relações bilaterais foram normalizadas. A fronteira foi amplamente finalizada pelo acordo de 1991. O historiador Boris Tkachenko disse que a China ganhou 720 quilômetros quadrados.


Ilha de Zhenbao (Damansky).

Ironicamente, os territórios recebidos incluíram a Ilha de Zhenbao - o cenário do mais amargo confronto militar em 1969. A questão do status territorial das duas pequenas ilhas próximas a Khabarovsk, ao longo da junção dos rios Amur e Ussuri - Yinlong e Heixiazi - ficou para ser resolvida mais tarde. Sob o acordo de 2004, o primeiro e cerca de metade dos últimos foram transferidos para a China. Críticos na Rússia dizem que Moscou fez muitas concessões. Com a assinatura do acordo adicional de fronteira em 2008, oficialmente todas as questões territoriais foram resolvidas. China e Rússia agora são parceiros estratégicos. Mas muitos na China acham que, como o Tratado de Aigun e a Convenção de Pequim eram injustos, a China deveria em algum momento recuperar os territórios que cedeu. 

A dimensão econômica

As atividades econômicas dos chineses no EOR ainda estão em expansão, com a aprovação tácita da Rússia.

Uma das principais atividades chinesas no EOR, e também na Sibéria, é a agricultura. Os agricultores chineses estão cultivando milho, soja, legumes e frutas lá, enquanto muitos estão envolvidos na criação de porcos. Para isso, a Rússia está arrendando terras - centenas de milhares de hectares, geralmente a taxas preferenciais.

Recentemente, foi assinado um novo acordo para arrendar cerca de 150.000 hectares de terras agrícolas na região Trans-Baikal, na Sibéria Oriental, aos chineses por 49 anos, a um preço simbólico de cerca de US$ 5 por hectare. Quase todas as florestas na área perto da fronteira chinesa já haviam sido arrendadas para extração de madeira.

Críticos na Rússia estão dizendo que isso significa uma venda da terra natal a um preço com desconto. Isso é retórica. No entanto, existem questões mais importantes para se preocupar também.

A principal dor de cabeça é o uso excessivo de produtos químicos. Os nitratos nas frutas e legumes cultivados pelos chineses excedem em muito as normas, segundo as autoridades de monitoramento russas. Muitos produtos químicos que eles usam são desconhecidos na Rússia, e não há metodologia para sua análise. Isso representa riscos para a saúde dos consumidores e também para a degradação do solo.

Mais uma surpresa para os russos foram as fazendas de suínos administradas pela China. Os animais crescem em um ritmo "impensável" e em um tamanho "impensável" - aparentemente, devido ao uso intensivo de produtos químicos em suas forragens.

Em 2009, a China e a Rússia lançaram um programa de cooperação a longo prazo nas regiões fronteiriças. Isso inclui 205 projetos principais: 94 no lado russo e 111 no lado chinês. Estes últimos, no entanto, estão praticamente paralisados, pois os colegas russos não fornecem financiamento suficiente para implementá-los.


Os construtores trabalham no canteiro de obras da ponte rodoviária de Heihe-Blagoveshchensk, na fronteira da China e da Rússia. A ponte rodoviária de 19,9km se estende de Heihe, uma cidade fronteiriça na província de Heilongjiang, no nordeste da China, até a cidade russa de Blagoveshchensk. A ponte rodoviária está programada para abrir em outubro de 2019. (Foto: Xinhua)

Por outro lado, os projetos iniciados na Rússia pelos chineses estão extraindo minérios metálicos e outros recursos naturais, produzindo cimento e modernizando instalações alfandegárias e de controle de fronteiras.

Ao implementar projetos de cooperação, o lado chinês, em primeiro lugar, procura enviar um grande número de trabalhadores. Mais frequentemente, parece ser uma condição prévia para o lançamento de tais projetos.

Em 2014, a Rússia promulgou a lei de Territórios de Desenvolvimento Acelerado (TDA) - zonas econômicas especiais que fornecem benefícios fiscais e outros benefícios substanciais, incluindo taxas reduzidas de extração mineral. Não são necessárias permissões para a contratação de trabalhadores estrangeiros.

Os territórios são estabelecidos inicialmente por 70 anos, mas o prazo pode ser estendido. Eles são gerenciados não pelas administrações locais, mas pelos comitês e empresas de gestão designados pelo governo. Terrenos ou imóveis podem ser confiscados de cidadãos russos a pedido da empresa administradora.

Inicialmente, o TDA será criado apenas no EOR, a partir das províncias de Khabarovsk e Primorye. Os chineses serão os principais atores e beneficiários.

A China pode transferir mais grandes empresas para o EOR, de projetos de construção à construção naval e telecomunicações. O lado russo está disposto a aceitá-los, desde que cumpram os padrões ambientais.

Tudo isso obviamente prepara o terreno para um envolvimento mais profundo dos chineses na economia do EOR e, aparentemente, para o aumento do número de residentes chineses. No entanto, seu número não aumentará dramaticamente. Fatores econômicos, limitando a presença da China, também estão em ação.


Convidados visualizam o modelo de mesa de areia de uma usina de calor e energia na província de Yaroslavl, na Rússia. Uma usina combinada de calor e energia a vapor e gás, construída por uma joint venture China-Rússia, foi oficialmente noticiada online. (Foto: Xinhua)

Primeiro, a China possui vastas áreas subdesenvolvidas, especialmente no oeste, com uma densidade populacional esparsa comparável ao EOR. Para Pequim, o desenvolvimento dessas áreas parece ser uma prioridade.

Segundo, a atratividade da Rússia como destino de emprego está diminuindo, pois os salários na China estão crescendo mais rapidamente e já podem ter excedido os níveis russos.

Terceiro, a economia da Rússia passou por uma recessão e são esperadas taxas de crescimento muito baixas. O entusiasmo dos investidores chineses não está aumentando. Eles têm muitos outros destinos de investimento estrangeiro atraentes ao redor do mundo para escolher.

Diagnóstico e perspectivas

A escala da presença chinesa no EOR ainda é comparativamente pequena. Nos próximos anos, é provável que cresça - não dramaticamente, mas a um ritmo moderado.


19º Destacamento Spetsnaz "Ermak" da Guarda Nacional russa com seus colegas chineses da unidade "Lieying" da Polícia Militar chinesa, no Distrito de Toguchinsky, Oblast de Novosiribirsk, em 2019. (Foto de Alexandr Kryazhev)

Os interesses econômicos de ambos os lados são complementares, não conflitantes. O EOR precisa de recursos trabalhistas, dinheiro e tecnologias chineses. A China precisa das terras, recursos naturais e mercados do EOR. Isso promoverá laços econômicos mais fortes, e este é um jogo de soma positiva.

Dito isto, existe o risco de que esses elos mais fortes também possam suscitar ansiedades e tensões, especialmente do lado russo, e amplificar sentimentos nacionalistas e xenófobos. Para enfrentar esse desafio, os dois governos precisam priorizar adequadamente suas agendas econômicas, neutralizando o impacto potencialmente negativo na opinião pública.



A Rússia terá que acomodar, passo a passo, cada vez mais chineses, proporcionando um ambiente confortável de trabalho e de vida, fazendo com que eles cumpram suas regras e, ao mesmo tempo, explicando aos residentes do EOR que seus medos são exagerados.

A interação com os chineses será produtiva apenas se mais russos optarem por viver e trabalhar no EOR, atraídos pela infraestrutura aprimorada e pelas novas indústrias. Caso contrário, como o presidente Vladimir Putin colocou, a maioria da população da Rússia falará chinês, japonês ou coreano... mas antes de tudo chinês, sem dúvida. A questão dos chineses no EOR é definitivamente gerenciável, mas apenas se a Rússia conseguir atrair mais russos para a região. Caso contrário, a crescente presença chinesa pode se tornar uma bomba geopolítica.

Ivan Tselichtchev é professor e reitor da Universidade de Administração de Niigata no Japão e autor de China Versus Ocidente: O deslocamento de poder global no século XXI.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

Quer entender a história chinesa? Estes 5 eventos são a chave6 de janeiro de 2020.

O mesmo de sempre: o oportunismo pandêmico da China em sua periferia, 20 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário