sexta-feira, 26 de abril de 2019

CLASSE TAMANDARÉ. O futuro navio de escolta da marinha do Brasil.

FICHA TÉCNICA
Tipo: corveta.
Tripulação: 120 tripulantes*.
Data do comissionamento: Entre 2024 a 2028*.
Deslocamento: 3455 toneladas.
Comprimento: 107,2 mts.
Boca: 15,95 mts.
Propulsão: 4 Motores MAN 12V 28/33 DSTC produzem 21840 shp.
Velocidade máxima: 28 nós (52 km/h).
Alcance: 5000 mn (9260 Km) em velocidade econômica (14 nós/ 26 km/h)
Sensores: 1 radar tridimensional BAE  Type 997 Artisan 3D com 200 km de alcance; Radar de navegação Raytheon de banda X, Radar de controle de fogo Thales STIR 1.2 EO MK2; Um sistema eletro-óptico SAFRAN Pasei XLR e um sonar de casco ATLAS Elektronik ASO 713
Armamento: 2 lançadores duplos MBDA ITL-70A para mísseis MM-40 Exocet Block I e Block III; Um lançador vertical para 16 mísseis Sea Ceptor; Um canhão Leonardo Super Rapid de 76 mm; 1 canhão CIWS Bofors 40 mm MK-4, dois lançadores triplos de torpedos MK-46 e duas metralhadoras pesadas M2HB em calibre 12,7 mm (.50)
*Dado estimado

DESCRIÇÃO
Por Carlos Junior
A Marinha do Brasil tem a responsabilidade de patrulhar uma área litorânea com território marítimo de 4.489.919 km² de área, formada por mais de três milhões de km² de Zona Econômica Exclusiva e mais 950 mil km² de plataforma continental, área maior do que as Regiões Nordeste, Sudeste e Sul juntas. Para isso, a marinha conta com 6 fragatas da classe Niterói, projetadas nos anos 70, duas fragatas Type 22, classe Greenhalgh,  de 4 unidades compradas usadas em uma dessas compras de oportunidade, 5 corvetas da classe Inhaúma (incluindo a mais recente classe Barroso, mas com apenas 3 navios em serviço atualmente). Observando o breve quadro descrito acima, pode se chegar rapidamente a uma conclusão que não estamos bem equipados, materialmente para a missão da Marinha do Brasil. Independentemente de modernizações que foram feitas e ainda serão implementadas nas fragatas Niterói, nada fará com que ela deixe de ser um navio obsoleto e já "cansado" de tanto tempo no mar.
A Marinha do Brasil tinha o objetivo de comprar uma nova classe de modernas fragatas no programa PROSUPER para substituir as fragatas classe Niterói e as fragatas da classe Greenhalgh, porém, a crise que assolou o país, principalmente na segunda gestão do governo Dilma impossibilitou que houvesse recursos financeiros para este empreendimento.
Acima: A corveta Barroso é derivada, diretamente, da corveta Inhaúma, desenvolvida no inicio dos anos 80. Hoje, é o navio em melhores condições de toda a frota brasileira. A Tamandaré será bastante superior em capacidade a este navio. 
Embora a questão de falta de dinheiro seja um dos problemas do país, o problema principal da marinha, a necessidade de um novo navio de escolta, permaneceu e alguma solução tinha que ser dada. Optou-se pela construção de uma nova classe de corvetas pelo Arsenal da Marinha do Brasil, porém, foi emitido um RFI (requerimento por informação) para empresas do setor naval do mundo todo proporem suas soluções para os requisitos que a Marinha do Brasil tem em vista. A proposta que viesse a ser escolhida, teria que se juntar com a Emgepron, que será a contratante principal, para construir o navio no Brasil.
Pois bem. No dia 08 de março de 2019, a Marinha do Brasil publicou sua escolha pelo Consórcio Águas Azuis, formado pela Thyssenkrupp Marine Systems, Embraer Defesa &; Segurança e Atech com seu projeto baseado na classe MEKO A-100 para se tornar o futuro navio de escolta da Marinha do Brasil.
Acima: A proposta do consórcio Águas Azuis, composto pela Thyssenkrupp Marine Systems, Embraer Defesa & Segurança e Atech, venceu a licitação da marinha do Brasil para construir 4 navios de guerra da Classe Tamandaré, usando como base o projeto da MEKO A-100
A família de navios do projeto MEKO tem com principal característica seu elevado nível de modularidade que permite que cada cliente coloque sistemas específicos a suas necessidades, customizando o navio. Um dos navios mais capazes da família MEKO já foi mostrado aqui no WARFARE Blog, na matéria que trata dos navios da classe Valour da marinha sul africana. Estas são fragatas multi-função MEKO A-200 SAN, com deslocamento maior que o modelo que será fornecido para a marinha do Brasil.
A Tamandaré terá um deslocamento de  3455 toneladas, valor esse, relativamente pesado para uma corveta e mais coerente com o deslocamento de uma fragata. A propulsão do novo navio será responsabilidade para quatro motores MAN 12V 28/33 DSTC que produzem 32180 shp de potência, e o sistema de geração de energia será feito por quatro geradores Caterpillar C-32, também alimentados a diesel. A autonomia da tamandaré será de 30 dias no mar e o navio terá alcance de  9260 km em velocidade econômica de 14 nós, que equivale a 24 km/h. A velocidade máxima que esse sistema de propulsão permite a Tamandaré acelerar é até 28 nós (52 km/h). Estes números são bastante bons para uma corveta, também fazendo jus, novamente, ao desempenho de uma fragata.
Acima: O desempenho projetado para as futuras corvetas Tamandaré estão bem acima da média que se tem em navios desta categoria. Existe, inclusive, a possibilidade da Marinha do Brasil reclassificar o navio como fragata devido a suas características.
A gama de sistemas e sensores da classe Tamandaré tem como seu principal elemento o radar tridimensional de médio alcance  BAE Type 997 Artisan 3D que faz a busca, rastreio  e vigilância a uma distancia de até 200 km podendo ser monitorados até 800 alvos simultaneamente. Este sistema de radar permite operar mesmo sob ação de interferência de guerra eletrônica. O radar de controle de fogo é o Thales STIR 1.2 EO MK2, que fornece a solução de tiro para os mísseis e para o canhão do navio. Para navegação serão instalados um radar Raytheon que opera na banda S e outro que opera em banda X. Para apoiar os sistemas de detecção ativa, os navios da classe Tamandaré receberão um sistema eletro-óptico SAFRAN Pasei XLR que proporciona imagem clara de dia ou de noite, em qualquer condição climática do ambiente, ajudando na busca de ameaças de pequenas dimensões que podem acabar escapando do radar.
Para lidar com ameaças submarinas, será instalado um sonar de casco ATLAS Elektronik ASO 713 que opera de forma ativa e passiva nas bandas entre 660 Hz e 3000 Hz podendo detectar, não somente submarinos, mas também minas navais, lanchas ou navios inimigos, assim como veículos submarinos sem tripulantes (UUV).
Acima: Aqui podemos ver o radar BAE Type 997 Artisan 3D, principal sistema de detecção empregado na Tamandaré. 
As corvetas da classe Tamandaré terão uma combinação de armamentos bem equilibrada para lidar com ameaças aéreas, de superfície e submarinas. Para defesa antiaérea, um lançador vertical com 12 mísseis MBDA Sea Ceptor que são guiados por radar ativo e com atualização de meio curso por data link será instalado a frente da ponte. Com alcance que supera os 25 km de distancia, o Sea Ceptor será o mais capaz míssil anti aéreo já operado pela Marinha do Brasil. Em apoio a este sistema, o sistema de defesa anti aérea de ponto (CIWS) será composto por um canhão Bofors 40 mm MK4, fabricado pela BAE Systems, capaz de engajar alvos aéreos a 4 km de distancia podendo empregar granadas com detonação por espoleta de aproximação e ogiva de fragmentação, o que aumenta, substancialmente, a probabilidade de destruição do alvo. Este canhão possui um carregador para 100 granadas para pronto emprego e pode disparar a uma cadência teórica de 300 tiros por minuto.
O canhão principal será o popular Leonardo 76/62 Super Rapid (SR) em calibre 76 mm, capaz de ser empregado contra alvos aéreos e de superfície, disparando suas granadas a uma distancia que pode chegar a 16 km, e disparando a uma cadência de 120 tiros por minuto.
Para ataque anti navio, o Tamandaré será armado com dois lançadores duplos para mísseis anti navio MM-40 Exocet ou míssil MANSUP, um projeto nacional que foi desenvolvido com ajuda da MBDA, tendo ambos os mísseis, alcance ma faixa de 70 km e guiamento por radar ativo. Haverá, também dois lançadores triplos para torpedos leves MK-46 capazes de atingir um alvo a 11 km de distancia e 365 metros de profundidade. O sistema de guiagem do MK-46 é feito por um sonar ativo/ passivo. Há dois reparos de suporte para metralhadoras pesadas M-2HB em calibre 12,7 mm (.50).
Acima: O destaque dentre as capacidades de combate dos navios da classe Tamandaré será seu sistema de lançamento vertical para mísseis antiaéreos Sea Ceptor da MBDA. Certamente será o mais capaz sistema de defesa antiaéreo já empregado por qualquer navio da Marinha do Brasil. Nesta foto vemos o lançamento de um Sea Ceptor a partir de uma fragata classe Duke (Type 23)
Embora classificada originalmente de corveta, o projeto da Tamandaré a ser executado pelo consórcio Águas Azuis com base no projeto MEKO A-100, fornecerá um navio com capacidades análogas a uma fragata leve. Os quatro  navios deverão ser entregue para a Marinha do Brasil entre os anos de 2024 até 2028. Quando entrar em serviço, a Tamandaré será o mais capaz navio de guerra nacional e terá capacidade de combate superior a das fragatas da classe Niteroi e as fragatas da classe Greenhaugh, navios maiores que a Tamandaré.
A matéria acima visa apresentar as características e capacidades que a futura classe de navios de guerra da Marinha do Brasil terá. No entanto, exponho que, sob meu ponto de vista, as 4 corvetas da classe Tamandaré não serão suficientes para dar a Marinha do Brasil, uma capacidade dissuasória e capacidade de escolta adequada, principalmente quando se leva em conta o grande aumento da capacidade dos navios de superfície modernos da categoria de fragatas. Torço para que, em meados da década de 20, a instituição tenha recursos para incorporar e operar uma classe de modernas fragatas para que a dissuasão estratégica seja atingida e não fique apenas dependente de nossos submarinos.
Acima: Nesta ilustração podemos ver a quantidade de alternativas de equipamentos que se pode instalar em um navio da classe MEKO A-100. A modularidade é a característica chave desta extensa família de navios




Gostou desta publicação? Receba todas as novas matérias do WARFARE Blog nos seguindo nas redes sociais: INSTAGRAMFACEBOOKMeWe e TWITER. Não deixe de compartilhar também!
Prestigiem nossos parceiros também:
NAVIOS DE GUERRA WARFARE Blog: https://www.facebook.com/groups/2186884164961505

Conheça a loja virtual Point 36! Nela você pode encontrar tudo o que você precisar! Pode ser um perfume, pode ser um notebook, pode ser uma bicicleta! Não feche negócio antes de consultar nossos preços! Clique no banner abaixo para conferir as ofertas!

8 comentários:

  1. Muitas pessoas estão criticando o navio, porém ao fazerem buscas, eles acabam lendo sobre a meko 100, que é um patrulha, a meko-A-100 é outro navio

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. As fragatas acima de 6000 toneladas são extremamente caras.
    Não seria melhor o almirantado, parar de sonhar com porta-aviões e essas fragatas carissimas e botar os pés no chão, e encomendar 30 exemplares dessa mini fragata aparentemente bem preparada para o combate?
    Ou nas proximas 26 unidades a marinha solicitaria uma alteração no projeto para a esse consórcio, o aumento do comprimento para 130 metros e a boca para 18 metros ela ficaria proximo de 4700 toneladas.
    Bem próximo das Greenhalgh Deslocamento: 4.440-padrão / 4.731-plena carga.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite Geudice.
    Acredito que a marinha do Brasil devesse encomendar uma classe de fragatas de 4500 a 6000 toneladas também. As corvetas/ Fragatas leves da classe tamandaré são adequadas para defesa ou escolta em um cenário ou ambiente de baixa complexidade. Porém, se pensar em um TO onde o inimigo tenha destróiers e fragatas mais pesadas, estaremos em desvantagem.
    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Boa Noite, na LAAD havia uma maquete desse navio com passadico e ponte de comando semelhantes ao da imagem das alternativas dos sensores e armazenamentos, a da MB sera design de losango ou sera retangular como a da primeira ilustração da matéria? A da MB não tera os painéis laterais em "X" como as outras MEKO? Tera somente 4 mísseis anti-navio, nan serão 8? Não terá um radar de busca de superfície complementar ao Artisan, mesmo 2D, para criar redundância e ser usado para vigiar a superfície na linha d'água, alem do Ratheon banda "S"? Por fim, não seria interessante, tendo em vista o comprimento, tonelagem e valor (aproximadamente €500 milhões), tentar obter, com certo aumento, a MEKO A-200, com essa configuração e maior propulsão, por enquanto?? Muito Obrigado!!

    ResponderExcluir
  6. Pela descrição feita nessa matéria, parece-me um navio relativamente desdentado. Sua função anti-aérea fica comprometida pela pequena quantidade de mísseis Sea Ceptor. Se fossem 8 células Mk41 ou Sylver, esse míssil poderia ser disposto em canisters quádruplos, elevando a capacidade para 32 mísseis. Nesta configuração, teria grande valor como escola para outros meios, como o PHM 140. Aliás, fossem 16 células Mk41 outras armas poderiam ser incorporadas, como o RUM-139 ASROC, por exemplo. No quesito ASW, ele poderia incorporar um sonar rebocado, o que seria muito desejável na defesa da Amazonia Azul.Também questiono o uso de armas de 12,7 mm. Não seria mais interessante um calibre maior (ex: 30mm), mais adequado a ameaças assimétricas?

    ResponderExcluir
  7. oi pessoal venho convida-los a se inscreverem no meu canal o analista militar, que gosta deste canal com certeza vai gosta do meu, e sobre cultura militar.
    https://www.youtube.com/watch?v=T6jpqSeopOw

    ResponderExcluir
  8. Para os interessados em desenhos, eu fiz um desenho dessa corveta brasileira com os recursos do Shipbucket!

    https://www.deviantart.com/nascimenttobr/art/Meko-A100-Corveta-BR-Classe-Tamandare-800042805

    Forte Abraço!

    ResponderExcluir