quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

O Tigre em combate - A experiência do Exército Francês


Os Tigres do Exército Francês têm extensa história operacional no norte da África. (Airbus)

Por Nigel Pittaway, Australian Defence Magazine, 18 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2020.

Enquanto os helicópteros Tigre de reconhecimento armado (Armed Reconnaissance Helicopter/ Helicóptero de Reconhecimento Armado, ARH) da Austrália foram desdobrados no exterior apenas duas vezes em seus 15 anos de história operacional, seus equivalentes do Exército Francês têm sido continuamente desdobrados em operações de combate há mais de 10 anos agora.

Os dois desdobramentos do ARH foram para exercícios, primeiro na Papua Nova Guiné em agosto de 2015 para trabalhar com a Força de Defesa PNG, e mais recentemente, na Malásia a bordo do RAAF C-17, onde embarcaram no ano passado à bordo LHD HMAS Canberra para o Pacific Endeavor (IPE) 2019.

O Tigre é a ponta-de-lança da aviação do Exército Francês (ALAT - Aviation Légère de l'Armée de Terre, Aviação Leve do Exército) e desdobrado pela primeira vez no Afeganistão em meados de 2009. Hoje ele está voando em missões diárias de combate sobre os desertos do Mali.

Para aprender mais sobre a experiência de combate francesa com o Tigre na última década, a ADM visitou Phalsbourg, oeste de Estrasburgo e lar do 1º Regimento de Helicópteros da ALAT (1e RHC - Régiment d'Hélicoptères de Combat).

Visão Geral do Tigre

O Exército francês atualmente opera duas versões do Tigre, mas um programa de atualização em andamento resultará em comunalidade em toda a frota.

A versão de base é o Tigre HAP (Hélicoptère d'Appui Protection, Helicóptero de Apoio e Proteção), capaz de empregar foguetes de 68mm e o míssil Mistral ar-ar, bem como o canhão automático de corrente de 30mm no nariz. O ARH da Austrália foi desenvolvido a partir desta aeronave de linha de base, mas com uma capacidade de designação a laser adicionada à mira Safran Strix, que permite o uso de mísseis Hellfire II.

A segunda variante francesa é o Tigre HAD (Hélicoptère d'Appui Destruction, Helicóptero de Apoio e Destruição), que é semelhante ao ARH, pois possui capacidade de designação a laser e mísseis Hellfire II, mas também possui uma versão aprimorada do motor Turbomeca Rolls-Royce MTR390, que confere cerca de 14% a mais de energia.

Atualmente, 36 Tigres HAP sobreviventes estão sendo trazidos para o padrão HAD pela Airbus Helicopters em Marignane, perto de Marselha, e o trabalho deverá ser concluído em 2024. Toda a frota também está sendo atualizada para a configuração Padrão 2 (também conhecida como Mk .2, mais sobre isso à seguir) e uma atualização do Padrão 3 (Mk.3) agora estão na fase de redução de riscos.

Dois regimentos ALAT 'padrão' operam o Tigre: o 1e RHC em Phalsbourg e o 5e RHC em Pau, no sudoeste do país, além de ser operado pelo 4e Régiment d'Hélicoptères des Forces Spéciales (Regimento de Helicópteros das Forças Especiais), também baseado em Pau*.

*Nota do Tradutor: A cidade de Pau também é lar da escola paraquedista francesa (Écoles des troupes aéroportées, ETAP). 



Afeganistão


Um helicóptero de ataque Tigre do Exército Francês participando de um exercício conjunto de helicópteros de ataque franceses e americanos na Base Operacional Avançada Morales-Frazier, no Afeganistão, em 22 de janeiro de 2011.

O Tigre foi desdobrado pela primeira vez no Afeganistão e iniciou suas operações em julho de 2009, operando em Cabul em apoio às forças francesas e da coalizão na região. Nas operações, os helicópteros franceses também operavam de perto com as unidades Apache do Exército dos EUA.

Como o ALAT é uma organização relativamente pequena, o pessoal é frequentemente destacado no exterior e os dois oficiais com quem a ADM conversou em Phalsbourg, o Capitão Teddy, líder da patrulha, e o Chefe de Operações Tenente-Coronel Brice (seus sobrenomes foram retidos por razões de segurança), têm vasta experiência em todos os desdobramentos de combate.

"Prestamos exatamente o mesmo serviço às tropas em terra."

O Tigre é um helicóptero mais leve que o Apache (6 toneladas contra 10 toneladas) e foi criticado por não fornecer o mesmo nível de capacidade, mas o Capitão Teddy disse que a experiência operacional mostrou que os dois helicópteros são equivalentes.

“No Afeganistão, estávamos integrados a uma patrulha Apache (Exército dos EUA), onde poderíamos voar nas primeiras duas horas e eles nos renderam e depois voltaríamos, então era bastante simples para nós julgar o desempenho dos dois helicópteros ," ele disse. “No início de cada missão, tivemos que fazer o check-in com o JTAC (Joint Terminal Attack Controller/ Controlador de Ataque de Terminal Conjunto) em terra e tivemos que declarar nossa carga útil e tempo de vôo (resistência na missão) na área - e não podíamos mentir, porque eram dados da tarefa operacional.

“Ouvimos os pilotos do Apache fornecendo todas essas informações também e eram exatamente iguais às nossas - exatamente a mesma carga útil, exatamente o mesmo tempo de vôo -, portanto, não éramos inferiores à patrulha do Apache, prestamos exatamente o mesmo serviço às tropas no solo."

O Tigre foi retirado do Afeganistão em 2013, mas quase ao mesmo tempo, o governo francês anunciou que desdobraria o helicóptero no Mali. Entretanto, entre 2009 e 2013, os Tigres da ALAT foram desdobrados em operações de combate na Líbia e na República Centro-Africana, bem como em Djibuti, no Chifre da África, para teste operacional e avaliação da versão HAD.

Opération Harmattan e a República Centro-Africana


Harmattan era o codinome francês para operações militares na Líbia em 2011 e dois Tigres HAP foram embarcados a bordo do navio de assalto anfíbio da Marinha FNS Tonnerre da classe Mistral, por quase cinco meses.

O Tigres se adaptaram facilmente ao ambiente marítimo e às operações no convés foram simplificadas pelo fato do diâmetro do rotor principal ser de tal forma que ele poderia usar os elevadores do navio. Os helicópteros da ALAT voaram missões ao lado de helicópteros Apache AH.1 do Exército Britânico, com considerável sucesso.

“Foi durante o verão na Líbia, então experimentamos altas temperaturas, mas o Tigre foi projetado para decolar com uma carga útil total”, lembrou o Tenente-Coronel Brice. “Tivemos que calcular a resistência, porque o navio não estava muito perto da praia e tivemos um longo trânsito sobre o mar. Meus pilotos de Tigre fizeram os cálculos e relataram uma carga útil de 450 projéteis de 30mm, foguetes de 68mm, dois mísseis (Mistral) e três horas de vôo.”

No final de 2013, o Exército Francês também foi destacado para a República Centro-Africana na Opération Sangaris - operações de manutenção da paz que incluíram ataques aéreos do Tigre contra bandidos armados.

Opération Barkhanne


Tigre francês equipado com HAD. (Airbus)

A operação atual está no Mali, na África Subsaariana, onde o Exército Francês opera o Tigre desde o início de 2013. As operações iniciais foram conduzidas com a versão HAP, mas todos os desdobramentos agora são baseados no HAD, e os três regimentos (incluindo a unidade das Forças Especiais) contribuem com aeronaves e pessoal.

"Eu estava voando e tomei 15 tiros de munições PKM (7,62 mm) e não foi um problema."

Os helicópteros estiveram envolvidos em pesados tiroteios, apoiando tropas no terreno sob ataque dos rebeldes da Frente de Libertação Islâmica Macina (ou Katibat). Dois Tigres e cinco especialistas de manutenção desdobram de sua base operacional principal em Gao para o deserto a qualquer momento e operam remotamente por até duas semanas, usando apenas o equipamento transportado pela equipe de manutenção a bordo do helicóptero do transporte aéreo inicial e o que pode ser armazenado a bordo do Tigre.

A capacidade do Tigre de sofrer danos de batalha foi comprovada em várias ocasiões e em uma dessas missões, o Capitão Teddy lembrou como uma emboscada de metralhadora havia sido preparada para abater os Tigres, um dos quais ele estava voando.

“A aeronave é muito, muito resistente a danos de batalha (e) eu sou a prova disso. Foi uma emboscada para helicóptero, um dia antes lutáramos contra uma companhia pesada de Katibat e eles sabiam que os helicópteros franceses voltariam, então foi uma missão suicida para eles, eles colocaram alguns feridos em um ponto quente com metralhadoras pesadas e disseram para eles concentrarem o fogo nos helicópteros”, lembrou.

"Eu estava voando e tomei 15 tiros de munição de PKM (7,62mm) e não foi um problema para mim ou para o helicóptero. Uma caixa (aviônica) foi atingida, mas o helicóptero apenas me informou que havia mudado para uma caixa alternativa. Não foi um grande problema e eu voei por 20 minutos de volta à posição francesa mais próxima e segura.

“O segundo Tigre também foi atingido, mas continuamos lutando depois que voltei. Em outro momento, também tivemos um RPG atingindo um Tigre e ele foi consertado em Gao em cerca de dois dias”, disse o Capitão Teddy.

O Tigre Futuro

O Tigre deve permanecer em serviço por muitos anos e a frota do Exército Francês está sendo atualizada para a configuração Padrão 2 (Mk.2), que inclui um GPS com um Módulo Anti-Falsificação de Disponibilidade Seletiva (Selective Availability Anti-Spoofing ModuleSAASM), inclusão do SIT de enlace de dados da ALAT e novas armas, incluindo os mísseis Mistral 2 ou 3.

"Usamos o Tigre em condições marginais."

Como mencionado anteriormente, as variantes HAP estão sendo atualizadas para a configuração padrão 2 em conjunto com sua conversão para HAD e todas serão concluídas até o final de 2024. A frota existente HAD terá sido submetida a atualização até o final de 2023.

Além do Mk.2, o trabalho de definição também está em andamento para uma variante Padrão 3 (Mk.3) e, embora sua configuração final ainda não tenha sido decidida, a atualização provavelmente incluirá sistemas de navegação aprimorados (Strix NG), GPS e Galileo, capacidade de equipes tripuladas e não-tripuladas (MUM-T), aviônicos modernizados, um novo SATCOM criptografado de datalink, foguetes de 68mm guiados com precisão, um canhão aprimorado de 30mm com uma maior travessa (Extension Butée) e um substituto para os mísseis Hellfire (provavelmente MAST-F - Míssil Tático Futuro Ar-Superfície).

"Usamos o Tigre em condições marginais no exército francês", concluiu o Capitão Teddy. "Se você encontrar o pior lugar do mundo, pode ter certeza de que em cinco anos estaremos operando lá".

Aviso legal: O escritor viajou para Phalsbourg como convidado da Airbus Helicopters.

Original: https://www.australiandefence.com.au/news/tiger-in-combat-the-french-army-experience

Nenhum comentário:

Postar um comentário