sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Não haveria Estados Unidos sem a França


Por David W. Brown, Mental Floss, 17 de novembro de 2015.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de fevereiro de 2020.

Quando os diplomatas franceses assinaram o Tratado de Aliança em 1778, eles essencialmente confirmaram um experimento chamado Estados Unidos da América. Com um custo de sangue e dinheiro, os franceses decidiram resolver o problema de uma vez, de um conjunto de colônias a uma nação livre e independente. Os séculos a seguir foram algumas vezes (superficialmente) controversos, mas é difícil ver o relacionamento como algo que não seja o amor familiar. Mas, para descobrir como essa família unida se uniu, é preciso relembrar o envolvimento da França na Revolução Americana.

Antepassados espirituais



Mesmo na década de 1770, Paris era uma cidade muito antiga (para ilustrar esse ponto, a Catedral de Notre-Dame tinha mais de 600 anos na época). Se você fosse um revolucionário que pretendia iniciar uma nação do zero, a França era o modelo e Paris não era apenas uma cidade - era a capital de uma civilização construída para durar.

Os pais fundadores dos Estados Unidos foram fortemente influenciados pelo Iluminismo francês. Quando Thomas Jefferson escreveu na Declaração de Independência que os poderes dos governos derivam do "consentimento dos governados", ele se inspirava no Contrato Social de Rousseau (originalmente conhecido como Sobre o Contrato Social). Montesquieu influenciou profundamente James Madison, autor da Constituição, e é uma das razões pelas quais temos uma separação de poderes entre três ramos do governo. Os escritos de Voltaire sobre censura, enquanto isso, ajudaram a consagrar a liberdade de imprensa.

Fazendo acontecer



Afirmando claramente, se a França não tivesse apoiado os Estados Unidos durante a Revolução Americana, não haveria Estados Unidos hoje. George Washington era um grande general, mas o Exército Continental simplesmente não tinha o dinheiro, homens, treinamento ou embarcações marítimas necessárias para derrotar os britânicos. No início da guerra, a França secretamente forneceu aos americanos oficiais treinados, dinheiro, munição e pólvora. Isso contribuiu diretamente para a surpreendente vitória dos continentais sobre os britânicos na Batalha de Saratoga, em 1777. Com a notícia da derrota britânica, Luís XVI da França decidiu apostar tudo. A França assinou o mencionado Tratado de Aliança e o Tratado de Amizade e Comércio e começou a enviar sério poder de fogo às colônias. A guerra com a Grã-Bretanha começou.

Deve-se mencionar que os objetivos da França não eram inteiramente puros. Treze anos antes, eles foram derrotados pelos britânicos nas Guerra contra os Franceses e os Índios (Guerra dos Setes Anos 1756 – 1763) e, como resultado, sofreram uma perda impressionante de território na América do Norte. (Notavelmente, a enorme dívida acumulada pela Grã-Bretanha por causa dessa guerra fez com que aumentasse os impostos sobre as colônias, o que levou à Revolução Americana.) Dar um golpe nos odiados britânicos foi uma oportunidade muito boa para os franceses deixarem passar e, apoiando os americanos, eles poderiam essencialmente travar uma guerra muito mais devastadora na América do Norte do que antes.



A contribuição inicial e primária da França para a guerra ocorreu nos mares com suas forças navais. Nem todo esforço foi bem-sucedido. A Batalha de Rhode Island provou ser uma operação não-auspiciosa de abertura para os novos aliados, e a Segunda Batalha de Savannah não foi muito melhor. Mas a Revolução Americana foi uma guerra global e, em outros lugares, os franceses conquistaram várias vitórias importantes sobre os britânicos, incluindo batalhas navais nas Índias Ocidentais e na Batalha do Grande Turco. Os franceses se uniram à luta em solo americano em 1780, momento em que seu exército altamente disciplinado sob o comando do Tenente-General Conde de Rochambeau estabeleceu como objetivo a derrota total dos britânicos.

As duas batalhas decisivas da Revolução Americana foram a Batalha de Chesapeake e a Batalha de Yorktown. A primeira foi uma vitória naval estratégica da marinha francesa sobre os britânicos. O Conde de Grasse e o Conde de Bougainville, os almirantes franceses que lideravam frotas de navios de guerra, impediram efetivamente a marinha britânica de reforçar as forças em Yorktown. Enquanto isso, Yorktown viu exércitos sob o comando de Washington, Rochambeau e do major-general francês Marquês de Lafayette, dominando decisivamente as forças britânicas. A rendição de Lord Cornwallis marcou efetivamente o fim da guerra, com as principais potências abrindo negociações de paz.

O sangue francês ajudou a garantir a independência americana. De uma maneira muito real, o caminho para a América se tornar uma superpotência mundial passou pelas ruas de Paris.

Original: https://www.mentalfloss.com/article/71302/why-there-would-be-no-united-states-america-without-france

Nota do Tradutor: A França liderou uma coalizão contra a Grã-Bretanha, formada pela Espanha e Holanda, além de voluntários estrangeiros como o Friedrich Wilhelm August Heinrich Ferdinand Steuben, Barão Steuben, general prussiano que simplificou o manual de treinamento para que ele fosse mais facilmente assimilado pelos continentais. O mais famoso desses voluntários estrangeiros foi o francês Marquês de Lafayette, "O Herói de Dois Mundos. Na Primeira Guerra Mundial, em 4 de julho de 1917, o Coronel Charles Egbert Stanton, do Exército dos Estados Unidos, visitou a tumba do nobre marquês e disse "Lafayette, aqui estamos!" 

A vitória confirmou a França como o líder da Europa até a Revolução Francesa.

As forças espanholas lideradas por Bernardo de Gálvez no Cerco de Pensacola, 1781. Óleo sobre tela, Augusto Ferrer-Dalmau, 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário