terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Ser um líder rebelde: desobediência disciplinada no exército

Napoleão Bonaparte.

Do site The Angy Staff Officer, 27 de agosto de 2018.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de janeiro de 2020.

Primeiro, não, isso não é uma discussão sobre os méritos dos líderes dentro da Aliança Rebelde no universo Star Wars, embora, se fosse, eu diria que a liderança rebelde tem muito poucos méritos e provavelmente não devemos imitar sua abordagem à guerra baseada no caos.


Aliança Rebelde combatendo na lua de Endor.

O que eu gostaria de falar é sobre o pensamento disruptivo no Exército, e vou começar com isso:

"Desobediência disciplinada para alcançar o objetivo mais alto."
- General Mark Milley, Chefe do Estado-Maior do Exército, 2015.

Em todas as grandes organizações, existe uma grande tentação de seguir os procedimentos estabelecidos pelo livro. E isso pela simples razão de que, quando você tem cerca de um milhão de pessoas em sua organização - como no caso do Exército dos EUA -, é muito mais seguro e eficiente que todos estejam na mesma página. No nosso caso, temos uma doutrina, que é o alicerce fundamental de como pensamos e operamos no Exército. A doutrina nos oferece nossos limites esquerdo e direito nos quais operar; fornece uma linguagem comum; e garante que a organização opere de maneira uniforme. Ele ainda fornece a definição do Exército de liderança e princípios de liderança; tudo em um prático documento de vinte e seis páginas. E, no entanto, nessa discussão sobre liderança do Exército, não há uma menção à desobediência voluntária - exceto quando não se segue ordens ilegais ou imorais.


Erwin Rommel, "A Raposa do Deserto".

Então, o que significa exercer desobediência disciplinada, como Milley chama? A professora Francesca Gino, de Harvard, escreveu extensivamente sobre o que ela chama de "liderança rebelde" nas organizações: "Quando penso em rebeldes, penso em pessoas que quebram regras para explorar novas idéias e criar mudanças positivas", diz ela. Portanto, não é que esses líderes estejam violando as regras e prejudicando sua organização; em vez disso, eles estão sempre procurando novas maneiras de fazer as coisas, recusando-se a aceitar "é assim que sempre fizemos" como resposta e inovando constantemente. A propósito, leia seus oito princípios de liderança* rebelde no link acima; Eles são excelentes.

*Nota do Tradutor: Eles são 1. Busque o novo; 2. Encoraje a dissidência construtiva; 3. Abra canais de conversação, não os feche; 4. Revele a si mesmo e reflita; 5. Aprenda tudo, depois esqueça tudo; 6. Encontre liberdade nas restrições; 7. Lidere das trincheiras; 8. Promova acidentes felizes.

Agora, o Exército é uma instituição enorme, com uma missão muito importante: proteger os Estados Unidos. Vidas dependem dos líderes tomarem as decisões corretas. Então, como líderes, devemos divergir de nossa doutrina e pensar em novas maneiras de fazer as coisas?

Sim e não. Primeiro, há algumas coisas que você simplesmente não deve divergir ou mudar. Coisas de procedimento, como a fórmula de evacuação médica de 9 linhas ou como pedir fogo de artilharia. Esses processos são implementados para garantir que a comunicação seja otimizada para máxima eficiência. Desviar desses processos pode custar vidas.


Marcel Bigeard, "O Senhor do Atlas".

Agora, vamos fazer algo como exercícios de batalha. Esses scripts são para vitória absoluta todas as vezes? De maneira alguma - eles apenas combinam as melhores práticas (flanqueamento, táticas de infiltração, fogo supressor, obscurecimento etc) reunidas ao longo do último século de combate para fornecer ao líder uma linha de base a partir da qual operar. Um pode e deve (usando nosso bom e velho METT-TC) divergir dos exercícios de batalha, caso as variáveis mudem. A adesão estrita à letra da lei nesses casos fará com que pessoas sejam mortas. E esse sempre foi o caso ao longo da história. A Marinha Real Britânica aderiu tanto aos rígidos princípios da linha de batalha que nunca conseguiu uma vitória sobre uma força quase igual até 1782, quando o almirante George Rodney rompeu com a doutrina e derrotou a esquadra francesa na Batalha de Saintes. A liderança tática exige inovação e engenhosidade e alguns elementos de desobediência disciplinada: operando dentro da intenção do comandante, mas fora das normas da doutrina do Exército.


Lord Thomas Cochrane, "O Lobo dos Mares".

Ok, então, e sobre todo o resto? Todos sabemos que a liderança não começa e termina no campo de batalha. De fato, muitas vezes os momentos mais eficazes de liderança são os comuns no dia-a-dia. E, operando sob a orientação de Milley e os exemplos fornecidos pelo professor Gino, há uma infinidade de coisas que se pode fazer como líder para realizar mudanças subversivas, mas positivas, em uma organização. Depois que assumi o comando, examinei o número de reuniões que a companhia estava realizando e as eliminei ou as consolidei até o mínimo necessário para manter a comunicação fluindo, mesmo que fossem reuniões que as pessoas diziam que "deveriam ser realizadas". Elas realmente não deveriam. Todo mundo odeia reuniões, então isso não apenas tornou a organização mais eficiente, mas também elevou o moral. Vantajoso para as duas partes.

Você também pode ser um pouco mais subversivo e entrar na área cinza que caracteriza a desobediência disciplinada. Pegue tarefas maiores, por exemplo. Todas as unidades as obtêm, sempre há muitas e, às vezes, você sente que está se afogando sob a pilha delas. Todos nós temos tempo e recursos limitados. Portanto, ao tentar fazer tudo, seremos necessariamente menos eficazes em nossas prioridades. Minha regra geral é avaliar as tarefas de acordo com a linha de esforço em que ela se enquadra e, se não estiver entre as minhas três principais - e se ignorando ou sentindo falta dela, não exerço estresse indevido ou mais trabalho sobre meus subordinados - então largo-a no final da minha lista de prioridades. Não é literalmente desobedecer a uma ordem, é priorizar efetivamente de acordo com os recursos disponíveis.


Moshe Dayan.

A desobediência disciplinada precisa ser explorada mais como um tema dentro do Exército, porque há armadilhas óbvias se der errado ou se as pessoas interpretarem mal como "desobedecer a todas as ordens". A disciplina é uma parte fundamental do Exército e ainda precisamos estar atentos a isso. Portanto, esse conceito precisa ser uma discussão entre líderes. Deve ser realizado nos níveis mais baixos da força e deve ser defendido por líderes de nível médio que podem usá-lo como uma oportunidade para incentivar esse tipo de pensamento, em vez de sufocá-lo. Para maximizar recursos, reter e promover líderes talentosos, e obter uma vantagem sobre nossos adversários, precisamos construir líderes rebeldes.

Original: https://angrystaffofficer.com/2018/08/27/being-a-rebel-leader-disciplined-disobedience-in-the-army/

Angry Staff Officer é um oficial de engenharia do Exército dos Estados Unidos que está à deriva em um mar de doutrinas e operações de estado-maior e usa a escrita como um meio de manter sua sanidade. Ele também colabora em um podcast com Adin Dobkin, intitulado War Stories, que examina os principais momentos da história da guerra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário