segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Um fuzil militar de 6,8mm - ótima idéia ou sonho de verão caro?

(Josh Wayner/TTAG)

Por Josh Wayner, The Truth About Guns, 17 de março de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de fevereiro de 2020.

As opiniões expressas neste artigo pertencem ao seu autor, e não refletem necessariamente a opinião do tradutor ou do blog Warfare.

Apertem os cintos, ninjas de shopping. É hora de falar sobre a escolha militar de balas de 6,8 mm para seus fuzis. Eu diria que quero que este seja um artigo detalhado e bem-educado, mas sei que alguns de vocês não conseguem lidar com uma discussão civilizada, por isso vou divulgar isso em termos de leigos.

Para vocês leitores preguiçosos que apenas querem apenas se dirigir aos comentários e me dizerem o quão errado eu estou, aqui está: eu acho que seria uma idéia monumentalmente estúpida calibrar qualquer fuzil militar em 6,8mm e eu não acho que isso jamais acontecerá em qualquer capacidade ampla. Pode ser real por um breve período, mas todos os itens das Armas Futuras do Discovery Channel também foram assim.

Toda vez que falamos de fuzis e cartuchos militares, fico surpreso ao ver tantas das mentes mais brilhantes do setor à espreita na seção de comentários dos meus humildes artigos escondidos atrás de nomes genéricos online. Como lobisomens sob a lua cheia, esses especialistas de prestígio esperam que meus pensamentos críticos se transformem em mentores de balística de mais de 200 de QI, logísticos militares ultra-secretos e atiradores de elite com 500 mortes cada (que eles podem mencionar).

Infelizmente, esses salvadores da civilização ocidental desocupam-se depois de deixarem seus pensamentos educados e irrefutáveis, para nunca mais voltar ao cenário de sua bem-escrita vitória sobre um jornalista da geração milenar, desinformado e tagarela.

Se você chegou até aqui sem comentar abaixo, vou lhe dizer novamente: o fuzil militar em 6,8mm é uma idéia estúpida e provavelmente nunca sairá dos testes iniciais. O principal motivo pelo qual sou crítico de qualquer fuzil de 6,8mm em serviço é que é uma idéia que fica bem apenas no papel e não tem aplicação prática real sobre o que está em serviço no momento. Milhões serão gastos e desperdiçados apenas para perceber que será mais barato e fácil atualizar os sistemas de armas existentes.

O primeiro ângulo que veremos é aquele das desvantagens financeiras e logísticas da família de armas de 6,8mm quando se trata de aplicação geral. Vamos assumir que o desenvolvimento completo de um fuzil 6,8mm dedicado não será importante, o que significa que uma opção comercial do setor privado será adotada para serviço, provavelmente na forma de uma atualização de uma caixa da culatra para o M4. 

Eu posso ver um sistema alimentado por fita de munição sendo construído do zero, mas há muito menos deles em comparação com as carabinas, o que tornaria a substituição desses algo mais ou menos viável.

Esse misterioso cartucho 6,8mm desejado pelas forças armadas pode ser um tipo de munição sem estojo, mas esses projetos raramente são bem-sucedidos por várias razões. O debate sem estojo é para outro artigo, então vou salvá-lo para a hora certa. Se o fuzil for uma 'atualização' do M4, ele será limitado às restrições do carregador AR padrão. O principal problema disso é que há apenas uma quantidade limitada de energia que pode ser aproveitada nesse conjunto de dimensões.

Para o nosso exemplo, consideraremos o único cartucho intermediário de 6,8mm bem-sucedido (se você o  chamar assim): o SPC de 6,8mm. Apesar de oferecer maior energia inicial do que os 5,56mm, ele sofre tremendamente na categoria de peso, chegando perto do 7,62x39mm em peso de cartuchos individuais.

Tendo usado muito os 6,8 SPC e 5,56mm em distâncias além de 600 jardas, posso dizer que as cargas militares de 5,56mm 77gr OTM são superiores a qualquer coisa em 6,8 SPC em praticamente todas as distâncias. A razão para isso é que as balas longas e aerodinâmicas de 5,56mm podem facilmente superar os projéteis curtos e agudos de 6,8mm em vôo, da mesma forma que a bala M43 de 7,62x39mm padrão. A economia de peso é novamente crítica aqui e os 5,56mm sempre superam os 6,8mm a esse respeito pela matemática simples.

Não existe um cartucho conhecido de 6,8mm que ofereça uma vantagem significativa sobre o 5,56mm ou 7,62mm OTAN no tamanho especificado de suas respectivas plataformas de armas. Se estiver substituindo os 7,62mm nas metralhadoras, acho que as forças armadas usariam algo como 300 Norma Magnum para aumentar o alcance/ultrapassagem enquanto permanecer no mesmo envelope de peso que o M240. (Mais informações sobre "ultrapassagem" em breve, aguarde.)

Quando se trata de substituir o 5,56mm, não acho que isso aconteça enquanto existirem munições superiores como a M855A1. A munição com revestimento de polímero provavelmente será colocada em campo antes que qualquer item sem revestimento seja adotado.

Se isso parecer decepcionante, entenda que as forças armadas têm uma longa história de fracasso em cumprir os projetos mais básicos. Veja os motivos de risadas de um trilhão de dólares como o Future Combat System, o F-35, o B-1 Lancer e os destróieres da classe Zumwalt.

Em um nível mais básico, o sistema de camuflagem ACU, projetado para funcionar em qualquer ambiente, foi um fracasso total. Mas adicionar um cartucho novinho em folha e sistemas de armas a uma máquina de compras militares já entupida e ineficiente funcionará perfeitamente, de acordo com muitos "acadêmicos" que eu conheço.

Para as pessoas que acreditam que mudar os instrumentos básicos de combate das forças armadas é tão fácil quanto trocar armas no Call of Duty, basta olhar para o programa de vários anos do Sistema Modular de Arma de Porte (Modular Handgun SystemMHS) e que confusão foi essa. Eu acredito muito que a melhor arma ganhou. O M17 da SIG SAUER é uma arma melhor do que a arma que a GLOCK apresentou e era de fato modular, o que era o tipo de espírito por trás de tudo.

"Especialistas" dizem que o SIG venceu porque ofereceram por menos. A realidade diz que eles venceram porque entregaram uma arma superior que atendeu aos critérios desejados estabelecidos na competição MHS, mas, ainda assim, esse assunto simples e baseado em fatos é muito debatido até hoje. É quase como se os fatos não importassem quando cinco milhões de fanboys disfarçados de especialistas no assunto começaram a chorar como criancinhas.

"Por que o Exército não me ama, papai?"

"Shhhhhh, pequeno Gaston, eles simplesmente não conseguem ver que você se identifica como modular."

O concurso M17 é um mistério, pois é a primeira vez que as forças armadas como um todo decidem equipar suas forças com uma arma que pode ser prontamente adaptada ao soldado em termos de características ergonômicas. Sempre foi uma ação de tamanho único ou de seis posições, na melhor das hipóteses. Se demoramos tanto tempo para reconhecer que os soldados têm mãos que variam em tamanho, é desejável que eles consigam uma substituição completa dos sistemas de fuzil primário.

Embora as armas tenham sido forçadas sobre as forças armadas no passado, isso nunca foi acompanhado de bons resultados. O que aconteceu com o M16 no Vietnã provavelmente é um prenúncio do que acontecerá com este fuzil e munição de última geração. Embora os fuzis da plataforma AR sejam boas armas agora, demorou décadas para chegar lá.

O problema balístico que essa misteriosa munição 6,8mm deve solucionar é o arranhador de cabeça chamado "ultrapassagem". É o conceito vagamente definido da necessidade do guerreiro de superar o inimigo em poder de fogo (entre outras coisas).

As forças armadas se tornaram literalmente obcecados com esse conceito de ultrapassagem (overmatch) a ponto de se tornar uma piada literal. E o que, ouso perguntar, estamos tentando vencer? Que tipo de arma contra a qual somos confrontados nos levou a questionar nossos cartuchos de combate?


Ultrapassagem, munição 6,8mm avançada, 7,62x54R.

A resposta é o 7.62x54R, uma munição de fuzil com aro que remonta a 1891, normalmente usada na metralhadora de uso geral PK. Embora tendamos a rir da tecnologia antiga da era soviética nas mãos de camponeses sem educação, as forças armadas americanas certamente parecem ter dificuldade em abordá-las com alguma confiança. Um novo conjunto de armas está sendo projetado essencialmente para combater a tecnologia que existe há mais de um século.

Mas um novo cartucho não resolverá esses problemas. Provavelmente, apenas criará mais de maneiras imprevisíveis ainda a serem vistas.

Se este artigo parece muito pessimista, entenda que vem do ponto de vista da praticidade. Parece-me ridículo que a maior potência militar do mundo continue enfrentando problemas como esse e tente resolvê-los jogando milhões de bilhões em soluções hipotéticas.

A ciência dos projéteis está cada vez melhor a cada dia. Mas não é moda ou sexy simplesmente atualizar os sistemas existentes quando dinheiro e tempo podem ser facilmente desperdiçados em novos sonhos mirabolantes de sistemas de armas.

O melhor cenário é que isso funcione até que o inimigo obtenha a mesma tecnologia. Mas o pior caso é que isso custa vidas do nosso lado, enquanto o inimigo continua carregando esses cartuchos do século XIX. O último é tipicamente o que acontece e essa é a triste realidade da adoção de um sistema de armas avançado definitivo.

Original: https://www.thetruthaboutguns.com/a-6-8mm-military-rifle-great-idea-or-expensive-pipe-dream/

Nenhum comentário:

Postar um comentário