quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

A União Africana planeja enviar 3.000 soldados para o Sahel

A União Africana realizou o Exercício de Treinamento de Campo AMANI II como parte de seus esforços para operacionalizar as Forças Africanas de Prontidão (ASF) em Lohatla, África do Sul, em 7 de novembro de 2015. (Imagem: UNOAU)

Do site The Defense Post, 27 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2020.

Desdobramento de seis meses previsto "durante o curso do ano".

A União Africana disse na quinta-feira, 27 de fevereiro, que espera enviar um destacamento temporário de 3.000 soldados para a região do Sahel na África Ocidental, onde as forças regionais estão lutando com dificuldade para responder a uma insurgência islâmica de quase oito anos.

A decisão foi tomada na cúpula da União Africana no início deste mês, disse Smail Chergui, o Comissário da Comissão de Paz e Segurança da União Africana, mas o anúncio não foi feito até uma conferência de imprensa na quinta-feira.

"Sobre a decisão da cúpula de trabalhar no envio de uma força de 3.000 soldados para ajudar os países do Sahel a degradar grupos terroristas, acho que é uma decisão na qual trabalharemos juntos com o G5 Sahel e a CEDEAO", disse Chergui.

"Acho que essa decisão foi tomada porque, como vemos, como você mesmo pode reconhecer, a ameaça está se expandindo, está se tornando mais complexa", acrescentou Chergui. 

Decisões finais da cúpula da U.A. ainda não foi publicada, mas os diplomatas confirmaram alguns detalhes da proposta de desdobramento no Sahel.

"A cúpula decidiu enviar cerca de 3.000 soldados por um período de seis meses para trabalhar com os países do Sahel para lidar com a ameaça que eles enfrentam", disse à AFP Edward Xolisa Makaya, embaixador da África do Sul na União Européia. "É apenas um sinal ou uma demonstração de solidariedade com o povo do Sahel".

A África do Sul assumiu a presidência da U.A. na cúpula e os planos e para sediar uma cúpula extraordinária da U.A. sobre questões de segurança em maio. Makaya disse esperar que o desdobramento do Sahel ocorra "ao longo do ano". Mas muitos detalhes do possível desdobramento ainda não foram esclarecidos. Makaya disse que nenhum país se apresentou para oferecer tropas, e também não está claro como o envio será financiado.

"É claro que os Estados membros foram convidados a fazer ofertas e contribuições, e fizeram, alguns Estados membros fizeram ofertas durante as discussões", disse ele. "Mas não temos a liberdade de mencionar seus nomes agora."

No entanto, líderes da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Economic Community of West African StatesCEDEAO) na Cúpula Extraordinária sobre Contra-Terrorismo de 14 de setembro decidiram mobilizar "até um bilhão de dólares para a luta contra o terrorismo", disse o presidente do Níger, Mahamadou Issoufou, após a reunião. O dinheiro, depositado em um fundo comum de 2020 a 2024, ajudará a reforçar as operações militares das nações envolvidas e as operações militares conjuntas na região.

A conferência de imprensa de quinta-feira ocorreu como parte de uma reunião entre a U.A. e líderes europeus. O Alto Representante da U.E. para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrell, disse na entrevista coletiva que um desdobramento no Sahel seria "muito bem-vindo". "Acho que temos capacidade de coordenação logística suficiente para gerenciar todos juntos", disse ele.

Missões militares multilaterais no Sahel

Não está claro como uma potencial missão da U.A. interagiria com as outras missões multilaterais que já operam contra grupos armados na vasta região subsaariana.

A Operação Barkhane, liderada pela França, uma missão de 5.100 soldados com mandato para operações de combate ao terrorismo em toda a região, concentra atividades no Mali, Níger e Burkina Faso, atingidos por insurgentes, trabalhando ao lado de tropas locais e outras operações internacionais, incluindo a Força Conjunta do G5 do Sahel (Force Conjointe du G5 du Sahel, FCG5S), que inclui tropas de Burkina Faso, Mali, Níger, Chade e Mauritânia, e MINUSMA, a missão de estabilização da ONU no Mali.

A Barkhane já está construindo uma coordenação de comando com as forças parceiras da Coalizão do Sahel, estabelecendo mecanismos de coordenação dedicados na capital do Níger, Niamey, e na capital do Chade, N'Djamena, onde fica a sede da Barkhane, enquanto o Mali lança a Operação Maliko, uma nova operação antiterrorista que levará em consideração a cooperação transfronteiriça, regional e internacional.

A França também tem tentado obter apoio para a nova Força-Tarefa de Operações Especiais Takuba, que treinará, aconselhará, auxiliará e acompanhará as forças locais em sua luta contra o Estado Islâmico e as afiliadas da Al-Qaeda na região. Takuba declarará capacidade militar inicial no verão e estará totalmente operacional no outono.

Insurgência no Sahel

A complexa insurgência no Sahel começou no Mali em 2012, quando um levante separatista tuaregue foi explorado por extremistas ligados à Al-Qaeda que tomaram cidades importantes no norte do deserto. No ano seguinte, a França, antiga potência colonial, iniciou a intervenção militar Operação Serval - o antecessor da Barkhane - expulsando os jihadistas das cidades, e a MINUSMA foi estabelecida.

Mas os grupos militantes se transformaram em formações mais ágeis que operam nas áreas rurais, e a insurgência gradualmente se espalhou pelas regiões central e sul do Mali e depois para Burkina Faso e Níger. O derramamento de sangue interétnico é uma ocorrência regular.

Mais de 4.000 pessoas foram relatadas mortas em ataques militantes em Burkina Faso, Mali e Níger no ano passado, segundo a ONU, e o secretário-geral Antonio Guterres alertou que a crescente violência no Sahel se espalhou pelos estados costeiros da África Ocidental.

Muitos grupos armados, incluindo o Estado Islâmico, estão ativos na região do Sahel, mas a maioria dos ataques é atribuída ao JNIM (Jama'at Nasr al-Islam wal Muslimin, Grupo de Apoio ao Islã e Muçulmanos), que se formou em março de 2017 a partir de uma fusão de vários grupos menores. A liderança do JNIM prometeu lealdade ao líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri.

Desde maio de 2019, o ISIS atribui atividades insurgentes na área do Sahel ao ISWAP (Estado Islâmico na Nigéria), sua afiliada na Província da África Ocidental que se separou do Boko Haram em 2016, em vez do Estado Islâmico no Grande Saara (ISGS). A principal área de operações do ISWAP é a área do Lago Chade na Nigéria, Níger, Chade e Camarões.

No domingo, a ONU adicionou o ISWAP e o ISGS à sua lista de sanções do ISIS e Al-Qaeda.

Original: https://thedefensepost.com/2020/02/27/african-union-troops-sahel/

Nenhum comentário:

Postar um comentário