terça-feira, 31 de março de 2020

59 anos após o último uso em combate, por que os paraquedistas de Israel precisam de novas pára-quedas?

Pára-quedistas das FDI a bordo de um C-130 Hércules, equipado com bolsa de equipamentos e prontos para serem enganchados a uma linha estática no avião, em 17 de janeiro de 2012. (Crédito da foto: Unidade Porta-Voz das FDI)

Por Mitch Ginsburg, The Times of Israel, 19 de janeiro de 2015.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de março de 2020.

[Nota do Tradutor: A relevância desse artigo é a discussão sobre o perigo de estendidos tempos de paz, quando o governo civil começa a ver as capacidades operacionais dos seus militares meramente como gastos inúteis sem contraparte política.]

A IDF está lançando o Stork (Cegonha), um pára-quedas fabricado nos EUA que é mais seguro, pode suportar mais peso e permite uma aterrissagem mais suave. Mas quem salta de aviões na guerra moderna, afinal?

Após mais de cinco décadas de serviço e apenas um chamado para combater, o exército israelense decidiu, em meio a restrições orçamentárias, substituir os paraquedas antigos por um novo modelo fabricado nos EUA.


O novo formato quadrado do T-11.

O T-11, conhecido como Stork (Cegonha) em Israel, não é dirigível, como seu antecessor, mas sua cobertura quadrada permite suportar mais peso ao mesmo tempo em que oferece um pouso mais suave - um recurso que, centenas de milhares de paraquedistas israelenses podem atestar, foi extremamente carente no modelo anterior. Foi usado pela primeira vez em um curso de treinamento no início deste mês [janeiro de 2015] e servirá à Brigada Paraquedista a partir da classe de novembro de 2014 em diante.


Os pára-quedistas da Força Aérea do Bangladesh saltam de uma aeronave C-130 HÉrcules da Força Aérea dos EUA sobre o Bangladesh durante o exercício Cope South 14, em 10 de novembro de 2013, com pára-quedas T-10.

"Nosso objetivo é saltar de pára-quedas uma grande força de tropas, rapidamente, em uma determinada área", disse o comandante da escola de salto das FDI, Major Elad Grossman, à revista semanal do exército Ba’machane na semana passada. "E o novo pára-quedas Stork permite que isso aconteça no menor espaço de tempo e com o maior grau de sigilo."



O novo pára-quedas tem muitas vantagens sobre o modelo anterior Tzabar. Ele pode ser lançado a partir de um avião em movimento a uma velocidade maior, o que significa que o volumoso avião de carga Hércules usado para essas missões - um alvo fácil para os modernos mísseis antiaéreos - passará menos tempo sobre o solo inimigo. Ele também vem com um pára-quedas reserva que pode ser aberto com qualquer uma das duas mãos - o Tzabar era apenas para a mão direita, o que apresentava um problema no caso de, digamos, um braço quebrado - e que se abre longe do corpo, reduzindo as chances de emaranhamento com o pára-quedas principal. E há um controle deslizante embutido que evita que os cabos se torçam sob o velame, um problema comum no modelo antigo.



E, no entanto, cerca de 59 anos após o último lançamento em combate de tropas das FDI em paraquedas, há poucas provas de que paraquedistas sejam necessários no campo de batalha moderno.

Saltando de volta no tempo

A primeira pessoa a compreender as tropas modernas no ar, Benjamin Franklin, foi inspirada por uma ascensão de balão de ar quente em 1783. Ele considerou a invenção uma "nova reviravolta nos assuntos humanos", que poderia "convencer os soberanos da loucura das guerras". Seu raciocínio, escrito em uma carta de 1784, era que 5.000 balões, carregando dois homens cada, custariam menos de cinco navios e devastariam um inimigo.

“Onde está o príncipe que pode se dar ao luxo de cobrir seu país com tropas para sua defesa, para que dez mil homens descendo das nuvens não possam, em muitos lugares, fazer uma série infinita de estragos antes que uma força possa ser reunida para repeli-los?" ele se perguntou*.

*NT: A bibliografia de língua inglesa, especialmente a americana, gosta de mencionar esta carta de Bejamin Franklin como a primeira idéia sobre o uso de paraquedistas, mas outros já haviam pensado a respeito, como o czar russo Pedro, o Grande (1682-1725) que escreveu sobre o seu sonho de um "corpo voador... uma força constituída de tal forma que poderia agir sem sobrecarga em todas as direções... e mandar de volta informações confiáveis das atividades inimigas... à disposição do general, seja para isolar o inimigo, privá-lo de passagem, atacar sua retaguarda ou cair sobre seu território e criar uma distração." O pára-quedas moderno foi inventado décadas depois por Louis-Sébastien Lenormand na França, que fez o primeiro salto público registrado em 1783, o mesmo ano que Franklin assistiu a ascensão de um balão e um ano antes da sua carta. Os russos foram pioneiros na criação de formações paraquedistas, influenciando os franceses e alemães em 1934, e sendo os primeiros a saltarem em combate na Finlândia em 1939.



Cerca de 156 anos depois, em abril de 1940, as tropas alemãs Fallschirmjäger testaram a teoria, saltando de pára-quedas na Dinamarca e na Noruega e, mais tarde, na Holanda. Os Aliados retribuíram com uma série de assaltos paraquedistas. Os resultados foram mistos. A novidade desapareceu junto com o elemento surpresa; o preço do sangue costumava ser alto.

O empreendimento sionista, no entanto, conquanto o genocídio na Europa atingiu seu estágio final e febril, enviou 39 de seus melhores homens e mulheres para serem treinados e aerotransportados pelos britânicos para a Europa ocupada pelos nazistas.


Hannah Senesh vestindo um uniforme do exército húngaro como uma fantasia do Purim.

Desses, 26 foram desdobrados, geralmente em suas terras natais; sete foram descobertos e mortos, por execução ou em campos de extermínio. O mais proeminente entre eles, pelo menos na morte, foi Hannah Senesh, que foi torturada e morta pela Gestapo na Hungria, mas cuja lenda desempenhou um papel enorme na formação da luta e no etos literário sionista.


Em junho de 1948, apenas um mês após a Declaração de Independência de Israel e em meio a uma guerra em andamento, as recém-formadas FDI, impressionadas com o heroísmo dos paraquedistas da Segunda Guerra Mundial e talvez deliberadamente ignorantes dos resultados mistos, enviaram um lote de 50 paraquedistas à Tchecoslováquia; eles foram treinados lá, com pilotos israelenses, e depois levados de avião para uma base aérea israelense, Tel Nof, onde foram lançados do céu.


Paraquedistas do 890º Batalhão Paraquedista em tocas no Passo de Mitla, movimento inicial da Operação Kadesh, em 29 de outubro de 1956. (Foto de Avraham Vered para o jornal do exército Ba'machane, colorizada)

Os dias de glória, no entanto, ficaram sob o comando de Ariel Sharon, culminando em um salto de 29 de outubro de 1956, durante a suave escuridão da noite, quando 395 paraquedistas foram lançados nas profundezas do deserto do Sinai, a cerca de 150 milhas (241km) dentro do território egípcio.

Desde então, os paraquedistas conseguiram libertar o Muro das Lamentações e a Cidade Velha de Jerusalém (1967) e lideraram o contra-ataque através do Canal de Suez (1973) e avançaram para o norte, pela rota montanhosa, para chegar a Beirute pela primeira vez durante a Guerra do Líbano (1982). Mas nem a brigada conscrita nem suas brigadas de reserva foram convocadas novamente para saltar de pára-quedas atrás das linhas inimigas, e muitos acreditam que nunca serão.



"Em termos operacionais, a manobra aérea de flanqueamento - o salto sobre o inimigo - é feita hoje de helicóptero, que é mais rápido e flexível", disse o Brig. General (reformado) Uzi Eilam, que ingressou no primeiro batalhão de paraquedistas, o 890º, em 1954, serviu na Guerra de Suez em 1956 no batalhão de Motta Gur, que não saltou, e passou a chefiar a Comissão Israelense de Energia Atômica e o Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Defesa.

"Em termos de moral, continua sendo importante", acrescentou. "Essa é uma das maneiras pelas quais a brigada atrai indivíduos de qualidade".


Equipamento paraquedista israelense sendo lançado sobre o deserto do Negev em 28 de junho de 2007. (Unidade Porta-Voz das FDI)

O Coronel (reformado) Gabi Siboni, ex-chefe da unidade de reconhecimento da Brigada Golani e amigo próximo do chefe de Estado-Maior do Estado-Maior Geral, General Gadi Eisenkot, também da Brigada Golani, recusou-se a deixar explícita sua opinião a respeito do investimento em paraquedistas nos dias de hoje, mas sua intenção era clara.

"Como um Golanchik* comum", disse o chefe do programa de assuntos militares e estratégicos do grupo de pesquisa INSS, "você pode imaginar o que penso de todo o aparato paraquedista".

*NT: Veterano da Brigada Golani.

Tradição, tradição!

A capacidade militar dos paraquedistas como unidade aeroterrestre sempre foi a de entregar grandes forças, se necessário, muito atrás das linhas inimigas. Durante a Guerra do Golfo de 1991, quando as tropas de Saddam Hussein dispararam mísseis contra Israel do oeste do Iraque, Israel contemplou o lançamento de paraquedistas na região, revelou o Tenente-General Dan Shomron em um artigo da revista Israel Air Force de 1999. Ele não deu detalhes, dizendo que os planos podem ser necessários no futuro.

Mas a principal razão pela qual essa opção não foi exercida, além dos compromissos óbvios com a força aliada, era a mesma de sempre: as tropas são facilmente identificadas na chegada, os aviões são suscetíveis a mísseis terra-ar e as tropas só podem saltar com suprimentos limitados, necessitando de um vôo de re-suprimento, e não são protegidas por blindados ou artilharia.


O Tenente-General Benny Gantz, comandante-em-chefe das FDI, na porta de um avião durante um exercício da Brigada Paraquedista, de 8 de novembro de 2012 (Unidade Porta-Voz das FDI/ Flash 90)

Hoje, mais do que nunca, existe uma aeronave capaz de substituir o paraquedista. O V-22 Osprey decola e pousa como um helicóptero - verticalmente - e pode voar, inclinando seus rotores, tão longe e tão rápido quanto um avião de carga*, que tem um alcance que excede em muito um helicóptero tradicional.

*NT: É questionável que o Osprey ultrapasse aviões de carga em termos de alcance e capacidade de carga. O V22 Osprey custa quase o dobro do Sikorsky CH-53E Super Stallion com capacidade de carga inferior, e incapaz de carregar material pesado. O C-130 Hércules tem uma capacidade de carga de 19,000kg, como 92 passageiros ou 64 paraquedistas totalmente equipados, enquanto o Osprey carrega apenas 24 homens. 

Em 2013, os EUA liberaram a venda de seis Ospreys para Israel, o primeiro para um país estrangeiro, por aproximadamente US$ 400 milhões em dinheiro da ajuda. Em outubro de 2014, o Ministro da Defesa Moshe Ya'alon teria decidido cancelar o contrato ainda não assinado.

O exército não respondeu a uma solicitação de estimativa do custo anual total da execução de seu curso de treinamento paraquedista - pára-quedas, instrutores, dobradores de pára-quedas, base e, principalmente, tempo de vôo envolvido.

“Operacionalmente, as chances de usar paraquedistas diminuem a cada ano que passa”, disse o Major-General Yoram Yair à publicação da IAF. Mas certas coisas, disse ele, têm o "valor agregado" da tradição e carregam a marca da excelência, o que ajuda o exército a manter sua hierarquia de unidades.

NT: Salto do 2e REP, da Legião Estrangeira Francesa no aeroporto de Tombuctu no Mali em 2013.




A razão central para continuar o treinamento paraquedista, no entanto, pode não estar relacionada apenas a preocupações, tradição ou prestígio orçamentários. Um coronel da IAF, não identificado no artigo, afirmou que um jovem soldado colocado à porta aberta de um avião e instruído a pular no vento frio fica com uma impressão duradoura.

“Estou nas FDI há quase 30 anos e lutei em várias guerras”, disse ele, “e não sei de nada parecido com a ordem de levantar e carregar contra o inimigo como a situação à porta do avião, quando dizem 'salte!' e você salta para fora.”

Original: https://www.timesofisrael.com/59-years-after-last-combat-use-why-do-israels-paratroopers-need-new-chutes/

NT: Outro exemplo de salto moderno, com 90 paraquedistas do 2e REP saltando no Passo de Salvador, no Níger, e destruindo armazéns escondidos de armamento dos jihadistas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário