sábado, 14 de março de 2020

Manutenção da paz da ONU feita pela China no Mali: estratégias e riscos


Por Marc Lanteigne, Oxford Research Group, 15 de maio de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de março de 2020.

A manutenção da paz da China no Mali representa outro exemplo da crescente disposição do país de enviar pessoal para uma zona de conflito ativa e uma mudança no pensamento estratégico chinês.

Uma das mudanças menos proeminentes no pensamento de segurança da China nas duas últimas décadas foi a maior disposição do país para se envolver e participar das Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas (United Nations Peacekeeping OperationsUNPKO) em partes do mundo muito além da região Ásia-Pacífico. Em março deste ano, a China havia enviado 2.513 soldados pacificadores para missões da ONU no exterior, incluindo a República Democrática do Congo (RDC), Líbano, Sudão do Sul e Sudão. Nas duas décadas, Pequim esteve mais disposta a enviar pessoal de manutenção da paz para regiões onde o combate continua em andamento, com um exemplo importante sendo a Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS). A contribuição de manutenção da paz da China para as operações da ONU no Mali representa não apenas outro exemplo da crescente disposição da China de enviar pessoal para uma zona de conflito ativa, mas também um afastamento do pensamento chinês anterior sobre a escolha de missões para se envolver. Também reflete o crescente reconhecimento da China de que os conflitos civis podem ter efeitos regionais e internacionais, especialmente quando a África se torna uma parte crítica dos interesses comerciais inter-regionais expandidos de Pequim.


UNIMISS.

A China começou a expandir seus interesses no envolvimento em UNPKO no final dos anos 90. Mas a participação do país na Missão Multidimensional Integrada de Estabilização das Nações Unidas no Mali (MINUSMA) desde 2013 marcou a primeira vez que forças de combate chinesas foram destacadas como parte integrante de uma missão da ONU. Em 2012, um pequeno pelotão de tropas chinesas foi enviado ao Sudão do Sul, mas seu papel era especificamente proteger outros funcionários chineses no país. Por outro lado, o destacamento militar enviado ao Mali, originalmente com 170 soldados, representou as primeiras verdadeiras forças de combate a serem integradas em uma missão da ONU, dado seu papel consideravelmente mais amplo na proteção de funcionários chineses e não-chineses.

Até a missão no Mali, a China havia demonstrado preferência pelo fornecimento de pessoal não-militar - incluindo policiais civis, engenheiros e equipes médicas - para missões das Nações Unidas. Além disso, ao contrário de outras partes da África onde a China tem interesses significativos em diplomacia de recursos, incluindo RDC e Sudão/ Sudão do Sul, os vínculos econômicos bilaterais entre China e Mali permanecem relativamente modestos na melhor das hipóteses, relatados como totalizando US$ 405 milhões em 2017. No entanto, o compromisso contínuo de Pequim com a MINUSMA procurou demonstrar que o envolvimento da China com a África foi além do campo econômico.

Antecedentes: os desafios contínuos de segurança do Mali

O Mali, juntamente com muitos outros estados vizinhos na região do Sahel, no norte da África, ficou enredado nos tremores secundários da guerra civil da Líbia em 2011. Isso resultou na derrubada do antigo líder Muammar Kadafi, no fraturamento do país e na rápida re-ignição das hostilidades que continuam até hoje. As frágeis estruturas de segurança do Mali afundaram sob o influxo de armas e extremismo político emanado do conflito na Líbia, resultando primeiramente em uma tentativa abortada por separatistas do norte de criar um estado separado de Azawad em 2012, e depois em ataques regulares de organizações fundamentalistas armadas, incluindo facções apoiadas pela Al-Qaeda e mais tarde pelo Estado Islâmico (EI/ISIS).


Combate de rua na Líbia.

Em março de 2012, um golpe militar resultou na remoção do presidente do Mali, Amadou Toumani, e governos subseqüentes, incluindo o atual governo de Ibrahim Boubacar Keïta, continuam lutando para impedir que o país se torne um estado em colapso. A França, antiga potência colonial no Mali entre o século XIX e a independência em 1960, assumiu a liderança no lançamento da Opération Serval em janeiro de 2013 para expulsar as forças extremistas islâmicas do norte do Mali, seguida pela Opération Barkhane em agosto de 2014 que incorporou campanhas de contra-insurgência francesas em toda a região do Sahel, ligando a missão do Mali às do Burkina Faso, Chade, Mauritânia e Níger, ao quinteto de estados também conhecidos como 'G5 Sahel'.


Soldados malinense e francês na Operação Serval, 2013.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas concordou em criar a MINUSMA em abril de 2013, de acordo com as disposições do capítulo VI da Carta da ONU e com a bênção do governo do Mali. Desde então, a operação foi referida como a "missão da ONU mais perigosa do mundo". O mandato da ONU no país tem sido ajudar a proteger e estabilizar o país à luz da situação de segurança erodida, bem como promover um sistema democrático durável no país e defender as bases de um acordo de paz instável de 2015. Em março de 2019, havia pouco mais de 16.400 funcionários da ONU no total ligados à missão MINUSMA.



A China decidiu, em meados de 2013, fornecer pessoal de manutenção da paz para a missão. O primeiro destacamento, que chegou em dezembro daquele ano, era uma força avançada de 135 pessoas, incluindo forças de combate do então Comando Militar Regional de Shenyang do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA). A sexta força de manutenção da paz chinesa foi criada no Mali em maio de 2018, com todos os seus 395 membros sendo premiados com as Medalhas de Honra da Paz da ONU em março deste ano. Um sétimo destacamento está previsto para chegar ao Mali em meados deste ano. Além da própria MINUSMA, Pequim também tem sido um forte defensor do apoio financeiro internacional à iniciativa pós-2017 das forças conjuntas do G5 Sahel, criada pelas cinco nações do Sahel para compartilhar informações e apoio ao combate ao terrorismo e promover a estabilidade regional.

Por que as forças de paz chinesas foram ao Mali?



Havia várias razões por trás da decisão de Pequim de concordar em enviar forças de paz ao Mali, apesar dos muitos perigos envolvidos. A primeira razão diz respeito ao desejo da China de mostrar aos governos africanos que o envolvimento de Pequim no continente é, agora, verdadeiramente sobre preocupações mais amplas do que os interesses econômicos da China nas matérias-primas da África. Por exemplo, a abertura de uma base logística chinesa em Djibouti, em 2017, foi um forte sinal de que a África estava considerando mais proeminentemente as políticas de segurança inter-regionais chinesas. Como um livro recente sobre estudos sino-africanos explicou, a expansão do envolvimento da segurança chinesa na África agora está sendo afetada pelas ambições de Pequim de ser visto globalmente como uma 'grande potência responsável', bem como pela constatação pelo governo chinês de que seus tradicionais pontos de vista sobre a não-interferência em conflitos civis estavam se tornando incompatíveis com os conflitos civis modernos, tal como o caso do Mali.


Iniciativa do Cinturão e Rota.

Em segundo lugar, e de forma relacionada, os interesses comerciais expandidos da China na África, incluindo a Iniciativa do Cinturão e Rota (Belt and Road InitiativeBRI), resultaram em apelos a uma maior proteção dos ativos e cidadãos chineses no exterior. Na última década, a China intensificou suas atividades de mediação de disputas, incluindo trabalhos em muitos países que agora fazem parte do BRI. Também buscou garantir aos chineses no estrangeiro, incluindo aqueles que trabalham em partes da África propensas a conflitos, que Pequim está procurando protegê-los melhor. O perigo para os cidadãos chineses baseados em zonas de combate foi bem ilustrado no Mali nos últimos anos. Três empresários chineses foram vítimas de um ataque em um hotel por insurgentes na capital do Mali, Bamako, em novembro de 2015, com outro cidadão chinês morto em um resort próximo em junho de 2017. Como os conflitos no Mali são sintomáticos de um conjunto maior de ameaças à segurança emanando de toda a região do Sahel, o envolvimento da China na MINUSMA, bem como em outras missões africanas de manutenção da paz, ajuda a destacar os compromissos de segurança regional do país na região.

Nota do Tradutor: O cinema chinês já inclui o ambiente africano em seus filmes de ação, como Peacekeeping Force (Força Pacificadora, 2018). O filme chinês de maior bilheteria até hoje, Wolf Warrior II (Lobo Guerreiro 2, 2017), é a estória de um herói chinês na África enfrentando guerrilheiros africanos e mercenários europeus, com a mensagem de que o governo chinês protegerá seus cidadãos onde que que seja (essa afirmação aparece escrita sobre um passaporte chinês no final do filme, antes dos créditos).



As operações no Mali também proporcionaram uma oportunidade para mais educação e treinamento em operações fora-de-área, tanto para setores civis quanto militares do aparato de segurança da China, especialmente dentro da rubrica de 'operações militares além da guerra' (Military Operations Other Than War, MOOTW) e cooperação expandida com outras forças de manutenção da paz. No entanto, os perigos de operar em um país onde frequentemente há pouca paz para manter, foram levados para casa pela morte, em junho de 2016, de um sargento do PLA causado por um explosivo plantado perto da base da MINUSMA em Gao, no centro do Mali. Quatro outros soldados pacificadores chineses ficaram feridos nesse incidente.

Os lados econômicos do engajamento no Mali

Finalmente, embora seja improvável que o comércio bilateral entre a China e o Mali seja igual ao dos principais parceiros comerciais de Pequim, como Angola, Nigéria e África do Sul; o Mali, no entanto, entrou na consideração de Pequim sobre a expansão geral do comércio no continente. Em 2017, o governo do Mali manifestou sua disposição de se alinhar com o BRI, com planos anunciados em 2015 para a renovação de uma ligação ferroviária entre o Mali e o vizinho Senegal, bem como planos para a construção de uma ferrovia entre Bamako e a capital guineense de Conakry apresentada no ano anterior.


A diplomacia econômica continua sendo a pedra angular da diplomacia chinesa na África, com o comércio sino-africano atingindo mais de US$ 204 bilhões em 2018. No mais recente Fórum de Cooperação China-África (Forum on China–Africa Cooperation, FOCAC), em setembro do ano passado, o presidente chinês Xi Jinping anunciou novas iniciativas econômicas para o continente, incluindo cooperação mais estreita nas áreas de conectividade, projetos “verdes”, saúde, indústria, infraestrutura e paz e segurança. A África também foi sujeita a um renascimento da competição diplomática entre China e Taiwan nos últimos três anos. Com o Burkina Faso reconhecendo oficialmente a República Popular em maio de 2018, todos os governos africanos agora reconhecem Pequim. A exceção solitária é Eswatini (Suazilândia). Assim, a participação contínua na manutenção da paz no Mali continua sendo um componente importante da diplomacia africana da China em nível regional, demonstrando que a China deseja ser um "parceiro geral" para o continente, à medida que os compromissos econômicos de Pequim continuam a se aprofundar.



No início deste ano, a MINUSMA estava sob uma pressão muito maior, já que o Canadá e a Holanda estavam se preparando para retirar seu pessoal do Mali, enquanto o apoio dos EUA à operação se tornou cada vez mais hesitante devido à escalada da violência e ameaças à região do Sahel em geral. Existe, portanto, a forte possibilidade da China desempenhar um papel ainda mais ampliado nas operações de manutenção da paz da ONU, e talvez até na construção da paz no Mali, pois a situação de segurança continua sendo tênue, na melhor das hipóteses.

Original: https://www.oxfordresearchgroup.org.uk/blog/chinas-un-peacekeeping-in-mali-strategies-and-risks

Marc Lanteigne é professor associado de ciência política na UiT: Universidade do Ártico da Noruega, Tromsø.

Bibliografia recomendada:






Leitura recomendada:



Capacetes Azuis Marroquinos: valores e compromissos1º de julho de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário