quarta-feira, 25 de março de 2020

Fuzileiros navais americanos fecharão todas as unidades de tanques e cortarão batalhões de infantaria em grande reforma

Fuzileiros navais dos EUA da Companhia Charlie, 1º Batalhão de Tanques, 1ª Divisão de Fuzileiros Navais, participam de treinamento de tiro real durante o exercício Native Fury 20 nos Emirados Árabes Unidos, em 19 de março de 2020. (Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA/ Sargento Alexis Flores)

Por Gina Harkins, Military.com, 23 de março de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de março de 2020.

Na próxima década, o Corpo de Fuzileiros Navais não operará mais tanques ou terá batalhões policiais. Também terá três unidades de infantaria a menos e eliminará cerca de 7% de sua força total, enquanto o serviço se prepara para um possível confronto com a China.



O Corpo de Fuzileiros Navais está cortando todas as especialidades profissionais militares associadas a batalhões de tanques, unidades policiais e companhias de pontoneiros, anunciou o serviço na segunda-feira. Também está reduzindo o número de batalhões de infantaria de 24 para 21 e cortando esquadrões de aeronaves de decolagem de rotor basculante, de ataque e de transporte pesado.

As mudanças são o resultado de uma ampla revisão e experimentos de jogos de guerra de meses que estabeleceram a força que o serviço precisará até 2030. O General Comandante David Berger dirigiu a revisão, que ele chamou de sua prioridade número 1 como o general mais importante do serviço.



"O desenvolvimento de uma força que incorpore tecnologias emergentes e uma mudança significativa para forçar a estrutura dentro de nossas atuais restrições de recursos exigirá que o Corpo de Fuzileiros Navais diminua e remova os recursos herdados", informou um comunicado à imprensa que anuncia as mudanças.

Em 2030, o Corpo de Fuzileiros Navais cairá para uma força final de 170.000 homens. São cerca de 16.000 "leathernecks" a menos do que hoje.

A economia de custos associada à redução das fileiras pagará um aumento de 300% nas capacidades de artilharia de foguetes, mísseis anti-navio, sistemas não-tripulados e outros equipamentos de alta tecnologia, pois os líderes dizem que os fuzileiros navais precisarão enfrentar ameaças como China ou Rússia.



"O Corpo de Fuzileiros Navais está redesenhando a força de 2030 para a guerra expedicionária naval em espaços ativamente contestados", afirma o anúncio.

As unidades e esquadrões que serão desativados sob o plano incluem:

- 3º Batalhão, 8º Regimento de Fuzileiros Navais
- 264º Esquadrão de Rotores Basculantes Médios de Fuzileiros Navais
- 462º Esquadrão de Helicópteros Pesados de Fuzileiros Navais
- 469º Esquadrão de Helicópteros de Ataque Leves de Fuzileiros Navais
- 27º e 37º Grupos de Apoio de Alas de Fuzileiros Navais
- Companhia de Quartel General do 8º Regimento de Fuzileiros Navais

As outras unidades do 8º Regimento de Fuzileiros Navais - 1/8 e 2/8* - serão absorvidas por outros comandos. O 2º Regimento de Fuzileiros Navais receberá o 1/8, e o 2/8 passará para o 6º Regimento de Fuzileiros Navais.

*Nota do Tradutor: Lê-se 1/8 como 1º Batalhão do 8º Regimento, e 2º Batalhão do 8º Regimento.



As baterias de canhões de artilharia cairão de 21 hoje para cinco. As companhias de veículos anfíbios cairão de seis para quatro.

O 367º Esquadrão de Helicópteros de Ataque Leves de Fuzileiros Navais, baseado no Havaí, que voa com aeronaves AH-1Z e UH-1Y, também será desativado e realocado para Camp Pendleton, Califórnia, segundo o comunicado.


AH-1Z Viper.
UH-1Y Venom.

E planos para reativar o 5º Batalhão, 10º Regimento de Fuzileiros Navais, bem como uma unidade de sistema de artilharia de precisão também estão sendo descartados. As baterias atribuídas a essa unidade serão realinhadas sob o 10º Regimento de Fuzileiros Navais, de acordo com o comunicado.

"O futuro da Força de Fuzileiros da Esquadra (Fleet Marine Force, FMF) exige uma transformação de uma força herdada em uma força modernizada com novas capacidades orgânicas", acrescenta. "O FMF em 2030 permitirá que a Marinha e o Corpo de Fuzileiros Navais restaurem a iniciativa estratégica e definam o futuro dos conflitos marítimos capitalizando novas capacidades para impedir conflitos e dominar dentro da zona de combate das armas do inimigo".

As unidades de infantaria existentes ficarão menores e mais leves, de acordo com o plano, "para apoiar a guerra expedicionária naval e construídas para facilitar distribuições e Operações de Base Avançada Expedicionária (Expeditionary Advanced Base Operations)".


Fuzileiros navais da Companhia Charlie, Equipe de Desembarque do Batalhão, 1º Batalhão, 4º Regimento de Fuzileiros Navais, correm em direção a posições de segurança durante um exercício de tiro real, como parte das operações simuladas de Operações de Base Avançada Expedicionária da 31ª Unidade Expedicionária de Fuzileiros Navais, Camp Schwab, Okinawa, Japão, 13 de março de 2019 (Sargento de Pontaria TT Parish/ Corpo de Fuzileiros Navais)

O Corpo de Fuzileiros Navais também criará três regimentos costeiros que são organizados, treinados e equipados para lidar com as missões de negação e controle do mar. O comunicado à imprensa descreve as novas unidades como uma "postura do Pacífico". As unidades expedicionárias de fuzileiros navais, que são enviadas para navios da Marinha, aumentarão esses novos regimentos, acrescenta o comunicado.

Além de mais sistemas não-tripulados e capacidade de tiro de longo alcance, o Corpo de Fuzileiros Navais também quer um novo navio de guerra anfíbio leve e investirá em gerenciamento de assinaturas, guerra eletrônica e outros sistemas que permitirão que os fuzileiros navais operem a partir de "locais minimamente desenvolvidos".



Berger considerou a escalada da China no Mar da China Meridional e na região Ásia-Pacífico um divisor de águas para a Marinha e o Corpo de Fuzileiros Navais. Ele pressionou por uma integração mais estreita entre os serviços marítimos, à medida que a luta muda dos grupos insurgentes no Oriente Médio e para novas ameaças no mar.

Autoridades fuzileiros navais dizem que continuarão avaliando e realizando jogos de guerra o projeto da força do serviço.

"Nossas iniciativas de projeto da força são projetadas para criar e manter uma vantagem competitiva contra adversários incansáveis e em constante mudança", afirma o comunicado.

Original: https://www.military.com/daily-news/2020/03/23/marines-shut-down-all-tank-units-cut-infantry-battalions-major-overhaul.html

Leituras recomendadas:

Os EUA precisam de uma estratégia melhor para competir com a China - caso contrário o conflito militar será inevitável, 5 de fevereiro de 2020.

Modernização do exército chinês: progresso, retórica e realidade, 27 de dezembro de 2019.

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate, 26 de janeiro de 2020.

Por que a China tem quase 7.000 tanques?, 26 de janeiro de 2020.

Análise Militar: Os Fuzileiros Navais Russos, 18 de fevereiro de 2020.

GALERIA: Exercício conjunto de fuzileiros navais russos e sírios em Tartus, 18 de fevereiro de 2020.

O Corpo de Fuzileiros Navais cortará ainda mais pessoal nos próximos anos, diz o Comandante, 27 de fevereiro de 2020.

Comandante dos Fuzileiros Navais americanos bane símbolos confederados de todas as instalações do Corpo de Fuzileiros, 27 de fevereiro de 2020.

Primeira oficial de infantaria feminina dos Fuzileiros Navais deixa o Corpo no momento que o Comandante clama por mais mulheres no Curso de Oficial de Infantaria, 27 de fevereiro de 2020.

VÍDEO: Emboscada noturna das Spetsnaz na Síria, 27 de fevereiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário