sábado, 25 de janeiro de 2020

Ele fugiu do Irã quando criança. Agora ele está comandando um porta-aviões dos EUA.

O capitão Kavon Hakimzadeh em seu escritório a bordo do USS Harry S. Truman na Estação Naval de Norfolk, em agosto. (Crédito: Sarah Holm/The Virginian-Pilot)

Por Dave Phillips, The New York Times, 7 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de janeiro de 2020.

O porta-aviões Harry S. Truman poderia desempenhar um papel em qualquer conflito militar com o Irã. À frente de sua tripulação está o Capitão-de-Mar-e-Guerra Kavon Hakimzadeh, que fugiu do Irã durante a revolução.

Quando criança, Kavon Hakimzadeh fugiu da Revolução Islâmica no Irã com sua família e encontrou refúgio na pequena cidade do Mississippi. Agora, 40 anos depois, ele está de volta à região do Golfo Pérsico, desta vez como comandante do porta-aviões americano Harry S. Truman, que com as tensões aumentando sobre o assassinato do Major-General Qassim Suleimani poderia desempenhar um papel importante em qualquer confrontação com sua antiga pátria.

Para muitos iranianos-americanos como o Comandante Hakimzadeh, que servem nas forças armadas dos Estados Unidos, a opressão e a turbulência da Revolução Iraniana cultivaram uma apreciação pela liberdade que as forças armadas dos Estados Unidos prometem apoiar e defender, e inspirou muitos a se alistarem.

"Eu acho que provavelmente tem muito a ver com o motivo pelo qual decidi que queria servir e queria estar nessa linha de trabalho", disse o Comandante Hakimzadeh ao The Virginian-Pilot em uma entrevista quando assumiu o comando em agosto.

O Comandante Hakimzadeh, que não pôde ser encontrado para comentar esta semana, nasceu no Texas com pai iraniano e mãe americana e logo se mudou para o Irã, onde viveu até os 11 anos e a revolução de 1979 obrigou sua família a fugir.

A família acabou em Hattiesburg, Mississipi. Ele se alistou na Marinha em 1987 e, em seguida, ganhou uma bolsa do ROTC da Marinha, se formou na Carnegie Mellon University e se tornou oficial de vôo no E-2 Hawkeye, um posto de comando voador que seu fabricante descreve como o "Quarterback digital" de missões de combate.

Em seus 33 anos de carreira, o Comandante Hakimzadeh, que atende o nome-código de Hak, foi desdobrado oito vezes em vários porta-aviões, voou em missões no Iraque e no Afeganistão e recebeu várias medalhas, incluindo a Legião do Mérito e a Estrela de Bronze.

Ele agora comanda uma das plataformas de armas mais formidáveis do planeta - que conta com 20 andares, movido a energia nuclear e arvorando uma bandeira vermelha de batalha que diz "GIVE 'EM HELL".

O porta-aviões pode, a curto prazo, lançar dezenas de jatos com um arsenal impressionante de bombas e mísseis de precisão. É também uma cidade flutuante com mais de 5.000 tripulantes, com barbearias, salas de ginástica e um refeitório que observa o taco da terça-feira.


O USS Harry S. Truman é uma das plataformas de armas mais formidáveis do planeta. (Crédito: Matt Cardy/Getty Images)

O Comandante Hakimzadeh, que supervisiona tudo, disse ao The Virginian-Pilot que esperava que sua ascensão de praça filho de imigrante para comandante de porta-aviões mostrasse que, em sua experiência na Marinha, e na nação, recompensava dedicação e trabalho duro sem preconceitos. "Certamente é um testemunho para os Estados Unidos da América que um cara chamado Kavon Hakimzadeh pode fazer isso", disse ele.

Há muito que os imigrantes ocupam uma porção exagerada das forças armadas, e não faltam aqueles que fugiram do Irã quando crianças antes de se alistarem nos Estados Unidos como adultos.

"Por causa de onde viemos, somos muito apaixonados pela causa da liberdade e queremos contribuir da maneira que pudermos", disse Assal Ravandi, que atuou como analista de inteligência do Exército de 2010 a 2014, e enviado ao Afeganistão.

Ela disse que ficou surpresa ao encontrar dezenas de outros iranianos-americanos de uniforme.

"Alguns queriam compensar o que não podiam fazer pela liberdade em casa", disse ela. "Outros queriam usar suas habilidades linguísticas como uma arma para combater a ditadura que nos expulsou de nossas casas".

Agora que a violência está escalando entre os Estados Unidos e o Irã, ela disse que os veteranos iranianos têm dois pensamentos. Muitos ainda têm famílias estendendo ao Irã e não querem vê-los sofrer, disse ela. Ao mesmo tempo, muitos no Irã já sofrem há décadas sob a opressiva República Islâmica, disse ela.

"Ninguém sabe o que fazer", disse Ravandi, que é diretora de uma pequena organização que faz relações públicas para veteranos. “Mas se formos solicitados pelo nosso país, serviremos. Eu me alistaria amanhã."

Original: https://www.nytimes.com/2020/01/07/us/uss-truman-navy-iran.html?fbclid=IwAR0RuUI8skw-vFgz738_sjcbgqC9o-bxhn9R_oL_TtH48v9li-38E4q_X_k


Dave Philipps cobre veteranos e as forças armadas, e é o vencedor do Prêmio Pulitzer de Relatórios Nacionais. Desde que ingressou no Times em 2014, ele cobriu a comunidade militar de cima a baixo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário