sábado, 25 de janeiro de 2020

Estes não são os fins que você está procurando: a morte de Soleimani e a desconexão estratégica da América

Funeral do General Qassem Soleimani em Teerã.

Pelo Major Alex Deep, Modern War Institute, 9 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de janeiro de 2020.

Qassem Soleimani liderou uma organização que, de acordo com as estimativas do Pentágono, matou cerca de seiscentos militares norte-americanos no Iraque desde 2003. Líderes de outros grupos igualmente responsáveis pelas mortes de americanos encontraram objetivos semelhantes: Osama bin Laden, Abu Bakr al-Baghdadi, e vários membros da família Haqqani, para citar alguns. A decisão de matar o comandante da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) - Força Quds faz parte de uma política mais ampla dos EUA para impedir atividades iranianas que ameaçam os interesses dos EUA e as forças que trabalham para alcançar estes interesses. Ainda assim, os Estados Unidos enfrentam um desalinhamento fundamental de fins e meios. As autoridades americanas continuam a exigir que o Irã interrompa seu apoio aos intermediários xiitas no Oriente Médio, ao desenvolvimento de mísseis balísticos mais avançados e à possível busca de armas nucleares. Ao mesmo tempo, as ações dos EUA não se vinculam estrategicamente a esses objetivos; de fato, muitos podem realmente encorajar e fortalecer os elementos políticos domésticos no Irã que desejam expandir essas mesmas atividades. Embora Qassem Soleimani não seja Franz Ferdinand e a Terceira Guerra Mundial certamente não esteja no horizonte, há uma forte possibilidade de que esse ataque, destinado a reduzir certas atividades iranianas, tenha o efeito oposto.

Os Estados Unidos não têm equivalente a Soleimani, por isso é difícil para os americanos entenderem sua importância para o Irã como país e para os iranianos como população. Era um homem que muitos analistas consideravam a segunda pessoa mais poderosa do Irã depois do Líder Supremo Aiatolá Ali Khamenei e que contava com o apoio de oito em cada dez iranianos, de acordo com uma pesquisa recente realizada por um projeto da Universidade de Maryland. Para os americanos, imagine se Dwight D. Eisenhower voltou dos mortos e foi encarregado das forças armadas dos EUA. De lá, imagine que o Irã o matou com uma bomba na estrada enquanto ele visitava militares desdobrados no Iraque. Nesse cenário, parece improvável que os formuladores de políticas americanas optem por mudar o comportamento dos EUA de acordo com os desejos iranianos - ou que o público americano o permita. Não é de surpreender que as autoridades iranianas tenham ameaçado retaliação em vez de aquiescência, e procuradores iranianos como o Hezbollah e as várias Forças de Mobilização Popular tenham prometido vingança.
General Qassem Soleimani.

As operações militares americanas no Iraque servem a múltiplos propósitos, de acordo com os interesses estratégicos dos EUA: na luta contínua contra os remanescentes do Estado Islâmico, como um baluarte contra a expansão contínua da influência iraniana através do Crescente Fértil, e para contribuir para a estabilidade da região em geral, mas especialmente para o comércio de hidrocarbonetos. Ao mesmo tempo, o Iraque depende do Irã, e aqueles influenciados pelo Irã, para sua própria estabilidade e segurança política interna. Afinal, as Forças de Mobilização Popular dominadas pelos xiitas estão entre 130.000 e 150.000 combatentes, têm seus próprios partidos políticos e recebem cerca de US$ 2 bilhões anualmente do governo iraquiano. Como mecanismo de comparação, o Serviço de Contra-Terrorismo Iraquiano, que os Estados Unidos consideram sua organização política e militarmente mais confiável no Iraque, possui cerca de dez mil combatentes e recebe cerca de US$ 225 milhões do governo iraquiano. Membros de alto nível do governo iraquiano já haviam pedido uma revisão de sua política em relação à presença de tropas americanas após os ataques aéreos dos EUA contra membros do Hezbollah Kata'ib, o intermediário mais zeloso do Irã no Iraque.Os pedidos de expulsão de tropas americanas do Iraque só se intensificaram após a morte de Soleimani, com o parlamento iraquiano aprovando uma resolução não-vinculativa de acordo. Será difícil para os Estados Unidos combaterem os remanescentes do Estado Islâmico e combaterem a influência iraniana no Iraque sem uma presença física no país.

Nos últimos três anos, os Estados Unidos iniciaram uma campanha de "pressão máxima" contra o Irã, e o assassinato de Soleimani acrescenta uma dimensão militar aberta ao que tem sido principalmente um assunto econômico e diplomático. Parte integrante dessa política foi a renúncia dos Estados Unidos do Plano de Ação Conjunta Global (JCPOA) e a reimposição de sanções contra a economia iraniana e aqueles que fazem negócios com o Irã. A premissa dessa política é simples: a dor continuará até que o Irã mude seu comportamento. Enquanto os Estados Unidos assinaram originalmente o "acordo nuclear" com apenas o programa nuclear do Irã em mente, a estratégia de "pressão máxima" é mais ambiciosa e procura alterar o comportamento iraniano de maneira mais fundamental. Isso inclui coisas que o Irã considera vitais para sua segurança nacional, a saber, seu programa de mísseis balísticos e apoio a seus procuradores em toda a região. Na realidade, altas autoridades americanas têm sido bastante transparentes em relação ao desejo de ver a "pressão máxima" resultar em mudança de regime no Irã; o arquiteto dessa política, o embaixador John Bolton, twittou justamente isso.


Presidente Hassan Rouhani.

A pressão econômica e militar que os Estados Unidos exerceram sobre o Irã levará a uma mudança dentro do governo iraniano, mas não a uma mudança que seja benéfica para os Estados Unidos. Hassan Rouhani foi eleito primeiro presidente do Irã com a promessa de melhorar a vida dos iranianos, fazendo um acordo com o resto do mundo sobre suas ambições nucleares. Ele foi então reeleito ao implorar aos eleitores que confiassem que o alívio das sanções sob o acordo nuclear que ele mediara melhoraria tanto a economia iraniana quanto a vida cotidiana do povo iraniano. O tempo todo, seus oponentes mais radicais advertiam contra a confiança nos Estados Unidos. Para eles, o acordo nuclear nada mais era do que uma mentira para enfraquecer o Irã, e os Estados Unidos não cumpririam suas obrigações. Independentemente do JCPOA ter sido um acordo bom ou ruim para os Estados Unidos, os oponentes de Rouhani pareciam obter o melhor do argumento político doméstico. Agora, as tensões econômicas se espalharam para as militares, com os Estados Unidos matando uma das figuras mais populares no Irã, cuja morte revigorou os mesmos oponentes radicais do atual governo iraniano. O Irã realiza eleições parlamentares em fevereiro de 2020 e depois eleições presidenciais em 2021. Deveria perturbar os legisladores americanos que o índice de aprovação de Hassan Rouhani esteja em torno de 40%, enquanto o ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad, que ocupou o cargo quando as atividades iranianas no Iraque foram responsáveis pela morte desses seiscentos soldados americanos, tem uma taxa de favorabilidade em torno de 52%. Se esses números se traduzirem em ganhos eleitorais para os radicais nas próximas eleições, qualquer mudança favorável na política externa do Irã ficará ainda mais fora de alcance.

Não há dúvida de que Soleimani foi diretamente responsável pelas mortes de americanos. Porém, embora sua morte signifique, portanto, que a justiça foi feita, a justiça não leva em consideração considerações estratégicas. Pelo contrário, a política externa visa alcançar ótimos resultados para o país, e essa decisão pode fazer o contrário. Agora, o Irã respondeu com o que os iranianos certamente consideram justos: um ataque de míssil balístico contra bases militares americanas no Iraque. Com o IRGC no controle dos mísseis balísticos do Irã, essa resposta poderia muito bem ter sido uma maneira do IRGC vingar a morte de Soleimani diretamente, sem as complicações inerentes ao uso de intermediários que geralmente são difíceis de restringir. Também permitiu que o Irã enviasse sua resposta publicamente ao público, juntamente com um anúncio imediato de desescalada depois. Para o Irã, o longo jogo é remover soldados americanos do Iraque e da Síria. Uma resposta um tanto medida à morte de Soleimani promove esses objetivos, respondendo às demandas internas de ação e sinalizando resolução às suas forças intermediárias e parceiros regionais, além de evitar entrar em um conflito direto com os Estados Unidos que o Irã certamente perderia. No lado americano, o assassinato de Soleimani prejudicou a posição americana no Iraque e certamente encorajará os elementos mais extremos da política iraniana que usarão toda a campanha de "pressão máxima" para galvanizar apoio nas pesquisas. A morte de Soleimani não é uma coisa ruim, mas os efeitos que ela pode ter sobre os interesses estratégicos dos EUA não são particularmente bons.

Original: https://mwi.usma.edu/arent-ends-youre-looking-death-soleimani-americas-strategic-disconnect/

O Major Alex Deep é um oficial das Forças Especiais designado para Fort Bragg, NC. Ele possui um diploma de Mestrado em Estudos Estratégicos e Economia Internacional pela Escola de Estudos Internacionais Avançadas Johns Hopkins e ministrou anteriormente cursos em Relações Internacionais e Política do Oriente Médio na Academia Militar dos Estados Unidos. Ele se destacou várias vezes em apoio a operações de combate no Afeganistão e na Síria, e retornou de sua mais recente missão em novembro de 2019.

As opiniões expressas são da responsabilidade do autor e não refletem a posição oficial da Academia Militar dos Estados Unidos, o Departamento do Exército ou o Departamento de Defesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário