sábado, 25 de janeiro de 2020

Oficial do Estado Islâmico morto em uma operação da coalizão anti-EI e das Forças Democráticas Sírias


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 23 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de janeiro de 2020.

Retirada das forças da coalizão anti-jihadista de suas posições no nordeste da Síria, ofensiva turca contra milícias curdas sírias [YPG], ataque ao general iraniano Qassem Soleimani no Iraque, tensões entre o Irã e os Estados Unidos... Os eventos das últimas semanas podem dar a impressão de que a luta contra o Estado Islâmico [EI ou Daesh] veio à tona, mesmo que o chefe da organização, Abu Bakr al-Baghdadi, tenha sido morto durante uma operação das forças especiais dos EUA na província síria de Idleb em 27 de outubro.

Precisamente, para vingar a morte deste último, bem como o de Abu Hassan al-Mouhajir, seu porta-voz, o EI lançou a operação "Vingança pelos dois xeques" em 22 de dezembro. E, na edição 215 de seu semanário al-Naba, publicado em 2 de janeiro, afirmaram ter realizado "138 ataques" em dez dias, principalmente no Iraque e na Síria [mas também na Nigéria].

Durante essa curta campanha, o EI disparou foguetes em uma base americana montada na região de al-Shadadi, bem como no campo de petróleo de al-Omar, ocupado pelas Forças Democráticas da Síria (SDF), de que fazem parte as milícias curdas sírias.

De maneira mais geral, os ataques do Daesh aumentaram significativamente, tanto no Iraque como na Síria, durante os últimos dois meses de 2019. Assim, a organização reivindicou 158 em novembro [incluindo 95 na Síria e 63 em Iraque] e 259 em dezembro [com um forte aumento observado no Iraque, com 135 atos].

"O que mais me preocupa é o ressurgimento e a ascensão do Estado Islâmico durante o ano, não apenas no sudeste da Síria, mas também no oeste do Iraque", disse recentemente o rei Abdullah II da Jordânia, o país que está na vanguarda. Um ressurgimento em que a organização jihadista está ativa, de acordo com um relatório das Nações Unidas publicado antes da morte de al-Baghdadi.

No entanto, o general americano Alex Grynkewich, vice-comandante da Operação Inherent Resolve [OIR - coalizão anti-jihadista, ed] colocou a ameaça em perspectiva.

"O fato do EI falhar em tirar proveito dos protestos que se sucedem no Iraque há mais de três meses mostra que o movimento jihadista está estruturalmente enfraquecido", disse o oficial ao Instituto Mitchell, em Washington, no dia 22 de janeiro. Salvo que o protesto político e social agita especialmente Bagdá e o sul do Iraque, principalmente xiitas. Claramente, as populações sunitas, que o Daesh está tentando reunir para sua causa, estão se afastando.

A questão é se "o EI está engajado em um tipo de paciência estratégica, esperando por uma oportunidade que possa explorar ou se está realmente sob pressão, sem capacidade", explicou o general Grynkewich. E os protestos no Iraque "desviaram muita atenção" do grupo jihadista e "ajudaram a coalizão a refinar suas conclusões".

Assim, continuou o general americano, "o EI é na verdade mais privado de capacidade do que paciente estrategicamente". Mas, ele alertou, "sem dúvida continua a ser uma ameaça" porque "pode potencialmente ressurgir se aliviarmos a pressão por muito tempo."

"No curto prazo, como reduzimos algumas de nossas atividades no Iraque e na Síria, não acho que exista uma ameaça imediata de ressurgimento. Mas quanto mais aliviamos a pressão, mais a ameaça cresce”, disse o general Grynkewich.

Precisamente, em matéria de "pressão", atualmente está limitado a dois ou três ataques aéreos por semana contra as posições do EI. Além de operações ad hoc, como a recentemente conduzida pela Força-Tarefa Conjunta de Operações Especiais da Inherent Resolve e comandos das Forças Democráticas Sírias.



Em 19 de janeiro, as SDF anunciaram que dois oficiais do Daesh foram mortos em uma operação realizada em conjunto com as forças especiais da coalizão anti-jihadista na província síria de Deir ez-Zor. Um dos agentes do EI foi identificado como Abu al-Ward al-Iraqi, envolvido no financiamento das "células adormecidas" da organização terrorista.

Segundo DeirezZor 24, Abu al-Ward era um dos líderes mais proeminentes do Daesh desde que era o "emir" de petróleo e gás quando o grupo ocupou vastos territórios no Iraque e na Síria. "Ele tinha um relacionamento próximo com al-Baghdadi", afirmou esta publicação.

Após a derrota do "califado", Abu al-Ward foi a priori o chefe do EI em Deir ez-Zor, onde contribuiu para o recrutamento e financiamento de células dormentes locais, por meio de "campanhas de coleta de zakat" [Imposto islâmico] especifica o jornal DeirezZor 24.

"A morte de Abu al-Ward al-Iraqi atrapalha e degrada a capacidade do EI de financiar atividades terroristas no Vale do Eufrates e ao longo da fronteira Iraque-Síria", confirmou o coronel Myles Caggins , porta-voz da Operação Inherent Resolve. “O Daesh gostaria de se apossar do petróleo. Estamos ajudando os comandos de nossos parceiros sírios a impedi-lo", acrescentou.

Original: http://www.opex360.com/2020/01/23/un-responsable-de-daesh-tue-lors-dune-operation-de-la-coalition-anti-ei-et-des-forces-democratiques-syriennes/?fbclid=IwAR37jfjjxFB5fF4mo0nIvBcTaMsUZUAcP48L_Ki9847q75zGOw5OmqlP8Rc

Nenhum comentário:

Postar um comentário