sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Morte do Almirante Pierre Lacoste, ex-chefe da DGSE


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 16 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de janeiro de 2020.

Nota do Tradutor: Lacoste é chamado de "Patron", o termo respeitoso francês para o chefe de unidades, e que significa "Patrono" e é a origem do culto aos patronos no Brasil, por influência da Missão Militar Francesa.

Chefe da Direção Geral de Segurança Externa [Direction Générale de la Sécurité Extérieure, DGSE] na época do chamado caso "Rainbow Warrior", o Almirante Pierre Lacoste morreu em 13 de janeiro, quando estava prestes a comemorar seu 96º aniversário. Seu funeral será realizado em 20 de janeiro de 2020 na Catedral de Saint Louis des Invalides, em Paris, de acordo com a área de tradições da Escola Naval.

Nascido em 23 de janeiro de 1924 em Paris, Pierre Lacoste tinha apenas 19 anos quando decidiu se juntar às forças francesas no norte da África, com a intenção de se alistar na Marinha. Depois de passar pela Espanha, ele finalmente chegou ao Marrocos antes de ingressar no curso para oficiais da reserva e na Escola Naval [classe 1944], o que deu origem a algumas complicações administrativas...

De qualquer forma, o jovem era aspirante de marinha em 1946, antes de ser promovido ao posto de guarda-marinha de primeira classe [tenente] dois anos depois. Ele então participou de operações navais na Indochina. Depois de alternar posições em terra e no mar e se especializar em comunicações, ele assumiu o comando de três navios de superfície, incluindo a escolta rápida "Le Provençal" e a escolta de esquadra Maillé-Brézé.

Depois de lecionar na Escola de Guerra (École de Guerre) e de ter passado pelo gabinete do Ministro da Defesa [Yvon Bourges na época], foi promovido a Contra-Almirante e nomeado comandante da Escola Superior de Guerra Naval (École Supérieure de Guerra Navale) em 1976. Dois anos depois, ele se tornou chefe do gabinete militar do primeiro-ministro Raymond Barre. Cargo que ocupou até 1980, quando recebeu o comando da Esquadra do Mediterrâneo.

Após a eleição do presidente François Mitterrand [maio de 1981], a inteligência exterior francesa foi profundamente revisada sob a liderança de Pierre Marion, o Serviço Externo de Documentação e Contra-Espionagem [Service de documentation extérieure et de contre-espionnage, SDECE] antes da Direção Geral de Segurança Externa.

Em 1982, Pierre Marion decidiu deixar o cargo devido a divergências com os políticos da época. Para substituí-lo, o ministro da Defesa Charles Hernu sonda  Almirante Pierre Lacoste, que esperava ser nomeado inspetor geral da Marinha. Em uma entrevista ao Presidente Mitterrand, o oficial expressou seu "espanto", devido à "sua inocência" e "ignorância" sobre a comunidade de inteligência. "Não se preocupe, eu conheço você, está tudo bem..." respondeu o chefe de estado.



Depois veio o caso do Rainbow Warrior. Em 1984, a organização ambiental Greenpeace lançou uma campanha contra os testes nucleares franceses realizados em Mururoa. A operação "Satanique" (Satânica) devia combatê-la. Mas se transformou em um escândalo com a sabotagem do navio Rainbow Warrior, então ancorado em Auckland [Nova Zelândia]. Um fotógrafo perdeu a vida lá [Fernando Pereira] e dois oficiais da DGSE foram presos [os cônjuges falsos de Turenge, a saber, a Capitã Dominique Prieur e o Major Alain Mafart, nota].

Entre as rivalidades entre certos membros do governo, os vazamentos organizados para a imprensa e outros barbouzeries [barbacarias, operações disfarçadas], os fusíveis foram queimados. O ministro Hernu renunciou e o Almirante Lacoste foi substituído pelo General René Imbot.

Em seu relatório dos fatos, o Almirante Lacoste escreverá: "Foi em 19 de março de 1985 que o Sr. Patrick Careil, diretor do gabinete do Sr. Charles Hernu, pediu explicitamente que ele usasse os meios do DGSE para interditar ao movimento Greenpeace de realizar seus projetos de intervenção contra a campanha francesa de testes nucleares em Mururoa, no verão de 1985. [...] Recebido em audiência pelo Presidente da República, em 15 de maio às 18h, eu havia marcado esta questão no primeiro item da ordem do dia […]. Perguntei ao presidente se ele me permitiria executar o projeto de neutralização que eu havia estudado a pedido de Charles Hernu. Ele concordou com isso e expressou a importância que atribuía aos testes nucleares. Não entrei em mais detalhes do projeto, a autorização era suficientemente explícita."

"Esta operação era muito complicada, arriscada e acima de tudo completamente condenável em seu próprio princípio", escreveu ele em 1997, em seu livro "Um almirante em segredo".



Posteriormente, o Almirante Lacoste tornou-se presidente da Fundação de Estudos da Defesa Nacional [Fondation des études de la défense nationale, FEDN], depois do Centro de Estudos Científicos de Defesa [Centre d’études scientifiques de défense, CESD], no qual criou um seminário de pesquisa multidisciplinar sobre "A Cultura Francesa de Inteligência".

O que o levou a se interessar pelo conceito das implicações da inteligência no mundo dos negócios, desenvolvendo na França, com Alain Juillet, o conceito de inteligência econômica, e criando um DESS Information & Security (DESS Informação & Segurança) [intitulado atualmente Master 2 "Intelligence stratégique, Analyse des risques, Territoires", Inteligência estratégica, Análise de risco, Territórios.]

Original: http://www.opex360.com/2020/01/16/deces-de-lamiral-pierre-lacoste-ancien-patron-de-la-dgse/

Nenhum comentário:

Postar um comentário