Mostrando postagens com marcador Indonésia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Indonésia. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 7 de maio de 2021

Novo Barco de Combate X18 da Indonésia inicia testes na água

O Barco de Combate X18 na água na Indonésia. (JCD).

Por Nathan Gain, Naval News, 7 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de maio de 2021.

O programa do Barco de Combate X18 da Indonésia está se encaminhando para a primeira entrega, disse ao Naval News a John Cockerill Defense (JCD), que está fornecendo o armamento. Um protótipo foi colocado nas águas em 28 de abril nas águas de Banyuwangi.

"O barco passará por testes de construtor para verificar todas as suas funções na água. O barco deverá apoiar as operações das TNI em pântanos, fluviais, costeiros e marítimos, bem como nas funções de guarda costeira", disse a PT Pindad na sua página no Facebook.

O Barco de Combate X18 é um programa lançado pelo Ministério da Defesa da Indonésia. Anteriormente conhecido como "Barco-Tanque" (Tank Boat), e é executado por um consórcio em que a PT Pindad é a integração líder em colaboração com a PT Lundin (Barcos do Mar do Norte), a PT Len Industri (Persero) e a PT Hariff. Estes barcos destinam-se ao Exército Indonésio (TNI-AD) e serão conhecidos localmente como “Antanesa”.

Esta variante "APC" (transporte de tropas) do Barco de Combate foi projetada principalmente para tarefas de transporte de tropas. Será capaz de transportar até 60 soldados, 5 toneladas de carga, drones e será operada por uma tripulação de 5 homens. "Equipado com RCWS [estação de controle remoto] de 30mm e duas metralhadoras de 12,7mm, o barco está preparado para proteger a soberania e as águas territoriais da Indonésia", acrescenta PT Pindad.

O Barco de Combate X18 foi lançado em 28 de abril em Banyuwangi Waters. (PT Pindad)

O Barco de Combate empregará drones quadricópteros para tarefas de ISR.

A embarcação integra a torre não tripulada Cockerill 3030 da John Cockerill Defense (JCD). A empresa belga também fez melhorias de engenharia e construção no que diz respeito ao ambiente marinho e à especificidade do material compósito do catamarã (embarcação de dois cascos).

A variante APC terá melhorias adicionais, como capacidades de disparo de mísseis, acrescentou a JCD. A integração dos drones, por exemplo, está sendo testada. Fornecido pela NORTHSEADRONES, uma cooperação entre a Noruega e a Indonésia, o drone será conectado ao barco e à torre e será usado para tarefas de vigilância e reconhecimento.

Os testes de mar vão durar até o final de maio. A etapa de teste de aceitação de fábrica (factory acceptance test, FAT), bem como o teste de aceitação do local (site acceptance testSAT) e o teste de aceitação do porto (harbor acceptance testHAT), acontecerão em maio de 2021. No mar, os testes de disparo real começarão no próximo mês. A entrega ao TNI-AD ainda não foi decidida, mas pode ocorrer provavelmente por volta de setembro de 2021.

"Este primeiro Barco de Combate X18 estará pronto para receber delegações estrangeiras na segunda metade de [20]21", disse um representante da JCD à Naval News, acrescentando que a embarcação «realmente aparecerá como uma estreia mundial com toda a última geração de naviônicos e sistema de comunicação".

O Barco de Combate X18 foi lançado em 28 de abril nas águas de Banyuwangi. (PT Pindad)

Nathan Gain está baseado em Namur, Bélgica. Ele possui um MA em história moderna com especialização em relações internacionais pela Universidade Católica de Louvain (UCL - Bélgica). Fascinado pela história militar, ele naturalmente se voltou para o setor de defesa após se formar e está particularmente interessado em questões de defesa do norte da Europa e da Bélgica, bem como em qualquer coisa relacionada à aviação naval.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

sábado, 1 de maio de 2021

FOTO: Reconhecimento Estratégico indonésio

Tontaipur, Pelotão de Reconhecimento de Combate do Comando Estratégico (Kostrad) do Exército Indonésio.

Por Filipe do A. MonteiroWarfare Blog, 1º de maio de 2021.

O Comando Estratégico do Exército (Komando Cadangan Strategis Angkatan DaratKostrad) é um comando de nível do Corpo de exército que tem até 35.000 soldados. Ele supervisiona a prontidão operacional entre todos os comandos e conduz operações de defesa e segurança no nível estratégico, de acordo com as políticas do comandante das Forças Armadas Nacionais da Indonésia. O Kostrad é a principal unidade básica de combate de guerra do Exército Indonésio, enquanto o Kopassus é a elite das forças especiais do Exército Indonésio; o Kostrad como "Komando Utama Operasi" ou Comando de Operação Principal ainda se mantém como a unidade de combate de primeira linha das Forças Armadas Nacionais Indonésias junto com o Kopassus.

Este corpo tem três divisões:
  • 1ª Divisão de Infantaria Kostrad, com sede em Cilodong, Depok, Java Ocidental.
  • 2ª Divisão de Infantaria Kostrad, com sede em Singosari, Malang, Java Oriental.
  • 3ª Divisão de Infantaria Kostrad, com sede em Bontomarannu, Gowa, Celebes Meridional.
O "Pelotão de Reconhecimento de Combate" do Kostrad (Peleton Intai Tempur, abreviado como "Tontaipur") é uma formação de unidade especial do Kostrad em um nível de pelotão para conduzir operações de reconhecimento especial (special recon, SR). Suas informações adicionais sobre o número de tropas e armamento são confidenciais. Foi formado em 2001 e faz parte do Batalhão de Inteligência do Kostrad. Tontaipur foi formada sob os auspícios do então comandante do Kostrad, Ten-Gal Ryamizard Ryacudu. Semelhante a outras unidades especiais das Forças Armadas Nacionais da Indonésia, o Tontaipur é treinado para operações especiais de combate terrestre, aéreo e marítimo.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

segunda-feira, 29 de março de 2021

Indonésia: dois homens-bomba se explodiram na frente da Catedral de Makassar após a missa de Palm


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de março de 2021.

A explosão ocorreu no final da festa, ferindo várias pessoas. Um dos dois homens-bomba era apoiador declarado do Estado Islâmico. A Indonésia é o país com o maior número de muçulmanos do mundo, contando mais de 86% da população em oposição à apenas 10% de cristãos (além de hindus e outras religiões).

Pelo menos 20 pessoas ficaram feridas neste domingo (28/03) em um ataque suicida à Catedral de Makassar, no leste da Indonésia, após o Domingo de Ramos, uma celebração que marca o início da Semana Santa para os cristãos. O exterior do edifício no sul da ilha de Celebes estava repleto de pedaços de corpos humanos como resultado desta poderosa explosão que ocorreu por volta das 10:30h.

Tratou-se de um atentado suicida. Os dois agressores que realizaram o ataque foram mortos, disse o Ministro Coordenador da Segurança, Mahfud MD. “Duas pessoas estavam andando de motocicleta quando a explosão ocorreu no portão principal da igreja, os agressores estavam tentando entrar no perímetro da igreja”, disse o porta-voz da polícia nacional, Argo Yuwono. “Há muitos pedaços de corpos humanos perto da igreja e também na rua”, disse Mohammad Ramdhan, prefeito desta cidade portuária de 1,5 milhão de habitantes.

A ilha Celebes (também conhecida como Sulawesi) é uma das quatro Grandes Ilhas Sunda. É governado pela Indonésia. A décima primeira maior ilha do mundo, está situada a leste de Bornéu, a oeste das Ilhas Maluku e ao sul de Mindanao e do arquipélago de Sulu. Na Indonésia, apenas Sumatra, Bornéu e Papua são maiores em território, e apenas Java e Sumatra têm populações maiores.

O presidente indonésio, Joko Widodo “condenou veementemente este ato terrorista” “O terrorismo é um crime contra a humanidade”, declarou o chefe de Estado. “Peço a todos que lutem contra o terrorismo e o radicalismo, que são contrários aos valores religiosos”.

Uma testemunha, por sua vez, falou de uma explosão "muito forte". “Havia vários feridos na rua. Ajudei uma mulher ferida e coberta de sangue”, disse outra testemunha. “O neto dela também ficou ferido.” A polícia afirma que um segurança tentou impedir que a motocicleta entrasse no perímetro da Catedral do Sagrado Coração de Jesus, sede da Arquidiocese de Makassar, pouco antes da explosão, que ocorreu após o fim da missa.

O Domingo de Ramos marca a entrada de Jesus Cristo em Jerusalém, segundo a tradição cristã, no início da Semana Santa que antecede a Páscoa. “Tínhamos terminado a missa e as pessoas estavam indo para casa quando ela aconteceu”, disse o padre Wilhelmus Tulak aos repórteres. O Papa Francisco disse que rezou por todas as vítimas da violência, "em particular as do ataque desta manhã na Indonésia em frente à catedral de Makassar".


No passado, as igrejas foram alvo de extremistas na Indonésia, que é o país de maioria muçulmana mais populosa do mundo. Em maio de 2018, uma família de seis pessoas, incluindo duas meninas de 9 e 12 anos e dois filhos de 16 e 18 anos, lançou bombas contra três igrejas em Surabaya, a segunda cidade do país, matando mais de uma dúzia de fiéis. No mesmo dia, uma segunda família detonou, por acidente, uma bomba em um apartamento e no dia seguinte uma terceira família cometeu um atentado suicida contra uma delegacia de polícia.

Esses ataques, que deixaram um total de 15 vítimas e 13 mortes entre os agressores, incluindo cinco crianças, foram os mais mortíferos em mais de uma década no arquipélago. As três famílias radicalizadas estavam ligadas ao movimento radical Jamaah Ansharut Daulah (JAD), que apoia o grupo do Estado Islâmico (EI/ISIS); este reivindicou os ataques na catedral logo em seguida.

O atentado ocorreu no mesmo dia que jihadistas somalianos shebabs declararam estado de hostilidade contra os "cruzados" franceses e americanos no Djibouti, e a cidade de Palma, no Moçambique, foi tomada pela Ahlu Sunnah wal Jamaa.

A tradição de tolerância da Indonésia foi posta à prova nos últimos anos por um desenvolvimento de correntes conservadoras, até extremistas, islâmicas, o que leva cristãos e budistas (além das outras minorias religiosas que correspondem a cerca de 1%) a se preocuparem com relação à coexistência religiosa. Mais de 200 pessoas foram mortas em 2002 em ataques na ilha de Bali, perpetrados pelo grupo terrorista islâmico indonésio Congregação Islâmica (Jemaah Islamiyah, JI).

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

FOTO: Criança-soldado brandindo um AK47 na Indonésia

Um menino soldado achinês brandindo um fuzil AK47 durante treinamento militar na selva do distrito de Pidie, em Achem, na Indonésia.

Como dito na famosa frase do filme O Senhor da Guerra, o manuseio do AK47 é "tão fácil que até uma criança pode usá-lo, e elas usam".

domingo, 6 de setembro de 2020

"Tanque!!": A presença duradoura dos carros de combate na Ásia

Colocado em serviço na década de 1950, o tanque M41 Walker Bulldog permanece em serviço em vários exércitos da Ásia-Pacífico. Embora atualizados em iniciativas locais, são considerados inadequados para os campos de batalha de hoje. Programas para substituir o M41 estão sendo desenvolvidos na Tailândia (na foto) e em Taiwan.

Por Stephen W. Miller, Asian Military Review,  3 de maio de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de setembro de 2020.

Mobilidade, poder de fogo e proteção. Três qualidades do tanque de batalha principal que estão vendo os exércitos regionais continuarem a modernizar seus estoques.

O tanque é um recurso do campo de batalha de valor único devido à sua combinação única de mobilidade, poder de fogo e proteção. É igualmente capaz de executar operações ofensivas e defensivas com a habilidade de passar de uma para outra literalmente em minutos. O tanque também pode desmoralizar um oponente, semeando confusão e medo, quebrando assim a coesão de suas forças de combate e apoio. Possivelmente possui a maior capacidade de destruir fisicamente um inimigo e seus ativos de qualquer outro sistema de combate terrestre único. No entanto, é sua capacidade de aplicar tiros precisos enquanto se move em velocidade e se reposicionar para atacar ou se defender de locais inesperados à vontade que são seu atributo mais significativo. Em muitos aspectos, o impacto psicológico é a maior contribuição dos tanques.

M41 Walker Bulldog tailandês no golpe militar de 22 de maio de 2014.

É a combinação de mobilidade, poder de fogo e proteção que define o tanque. O impacto desses atributos não é necessariamente dependente até mesmo de alguma combinação "perfeita" dessas características. Na verdade, a história tem mostrado repetidamente que um pequeno número de tanques, mesmo com capacidades menores, dominou os campos de batalha. O sucesso dos tanques levemente blindados e armados do Japão em superar a defesa da Comunidade Britânica da península da Malásia em 1942 é um exemplo disso. O fato é que os atributos dos tanques se multiplicam quando são empregados e devidamente apoiados em terrenos e condições onde ou quando não é previsto. É uma lição tática que os exércitos que operam no Pacífico Asiático parecem ter levado a sério à medida que adquirem não apenas tanques de batalha principais modernos, mas desenvolvem e colocam em campo outros sistemas de arma de fogo direto altamente manobráveis e desdobráveis.

Tanques de manobra

A geração atual de tanques de batalha principais (Main Battle Tank, MBT) tornou-se para algumas forças armadas a combinação ideal de mobilidade, poder de fogo e proteção que não pode ser comprometida. A dificuldade é que este MBT se tornou cada vez mais difícil de mover facilmente em resposta às demandas operacionais. Isso é particularmente verdadeiro em estradas rurais e sobre pontes, mas também em estradas pavimentadas por longas distâncias. Além disso, seu transporte aéreo e marítimo para a realização de operações expedicionárias é limitado. Os MBT modernos como o Leopard 2A6 da Rheinmetall têm um peso de combate de mais de 62 toneladas. Mesmo o MBT Tipo 10 das Forças de Autodefesa Terrestres Japonesas (JGSDF), projetadas especificamente para serem mais leves, chegam a 48 toneladas. Um fator determinante para o peso é o nível de proteção solicitado, uma vez que foram introduzidas tecnologias que permitem que até mesmo canhões de 120 mm sejam montados em veículos mais leves. Vários exércitos do Pacífico Asiático optaram por maior capacidade de manobra e capacidade expedicionária, aceitando proteção passiva reduzida.

Veículo de Combate de Manobra Tipo 16 - Japão

O Veículo de Combate de Manobra da Força de Autodefesa Terrestre Japonesa oferece uma capacidade de apoiar operações de reação rápida contra intrusões com um canhão de 105mm altamente móvel, facilmente desdobrável e letal. Seu peso mais leve permite fácil transporte aéreo e marítimo, enquanto seu desenho com rodas permite viagens de longa distância nas estradas. (Crédito: JGSDF)

A JGSDF, reconhecendo uma lacuna de capacidade em sua estratégia de defesa avançada, desenvolveu um veículo de combate de apoio de fogo direto altamente móvel. O Veículo de Combate de Manobra (Maneuver Combat Vehicle, MCV) ou Tipo 16 estreou em 2013. Produzido pelas Indústrias Pesadas Mitsubishi, o veículo de 26 toneladas com tração nas oito rodas monta um canhão raiado de 105 mm. A torre tem controles de fogo equivalentes ao MBT mais recente, incluindo a visão panorâmica independente do caçador-matador do comandante que permite a detecção do alvo em movimento e passando o engajamento para o atirador. Seu trem de rodagem permite movimentos autônomos em estradas de longa distância a velocidades de até 100 km/h. Além disso, o MCV pode ser transportado na aeronave de carga tática Kawasaki C-2, permitindo o desdobramento até mesmo em ilhas remotas. Apesar do seu peso moderado, sua blindagem modular resiste à penetração de projéteis de 35 mm e 40 mm na área frontal e projéteis de 14,5 mm ao redor. Os primeiros MCV foram colocados em serviço em 2016 com planos para cerca de 300 e a possibilidade de substituir alguns MBT mais antigos.

Clouded Leopard (Yunpao) CM-32 - Taiwan


A família Clouded Leopard (Leopardo-Nebuloso), da República da China (Taiwan), de veículos de combate blindados 8x8 desenvolvidos no país, inclui uma variante de canhão móvel com um canhão raiado de 105 mm. Esta versão foi exibida em vários shows de defesa. Ele foi considerado um substituto adequado para a frota de tanques leves Walker Bulldog do Exército. Embora localmente atualizado no padrão M41D com mira térmica, novos controles de incêndio e um motor a diesel Detroit 8V-71T, os M41 são considerados marginalmente capazes, na melhor das hipóteses. Supostamente 400 ainda estão em uso operacional. A produção da versão de infantaria CM-32 deveria começar em 2010, mas notícias locais relataram atrasos que certamente impactariam em qualquer compromisso futuro com o "canhão variante".

Carros de combate M41A3 disparanda na praia de Xiaojinmen, em Taiwan, 20 de fevereiro de 2020.

Tanques leves

Os tanques leves têm os atributos dos MBT, mas comprometem os níveis de proteção da blindagem para reduzir o peso de combate. Esse peso mais baixo é mais adequado para a capacidade mais baixa das pontes rurais, portanto, tanques leves serviram em muitos exércitos do Pacífico Asiático. Introduzido nas décadas de 1960 e 70, exércitos incluindo aqueles das Filipinas, Tailândia, Taiwan e Indonésia mantêm tanques leves, embora atualizados com controles de fogo aprimorados e, em alguns casos, canhão principal maior. O AMX-13 da GIAT (agora Nexter), por exemplo, continua em uso na Indonésia com um novo controle de fogo e blindagem adicional instalada localmente pela PT PINDAD.

ZTQ – PLA

O Exército de Libertação Popular da China desenvolveu e introduziu o ZTQ, um tanque otimizado para operações nas regiões montanhosas do oeste do país. Entende-se que o desenvolvedor NORINCO também preparou uma versão para exportação que ainda não foi vendida. (Crédito: Guancha)

Já em 2011, surgiram relatos de um novo tanque do Exército de Libertação do Povo (PLA) da China. Este novo tanque parecia destinado ao uso nas regiões montanhosas do oeste e mais tarde foi identificado como o ZTQ, um tanque equipado com canhão de 105 mm com um carregador automático e com um peso de 33 toneladas. A sua exibição pública pelo desenvolvedor NORINCO, no Centro de Exposições de Pequim em 2016, confirmou alguns dos seus detalhes, bem como a oferta de uma versão de exportação, o VT-5. Ele supostamente usa blindagem composta e pode adicionar blindagem reativa explosiva. O PLA é relatado como tendo 300 unidades em serviço.

Tanque de Peso Médio Moderno (MMWT) - Indonésia

Uma colaboração entre a FNSS da Turquia e a PT PINDAD da Indonésia levou ao desenvolvimento do Tanque Moderno de Peso Médio (MMWT), que está sendo considerado para possível produção doméstica na Indonésia para equipar um segundo regimento de tanques. (Crédito Quwa / FNSS)

Essa classe de peso parece ser um compromisso feito por outros exércitos também. Desde 2015, a PT PINDAD da Indonésia tem buscado um desenvolvimento conjunto do seu novo Tanque de Peso Médio Moderno (Modern Medium Weight Tank, MMWT) com o FNSS da Turquia. Chamado de Kaplan MT (Turquia) ou Harimau Hitam / Tigre Negro (Indonésia), foi exibido pela primeira vez em novembro de 2016 na Indo Defense expo. O veículo de 35 toneladas foi mostrado com uma torre CMI Cockerill 3105 com canhão de baixo recuo de 105 mm equipado com um carregador automático. Fontes da FNSS indicam que o MMWT usa blindagem modular que pode fornecer proteção ao STANAG 4569 Nível 4 (perfuração blindada de 14,5 mm e estilhaços de 155 mm). Possui também estabilização, mira térmica e mira panorâmica comandante caçador-matador. Dois protótipos existem atualmente, enquanto as autoridades indonésias sugeriram planos futuros para até 200 unidades, que provavelmente substituirão os AMX-13.

Poder de Fogo Protegido Móvel (MPF) - EUA

Nos Estados Unidos, é o programa Poder de Fogo Protegido Móvel (Mobile Protected Firepower, MPF) que recebe atenção máxima. O MPF foi definido anteriormente pelo Coronel William Nuckols, diretor da Divisão de Requisitos Embarcados da AMR "como um veículo de poder de fogo direto protegido e rastreado que fornecerá suporte para as Equipes de Combate de Brigada de Infantaria (Infantry Brigade Combat TeamIBCT) em operações de entrada forçada ou antecipada". Deve ser capaz de ser prontamente desdobrado, principalmente por aeronaves de transporte. O programa viu o esforço do Exército para envolver mais de perto a indústria no início do desenvolvimento do programa, o que ele espera que incentive a inovação, reduza o risco e permita um cronograma acelerado. David Dopp, o líder do projeto do MPF afirmou. "Tivemos um envolvimento constante e positivo da indústria, incluindo sessões individuais com a indústria e a liderança do Exército". Como resultado, a indústria engajada investiu seus próprios fundos de Pesquisa e Desenvolvimento Independente (Independent Research and Development, IRAD) para aprimorar seus projetos potenciais a um nível de prontidão consistente com o cronograma previsto.

Um desenvolvimento e aquisição acelerados foram lançados pelo Exército dos EUA para um sistema de Poder de Fogo Protegido Móvel (MPF) que apoiará as Equipes de Combate de Brigada de Infantaria. A General Dynamic Land Systems mostrou seu conceito Griffin usando o chassis Ajax e um canhão leve de 120 mm.

Uma Solicitação de Propostas (Request for Proposals, RFP) foi lançada pelo Comando de Contratação do Exército em 27 de novembro de 2017. Dois contratos de Desenvolvimento de Fabricação de Engenharia (Engineering Manufacturing Development, EMD) serão concedidos no final de 2018 (primeiro trimestre do ano fiscal de 2019). Existem três concorrentes atualmente previstos como General Dynamics Land Systems, BAE Systems e SAIC. Espera-se que a BAE se baseie no projeto do Sistema de Armas Blindadas M8 (Armoured Gun System, AGS) que o Sr. Deepak Bazar Diretor do Programa de Veículos de Combate da BAE sugeriu "ter sido originalmente desenvolvido para atender aos requisitos de lançamento aéreo do Exército e LAPES (Low Altitude Parachute Extraction System/ Sistema de Extração de Pára-quedas de Baixa Altitude). Embora seja um requisito objetivo do MPF, consideramos isso altamente desejável e alcançável”. A General Dynamics mostrou um conceito usando um canhão tanque de peso leve de 120 mm no chassis do veículo de reconhecimento Ajax. A SAIC está liderando uma equipe que integrará o chassis do Veículo de Combate Blindado ST-Kinetics de última geração de Cingapura e o sistema de canhão / torre 3105 da CMI Cockerill.

Tanques de Batalha Principais

Leopard 2 - Indonésia e Cingapura

Nos últimos anos, houve uma série de iniciativas dos exércitos do Pacífico Asiático para introduzir os MBT mais avançados. Isso é em parte o resultado dos MBT de última geração que se tornaram disponíveis a preços atraentes do excedente criado por várias reorganizações dos exércitos da OTAN. A Rheinmetall Defense ofereceu com sucesso atualizações e melhorias personalizadas para o MBT Leopard 2 tanto para o Exército Indonésio (Tentara Nasional Indonésia Angkatan Darat, TNI-AD) quanto para as Forças Armadas de Cingapura (SAF). Oliver Hoffman, porta-voz da Rheinmetall, verificou sobre o AMR que “o programa de modernização inclui o Leopard 2A4+ e o Leopard 2RI (no caso da República da Indonésia) ou Leopard 2SG (para Cingapura). As melhorias abrangem o sistema de controle de temperatura, proteção balística aprimorada, conversão de um mecanismo de torre hidráulico para elétrico, uma unidade de energia auxiliar e a instalação de câmeras traseiras. Além disso, a Rheinmetall está aprimorando o canhão de alma lisa de 120mm no RI com um kit de programação que permitirá disparar a nova munição multifuncional DM11 programável da Rheinmetall”.

A Rheinmetall Defense fechou contratos com a Indonésia e Cingapura, fornecendo os MBT Leopard 2 que são modernizados e personalizados para a região. O trabalho está sendo compartilhado com empresas locais nos dois países. Aqui está um Leopard 2RI (República da Indonésia) no campo de tiro. (Crédito: Rheinmetall)

O TNI-AD encomendou 103 exemplares do Leopard 2RI e recebeu mais da metade deles. Um trabalho substancial está sendo realizado pela empresa estatal indonésia PT PINDAD e pelo Depósito de Material Bélico do TNI-AD. O contrato do MBT de Cingapura está sendo conduzido com a Singapore Technologies (ST), cuja subsidiária STELOP está fornecendo a Visão Panorâmica de Arquitetura Aberta do Comandante (Commander’s Open Architecture Panoramic Sight, COAPS). O COAPS parece estar sendo construído sob licença da Elbit Systems e foi visto pela primeira vez no Leopard SR em maio no Army Open House 2017. Cingapura está recebendo 66 carros Leopard SR.

VT-4 - Tailândia

A busca do Exército Real Tailandês (RTA) por um novo MBT sofreu várias reviravoltas. Sua intenção original era adquirir 49 unidades do Oplot T-84T fabricadas pela Fábrica Malyslev da Ucrânia. No entanto, o contrato de 2011 no valor de US$ 241 milhões sofreu atrasos repetidos, perdendo a entrega de 2014. Esta foi uma grande preocupação, pois o RTA teve a necessidade imediata de começar a substituir seus 200 tanques leves M41, antigos de 1957. Em 2017, apenas 25 carros T-84 foram recebidos. Isso levou o RTA, no início de 2016, a olhar para outras opções de MBT. Com o embargo de armas dos Estados Unidos em vigor e o governo da China buscando ativamente melhorar os laços com a Tailândia, não foi uma surpresa ver a NORINCO dar um passo à frente com o seu MBT VT-4 a um preço atraente com um cronograma de entrega inicial agressivo. Autoridades tailandesas afirmaram que o preço da NORICO é um terço das ofertas ocidentais.

O MBT VT-4 da NORINCO (mostrado) foi comprado pelo Exército Real Tailandês após a entrega repetidamente atrasada dos Oplot T-84T previamente encomendados da Ucrânia. O VT-4 é derivado do ZTZ-99A da NORINCO. (Crédito: NORINCO)

O VT-4 foi desenvolvido especificamente pela NORINCO para exportação e é considerado um meio-irmão menor do Tipo 99A do PLA. Ele estreou em 2014 no Dia dos Blindados da NORINCO. O sistema de 52 toneladas monta um canhão de alma lisa de 125 mm de diâmetro capaz de disparar mísseis guiados anti-blindados, de alto explosivo e disparados pelo canhão. Como é típico dos projetos derivados do T-72, o VT-4 usa um carregador automático de carrossel que permite uma tripulação de apenas três pessoas. O negócio de US$ 150 milhões assinado em abril de 2016 viu 28 carros VT-4 entregues até outubro de 2017. Em abril de 2017, o RTA encomendou mais 10 veículos por US$ 58 milhões. Este é o primeiro serviço do VT-4. As autoridades tailandesas sugeriram que há discussões em andamento para uma possível transferência de tecnologia de armas da China e estabelecimento da produção na Tailândia, embora áreas de colaboração ou detalhes não tenham sido fornecidos.

T-90S – Vietnã

O Vietnã recebeu seus primeiros MBT T-90S da Rússia como o primeiro estágio de um programa para colocar até 200 tanques para substituir os antigos T55.

O Vietnã, preocupado com a idade da sua frota de tanques de batalha principais, em meados de 2016 contratou a UralVagonZavod (UVZ) da Rússia para fornecer 64 tanques de batalha T-90S de terceira geração. A primeira entrega foi supostamente enviada em novembro de 2017. O exército precisa de cerca de 200 MBT. O T-90S tem o canhão de alma lisa de 125mm e o auto-carregador. É semelhante em capacidades aos T-90 em serviço com o exército da Rússia e foi amplamente exportado.

K2 Black Panther – República da Coréia

Grupo de tanques K2 Black Panther da ROK.

Em desenvolvimento desde 1995, o MBT K2 Black Panther do Exército da República da Coréia (ROK) começou a ser colocado em serviço em 2014. Um projeto totalmente local, ele é considerado um dos melhores MBT atualmente. Seu canhão de alma lisa L/55 de 120 mm desenvolvido pela Hyundai Wia usa um carregador automático capaz de 10 tiros por minuto. O controle de fogo inclui uma visão panorâmica, radar e capacidade de engajar aeronaves em baixa altitude. Ele também dispara a Munição de Ataque Superior Inteligente Coreana (Korean Smart Top-Attack Munition, KSTAM), uma munição descartável com alcance de 8 km. A Unidade de Suspensão no Braço (In-arm Suspension Unit, ISU) permite que o tanque ajuste sua altura e “ajoelhe-se". Os planos são de desdobrar 320 carros K2, enquanto uma série de melhorias já estão sendo desenvolvidas, incluindo proteção ativa e blindagem reativa.

Tanques K2 Black Panther disparando na linha de tiro.

Necessidades Futuras

O nível de atividade na introdução de capacidades modernas de tanques nos exércitos do Pacífico Asiático não tem precedentes. Os programas de MBT exigirão vários anos para serem concluídos e para preencherem o número de veículos necessários. Nesse ponto, o tanque de "manobra" terá demonstrado mais claramente suas habilidades. Isso poderia ser considerado uma solução para alguns desses exércitos para complementar esses MBT.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

Tanked Up: Carros de combate principais na Ásia, 12 de agosto de 2020.

GALERIA: Caça-Tanques Japoneses em ação1º de julho de 2020.

GALERIA: Tanques M41A3 de Taiwan em tiro de exercício20 de fevereiro de 2020.

GALERIA: Manobra blindada nas Montanhas Celestiais11 de abril de 2020.

GALERIA: Operação de limpeza com blindados em Tu Vu25 de abril de 2020.

FOTO: Puxando hora no topo do mundo12 de fevereiro de 2020.

sexta-feira, 17 de abril de 2020

As forças armadas da Indonésia reforçam seu controle anti-terror

Tropas indonésias marcham em um desfile em uma base naval em Cilegon, Java Ocidental, em 3 de outubro de 2015, como parte da celebração do 70º aniversário das forças armadas. (AFP)

Por John McBeth, Asia Times, 8 de agosto de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de abril de 2020.

Sob consideração há mais de quatro anos, as Forças Armadas da Indonésia (TNI) estão finalmente avançando com a formação de um Comando de Operações Especiais ao estilo americano (KOOPSSUS) encarregado de montar operações contra redes terroristas em casa e no exterior.

Mandatada sob a Lei Anti-Terrorismo revisada de 2018, a medida assustou ativamente os ativistas da sociedade civil, que vêem qualquer intrusão militar percebida na arena da segurança interna como um passo retrógrado para a ainda incipiente democracia do país.

Até agora, a unidade contra-terrorista da polícia, o Destacamento 88, conseguiu capturar e decapitar mais de 1.600 militantes islâmicos desde que foi formada após os atentados de 2002 em uma boate em Bali, que matou 202 pessoas, a maioria turistas estrangeiros.

Entregar às forças armadas um novo papel na luta contra o terrorismo, apesar do longo tempo de preparação, ocorre em meio a ameaças crescentes do Estado Islâmico e outras forças terroristas regionais na maior nação muçulmana do mundo.

As reformas introduzidas no nascimento da era democrática do país em 1999 separaram a polícia da cadeia de comando militar e deixaram a força civil de 400.000 homens sob responsabilidade exclusiva da segurança interna, embora com a estrutura territorial generalizada do exército ainda intacta.


Comandos da polícia indonésia de elite invadem uma casa de um suspeito de terrorismo em Cirebon, no oeste de Java, em 15 de janeiro de 2016. (AFP)

O novo comando de 500 soldados reúne elementos do tamanho de uma companhiado Destacamento 81 de forças especiais de elite do Exército (KOPASSUS), do Destacamento Bravo 90 de forças especiais da Força Aérea (KORPASKHAS), juntamente com uma unidade de operadores de reconhecimento SEAL da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais, conhecidos como DEPJAKA.

Embora a nova lei antiterrorista revisada estabeleça um papel expandido para as forças armadas, a Widodo ainda precisa emitir um regulamento definindo o que fará e como complementará o trabalho do Destacamento 88 e da Agência Nacional de Luta Contra-terrorista (BNPT).

O general de polícia aposentado Benny Mamoto, que desempenhou um papel de liderança na identificação e rastreamento de membros da rede terrorista Jemaah Islamiyah, disse ao Jakarta Post que desdobrar uma força-tarefa conjunta especial é necessário para combater ameaças não-tradicionais à segurança nacional.

Agora, chefe do Centro de Ciências Policiais e de Estudos sobre Terrorismo da Universidade da Indonésia, Mamoto diz que é importante, no entanto, que o governo elabore um procedimento operacional padrão abrangente para as forças armadas e a polícia na abordagem de uma questão que remonta aos atentados à bomba contra igrejas do Natal de 2000.

Tjajanto diz que até 80% das operações do novo comando se concentrarão na vigilância como parte de sua função de dissuasão, mas, quando solicitado, também será encarregado de realizar operações especiais na Indonésia e no exterior, tudo sob autoridade presidencial direta.

Como em muitos outros países, sempre foi amplamente aceito que o KOPASSUS e outras unidades militares especializadas substituirão o Destacamento 88 se a Indonésia enfrentar uma situação de seqüestro ou cerco que está além da capacidade da polícia.


A polícia toma posição fora da sede da Brigada de Polícia Móvel (Brimob) em Depok, na Indonésia, em meio a um incidente relacionado ao terrorismo, em 10 de maio de 2018. (Twitter)

A única vez em que tropas indonésias conduziram uma operação anti-terrorista no exterior foi em 1980, quando uma equipe de ataque do KOPASSUS voou para Bangcoc para libertar reféns a bordo de um avião da Garuda que havia sido seqüestrado por militantes islâmicos em um vôo interno.

Três dos cinco terroristas foram mortos no ataque inicial antes do amanhecer, mas o que sempre preocupou os ativistas de direitos humanos foi o fato de que os dois sobreviventes morreram posteriormente em circunstâncias inexplicáveis no vôo para casa em Jacarta.

A chamada Operação Woyla não tem sido a única missão militar no exterior. Em maio de 2011, uma força-tarefa indonésia combinada lançou uma operação de longo alcance para libertar 20 marinheiros a bordo de um navio graneleiro indonésio seqüestrado por piratas na costa da Somália.

Embora um resgate de US$ 3 milhões tenha sido pago nas últimas horas antes das tropas entrarem em ação, algo com que os comandantes estavam muito infelizes, os operadores das forças especiais transportadas pelo mar mataram quatro piratas tentando recuperar o navio depois que o grupo original de seqüestradores havia saído com o dinheiro .

A única vez em que tropas foram mobilizadas em um papel anti-terrorista em casa foi contra o Mujahadin da Indonésia Oriental (MIT), um pequeno grupo militante afiliado ao Estado Islâmico que foi efetivamente esmagado em 2016 depois de permanecer por anos nas selvas de Sulawesi Central.

O novo KOOPSSUS será liderado pelo Major-General Rochadi Diperjaya, um colega de classe de 1986 do comandante Marechal-do-Ar-Chefe Hadi Tjahjanto, que o nomeou para seu cargo anterior como diretor de assuntos internos da Agência de Inteligência das Forças Armadas (BAIS).


O Marechal-do-Ar-Chefe indonésio Hadi Tjahjanto (esquerda) e o Major-General Rochadi Diperjaya (direita) na cerimônia de lançamento do KOOPSSUS, em Jacarta, 30 de julho de 2019. (Facebook/ BenarNews)

Oficial de carreira do KOPASSUS, Rochadi ingressou no Destacamento 81 em 1989, quando a unidade de contra-terrorismo do tamanho de um batalhão foi comandada por Luhut Panjaitan, agora ministro de coordenação marítima e supostamente conselheiro político mais próximo do presidente Widodo.

Rochadi não é muito aventureiro, mas Tjahjanto claramente precisava de partidários do BAIS após um expurgo de oficiais importantes próximos ao anterior chefe da TNI, General Gatot Nurmantyo, que foi afastado três meses antes da aposentadoria no final de 2017 por expor publicamente suas ambições políticas.

O conceito KOOPSSUS parece ser semelhante ao do Comando de Operações Especiais Conjuntas (JSOC), o componente de elite americano do Comando de Operações Especiais (SOCOM), que os EUA formaram após a infeliz tentativa de 1980 de resgatar reféns na Embaixada dos EUA no Irã.

Embora o SOCOM possua as unidades de operações especiais dos quatro serviços, o JSOC está encarregado diretamente das chamadas unidades Tier One, incluindo a Delta Force e a Task Force Orange do exército, o SEAL Team 6, a 75ª Companhia de Reconhecimento Ranger e partes de Regimento Aéreo de Operações Especiais.

Analistas militares apontam que o SOCOM foi criado para superar as rivalidades entre serviços que levaram ao desastre da Operação Garra de Águia no deserto iraniano. As forças armadas indonésias, eles apontam, têm os mesmos problemas agudos que podem acabar condenando o novo comando.

Como major-general recém-cunhado, Rochadi não terá autoridade sobre o KOPASSUS e seu equivalente na força aérea, os quais são chefiados por oficiais de duas estrelas que são nominalmente mais graduados e podem não estar dispostos a designar seus melhores homens para o novo comando unificado.


O presidente da Indonésia, Joko Widodo (centro), com os principais generais durante um exercício militar do exército indonésio em Baturaja, sul da ilha de Sumatra em 2016. (AFP/ Palácio Presidencial/ Rusman)

A força aérea também é considerada o serviço mais moderno e qualquer coisa posta em prática agora pode ser desfeita quando Hadi, 55 anos, for substituído no próximo ano - ou talvez até mais cedo - pelo qual é amplamente esperado como chefe do Exército, General Andika Perkasa, 54, o genro do ex-guru da inteligência A.M. Hendropriyono.

Analistas lembram que, após o incidente de Mumbai em 2008, no qual militantes islâmicos do Paquistão mataram pelo menos 165 pessoas em 12 ataques coordenados na cidade costeira, os chefes de segurança realizaram uma série de exercícios para testar a preparação da Indonésia para um evento semelhante.

Mas isso é o mais longe possível. Certamente, a polícia e os militares nunca elaboraram o tipo de plano de ação que lhes permitisse operar juntos em uma situação de crise em que teriam que lidar com múltiplas ameaças em uma capital também aberta ao mar.

Leitura recomendada:

Indonésia desdobra aviões de combate para Natuna em impasse com a China9 de janeiro de 2020.

Resgate do vôo SQ 117 da Singapore Airlines em 30 segundos cravados8 de janeiro de 2020.

FOTO: Operador CQB da Heckler & Koch USA29 de janeiro de 2020.

O líder do Estado Islâmico (ISIS), conhecido como "Jabba the Hutt", foi capturado em Mosul17 de janeiro de 2020.

GALERIA: Exercício "Shamrakh 1"12 de março de 2020.

sábado, 15 de fevereiro de 2020

FOTO: Boinas azuis da UNIFIL

Sgt. Lia Ricathalia, boina azul do contingente indonésio da UNIFIL, em um posto de patrulha na Linha Azul próximo ao Portão Fátima em Kafer Kela, no sul do Líbano em 9 de outubro de 2012. (Foto de Pasqual Gorriz/ UNIFIL.)