quarta-feira, 29 de abril de 2020

Sobre os méritos do M4 e EF88 (e mais) | PARTE 5


Por Solomon BirchThe Cove, 15 de julho de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 29 de abril de 2020.

Artigo 5 | O Fator Humano Parte 2: As Forças Especiais lançam uma longa sombra.

O M4 é um super-fuzil porque as Forças Especiais o usam e as Forças Especiais são super-soldados. Durante o mesmo período surgiram razões válidas para preferir o M4 ao F88 FOW, as Forças Especiais Australianas obtiveram uma mística que nunca haviam desfrutado entre as forças regulares. Nas guerras anteriores ao Afeganistão, tropas australianas regulares eram as principais forças usadas para procurar e destruir combatentes e posições inimigas [i] [ii], e até soldados da logística realizavam patrulhas de limpeza, patrulhas permanentes e emboscadas como rotina [iii]. No Afeganistão, para a Austrália, essas funções foram cumpridas quase exclusivamente pelas Forças Especiais [iv], e os equipamentos, roupas, armas e hábitos das Forças Especiais tornaram-se moda e desejáveis nas forças regulares [v] as quais careciam amplamente de seu próprio senso de credibilidade, finalidade e realização [vi]. A disparidade de experiência em combate e recursos de treinamento entre as forças regulares e as forças especiais também se manifestou no treinamento, onde forças especiais eram vistas como especialistas indiscutíveis de todas as formas de táticas e tiro de infantaria, com seus métodos gradual mas seguramente adotados por um exército mais amplo, através dos excelentes pacotes de Operações Urbanas de Todos os Corpos (All Corps Urban Operations) e o posterior Tiro de Combate Contínuo (Combat Shooting Continuum)O M4, juntamente com outros artefatos e idéias das Forças Especiais, passou a ser símbolo de status, autenticidade e capacidade de combate, não totalmente de forma imerecida. O argumento muito simples, de que as Forças Especiais o usam e, portanto, deve ser melhor, é provavelmente o argumento mais comum usado até hoje - mas não é muito bom.


A maioria de nós só pode sonhar em estar em forma e motivado o suficiente para ser tão legal assim. Felizmente, podemos adquirir um pouco desse visual, mas somente se conseguirmos convencer o CASG a nos dar fuzis M4.

As razões pelas quais as Forças Especiais usam o M4 não são particularmente relevantes para o debate. AS Forças Especiais australianas têm uma enorme antipatia arraigada à família de armas F88, que remonta a problemas iniciais que o SASR experimentou com o fuzil no início dos anos 90 [vii]. As Forças Especiais não são tão especiais que não podem gerar preconceitos culturais subjetivos a favor e contra coisas como qualquer grupo comum de pessoas, mas há muito boas razões pelas quais um fuzil baseado no M4 faz sentido para eles de maneiras que não o fazem para o exército regular.


Apesar de terem sido fornecidos fuzis F88 como uma questão de registro público, parece impossível encontrar fotografias de qualquer operador especial segurando um tal é o seu aparente desdém pela arma.

O uso de carregadores em conformidade com o STANAG e um manuseio comum de armas é potencialmente importante para organizações que se integram às Forças Especiais da coalizão equipadas com M4 abaixo do nível da seção (pelotão) e que podem ser desdobradas sem uma pegada logística australiana substancial. O acesso ao vasto setor da indústria de pós-venda do AR15 e M4 nos EUA é igualmente atraente para organizações que compram equipamentos em menor número para tarefas mais especializadas. A capacidade de reconstruir fuzis para funções mais especializadas usando peças intercambiáveis já existentes no inventário ou no mercado também oferece oportunidades potencialmente úteis para as forças que operam pequenas frotas de equipamentos especializados [viii]. O posicionamento frontal do carregador permite a inclusão da funcionalidade de liberação do carregador, um retém de liberação do ferrolho bem posicionado, um registro seletor de tiro convenientemente localizado e um protetor de ejeção de cartucho padrão distante do rosto do atirador ao disparar instintivamente. A arma tem a opção de coronhas e gatilhos ajustáveis para diferentes funções e diferentes equipamentos de proteção/transporte de carga. Esses recursos se combinam para criar um sistema de armas com um limite de habilidades muito alto que recompensará os atiradores que praticam manuseio por horas todos os dias e disparam milhares de tiros todos os meses com melhor precisão prática em uma variedade maior de circunstâncias sob pressão e recarregamentos mais rápidos, mantendo uma melhor consciência situacional do que muitos outros projetos.


De cima para baixo, um Mk12 Mod 0, Mk12 Mod 1 e Mk12 "Mod H". O Mk12 era uma variante de atirador designado com precisão aumentada do M16 usada pelas Forças Especiais dos EUA na GWOT.

Essas vantagens não são diretamente relevantes para o exército regular. Devido à sua escala, é improvável que alguma vez esteja em uma posição em que possa aceitar os desafios de gerenciamento de configuração que o acesso ao mercado de reposição dos EUA para personalizar fuzis traria, ou mesmo que queira dar aos soldados a capacidade de personalizar suas armas de fogo. É improvável que haja recursos suficientes para treinar soldados regulares para chegar perto do limite de habilidades do EF88 ou do M4 (a qual é uma habilidade excepcionalmente intensiva em recursos e altamente perecível [ix]) e, mesmo que existisse, haveria maneiras muito mais urgentes de gastar esses recursos, embora não esteja claro que o limite de habilidades mais alto se traduza em um nível de habilidade mais alto. Raramente integrará seus soldados com um parceiro da coalizão (ou vice-versa) a um nível tão baixo que um manuseio comum de armas e carregadores seria importante, e seria forçado a implantar uma cauda logística para um desdobramento convencional, de modo que acessar peças de reparo e carregadores seria sobretudo irrelevante. Em outras palavras, existem muitas razões pelas quais o M4 é uma arma excepcionalmente adequada para as forças especiais australianas, mas essas razões tendem a se aplicar muito mal ao Exército Regular Australiano.


Um comando australiano treinando com um soldado filipino em 2017. O comando está armado com um HK416 com um cano muito curto de 10,3 polegadas (26cm). Esta versão é baseada no US SOCOM Mk18, que é uma versão de impingimento direto.

Um truque estranho que os insurgentes não querem que você saiba: a questão específica da dificuldade de disparar um F88 do lado não-mestre, uma técnica de tiro herdada das Forças Especiais, é trazida com uma frequência incrível, mas é de mérito não-convincente em termos de consideração equilibrada. Ainda não está claro o quanto essa técnica é útil na prática para forças regulares (as Forças de Defesa de Israel, que operam com muito sucesso em guerras urbanas quase habituais, não treina em disparos com mãos não-mestres e supostamente considera um uso ineficiente de recursos de treinamento tentar fazê-lo, enquanto a conversa com operadores de forças especiais com vários tours de alta intensidade frequentemente revela que eles nunca adotaram uma postura do lado não-mestre nas operações [x]). Também não está claro o quão impraticável é fazer isso com um bullpup (elementos do Exército Britânico treinam uma técnica para fazê-lo com o L85, que ainda tem uma alavanca de manejo recíproca, inclinando a janela de ejeção da arma para baixo ao disparar do lado não-mestre [xi], e os defletores de cartucho são uma opção absolutamente viável para negar amplamente a necessidade de tal técnica [xii]). A existência inicial e a disseminação dessa objeção parecem ser uma manifestação do fato de que nossas práticas de tiro de combate são derivadas das nossas Forças Especiais (o que é uma coisa boa, mas vem com a bagagem que precisamos ter em mente) que não empregam empregar quaisquer bullpups em combate e, portanto, não possuem técnicas de combate específicas ao uso de bullpups. Isso tende a implicar que mais desenvolvimento e inovação por parte das forças regulares podem ser necessários. A maneira pela qual esta questão é apresentada, como uma parede e com seu escopo restrito e possíveis soluções omitidas, dá a forte impressão de raciocínio post-hoc com base em uma premissa existente de que devemos adotar o M4.

Um operador israelense de uma unidade de elite de contra-terrorismo das operações especiais (YAMAM) cobre um ângulo sem alterar o ombro do fuzil, apesar do fuzil ser um M4A1 adequado para tal manobra.

Um Aparte Final - Uso Civil. O AR15 é predominantemente a plataforma de fuzil esportivo moderno mais popular na maior comunidade de tiro do mundo (os EUA) e há muitas boas razões para isso nas quais não vou entrar. Ao discutir bullpups no mercado civil nos Estados Unidos, uma das perguntas sempre levantadas é por que os atiradores de competição (“usuários avançados”) basicamente nunca usam bullpups. A resposta parece extremamente simples para mim - as regras não criam um bom motivo para usar um cano por mais tempo do que você precisa, e esse é basicamente o motivo da existência de bullpups. Se todos os que usam um cano de carabina obtiveram metade dos pontos para alvos de 100 a 200 m em comparação com aqueles que usam canos de comprimento total, eu suspeito fortemente que haveria muito mais competidores de 2 e 3 armas usando bullpups, apesar dos comprimentos fixos de tração, gatilhos  piores e manuseios de armas um pouco mais lentos. Isso é certamente o que vimos na IPSC (International Practical Shooting Confederation, Confederação Internacional de Tiro Prático), onde as regras do fator de potência fizeram com que o .38 Super (9x23mmSR+P) ofuscasse totalmente o 9mm (9x19mm) em competições de alto nível até que as regras se adequaram, apesar do seu recuo mais severo.

Em suma:

Houve algumas razões absolutamente válidas entre 1993 e 2015 para pensar que o M4A1 era um fuzil de serviço melhor do que o F88, F88SA1 e F88SA2 (mas também alguns argumentos muito válidos do outro lado). A maioria desses motivos simplesmente não existe ou existe apenas de uma maneira muito mais fraca e pouco aplicável se a comparação for feita entre o EF88 e o M4A1 (ou HK416 ou MARS-L etc), enquanto muitos dos argumentos do outro lado tenham ficado mais fortes. Na ausência de um conjunto central de razões muito fortes, o argumento adotou uma vida própria e persiste, aparentemente alimentado pelos preconceitos culturais de certos grupos fechados e personalidades. A existência dessa discussão é boa porque promove um debate vigoroso sobre o que queremos de um fuzil de serviço com potencial para ajudar a informar os requisitos do usuário para o nosso próximo SARP, mas para perceber que o potencial de nossas discussões como soldados e oficiais deve ser melhor fundamentada em fatos do que elas muitas vezes têm sido.

Notas finais:

[i] Major Jim Hammett, “We Were Soldiers Once… The decline of the Royal Australian Infantry Corps?” Australian Army Journal Volume V, Number 1, 2008.

[ii] Captain Greg Colton, “Enhancing Operational Capability. Making infantry more deployable” Australian Army Journal Volume V, Number 1, 2008.

[iii] Australian War Memorial, “Task Force Maintenance Area Patrol DPR/TV/1106”, datada em 20 de maio de 1969.

[iv] Major Jim Hammett, “We Were Soldiers Once… The decline of the Royal Australian Infantry Corps?” Australian Army Journal Volume V, Number 1, 2008, 42.

[v] LTCOL C Smith, “Mentoring Task Force 3 Post Operations Report, Commanding Officer’s Observations”, sem data, desclassificada em 20 de fevereiro de 19 por originator (NÃO-CLASSIFICADO). MTF3 POR Anexo 4 Observações dos Comandantes.

[vi] Major Jim Hammett, “We Were Soldiers Once… The decline of the Royal Australian Infantry Corps?” Australian Army Journal Volume V, Number 1, 2008, 43-44.

[vii] Entrevista com Solomon Birch e Chris Masters, datada de 13 de fevereiro de 2019 (NÃO-CLASSIFICADA).

[viii] Por exemplo, o desenvolvimento do USSOCOM do Fuzil de Uso Especial Mk12 (Mk12 Special Purpose Rifle) e do Receptor de Combate Aproximado em Compartimento Mk18 (MK18 Close Quarters Battle Receiver), que inicialmente usavam peças legadas do M16/M4 FOW que estavam no inventário existente do USSOCOM.

[ix] Special Agent Yvon Guillaume, “Close Quarters Combat Shooting” United States Marine Corps Command and Staff College, Marine Corps University 2010, Appendix C.

[x] Entrevista com Solomon Birch e Chris Masters, datada de 13 de fevereiro de 2019 (NÃO-CLASSIFICADO).

[xi] Neil Grant, “SA80 Assault Rifles”, Osprey Publishing 2016.

[xii]Military Arms Channel “Lithgow Arms USA F90 Atrax bullpup” datada em 19 de outubro de 2016, retirada em 06 de maio de 2019 de youtu.be/6847L8aEA6A.

Solomon Birch é um oficial do RACT (Royal Australian Corps of Transport, Real Corpo de Transporte Australiano) atualmente postado na Ala de Transporte Rodoviário da Escola de Transporte do Exército (Road Transport Wing, Army School of Transport). As postagens anteriores incluem o 1 Sig Regt, 1 CSSB e 1 CER.

Leitura recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário