quinta-feira, 5 de março de 2020

GALERIA: O primeiro desfile militar das Forças de Defesa de Israel

No palanque, Yaakov Dori e generais do exército.

A primeira parada militar das FDI ocorreu no dia 27 de julho de 1948 (o 20º dia do mês de Tamuz), apenas uma semana depois do "segundo cessar-fogo" da Guerra de Independência (1948-49). Este dia foi considerado um dia memorial nacional devido à morte do pai do sionismo moderno, Theodor Herzl. A lei do Dia da Independência de 1949 mudaram as celebrações para o 5º dia do mês de Iyar.

A parada passou pelas ruas Allenby e Ben-Yehuda, e foi prestigiada por Ben-Gurion, o fundador e primeiro-ministro de Israel, pelo General Yaakov Dori, o chefe do Estado-Maior das FDI, além de generais do exército e representantes dos vários corpos da jovem força.

As fotos foram tiradas por Aryeh Yaakobi, um veterano da USAF na campanha de bombardeio à Alemanha, ingressou na então nascente Força Aérea Israelense (FAI) em janeiro de 1948. Ele fez parte de uma equipe que montou laboratórios fotográficos para a FAI.

Ben-Gurion e Yaakov Dori dirigem-se para o palanque.
Ben-Gurion e Yaakov Dori.

Mulas de carga abrindo a parada.
Nessa época, as mulas eram o meio de transporte de armas e munições.
Cavalaria.
Carro blindado sobre rodas.
Carro blindado sobre rodas armado de canhão.


Jipe da Marinha puxando um projetor anti-aéreo.

Jipe anfíbio da Marinha.

Metralhadoras Thompson.
Espectadores na varando do Hotel Yarden.
Corpo Feminino.
Banda das FDI.

Aryeh Yaakobi, direita, comandante da unidade de decodificação, com o decodificador Mosher Meller.

FOTO: Diensteinheit IX, unidade especial da Alemanha Oriental

Operadores armados com submetralhadoras polonesas PM-63 RAK, capacetes de titânio suíços PSH-77 com viseira, camuflagem gota de chuva alemã oriental, e coletes paraquedistas alemães orientais.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de março de 2020.

Com o atentado de Munique em 1972, os países europeus iniciaram a criação de unidades especiais de intervenção e contra-terrorismo. Por conta da criação do GSG 9 e do Spezialeinsatzkommandos (SEK, equivalente estadual), a Alemanha Oriental iniciou a criação de uma unidade semelhante. Como nenhuma força comparável existia na Alemanha Oriental naquela época, ela teve que ser criada do zero, ou seja, a partir de relatórios de inteligência sobre unidades de forças especiais ocidentais e soviéticas. A unidade foi criada em 1973 com unidades provisórias antes de ser totalmente estabelecida em 1974, por Ernst Fabian, com 30 homens inicialmente na unidade - atingindo um total de 111 homens.

Chamada de Diensteinheit IX (Unidade de Serviço 9), ela diferia da mais famosa 9. Volkspolizei-Kompanie (Companhia da Polícia Popular 9), com as duas existindo paralelamente. A unidade foi encarregada de operações de combate ao terrorismo, incluindo:

- Resgate de reféns;
- Proteção VIP;
- Aplicação da lei em situações de alto risco;
- Segurança física para grandes eventos;
- Caçada de soldados soviéticos desertores.

A unidade respondia diretamente ao chefe do Ministério de Segurança do Estado. Em todas as capitais distritais, uma subunidade estava estacionada em sigilo, uma vez que o Partido Socialista da União da Alemanha [Sozialistische Einheitspartei DeutschlandsSED] não admitia ao público que o crime existia na Alemanha Oriental. 

Membros do Diensteinheit IX eram recrutados na Volkspolizei da Alemanha Oriental, exigindo-se terem entre 25 e 39 anos. Eles precisavam cumprir requisitos físicos e psicológicos rigorosos e serem graduados em alguma escola de oficiais. A unidade era armada por equipamentos do Pacto de Varsóvia (locais ou não) e equipamentos da Alemanha Ocidental, como a submetralhadora MP5 e o fuzil HK33.

Após a reunificação alemã em 1990, a unidade foi dissolvida e alguns membros do Diensteinheit IX foram incorporados nos Spezialeinsatzkommandos (Comandos de Emprego Especial, SEK) da Alemanha Ocidental, tais como em unidades SEK em Mecklenburg-Vorpommern e em Sachsen-Anhalt, após procedimentos de avaliação política rigorosos.

Leitura recomendada:

O identidade da Stasi do Putin foi encontrada em arquivo alemão, 11 de março de 2020.

GALERIA: A revolta anti-comunista na Alemanha Oriental de 195326 de fevereiro de 2020.

FOTO: Diensteinheit IX, unidade especial da Alemanha Oriental, 5 de março de 2020.

Por que a equipe comando do Grupo Alfa da Rússia é verdadeiramente assustadora, 5 de janeiro de 2020.

Contratada de defesa acusada de vazar segredos militares


Por Eric Tucker, Star and Stripes, 4 de março de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de março de 2020.

WASHINGTON - Uma lingüista que trabalhava para as forças armadas dos EUA manteve uma lista de informantes secretos escondida sob um colchão em sua residência no Iraque, informou o Departamento de Justiça na quarta-feira, e compartilhou os nomes com um caso romântico: um libanês ligado ao grupo militante Hezbollah.

Mariam Taha Thompson, 61, compareceu no tribunal federal de Washington na quarta-feira para enfrentar acusações em um caso de espionagem que os investigadores disseram colocar em risco a vida de militares americanos e fontes confidenciais e representou uma violação significativa de informações secretas.

O caso criminal acusa Thompson, uma tradutora contratada, de dar ao libanês não-identificado os nomes de fontes do governo americano e as informações que eles forneceram. Esse esforço, segundo o governo, acelerou durante um período de seis semanas a partir do final de dezembro, quando ataques aéreos dos EUA atacaram forças apoiadas pelo Irã no Iraque e exacerbaram as relações entre os dois países, até o meio do mês passado.

O procurador-geral adjunto John Demers, principal autoridade de segurança nacional do Departamento de Justiça, chamou a suposta conduta de "uma desgraça, especialmente para alguém que trabalha como prestador de serviço nas forças armadas dos Estados Unidos. Essa traição de país e colegas será punida".

Thompson foi presa na semana passada na instalação militar em Erbil, Iraque, onde os promotores dizem que ela trabalhou como lingüista contratada. O Departamento de Defesa informou que estava ciente da prisão e estava cooperando com a investigação.

Após a prisão, segundo os promotores, Thompson reconheceu que ela havia transmitido informações secretas a um homem que ela estava interessada romanticamente, mas disse que não sabia que ele tinha alguma afiliação com o Hezbollah. Em vez disso, ela disse que achava que ele poderia estar ligado ao partido político de Amal, no Líbano, embora mais tarde tenha dito que considerava os grupos iguais.

"Não, eu não sei sobre o Hizbollah. Eu odeio o Hizbollah", disse Thompson a um agente, de acordo com um depoimento não-lacrado na quarta-feira. Ela descreveu os membros do grupo, que os EUA designaram como organização terrorista estrangeira, como "terroristas" e "como o polvo. Eles podem alcançar qualquer pessoa".

Thompson também disse ao agente que ela repassava informações classificadas memorizando-as, anotando-as e transmitindo-as por meio do recurso de vídeo de um aplicativo de mensagens seguras no celular. Uma captura de tela de um vídeo-chat que o FBI diz ter obtido mostrou Thompson exibindo ao libanês uma nota em árabe descrevendo a técnica que um informante havia usado para coletar informações, de acordo com a declaração.

A partir do final de dezembro, quando os ataques aéreos começaram, Thompson acessou repetidamente cerca de cinco dúzias de arquivos com informações sobre oito informantes do governo, disseram os promotores. Esses arquivos incluíam os nomes dos informantes, suas fotografias e os cabos detalhando as informações que as fontes forneceram ao governo dos EUA.

Os promotores disseram que, quando as autoridades revistaram seus aposentos, encontraram uma nota manuscrita em árabe escondida embaixo do colchão com informações sobre os sistemas de computadores do Departamento de Defesa e aviso sobre um alvo do Departamento de Defesa.

Original: https://www.stripes.com/news/us/defense-contractor-charged-with-giving-up-military-secrets-1.621271?fbclid=IwAR38RZqVWsdpMxmr0ao3kJU92uuyMcxXTqvEvFuNefXdN6czlakwh78VDBQ

quarta-feira, 4 de março de 2020

FOTO: Abrams no Cerco de Waco, no Texas

Um M1A1 Abrams passando por um prédio em chamas no complexo da seita Branch Davidian após o assalto das forças federais no infame Cerco de Waco, na cidade de Waco, no Texas, em 1993.

terça-feira, 3 de março de 2020

GALERIA: A Uzi iraniana

Antigo comando iraniano do tempo do Xá com uma Uzi israelense, quando as armas eram novas em folha.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de março de 2020.

Projetado pelo judeu-alemão Uziel Gal, que se mudou para Israel e teve uma carreira distinta nas Forças de Defesa de Israel, a submetralhadora Uzi é um ícone de Israel e do Ocidente há décadas. O Irã do Xá comprou Uzis com seu emblema nacional estampado e um seletor de tiro escrito em farsi. Após a Revolução Iraniana de 1979, a nova República Islâmica herdou todas as armas da era do Xá, dos Tomcats F-14 dos EUA às submetralhadoras Uzi de Israel.

Curiosamente, o Irã revolucionário não alterou nenhuma marcação nas armas israelenses, mantendo o antigo emblema do Xá e as iniciais da IMI intactos. No Irã, a Uzi foi usada principalmente em segurança naval e nas forças especiais. Outras Uzis israelenses-iranianas chegaram ao Iraque, sendo capturadas por soldados da Coalização americana, assim como nos mercados de armas da Síria. Em 2018, uma dessas Uzis estava à venda em Idlib, na Síria, por US$ 400. Hoje, as IMI Uzi originais de 30 anos ainda estão em serviço, mas o Irã também começou a fazer cópias (sem licença) da Uzi em 2019. Essas submetralhadoras  fabricadas no Irã provavelmente estarão em serviço mais amplo que a IMI Uzi. O recipiente principal é o Exército (Forças Terrestres do Corpo da Guarda Revolucionária da Revolução Islâmica, NEZSA) com planos para um fornecimento mais geral do que antes.

O antigo emblema nacional, que estava na bandeira do Irã antes da Revolução Islâmica de 1979. O selo foi deixado intacto, coroa e tudo.

Marcações em Farsi, número de série e estampa IMI (Israeli Military Industries).

Marcações do seletor de tiro no idioma farsi.

Sargento comando iraniano com uma Uzi.



Menina do Pasdaran, o ramo infanto-juvenil da Guarda Revolucionária.



BÔNUS: Chuck Norris e a Uzi

Chuck Norris atirando com uma Uzi em frente a um quadro do Aiatolá Khomeini.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


Soldados testam tecnologia israelense para impedir fogo-amigo

Um soldado mira usando a versão atual, montada em um fuzil, do dispositivo Safe Shoot, que avisa o usuário quando ele está mirando em um soldado amigo.

Por Sydney J. Freedberg Jr. e Arie Egozi, Network and Cyber, 2 de março de 2020.
Tradução Filipe A. Monteiro, 3 de março de 2020.

Soldados dos EUA e do Reino Unido experimentaram o Safe Shoot feito em Israel em exercício de campo em Fort Benning. Os resultados foram... mistos.

FORT BENNING: Luz vermelha no seu fuzil? Não atire. Luz verde? Fogo à vontade. O dispositivo Safe Shoot (Tiro Seguro) feito em Israel é simples assim - em teoria. Nos exercícios de campo aqui em Fort Benning, foi um pouco mais complicado. 

"Funcionou muito bem até cair do fuzil", um soldado americano, de pé no bosque da Geórgia, com seus companheiros de grupo de combate, enquanto passavam por seu último ataque simulado.

Veja, a versão do Safe Shoot que os soldados testaram é anexado ao cano do seu fuzil. Lá, ele calcula não apenas sua posição precisa, mas a direção em que você está mirando.



Todos os dispositivos em uma área formam uma rede sem fio, compartilhando suas posições e orientações. Então, se o software da sua arma calcular que você está mirando perigosamente perto de outro usuário - mesmo que não possa vê-los através de (por exemplo) folhagem ou paredes - ele exibirá uma luz vermelha de aviso.

Há também uma campainha de aviso opcional, que você pode abaixar o volume ou desativar completamente se estiver tentando ser furtivo.

Os representantes da empresa aqui enfatizaram que o dispositivo não impede que o soldado dispare sua arma. O ser humano sempre tem controle total sobre atirar ou não. Eles também enfatizaram que esta é uma versão inicial, que eles trouxeram para o Experimento do Guerreiro Expedicionário do Exército (Army Expeditionary Warrior ExperimentAEWE) aqui, bem como para um evento anterior do Corpo de Fuzileiros Navais em Quântico, para obter feedback de atiradores de verdade.

O feedback sobre o dispositivo foi vívido, sem filtros - e misto.


Um GC britânico revisa seu último ataque simulado durante o Exercício do Guerreiro Expedicionário do Exército em Fort Benning.

"Quando estou em contato, é a última coisa que penso", zombou um comandante de seção britânico visitante. A luz de advertência é quase impossível de ver à luz do dia, mesmo na floresta sombria, disse ele aos graduados do Exército dos EUA e a civis reunindo feedback. De qualquer forma, ele acrescentou que, em uma equipe pequena, todos vocês devem conhecer a localização um do outro e nunca devem atirar sem identificar positivamente que o alvo em sua mira é realmente hostil.

Talvez os tanques possam usá-lo, acrescentou. (De fato, os israelenses oferecem uma versão de longo alcance que se aplica a veículos blindados). Não a infantaria.

É muito volumoso, disse outro soldado do Reino Unido. Isso atrapalha.

E se, um dos americanos perguntou, em vez de um dispositivo separado que você montou no seu fuzil, a função Safe Shoot fosse incorporada à sua mira?

Os soldados britânicos disseram que seria muito melhor.

E se drones amigos fossem adicionados à rede, para que o dispositivo Safe Shoot pudesse dizer em quais não devemos atirar?

Sim, disse o comandante de seção. Isso seria útil.

Agora, o Reino Unido participa do exercício AEWE - e os EUA enviam soldados para o equivalente no Reino Unido - precisamente para dar a cada exército um ponto de vista alternativo. Vale a pena notar que o Exército britânico se orgulha de uma tradição de pontaria com mais de um século, décadas de experiência em contra-insurgência do Iraque à Irlanda e, em muitos lugares, um desprezo pela dependência americana em dispositivo eletrônicos.


Tropas praticam assaltar um prédio coberto de fumaça enquanto um observador observa.

As reações dos soldados americanos foram mais entusiasmadas. Eles também disseram aos observadores do exercício que preferiam ter o Safe Shoot como um recurso incorporado à mira já existente, e não como um dispositivo separado: conectá-lo a fuzis já enfeitados com miras e telêmetros, e mantê-lo conectado, foram problemas crônicos. (Nem todo mundo recebeu a mensagem, um representante da empresa me disse que você deve montá-la no lado esquerdo do seu trilho Picatinny). E não havia o suficiente para fornecer um para cada soldado no exercício. Mas mesmo assim, um comandante de GC americano me disse depois, que ele e seus homens definitivamente acharam útil ter essa camada extra de proteção contra incidentes de fogo amigo.

Esse é um tópico que as forças armadas dos EUA levam muito a sério. Depois que um GC americano invadiu um prédio ocupado por jogadores "inimigos", o ar se encheu de nuvens verdes de granadas de fumaça e o zumbido agudo dos equipamentos MILES dos soldados - uma espécie de laser tag militarizado - dizendo que eles foram baleados. Um sargento-observador dissecou o desempenho do GC depois. Você estava com o seu atirador de GC na posição errada, disparando por cima do seu elemento de ataque, disse o sargento, e ele não tinha o Safe Shoot. É perfeitamente possível que ele tenha atirado em alguns de vocês, não no inimigo.

Esse problema só vai piorar se lutarmos contra os russos, um especialista em Fort Benning me disse sobre as reclamações dos alarmes do MILES: eles começaram a usar um padrão de camuflagem quase indistinguível do nosso.


Um representante da empresa segura o dispositivo Safe Shoot enquanto os soldados se preparam para um treinamento de assalto urbano em segundo plano.

Mais de 25% dos soldados mortos ou feridos em guerras recentes foram atingidos por “fogo amigo” do seu próprio lado, o ex-General de Brigada Amir Nadan das das FDI (Forças de Defesa de Israel) disse ao nosso correspondente israelense, Arie Egozi. Nadan, que comandava paraquedistas e unidades de elite na volátil fronteira norte com o Líbano e a Síria, agora é o CEO da Safe Shoots.

A empresa oferece versões da tecnologia subjacente, chamada Green Shield (Escudo Verde), para veículos terrestres, helicópteros e drones, além de soldados de infantaria a pé, disse Nadan. (Existe até uma versão sendo comercializada para caçadores nos EUA). Isso permite que toda a força forme uma rede que os avise quando eles estiverem mirando acidentalmente um no outro. "Depois que a infantaria, que é praticamente o elemento mais venerável, for identificada", ele disse a Arie, "todas as outras unidades, armas e forças terão que considerar e se referir à sua posição".

O objetivo não é desacelerar as operações, mas acelerá-las sem aumentar o risco de fogo amigo. "Ao eliminar a necessidade de hesitar ao tomar decisões de atirar / não atirar, o Safe Shoot [dispositivo] oferece maior liberdade de operação", disse Nadan. "Em geral, saber onde estão suas tropas melhora significativamente a consciência situacional geral, a flexibilidade e a eficácia de comanda".

A empresa já está trabalhando para miniaturizar ainda mais o sistema, disseram-me seus representantes em Fort Benning, mostrando-me uma amostra do sistema de última geração. Essa versão divide o atual dispositivo montado no fuzil em dois dispositivos menores: um transponder de sete onças (198g) usado no colete do soldado, que transmite sua localização; e um pequeno dispositivo no cano do fuzil, pesando menos de duas onças (50 gramas), que determina exatamente para onde sua arma está apontando.


A empresa israelense Safe Shoot oferece dispositivos de prevenção de fogo amigo para a infantaria, veículos terrestres e aeronaves. (Gráfico Safe Shoot Ltd.)

Por enquanto, os representantes do Safe Shoot reconheceram que o dispositivo deles depende do GPS - ou seu equivalente russo, GLONASS. Essa é uma grande limitação, porque o sinal do Sistema de Posicionamento Global (Global Positioning System, GPS) pode ser bloqueado por interferência de radio-frequência inimiga ou por obstáculos físicos. Aqui em Benning, por exemplo, não funcionava dentro dos edifícios de concreto armado da vila simulada, apenas no bosque.

Mas a empresa está trabalhando para reunir dados de uma "ampla gama de sensores", disse Nadan, para que versões futuras não dependam do GPS. Para a versão americana especificamente, o objetivo é integrá-la à atual rede Nett Warrior, a nova mira digital FWS-I, aos futuros óculos de proteção do Sistema Integrado de Aumento Visual (Integrated Visual Augmentation SystemIVAS) e a uma abrangente Arquitetura do Grupo de Combate Adaptativo (Adaptative Squad Architecture) agora em desenvolvimento. Isso eliminará a necessidade de um dispositivo separado no fuzil do soldado, dizem eles, e permitirá que o dispositivo use todas as novas tecnologias de Posição, Navegação e Tempo Assegurados (Assured Position, Navigation, & TimingAPNT) que o Exército está desenvolvendo vigorosamente como alternativas ao GPS.

Por fim, um representante da empresa me disse que o Safe Shoot não será nada físico. Será um software, apenas mais um aplicativo na eletrônica de fornecimento padrão do soldado.

Original: https://breakingdefense.com/2020/03/soldiers-test-israeli-tech-to-stop-friendly-fire/?fbclid=IwAR0hIx6-MRbpRIzjybiZb7fouODDgQpsoTvJtyPb-C0gB1KSIbp85q9azbI

segunda-feira, 2 de março de 2020

APACHES NO ÁRTICO



Por Carlos Junior
Os helicópteros de ataque Apache do Exército Britânico dispararam mísseis Hellfire dentro do círculo ártico pela primeira vez. Em temperaturas tão baixas quanto -30 ° C e condições de voo nublado. O Corpo Aéreo do Exército do 4º Regimento do 656 Esquadrão está treinando no extremo norte da Noruega. 
Juntamente com os helicópteros @Royal Air Force   Chinook e @Royal Navy   Wildcat, o Esquadrão se prepara para o Exercício de Resposta Fria em março, que envolve 14.000 soldados de 10 países para testar a capacidade das forças da OTAN de operar juntas no Ártico. 



FOTO: Grozny em janeiro de 2000

Blindado russo em Grozny, em janeiro de 2000. (Foto de Владимир Веленгурин)

domingo, 1 de março de 2020

FOTO: Centurions holandeses na Alemanha Ocidental

Centurions holandeses do 101.Tankbattalion, Regiment Huzaren Prins Alexander, na Alemanha Ocidental, 1965.

Rússia restaura tanques T-34 soviéticos recuperados no Laos


Do site Euronews, 27 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de março de 2020.

Trinta carros de combate soviéticos do tipo que se tornou lendário durante a Segunda Guerra Mundial estão sendo restaurados na Rússia após uma épica viagem tropical ao estado do Laos no sudeste da Ásia.



Alguns dos 30 tanques T-34 ainda estavam em uso pelas forças armadas do estado comunista quando a Rússia tomou conhecimento de sua existência e quando o Ministro da Defesa Sergei Shoigu concordou em sua restauração durante sua visita ao Laos no ano passado.

Atualmente, mais de 200 engenheiros e mecânicos estão trabalhando nos tanques pintados em cáqui em uma fábrica especializada em reparos, localizada nos arredores da cidade de São Petersburgo, no noroeste do país.

Eles serão totalmente restaurados até o final de março e, em 9 de maio, atravessarão a Praça Vermelha em um desfile militar especial para marcar o 75º aniversário da vitória dos Aliados sobre os nazistas, sob o olhar atento de líderes mundiais, incluindo o presidente francês Emmanuel Macron.

Os tanques trazidos do Laos foram construídos na década de 1950 no bloco soviético da Tchecoslováquia. 

Diz-se que o Laos os adquiriu em 1987 de seu aliado comunista, o Vietnã, onde foram usados em guerra com os Estados Unidos*.

*Nota do Tradutor: Mais fácil terem sido usados contra os chineses.

Os tanques T-34, poderosos e manobráveis, eram um cavalo de batalha soviético e particularmente importante por seu papel na Segunda Guerra Mundial, com mais de 58.000 exemplares construídos entre 1940 e 1946 e considerados essenciais na vitória militar da URSS sobre a Alemanha nazista.

Hoje, eles são raros na Rússia, pois muitos deles foram reformados após a Segunda Guerra Mundial ou sucateados. 

Por isso, a Rússia decidiu transportá-los por via marítima para a cidade de Vladivostok, localizada no extremo leste do país, e depois atravessar a Rússia de trem.

Quando chegaram, "sua condição técnica era realmente lamentável" e os trabalhadores até encontraram ninhos de pássaros neles, disse Roman Tchepurnov, diretor da fábrica de reparo de tanques nº 61, que faz parte do grupo Uralvagonzavod, que fabrica tanques e veículos blindados.

Original: https://fr.euronews.com/2020/02/27/la-russie-restaure-les-chars-t-34-sovietiques-recuperes-au-laos

Leitura relacionada:

A guerra de fronteira com o Vietnã, uma ferida persistente para os soldados esquecidos da China, 7 de janeiro de 2020.

FOTO: Patrulha noturna no Timor Leste

Soldados neo-zelandeses em patrulha noturna no Timor Leste.

Israel provavelmente enfrentará guerra em 2020, alerta think tank

Merkava israelense nas Colinas de Golã.

Por Itamar Eichner, Yedioth Ahronoth, 11 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de março de 2020.

Nota do Tradutor: Um "think tank" é um corpo de especialistas suprindo conselhos e idéias sobre problemas específicos, como política ou economia.

Guerra total no norte, escalada em Gaza e Cisjordânia, e Irã uma ameaça crescente, diz avaliação do INSS; O instituto da Universidade de Tel Aviv recomenda nova oferta de negociações com os palestinos, restauração das relações com a Jordânia, tornando Israel uma questão de consenso bilateral na política dos EUA.

A possibilidade de guerra em 2020 aumentou, diz um novo relatório publicado esta semana pelo Instituto de Estudos de Segurança Nacional (Institute for National Security Studies, INSS), um think tank da Universidade de Tel Aviv. 

No centro dessa avaliação estratégica, está a tensão entre o crescente poder e influência de Israel na região, e a possibilidade dessa força atual se tornar frágil e temporária.

Amos Yadlin, chefe do INSS, e o Presidente de Israel Reuven Rivlin. (Foto: GPO)

Essa tensão decorre de uma lista de fatores que podem levar no próximo ano a um conflito em larga escala e até à guerra na região.

Tudo isso devido à conduta de Israel em relação a vários desafios de segurança nacional: a crescente tenacidade e determinação do regime iraniano, tanto em relação às suas capacidades nucleares quanto aos seus esforços para aumentar sua presença na Síria e em outras áreas, a fim de operar contra Israel; Os esforços do Hezbollah para obter armas de precisão; e os esforços do Hamas para acalmar as tensões na Faixa de Gaza e influenciar os termos de seu acordo em desenvolvimento com Israel.

Esses fatores estão acontecendo enquanto Israel está no meio de uma crise política em andamento que paralisa seu governo há mais de um ano.

A Morte de Soleimani - potencial para mudança estratégica

A apresentação do relatório ao presidente Reuven Rivlin ocorreu no início desta semana, à sombra do assassinato do general iraniano Qassem Soleimani pelos EUA, um evento que, segundo os analistas do instituto, dá peso a uma possível escalada na região e à necessidade de uma nova estratégia israelense.

Da esquerda pra direita: Líder supremo do Irã Ali Khamenei, líder do Hezbollah Hassan Nasrallah e o assassinado general iraniano Qassem Soleimani.

A morte do general pode levar a um novo potencial na realidade estratégica da região, cujo tamanho e influência ainda não foram vistos. 

O Irã e os Estados Unidos ainda podem estar contemplando outras medidas, o que exemplifica a incerteza, a falta de estabilidade e a volatilidade que já caracterizam o Oriente Médio na última década.

Essas medidas podem levar a uma variedade de cenários: uma escalada que leva a um conflito de larga escala entre os EUA e o Irã, que pode muito bem envolver Israel; uma continuação da situação atual entre as duas nações de batalhas terceirizadas e ataques direcionados; ou até o adiamento de uma reação iraniana quando o nível de alerta dos EUA e de seus aliados for reduzido.

Uma escala de ameaças

Guerra no Norte: Segundo o Instituto, a ameaça mais crítica de Israel em 2020 é a possibilidade de uma guerra ao longo de sua região de fronteira norte com as forças armadas postadas lá: Irã; Hezbollah no Líbano; regime sírio e milícias pró-iranianas. 

Os desafios de Israel ao longo da fronteira norte aumentaram no ano passado, com as IDF tendo que se preparar para uma guerra de múltiplas frentes como o cenário principal na área.

Combatentes do Hezbollah no Líbano. (Foto: AP)

Tal escalada, caso se deteriore em uma guerra total, poderá ocorrer em um dos dois cenários principais.


1. Uma "Terceira Guerra do Líbano" com o Hezbollah, um conflito que seria muito mais feroz e mais mortal do que seu antecessor em 2006.

2. "A Primeira Guerra do Norte" com o Hezbollah no Líbano, mas também com forças na Síria e até no Iraque, Irã ou outras facções na região.

O risco de tal escalada exige que Israel conduza um debate aprofundado sobre os prós e os contras de qualquer esforço para impedir que o inimigo adquira melhores armas convencionais (em oposição aos esforços para obter capacidades nucleares, que têm ampla oposição). 

Israel deve realizar um debate abrangente sobre o conceito de "contra-ataque" contra o Hezbollah e o momento correto de tal ação. Também deve considerar alternativas, dados os últimos esforços da organização terrorista para melhorar a precisão de seu arsenal de foguetes.

Instalação nuclear do Irã em Bushehr. (Foto: EPA)

O programa nuclear do Irã: a urgência dessa ameaça ainda é bastante baixa em 2020, mas sua futura gravidade potencial é muito maior. 

Israel deve se preparar para o cenário mais extremo, apesar de seu baixo imediatismo, do Irã alcançar um avanço no caminho para uma bomba nuclear. 

Israel deve planejar simultaneamente dois cenários mais realistas: uma renovação das negociações sobre o acordo nuclear com o Irã (uma possibilidade baixa diante da morte de Soleimani) e o início do "rastejamento lento" em direção à bomba.

Ambos os cenários exigem profundo entendimento e planos conjuntos, inclusive um plano militar, com os Estados Unidos.

Guerra no Sul: Uma potencial explosão entre o Hamas e Israel continua alta, apesar dos esforços em andamento para alcançar um acordo de longo prazo para a calma. De qualquer forma, a ameaça de uma escalada ao longo da fronteira sul de Israel é muito menor do que no norte. 

Se Israel e o Hamas não implementarem um acordo, aumenta a possibilidade de um confronto militar em larga escala na Faixa de Gaza - um confronto pelo qual nenhum dos lados tem nenhum desejo real. 

Se tal batalha ocorrer, Israel deve ser rápido e manobrável, concentrando-se na ala militar do Hamas, destruindo toda a organização e conquistando o enclave - e, finalmente, encerrando o surto com mediação diplomática, resultando em uma posição forte para Israel.

Apoiadores do Hamas protestam na Faixa de Gaza. (Foto: AFP)

Desafios para 2020 

Os palestinos: O instituto novamente pede ao governo que tente reiniciar as negociações de paz. Se isso falhar, devem ser tomadas medidas para preservar a imagem do país como uma nação judaica, democrática, segura e moral. 

Os preparativos para o dia seguinte à demissão do presidente palestino Mahmoud Abbas são necessários, assim como o apoio contínuo ao desenvolvimento econômico da Autoridade Palestina. 

O instituto vê grande importância na publicação de longa data da proposta de paz do Oriente Médio "Deal of the Century" (Negócio do Século) do presidente Donald Trump.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, discursa na Assembléia Geral da ONU. (Foto: AFP)

Esse plano tentará estabelecer novos parâmetros para as negociações e reconhecer as novas realidades regionais criadas nos últimos 50 anos. 

A avaliação mostra que a falta de um novo planejamento estratégico em relação aos palestinos é prejudicial para Israel e pode levar a uma escalada na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

As eleições presidenciais dos EUA: os EUA vão às urnas este ano.

O instituto recomenda que Israel enfatize que não deseja que os EUA lutem ou derramem sangue em seu nome. Israel é um ativo estratégico e um aliado confiável para a América, portanto, aumentar suas próprias capacidades militares e diplomáticas é o melhor curso de ação.

Israel deve fazer todo o possível para voltar a ser uma questão de consenso para ambas as partes. Também deve fazer um esforço renovado para trazer de volta o público judeu americano, uma comunidade que ultimamente se distanciou do monopólio do judaísmo ortodoxo sobre a vida judaica israelense. 

Reaproximação sunita: Israel deve quebrar o teto de vidro da cooperação com os pragmáticos regimes sunitas no Oriente Médio. 

Os dois principais esforços para esse avanço são o marketing de suas capacidades tecnológicas, econômicas e de defesa, que poderiam ajudar essas nações em sua luta contra o Irã e enfrentar os desafios econômicos e inovadores que eles enfrentam no século XXI, e o avanço significativo da questão palestina - dando cobertura a essas nações para aumentar seus laços com Israel.

Ministra da Cultura Miri Regev na Grande Mesquita Sheikh Zayed, em Abu Dhabi, outubro de 2018. (צילום: חן קדם מקטובי)

A Jordânia: A reconstrução do relacionamento entre Israel e a Jordânia é um esforço crítico que o instituto acredita que deve ser realizado. 

Aqui também os "Frutos da Paz" (água, defesa, gás e projetos conjuntos) podem desempenhar um papel para chegar a um acordo com os palestinos, e são fundamentais para encerrar um dos períodos mais baixos nos laços bilaterais desde o tratado de paz de 1994.

Rei Abdullah II da Jordânia durante um exercício militar.

Gastos com defesa: considerando a crescente ousadia iraniana e sua presença contínua na Síria, Iraque e Líbano, as FDI devem aumentar seus níveis de preparação em todas as frentes: Irã, Hezbollah, Síria e palestinos. 

Um plano plurianual para as FDI deve ser implementado, incluindo um plano de ajuda financeira estrangeira que foi suspenso nos últimos dois anos, melhorar suas capacidades de ataque ao Irã, aumentar o treinamento, e trabalhar para implementar planos estratégicos e operacionais adequados às capacidades atuais e habilidades de ação desenvolvidas pelo Irã, Hezbollah e Hamas.

Amos Yadlin apresenta o relatório anual do INSS ao Presidente Reuven Rivlin. (Foto: GPO)

"O impasse político de Israel não poderia acontecer em um momento pior", disse Rivlin ao aceitar o relatório do diretor executivo do INSS, Amos Yadlin. 

"Infelizmente, os atores políticos centrais estão cientes do perigo atual, mas evitam trabalhar juntos e minimizam as lacunas entre eles".

FOTO: J.E. O'Toole, Serviço Feminino Rodesiano

Futura Major J. E. O'Toole, Rhodesian Woman's Service (RWS).

"Mal ouso mencionar a vez em que fomos apresentados à "pista de selva". Foi quando fomos soltas, uma de cada vez, por uma trilha, armadas com o Stirling, totalmente carregada. Seguida de perto por um instrutor. Ao longo da trilha havia vários alvos que apareceriam repentinamente. O objetivo era eliminar o "inimigo". Muitas de nós largávamos aço, esvaziando o carregador, ao primeiro sinal de um farfalhar nos arbustos ... várias de nós quase emboscamos os instrutores. Eles nos deram um esporro após o exercício... gritando que éramos a arma secreta dos terroristas, capazes de destruir todo o Exército Rodesiano! Nós, novatas, imaginávamos no que havíamos nos metido... confortando umas às outras com o pensamento de que não seríamos novatas para sempre!"

FOTO: SP da CiaPol do GptFNR nos anos 80

CiaPol do GptFNRJ nos anos 80.

Fuzileiros navais do Serviço de Polícia (SP) da Companhia de Polícia (CiaPol) do Grupamento de Fuzileiros Navais do Rio de Janeiro em uniforme cáqui em cima de um caminhão-choque, década de 1980.