segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 1 Os americanos e a Primeira Guerra Interestelar


Por Michel Goya, La Voie de l'Épée, 22 de junho de 2018.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de junho de 2019.

Por decência, questionar-se-á aqui apenas o romance de Robert Heinlein e de modo algum suas dolorosas adaptações cinematográficas. 

Não haverá questionamento do modelo político.

Starship Troopers (Tropas Estelares, no Brasil), de Robert Heinlein, não é uma história falsa, nem um tratado de estratégia, mas a aventura de um indivíduo comum imerso em uma situação extraordinária, neste caso um simples soldado no coração de uma guerra interestelar. Além do fato de que o herói é provavelmente filipino, Heinlein se destaca deste argumento muito americano do herói modesto por não distorcer a situação ao absurdo (o eterno ponto fraco da Estrela da Morte na saga Guerra nas Estrelas, por exemplo), afim de permitir que ele tenha efeitos estratégicos, ou até mesmo salvar o mundo sozinho.

Juan Rico simplesmente sobe nas fileiras de simples Soldado para Chefe de Seção da Infantaria Móvel (IM). Ele vê poucas coisas, mas as vê bem, e a descrição de seu universo imediato, mesmo que ele combata os Aracnídeos gigantes, é uma das mais realistas já feitas da vida de um soldado de infantaria. Ao mesmo tempo, e é isso que vai nos interessar aqui, escrito em 1959 Tropas Estelares (ST) é também uma excelente descrição da maneira como viam guerra naquela época nos Estados Unidos, na época do átomo e do comunismo triunfante.

Clausewitz no espaço

Em Tropas Estelares, a guerra é uma questão entre Estados, três neste caso: a Federação Terráquea, os Esqueletos (Skinnies, “magricelos”, na versão original, termo retomado em 1992-93 pelos soldados americanos para designar os somalianos) dos quais se sabe pouca coisa e um Império dos Aracnídeos (os Bugs, insetos) que se parece muito com a China comunista.

Portanto, não há dúvida, apesar do espetáculo contemporâneo de conflitos na Indochina, na Malásia ou na Argélia de evocar a luta entre os Estados e as rebeliões armadas. Heinlein, um grande viajante, conhece-os bem. Seu herói em ST cita como grande estrategista Ramon Magsaysay, organizador da guerrilha nas Filipinas durante a ocupação japonesa antes de se tornar Presidente. Aqueles de Revolta na Lua (The Moon is a Harsh Mistress, 1966) também serão revolucionários, mas isso já está acontecendo durante a Guerra do Vietnã.

Na época da publicação do romance, Heinlein permanece dentro da estrutura de uma visão militar americana que interpreta mal essa forma de guerra. Politicamente, está associado à descolonização, uma questão que não diz respeito aos Estados Unidos. Tecnicamente, a guerra de guerrilha é vista como um assédio por partisans à partir de um ambiente difícil, geralmente em ligação, como na Coréia, com um exército regular na linha de frente. Para o comando americano, é simplesmente um combate "leve" a ser conduzido também por uma infantaria leve, que por sua excelência e seus apoios, não pode deixar de prevalecer. Heinlein é mais sutil na medida em que, em muitos aspectos, é sua infantaria móvel (IM) que conduzirá uma guerrilha. Nós voltaremos a isso.

O quadro estratégico de ST é, portanto, interestadual, mas fora de um sistema cultural comum. Se várias guerras espaciais são rapidamente evocadas no livro (provavelmente no sistema solar), desta vez se trata da primeira guerra entre sistemas estelares diferentes dentro de um espaço de algumas dezenas de anos-luz ao redor da Terra (espaço minúsculo na escala da única galáxia, que tenderia a mostrar que as civilizações são numerosas). Essas diferentes civilizações não se entendem bem ou nem um pouco. Os Terráqueos e os Esqueletos, humanóides com mais de dois metros de altura, estão próximos o suficiente para que esse diálogo que é a guerra seja possível. Os Esqueletos e Aracnídeos são inicialmente aliados, o que novamente demonstra uma troca possível e uma visão comum. Por outro lado, entre Terráqueos e Aracnídeos, a incompreensão é profunda com entre os Conquistadores e os Astecas.

Essas diferenças e os medos que elas geram (um tema caro a Heinlein) são então descritas como a principal fonte de conflitos. Nada se sabe durante a leitura do livro da origem da guerra entre Esqueletos e Terráqueos, parece que aquele contra os Aracnídeos é uma reação à penetração dos seres humanos em seu espaço. Após um período de tensão e escaramuças, os Aracnídeos realmente provocam hostilidades com o bombardeio de Buenos Aires usando um meteorito desviado da rota (ataque que dura há anos e assume uma relação com o tempo diferente daquela dos humanos). Imaginamos o ataque a Pearl Harbor, com a diferença de que o bombardeio visava uma cidade e não procurava obter uma vantagem operacional decisiva ao atingir forças. Imagina-se também e especialmente na eclosão da guerra contra a China na Coreia (a principal referência subjacente do livro). Em outubro de 1950, a China está muito inquieta em ver as forças das Nações Unidas (na verdade, em grande parte americanas) comandadas pelo General MacArthur penetrando na Coréia do Norte e avançando em direção à sua fronteira. Ela envia vários sinais para o comunicar aos Estados Unidos, que não os percebe. Mesmo quando o 4º Exército Chinês está engajado contra as vanguardas da ONU antes de recuarem, esta retirada ainda é interpretado como uma aceitação da superioridade americana. No final, as forças das Nações Unidas continuaram a avançar e a China acabou entrando na guerra.

O bombardeio de Buenos Aires pelos Aracnídeos é, portanto, um sinal, um sinal forte, certamente, uma vez que é equivalente a um ataque termonuclear, mas ainda limitado. Isso nos deixa no fundo da escala do emprego de armas de destruição em massa. Pode-se questionar a causa dessa limitação. Os Aracnídeos podem não ter os meios técnicos para desviar um meteoro maior capaz de devastar toda a Terra ou enviar vários ao mesmo tempo. A Federação Terráquea não estava limitada à Terra, nem poderia ser possível destruir todos os seus mundos simultaneamente. Neste caso, uma resposta de contra-ataque, pelo menos da mesma magnitude que o ataque, era provável em Klendathu, seu mundo principal. Os Aracnídeos, que certamente sabem que os Terráqueos têm armas termonucleares, teriam sido dissuadidos (um termo que nunca aparece no livro) de atacarem com mais força afim de conter a escalada.

Do lado dos Terráqueos, de cultura extensivamente americana, o ataque de Buenos Aires, como a explosão do couraçado Maine em Cuba em 1898 em Pearl Harbor, passando pelo anúncio da guerra submarina alemã ilimitada em janeiro de 1917, constitui a grande fonte de indignação necessária nos Estados Unidos para justificar uma guerra e a mobilização geral das forças.

Destruir ou compreender


A guerra é desencadeada, mas como ganhá-la? Na tradicional cultura estratégica americana, a vitória é muitas vezes sinônimo da destruição do inimigo ("Eu estou pronto para me desdobrar, engajar e destruir os inimigos dos Estados Unidos" Credo do soldado do US Army, novembro de 2003) ou, pelo menos e de forma mais realista, a sua "rendição incondicional". É difícil vislumbrar outro fim quando todas as forças da nação foram mobilizadas, o que induz um objetivo elevado (uma "cruzada" contra um inimigo rapidamente associada ao mal) e um final decisivo, se possível rápido. A guerra do "estilo americano" é fundamentalmente uma guerra de "objetivo absoluto", conforme a expressão de Clausewitz. Na realidade e por necessidade, esta concepção muito visível de guerra com objetivo absoluto, cujo arquétipo é a Segunda Guerra Mundial, sempre tolerado no outro extremo da escala da força de múltiplas operações e expedições. periféricas, como as Guerras das Bananas do início do século XX, realizadas com as pequenas forças permanentes à disposição do executivo.




Essa visão dupla do emprego de forças, massivas e visíveis ou discretas e reduzidas, foi perturbada pela Guerra da Coréia (1950-1953), engajada na forma de expedições limitadas, mas com recursos consideráveis. Não houve declaração de guerra do Congresso. A operação não foi descrita como tal, mas como uma "ação policial" (um termo que aparece repetidamente em ST, essencialmente para criticar a hipocrisia) justificada por um mandato do Conselho de Segurança da ONU. Um período de predominância do executivo norte-americano sobre o uso da força que se fechará com o fim da Guerra do Vietnã, uma predominância considerada ainda mais preocupante desde que a Guerra Fria impôs a manutenção de um importante exército ativo e a centralização das estruturas de comando (com a criação disputada do Departamento de Defesa) [1].

[1] Ver Maya Kandel, Les États-Unis et le monde, Perrin, 2018.

A Guerra da Coréia também terminou em uma espécie de "empate", incompreensível para muitos americanos (que note-se que os seus esportes favoritos quase nunca incluem essa possibilidade), especialmente os militares para quem, como o general MacArthur (demitido por Truman), "nada pode substituir a vitória". Esta situação é ainda mais espantosa, se não escandalosa, que os Estados Unidos dispõe então, quase a discrição, da arma absoluta (senão "providencial" para uma nação de um destino particular). 

No final da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos viram-se em uma equação estratégica que parecia ser muito positiva e conforme a sua tradição. Como imaginar ser atacado de novo como em Pearl Harbor quando se pode revidar, desta vez imediatamente, por bombardeios atômicos nas cidades do agressor? Os ataques em Hiroshima e Nagasaki não levaram à rendição do Japão em poucos dias? Sob estas condições, de acordo com o espírito dos Pais Fundadores, é possível dissolver este exército considerado politicamente perigoso, e manter a Marinha e a jovem Força Aérea para se servir (e disputar entre si) desta arma milagrosa. No máximo, o papel do Exército e dos Fuzileiros Navais (também redundantes), será de fornecer às forças principais bases próximas ao inimigo. Alguns séculos depois, o recruta Juan Rico ainda está questionando seu instrutor: Qual é o sentido de ter soldados de infantaria quando se dispõe de armas termonucleares?

Essa certeza fácil de 1945 foi, na realidade, rapidamente derrotada pelas tensões da guerra fria e pelo uso de processos "sob o limiar nuclear", como a subversão ou os rápidos "golpes", como a invasão da Coréia do Sul pelo exército comunista do Norte em junho de 1950. Neste último caso, parecia que, por muitas razões (arsenal limitado a não ser desperdiçado em operações secundárias, preocupação em não destruir um país aliado, ou simplesmente considerações humanitárias), não era possível empregar a arma atômica e que não havia alternativa senão lutar novamente com poderosas forças convencionais. Embora ainda seja considerado mais tarde na Coreia, na Indochina ou durante a crise das Ilhas Quemoy, o emprego de armas nucleares é sempre rejeitado pelo presidente Truman e depois por Eisenhower. A arma atômica é uma arma particular e finalmente muito delicada de emprego sem certeza de sucesso. Afinal, todas as cidades da Alemanha foram destruídas de 1942 a 1945 sem obter a submissão do adversário e a do Japão foi, sem dúvida, o resultado de muitos outros fatores, incluindo o esmagamento prévio por forças convencionais, do que os dois bombardeios atômicos.

É verdade que a partir de 1951, surgiram novas armas, termonucleares desta vez, que reavivaram a ideia de que um inimigo pode ser (finalmente) completamente destruído, desde que ele próprio não disponha da mesma capacidade. Com o lançamento de Tropas Estelares em 1959, não só o monopólio nuclear dos EUA desapareceu há muito tempo, mas agora o solo americano pode ser atingido pelas bombas H transportadas pelos mísseis intercontinentais soviéticos sem que se possa materialmente os impedir. A doutrina do emprego de armas nucleares ainda é a da "retaliação massiva" assim expressa pelo Secretário de Estado Dulles em 1953 (e adotada pela OTAN em 1954) que previu retaliações nucleares massivas, sem aviso prévio e sem restrições contra qualquer agressão de qualquer país da OTAN. Ela então está singularmente colocada em dúvida. Em Tropas Estelares, não há retaliação massiva após a destruição de Buenos Aires. Algumas pessoas pensam e clamam por isso, mas Klendathu não é vitrificado, pelo menos por duas razões, que são duas incertezas: não sabemos se isso será suficiente para destruir um inimigo que vive nas profundezas e não sabemos se isso será suficiente para ter sucesso em causar a submissão à sua vontade de entidades que são desconhecidas. Posteriormente, e enquanto a Federação possui armas novas capazes de partirem um planeta inteiro, elas não são empregadas para não matar prisioneiros humanos em Klendathu.

De fato, através da boca do Sargento Zim respondendo ao soldado Rico, Heinlein que, desde 1941 com o romance Solution Unsatisfactory (Solução Insatisfatória), refletiu sobre o uso de armas nucleares está próximo da corrente de pensamento que será expressa em 1960 pelo general (paraquedista) Maxwell Taylor em Uncertain Trumpet (Trombeta Incerta). Para Heinlein-Zim, além do princípio da proporcionalidade ("em certas circunstâncias, é tão estúpido mandar uma bomba H para uma cidade quanto corrigir um bebê com um machado"), "o objetivo não é matar o inimigo simplesmente por matar, mas para levá-lo a fazer o que você decidir... não é um assassinato, mas um uso medido e controlado da violência” [2]. Isso se traduzirá nas idéias de Taylor e, finalmente, na doutrina de hipóteses de MacNamara (apoiada por muitos teóricos da época, como Kissinger ou Kahn) por uma escalada de violência cujo cursor terá que ser gerenciado afim de se obter efeitos estratégicos positivos sem, se possível, atingir o limiar termonuclear. Portanto, é necessário que este tenha uma ferramenta militar completa de unidades capazes de conduzir "guerras de mato" até à força de ataque termonuclear intercontinental. Em ST, com uma versatilidade que varre todo o espectro, a parte inferior da escala é fornecida pela Infantaria Móvel e a parte superior pela Frota.

[2] Robert A. Heinlein, Étoiles, garde-à-vous! (Tropas Estelares). Lido em 1974, p. 83.

Isso não impede que a ação na parte inferior da escala seja eventualmente de grande violência. A preocupação em evitar baixas civis realmente aparece apenas no ataque inicial contra os Esqueletos, mas as armas usadas (mini-bombas atômicas, lança-chamas, etc.) não brilham por sua precisão. Juan Rico também admite que não hesitaria em matar civis se recebesse a ordem, o que para ele é quase totalmente impossível. Deve-se notar que a noção de civis realmente intervém apenas com esses Esqueletos, que são humanóides e, portanto, próximos aos Terráqueos. Não há dúvida quando se trata de matar trabalhadores Aracnídeos, portanto, não-combatentes por princípio, incluindo o emprego de armas químicas. A distância cultural, real ou fabricada, sempre facilita o uso da violência. É verdade que os trabalhadores e soldados "insetos" não são dotados genuinamente de consciência.


No entanto, se não se trata de destruir o inimigo, a questão estratégica fundamental continua sendo como impor sua vontade quando não a compreendemos. A Federação Terráquea obtém a vitória contra os Esqueletos utilizando modos operacionais clássicos. Face aos Aracnídeos, é mais difícil. Para vencer, devemos primeiro compreender, mesmo que isso signifique lutar e morrer por isso.

(Continua)

Michel Goya, tenente-coronel e editor do Centro de Doutrina de Emprego de Forças (Exército), é responsável por fornecer feedback das operações francesas e estrangeiras na região da Ásia/Oriente Médio. Ele é o autor de La Chair et l'Acier (Paris, Tallandier, 2004), que se concentra no processo de evolução tática do exército francês durante a Primeira Guerra Mundial. Este livro foi traduzido como A Invenção da Guerra Moderna pela Bibliex. Goya também foi o autor do livro Sous le Feu: La mort comme hypothèse de travail (traduzido no Brasil como Sob Fogo: A morte como hipótese de trabalho).

Leitura recomendada:

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 2 O exército do retro-futurismo17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 3 Para a glória da Infantaria Móvel17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 4 Derrotar civilizações extraterrestres17 de fevereiro de 2020.

FOTO: Filipinos na Coréia14 de março de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário