Mostrando postagens com marcador Exército Russo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Exército Russo. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 25 de dezembro de 2020

ANIVERSARIANTE: Zinoviy Kolobanov, às blindado soviético

25 de dezembro de 1910: Nascimento de Zinoviy Kolobanov, tanquista soviético que, junto com sua tripulação, destruiu 22 tanques alemães, 2 canhões e 2 meias-lagartas com seu KV-1 durante a uma emboscada perto de Leningrado, em 19 de agosto de 1941.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de dezembro de 2020.

Zinoviy Grigor'evich Kolobanov (russo: Зиновий Григорьевич Колобанов) (7 de janeiro de 1911 a 8 de agosto de 1994) foi comandante de tanques e veterano da Segunda Guerra Mundial; e é amplamente considerado o segundo ás blindado com melhor pontuação da União Soviética.

Na Batalha de Leningrado em 19 de agosto de 1941 (20 de agosto no calendário russo), em Krasnogvardeysk (atual Gatchina), a unidade de Kolobanov emboscou uma coluna blindada alemã. A vanguarda das 8ª, 6ª e 1ª Divisões Panzer alemãs estava se aproximando de Krasnogvardeysk perto de Leningrado (hoje São Petersburgo), e a única força soviética disponível para detê-la consistia em cinco tanques KV-1 bem escondidos, cavados dentro um bosque à margem de um pântano. O tanque KV-1 nº 864 foi comandado pelo líder desta pequena força, o Tenente Kolobanov.

Esquemática da emboscada de Kolobanov.

As forças alemãs atacaram Krasnogvardeysk de três direções. Perto dos assentamentos Myza Vojskovitsi (alemão: Wojskowitzy), Seppelevo, Vangostarosta (agora Noviy Uchkhoz), Ilkino e Pitkelevo, a geografia favorecia os defensores soviéticos, pois a única estrada na região passava pelo pântano, e os defensores comandavam este ponto de estrangulamento de sua posição escondida. O Tenente Kolobanov estudou cuidadosamente a situação e preparou seu destacamento no dia anterior. Cada tanque KV-1 carregava o dobro da quantidade normal de munição, dois terços das quais eram balas perfurantes. Kolobanov ordenou a seus outros comandantes que não atirassem e aguardassem ordens. Ele não queria revelar o tamanho de sua força, então apenas um tanque por vez enfrentou o inimigo.

A vanguarda da 6ª Divisão Panzer entrou diretamente na emboscada soviética bem preparada. O artilheiro do KV-1 de Kolobanov, Andrej Usov, nocauteou o tanque alemão à frente da coluna com seu primeiro tiro. A coluna alemã presumiu que o tanque havia atingido uma mina anti-carro e, não percebendo que estava sendo emboscado, parou. Isso deu a Usov a oportunidade de destruir o segundo tanque. Os alemães perceberam que estavam sob ataque, mas não conseguiram localizar a origem dos disparos. Enquanto os tanques alemães atiravam às cegas, o tanque de Kolobanov nocauteou o tanque alemão que o seguia, engarrafando toda a coluna.

A tripulação do KV-1 Nº 864, agosto de 1941. No centro, o Starshiy Leytenant Zinovy ​​Grigorievich Kolobanov.

Exemplo de um Kliment Voroshilov (KV-1).

Embora os alemães agora soubessem de onde estavam sendo atacados, eles não conseguiram localizar o tanque do Tenente Kolobanov e agora tentavam enfrentar um inimigo invisível. Os tanques alemães atolaram quando saíram da estrada para o terreno macio circundante, tornando-os alvos fáceis. Vinte e dois tanques alemães e duas peças de artilharia rebocadas foram destruídas pelo tanque de Kolobanov antes que ele ficasse sem munição. Kolobanov chamou outro KV-1, e mais 21 tanques alemães foram destruídos antes do fim da batalha de meia hora. Um total de 43 tanques alemães foram destruídos pelos cinco KV-1 soviéticos (mais dois permaneceram em reserva).

A vitória soviética foi o resultado de uma emboscada bem planejada em terreno vantajoso e superioridade de armas. A maioria dos tanques alemães nesta batalha eram tanques leves armados de canhões calibrados em 37mm. Os canhões dos blindados alemães não tinham nem o alcance e nem a potência do canhão principal de 76mm de um KV-1. Após a batalha, a tripulação do Nº 864 contou um total de 156 acertos em seu tanque, nenhum dos quais penetrou na blindagem. O KV-1 também tinha mobilidade superior, as lagartas mais estreitas dos tanques alemães fizeram com que eles ficassem presos no solo pantanoso.

Por suas ações, o Tenente Kolobanov foi condecorado com a Ordem de Lênin (direita)3 de fevereiro de 1942. Após 20 anos de serviço, ele recebeu a Ordem da Bandeira Vermelha em 30 de abril de 1954.

O Tenente Kolobanov foi condecorado com a Ordem de Lênin, apesar de ter sido condenado e rebaixado após a Guerra de Inverno por "confraternizar com o inimigo" - crimes políticos tendiam a se tornar estigmas. O Coronel D. D. Pogodin, membro do Comitê Central do Partido Comunista da Bielo-Rússia, primeiro tanquista Herói da União Soviética e comandante do 1º Regimento de Tanques do qual Kolobonov pertencia, o recomendou à medalha-título de Herói da União Soviética. O comandante da divisão, Herói da União Soviética, General V.I.Baranov, também assinou essas recomendações. As folhas da premiação da Ordem de Lênin com as representações do título de Herói da União Soviética riscadas a lápis vermelho agora são mantidas nos Arquivos Centrais do Ministério da Defesa russo (TsAMO RF).

No início de setembro, a companhia de tanques do tenente Kolobanov entrou em ação em Krasnogvardeysk, na área de Bolshaya Zagvozdka, destruindo três baterias de morteiros, quatro canhões anti-carro e matou 250 soldados e oficiais inimigos. Em 13 de setembro de 1941, Krasnogvardeysk foi abandonado pelo Exército Vermelho, enquanto a companhia de Kolobanov cobriu a retirada da última coluna militar para a cidade de Pushkin.

Exemplo da função primário do KV-1 com um trio abrindo caminho para a infantaria durante um exercício.

Em 15 de setembro de 1941, Kolobanov foi gravemente ferido. Um projétil alemão explodiu próximo ao tanque de Kolobanov à noite no cemitério da cidade de Pushkin, onde os tanques estavam sendo reabastecidos com combustível e munições. O Kolobanov recebeu estilhaços na cabeça e na coluna, concussão no cérebro e na medula espinhal. Ele permaneceu em tratamento no Instituto de Traumatologia de Leningrado, depois foi evacuado e até 15 de março de 1945 foi tratado nos hospitais de evacuação nº 3870 e 4007 em Sverdlovsk.

Em 31 de maio de 1942, Kolobanov foi promovido a capitão.

Apesar dos ferimentos graves e da concussão, após o fim do tratamento, Kolobanov pediu o retorno ao serviço e continuou sua carreira militar. Em 10 de julho de 1945, ele foi nomeado subcomandante do 69º Batalhão de Tanques do 14º Regimento Mecanizado da 12ª Divisão Mecanizada do 5º Exército Blindado de Guardas no Distrito Militar de Baranovichi.

Em 10 de dezembro de 1951, Kolobanov foi transferido para o Grupo das Forças Soviéticas da Alemanha (Gruppu sovetskikh voysk v GermaniiGSVG), onde serviu até 1955, ocupando diversos cargos de comando. Em 10 de julho de 1952, Kolobanov recebeu o posto militar de tenente-coronel, e em 30 de abril de 1954, por decreto do Presidium do Soviete Supremo da URSS, foi condecorado com a Ordem da Bandeira Vermelha (por 20 anos de serviço no exército). Neste momento, um soldado do batalhão de Kolobanov desertou para a zona de ocupação britânica. Para salvar o comandante do batalhão de um tribunal militar, o comandante do exército declarou-o cumprimento incompleto do serviço e transferiu-o para o Distrito Militar da Bielo-Rússia (a partir de 10 de dezembro de 1955).

Ele permaneceu no exército por alguns anos, baseado na Bielo-Rússia passando por diferentes posições de comando. Em 5 de julho de 1958, aos 48 anos, o Tenente-Coronel Kolobanov foi transferido para a reserva. Ele então passou a trabalhar para a Indústria Automobilística de Minsk (Minski Autamabilny Zavod, MAZ).

No início dos anos 1970, o estúdio de cinema Belarusfilm planejava fazer um filme sobre Kolobanov, mas então a equipe de filmagem decidiu que durante a retirada do Exército Vermelho em agosto de 1941, tais eventos não poderiam ter ocorrido, alegando que o veterano gravemente ferido confundiu-se e o filme não foi rodado.

Por ocasião do quadragésimo aniversário da Vitória, por Ordem do Ministro da Defesa da URSS, nº 40 de 01 de agosto de 1986, Kolobanov foi condecorado com a Ordem da Guerra Patriótica, 1º grau.

Zinovy ​​Grigorievich Kolobanov morreu em 8 de agosto de 1994 em Minsk. Ele foi enterrado em 9 de agosto de 1994 no cemitério Chizhovsky em Minsk, lote número 8/1g. A certidão de óbito foi emitida em 12 de agosto de 1994. Zinovy ​​Grigorievich Kolobanov nunca recebeu o título de Herói da União Soviética.

Memorial de Novy Uchkhoz com um IS-2.

Devido à demanda popular dos moradores de Noviy Uchkhoz, um monumento de batalha foi dedicado em 1980 no local onde o KV-1 de Kolobanov foi escavado. Infelizmente, era impossível encontrar um tanque KV-1, então um tanque pesado IS-2 foi instalado no lugar. Em 8 de setembro de 2006, um monumento em sua homenagem foi inaugurado em Minsk, capital da Bielo-Rússia. Foi patrocinado pelo diretor da AGAVA, Vasiliy Monich.

Animação russa sobre a emboscada em Krasnogvardeysk

Um meme: Putin imortal

Kolobanov, coberto de medalhas, em frente a um tanque pesado IS-3.

A foto mais famosa de Kolobanov é circulada na internet por causa da sua aparência semelhante ao presidente russo Vladimir Putin, afirmando que Putin é, na verdade, imortal.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

A História de um Veterano: Um oficial russo e sopa de picles7 de junho de 2020.

GALERIA: A revolta anti-comunista na Alemanha Oriental de 195326 de fevereiro de 2020.

Galeria: Tanques Valentine no serviço soviético, 3 de abril de 2020.

FOTO: IS-3 no Egito de Nasser8 de novembro de 2020.

FOTO: Tigre na lama, 22 de fevereiro de 2020.

Uma avaliação francesa do tanque Panther30 de janeiro de 2020.

FOTO: Soldado russo da Wehrmacht31 de outubro de 2020.

Análise alemã sobre o carros de combate aliados8 de agosto de 2020.

Os mitos do Ostfront2 de novembro de 2020.

O Exército: o melhor aliado da Rússia

 

Por Igor  Delanoë, Areion24, 10 de dezembro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de dezembro de 2020.

Se a revalorização do exército foi acompanhada por uma militarização das relações externas da Rússia, em particular nas suas relações com a comunidade euro-atlântica após a crise ucraniana de 2014, a mobilização do instrumento militar também serviu de forma mais geral à agenda do poder soberano que está no cerne do projeto político de Vladimir Putin para seu país.

A Rússia decidiu modernizar suas forças armadas após a guerra russo-georgiana em agosto de 2008, que expôs várias deficiências em seu instrumento militar. Os frutos desse esforço de rearmamento foram visíveis em 2014 durante as operações que levaram à anexação da Crimeia, depois na Síria, onde o exército russo está engajado desde 2015. Melhor equipadas, profissionalizadas e mais móveis, as forças russas estão agora em um momento crucial em seu processo de modernização. O plano de armamento para 2011-2020 elaborado pelo ex-ministro da Defesa Anatoly Serdyukov realmente expirou e pode ser considerado o mais bem-sucedido da era pós-soviética. O novo plano de armamento 2018-2027 deve garantir a sustentabilidade e extensão do esforço de modernização durante a década de 2020.

O Kremlin observou ainda que, desde que recorreu à força na Síria, ela se tornou audível para os ocidentais. A mobilização da ferramenta militar no Levante também contribuiu diretamente para colocar a Rússia de volta no centro do jogo no cenário estratégico do Oriente Médio e serviu à agenda de poder soberano de Vladimir Putin de maneira mais geral. Além do contexto geopolítico tenso criado pela crise de 2014, há a percepção russa de uma mudança na ordem mundial e de uma exacerbação da competição entre potências em escala global e regional. Vista de Moscou, a nova desordem internacional coloca o foco mais nos "fatores brutos" do poder, como um exército moderno, do que em atributos mais "sofisticados" (poder brando, atratividade do modelo político-econômico, etc.) que faltam à Rússia. Tirando lições da campanha síria, o programa 2018-2027 deve promover a produção em massa de equipamentos modernos comprovados e se concentrar em tecnologias disruptivas. No entanto, ainda enfrentará obstáculos econômicos, políticos e tecnológicos.

A persistência de ler uma ameaça multidirecional

A Rússia se vê como uma "fortaleza sitiada", o que a leva a manter um sistema de defesa multidirecional. Construída em torno de "bastiões" que bloqueiam áreas consideradas por Moscou como particularmente críticas, esta defesa gira em torno de dispositivos anti-acesso/negação de área ou dispositivos A2/AD. A "fortaleza estratégica do Norte" está centrada ao redor da Península de Kola, onde as bases de submarinos nucleares estão localizadas, e que comanda o acesso à saída ocidental da Rota do Mar do Norte (NMR). A maior navegabilidade ao longo da RMN também levou a Rússia a fortalecer seu sistema militar em torno do perímetro da costa ártica. Quase vinte bases aéreas e navais foram modernizadas ou reativadas lá durante a década de 2010. Na área do Báltico, uma fortaleza articulada em torno do exclave de Kaliningrado foi estabelecida para proteger os acessos ao Golfo da Finlândia, onde São Petersburgo e a bacia industrial da região de Leningrado estão localizados. No Mar Negro, é a fortaleza da Criméia que bloqueia a comunicação marítima do sul da Rússia. Esta região é considerada por Moscou como particularmente vulnerável, porque se sobrepõe à conflitualidade proveniente do Levante, à instabilidade do Cáucaso e às tensões resultantes das relações degradadas entre o Kremlin e a comunidade euro-atlântica. Finalmente, no Extremo Oriente, a Rússia comprometeu-se a erguer uma fortaleza destinada a proteger as Ilhas Curilas, um território com soberania contestada pelo Japão.

"Desembarque nas Ilhas Curilas", pintura do artista russo A.I. Plotnov, 1948.

No centro dessas fortalezas estão os sistemas de mísseis, começando com os sistemas de defesa antiaérea (sistemas S-300, S-400 para longo alcance; sistemas Buk, Tor e Pantsir para médio e curto alcance). Capacidades superfície-superfície de curto alcance (Iskander-M, que teria capacidade nuclear de teatro) também podem ser desdobradas ali, mesmo que temporariamente, como parte de exercícios, por exemplo. Essas “bolhas A2/AD” também têm baterias costeiras móveis, como os sistemas Bastion e seus mísseis de cruzeiro supersônicos P-800 Oniks, e baterias Bal de curto alcance, geralmente usadas para proteger estreitos e infraestrutura crítica (pontes). Por fim, na segunda metade da década de 2010, assistimos à disseminação dos mísseis de cruzeiro Kalibr em plataformas de superfície ou submarinos que os utilizam em suas versões anti-superfície e anti-terra. Além de desdobramentos desses sistemas de mísseis, meios de guerra eletrônica, como os poderosos radares Murmansk-BN são adicionados. Este complexo estratégico de interferência, desdobrado nas penínsulas de Kola e Kamchatka, tem a reputação de ser capaz de danificar sistemas eletrônicos ao longo de vários milhares de quilômetros.

A comparação entre as forças convencionais (em particular nos campos naval e aéreo) e o potencial militar (orçamentos cumulativos, BITD, demografia, etc.) da Rússia e da OTAN é geralmente desfavorável a Moscou (ver tabela), o que, no entanto, compensa esta fraqueza graças a uma série de pontos fortes. A Rússia ainda depende tanto de seu arsenal nuclear estratégico, que é um fator de paridade com os Estados Unidos. Mas também possui um arsenal de armas nucleares táticas que totalizaria cerca de 1.900 ogivas, muito maior do que o estoque americano análogo (1). Moscou também pode contar com o lançamento de mísseis de cruzeiro não estratégicos de longo alcance (Kalibr) e com a robustez de suas defesas antiaéreas. A maior mobilidade de suas tropas pré-posicionadas em seu flanco ocidental, juntamente com uma cadeia de logística apertada, tende a dar-lhe uma vantagem local sobre as forças da OTAN. A combinação de todos os seus recursos visa impedir a liberdade de manobra da OTAN ao longo das rotas russas e no Levante, onde também existe uma fortaleza construída em torno das bases que a Rússia tem na Síria. Este bastião levantino pertence à linha de defesa do sul da Rússia, da qual é uma projeção além do estreito turco.

(1) Hans M. Kristensen & Matt Korda, “Russian nuclear forces, 2020” [Forças nucleares russas, 2020], Bulletin of the Atomic Scientists, 76: 2, p. 111, 2020. Os Estados Unidos teriam 500 ogivas nucleares táticas. Amy F. Woolf, "Nonstrategic Nuclear Weapons" [Armas Nucleares Não-Estratégicas], CRS Report, maio de 2020.

OTAN/RÚSSIA: Forças em presenças em 2018.

A última versão da doutrina militar russa (2014) qualifica a eclosão de uma conflagração armada na qual a Rússia estaria implicada como improvável (2). Por outro lado, Moscou considera muito mais provável o surgimento de conflitos locais e regionais, inclusive em sua vizinhança imediata. Posteriormente, ela formatou sua ferramenta militar, que hoje lhe dá supremacia absoluta sobre todos os seus vizinhos - excluindo a China.

(2) Doutrina Militar da Federação Russa, 26 de dezembro de 2014, p. 4-5. Disponível no site do Kremlin (Link).

O plano de armamento 2018-2027: prioridades continentais

Além do esforço voltado para a tríade nuclear, que se santifica, o programa de armamentos 2018-2027 visa manter a liderança que a Rússia tem em nichos de excelência (guerra eletrônica, defesa antiaérea, mísseis anti-navio …) Que por acaso estão no coração dos “bastiões” russos. Em segundo lugar, o plano 2018-2027 visa reduzir a lacuna com os exércitos da OTAN em outros segmentos: munições de precisão guiadas, drones, C4ISR... Finalmente, em terceiro lugar, os esforços continuarão em áreas que apresentam grandes obstáculos tecnológicos para o complexo militar-industrial russo: construção de grandes embarcações de superfície, extensão da área de mergulho para submarinos, etc. Sobre este terceiro objetivo, o programa 2018-2027 prepara o terreno para seu sucessor, que cobrirá parte da década de 2030.

Estimado em cerca de 20 trilhões de rublos (quase US$ 330 bilhões no momento de sua preparação), o orçamento para o plano de armamentos 2018-2027 é estável em comparação com o do último programa (3). No entanto, como a inflação corroeu o valor do rublo durante a década de 2010, este envelope é na prática menos generoso do que o anterior. Lembre-se de que a grande maioria dos contratos de armas assinados pelo Ministério da Defesa da Rússia são com fabricantes nacionais e são expressos em rublos. Portanto, essas ordens não são afetadas pelas flutuações da taxa de câmbio do rublo em relação ao dólar. A repartição dos fundos sugere prioridades do programa que diferem daquelas do plano anterior. O Exército se beneficiaria assim do maior apoio orçamentário - estamos falando de um quarto do financiamento total - enquanto a Marinha, a grande vencedora do plano 2011-2020 com quase 25% de seu orçamento, está desta vez muito pior, com quase metade dos fundos (cerca de 2.600 bilhões de rublos).

(3) US$ 600 bilhões na taxa de câmbio da época.

A modernização da tríade nuclear continua, apesar dos atrasos (entregas lentas de novos SSBN do tipo Boreï), das dificuldades (adiamento do programa de mísseis balísticos intercontinentais RS-26 Rubezh; retrocesso no desenvolvimento do míssil de cruzeiro estratégico com motor nuclear Burevestnik) e suspensões de projeto (míssil balístico intercontinental sobre trilho Barguzin). A Rússia está continuando o desenvolvimento do míssil balístico intercontinental ensilado Sarmat (RS-28) - capaz de colocar em ação o planador hipersônico Avangard - cuja produção em série pode começar em 2021. O componente aéreo da tríade é baseado no programa de modernização dos bombardeiros estratégicos Tu-160M ​​e Tu-95MS, que recebem o novo míssil de cruzeiro Kh-102 para substituir o Kh-55. Além disso, Moscou anunciou em janeiro de 2018 o pedido dos bombardeiros estratégicos Tu-160M2, uma plataforma que se apresenta como uma versão modernizada do Tu-160M ​​com maior discrição. O vôo da primeira unidade está previsto para 2021, enquanto um primeiro lote de 10 aeronaves deve ser entregue até 2027. Quanto às forças navais, o programa SSBN do tipo Boreï está em andamento com 4 unidades já em serviço e 4 cascos em diferentes estágios de construção. Esses SSBN colocam o míssil balístico intercontinental Bulava em serviço e têm como objetivo apoiar os submarinos estratégicos da classe Delta IV durante a década de 2020, antes de substituí-los na década seguinte.

Quanto aos programas convencionais, o Exército deve continuar a receber blindados T-90M e alguns T-14 mais caros, que eventualmente substituirão os T-72B3M. Os programas de novos veículos blindados (veículos de combate de infantaria, transportadores de pessoal) Kurganets-25 e Boomerang continuam, os testes deste último modelo - ao que parece destinado ao mercado de exportação - terminam em 2021. Massivamente usada na Síria para apoiar forças leais, a artilharia não deve ficar parada. O Ministério da Defesa russo continua adquirindo vários lançadores de foguetes Tornado-S, já que os canhões autopropulsados Koalitsiya devem entrar em serviço na década de 2020, para complementar os canhões Msta de concepção soviética. Há também a reativação da artilharia nuclear. O Exército poderia receber durante a primeira metade dos obuses autopropulsados ​​2S7M Malka da década de 2020, que são uma versão modernizada do canhão Pion soviético, e 2S4 Tiulpan ("Tulipa") modernizados, ambos capazes de disparar granadas atômicas. Livre das restrições do Tratado de Forças Nucleares Intermediárias (1987), do qual Washington se retirou em agosto de 2019, a Rússia também poderia desdobrar mísseis de alcance intermediário - incluindo o míssil de cruzeiro 9M729 acusado pelos americanos - em lançadores móveis terrestres Iskander. Por fim, novos sistemas devem ver a luz do dia, como o robô de combate desenvolvido por Konzern Kalashnikov com o codinome “Soratnik” [Parceiro], cujo projeto ainda está engatinhando. As defesas aéreas do país serão consolidadas com o fornecimento de 18 novas brigadas equipadas com os sistemas Tor-M2, Tor-M2DT (Teatro Ártico), Buk-M3 e S-300V4. Não se espera que o novo S-500 faça sua estreia até 2025.

As Forças Aeroespaciais (VKS) continuarão a receber caças multifuncionais Su-35S, bombardeiros táticos Su-34 e aeronaves de combate multifuncionais Su-30SM, a uma taxa de cerca de dez unidades por ano durante a primeira metade da década de 2020. As VKS também devem receber, embora em pequenas quantidades, caças multifuncionais de nova geração Su-57, bem como aeronaves MiG-35 multifuncionais. A frota aérea de apoio deverá ser objeto de atenção especial com a entrada em serviço de aviões de transporte militar de médio e longo alcance Il-76MD-90A, que continua em virtude de encomendas feitas em 2012 e 2020 para 27 unidades disponível a partir de 2028 (4). Da mesma forma, as VKS estão aguardando um novo avião-tanque - o Il-78M-90A - que agora está em estágio de protótipo avançado, enquanto a atual frota de aviões-tanques está sendo gradualmente atualizada (Il-78M2). Finalmente, a Rússia experimentou um verdadeiro "boom" no campo dos drones nos últimos anos, o que permitiu aliviar o atraso considerável que havia acumulado nesta área em relação aos países ocidentais. Depois que uma primeira série de drones de observação viu a luz do dia no início de 2010, graças à cooperação frutífera com Israel - incluindo o modelo Forpost, usado em particular na Síria - os fabricantes russos agora estão oferecendo uma nova geração de aparelhos, como os projetados por Zala ou o drone Orion (grupo Kronstadt), dos quais o exército russo recebeu um primeiro lote de 3 unidades em abril passado, que usará em caráter experimental. Prevê-se que a sua integração nas forças armadas continue enquanto se aguarda a chegada dos drones de ataque que ainda faltam, mas alguns modelos dos quais já realizaram vôos de teste nos últimos meses (Okhotnik e Altius da Sukhoi).

(4) 6 unidades foram entregues até o momento.

Em grande parte privada do programa 2018-2027, a Marinha verá seu desenvolvimento de capacidade girar em torno de plataformas capazes de disparar mísseis de cruzeiro. O míssil Kalibr será usado por navios de patrulha, corvetas e fragatas, enquanto se aguarda a entrada em serviço do míssil hipersônico Tsirkon em novos edifícios (fragatas, SSGN) de 2021-2022. O programa da fragata do tipo Almirante Gorchkov - que se caracterizou por grandes atrasos durante o último plano de armamento - continua, com um alvo de cerca de dez navios (dois em serviço no momento desta redação). Deslocando quase 5.500 toneladas, é o maior navio de combate de superfície construído na Rússia desde 1991. Por outro lado, o programa 2018-2027 não prevê a atracação de uma frota oceânica, mas no máximo a continuação dos trabalhos preparatórios do futuro porta-aviões. Da mesma forma, o desenvolvimento do projeto do destróier Lider (Projeto 23560) de 14.000 toneladas parece congelado, assim como o da fragata “super Gorchkov” (Projeto 22350M, 8.000 toneladas de deslocamento). No entanto, espera-se que os fundos continuem a irrigar a construção dos SSGN do Projeto 885A: uma unidade está em serviço - o K-560 Severodvinsk - enquanto seis outras estão em vários estágios de conclusão. Uma das armas mencionadas por Vladimir Putin em março de 2018, o torpedo nuclear autônomo intercontinental Poseidon deve ver seu porta-aviões submersível, o submarino nuclear Khabarovsk, ser admitido em serviço ativo durante a primeira metade da década de 2020. Depois que o lote de seis submarinos de ataque convencionais do tipo Kilo foi lançado n'água para a Frota do Pacífico, um submarino semelhante pôde ser encomendado para a Frota do Báltico.

O dispositivo militar russo.

Esse novo equipamento será pago a um exército que se tornou amplamente profissional durante a década de 2010. Desde 2015, a proporção de soldados profissionais - os kontraktniki - excedeu a de conscritos. A proporção de kontraktniki permanece mais alta dentro das unidades com a vocação de se projetarem, como forças especiais, tropas aerotransportadas (VDV) ou infantaria naval (5). De acordo com o porta-voz do Comitê de Defesa do Parlamento Russo, Vladimir Shamanov - ele próprio um ex-comandante-em-chefe das VDV -, o número de kontratniki deveria aumentar no final de 2019 para 475.600 homens, para um exército de 798.000 soldados (6). A meta é atingir um índice de profissionalização das VDV em torno de 80% em 2020, enquanto aquele da infantaria terrestre deve ser de 60% (7).

(5) Isabelle Facon, "Que vaut l’armée russe?", [Quanto vale o exército russo?], Politique étrangère, Nº. 1, Primavera de 2016, pg. 151-163.

(6) Dados do Portal de Informações das Forças Armadas Russas (Link).

(7) "Shamanov: pri perekhode armii na kontraktnuyu osnovu nuzhno ostavit 'v VDV 20% srochnikov" [Shamanov: o processo de profissionalização do exército deve levar à retenção de 20% dos recrutas nas VDV], TASS, 13 Maio de 2019.

Uma modernização sob restrição

O orçamento de defesa russo aumentou durante a década de 2010: depois de ultrapassar a marca de 3% do PIB em 2014, atingiu um pico de pouco mais de 4% em 2016, antes de contrair cerca de 2,8% do PIB no final da década. Frequentemente anunciado como em torno de US$ 60 bilhões por ano, esse orçamento é na verdade mais do que isso, porque, mais uma vez, a conversão para dólares realmente não faz sentido. Como os gastos são feitos em rublos, é aconselhável pensar na paridade do poder de compra, o que resulta em um orçamento anual na faixa de US$ 150 bilhões a US$ 180 bilhões (8). Na medida em que a recuperação do atraso acumulado durante os anos 1990 e 2000 em termos de fornecimento de equipamentos seja alcançada durante os anos de 2010, os gastos com defesa deveriam atingir um alto patamar. Além disso, Vladimir Putin fez saber que um teto de 3% do PIB parece razoável, especialmente porque ele pretende dedicar seu quarto e a priori último mandato a reformas sociais caras e impopulares. Nesse sentido, o apoio dado pela população russa à política externa perseguida pelo Kremlin tende a se desgastar desde 2018, mas o exército continua sendo a instituição mais popular entre os russos (9).

(8) Michael Kofman, “Os gastos com defesa da Rússia são muito maiores e mais sustentáveis ​​do que parece”, Defense News, 3 de maio de 2019.

(9) "Rossiyane doveryayut prezidentu men’she, chem armii" [Os russos confiam mais em seu exército do que em seu presidente], Vedomosti, 23 de outubro de 2019.

A presença militar russa no estrangeiro.

O orçamento de defesa é baseado em previsões do PIB que, para os mais otimistas dentre eles, prevêem um crescimento anual "lento" de cerca de 2% para o início de 2020. Para impulsionar esse crescimento, a Rússia embarcou em um ambicioso programa de "grandes projetos nacionais" keynesianos com um orçamento de 25,7 trilhões de rublos (aproximadamente US$ 430 bilhões) em favor dos setores do futuro (saúde, educação, demografia...). A crise da COVID-19 e o relançamento de setores econômicos atingidos podem colocar pressão financeira sobre um orçamento de defesa já ameaçado pelo choque do petróleo de 2020. O colapso dos preços do petróleo bruto observado desde o inverno de 2020 pode realmente forçar o governo a confiar em previsões muito mais modestas para o preço do barril nos próximos dois a três anos - provavelmente na ordem de US$ 25 (US$ 42 por barril para o presente orçamento). Ainda nas fileiras dos freios econômicos, o complexo militar-industrial russo acumulou nos últimos anos uma dívida colossal. No verão de 2019, estimava-se em 2 trilhões de rublos (cerca de US$ 35 bilhões) em créditos nos bancos russos. No final de 2019, Vladimir Putin teria assinado um ukase secreto eliminando cerca de um terço dessa soma, sendo o restante reestruturado (10). Vejamos o caso do consórcio de construção naval OSK: sua dívida é estimada em 68 bilhões de rublos (pouco mais de 900 milhões de euros). No início de maio de 2020, soubemos que ele poderia se beneficiar de uma recapitalização com uma injeção de fundos públicos de cerca de 30 bilhões de rublos. O restante da dívida será reestruturada (11).

(10) "Kostin rasskazal o zakrytom ukaze Putina po spisaniyu dolgov predpriyatiy OPK" [Kostin, no ukase secreto de Putin sobre alívio da dívida para empresas de defesa], Kommersant, 23 de janeiro de 2020.

(11) “Verfi splavlyayut dolgi” [Os estaleiros se livram de suas dívidas], Kommersant, 15 de maio de 2020.

O complexo militar-industrial russo também está encontrando extrema dificuldade para superar certos obstáculos tecnológicos, especialmente após o colapso da cooperação técnico-militar com o Ocidente após a crise ucraniana. É o caso, por exemplo, dos drones submarinos dedicados à guerra contra minas. Os industriais também estão buscando laboriosamente o desenvolvimento de um extensor de alcance de mergulho (obviamente voltado para baterias de íon-lítio) para os submersíveis russos clássicos. Apesar do esforço de rearmamento, existem "pontos cegos", como a área da guerra anti-submarina (ASM), onde as capacidades russas dependem de plataformas ex-soviéticas em um número insuficienteNa ausência de uma nova plataforma dedicada à luta ASM no mar e no ar, a Marinha optou pela modernização de algumas embarcações em serviço, como as grandes embarcações de luta livre ASM do Projeto 1155, que são "fragatas". Por fim, se a experiência adquirida durante o conflito sírio foi maciça no VKS e significativa para a frota, o exército - que não foi exposto ao fogo - não poderia se beneficiar dela nas mesmas proporções. O destacamento de alguns batalhões de "boinas vermelhas" em regime de rotação como força de interposição e observação (perto das Colinas de Golã, por exemplo), bem como as patrulhas realizadas em conjunto com o exército turco na região de Idlib foram capazes, no entanto, de contribuir para aumentar o conhecimento do terreno.

O exército russo na década de 2020 será semelhante a uma força expedicionária regional capaz de responder ao aumento das capacidades da OTAN nas fronteiras da Rússia, percebidas como ameaçadoras, ao mesmo tempo em que será capaz de lidar com um conflito que explodiria no espaço pós-soviético. Na ausência de uma aliança militar entre Moscou e outra potência de categoria aproximadamente equivalente - e apesar das especulações generalizadas sobre a relação russo-chinesa - seu exército continua sendo o melhor aliado da Rússia.

Igor Delanoë é doutor em história e vice-diretor do Observatório Franco-Russo.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:


quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

FOTO: Soldados Soviéticos nas ruínas do Reichstag

 

Soldados soviéticos posando em frente às ruínas do Reichstag ao final da Batalha de Berlim (16 de abril de 1945 - 2 de maio de 1945). Posando no meio dos oficiais está um garoto órfão "filho do regimento", adotado pela unidade. Esses garotos seriam inseridos na rotina da tropa, cumprindo as mesmas rotinas a ajudando em funções de apoio, como a entrega de mensagens, lavagem de roupas etc.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de dezembro de 2020.

O oficial, no centro, tem um quepe, enquanto os demais usam casquetes do modelo padrão soviético. Um dos militares tem uma ushanka e outro do lado direito tem uma papakha cossaca, em cor tipicamente preta. A parte de cima tem um X em branco cortando um fundo usualmente vermelho ou azul. As submetralhadoras demonstram o caráter extremamente próximo do combate casa-a-casa da Batalha de Berlim.

O Reichstag foi assinalado pelo Stakva como o marco para a captura da capital nazista. Apesar de não ser mais usada para fins políticos desde o incêndio de falsa-bandeira de 1933, com o Reichskanzlei assumindo a sua função, o Reichstag serviu como uma âncora do sistema de defesa do quarteirão governamental de Berlim; setor Z (de Zitadelle, fortaleza em alemão), com um complexo de trincheiras e fortificações defensivas. O prédio serviu como um bastião formidável, resistindo à artilharia pesada soviética, e garantindo visão total sobre a Königsplatz, com o domínio de tiros amarrados em todas as avenidas de aproximação.


O Reichstag também foi defendido por um misto de unidades do Reich, fazendo parte do dispositivo mais amplo do setor Z, sob o comando do SS-Brigadeführer Wilhelm Mohnke, que formou o Kampfgruppe Mohnke, com cerca de 2 mil homens organizados em dois regimentos enfraquecidos.

O núcleo dessa defesa era composto pelos 800 homens do batalhão de guardas da 1. SS-Panzerdivision "Leibstandarte SS Adolf Hitler", que protegiam o próprio Führer, a guarda pessoal de Heinrich Himmler contando 600 homens da SS, 250 marinheiros da guarda de honra, grupos de velhos e crianças da Hitlerjugend Volksturm, uma companhia de 100 paraquedistas da 9ª Divisão Fallschirmjäger, e elementos da Divisão SS Nordland, formada por voluntários dinamarqueses e noruegueses, além de germânicos da Hungria, e que foi reforçada por um punhado de de 320-330 SS franceses da Divisão SS Charlemagne (Waffen-Grenadier-Brigade der SS "Charlemagne"que fora destruída na Pomerânia). Essa formação ainda contou com os regulares da 20ª Divisão de Infantaria e Divisão Panzer Müncheberg, com a reserva à cargo da 18. Panzergrenadier-Divisionposicionada no distrito central de Berlim.

As baixas soviéticas 30 de abril a 1º de maio foram de 154 mortos 312 feridos; mostrando a intensidade de apenas 2 dias de combate dentro e ao redor do enorme edifício do Reichstag. As baixas alemãs não são precisas, com várias centenas de mortos e feridos, além de quase de uma centena de prisioneiros capturados dentro do prédio.

Vídeo recomendado: O Assalto ao Reichstag


Bibliografia recomendada:

Berlim 1945:
A Queda.
Antony Beevor.

Leitura recomendada:

VÍDEO: Alemanha Ano Zero19 de maio de 2020.

domingo, 6 de setembro de 2020

As forças armadas da Rússia sob Gerasimov, o homem sem doutrina

 

Por Michael Kofman, Russian Military Analysis, 2 de abril de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de setembro de 2020.

Valery Gerasimov, chefe do Estado-Maior russo, completa 65 anos este ano e deve permanecer no cargo enquanto Sergei Shoigu for ministro da Defesa. Gerasimov se destaca na era atual de reforma e modernização militar russa, embora ambos os processos tenham sido iniciados por seu predecessor, Nikolai Makarov. Durante seu mandato, as forças armadas russas também foram sangradas em dois conflitos, Ucrânia e Síria, com as lições aprendidas posteriormente integradas em exercícios em casa. Gerasimov é mais o representante do oficialismo militar russo do que o autor de qualquer um de seus princípios doutrinários fundamentais, mas sob ele as forças armadas russas passaram por melhorias notáveis em capacidade, mobilidade, prontidão, estrutura de força e experiência de combate.

Ironicamente, das coisas que Gerasimov fez para deixar uma marca nas forças armadas russas, ele é exclusivamente famoso por algo que nunca escreveu e que não existe - a saber, a "Doutrina Gerasimov". Em 2014, uma crença errônea de proporções quase míticas emergiu na imprensa ocidental de alguns observadores da Rússia; centrou-se na ideia de que, em fevereiro de 2013, Gerasimov escreveu um artigo que traçava o plano militar russo para ações na Ucrânia e na guerra com o Ocidente.

Fuzileiros navais russos na Ucrânia.

A “Doutrina Gerasimov” foi um nome inteligente cunhado por Mark Galeotti em seu blog, embora ele nunca tenha pretendido que fosse interpretado literalmente como Gerasimov tendo uma doutrina. Em 2018, Galeotti publicou um mea culpa rejeitando qualquer noção de que Gerasimov tivesse uma doutrina, dada a extensão em que esse termo "adquiriu uma destrutiva vida própria". Infelizmente, como uma criatura em um filme de terror, ele escapou, ficando mais forte, correndo descontrolado nos círculos políticos e militares e forçando anos de esforços entre os analistas russos para batê-lo em submissão. Esse esforço provou ser uma tarefa de Sísifo; teorias inteiras subsequentemente surgiram proclamando uma “teoria do caos” russa de guerra política contra o Ocidente, com base na crença errônea de que o Chefe do Estado-Maior Russo está em posição de ditar a estratégia política russa em primeiro lugar.

A estratégia militar e o planejamento do nível operacional no conflito apóiam a estratégia definida pela liderança política, mas não são a mesma coisa. A estratégia em um conflito particular é muito diferente da estratégia política em geral. As forças armadas são uma parte interessada, oferecendo insumos para a estratégia política russa, mas não as determinam. Os votos decisivos estão no Kremlin. A escrita militar é bastante útil para a reflexão do pensamento entre a liderança política, mas o que os militares planejam fazer doutrinariamente, ou o que os debates fazem, não é necessariamente representativo dos desígnios políticos. É função dos militares planejarem todos os tipos de contingências improváveis e, no final do dia, é uma solução cara em uma busca burocrática de problemas que poderia ajudar a resolver.

A anexação da Criméia pela Rússia em março de 2014 levou a uma corrida por informações sobre as forças armadas russas, seu pensamento militar e sua doutrina. No início, isso gerou termos caprichosos e interpretações malformadas. Ao longo dos anos, a “Doutrina Gerasimov” tornou-se um tanto uma piada profissional entre os analistas militares russos, que a vêem como um teste de tornassol que separa aqueles com experiência genuína do campo cada vez maior de autoproclamados especialistas em informação russa ou guerra política.

O rosto relaxado de Gerasimov.

Esse infame artigo de 2013, intitulado Value of Science in Prediction (O Valor da Ciência na Previsão), foi derivado do discurso anual de Gerasimov na Academia Militar de Ciências, sem dúvida reunido por alguns oficiais em um artigo com um gráfico. Gerasimov expôs os sentimentos gerais do pensamento militar russo sobre como os EUA conduzem a guerra política por meio de "revoluções coloridas", eventualmente apoiadas pelo emprego de armas de alta precisão, com muitas das observações derivadas da Primavera Árabe.

Esse artigo representava a interpretação militar russa (ou, mais corretamente, má interpretação) da abordagem dos EUA para conduzir mudanças de regime, combinada com um argumento burocrático projetado para vincular o orçamento das forças armadas russas, consumindo trilhões de rublos a cada ano, a um desafio externo definido em grande parte como político.

Em suma, era uma pia de cozinha (onde todas as possibilidades foram consideradas) das contribuições mais importantes para o pensamento militar russo na época, resumindo as tendências emergentes nos conflitos modernos: as guerras não são reconhecidas ou declaradas quando começam, as medidas assimétricas e não-militares cresceram em relação às forças armadas tradicionais, o papel da guerra de informação e formações irregulares ou proxies (terceirizados) cresceram em proeminência, embora as capacidades convencionais de ponta igualmente tenham colorido o pensamento militar russo, especialmente o emprego em massa de armas guiadas de precisão contra a infraestrutura crítica de um país. Antes do comentário de Galeotti, o artigo de Gerasimov de fevereiro de 2013 foi completamente ignorado e, ironicamente, o mesmo aconteceu com os artigos ou discursos subsequentes que resumem a evolução do pensamento militar russo desde 2013.

Posto defensivo dos mercenários Wagner na Síria.

Essa linha de pensamento sobre o caráter do conflito moderno apenas congelou ainda mais sob Gerasimov no que as forças armadas russas passaram a chamar de “Novo Tipo de Guerra”. Este termo representa a visão russa de como os instrumentos não-militares podem afetar o ambiente de informação de um país, a estabilidade política interna ou a economia, mas são coordenados com capacidades militares convencionais que infligem danos estratégicos, como armas guiadas de precisão de longo alcance e ataque aeroespacial em massa. No ano passado, Gerasimov reafirmou essa crença, alegando que os EUA têm uma estratégia de "cavalo de tróia" que integra guerra política e guerra de informação para mobilizar o potencial de protesto da população, combinado com ataques de precisão contra infraestrutura crítica.

Dada a quase completa ausência de "dissuasão pela negação" no pensamento estratégico russo, a doutrina evoluiu em torno do que Gerasimov chamou de "defesa ativa". Este é um conjunto de medidas preventivas não-militares e militares, abordagens de gestão de dissuasão e escalada com base na imposição de custos. As forças armadas russas têm como objetivo neutralizar preventivamente uma ameaça emergente ou dissuadir, mostrando capacidade e disposição para infligir consequências inaceitáveis ao adversário em potencial. Como disse Gerasimov, “agindo rapidamente, devemos prevenir nosso adversário com medidas preventivas, identificar suas vulnerabilidades em tempo hábil e criar a ameaça de que danos inaceitáveis serão infligidos”. Na prática, isso inclui uma gama de danos calibrados, desde ataques convencionais simples e agrupados contra a infraestrutura econômica ou militar, até o emprego em massa de armas guiadas de precisão, seguido por armas nucleares não-estratégicas e, nos limiares extremos, guerra nuclear.

Melhor reflexão do pensamento militar sobre a preferência entre medidas não-militares e militares.

Muito se tem falado sobre o pensamento militar russo sobre a guerra política ou de informação, mas Gerasimov sempre deixou claro que o impulso da estratégia militar é a guerra convencional e nuclear. O uso do poder militar continua sendo decisivo. O confronto em outras esferas, onde as medidas não-militares dominam, é conduzido por outras "estratégias" e organizações com seus próprios recursos. Os militares se vêem coordenando os dois tipos de medidas, em vez de supervisionar as várias linhas de esforço não-militares.

A resposta militar russa pode ser vista na criação de grupos de combate inter-serviços em cada direção estratégica, com prontidão relativamente alta, e sua capacidade de se mover através da massa de terra russa até o ponto de conflito, conforme testado nas Manobras Estratégicas Vostok 2018. Mobilidade, prontidão e capacidade de diferentes serviços trabalharem juntos aumentaram em ênfase sob o mandato de Gerasimov, junto com as tentativas de engendrar flexibilidade no nível tático, ou o que Gerasimov chamou de capacidade dos comandantes de apresentarem “soluções não-padronizadas". As forças armadas russas também começaram a articular conceitos para futuras operações expedicionárias, chamadas de “ações limitadas”, e institucionalizando a experiência na Síria.

Tropas russas durante os exercícios militares Vostok-2018 (Leste-2018) no campo de treinamento de Tsugol, não muito longe das fronteiras com a China e a Mongólia na Sibéria, em 13 de setembro de 2018.

As forças armadas da Rússia continuam a investir em capacidades e conceitos operacionais para conduzir uma guerra sem contato, capaz de se engajar com armamentos isolados, com base em inteligência e reconhecimento em tempo real. O último Programa de Armamento do Estado 2018-2027 enfatiza a qualidade e a quantidade de armas guiadas de precisão, além de tecnologias habilitadoras para o reconhecimento de ataques e circuitos de reconstituição. Muito tem sido falado sobre o discurso sobre os meios não-militares, quando na prática as forças armadas russas compraram uma quantidade enorme de poder militar convencional e gastaram consideravelmente na modernização nuclear. Desde 2011, pode-se contar com cerca de 500 aeronaves táticas, mais de 600 helicópteros, para mais de 16 regimentos S-400, juntamente com inúmeros sistemas de defesa aérea para as forças terrestres, 13 brigadas Iskander, milhares de veículos blindados, mísseis balísticos e submarinos nucleares polivalentes , ou seja, a lista é extensa. Na verdade, cerca de 50% do considerável orçamento de defesa da Rússia é gasto na aquisição de armas, modernização e P&D.

Apesar dos avanços nas forças armadas russas, a dissuasão doutrinária pela defesa ainda é vista como um custo proibitivo, pouco atraente em comparação com abordagens que limitam ativamente os danos à pátria ou às forças armadas. Conseqüentemente, capacidades-chave, como armas guiadas de precisão de longo alcance, foram integradas em operações estratégicas no período inicial da guerra que são tão ofensivas quanto defensivas por natureza. Gerasimov serviu durante um período crítico entre a doutrina militar de 2014 e um futuro próximo, onde alguns dos desenvolvimentos doutrinários mais relevantes na estratégia militar russa foram na aplicação de força limitada para fins de gerenciamento de escalada e término da guerra.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada: