Mostrando postagens com marcador Geopolítica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Geopolítica. Mostrar todas as postagens

sábado, 2 de outubro de 2021

A crise sem fim da Venezuela


Por Moisés Naím, Foreign Affairs, 28 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de outubro de 2021.

Para um vislumbre do futuro da Venezuela, olhe para Arauquita, uma cidade remota na fronteira da Colômbia com cerca de 5.000 habitantes. Em maio, milhares de enlameados refugiados venezuelanos do vizinho estado de Apure começaram a chegar a Arauquita com histórias terríveis de bombardeios aéreos e buscas de casa em casa feitas por soldados venezuelanos. Uma pequena guerra estourou na região, colocando o exército leal ao presidente venezuelano Nicolás Maduro contra a Décima Frente - uma facção dissidente das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), grupo rebelde marxista da Colômbia que virou cartel do narcotráfico, que anos antes cruzou a fronteira e efetivamente conquistou uma seção do estado de Apure.

Os motivos da luta permanecem envoltos em incertezas - pode ter se originado de uma disputa sobre os lucros das rotas de contrabando de drogas da Décima Frente. Mas o desfecho dos confrontos foi mais revelador, até chocante: a capacidade do Estado venezuelano é tão limitada que não consegue desalojar os combatentes das FARC. A Décima Frente continua sendo a autoridade de fato na área, apesar da exibição de poder de fogo do governo Maduro.

Líderes da Décima Frente durante uma transmissão televisiva lançada em 4 de setembro de 2019.

As batalhas no estado de Apure podem ser um sinal do que está por vir. O regime venezuelano não é apenas uma ditadura militar, mas também um empreendimento criminoso. Em vez de um Estado burocrático-racional weberiano, o que Maduro lidera é uma confederação frouxa de chefias criminosas, onde ele desempenha o papel de capo di tutti capi - o chefe dos chefes. Normalmente, Maduro é capaz de arbitrar disputas entre seus capitães. Mas às vezes, como em Apure, o sistema quebra e a violência explode.

Os generais do exército dirigem a maioria das rede de extorsão hoje. Os generais controlam tudo, desde os bem abastecidos bodegones de Caracas - varejistas sofisticados onde todo tipo de mercadoria importada está prontamente disponível por dólares americanos - até setores muito mais sombrios, como o comércio encharcado de sangue de coltan, um elemento de terra rara, das selvas do sul. Os sindicatos criminosos colombianos, como a Décima Frente das FARC e o grupo guerrilheiro rival ELN, conhecido por sua brutalidade, atuam em conluio com funcionários venezuelanos e, em outras ocasiões, desafiam as autoridades. Outros negócios lucrativos acabaram nas mãos de civis próximos ao regime - tais números presidiram sobre o boom da construção de alto padrão em áreas afluentes de Caracas - ou com gangues, as quais, por exemplo, administram o dia-a-dia da operação de prisões e extraem lucros gordos por meio da extorsão impiedosa de presidiários.

Um estado mafioso como a Venezuela pode parecer estável dia após dia, mas é inerentemente volátil - como os refugiados de Apure sabem muito bem. Think tanks e diplomatas em Washington continuam a se perguntar como o regime pode ser empurrado para a democracia, mas a verdadeira questão que a Venezuela enfrenta agora é muito mais sombria: a confederação de criminosos liderada por Maduro permanecerá coesa o suficiente para evitar conflitos internos, ou o futuro da Venezuela se parece muito com o presente de Apure, com gangues armadas travando guerras territoriais que mergulham o país em uma violência anárquica?

O ministro da Defesa da Venezuela, General Vladimir Padrino Lopez, fala durante uma transmissão no Palácio de Miraflores em Caracas, Venezuela, em 8 de março de 2019.

A Miragem de Caracas


Os relatos da situação difícil da Venezuela normalmente começam não no estado de Apure, mas entre os arranha-céus de Caracas, onde uma ilusão de normalidade agora é oferecida. Os protestos de rua massivos (e reprimidos de forma assassina) dos últimos anos acabaram. Assim também são os dias de confronto político de alto risco entre o regime Maduro e a oposição política venezuelana.

Os venezuelanos estão exaustos e sem esperança. Anos de protestos de rua, que ocorreram de 2002 a 2017, não produziram mudanças políticas tangíveis. Com as esperanças frustradas, muitos venezuelanos olham para a liderança da oposição com profundo ceticismo e raiva. Seu desespero impulsionou um êxodo para fora do país. O ACNUR, a Agência da ONU para os Refugiados, estimou que cerca de 5,4 milhões de venezuelanos deixaram o país nos últimos anos - quase um quinto da população. Um estudo recente descobriu que a idade média dos migrantes venezuelanos é 32: pessoas no auge de sua vida profissional, incluindo muitos jovens que já estiveram no centro do movimento de protesto.

Juan Guaidó, chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, na cerimônia de posse de seu mandato como presidente interino em janeiro de 2019.

A oposição lançou outra tentativa de tomar o poder em janeiro de 2019, quando Juan Guaidó, então presidente da Assembleia Nacional, reivindicou a presidência para si mesmo depois que o governo de Maduro realizou uma votação presidencial grosseiramente fraudada. O desafio de Guaidó eletrizou os venezuelanos - e o mundo. Os Estados Unidos lideraram a acusação, com o Departamento de Estado rapidamente estendendo o reconhecimento oficial a Guaidó como presidente interino. Ao todo, 60 países acabaram por reconhecer a reivindicação de Guaidó, incluindo a maioria das democracias ricas e quase toda a América Latina.

Quase um quinto da população da Venezuela deixou o país.

O rápido abraço de Guaidó pelos EUA se encaixa em um padrão mais amplo de fanfarronice contra o regime Maduro. Por mais de um ano, o presidente Donald Trump, o vice-presidente Mike Pence, o secretário de Estado Mike Pompeo e o Conselheiro de Segurança Nacional John Bolton assumiram uma postura diplomática dura que enfatizou que "todas as opções estão sobre a mesa" em relação à Venezuela, mesmo intervenção militar. Sob a rubrica de "pressão máxima", os Estados Unidos lançaram sanções não apenas contra figuras do regime, mas também contra setores-chave da economia venezuelana, limitando a capacidade de Caracas de vender petróleo no exterior em uma tentativa de restringir o acesso do regime ao câmbio de que precisava desesperadamente. As sanções não destruíram a economia venezuelana - as próprias políticas econômicas do regime fizeram isso, com impressionante eficiência, nas duas décadas anteriores à introdução das sanções - mas aprofundaram a crise econômica do país e impossibilitaram uma recuperação econômica significativa.

Notavelmente, a principal prioridade das autoridades venezuelanas quando se sentam para conversar com representantes da comunidade internacional sempre foi o alívio das sanções individuais contra eles. Os chefes do regime parecem se preocupar mais com sua liberdade de viajar e possuir propriedades ao redor do mundo do que com as dificuldades dos venezuelanos comuns. Eles ficaram abalados com o anúncio dos Estados Unidos no ano passado de uma recompensa de US$ 15 milhões pela ajuda na apreensão de Maduro, junto com outras recompensas multimilionárias anexadas a outras figuras do regime e seus comparsas.

A retórica belicosa de Trump contra Maduro e as principais figuras do regime foi, no entanto, inútil na Venezuela. Alimentou a propensão da oposição venezuelana para o pensamento mágico. Algumas figuras da oposição radical optaram por agitar ruidosamente pela ação militar dos EUA. Esses demagogos reconheceram, em particular, que as chances de uma intervenção dos EUA realmente ocorrer eram muito pequenas, mas isso não os impediu de se alimentar do desespero de seus seguidores.

Refugiados venezuelanos assistem a um funeral em Arauquita, Colômbia, em março de 2021. (Luisa Gonzalez / Reuters)

O regime de Maduro, por sua vez, estimou corretamente que a fanfarronice americana equivalia a ameaças vazias. O foco era transformar a postura dos EUA em propaganda valiosa. A TV estatal venezuelana veiculou avidamente a agitação de sabre de Washington contra o regime. Isso permitiu que o governo de Maduro se esquivasse da responsabilidade pelos problemas econômicos do país, culpando-os pela suposta sabotagem dos EUA.

A pressão de Trump fez pouco para mudar os fatos na prática. A esperada cascata de deserções militares do regime nunca se materializou. Em vez disso, o regime esperou Guaidó sair de cena e continuou a reprimir e prender seus apoiadores. O vapor do seu desafio foi gradualmente drenado.

Com o tempo, as táticas de repressão de inspiração cubana usadas contra Guaidó e seus aliados mostraram-se brutalmente eficazes. Gradualmente, a confiança e o apoio do povo ao governo provisório de Guaidó diminuíram. O índice de aprovação de Guaidó caiu de 70% no início de seu desafio em 2019 para apenas 11% em janeiro. O regime, por sua vez, não trata mais a oposição como uma ameaça existencial. Em vez disso, vê a oposição, na pior das hipóteses, como uma doença crônica a ser contida e, mais frequentemente, como um adversário que pode ser facilmente manipulado.

A maior contração econômica em tempo de paz de todos os tempos em qualquer lugar


Para os venezuelanos comuns, a perseverança do regime é nada menos que uma catástrofe. Uma classe média outrora grande e crescente virtualmente desapareceu, deixando até 96% dos venezuelanos abaixo da linha da pobreza. A economia entrou em colapso dramático, com o PIB per capita caindo para cerca de um quarto do que era antes do início da crise em 2013. Segundo algumas estimativas, a economia venezuelana se contraiu mais desde 2012 do que qualquer outra economia em tempos de paz.

A implosão econômica da Venezuela remonta à destruição de sua indústria de petróleo, que por mais de um século esteve no centro da estratégia econômica do país. A produção de petróleo caiu de um pico de 3,7 milhões de barris por dia em 1998 para 2,2 milhões de barris por dia em 2017. Mas a combinação de sub-investimento crônico em exploração e manutenção, a perda de acesso aos mercados de crédito internacionais após a moratória em 2017 , e a imposição de sanções dos EUA à indústria do petróleo naquele mesmo ano levou à queda do setor. A Venezuela agora produz meros 700.000 barris por dia - nada perto do nível necessário para financiar as importações de que o país precisa para sobreviver.

Por um tempo, em 2017 e 2018, o regime imaginou que poderia enfrentar as sanções do petróleo apoiando-se em potências estrangeiras amigáveis. As autoridades venezuelanas esperavam que as petrolíferas chinesas e russas fossem convidadas para apoiarem a indústria em colapso. Mas depois de um longo e tortuoso conjunto de negociações, as empresas chinesas e russas rejeitaram as ofertas para adquirir a gigantesca refinaria Amuay-Cardón (que possui capacidade para produzir um milhão de barris por dia). Hoje, Amuay-Cardón está ociosa. A escassez de gasolina se tornou um fato cotidiano para milhões de venezuelanos, que devem passar até quatro dias na fila esperando que suprimentos raros de combustível encham seus tanques. O governo concedeu a empresas estrangeiras licenças lucrativas para explorar campos de petróleo abandonados e mal administrados. Por fim, uma a uma, essas petroleiras deixaram o país, pois a tarefa de restaurar a produção se mostrou impossível. A Venezuela continua, tragicamente, o país com as maiores reservas de petróleo do planeta.

Para os venezuelanos, a perseverança do regime é nada menos que uma catástrofe.

A escala do colapso econômico é mais clara em termos de degradação monetária. Após o segundo maior surto de hiperinflação já registrado (com 45 meses em condições hiperinflacionárias entre 2017 e 2021), o governo está se preparando para rebaixar ainda mais o bolívar, a moeda debilitada do país. É a terceira "redenominação" desde 2008. Ao todo, 14 casas decimais terão sido cortadas do bolívar, o que significa que uma nota de um bolívar em 2022 valerá 100 trilhões de bolívares da safra de 2008.

Um soldado em Caracas, Venezuela, maio de 2013. (Jorge Silva / Reuters)

À medida que o bolívar se torna cada vez menos útil, os venezuelanos o abandonam aos montes, optando cada vez mais por fazerem transações em dólares americanos ou em pesos colombianos ou reais brasileiros nas regiões fronteiriças adjacentes a esses países. Cerca de dois terços das transações são agora realizadas em moeda estrangeira. A mudança para o dólar americano ajudou a criar uma ilusão de normalidade em áreas anteriormente ricas de Caracas. Mas é uma miragem: uma pesquisa recente mostrou que apenas 40% das famílias recebem remessas em moeda forte de parentes no exterior. Os outros 60% têm que se contentar com bolívares. Eles enfrentam uma crise alimentar contínua, com taxas de desnutrição infantil chegando a 36% de acordo com a Organização Mundial de Saúde e pouca perspectiva de alívio em breve.

Essa estrutura econômica particular - um país dividido em dois entre aqueles com e sem acesso a moedas estrangeiras - é uma reminiscência de Cuba, que há muito mantém duas moedas paralelas: uma conversível em moeda estrangeira e uma segunda quase inútil. Dinâmica semelhante surgiu na Venezuela, com aqueles que têm acesso a dólares vivendo algo que lembra vagamente a vida em outros países e aqueles sem acesso condenados a privações insondáveis. Mas a estrutura do regime da Venezuela também se assemelha ao governo de Cuba, onde uma elite predatória militarizada pilha implacavelmente qualquer fonte de moeda estrangeira disponível e reprime violentamente aqueles que ousam se opor a ela.

Pessoas fazendo fila para comida e gás em San Cristóbal, Venezuela, novembro de 2018. (Carlos Eduardo Ramirez / Reuters)

Cuba continua sendo o aliado mais forte e essencial de Maduro. A recusa da China e da Rússia em ajudar Maduro deve ter sido um rude despertar para ele. Ambos os países vêem uma Venezuela hostil aos Estados Unidos como uma ficha geopolítica útil e, no passado, forneceram cobertura diplomática e assistência de segurança ao regime. Mas nenhum dos dois está interessado em despejar recursos escassos no que eles (com razão) consideram um saco quebrado no Caribe. Outros aliados venezuelanos, como Irã e Turquia, provaram ser mais úteis, despachando carregamentos de gasolina e alguns produtos acabados ou "reciclando e lavando" o ouro da Venezuela. Mas qualquer aliança mais ampla com esses dois governos distantes é invariavelmente limitada. Teerã e Ancara não têm capacidade e vontade para salvar Caracas de sua catástrofe econômica.

Isso deixa Maduro um último, verdadeiro e inabalável aliado: Cuba. A ditadura esquerdista latina original teve uma relação tão próxima com o regime venezuelano que a palavra "aliança" não lhe faz justiça. Na verdade, a Venezuela está sob uma espécie de ocupação cubana furtiva. Maduro parece confiar mais nas autoridades cubanas do que nas suas: espiões cubanos - não venezuelanos - trabalham em sua própria pasta de inteligência dentro do palácio presidencial, o que significa que Havana sabe mais sobre o que acontece na Venezuela do que a maioria das autoridades venezuelanas. E Maduro parece priorizar as necessidades de Cuba acima daquelas da Venezuela, como demonstrado pelo fato de que a Venezuela continuou a fornecer energia a Cuba durante esta crise, mesmo que seus próprios motoristas tenham visto os postos de gasolina secarem.

A Venezuela como um problema insolúvel


O que o mundo - e os Estados Unidos, em particular - deve fazer diante desse estado deplorável de coisas? Como se resolve um problema como o da Venezuela?

O primeiro passo é compreender totalmente que a lógica política normal tem pouca relevância quando se trata de um estado mafioso. A insistência da comunidade internacional em negociar em direção a eleições livres e justas, em particular, parece bem intencionada, mas equivocada. A alternativa a permanecer no poder para muitos partidários do regime - incluindo Maduro, que está sob indiciamento nos Estados Unidos por tráfico de drogas - é uma cela de prisão. O regime não pode e não vai oferecer à oposição a chance de lhe depor nas urnas.

Mas isso não significa que esteja imune a pressões externas. Washington deve, em primeiro lugar, aceitar a fraqueza da oposição, que não é, nesta fase, capaz de lançar um desafio realista ao controle do poder pelo regime. Em vez disso, os Estados Unidos deveriam insistir na libertação de presos políticos e no restabelecimento das liberdades básicas de imprensa e associação, oferecendo em troca o alívio de sanções individuais. Para aumentar sua influência nessa estratégia, Washington deve fazer um trabalho muito melhor de mobilizar democracias como a Itália e a Espanha para impor sanções contra figuras do regime; as pessoas associadas ao regime encontraram um porto seguro não apenas nas agradáveis vilas e palácios italianos e espanhóis que agora possuem, mas também em bancos e instituições financeiras italianas e espanholas.

Desfile militar cubano de comemoração aos 58 anos da Revolução, na Praça da Revolução em Havana, 2017.

A posição única de Cuba na Venezuela o torna um jogador essencial em qualquer resolução futura. Nenhum negócio de qualquer tipo é imaginável sem a adesão do regime cubano. A chave que abre a fechadura para a crise venezuelana é muito mais provável de ser encontrada em Havana do que em Caracas. Enquanto Cuba permanecer uma ditadura, a Venezuela provavelmente também permanecerá.

A lógica política normal tem pouca relevância quando se trata de um estado mafioso.

Em última análise, as democracias em todo o mundo - mas especialmente na América Latina - têm interesse em manter a Venezuela inteira, pacífica e pelo menos estável o suficiente para não exportar seus problemas. A guerra de fronteira no estado de Apure nesta primavera deve servir como outro aviso de que nada pode ser dado como certo. O esvaziamento do Estado venezuelano e sua substituição por uma estrutura de estilo mafioso alimenta uma instabilidade crônica que pode levar a uma violência generalizada.

Um possível futuro para o país seria ver os chefes um degrau abaixo de Maduro cada vez mais na garganta uns dos outros, com guerras territoriais se transformando em derramamento de sangue real. Maduro e seus conselheiros cubanos farão, é claro, o que puderem para conter o caos, mas está longe de ser certo que eles terão sucesso. Este futuro se parece muito com o conflito do século XIX na Venezuela, quando um presidente nominal em Caracas controlava pouco além da capital e das alfândegas do país, enquanto uma proliferação selvagem de caudilhos regionais governava praticamente incontestável sobre as outras cidades e vilas. Esse arranjo nunca foi estável: ao longo do século XIX, os caudilhos rotineiramente tentaram invadir a capital e tomar o poder para si próprios. Às vezes eles tinham sucesso, outras vezes não, mas os resultados eram sempre sangrentos.

Um segundo cenário veria Maduro manter sua autoridade sobre seus subordinados pelo menos o suficiente para evitar uma luta aberta entre eles. Sem democracia, sem liberdade política, sem acesso ao capital global e sem capacidade de gerar divisas, este é o caminho para a verdadeira cubanização da Venezuela: um regime petrificado no poder, construído sobre um substrato do sofrimento de seu próprio povo. É uma perspectiva miserável.

Esses são cenários sombrios e desagradáveis, mas, infelizmente, há alguns motivos para esperar coisa melhor. A esperança desejosa de que os criminosos responsáveis pelo regime venezuelano possam de alguma forma serem persuadidos a cederem à sua própria ruína é apenas isso - uma esperança - e certamente não uma base adequada para uma ação diplomática. Essas esperanças distorceram a formulação de políticas nos Estados Unidos e em outros lugares por muito tempo. A realidade que a Venezuela enfrenta é sombria, mas deve ser tratada como realidade.

Bibliografia recomendada:

Latin America's Wars:
The Age of the Caudillo, 1791-1899.
Robert L. Scheina.

Latin America's Wars:
The Age of the Professional Soldier, 1900-2001.
Robert L. Scheina.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

A matriz saheliana da violência política


Por Heni Nsaibia e Clionadh Raleigh, Hoover Institute, 21 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de setembro de 2021.

Conflitos locais submersos por insurgências jihadistas.

O Sahel é um dos teatros de conflito mais ativos no continente africano e se tornou um dos principais pontos da "Guerra Global ao Terror" nos últimos vinte anos. Após quase uma década de intervenção militar estrangeira por meio da sobreposição de contraterrorismo, estabilização e missões de treinamento militar e de segurança, o conflito é muitas vezes referido como uma "Guerra Eterna", juntamente com outras intervenções militares lideradas pelo Ocidente no Oriente Médio e na África. À medida que as campanhas militares no Iraque e no Afeganistão chegam ao fim, a atenção está cada vez mais mudando para a África como a próxima frente de batalha - onde o Sahel permanece um dilema geopolítico chave.

A crise está afetando principalmente alguns dos países menos desenvolvidos do mundo, incluindo Mali, Burkina Faso e Níger, onde mais de 6.200 mortes foram relatadas em 2020 - o ano mais mortal desde que o conflito eclodiu em 2012. Este ano seguiu a mesma curva de escalada que anos anteriores, uma trajetória de conflito (s) multidirecional (s) que continua se transformando e cujo progresso nenhum ator envolvido controla. Nos primeiros oito meses de 2021, mais de 3800 pessoas foram mortas como resultado de atos de violência política no Sahel Central, de acordo com dados compilados pelo Armed Conflict Location & Event Data Project.

Ataques de grupos jihadistas dominam as manchetes, embora o conflito seja profundamente caracterizado pela interação violenta de múltiplas visões de segurança concorrentes defendidas por interventores externos, grupos jihadistas, forças estatais locais e grupos de autodefesa e milícias. Embora as mortes violentas sejam um indicador importante para a análise de conflitos, são as atividades não violentas ou discretas, que muitas vezes não são relatadas, que nos dizem mais sobre o controle ou a influência dos grupos militantes jihadistas neste contexto específico - já que a violência é amplamente concentrada em áreas contestadas. As maneiras pelas quais os grupos militantes usam operações psicológicas na forma de proselitismo e intimidação para ganhar obediência, extrair recursos, incluindo impostos, se envolver na mineração artesanal, pilhar escolas (para suprimentos que eles usam) ou se mover por comboios de nível de pelotão ou companhia pelo interior entre suas várias áreas de operação pinta um quadro ainda mais sombrio da militância em expansão na região.

Militantes malinenses do Jama'at Nusrat al-Islam wal-Muslimin.

A atenção à crise do Sahel dentro da comunidade internacional em geral é, em grande medida, impulsionada pela ameaça estratégica representada pela Jama'at Nusrat al-Islam wal-Muslimin (JNIM), afiliada à Al-Qaeda, e pelo Estado Islâmico no Grande Saara (Islamic State in the Greater Sahara, ISGS). O JNIM e o ISGS surgiram de grupos militantes locais preexistentes. Durante anos, a relação entre os dois grupos foi caracterizada por conluio, coexistência e arranjos territoriais tácitos dentro de um ecossistema de insurgência ambíguo.

No entanto, conforme o JNIM e o ISGS evoluíram e traçaram estratégias desde seu início, com foco em processos de construção de alianças e expansão de seu alcance geográfico para evitar esforços de contra-insurgência, a competição disparou. Eles se envolveram em campanhas de duelo visando seus inimigos comuns, que se transformaram em uma guerra total entre os dois grupos enquanto lutam por influência.


Não houve coerência ideológica por trás da eclosão desta crise que foi desencadeada pela rebelião tuaregue de 2012. Nem a matriz de violência política na região era predominantemente jihadista. No entanto, de muitas maneiras, a insurgência regional submergiu um conjunto de conflitos hiperlocalizados, à medida que o JNIM e o ISGS habilmente exploram disputas locais, militarizam identidades, localizam narrativas globais e formam alianças complexas.

Tanto o JNIM quanto o ISGS adotaram uma abordagem abrangente semelhante de adaptar efetivamente uma narrativa global às condições locais, a fim de recrutar membros e atrair grupos aliados. No entanto, os dois grupos exibem padrões diferentes de violência e diferem na forma como invocam narrativas globais semelhantes e navegam e exploram ambientes de conflito local. O JNIM oferece o que pode ser descrito como uma aliança de "grande tenda", apelando para uma base mais ampla de grupos comunitários e étnicos locais, enquanto o ISGS se apresenta como uma alternativa radical e inabalável. O que os dois grupos têm em comum é que utilizam estratégias para agravar a situação, tornando o ambiente propício à insurgência. As táticas estão se tornando cada vez mais maliciosas e mais difundidas à medida que esses grupos cometem atrocidades em massa, deslocam populações à força e impõem embargos para sufocar vilas e cidades.

Armando Comunidades

Paramilitares de um grupo de auto-defesa malinense.

Em resposta a essa ameaça, organizações de autodefesa, grupos de vigilantes e milícias baseadas na comunidade estão cada vez mais envolvidos em operações de contraterrorismo. Isso desencadeou episódios cíclicos de violência intercomunitária localizada, caracterizada por assassinatos na mesma moeda entre grupos militantes jihadistas de um lado e milícias e grupos de autodefesa do outro. As táticas duras empregadas pelas forças do Estado e o armamento das comunidades locais exacerbaram significativamente a crise, alimentando o recrutamento de militantes e contribuindo para um aumento acentuado dos ataques a civis.

Os países do Sahel adotaram abordagens diferentes em relação ao uso de forças irregulares (milícias e grupos de autodefesa), geralmente para complementar as fraquezas numéricas e operacionais das forças regulares do Estado. O Mali tem uma história de uso de milícias desde as rebeliões tuaregues da década de 1990, com a formação de Ganda Koy consistindo principalmente de grupos étnicos sedentários, como parte de uma estratégia mais ampla de dividir para governar.


O surgimento da Katiba Macina (parte da aliança JNIM) no centro do Mali foi acompanhado pela proliferação de grupos armados étnicos e comunitários, principalmente para proteger as comunidades agrícolas sedentárias Bambara e Dogon da ameaça jihadista. Oscilando entre uma identidade jihadista e fulani, a Katiba Macina explorou e "etnizou" conflitos locais para ganhar confiança e expandir os laços com as comunidades locais nas regiões centrais do Mali. Fraternidades de caçadores Dozo (ou Donso) tradicionais formam os núcleos das milícias Bambara e Dogon. O movimento Dan Na Ambassagou, de maioria dogon, visou indiscriminadamente a população Fulani e acredita-se que tenha perpetrado alguns dos ataques mais mortais registrados durante a crise, incluindo o massacre Ogossagou, no qual pelo menos 157 fulanis foram mortos.

O surgimento de grupos de autodefesa em Burkina Faso é mais recente do que no Mali, mas Koglweogo e Dozos estão cada vez mais envolvidos em operações de contra-insurgência. Em janeiro de 2019, milicianos Koglweogo teriam matado cerca de 200 membros da comunidade Fulani em Yirgou e áreas vizinhas, no que se acreditava ser uma retaliação a um ataque de militantes. As autoridades burquinenses anunciaram a criação dos Voluntários para a Defesa da Pátria (VDP), para treinar e armar civis sob o pretexto de conter um número crescente de militantes jihadistas.

A criação de unidades de combate voluntárias também proporcionou ao Estado uma oportunidade em boa hora de incorporar as milícias de segurança e autodefesa lideradas pela comunidade nas estruturas do Estado e cooptar redes de patrocínio para benefícios eleitorais. As organizações Fulani, no entanto, dizem que sua comunidade está, com algumas exceções, excluída do processo de recrutamento. Em vez disso, os combatentes voluntários são acusados de extorsão, execuções sumárias e roubo de gado, que são dirigidos contra a comunidade Fulani. A exclusão dos fulanis representa um excelente exemplo de fracasso da contra-insurgência por meio da demonização dos inimigos locais.

Combatentes da aliança tuaregue.

O Níger evitou amplamente a "militarização" interna que atormentou seus vizinhos, exceto por um episódio em 2018 quando o governo decidiu terceirizar a segurança ao longo de suas fronteiras para milícias malinenses pró-governo. No entanto, o armamento de civis para fins de autodefesa está ganhando impulso devido à violência desproporcional do ISGS. Milícias crescentes surgiram entre as comunidades étnicas árabes, djerma e tuaregue em muitos vilarejos nas regiões de Tillaberi e Tahoua.

O denominador comum em todos os três países é que a proliferação de milícias e grupos de autodefesa é um sintoma da incapacidade dos Estados de protegerem adequadamente suas populações. A proliferação de milícias étnicas e baseadas na comunidade exacerba as rivalidades étnicas mais do que contribui significativamente para a contra-insurgência. A violência intercomunitária também se tornou uma das formas mais mortais de violência, em meio a ciclos viciosos de assassinatos na mesma moeda entre grupos armados e ataques de vingança contra aqueles considerados constituintes desses grupos armados.

Nenhuma estratégia coerente?

Membro da unidade de Helicópteros de Ataque salvadorenhos da MINUSMA em Timbuktu, capital do Mali, em 2 de fevereiro de 2018.

As forças militares externas e internas exerceram pouca influência na evolução dos conflitos. Os Estados do Sahel recebem apoio maciço e assistência militar da comunidade internacional, mas têm capacidade de absorção limitada, conhecida como o "dilema da fragilidade". Assim, a assistência é prestada em termos ditados por regimes corruptos que não fornecem os serviços mais básicos aos seus cidadãos. A presença de muitas tropas internacionais e locais não conseguiu conter a insurgência.

As forças locais empregam abordagens violentas e as alegações de abusos, prisões em massa arbitrárias e execuções extrajudiciais são generalizadas, alimentando o recrutamento de militantes e a instabilidade. As forças locais adotam os conceitos ocidentais de contraterrorismo, fortemente voltados para operações de contra-guerrilha, mas prestam pouca atenção em aliviar as condições que impulsionam as insurgências. Como resultado, componentes políticos como negociações, anistia, programas de desarmamento e desmobilização, apoio à mediação local e administração da justiça e do estado de direito estão ausentes ou não foram tratados de forma adequada.

Além disso, a considerável instabilidade política no Sahel parece ter contribuído para as dificuldades de construção de uma estratégia de contra-insurgência coerente e holística: o Mali sofreu dois golpes militares nos nove meses entre agosto de 2020 e maio de 2021; o presidente do Chade, Idriss Deby Itno, considerado um aliado importante na luta contra os jihadistas do Sahel, foi morto em meio a uma incursão rebelde no Chade vindo da vizinha Líbia em abril de 2021; e eleições disputadas e uma suposta tentativa de golpe ocorreram no Níger em março de 2021. Esses acontecimentos ressaltam a centralidade da fragilidade do Estado e da instabilidade política na crise inabalável do Sahel.

A resposta lenta ou a negligência com as ameaças emergentes representam outra dimensão crítica que não deve ser esquecida. Por exemplo, a incapacidade das autoridades malinenses de lidar com o surgimento da Katiba Macina no início de 2015 teve implicações muito além do Mali central, incluindo ao longo das fronteiras entre Burkina Faso e Níger. Outro exemplo é a lenta reação de Burkina Faso à situação de segurança nas regiões do sudoeste do país, que também afetou a vizinha Costa do Marfim, agora se transformando de mero transbordamento em uma ameaça doméstica. Da mesma forma, as regiões do sudeste de Burkina Faso continuam sendo uma grande preocupação para os estados litorâneos da África Ocidental vizinhos, como Benin, Gana e Togo, que estão particularmente expostos aos efeitos da violência jihadista em meio à ameaça persistente ao longo de suas fronteiras mais ao norte.

Soldado do Burkina Faso em Ouagadougou, 2018.

Apesar do fato dos governos locais e as forças armadas estarem mal equipados para enfrentar os grupos armados irregulares, eles se adaptam, ganham experiência e formulam as respostas que consideram necessárias para lidar com a ameaça percebida. A militância atingiu Burkina Faso duramente nos últimos anos, embora a situação no Mali ainda permaneça mais complexa e imprevisível. Embora Burkina Faso tenha se mostrado particularmente vulnerável à violência jihadista, os burkinabes têm demonstrado um certo grau de inovação ao encontrar soluções e minimizar a dependência de fontes externas, envidando esforços para fortalecer sua força aérea por meio da aquisição de aeronaves e do treinamento de pilotos. Ambos são essenciais para conduzir operações de contra-militância em grandes áreas, fornecendo apoio aéreo, vigilância e evacuações médicas. Outro aspecto é a criação de unidades especializadas, como o motociclista Escadron Porté (esquadrão móvel) e a unidade pseudo-terrorista da Unidade Especial da Gendarmaria Nacional (USIGN) no estilo dos Selous Scouts do Exército da Rodésia, que imitam insurgentes e operam nas profundezas do território inimigo.

Uma dinâmica de "Sahelização" do esforço maior está gradualmente se formando, com os estados do Sahel assumindo mais responsabilidade e cooperando para sua própria segurança. Por exemplo, em junho deste ano, uma série de operações conjuntas simultâneas foram conduzidas em grandes áreas em Burkina Faso, Mali e Níger com um nível de coordenação sem precedentes, envolvendo tropas do Burkina Faso, Chade, França, Mali, Níger e da Costa do Marfim. Esforços estão sendo feitos para administrar a ameaça jihadista no Sahel, mas a complexidade da paisagem social e tribal e os recursos e capacidades limitados dos governos envolvidos ameaçam esmagar esses esforços. É uma crise em rápida evolução que requer mais atenção e ações concretas.

Héni Nsaibia é pesquisador sênior no ACLED (Armed Conflict Location & Event Data Project). Ele também é o fundador da Menastream, uma consultoria de risco que fornece análises de inteligência.

Clionadh Raleigh é professor de Geografia Política e Conflitos na Universidade de Sussex e Diretor Executivo do ACLED.

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Impondo custos por outros meios: opções de guerra estratégica irregular para responder à agressão russa

"Homenzinhos verdes" na Ucrânia, março de 2014.

Por Steve Ferenzi, Small Wars Journal, 18 de maio de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2021.

A vantagem comparativa da América em poder militar convencional garante que seus adversários procurarão enfrentá-la abaixo do limiar da “guerra” tradicional para alcançar seus objetivos. A recente agressão da Rússia na Ucrânia demonstra um aspecto deste campo de batalha com implicações preocupantes para a viabilidade da aliança da OTAN. A eliminação de santuários de impunidade, sejam eles dentro do espaço político da "zona cinzenta" manipulada pela Rússia ou em território físico utilizado pela al-Qaeda ou pelo Estado Islâmico para lançar ataques à pátria americana, exige que os Estados Unidos empreguem medidas não convencionais para competir e vencer.

É hora de liberar as capacidades de guerra irregular dos Estados Unidos. Toda a controvérsia sobre os desafios da “zona cinzenta” de hoje leva a crer que os Estados Unidos são um jogador amador neste jogo. Ao longo da década de 1980, os Estados Unidos competiram com sucesso abaixo do limiar da guerra convencional no âmbito do "conflito de baixa intensidade". Enquanto o caso Irã-Contras e o retorno do apoio aos mujahideen afegãos continuam a ser olhos negros para o prestígio dos EUA, os Estados Unidos sangraram com sucesso a União Soviética sem recorrer ao Armagedom nuclear ou à escalada convencional. Pode-se debater as minúcias, mas os EUA alcançaram seus objetivos estratégicos a um custo relativamente baixo. Como os EUA podem obter resultados semelhantes no ambiente operacional de hoje, onde a vontade política é o fator limitante? A resposta é possibilitar o que a Rússia mais teme: movimentos de resistência nativa ao longo das linhas das “revoluções coloridas” que destruíram a influência russa pós-soviética em seu quintal tradicional.

Dilemas do Artigo 5

A questão mais urgente em relação à Rússia hoje é o compromisso dos Estados Unidos com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). O Artigo 5 da Carta da OTAN exige que:

“As Partes concordam que um ataque armado contra um ou mais deles na Europa ou na América do Norte será considerado um ataque contra todos eles e, consequentemente, concordam que, se tal ataque armado ocorrer, cada um deles, no exercício do direito da legítima defesa individual ou coletiva reconhecida pelo artigo 51 da Carta das Nações Unidas, ajudará a Parte ou as Partes assim atacadas, tomando imediatamente, individualmente e em conjunto com as outras Partes, as ações que julgar necessárias, incluindo o uso de força armada, para restaurar e manter a segurança da área do Atlântico Norte.

Qualquer ataque armado e todas as medidas tomadas como resultado dele serão imediatamente relatados ao Conselho de Segurança. Essas medidas serão encerradas quando o Conselho de Segurança tiver tomado as medidas necessárias para restaurar e manter a paz e a segurança internacionais.”

A anexação da Crimeia pela Rússia revigorou o debate sobre a utilidade da OTAN na era pós-Guerra Fria. A resposta desdentada dos EUA pode ter sido justificável dada a falta de compromissos legais com a Ucrânia, não-membro, mas e se a Rússia tomar a fraqueza americana percebida como um convite para um desempenho repetido nos Estados Bálticos, membros de fato da OTAN?

Tanto a doutrina de guerra híbrida de "nova geração" da Rússia quanto os aliados de Moscou na região exortam o uso de meios não-militares assimétricos e "quinta colunas" em áreas-alvo para alcançar resultados estratégicos. A solução da América é mais marchas blindadas em estradas pela Europa Oriental e exercícios de treinamento combinados? Os EUA têm vontade política para realmente puxar o gatilho em uma resposta militar convencional com potencial de escalada? Improvável. Outros conceitos como "defesa híbrida" e variantes ressuscitadas da dissuasão estendida da Guerra Fria oferecem soluções alternativas, mas não otimizam os recursos fiscais e militares limitados para enfrentar a Rússia.

Soldados russos e sírio diante de retratos de Vladimir Putin e Bashar al-Assad.

A mentalidade tradicional leva a crer que quando você precisa de um tanque, você precisa de um tanque. A destreza dos blindados americanos, especialmente quando casada com o poder aéreo dos Estados Unidos, é inegável. Ela esmagou a tentativa de Saddam Hussein de tomar o Kuwait em 1991 e, mais uma vez, deu um golpe esmagador nas fases iniciais da Operação Liberdade do Iraque. Ao validar seletivamente o complexo de superioridade inato dos EUA, os adversários da América, no entanto, perceberam que se expor a um projétil de 120 milímetros disparado de um tanque Abrams não é do seu interesse. A solução? Guerra por outros meios. No Iraque, isso significou insurgência à la Che Guevara, Mao Zedong e Carlos Marighella, revestida com um verniz jihadista. Na Ucrânia, isso significava que a Rússia empregava “homenzinhos verdes” para capitalizar as queixas da etnia russa indígena e tomar a Crimeia por meio de táticas de salame projetadas para permanecer abaixo do limite de induzir a intervenção ocidental. O ingrediente principal? Evite a superioridade militar convencional americana e paralise sua força de vontade política para empregar opções não-convencionais para enfrentá-la com sucesso.

O Artigo 5 exige uma defesa coletiva contra um ataque armado; não obriga uma resposta contra a guerra híbrida, nem estipula como uma defesa em ambos os casos deve ser executada. Em vez de fingir que os EUA realmente entrarão em guerra com a Rússia por causa de uma invasão do Báltico possibilitada por subterfúgios e desinformação, por que não estabelecer as condições para que os movimentos indígenas frustrem a ocupação russa e bloqueiem seus objetivos estratégicos? Se a Rússia quiser invadir o Báltico, nenhuma resposta militar estatal convencional na região terá chance. A Rússia demonstrou isso na Geórgia em 2008. A beleza da guerra irregular é sua capacidade de impor custos significativos com um gasto mínimo de recursos. Robert Taber fez a analogia de pulgas atacando um cachorro durante um conflito prolongado para erodir a determinação política do oponente. Grandes potências ao longo da história, incluindo os EUA, sofreram isso ao confrontar inimigos nominalmente mais fracos.

Aumente os custos: algumas insurgências são boas para os Estados Unidos

Essa abordagem teria sucesso ao elevar os custos da invasão russa a um nível inaceitável. Executado secretamente, envolve a construção de uma infraestrutura de resistência indígena a ser desencadeada assim que a Rússia cruzar a linha, atolando o grande urso em um pântano de insurgência projetado para anular sua vantagem convencional comparativa. Isso tem precedentes históricos da Guerra Fria na região: AECOB/ZRLYNCH era um programa da Agência Central de Inteligência (CIA) que apoiava o Movimento de Resistência Letão anti-soviético como parte da estratégia mais ampla de permitir movimentos de resistência clandestina na Europa Oriental.

Combatentes da resistência lituana (da esquerda para a direita) Klemensas Širvys-Sakalas, Juozas Lukša-Skirmantas e Benediktas Trumpys-Rytis na floresta por volta de 1949.
(Centro de Pesquisa do Genocídio e Resistência da Lituânia)

Executado abertamente, o desenvolvimento da infraestrutura de resistência procederia de forma análoga à abordagem secreta, mas serviria como um sinal para deter a agressão russa, transmitindo totalmente as capacidades do ninho de vespas que a Rússia estaria invadindo. O apoio recente à rebelião síria abriu um precedente para o apoio aberto aos elementos de resistência pelas Forças de Operações Especiais dos EUA. No entanto, o desastre da Síria oferece lições significativas que devem ser aprendidas para o futuro, nomeadamente a importância de desenvolver capacidade subterrânea e auxiliar, além de elementos de guerrilha armada, um elemento crítico, mas muitas vezes ignorado da doutrina da guerra não convencional, bem como o significado de medidas deliberadas para mitigar ações divergentes resultantes da seleção adversa de forças de procuração (proxies).

Uma consideração importante para os formuladores de políticas é o papel da resistência não-violenta e violenta dentro de tal plano de defesa do Báltico. O ministério da defesa da Lituânia publicou recentemente um manual intitulado "Como agir em situações extremas ou instâncias de guerra", que discute especificamente o papel de organizar a desobediência civil para combater a guerra híbrida. A resistência não-violenta tem precedentes históricos no Báltico contra a União Soviética, e as evidências apóiam sua eficácia potencial contra a Rússia hoje. Até mesmo o Escritório de Serviços Estratégicos (Office of Strategic Services, OSS), o predecessor da CIA durante a Segunda Guerra Mundial, emitiu orientações sobre como sabotar as forças de ocupação com resistência civil. No entanto, o resultado do levante sírio demonstra que tanto a resistência não-violenta quanto a violenta devem ser planejadas como parte de uma estratégia abrangente.

O Paradoxo da Guerra Irregular Estratégica

Boina Verde do 5th SFG com o camuflado listras de tigre (tiger stripes) durante um exercício no Fort Campbell, 2019.

As opções de guerra irregular geralmente apresentam um paradoxo debilitante para os Estados Unidos e outras democracias estáveis. De acordo com o Coronel (Reformado) Mark Mitchell, ex-comandante do 5º Grupo de Forças Especiais (5th Special Forces Group, 5th SFG), os políticos são mais resistentes à implementação de medidas de guerra irregular quando elas têm maior probabilidade de sucesso. Quando introduzidos antes ou muito no início de um conflito, os gastos mínimos de recursos podem ter efeitos positivos exagerados sobre os resultados estratégicos; no entanto, a ambigüidade informativa e os perigos duplos de escalada e consequências não-intencionais criam hesitação política que impede a implementação das ações necessárias nos estágios iniciais. Quando os formuladores de políticas percebem que a situação degenerou em um problema real que afeta os interesses nacionais dos EUA (pense na Síria hoje) e decidem agir, a oportunidade de implementar uma solução decisiva ou mesmo eficaz de baixa visibilidade/baixo custo há muito tempo já passou. Essas soluções ainda podem ser implementadas, mas é altamente improvável que forneçam os resultados desejados.

Alguns podem apontar para a invasão do Afeganistão em 2001 como um exemplo de uma solução eficaz de guerra irregular executada sem uma longa vanguarda. Tal avaliação ignora os efeitos das relações dos EUA com os grupos de resistência afegãos como resultado dos esforços para impor custos aos soviéticos nos anos 80. Sem essas relações, construídas e sustentadas ao longo de quase duas décadas e exploradas pelos “soldados a cavalo” como o Coronel Mitchell, os Estados Unidos não teriam sido capazes de implementar rapidamente um esforço de guerra irregular em 2001.

Forças especiais (Boinas Verdes e CCT) à cavalo com a Aliança do Norte, outubro de 2001.

Em 1948, George F. Kennan reconheceu a necessidade de empregar "guerra política" contra a União Soviética, integrando todos os meios nacionais, ocultos e abertos, para atingir os objetivos de segurança nacional "na ausência de guerra declarada ou força de força aberta hostilidades”. Este requisito permanece o mesmo hoje. A eliminação de santuários de impunidade, sejam eles dentro do espaço político da "zona cinzenta" manipulada pela Rússia ou em território físico utilizado pela al-Qaeda ou pelo Estado Islâmico para lançar ataques à pátria americana, exige que os EUA empreguem medidas não convencionais para competir e vencer.

O Major Steve Ferenzi é estrategista do Exército e oficial das Forças Especiais da Divisão de Planejamento Estratégico G-5 do Comando de Operações Especiais do Exército dos EUA. Ele serviu anteriormente nos 3º e 5º Grupos de Forças Especiais (Aerotransportados) e na 82ª Divisão Aerotransportada e possui um mestrado em Assuntos Internacionais pela Escola de Relações Internacionais e Públicas da Universidade de Columbia.

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular:
Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história.
Alessandro Visacro.

Leitura recomendada:

Operações especiais não são um substituto para a estratégia


Por Stewart Parker e Ari Cicurel, Breaking Defense, 19 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2021.

Usadas demais e sobrecarregadas na "guerra global contra o terror" desde o 11 de setembro, as Forças de Operações Especiais precisam que Biden lhes dê uma pausa para que possam se concentrar na Rússia, China e na "zona cinzenta".

De filmes a livros que contam tudo, a América adora seus operadores especiais. Mas um ritmo esmagador de operações e uma definição cada vez maior do que constitui uma “operação especial” esticou muito as Forças de Operações Especiais (Special Operations Forces, SOF), tornando mais importante do que nunca definir de forma restrita as missões SOF. A Orientação Provisória de Segurança Nacional do Presidente Joe Biden é um passo importante para redirecionar a política militar do contra-terrorismo no Oriente Médio para a competição estratégica contra a China.

Mas a emissão da orientação provisória em si não resolve os problemas das SOF. É possível para Biden criar uma pegada militar mais inteligente e sustentável no exterior, mas o sucesso estratégico requer a adaptação do modelo americano para contra-terrorismo e contra-insurgência enquanto muda a forma como utiliza as SOF.

A estratégia de Biden para o Oriente Médio busca "dimensionar nossa presença militar ao nível necessário para interromper redes terroristas internacionais, deter a agressão iraniana e proteger outros interesses vitais dos EUA" para que a América possa redirecionar recursos militares para ameaças cada vez mais perigosas como a China.

Após o choque histórico dos ataques de 11 de setembro, o contra-terrorismo e a contra-insurgência no Oriente Médio se tornaram os principais desafios para os planejadores de defesa americanos. Diante de terroristas ou insurgentes que rapidamente atacavam civis e depois se escondiam entre eles, os líderes dos Estados Unidos se apaixonaram por raides de operações especiais e ataques de drones.

Operador especial (CCT/USAF) à cavalo na invasão do Afeganistão, outubro de 2001.

Os EUA já tentaram se afastar da "guerra global contra o terrorismo" antes, começando com o "pivô para a Ásia" do presidente Obama, que nunca se materializou. Em seguida, veio a Estratégia de Defesa Nacional de 2018 da administração Trump e o Anexo de Guerra Irregular de 2020 que priorizou o Indo-Pacífico. Agora, a mudança estratégica de Biden indica que a primazia do contra-terrorismo e da contra-insurgência na segurança nacional americana está acabando.

No entanto, a retirada das tropas não encerrará os conflitos regionais nem eliminará a exposição dos Estados Unidos ao terrorismo. As demandas pelos recursos exclusivos fornecidos pelas SOF não vão diminuir, mesmo com a redução de sua presença no Oriente Médio.

No futuro, será um desafio para o Comando de Operações Especiais dos EUA (U.S. Special Operations CommandUSSOCOM) equilibrar as operações de contra-terrorismo e contra-insurgência em curso, enquanto também se prepara para envolver a China e a Rússia na "zona cinzenta" legal e estrategicamente obscura entre guerra e paz.

Durante grande parte das últimas duas décadas, os operadores especiais funcionaram como uma força não-convencional apoiada por forças convencionais, com as SOF frequentemente no papel principal. O combate contra forças semelhantes provavelmente inverteria esse relacionamento, exigindo que as SOF cumprissem missões de apoio à força combinada mais ampla, aliados e parceiros.

Contra-terrorismo e Contra-insurgência Sustentáveis

As Forças Especiais dos EUA (Boinas Verdes) atacam um objetivo em um evento de treinamento.

Mesmo que as forças americans se retirem do Afeganistão ou de todo o Oriente Médio, os terroristas não irão embora. O presidente Biden, portanto, pretende manter algum foco no contra-terrorismo e na contra-insurgência, mesmo enquanto reduz o engajamento militar em conflitos relacionados. A adoção de um modelo menos focado no combate cinético (poder de fogo) e mais focado no que é acessível e sustentável a longo prazo reduzirá o papel dos militares e contribuirá para melhores resultados de segurança. A Estratégia Nacional de Contraterrorismo de 2018, que exige "todos os instrumentos disponíveis do poder dos Estados Unidos para combater o terrorismo", é um ponto de partida para o plano sustentável do novo governo. Os raides das SOF e ataques aéreos podem atrair atenção descomunal, mas também têm um registro imperfeito de transparência. Para melhor abordar as preocupantes descobertas da comissão do 11 de setembro, os EUA devem continuar a desenvolver seu potente portfólio de capacidades não-militares.

A análise do Centro Nacional de Diplomacia e Contra-terrorismo deve moldar os programas de contra-terrorismo e contra-insurgência, com a aplicação da lei civil e agências de inteligência muitas vezes assumindo a liderança. Os formuladores de políticas devem definir claramente suas prioridades, limitando os esforços apenas contra os grupos terroristas que mais ameaçam a América, seus interesses e seus parceiros. Uma estratégia de recursos sustentáveis requer colaboração proativa, atribui funções claras a departamentos e agências para evitar redundância ineficiente e estimula parceiros e aliados a se apropriarem das missões globais de contra-terrorismo. Mais importante ainda, um modelo de contra-terrorismo com recursos sustentáveis libera cada vez mais Forças de Operações Especiais para se reorientarem contra os atores estatais e seus representantes (proxies).

Adaptando as Forças de Operações Especiais

Operadores especiais russos (Spetsnaz), conhecidos como "Homenzinhos Verdes", na Ucrânia em março de 2014.

O combate efetivo à China, Rússia e outros Estados malignos exige que os formuladores de políticas adaptem o papel das SOF. Embora o contra-terrorismo e a contra-insurgência com foco restrito continuem sendo um esforço duradouro, as SOF não se concentraram historicamente nessas missões. Os Rangers de Roger dominaram as táticas de raides de estilo indígena na Guerra Revolucionária - o que os teóricos hoje chamariam de um conflito "híbrido" envolvendo guerrilheiros e forças regulares, incluindo o Exército Continental de Washington e seus aliados franceses. O presidente Kennedy autorizou os Boinas Verdes a responderem às insurgências apoiadas pelos soviéticos, e uma das principais funções das SOF na Guerra Fria era preparar movimentos de resistência em nações aliadas em risco de serem ocupadas por Moscou. Foram os fracassos conjuntos na tentativa de resgate de reféns iranianos em 1980 e o sucesso superficial na invasão de Granada em 1983 que impulsionaram a criação do USSOCOM - não o terrorismo.

Somente depois do 11 de setembro as SOF foram totalmente absorvidas por raides de “ação direta” contra terroristas e insurgentes, à medida que o USSOCOM se tornou o comando apoiado na guerra global contra o terror, em vez de um elemento de apoio em uma campanha basicamente convencional. As Forças Armadas são mais hábeis dentro da caixa de operações convencionais, mas as atividades centrais das SOF serão indispensáveis para campanhas futuras bem-sucedidas em todo o espectro do conflito. No mês passado, os legisladores reconheceram isso criando um novo subcomitê para supervisionar as SOF.

Operadores Delta e Ranger no momento do choque entre o Bluebeard 3 e o Republic 4 durante a fracassada Operação Eagle Claw, em 1980.
(Ilustração de Jim Laurier e Johnny Shumate/Osprey Publishing)

A redução das atividades de CT melhorará a capacidade das SOF de competirem abaixo do nível de conflito armado, responderem a crises, recuperarem americanos sequestrados e criarem prontidão para a guerra em um ambiente operacional altamente contestado e desordenado.

Para se preparar para a competição estratégica, os Estados Unidos precisam adaptar suas missões de contraterrorismo e contra-insurgência. As SOF serão vitais nas operações contra a China e a Rússia, embora permaneçam cruciais contra as ameaças duradouras no Oriente Médio. Sem rodeios, não há guerra que os militares americanos possam vencer sem Forças de Operações Especiais eficazes.

O Tenente-Coronel Stewart “PR” Parker é um participante do Programa de Líderes Militares dos EUA de 2020 do Instituto Judaico para a Segurança Nacional (Jewish Institute for National Security of America, JINSA) e atualmente está designado para o Comando de Operações Especiais da Força Aérea. Ari Cicurel é um analista de política sênior no Gemunder Center for Defense and Strategy da JINSA.

Bibliografia recomendada:

Special Operations Forces in Afghanistan.
Leigh Neville e Ramiro Bujeiro.

Special Operations Forces in Iraq.
Leigh Neville e Richard Hook.

Leitura recomendada:


As lições de Mogadíscio, 7 de outubro de 2018.