sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Ei, já existe um guia para trabalhar com as forças armadas dos EUA!


Por Tom Ricks, Task&Purpose, 8 de outubro de 2018.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de fevereiro de 2020.

E é bem engraçado.

Outro dia, sugeri que seria bom ter uma lista de leitura para aliados sobre como trabalhar com as forças armadas dos EUA. O velho @DarkLaughterTBD me ultrapassou e me indicou um guia da USAID para exatamente isso, em um apêndice do manual de operações de campanha. Eu apenas olhei para ele, e ele é muito bom. Eu senti que ele era informado por algumas experiências difíceis.

Aqui estão alguns destaques sobre como trabalhar com as forças armadas dos EUA:

- Espere por reuniões, muitas delas. Mas se você tomar decisões baseadas em consenso nessas reuniões, os oficiais militares o considerarão "ineficiente e sem foco". (O guia sugere que as organizações de assistência autônoma se recusam a receber ordens. Sinto cheiro de problemas.)

- Eles quererão dados "detalhados" sobre o que você está fazendo. Mas, às vezes, relutam em compartilhar suas próprias informações, citando "segurança operacional".

- Se você não tiver planos, a organização militar o fará para você - e farão isso a partir de sua própria perspectiva. "A organização militar geralmente preencherá o vazio como bem entender."

- A principal prioridade deles será proteger sua própria força, e isso afetará suas operações, "liberdade de movimento, segurança e logística".

- Nenhuma das opções acima se aplica aos operadores especiais, que são de uma raça diferente. "Algumas diferenças significativas separam essas unidades e indivíduos do perfil militar padrão". Em outras palavras, os caras da SOF são um bando de hippies, "culturalmente conscientes" e "mais flexíveis e criativos e menos rígidos em seus pensamentos e idéias".

- Encontre o chefe de estado-maior do comandante da Força-Tarefa Conjunta. Diga a ele quem você é e o que está fazendo. Ele é, o guia nos diz, o "guardião do pórtico".

- Ao trabalhar com dados, as organizações internacionais de ajuda usarão o sistema métrico, mas as forças armadas dos EUA não, pelo menos para coisas como quantidades de água potável disponíveis. Eles gostam de galões, ok? Você tem algum problema com isso? SUMA DAQUI com seus quilolitros.

- Se você depende das forças armadas para moradia, alimentação, comunicação ou transporte, você corre o risco de ser visto como um "requisito de apoio", não um ativo.

Original: https://taskandpurpose.com/rough-guide-working-us-military


Thomas Edwin "Tom" Ricks é um jornalista e escritor americano especializado em questões militares e de segurança nacional, escrevendo largamente sobre a cultura organizacional das forças armadas dos Estados Unidos. Suas maiores obras são Fiasco: The American Military Adventure in Iraq (Fiasco: A aventura militar americana no Iraque, 2006) e The Generals: American Military Command from World War II to Today (Os Generais: Comando militar americano da Segunda Guerra Mundial aos nossos dias, 2012). Ele foi duas vezes vencedor do Prêmio Pulitzer de Relatórios Nacionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário