Mostrando postagens com marcador Infantaria. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Infantaria. Mostrar todas as postagens

sábado, 26 de junho de 2021

GALERIA: Panzergrenadiers modernos

Dupla sniper com traje ghillie.
O sniper de frente tem um fuzil ferrolhado Accuracy International AWM britânico; designação alemã G22A2.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de junho de 2021.

Membros do 371º Batalhão de Infantaria Blindada do Bundeswehr alemão (Panzergredanadierbataillon 371) exibindo seu equipamento durante um evento de mídia na base do batalhão em Marienberg, na Alemanha, em 10 de março de 2015.

Sniper com o HK G3.
A dupla sniper misturar fuzil de repetição (ferrolhado) e fuzil semi-automático é uma tendência moderna, dando mais flexibilidade à equipe.

Míssil anti-carro franco-alemão MILAN ("pipa" em francês).

Fuzil HK G36 alemão.




Material distribuído "em cerimonial".
A metralhadora geral MG3, modernização da venerável MG42, pode ser vista no lado esquerdo da foto.

Bibliografia recomendada:

A Responsabilidade de Defender: Repensando a cultura estratégia da Alemanha.

Leitura recomendada:


FOTO: Brigada Franco-Alemã, 22 de janeiro de 2020.




segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

FOTO: Binômio infantaria-carro de combate

Um Merkava Mk. 4M e infantaria de acompanhamento do 77º Batalhão Blindado israelense durante um exercício, fevereiro de 2020.

A foto é uma clara demonstração da simbiose do binômio infantaria-carro de combate, particularmente importante nos ambientes urbanos onde Israel opera.

Esse exercício israelense contou com a presença da 101ª Divisão de Assalto Aéreo americana.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Cinco lições das guerras de Israel em Gaza, 11 de fevereiro de 2021.

FOTO: Merkava de lama nas Colinas de Golã23 de outubro de 2020.

sábado, 31 de outubro de 2020

GALERIA: Exercício Reaper Raider na Letônia

O soldado porta um fuzil vz. 58 (modelo 58), calibre 7,62x39mm.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de outubro de 2020.

Imagens dos soldados eslovacos do Grupo de Batalha da Letônia durante o Exercício REAPER RAIDER (Morte Incursora), um exercício de mobilidade aérea que simulava operações aeromóveis táticas ocorrido em agosto de 2019, em Lielvarde, na Letônia. O exercício envolveu 11 nações aliadas.

O nome Reaper se refere ao "Ceifador", uma das personificações da Morte.


Os soldados eslovacos portam o fuzil vz. 58 (Samopal vzor 58, fuzil modelo 58), calibre 7,62x39mm. Este fuzil foi projetado na Tchecoslováquia na década de 1950 e, embora externamente o vz. 58 se assemelhe ao AK-47 soviético, é um projeto diferente baseado em um pistão a gás de recuo curto, e não compartilha peças com os fuzis Kalashnikov; nem mesmo o carregador.









Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


GALERIA: Exercício Testudo Baioneta no Báltico

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de outubro de 2020.

O exercício TESTUDO BAYONET, ocorrido em junho de 2019 na Estônia, envolveu soldados da Espanha, Canadá, França e da própria Estônia, pertencente ao Grupo de Batalha da Letônia; uma força de presença avançada (EFP) da OTAN. O exercício envolveu treinamento de fogo real com várias armas portáteis como metralhadoras, fuzis, pistolas e escopetas.

A Força de Presença Realçada (Enhanced Forward Presence, EFP) é uma postura militar avançada de defesa e dissuasão aliada da OTAN na Europa Central através da Polônia e do Norte da Europa através da Estônia, Letônia e Lituânia, a fim de proteger e tranquilizar de sua segurança os estados membros da OTAN da Europa Central e do Norte no flanco leste da OTAN. Após a invasão da Criméia pela Rússia e sua guerra no Donbass, os estados membros da OTAN concordaram na cúpula de Varsóvia de 2016 em enviar quatro grupos de batalha de batalhões multinacionais para os estados membros da OTAN considerados em maior risco de um possível ataque ou invasão russa.

Os quatro grupos de batalha de batalhões multinacionais estão baseados na Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia, e são liderados pelo Reino Unido, Canadá, Alemanha e Estados Unidos. As tropas servindo nos grupos de batalha irão se revezar a cada seis meses e treinar e operar com as forças armadas das nações anfitriãs.

Soldado canadense com um fuzil Col C7 de produção indígena.



Soldado espanhol rastejando com o fuzil Heckler & Koch G36.


Um soldado canadense disparando uma escopeta.





Bibliografia recomendada:

NATO Armies 1949-87.
Nigel Thomas e Ronald Volstad.

Leitura recomendada:


sexta-feira, 2 de outubro de 2020

GALERIA: Ratissage dos Tirailleurs Argelinos na Indochina

Soldados do 22e BTA são subitamente "accrochés" ("fisgados") pelo Viet-Minh. Os tirailleurs ripostam (no centro, o atirador com um fuzil-metralhador Châtellerault 24/29 e seu municiador). O combate é tão brutal quanto rápido e terminará à arma branca, o oponente tentando romper a posição com um ataque frontal.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de outubro de 2020.

Operação de “limpeza” dos Giongs realizada pelo 22e BTA (22e Bataillon de Tirailleurs Algériens/ 22º Batalhão de Atiradores Argelinos), de 6 a 8 de outubro de 1950, lançada seguindo os passos de uma formação inimiga que massacrou a guarnição de um posto de observação na região de Tra Vinh, na Cochinchina.

Na região de Tra Vinh, os tirailleurs do 22e BTA revistam as ruínas de um pequeno posto de observação destruído durante a noite pelo Viet-Minh. Em primeiro plano, um tirailleur armado com a submetralhadora MAS 38.

Tirailleurs argelinos procedem à escavação dos escombros do pequeno posto de observação. Os soldados, armados com fuzis MAS 36, espetam a baioneta no chão para sondar o solo e remexer as cinzas cuidadosamente, pois a presença de armadilhas é provável.

O Major Chateaureynaud (à esquerda), chefe do 22e BTA e um dos seus quadros examinam tochas usadas pelo Viêt-Minh para incendiar a infraestrutura e encontradas intactas nas ruínas do pequeno posto ao redor de uma torre de vigia cuja fraca guarnição foi massacrada durante a noite.

Folhetos de propaganda vietnamita abandonados por um "Can Bo" (comissário político encarregado da doutrinação da população) são apreendidos pelos soldados do 22e BTA nas ruínas de um pequeno posto de observação na região de Tra Vinh, para ser encaminhado ao oficial de inteligência do batalhão.

O batalhão realizou a escavação das ruínas das torres do posto que os Viet-Minh explodiram, encontrando folhetos políticos do comissariado Viet-Minh. O batalhão avançou por arrozais e matagais até um ponto suspeito, onde teve início uma emboscada Viet-Minh violenta e muito próxima mas que foi parada de forma abrupta pela resposta dos tirailleurs, terminando em combate corpo-a-corpo. O batalhão se reagrupou, o atendimento aos feridos, investigando cadáveres Viet-Minh, e interrogando guerrilheiros Viet-Minh feitos prisioneiros. Após um momento de descanso, o batalhão fez seu penoso retorno por terreno difícil até realizar a junção com um dos REC (Régiment Étranger de Cavalerie/ Regimento Estrangeiro de Cavalaria) equipado com veículos anfíbios Weasel M29C chamados "Crabes" (Caranguejos), e finalmente seu respectivo retorno ao seu acantonamento.

Uma companhia de tirailleurs argelinos do 22e BTA avança com dificuldade por um arrozal durante a operação.

A base de fogo do grupo de combate, armada com um FM Châtellerault 24/29, despeja fogo supressor para quebrar o assalto dos Viet-Minh.

Os tirailleurs repelem um ataque frontal de elementos Viet-Minh. Um projétil (uma granada de fuzil) explode no arrozal, levantando uma coluna de água.

Os tirailleurs são assaltados frontalmente e abrem fogo para interromper o ataque dos "Du Kich" (guerrilheiros do Viet-Minh). Uma granada de fuzil francesa explode pouco antes do início do combate corpo-a-corpo.

No final do breve porém violento confronto com o Viêt-Minh, um tirailleur do 22e BTA mata a sede de um dos seus companheiros feridos. Este, deitado em uma maca e enfaixado rapidamente, conservou sua submetralhadora MAS 38 consigo.

Enquanto seus camaradas contemplam a extensão dos danos, um tirailleur do 22e BTA, armado com um fuzil MAS 36, permanece coberto e abrigado nas ruínas do pequeno posto de observação destruído, cuja fraca guarnição foi massacrada e as infraestruturas dinamitadas ou incendiadas.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

GALERIA: Blindados Anfíbios do 1er REC na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Largagem paraquedista em Quang-Tri durante a Operação Camargue2 de outubro de 2020.

GALERIA: Bawouans em combate no Laos28 de março de 2020.

GALERIA: Operação Chaumière em Tay Ninh com o 1er BPVN16 de junho de 2020.

GALERIA: Operação de limpeza com blindados em Tu Vu25 de abril de 2020.

FOTO: Um M24 Chaffee no Tonquim9 de julho de 2020.

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina12 de janeiro de 2020.

domingo, 6 de setembro de 2020

FOTO: Infantaria contra carros de combate

Carro de combate T-72AV do Exército Árabe Sírio sendo explodido em Darayya, subúrbio de Damasco, pela Brigada dos Mártires do Islã, início de 2016.

A Brigada dos Mártires do Islã (em árabe: لواء شهداء الإسلام; Liwa Shuhada al-Islam) é um grupo rebelde sírio formado no subúrbio de Darayya, em Damasco, e era o principal grupo que operava neste subúrbio. Foi o único grupo rebelde sírio totalmente sob a autoridade de um conselho municipal local e recebeu mísseis anti-carro BGM-71 TOW fabricados nos Estados Unidos, apesar do cerco apertado que Darayya estava sofrendo entre 2012 e 2016.

Entre 2013 e 2016, o mais alto nível de comando do grupo foi o Conselho Local da cidade de Daraya. O grupo é comandado por Saeed Narqash (nome de guerra Abu Jamal), um capitão que desertou do Exército Árabe Sírio. O chefe de gabinete inicial do grupo foi o 1º Tenente Abu Shahin, que deixou o grupo para formar outro em junho de 2013, enquanto seu comandante de operações era o 1º Suboficial Abu Omar. Uma academia militar foi estabelecida em Daraya quando era controlada pelo grupo. 

A Brigada dos Mártires do Islã foi formada em 5 de março de 2013 como uma fusão de 9 unidades rebeldes afiliadas ao Exército Livre da Síria em Daraya. Em 14 de fevereiro de 2014, o grupo assinou uma convenção que estabeleceu a Frente Sul.

Símbolo da Brigada dos Mártires do Islã.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

As forças de tanques da Rússia tiveram um despertar muito rude na Síria7 de fevereiro de 2020.

GALERIA: Aprimoramentos de blindagem na Guarda Republicana Síria26 de junho de 2020.

Analisando o Ataque Urbano: idéias da doutrina soviética como um 'modelo de lista de verificação'27 de junho de 2020.

VÍDEO: Emboscada noturna das Spetsnaz na Síria27 de fevereiro de 2020.

FOTO: Forças Especiais do Exército Livre da Síria em Alepo2 de julho de 2020.

FOTO: Entre dois leões na Síria4 de setembro de 2020.

GALERIA: Uso operacional do VSK-94 pelas Forças Armadas Árabes Sírias14 de julho de 2020.

sexta-feira, 27 de março de 2020

A Companhia de Fuzileiros na campanha da Itália

General Mark Clark passa em revista fuzileiros brasileiros na Itália.

Pelo General Everaldo José da Silva, Revista do Exército Brasileiro Nº 121 (1): 60-82, janeiro-março de 1984.

I – Introdução

Na qualidade de comandante de uma companhia de fuzileiros da Força Expedicionária Brasileira (FEB) não poderia me furtar a transmitir impressões sobre como vi o emprego da companhia durante a guerra, na Itália.

Assim, atendendo a convite da Revista do Exército Brasileiro, após decorridos quase 40 anos, eis-me voltando aos tempos de capitão, à frente de uma subunidade – a 1ª Companhia do Regimento “Sampaio” – a unidade de infantaria com que o então Distrito Federal contribuiu para organizar a FEB.

Não foi muito fácil, confesso, reorganizar muitas idéias e rever aquela pequena coluna de combatentes nas diferentes ações de que tomou parte.

6º RI de volta a São Paulo, 1945.

Às vezes, chegou-me a fugir da memória o que tanto me preocupara na época para o cumprimento da missão determinada – o que fazer, como fazer e quando fazer – e como foi feito, na realidade.

Ouvindo melhor o subconsciente, porém, foi-me ele ainda fiel e consegui reunir as idéias adiante transcritas, todas elas pautadas na mais legítima lealdade para com aquele pugilo de bravos que tive a honra e a felicidade de comandar.

É possível, é evidente, que a outro comandante de companhia de fuzileiros poderá parecer estranha alguma conceituação que hoje trago a registro com o único propósito de servir a estudos pormenorizados que se desejar fazer a respeito da guerra na Itália, da doutrina de ontem em paralelo com a que se realiza hoje em nosso Exército Brasileiro, que nos parece muito benéfico à chegada de conclusões no aprimoramento do emprego das armas, mui especialmente da subunidade de infantaria, cuja missão no combate é, no ataque, aproximar-se o mais possível do inimigo para destruí-lo ou capturá-lo, tomando-lhe a posição, e na defensiva, repelir o avanço inimigo pelo fogo, mantendo, a todo custo, a posição ocupada.

Procurei n este registro focalizar as fases mais importantes em que a companhia de fuzileiros foi empregada durante a campanha, descrevendo fatos e comportamentos, através de informações colhidas do batalhão, em relatórios escritos e orais, e por meio de companheiros de fileira que comigo conviveram na guerra e após seu término.

Para isso, seguiremos o sumário elaborado justamente sob as idéias enumeradas e que norteará o presente trabalho.

II – Organização

A companhia de fuzileiros tipo FEB, compunha-se da seção de comando, três pelotões de fuzileiros e um pelotão de petrechos, este correspondendo ao pelotão de apoio na atual organização, com menor poder de fogo, evidentemente, em face da presença, no atual pelotão de apoio, da seção de morteiros 81 e outra, de canhões sem-recuo, principal meio de defesa a serviço da companhia.

Em ligeira observação, verifica-se que a atual organização possui maior poder de fogo e mais autonomia em combate, por poder dispensar o acompanhamento, em determinadas missões, da companhia de apoio do batalhão.

O pelotão de petrechos da companhia tipo FEB possuía, além de uma seção de metralhadoras leves .30, uma seção de morteiros 60 mm. Além desse armamento, a companhia possuía uma metralhadora .50, arma geralmente empregada contra viaturas de qualquer tipo e contra a aviação inimiga.

À falta de armamento de maior potência na companhia de fuzileiros, o batalhão reforçava as companhias segundo as missões, com suas seções de metralhadoras pesadas e morteiros 81.


Evidentemente, a atual organização dá à companhia maior liberdade de ação em combate, maior autonomia.

Não se deve inferir daí, entretanto, que a organização tipo FEB tenha sido insuficiente para atuar nos idos de 40, na II Grande Guerra. O batalhão supriu essa necessidade.

A companhia de fuzileiros era mais fluída, menos pesada, mais leve, em detrimento, é lógico, de sua capacidade de combate.

Forçosamente, a mecanização, a blindagem, meios e princípios generalizados no modo de combater hoje, foram aperfeiçoando a organização atualmente existente.

Quanto a efetivo, a companhia tipo FEB possuía da ordem de 200 homens. Seus pelotões possuíam 41 homens, inclusive um 3º sargento orientador; fora o capitão comandante e o 1º tenente subcomandante, a seção de comando constava de 33 praças.

No que se refere a armamento, o fuzil (arma individual) usado era o Springfield ou Garand, hoje substituídos pelo FAL.

As metralhadoras eram leves – ponto 30, e pesadas – ponto 50.

Além disso, como já nos referimos anteriormente, a companhia possuía três morteiros 60, hoje distribuídos aos pelotões de fuzileiros.

Sobre transporte, a companhia possuía duas ou três viaturas ¼ de tonelada (jeep) para o comando da companhia e usadas para carregar o material do pelotão de petrechos, nos grandes deslocamentos.


O equipamento da Seção de Comando, inclusive os sacos de lona, eram transportados em viaturas do batalhão.

Parece-nos merecer especial enforque a questão do uniforme.

Era ele de lã verde-oliva, que resguardava o homem da inclemência do clima europeu, nos meses de inverno. Além da calça e blusa, foi distribuída uma jaqueta, à semelhança de nossa japona, porém oferecendo vantagens por ser de duas faces, uma delas forrada de lã que aquecia a contento.

Foram também distribuídas galochas de borracha que resguardavam os pés da friagem, evitando o conhecido problema do “pé-de-trincheira”. Para forrar o capacete, havia um gorro de lá que protegia a cabeça e os ouvidos do vento, da neve e do frio.

Aos motoristas, foi pago um par de óculos especiais de forma a proteger os olhos da neve e do vento quando na direção.

Em síntese muito ligeira, aqui estão elementos que constituíram características da companhia tipo FEB. Poderíamos entrar em outras minudências, lembrando, por exemplo, a capa branca, o forro branco da barraca, com o objetivo de mascarar, camuflar, no lençol branco que cobre a Itália nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro e outras peças que o Exército Norte-Americano, a quem cabia apoiar a FEB no aspecto, distribuiu às forças brasileiros.

Não julgo, porém, de real importância para o objetivo do trabalho e, por isso, passo a considerações sobre o emprego da companhia em combate.

III – Emprego


Não pretendemos examinar o emprego da companhia tipo FEB em todas as fases do combate.

Preferimos adiantar desde já que fugiu bastante ao que se ensina e se aprende na teoria. Na prática, as missões atribuídas às unidades eram bem superiores ao que normalmente se via nos manuais e se exercitava em paz. As frentes de ataque e de defesa, os objetivos a conquistar e as posições a guardar, a manter, distribuídas à companhia tipo FEB, eram mais amplas do que previam os regulamentos, aconselhavam os princípios táticos. Entretanto, eram missões ... E missões se cumprem com os meios disponíveis.

Atribuímos esse distanciamento da teoria o fato da escassez de forças no teatro de operações italiano, à situação em si. Essa não observância às possibilidades ideais da subunidade acarretava dificuldades no desenrolar do cumprimento da missão.

No âmbito do batalhão, provocava verdadeiros vazios entre as subunidades ao ameaçar os flancos. Dificultavam as ligações entre elas e o comando do batalhão se sentia algumas vezes sem poder influir sobre o combate dada a falta de ligações, pelo rádio 111, que falhava em momentos precioso para a conduta da operação.

No âmbito da companhia, entre os pelotões, ocorria o mesmo problema, pois nem o fio, nem o rádio, nem o mensageiro funcionavam a pleno êxito nessas oportunidades em que o bombardeio da artilharia e de morteiros inimigos era desfechado sobre a coluna atacante, sobre os núcleos de defesa de uma posição.

Em face desses problemas, ocorria também a pouca disponibilidade de meios para constituir a reserva, princípio que garante a manutenção do impulso na ofensiva, e na defensiva assegura o combate para a defesa de uma posição tomada ao inimigo.

Como exemplo gritante, citamos a ação de 21 de fevereiro de 1945, sobre Castelo, em que o comandante do I Batalhão do Regimento “Sampaio” usou um pelotão da 1ª Companhia como elemento de segurança imediata dos elementos de comando do batalhão que acompanhava o ataque, ficando assim aquela subunidade com dois pelotões somente para cumprir a missão que lhe fora atribuída, de atacar à retaguarda e à esquerda do dispositivo do batalhão, em ligação com os elementos mais da direita da 10ª Divisão de Montanha, que fora lançada sobre a crista do conjunto Belvedere - Monte Gorgolesco - Capela de Ronchidos – Della Torracia. E observe-se ainda que, para essa operação, o batalhão solicitou e obteve o reforço da 5ª Companhia (do capitão Waldir Moreira Sampaio) ao regimento de infantaria, fato também que não nos parecia muito usual na teoria, mas que, segundo sentiu o major comandante do I Batalhão, se tornava imprescindível para que o ataque fosse reanimado e crescesse de ímpeto, o que realmente ocorreu, com absoluta segurança.


Na defesa, quase sempre, os dispositivos eram muito dispersos, as frentes largas demais, determinando a leitura cuidadosa de um plano de fogos em que estes se cruzassem evitando vazios, trechos não batidos.

Os pelotões ocupavam pontos críticos não permitindo que guardássemos reservas no âmbito da companhia.

O batalhão quase sempre preferia suprir essa dificuldade, colocando uma companhia ou mesmo o pelotão em condições de atuar na frente vulnerável, ameaçada.

O problema, porém sempre existiu: frentes superiores às possibilidades dos meios, determinando cuidadosa vigilância, inclusive por meio de pequenas patrulhas à noite para evitar surpresas desagradáveis.

Sobre patrulhas, reservamos um item especial, dado seu largo emprego em campanha, em particular nos meses em que o inverno italiano obrigou aos aliados a fazerem uma parda na guerra de movimento, aproveitando para recompletarem seus efetivos, reorganizarem-se para a grande ofensiva da primavera, enquanto o degelo bloqueava as estradas.

IV – Patrulhas

Patrulha na região da Torre di Nerone, 1944.

Como todos sabem, os meses de defensiva na Itália tiveram como ações de movimento, agressivas, as conhecidas patrulhas do “pracinha”, que se infiltrava nas linhas inimigas em busca de informações, em busca de prisioneiros e para precisar melhor as posições que nos incomodavam de dia e à noite com tiros de metralhadoras e fogos de artifício, para irritar o nervo brasileiros que, a pouca distância, às vezes, chegava a sentir os preparativos e ouvir suas conversas no idioma alemão.

Segundo a missão que recebia, a patrulha se dizia:

- de Reconhecimento

- de Combate

- para fazer prisioneiro.

Prisioneiros alemães.

Não vamos definir os diferentes tipos de patrulha, convindo porém focalizar que a de combate normalmente tinha por missão “se possível” ocupar a posição inimiga, expulsando, destruindo ou capturando seus ocupantes e, por isso, era considerada de maior importância e de maior responsabilidade para os patrulheiros.

As patrulhas tanto se realizavam durante o dia como à noite, tudo em função dos fins a que deveriam servir ao escalão que as determinava.

Eram constituídas desde pequenas esquadras de ligação até o pelotão reforçado, que tinha por missão enfrentar o adversário (tendo em vista o combate para ocupar posição, desalojando dela o ocupante) ou capturar prisioneiro.

Normalmente, as patrulhas vinham em ordem escrita do batalhão, que agia por iniciativa própria ou por ordem do regimento.


Ao chegar a ordem à subunidade, os homens que constituiriam a patrulha eram cuidadosamente selecionados, segundo a missão a que seria levados.

O estudo da missão “ordem de patrulha” começava com a interpretação do documento, por parte, inicialmente, do comandante da companhia, e posteriormente, em conjunto com o oficial ou sargento designado.

Eram fatores a pesar nesse estudo os seguintes dados:

- missão

- terreno, principalmente o objetivo, o local até onde deveria chegar a patrulha, os itinerários de ida e de regresso, os acidentes mais importantes do terreno a percorrer, trechos minados etc.

- inimigo, natureza e efetivo do inimigo com que provavelmente os patrulheiros iriam encontrar.

Esse estudo era feito inicialmente na carta, e, posteriormente, no terreno, de um posto de observação (PO) de onde seria abarcada a maior extensão da área a percorrer. Quando possível, aos patrulheiros de maior responsabilidade no cumprimento da missão era mostrado no terreno o processo de como deveria cumprir sua tarefa no conjunto da patrulha.


Conforme a importância da missão, o batalhão acionava seus morteiros e o observador avançado da artilharia para apoiar a patrulha em caso de necessidade. Houve um pelotão que, durante uma “patrulha de ocupação” de dia, recebeu apoio de fogo de artilharia, que assegurou seu retorno às bases, isolando elementos inimigos que procuravam cercar, envolver a patrulha, mediante uma progressão protegida por pequena dobra do terreno. Não fosse o desencadeamento do fogo previsto e a patrulha teria sido severamente castigada por sua audácia em penetrar nas linhas inimigas em as conhecer devidamente.

Ao término da missão, de retorno às linhas inimigas, cabe ao comandante da patrulha fazer relatório oral pormenorizado ao comandante da companhia, que o transmite, imediatamente, ao comandante do batalhão, por intermédio do oficial de permanência, de forma que as informações se tornem úteis e não percam em sua validade por decurso de tempo.

O General Crittenberger, comandante do IV Corpo americano, aperta a mão do 3º Sgt. Onofre de Aguiar que acabou de retornar com a sua patrulha, novembro de 1944.

Além das informações orais, é feito um relatório por escrito o m ais explícito possível, registrando-se, de preferência, a natureza do inimigo, quanto a efetivo, armamento e missão.

Acompanha o relatório um croquis onde eram amarradas as resistências (PO e postos de comando, PC), com os meios de comunicação usados pelo inimigo.

Quanto a prisioneiros, estes não devem permanecer por muito tempo no PC da companhia. Devem ser encaminhados o mais cedo possível ao PC do batalhão.

Assim se procedia na Itália.

Em anexo, um Relatório de Patrulha, elaborado pelo então tenente Carlos Augusto de Oliveira Lima, comandante de uma patrulha, à base de pelotão reforçado.