Mostrando postagens com marcador União Soviética. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador União Soviética. Mostrar todas as postagens

domingo, 30 de maio de 2021

Como a Rússia capturou seu primeiro MKb-42(H)


Por Andrey Ulanov, Forgotten Weapons, 30 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de maio de 2021.

Quando um novo modelo de arma chega à frente de batalha, sempre existe o risco de ser capturado pelo inimigo. As forças armadas fazem de tudo para evitá-lo. Por exemplo, quando a URSS realizou testes comparativos da submetralhadora Sudaev (PPS) e uma nova versão da submetralhadora Shpagin (PPSh-2), Stalin assinou pessoalmente uma ordem ordenando que os testes fossem realizados na retaguarda com as unidades retiradas da linha de frente que tem experiência em combate. Independentemente disso, a ordem foi violada e as submetralhadoras de Sudaev foram testadas nas batalhas perto de Leningrado.

Sem dúvida, os alemães tomaram precauções semelhantes. Então, quem capturou e quando foi capturado o primeiro Maschinenkarabiner 42 alemão?

Algumas fontes russas afirmam que o primeiro MkB foi capturado em março de 1943. No entanto, esta informação ainda não foi confirmada por nenhum documento. Conduzindo minha própria pesquisa no Arquivo Central do MOD russo (conhecido como TsAMO), encontrei um relatório datado de junho de 1943 (fonte: fundo 81, arquivo de caso 87, "Correspondência sobre armas leves estrangeiras"), que nos permite restabelecer a linha do tempo de captura do primeiro Maschinenkarabiner 42. Ele é o seguinte:

“Ao Chefe do GAU KA (diretoria principal de artilharia do Exército Vermelho). Estou enviando o tenente-técnico N.N. Troitsky para entregar uma carabina automática alemã e 4 cartuchos para ela, que foram capturados no setor do 22º Exército perto da cidade de Holm em junho”.


Encontramos então o MKb42(H), número de série 1334, na documentação do campo de tiro de teste soviético, onde a carabina chegou no início de julho. Curiosamente, ele tinha apenas 3 cartuchos até então. Aparentemente, um cartucho foi imediatamente encaminhado para os especialistas em munição. Este MKb42(H) passou por pesquisas preliminares e testes em julho de 1943. Uma vez que os três cartuchos originais não eram remotamente suficientes para quaisquer fins de teste, o campo de teste foi ordenado a fabricar 500 cartuchos de munição compatível "recravando os cartuchos alemães e aparando as balas" no local.


O livro de Dieter Handrich, Sturmgewehr! From Firepower to Striking Power (Sturmgewehr! Do poder de fogo ao poder de ataque), indica que os testes militares do MKb-42(H) foram ordenados em abril de 1943. Como resultado, cerca de 2.000 unidades foram enviadas para o Heeresgruppe Nord, destinadas às seguintes divisões: 1ª, 11ª, 21ª, 93ª, 212ª divisões de infantaria e 18ª divisão Panzergrenadier. Na verdade, a lista real era um pouco diferente. Para nós, o detalhe mais interessante é que a 93ª divisão de infantaria recebeu 213 Maschinenkarabiner, dos quais 7 foram perdidos já em junho de 1943 (fonte: NARA T-315 R-1167 e T-312 R-600).

Como você provavelmente já deve ter adivinhado, a 93ª Divisão de Infantaria estava localizada na área da cidade de Holm, enfrentando o 22º Exército soviético. A linha de frente nesta área era relativamente estável, então enviar um lote de novas armas aqui para testes de combate certamente pareceu uma ótima ideia para o comando alemão. No entanto, os alemães não consideraram a alta atividade de razvedka, as unidades soviéticas de reconhecimento de campanha nesta área. Não muito diferente dos Rangers do Exército dos EUA, esses operadores altamente treinados com trajes ghillie, muitas vezes com experiência de caça na Sibéria, realizavam ataques rotineiramente atrás das linhas inimigas para explorar novas informações sobre as forças inimigas e trazer prisioneiros vivos para interrogatório. Seu objetivo secundário era impedir que seus colegas alemães fizessem o mesmo.


Em um dos relatórios do 22º Exército, descobri o seguinte episódio:

Em 22 de junho de 1943, um grupo de batedores do 820º Regimento de Infantaria liderado pelo 2º Ten Arkhipov descobriu uma emboscada armada por uma unidade de reconhecimento alemã. Apoiados por um pelotão de infantaria sob o comando do Tenente Ivushkin, os batedores soviéticos atacaram o grupo, eliminando 12 soldados alemães e capturando três (dois obergefreiters e um soldado). De acordo com o relatório de campanha soviético, o grupo pertencia ao 1º Batalhão, 272º Regimento da 93ª Divisão de Infantaria. O relatório também lista “quatro carabinas-metralhadoras” como troféus.

Durante o interrogatório subsequente, o prisioneiro Hugo Hinsche indicou que um pelotão especial de reconhecimento de batalhão foi formado no 1º batalhão do 272º regimento de granadeiros em maio de 1943. O pelotão era composto por 27 pessoas armadas com “carabinas-metralhadora do modelo de 1942”. Pode-se dizer com alto grau de certeza que foi o razvedka do 820º Regimento de Infantaria soviético que se tornaram os primeiros soldados aliados a apreenderem uma amostra desta tão procurada arma alemã. A história do 43º modelo de cartucho, fuzis de assalto Kalashnikov e tudo o mais começa com essas pessoas.

Bibliografia recomendada:

German Automatic Rifles 1941-45:
Gew 41, Gew 43, FG 42 and StG-44.
Chris McNab.

Leitura recomendada:



domingo, 23 de maio de 2021

GALERIA: O T-34/85 no Dia do Tanquista


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de maio de 2021.

O veterano T-34/85 na celebração do Dia do Tanquista (Дня танкиста / Dnya Tankista) na 4ª Divisão de Tanques de Guarda da Ordem de Lênin e da Bandeira Vermelha Kantemirovskaya, em Naro-Fominsk, no Oblast de Moscou, cerca de 70km a sudoeste de Moscou em setembro de 2019.

A divisão de elite é comumente chamada Kantemirovka; seu lema é "Honra e Glória"O Dia do Tanquista é comemorado na Rússia anualmente no segundo domingo de setembro. Reportagem fotográfica por Vitaly Kuzmin para o blog Vitaly Kuzmin Military Blog.


Os T-34 com os cocares do Exército Popular Laociano embarcados em trens com destino a Moscou, janeiro de 2019.

Em janeiro de 2019, o Laos entregou à Rússia seus 30 carros de combate T-34/85 como parte desta modernização. Seu estado era lastimável, inclusive com ninhos de pássaros em alguns deles. Estes T-34 veteranos, que foram fabricados na antiga Tchecoslováquia nos anos 1950, viajaram 4,500km por terra do Vietnã e por mar até Vladvostok, de onde foram transportados por ferrovia para Moscou. Sendo reformados por técnicos e engenheiros, eles são agora exibidos em desfiles e museus, também participando de filmes. (O blog tratou desse assunto aqui.)











Bônus

Tanque de Batalha Principal T-80UE-1 (Танк Т-80УЕ-1), o atual cavalo de batalha da Divisão Kantemirovka.

Bibliografia recomendada:

Battleground:
The Greatest Tank Duels in History.
Steven J. Zaloga.

Leitura recomendada:



segunda-feira, 10 de maio de 2021

FOTO: Soldado finlandês com uma DP-27

Soldado finlandês mirando com a metralhadora Degtyaryov (DP-27), frente de Hanko, Finlândia, por volta de 1941. Ele está usando um capacete alemão da Primeira Guerra Mundial. (SA-Kuva)

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


FOTO: Soldado russo da Wehrmacht31 de outubro de 2020.

Os mitos do Ostfront, 2 de novembro de 2020.

A Medalha da Carne congelada, 26 de dezembro de 2020.

domingo, 9 de maio de 2021

O longo caminho para a DP-27

Lord Tachanka com a metralhadora DP-27, Rainbow Six: Siege.
(Arte de @pumpkinnine)

Por Andrey Ulanov, Forgotten Weapons, 9 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de maio de 2021.

As forças armadas russas se familiarizaram com metralhadoras leves em 1904, à beira da Guerra Russo-Japonesa. Depois de testar algumas metralhadoras Madsen, o Exército decidiu fazer uma compra. No entanto, a maior parte do lote encomendado não chegou a tempo para a guerra, então, de acordo com algumas fontes, Madsens foram usadas pela primeira vez durante as rebeliões de 1905, tanto pelas tropas do governo quanto pelos rebeldes.

Daqui para frente, o exército russo concentrou seus esforços em metralhadoras pesadas devido à capacidade limitada da indústria russa de produção de armas. Na época, havia apenas uma fábrica capaz de fabricar equipamentos militares de alta tecnologia (e no início do século XX, metralhadoras eram definitivamente consideradas de alta tecnologia), localizada em Tula, a potência armamentista da Rússia desde 1595.


Como a Grande Guerra tornou a necessidade de uma metralhadora leve muito clara, o Império decidiu construir uma nova fábrica em Kovrov usando a ajuda do sindicato dinamarquês (tais como equipamentos e engenheiros). Infelizmente, a turbulência revolucionária de 1917 não permitiu que a fábrica fosse concluída quando os dinamarqueses fugiram do país, levando a maior parte do equipamento com eles, de modo que a Madsen nunca se tornou a metralhadora russa ou soviética.

O recém-formado Exército Vermelho Soviético inicialmente tentou seguir o caminho alemão criando a Maxim-Tokarev, uma versão leve da metralhadora Maxim, semelhante às metralhadoras leves alemãs da Primeira Guerra Mundial. No entanto, os primeiros lotes atraíram muitas críticas dos tropas. Apesar de alguns deles poderem ser atribuídos às dificuldades iniciais de produção, normais no desenvolvimento de uma nova arma, o Exército Vermelho considerou que a Maxim-Tokarev tinha “pouco potencial”. Era pesada (não é uma boa característica para uma metralhadora leve) e complexa. Todas as melhorias posteriores levaram à perda de semelhança com a Maxim original e, conseqüentemente, tornaram a produção ainda mais complexa. A situação exigia o desenho de uma nova metralhadora leve do zero.

Metralhadora leve Maxim-Tokarev.

Na época, os soviéticos tinham um ótimo relacionamento com a República de Weimar e consideravam as metralhadoras leves alemãs muito promissoras. Dez amostras foram adquiridas, incluindo alguns modelos montados em tanques. Embora não possamos saber exatamente, essas eram provavelmente as versões experimentais da MG-13.

No entanto, em pouco tempo o comando do Exército Vermelho tinha uma nova opção doméstica. O Degtyarev DP-27 foi projetado por Vasily Degtyarev, um discípulo do General Vladimir Fedorov do famoso fuzil “Fedorov Avtomat”. Depois de criar vários protótipos, os projetistas se estabeleceram no esquema testado e confiável de recuo livre por gás (blowback, recuo simples).

Metralhadora leve Fedorov experimental.

A escolha do sistema de alimentação não foi tão simples. O formato e o anel do cartucho padrão russo 7,62x54R o tornava inadequado para alimentação em carregador de cofre ou em cinta. Os cartuchos do fuzil .303 britânico e do velho Lebel francês 8x50R tinham o mesmo problema. Fedorov tentou convencer a liderança a adotar o cartucho japonês 6.5x50mmSR Arisaka, mas sem sucesso. No final, o Comando decidiu ficar com o bom e velho 7,62x54R. Projetar um carregador tipo cofre confiável para isso parecia quase impossível, e as cintas de munição de tecido tiveram sua própria cota de problemas no frio e na chuva da Rússia (os soviéticos não seriam capazes de produzir cintas de metal até a Segunda Guerra Mundial). Então, Degtyarev optou por um carregador de tambor, que não apenas podia alimentar cartuchos 7,62x54R de maneira confiável, mas também continha 47 cartuchos, muito mais cartuchos do que os carregadores de cofre padrão de 20 ou 30 cartuchos de metralhadoras leves concorrentes.

Por outro lado, o sistema de alimentação de tambor também apresentava muitas falhas. Os testadores do Exército observaram um “peso morto” excessivo (muito metal por cartucho). Os tambores também eram complexos e caros de fabricar. Em combate, compartilhar munição entre soldados e recarregar sob fogo também estava longe de ser simples. Mesmo antes da Segunda Guerra Mundial, o Exército Vermelho trabalhou arduamente para projetar uma alternativa confiável para a alimentação da DP-27, testando uma variedade de abordagens, desde a instalação de alimentadores de cinta modulares e carregadores tipo cofre montados por cima até a cópia de sistemas japoneses de alimentação por clipe a partir de modelos capturados durante as batalhas de Khalkhin Gol em 1939.

DP-27 experimental com carregador tipo cofre por cima.

Em algum momento, o modelo de Goryunov-Voronkov-Goryunov (sim, dois Goryunovs diferentes) foi desenvolvido. Era uma metralhadora leve alimentada por cinta e estava pronta para teste mesmo antes da guerra, mas nunca entrou em produção e seu desenho mais tarde contribuiu para o SG-43, a metralhadora pesada de maior sucesso da Rússia na Segunda Guerra Mundial.

Goryunov-Voronkov-Goryunov.

Depois de 22 de junho de 1941, um fluxo constante de reclamações de soldados sobre a DP começou na linha de frente. A maioria delas considerava as questões relacionadas ao tambor, mas algumas eram novas. Os militares reclamaram do acúmulo de carbono no sistema de gás e nas molas de recuo, que muitas vezes falhavam devido ao superaquecimento, pois eram montadas diretamente sob o cano resfriado a ar. Em 1942, a URSS realizou uma competição para uma nova metralhadora leve. A metralhadora RPS de Simonov venceu e um pequeno lote foi produzido, mas nunca entrou em produção em massa. Em 1943, a metralhadora leve de Kalashnikov foi testada no campo de tiro, mas falhou em alimentar de forma confiável o 7,62x54R de um carregador de cofre de alta capacidade montado embaixo. Definitivamente, um momento de "eu avisei" para Degtyarev.

RP-46, modernização alimentada por cinta do DP-27.

Como resultado, nenhuma nova metralhadora leve calibrada em cartucho de fuzil foi adotada. A DP foi modernizado como DPM, com uma empunhadura de pistola mais confortável, novos bipés e uma mola de recuo movida para um local mais fresco na parte de trás do cano. Ela até recebeu um mecanismo de alimentação por cinta, que poderia ser instalado em vez de um tambor padrão, e foi renomeada como metralhadora RP-46. No entanto, à medida que o país entrava na era dos cartuchos intermediários, as metralhadoras leves calibradas em cartuchos de fuzil tornaram-se uma coisa do passado e Degtyarev passou a projetar a RPD-44, uma das metralhadoras leves mais conhecidos da Rússia em todo o mundo.

Paraquedista sul-vietnamita com uma RPD-44 capturada durante uma varredura perto do antigo cemitério francês de Saigon, parte da Ofensiva de Maio (Fase II do Tet), 7 de maio de 1968.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

MG 34 and MG 42 Machine Guns.
Chris McNab.

Leitura recomendada:

sábado, 8 de maio de 2021

GALERIA: Snipers soviéticos no Afeganistão


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de maio de 2021.

Coletânea de fotografias de snipers soviéticos no Afeganistão. Nessa época, o exército soviético usava um único modelo, o SVD (Snáyperskaya Vintóvka sistém'y DragunóvaFuzil Sniper modelo de Dragunov); este fuzil foi o primeiro fuzil projetado para o tiro de precisão. Os soviéticos optaram por um fuzil sniper de uso geral, semi-automático e com um retém de baioneta por conta da sua experiência de guerra urbana contra o Eixo e pela sua tradição de culto à baioneta, ao invés de um fuzil muito especializado. A experiência soviética ditava que os combates eram rápidos, com alvos aparecendo por pouco tempo em janelas e esqueinas, e que o combate aproximado era comum mesmo para snipers (que, não raro, carregavam submetralhadoras como arma secundária em combate urbano).

snayperskaya, o culto ao sniper, se mantinha e equipes snipers eram alocadas pelas unidades, especialmente em nas unidades de reconhecimento, que eram onipresentes nas formações soviéticas e muito utilizadas no Afeganistão.

Sargento Vladimir Ilyin, reivindicando a morte de um chefe mujahideen de uma distância de 1.350m, sendo o atirador com o abate de mais longa distância na Guerra do Afeganistão (1979-1989).




Com o bipé.






















Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada: