Mostrando postagens com marcador América Central. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador América Central. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 3 de junho de 2021

A estratégia do México


Por George Friedman, Stratfor, 21 de agosto de 2012.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de junho de 2021.

Há alguns anos, escrevi sobre a possibilidade do México se tornar um Estado falido devido ao efeito dos cartéis sobre o país. O México pode ter chegado perto disso, mas se estabilizou e tomou um rumo diferente - de crescimento econômico impressionante em face à instabilidade.


Economia mexicana

A discussão da estratégia nacional normalmente começa com a questão da segurança nacional. Mas uma discussão sobre a estratégia do México deve começar com a economia. Isso porque o vizinho do México são os Estados Unidos, cujo poderio militar na América do Norte nega opções militares ao México que outras nações possam ter. Mas a proximidade com os Estados Unidos não nega as opções econômicas do México. Na verdade, embora os Estados Unidos superem o México do ponto de vista da segurança nacional, eles oferecem possibilidades de crescimento econômico.

O México é agora a 14ª maior economia do mundo, logo acima da Coreia do Sul e logo abaixo da Austrália. Seu produto interno bruto foi de US$ 1,16 trilhão em 2011. Ele cresceu 3,8% em 2011 e 5,5% em 2010. Antes de uma grande contração de 6,9% em 2009 após a crise de 2008, o PIB do México cresceu em média 3,3% nos cinco anos entre 2004 e 2008. Quando analisado em termos de paridade de poder de compra, uma medida do PIB em termos de poder de compra real, o México é a 11ª maior economia do mundo, logo atrás da França e da Itália. Também está previsto um crescimento um pouco abaixo de 4 por cento novamente este ano [2012], apesar da desaceleração das tendências econômicas globais, graças em parte ao aumento do consumo nos EUA.


O tamanho e o crescimento econômicos totais são extremamente importantes para o poder nacional total. Mas o México tem um único problema econômico profundo: de acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o México tem o segundo maior nível de desigualdade entre os países membros. Mais de 50% da população do México vive na pobreza e cerca de 14,9% de sua população vive em extrema pobreza, o que significa que têm dificuldade em garantir o necessário para a vida. Ao mesmo tempo, o México é o lar do homem mais rico do mundo, o magnata das telecomunicações Carlos Slim.

O México ficou em 62º lugar no PIB per capita em 2011; a China, por outro lado, ficou em 91º lugar. Ninguém contestaria que a China é uma potência nacional significativa. Poucos contestariam que a China sofre de instabilidade social. Isso significa que, em termos de avaliação do papel do México no sistema internacional, devemos olhar para os números agregados. Dados esses números, o México entrou nas fileiras das principais potências econômicas e está crescendo mais rapidamente do que as nações à sua frente. Quando olhamos para a distribuição da riqueza, a realidade interna é que, como a China, o México tem fraquezas profundas.

O principal problema estratégico para o México é o potencial de instabilidade interna impulsionada pela desigualdade. O norte e o centro do México têm o índice de desenvolvimento humano mais alto, quase no nível europeu, enquanto os estados montanhosos do extremo sul estão bem abaixo desse nível. A desigualdade mexicana é definida geograficamente, embora mesmo as regiões mais ricas tenham bolsões significativos de desigualdade. Devemos lembrar que esta não é uma desigualdade gradiente no estilo ocidental, mas uma desigualdade de penhasco, onde os pobres vivem vidas totalmente diferentes até mesmo da classe média.


O México está usando ferramentas clássicas para gerenciar esse problema. Como a pobreza impõe limites ao consumo doméstico, o México é um exportador. Exportou US$ 349,6 bilhões em 2011, o que significa que obtém pouco menos de 30% de seu PIB das exportações. Isso está um pouco acima do nível chinês e cria uma grave vulnerabilidade na economia do México, uma vez que se torna dependente do apetite de outros países por produtos mexicanos.

Isso é agravado pelo fato de que 78,5% das exportações do México vão para os Estados Unidos. Isso significa que 23,8% do PIB do México depende do apetite dos mercados americanos. Por outro lado, 48,8 por cento de suas importações vêm dos Estados Unidos, tornando-se uma relação assimétrica. Embora ambos os lados precisem das exportações, o México deve tê-las. Os Estados Unidos se beneficiam deles, mas não na mesma ordem.

Relações com os Estados Unidos


Isso leva ao segundo problema estratégico do México: seu relacionamento com os Estados Unidos. Quando olhamos para o início do século XIX, não estava claro se os Estados Unidos seriam a potência dominante na América do Norte. Os Estados Unidos eram um país pequeno e mal integrado que abrangia a Costa Leste. O México era muito mais desenvolvido, com um exército e uma economia mais substanciais. À primeira vista, o México deveria ser a potência dominante na América do Norte.

Mas o México teve dois problemas. O primeiro foi a instabilidade interna causada pelos fatores sociais que permanecem em vigor, ou seja, a enorme desigualdade de foco regional do México. A segunda foi que as terras ao norte da linha do Rio Grande (chamadas de Rio Bravo del Norte pelos mexicanos) eram pouco povoadas e difíceis de defender. O terreno entre o coração do México e os territórios do norte, do Texas à Califórnia, era difícil de alcançar pelo sul. O custo de manter uma força militar capaz de proteger essa área era proibitivo.

Do ponto de vista americano, o México - e particularmente a presença mexicana no Texas - representava uma ameaça estratégica aos interesses americanos. O desenvolvimento da Compra da Louisiana no celeiro dos Estados Unidos dependeu do sistema do rio Ohio-Mississippi-Missouri, que era navegável e o principal meio de exportação. O México, com sua fronteira no rio Sabine separando-o da Louisiana, foi posicionado para cortar o Mississippi. A necessidade estratégica de garantir acessos marítimos através do Caribe à vulnerável costa leste mexicana colocou o México em conflito direto com os interesses dos EUA.

Exército mexicano tomando de assalto o Alamo, 6 de março de 1836. A cena mostra a morte do líder texiano William B. Travis, comandante da guarnição americana.
(Angus McBride / Osprey Publishing)

A decisão do presidente dos Estados Unidos, Andrew Jackson, de enviar Sam Houston em uma missão secreta ao Texas para fomentar um levante de colonos americanos foi baseada em parte em sua obsessão por Nova Orleans e o rio Mississippi, pelo qual Jackson lutou em 1815. A insurreição no Texas foi combatida por um exército mexicano que se deslocou para o norte, para o Texas. O problema é que o exército mexicano, formado em grande parte pelos elementos mais pobres da sociedade mexicana do sul daquele país, teve que passar pelo deserto e pelas montanhas da região e sofrer com o frio extremo e com neve. Os soldados mexicanos chegaram exaustos a San Antonio e, embora derrotassem a guarnição ali, não foram capazes de derrotar a força em San Jacinto (perto da atual Houston) e eles próprios foram derrotados.

A região que separava o coração do Texas do México era uma barreira para o movimento militar que minava a capacidade do México de manter seu território ao norte. A fraqueza geográfica do México - esta região hostil juntamente com linhas costeiras longas e difíceis de defender e nenhuma marinha - estendia-se para o oeste até o Pacífico. Isso criou uma fronteira que tinha duas características. Tinha pouco valor econômico e era inerentemente difícil de policiar devido ao terreno. Ele separou os dois países, mas se tornou um ponto de atrito de baixo nível ao longo da história, com contrabando e banditismo de ambos os lados em vários momentos. Era uma fronteira perfeita no sentido de que criava um tampão, mas era um problema contínuo porque não podia ser facilmente controlada.

O problema geográfico do México


A derrota no Texas e durante a Guerra Mexicano-Americana custou ao México seus territórios do norte. Isso criou um problema político permanente entre os dois países, que o México não conseguiu remediar com eficácia. A derrota nas guerras continuou a desestabilizar o México. Embora os territórios do norte não fossem centrais para os interesses nacionais do México, sua perda criou uma crise de confiança em regimes sucessivos que irritou ainda mais o problema social central da desigualdade maciça. Durante o último século e meio, o México viveu com um complexo de inferioridade e ressentimento em relação aos Estados Unidos.

A guerra criou outra realidade entre os dois países: uma fronteira que era uma entidade única, parte de ambos os países e parte de nenhum deles. A geografia da fronteira derrotou o exército mexicano. Agora se tornou uma fronteira que nenhum dos lados poderia controlar. Durante a agitação em torno da Revolução Mexicana, tornou-se um refúgio para figuras como Pancho Villa, perseguido pelo general americano John J. Pershing depois que Villa invadiu cidades americanas. Não seria justo chamá-lo de terra de ninguém. Era uma terra de todos, com regras próprias, frequentemente violentas, nunca suprimidas.

O tráfico de drogas substituiu o roubo de gado do século XIX, mas o princípio essencial permanece o mesmo. Cocaína, maconha e várias outras drogas estão sendo enviadas para os Estados Unidos. Todos são importados ou produzidos no México a baixo custo e depois reexportados ou exportados para os Estados Unidos. O preço nos Estados Unidos, onde os produtos são ilegais e muito procurados, é substancialmente mais alto do que no México. Isso significa que o diferencial de preço entre as drogas no México e nos Estados Unidos cria um mercado atraente. Isso normalmente acontece quando um país proíbe um produto amplamente desejado prontamente disponível em um país vizinho.


Isso cria um fluxo substancial de riqueza para o México, embora o tamanho exato desse fluxo seja difícil de avaliar. O valor exato do comércio internacional é incerto, mas um número freqüentemente usado é de US$ 40 bilhões por ano. Isso significaria que as vendas de narcóticos representam um acréscimo de 11,4% ao total das exportações. Mas isso subestima a importância dos narcóticos, porque as margens de lucro tenderiam a ser muito maiores nas drogas do que nos produtos industriais. Supondo que a margem de lucro das exportações legais seja de 10% (uma estimativa muito alta), as exportações legais gerariam cerca de US$ 35 bilhões por ano em lucros. Supondo que a margem sobre as drogas seja de 80%, o lucro com elas é de US$ 32 bilhões por ano, quase igualando os lucros das exportações legais.

Esses números são apenas palpites, é claro. A quantidade de dinheiro devolvida ao México em vez de mantida nos EUA ou em outros bancos é desconhecida. O valor exato do comércio é incerto e as margens de lucro são difíceis de calcular. O que se pode saber é que o comércio é provavelmente um estimulante não-oficial da economia mexicana, gerado pelo diferencial de preços criado pela proibição das drogas.

A vantagem para o México também cria um problema estratégico para o México. Dado o dinheiro em jogo e que o sistema legal é incapaz de suprimir ou regular o comércio, a região fronteiriça tornou-se novamente - talvez agora mais do que nunca - uma região de guerra contínua entre grupos que competem para controlar o movimento de narcóticos para os Estados Unidos. Em grande medida, os mexicanos perderam o controle dessa fronteira.


Do ponto de vista mexicano, esta é uma situação administrável. A região fronteiriça é distinta do coração do México. Contanto que a violência não oprima o coração, é tolerável. A entrada de dinheiro não ofende o governo mexicano. Mais precisamente, o governo mexicano tem recursos limitados para reprimir o comércio e a violência, e sua existência traz benefícios financeiros. A estratégia mexicana é tentar bloquear a propagação da ilegalidade no México propriamente dito, mas aceitar a ilegalidade em uma região que historicamente não tem lei.

A posição americana é exigir que os mexicanos enviem forças para reprimir o comércio. Mas nenhum dos lados tem força suficiente para controlar a fronteira, e a demanda é mais por gestos do que por ações ou ameaças significativas. Os mexicanos já enfraqueceram suas forças armadas ao tentar enfrentar o problema, mas não vão quebrar suas forças armadas tentando controlar uma região que os destruiu no passado. Os Estados Unidos não vão fornecer força suficiente para controlar a fronteira, pois o custo seria enorme. Cada um, portanto, viverá com a violência. Os mexicanos argumentam que o problema é que os Estados Unidos não podem suprimir a demanda e não querem destruir os incentivos baixando os preços por meio da legalização. Os americanos dizem que os mexicanos devem erradicar a corrupção entre as autoridades mexicanas e as forças de segurança. Ambos têm argumentos interessantes, mas nenhum deles tem nada a ver com a realidade. Controlar esse terreno é impossível com um esforço razoável e ninguém está preparado para fazer um esforço irracional.


Outro aspecto é a movimentação de migrantes. Para os mexicanos, o movimento de migrantes faz parte de sua política social: tira os pobres do México e gera remessas. Para os Estados Unidos, isso proporcionou uma fonte consistente de mão-de-obra de baixo custo. A fronteira tem sido o local incontrolável por onde passam os migrantes. Os mexicanos não querem impedir isso, e nem, no final das contas, os americanos.

A retórica do duelo entre os Estados Unidos e o México esconde os fatos subjacentes. O México é hoje uma das maiores economias do mundo e um importante parceiro econômico dos Estados Unidos. A desigualdade no relacionamento vem da desigualdade militar. As forças armadas dos EUA dominam a América do Norte e os mexicanos não estão em posição de desafiar isso. A região fronteiriça apresenta problemas e alguns benefícios para cada um, mas nenhum dos dois está em posição de controlar a região, independentemente da retórica.


O México ainda precisa lidar com seu problema central, que é manter sua estabilidade social interna. No entanto, está começando a desenvolver questões de política externa além dos Estados Unidos. Em particular, está desenvolvendo interesse em administrar a América Central, possivelmente em colaboração com a Colômbia. Sua finalidade, ironicamente, é o controle de imigrantes ilegais e o contrabando de drogas. Esses não são movimentos triviais. Não fosse pelos Estados Unidos, o México seria uma grande potência regional. Dado os Estados Unidos, o México deve administrar esse relacionamento antes de qualquer outro.

Dado o dramático crescimento econômico do México e com o tempo, essa equação mudará. Com o tempo, esperamos que haja duas potências significativas na América do Norte. Mas, no curto prazo, os problemas estratégicos tradicionais do México permanecem: como lidar com os Estados Unidos, como conter a fronteira setentrional e como manter a unidade nacional em face da potencial agitação social.


Bibliografia recomendada:

Latin American Wars: The Age of the Caudillo 1791-1899.
Robert L. Scheina.

Latin American Wars: The Age of the Professional Soldiers 1900-2001.
Robert L. Scheina.

Leitura recomendada:



FOTO: Guerrilheira Mascarada31 de março de 2020.



sábado, 2 de janeiro de 2021

FOTO: O fuzil sniper PSL na Nicarágua

Sniper nicaraguenses de operações especiais da polícia armado com o PSL (Puşcă Semiautomată cu Lunetă) em patrulha em Monimbo, bairro da cidade de Masaya, durante manifestações anti-Ortega em 18 de julho de 2018.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de janeiro de 2021.

O fuzil de precisão Puşcă Semiautomată cu Lunetă (P.SA.L./PSL, literalmente "fuzil semi-automático com luneta") é uma arma romena inspirada no SVD Dragunov russo, mas com o mecanismo do fuzil-metralhador RPK (PM md. 1964, versão romena idêntica). Esse fuzil foi visto na Nicarágua durante os protestos contra o ditador-presidente José Daniel Ortega Saavedra. 

Daniel Ortega governa o país direta ou indiretamente por 42 anos, desde a vitória sandinista sobre Somoza em julho de 1979, e as manifestações populares de 2018 foram reprimidas com violência. Em maio de 2018, as estimativas do número de mortos chegavam a 63, muitos deles estudantes manifestantes, e os feridos totalizavam mais de 400. Após uma visita de trabalho de 17 a 21 de maio, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos adotou medidas cautelares destinadas a proteger os integrantes do movimento estudantil e suas famílias, após testemunhos indicarem que a maioria deles havia sofrido atos de violência e ameaças de morte por sua participação. Em 18 de julho de 2018 iniciaram-se manifestações em massa em mais de 2 mil cidades nicaraguenses, sendo reprimidas violentamente. Em 2019, os mortos já se elevavam a 325, a maioria por armas de fogo das forças policiais, mais de 1.400 feridos e mais de 690 detidos.

Ortega expulsou do país o escritório do alto comissário de direitos humanos das Nações Unidas (United Nations High Commissioner for Human Rights, OHCHR) e a comissão interamericana de direitos humanos (Inter-American Commission on Human Rights, IACHR) por denunciarem a mão pesada do governo sandinista.

Operadores especiais da polícia nicaraguense durante as manifestações de 18 de julho de 2018. O operador à esquerda tem um PSL.

Desde a madrugada de 25 de fevereiro de 2020, a Polícia da Nicarágua manteve todas as entradas de Manágua tomadas no mesmo dia em que a oposição ao regime de Daniel Ortega pretendia se manifestar para exigir a libertação de presos políticos. Nos postos de controle, os policiais requisitam veículos particulares, ônibus e detinham pessoas para questioná-las sobre os motivos de sua visita à capital. Em vários lugares, a polícia agrediu cidadãos que protestavam e manifestavam seu desacordo com o governo autoritário de Ortega e nessas ações policiais e grupos civis ou paramilitares vinculados ao sandinismo agrediram e ameaçaram jornalistas. A violência contra jornalistas e membros eclesiásticos continuou em julho de 2020.

O impasse dos protestos ainda continua em 2021.

Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A history of the Military Sniper,
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

VÍDEO: Helicóptero Blackhawk americano resgatando famílias hondurenhas

Tripulação do helicóptero HH-60 Black Hawk do Exército Americano do 1-228º Regimento de Aviação, Força Tarefa Conjunta-Bravo (1-228th Aviation Regiment, Joint Task Force-Bravo), salva uma menina e duas famílias hondurenhas perdidas em uma ilha após uma enchente, 23 de novembro de 2020.

Leitura recomendada:

FOTO: CLAnf filipino durante uma enchente13 de novembro de 2020.

Helicópteros de ataque australianos resgatam náufragos em uma ilha deserta no Pacífico, 4 de agosto de 2020.


domingo, 30 de agosto de 2020

Quando a China se instala na América Latina

Por Nashidil RouiaïDario Ingiusto, Areion24, 15 de janeiro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de agosto de 2020.

A China tornou-se em poucos anos um importante parceiro econômico e financeiro dos países da América Latina e do Caribe. Vários estados da região adotaram, portanto, o principal programa da República Popular no comércio e infraestrutura mundial, a “Nova Rota da Seda”.

Há muito tempo considerada o quintal dos Estados Unidos, a América Latina e o Caribe gradualmente se voltaram para a China. No espaço de uma década, a China se tornou seu segundo maior parceiro comercial, com o volume de comércio de mercadorias aumentando de US$ 12 bilhões para US$ 307,4 bilhões entre 2000 e 2018.

Cartografia de Dario Ingiusto.

A República Popular também é o principal credor dos países latino-americanos. O valor de seus empréstimos superou o do financiamento do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento. Entre 2008 e 2018, mais de US$ 153 bilhões foram emprestados por Pequim, grande parte para o Brasil e a Venezuela. A China deseja garantir os recursos estratégicos úteis para as suas necessidades internas, em primeiro lugar hidrocarbonetos, recursos minerais e produção de alimentos. Assim, 88% dos empréstimos referem-se a projetos de energia e infraestrutura.

Essa estratégia permite que as empresas chinesas entrem em novos mercados. Várias barragens e usinas hidrelétricas foram construídas por empresas chinesas na floresta amazônica e na Patagônia. E enquanto milhares de quilômetros de ferrovias estão em construção no Brasil, Peru e Venezuela, chineses e argentinos negociaram em março de 2019 a construção de uma instalação nuclear de 8 bilhões de dólares em Atucha, na província de Buenos Áreas. Espera-se que esses grandes projetos continuem: quinze países da região foram integrados à iniciativa da “Nova Rota da Seda”, e a Jamaica e o Peru ratificaram protocolos de intenção em abril de 2019. Embora eles sejam bem recebidos por atores econômicos regionais, esses projetos são alvo de críticas de populações locais e associações ambientalistas.

A presença chinesa também envolve tecnologia. Desde 2017, a Bolívia lançou um sistema de resposta a desastres naturais desenvolvido por uma empresa chinesa e financiado por um empréstimo de Pequim. Enquanto o Equador adotou a vigilância de espaços públicos desenvolvida pela China, a Venezuela usa tecnologia chinesa por meio de um documento de identidade emitido em janeiro de 2017. Esse “caderno da pátria” tornou-se necessário para se beneficiar da ajuda social concedida pelas autoridades, mas ativistas de direitos humanos denunciam seu uso para fins de vigilância ou para invadir a vida privada. Do ponto de vista cultural, a República Popular está suprindo sua falta de influência com o estabelecimento de Institutos Confúcio, inclusive em parceria com universidades locais. Em agosto de 2019, eram 43, incluindo 10 no Brasil. Além de aumentar seu poder sobre uma região onde os Estados Unidos têm uma influência histórica, Pequim também está assumindo uma liderança decisiva sobre Taiwan, já que os últimos aliados globais de Taipei estão principalmente na América Latina.

Bibliografia recomendada:

China versus Ocidente:
O deslocamento do poder global no século XXI.

Leitura recomendada:


O coronavírus pode ser o fim da China como centro global de fabricação, 10 de março de 2020.

A China está cada vez mais preocupada com "humilhação" à medida que o Japão financia o êxodo de empresas19 de agosto de 2020.

França interrompe ratificação de tratado de extradição com Hong Kong após lei de segurança5 de agosto de 2020.

China lança lições de patriotismo para jovens rebeldes de Hong Kong21 de julho de 2020.

A China está preenchendo a lacuna do tamanho da África na estratégia dos EUA14 de março de 2020.

Viva Laos Vegas - O Sudeste Asiático está germinando enclaves chineses13 de maio de 2020.

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

FOTO: Kaibiles na inauguração da Escuela de Comandos

Kaibiles durante a abertura da Escuela de Comandos (Escola de Comandos), em 5 de dezembro de 1974. À esquerda da insígnia Kaibil, o futuro General Pablo Nuila Hub. 

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de agosto de 2020.

A Escola de Comandos, em Melchor de Mencos, na Guatemala, foi renomeada três meses depois como Centro de Adiestramiento y Operaciones Especiales Kaibil (Centro de Adestramento e Operações Especiais Kaibil). Em 12 de janeiro de 1989, a escola foi transferida para Poptún, ainda no departamento de Petén.

Os Kaibiles atualmente estão inseridos na Brigada de Operaciones Especiales "General de Brigada Pablo Nuila Hub":
  • Batallón de Fuerzas Especiales “Kaibiles”;
  • Brigada de Paracaidistas "General Felipe Cruz";
  • I Batallón de Paracaidistas;
  • II Batallón de Paracaidistas;
  • Escuela Militar de Paracaidismo.
Bibliografia recomendada:

Los Kaibiles.
General Jorge Antonio Ortega Gaytán.

Leitura recomendada:







terça-feira, 21 de abril de 2020

FOTO: Soldados caribenhos

Soldado jamaicano (esquerda) armado com um FAL australiano L1A1 e um soldado do Royal Bermuda Regiment com um Ruger Mini-14, durante um exercício conjunto na Jamaica.

Um membro da Força de Defesa Jamaicana (Jamaican Defense Forcedesignado para escoltar um pelotão do Regimento Real das Bermudas (Royal Bermuda Regiment, RBR), treinando nas Montanhas Azuis da Jamaica em 1996. Cada pelotão do Regimento das Bermudas foi designado um soldado jamaicano para agir em seu nome em caso de qualquer dificuldade com civis jamaicanos. Soldados das Bermudas não têm autoridade na Jamaica, mas soldados jamaicanos possuem determinados poderes de polícia.

Leitura recomendada:


Garands a Serviço do Rei18 de abril de 2020.


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

FOTO: Forças de Defesa do Caribe Oriental em Granada

Militares da Força de Defesa do Caribe Oriental, armados com fuzis FN FAL, empilham armas capturadas aos granadinos durante a Operação Urgent Fury, 1983. A pilha contém fuzis AK-47 e SKS soviéticos.


Bibliografia recomendada:

Urgent Fury:
The Battle for Grenada.
The Truth Behind the Largest U.S. Military Operation Since Vietnam.
Major Mark Adkin.

Leitura recomendada:

FOTO: Soldados caribenhos, 21 de abril de 2020.

FN FAL: “O Braço Direito do Mundo Livre”14 de janeiro de 2020.

Um breve comentário sobre o FN FAL21 de fevereiro de 2020.

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?4 de janeiro de 2020.

Um olhar mais profundo sobre a interferência militar dos EUA na Venezuela4 de abril de 2020.